E. de Máquinas - 145183 - elementos de fixa??o sup

E. de Máquinas - 145183 - elementos de fixa??o sup

FIXAÇÃO MECÂNICA

  • FIXAÇÃO MECÂNICA

  • PARAFUSOS:

  • Parafusos, porcas e arruelas são peças metálicas de vital importância na união e fixação dos mais diversos elementos de máquina.

  • Em mecânica, ele é empregado para unir e manter juntas peças de máquinas,

  • geralmente formando conjuntos com porcas e arruelas.

  • Por sua importância, a especificação completa de um parafuso e sua porca engloba os mesmos itens cobertos pelo projeto de um elemento de máquina, ou seja: material, tratamento térmico, dimensionamento, tolerâncias, afastamentos e acabamento.

O parafuso é formado por um corpo cilíndrico roscado e por uma cabeça que pode ser hexagonal, sextavada, quadrada ou redonda.

  • O parafuso é formado por um corpo cilíndrico roscado e por uma cabeça que pode ser hexagonal, sextavada, quadrada ou redonda.

Materiais:

  • Materiais:

  • Em geral, os parafusos são fabricados em aço de baixo e médio teor de carbono, por meio de forjamento ou usinagem. Os parafusos forjados são opacos e os usinados, brilhantes. As roscas podem ser cortadas ou laminadas.

  • Aço de alta resistência à tração, aço-liga, aço inoxidável, latão e outros metais ou ligas não-ferrosas podem também ser usados na fabricação de parafusos. Em alguns casos, os parafusos são protegidos contra a corrosão por meio de galvanização ou cromagem.

Dimensão dos parafusos:

  • Dimensão dos parafusos:

  • As dimensões principais dos parafusos são:

  • • diâmetro externo ou maior da rosca;

  • • comprimento do corpo;

  • • comprimento da rosca;

  • • altura da cabeça;

  • • distância do hexágono entre planos e arestas.

  • O comprimento do parafuso refere-se ao comprimento do corpo.

Carga dos parafusos:

  • Carga dos parafusos:

  • A carga total que um parafuso suporta é a soma da tensão inicial, isto é, do aperto e da carga imposta pelas peças que estão sendo unidas. A carga inicial de aperto é controlada, estabelecendo-se o torque-limite de aperto. Nesses casos, empregam-se medidores de torque especiais (torquímetros).

  • Os parafusos são projetados para suportar a cargas de tração, devendo-se evitar que eles trabalhem em situações de corte (esforço cortante atuando).

  • No caso da existência de esforços cortantes na estrutura onde são colocados os parafusos, é necessário que a força de atrito entre as peças ligadas equilibre ou exceda a força de corte aplicada.

Quando o parafuso trabalha ao corte:

  • Quando o parafuso trabalha ao corte:

Ao unir peças com parafusos, o profissional precisa levar em consideração quatro fatores de extrema importância:

  • Ao unir peças com parafusos, o profissional precisa levar em consideração quatro fatores de extrema importância:

  • · Profundidade do furo broqueado;

  • · Profundidade do furo roscado;

  • · Comprimento útil de penetração do parafuso;

  • · Diâmetro do furo passante.

Tipos de parafusos:

  • Tipos de parafusos:

  • Os parafusos podem ser:

  • • sem porca

  • • com porca

  • • prisioneiro

  • • Allen

  • • de fundação farpado ou dentado

  • • auto-atarraxante

  • • para pequenas montagens

Parafuso sem porca

  • Parafuso sem porca

  • Nos casos onde não há espaço para acomodar uma porca, esta pode ser substituída por um furo com rosca em uma das peças. A união dá-se através da passagem do parafuso por um furo passante na primeira peça e rosqueamento no furo com rosca da segunda peça.

Parafuso com porca

  • Parafuso com porca

  • Às vezes, a união entre as peças é feita com o auxílio de porcas e arruelas. Nesse caso, o parafuso com porca é chamado passante.

Parafuso prisioneiro

  • Parafuso prisioneiro

  • O parafuso prisioneiro é empregado quando se necessita montar e desmontar parafuso sem porca a intervalos frequentes. Consiste numa barra de seção circular com roscas nas duas extremidades. Essas roscas podem ter sentido oposto.

  • Para usar o parafuso prisioneiro, introduz-se uma das pontas no furo roscado da peça e, com auxílio de uma ferramenta especial, aperta-se essa peça. Em seguida aperta-se a segunda peça com uma porca e arruelas presas à extremidade livre do prisioneiro. Este permanece no lugar quando as peças são desmontadas.

Parafuso Allen

  • Parafuso Allen

  • O parafuso Allen possui um furo hexagonal de aperto na cabeça, que é geralmente cilíndrica e recartilhada. Para o aperto, utiliza-se uma chave especial: a chave Allen.

  • Os parafusos Allen são utilizados sem porcas e suas cabeças são encaixadas num rebaixo na peça fixada, para melhor acabamento. E também por necessidade de redução de espaço entre peças com movimento relativo.

Parafuso de fundação farpado ou dentado

  • Parafuso de fundação farpado ou dentado

  • Os parafusos de fundação farpados ou dentados são feitos de aço ou ferro e são utilizados para prender máquinas ou equipamentos ao concreto ou à alvenaria.

  • Têm a cabeça trapezoidal delgada e áspera que, envolvida pelo concreto, assegura uma excelente fixação. Seu corpo é arredondado e com dentes, os quais têm a função de melhorar a aderência do parafuso ao concreto.

Parafuso auto-atarraxante

  • Parafuso auto-atarraxante

  • O parafuso auto-atarraxante tem rosca de passo largo em um corpo cônico e é fabricado em aço temperado. Pode ter ponta ou não e, às vezes, possui entalhes longitudinais com a função de cortar a rosca à maneira de uma tarraxa. As cabeças têm formato redondo, em latão ou chanfradas e apresentam fendas simples ou em cruz (tipo Phillips).

  • Esse tipo de parafuso elimina a necessidade de um furo roscado ou de uma porca, pois corta a rosca no material a que é preso. Sua utilização principal é na montagem de peças feitas de folhas de metal de pequena espessura, peças fundidas macias e plásticas.

Parafuso para pequenas montagens

  • Parafuso para pequenas montagens

  • Parafusos para pequenas montagens apresentam vários tipos de roscas e cabeças e são utilizados para metal, madeira e plásticos.

PORCAS

  • PORCAS

  • Porcas são peças de forma prismática ou cilíndrica, providas de um furo roscado onde são atarraxadas ao parafuso. São hexagonais, sextavadas, quadradas ou redondas e servem para dar aperto nas uniões de peças ou, em alguns casos, para auxiliar na regulagem.

  • Tipos de porcas

  • São os seguintes os tipos de porcas:

  • • castelo

  • • cega (ou remate)

  • • borboleta

  • • contraporcas

- Porca castelo

  • - Porca castelo

  • A porca castelo é uma porca hexagonal com seis entalhes radiais, coincidentes dois a dois, que se alinham com um furo no parafuso, de modo que uma cupilha possa ser passada para travar a porca.

Porca cega (ou remate)

  • Porca cega (ou remate)

  • Nesse tipo de porca, uma das extremidades do furo rosqueado é encoberta, ocultando a ponta do parafuso.

Porca borboleta

  • Porca borboleta

  • A porca borboleta tem saliências parecidas com asas para proporcionar o aperto manual. Geralmente fabricada em aço ou latão, esse tipo de porca é empregado quando a montagem e a desmontagem das peças são necessárias e frequentes.

- Contra-porcas

  • - Contra-porcas

  • As porcas sujeitas a cargas de impacto e vibração apresentam tendência a afrouxar, o que pode causar danos às máquinas. Um dos meios de travar uma porca é através do aperto de outra porca contra a primeira. Por medida de economia utiliza-se uma porca mais fina, e para sua travação são necessárias duas chaves de boca.

ARRUELAS

  • ARRUELAS

  • São peças cilíndricas, de pouca espessura, com um furo no centro, pelo qual passa o corpo do parafuso.

  • As arruelas servem basicamente para:

  • • proteger a superfície das peças;

  • • evitar deformações nas superfícies de contato;

  • • evitar que a porca afrouxe;

  • • suprimir folgas axiais (isto é, no sentido do eixo) na montagem das peças;

  • • evitar desgaste da cabeça do parafuso ou da porca.

A maioria das arruelas é fabricada em aço, mas o latão também é empregado; neste caso, são utilizadas com porcas e parafusos de latão.

  • A maioria das arruelas é fabricada em aço, mas o latão também é empregado; neste caso, são utilizadas com porcas e parafusos de latão.

  • As arruelas de cobre, alumínio, fibra e couro são extensivamente usadas na vedação de fluidos.

  • Tipos de arruelas

  • Os três tipos de arruela mais usados são:

  • • arruela lisa;

  • • arruela de pressão;

  • • arruela estrelada;

  • • arruela serrilhada;

  • • arruela ondulada.

- Arruela lisa

  • - Arruela lisa

  • A arruela lisa (ou plana) geralmente é feita de aço e é usada sob uma porca para evitar danos à superfície e distribuir a força do aperto.

  • As arruelas de qualidade inferior, mais baratas, são furadas a partir de chapas brutas, mas as de melhor qualidade são usinadas e têm a borda chanfrada como acabamento.

- Arruela de pressão

  • - Arruela de pressão

  • A arruela de pressão consiste em uma ou mais espiras de mola helicoidal, feita de aço de mola de seção retangular. Quando a porca é apertada, a arruela se comprime, gerando uma grande força de atrito entre a porca e a superfície.

  • Essa força é auxiliada por pontas aguçadas na arruela que penetram nas superfícies, proporcionando uma travação positiva.

- Arruela estrelada

  • - Arruela estrelada

  • A arruela estrelada (ou arruela de pressão serrilhada) é de dentes de aço de molas e consiste em um disco anular provido de dentes ao longo do diâmetro interno ou diâmetro externo.

  • Os dentes são torcidos e formam pontas aguçadas. Quando a porca é apertada, os dentes se aplainam penetrando nas superfícies da porca e da peça em contato.

  • A arruela estrelada com dentes externos é empregada em conjunto com parafusos de cabeça chanfrada.

-Arruela serrilhada

  • -Arruela serrilhada

  • A arruela serrilhada tem, basicamente, as mesmas funções da arruela dentada. Apenas suporta esforços um pouco maiores. É usada nos mesmos tipos de trabalho que a arruela dentada.

  • -Arruela ondulada

  • A arruela ondulada não tem cantos vivos. É indicada, especialmente, para superfícies pintadas, evitando danificação do acabamento. É adequada para equipamentos que possuem acabamento externo constituído de chapas finas.

ROSCAS

  • ROSCAS

  • Rosca é uma saliência de perfil constante, helicoidal, que se desenvolve de forma uniforme, externa ou internamente, ao redor de uma superfície cilíndrica ou cônica. Essa saliência é denominada filete.

Passo e hélice de rosca

  • Passo e hélice de rosca

  • Quando há um cilindro que gira uniformemente e um ponto que se move também uniformemente no sentido longitudinal, em cada volta completa do cilindro, o avanço (distância percorrida pelo ponto) chama-se passo e o percurso descrito no cilindro por esse ponto denomina-se hélice.

Podem-se aplicar, então, as relações trigonométricas em qualquer rosca, quando se deseja conhecer o passo, diâmetro médio ou ângulo da hélice:

  • Podem-se aplicar, então, as relações trigonométricas em qualquer rosca, quando se deseja conhecer o passo, diâmetro médio ou ângulo da hélice:

  • ângulo da hélice = tg α = P/D2 . π

  • P (passo) = tg α . D2 . π

  • Quanto maior for o ângulo da hélice, menor será a força de atrito atuando entre a porca e o parafuso. Portanto, deve-se ter critério na aplicação do passo da rosca.

Para um aperto adequado em parafusos de fixação, deve-se manter α < 15º.

  • Para um aperto adequado em parafusos de fixação, deve-se manter α < 15º.

  • FA = força de atrito

  • FN = força normal

  • FR = força resultante

Rosca fina (rosca de pequeno passo)

  • Rosca fina (rosca de pequeno passo)

  • Frequentemente é usada na construção de automóveis e aeronaves, principalmente porque nesses veículos ocorrem choques e vibrações que tendem a afrouxar a porca.

  • É utilizada também quando há necessidade de uma ajustagem fina ou uma maior tensão inicial de aperto e, ainda, em chapas de pouca espessura e em tubos, por não diminuir sua secção.

  • Parafusos com tais roscas são comumente feitos de aços-liga e tratados termicamente.

  • Observação: Devem-se evitar roscas finas em materiais quebradiços.

Rosca média (normal)

  • Rosca média (normal)

  • Utilizada normalmente em construções mecânicas e em parafusos de modo geral, proporciona também uma boa tensão inicial de aperto, mas deve-se precaver quando do seu emprego em montagens sujeitas a vibrações, usando, por exemplo, arruelas de pressão.

Rosca de transporte ou movimento

  • Rosca de transporte ou movimento

  • Possui passo longo e por isso transforma o movimento giratório num deslocamento longitudinal bem maior que as anteriormente citadas. É empregada normalmente em máquinas (tornos, prensas, morsa, etc.) ou quando as montagens e desmontagens são frequentes.

O material do furo roscado deve ser diferente do aço para evitar a solda a frio (emgripamento). Também é desaconselhável sua montagem onde as vibrações e os choques são frequentes.

  • O material do furo roscado deve ser diferente do aço para evitar a solda a frio (emgripamento). Também é desaconselhável sua montagem onde as vibrações e os choques são frequentes.

  • Quando se deseja um grande deslocamento com filetes de pouca espessura, emprega-se a rosca múltipla, isto é, com dois filetes ou mais.

Perfil da rosca (secção do filete)

  • Perfil da rosca (secção do filete)

  • Triangular

  • É o mais comum. Utilizado em parafusos e porcas de fixação, uniões e tubos.

Trapezoidal

  • Trapezoidal

  • Empregado em órgãos de comando das máquinas operatrizes (para transmissão de movimento suave e uniforme), fusos e prensas de estampar (balancins mecânicos).

Redondo

  • Redondo

  • Emprego em parafusos de grandes diâmetros e que devem suportar grandes esforços, geralmente em componentes ferroviários. É empregado também em lâmpadas e fusíveis pela facilidade na estampagem.

Dente de serra

  • Dente de serra

  • Usado quando a força de solicitação é muito grande em um só sentido (morsas, macacos, pinças para tornos e fresadoras).

  • Quadrado

  • Quase em desuso, mas ainda utilizado em parafusos e peças sujeitas a choques e grandes esforços (morsas).

TRAVAS:

  • TRAVAS:

  • As uniões roscadas são submetidas a vibrações e podem soltar-se por essa razão. Para evitar isso, colocam-se travas e arruelas nas porcas ou parafusos.

  • Existem dois tipos de travas:

  • • Trava por fechamento de forma - é a mais segura e impede o afrouxamento da união.

• Trava por fechamento de forças - esta trava estabelece uma força de compressão entre as peças, o que aumenta o atrito e dificulta o afrouxamento da união mas não impede totalmente a soltura.

  • • Trava por fechamento de forças - esta trava estabelece uma força de compressão entre as peças, o que aumenta o atrito e dificulta o afrouxamento da união mas não impede totalmente a soltura.

CHAVETAS:

  • CHAVETAS:

  • Chaveta é um corpo prismático que pode ter faces paralelas ou inclinadas, em função da grandeza do esforço e tipo de movimento que deve transmitir. É construída normalmente de aço.

  • A união por chaveta é um tipo de união desmontável, que permite às árvores transmitirem seus movimentos a outros órgãos, tais como engrenagens e polias.

Classificação e características

  • Classificação e características

  • Chaveta de cunha (ABNT-PB-121)

  • Empregada para unir elementos de máquinas que devem girar. Pode ser com cabeça ou sem cabeça, para facilitar sua montagem e desmontagem. Sua inclinação é de 1:100, o que permite um ajuste firme entre as partes.

O princípio da transmissão é pela força de atrito entre as faces da chaveta e o fundo do rasgo dos elementos, devendo haver uma pequena folga nas laterais.

  • O princípio da transmissão é pela força de atrito entre as faces da chaveta e o fundo do rasgo dos elementos, devendo haver uma pequena folga nas laterais.

  • Havendo folga entre os diâmetros da árvore e do elemento movido, a inclinação da chaveta provocará na montagem uma determinada excentricidade, não sendo portanto aconselhado o seu emprego em montagens precisas ou de alta rotação.

Chaveta encaixada (DIN 141, 490 e 6883)

  • Chaveta encaixada (DIN 141, 490 e 6883)

  • É a chaveta mais comum e sua forma corresponde ao tipo mais simples de chaveta de cunha. Para facilitar seu emprego, o rasgo da árvore é sempre mais comprido que a chaveta.

Chaveta meia-cana (DIN 143 e 492)

  • Chaveta meia-cana (DIN 143 e 492)

  • Sua base é côncava (com o mesmo raio do eixo). Sua inclinação é de 1:100, com ou sem cabeça. Não é necessário rasgo na árvore, pois transmite o movimento por efeito do atrito, de forma que, quando o esforço no elemento conduzido é muito grande, a chaveta desliza sobre a árvore.

Chaveta plana (DIN 142 e 491)

  • Chaveta plana (DIN 142 e 491)

  • É similar à chaveta encaixada, tendo, porém, no lugar de um rasgo na árvore, um rebaixo plano. Sua inclinação é de 1:100 com ou sem cabeça. Seu emprego é reduzido, pois serve somente para a transmissão de pequenas forças.

Chaveta tangencial (DIN 268 e 271)

  • Chaveta tangencial (DIN 268 e 271)

  • É formada por um par de cunhas com inclinação de 1:60 a 1:100 em cada rasgo. São sempre utilizadas duas chavetas e os rasgos são posicionados a 120º.

  • A designação tangencial é devido a sua posição em relação ao eixo. Por isso, e pelo posicionamento (uma contra a outra), é muito comum o seu emprego para transmissão de grandes forças, e nos casos em que o sentido de rotação se alterna.

Chaveta transversal

  • Chaveta transversal

  • Aplicada em uniões de órgãos que transmitem movimentos não só rotativos como também retilíneos alternativos.

  • Quando é empregada em uniões permanentes, sua inclinação varia entre 1:25 e 1:50. Se a união necessita de montagens e desmontagens frequentes, a inclinação pode ser de 1:6 a 1:15.

Chaveta paralela (DIN 269)

  • Chaveta paralela (DIN 269)

  • É normalmente embutida e suas faces são paralelas, sem qualquer conicidade. O rasgo para o seu alojamento tem o seu comprimento.

  • As chavetas embutidas nunca têm cabeça e sua precisão de ajuste é nas laterais, havendo uma pequena folga entre o ponto mais alto da chaveta e o fundo do rasgo elemento conduzido.

A transmissão do movimento e das forças é feita pelo ajuste de suas faces laterais com as do rasgo da chaveta.

  • A transmissão do movimento e das forças é feita pelo ajuste de suas faces laterais com as do rasgo da chaveta.

  • A chaveta paralela varia quanto à forma de seus extremos (retos ou arredondados) e quanto à quantidade de elementos de fixação à árvore.

  • Pelo fato de a chaveta paralela proporcionar um ajuste preciso na árvore não ocorre excentricidade, podendo, então, ser utilizada para rotações mais elevadas.

Chaveta de disco ou meia-lua tipo woodruff (DIN 496 e 6888)

  • Chaveta de disco ou meia-lua tipo woodruff (DIN 496 e 6888)

  • É uma variante da chaveta paralela, porém recebe esse nome porque sua forma corresponde a um segmento circular.

  • É comumente empregada em eixos cônicos por facilitar a montagem e se adaptar à conicidade do fundo do rasgo do elemento externo.

UNIÕES POR MEIO DE REBITES:

  • UNIÕES POR MEIO DE REBITES:

  • Os rebites são peças fabricadas em aço, alumínio, cobre ou latão. Unem rigidamente peças ou chapas, principalmente, em estruturas metálicas

  • Utilização

  • • Uniões de elevada resistência (estrutura de ponte e guindaste)

  • • Uniões estanques (caldeira, reservatório)

  • • Uniões estanques em geral (chaminé, tubulação)

  • • Uniões em chapas de revestimentos (carroceria, fuselagem)

Vantagens:

  • Vantagens:

  • • Execução simples

  • • Não exige operário qualificado

  • • Controle de qualidade simples

  • Desvantagens:

  • • Não desmontável

  • • Maior peso da união

  • • Campo de aplicação reduzido (chapas)

  • • Não recomendável a carregamentos dinâmicos

  • • Redução de resistência do material rebitado - furação (13% a 40%)

O quadro a seguir mostra a classificação dos rebites em função do formato da cabeça e de seu emprego em geral.

  • O quadro a seguir mostra a classificação dos rebites em função do formato da cabeça e de seu emprego em geral.

Especificação de rebites:

  • Especificação de rebites:

  • Para adquirir os rebites adequados ao seu trabalho, é necessário que você conheça suas especificações, ou seja:

  • · de que material é feito;

  • · o tipo de sua cabeça;

  • · o diâmetro do seu corpo;

  • · o seu comprimento útil.

O comprimento útil do rebite corresponde à parte do corpo que vai formar a união. A parte que vai ficar fora da união é chamada sobra necessária e vai ser usada para formar a outra cabeça do rebite.

  • O comprimento útil do rebite corresponde à parte do corpo que vai formar a união. A parte que vai ficar fora da união é chamada sobra necessária e vai ser usada para formar a outra cabeça do rebite.

  • No caso de rebite com cabeça escareada, a altura da cabeça do rebite também faz parte do seu comprimento útil.

  • O símbolo usado para indicar comprimento útil é L e o símbolo para indicar a sobra necessária é z.

  • Na especificação do rebite é importante você saber qual será o seu comprimento útil (L) e a sobra necessária (z). Nesse caso, é preciso levar em conta:

  • · o diâmetro do rebite;

  • · o tipo de cabeça a ser formado;

  • · o modo como vai ser fixado o rebite: a frio ou a quente.

As figuras mostram o excesso de material (z) necessário para se formar a segunda cabeça do rebite em função dos formatos da cabeça, do comprimento útil (L) e do diâmetro do rebite (d).

  • As figuras mostram o excesso de material (z) necessário para se formar a segunda cabeça do rebite em função dos formatos da cabeça, do comprimento útil (L) e do diâmetro do rebite (d).

Para solicitar ou comprar rebites você deverá indicar todas as especificações. Por exemplo:

  • Para solicitar ou comprar rebites você deverá indicar todas as especificações. Por exemplo:

  • material do rebite: rebite de aço 1.006 - 1.010;

  • tipo de cabeça: redondo;

  • diâmetro do corpo: ¼” e ¾” de comprimento útil.

  • Normalmente, o pedido de rebites é feito conforme o exemplo:

  • Rebite de alumínio, cabeça chata, de ¼”, ¾”.

ANEL ELÁSTICO:

  • ANEL ELÁSTICO:

  • É um elemento usado para impedir o deslocamento axial, posicionar ou limitar o curso de uma peça deslizante sobre um eixo. Conhecido também por anel de retenção, de trava ou de segurança.

  • Fabricado de aço para molas, tem a forma de anel incompleto, que se aloja em um canal circular construído conforme normalização.

Tipos de anéis elásticos e aplicações

  • Tipos de anéis elásticos e aplicações

  • Aplicação: para eixos com diâmetro entre 4 e 1000mm. Trabalha externamente - DIN 471.

  • Aplicação: para furos com diâmetro entre 9,5 e 1000mm. Trabalha internamente - DIN 472.

Aplicação: para eixos com diâmetro entre 8 e 24mm. Trabalha externamente - DIN 6799.

  • Aplicação: para eixos com diâmetro entre 8 e 24mm. Trabalha externamente - DIN 6799.

  • Aplicação: para eixos com diâmetro entre 4 e 390mm para rolamentos.

  • Anéis de secção circular - para pequenos esforços axiais.

PINOS:

  • PINOS:

  • É uma peça geralmente cilíndrica ou cônica, oca ou maciça que serve para alinhamento, fixação e transmissão de potência.

  • Os pinos se diferenciam por suas características de utilização, forma, tolerâncias dimensionais, acabamento superficial, material e tratamento térmico.

Os alojamentos para pinos devem ser calibrados com alargador que deve ser passado de uma só vez pelas suas peças a serem montadas.

  • Os alojamentos para pinos devem ser calibrados com alargador que deve ser passado de uma só vez pelas suas peças a serem montadas.

  • Esta calibragem é dispensada quando se usa pino estriado ou pino tubular partido (elástico).

O principal esforço a que os pinos, de modo geral, estão sujeitos é o de cisalhamento. Por isso os pinos com função de alinhar ou centrar devem estar a maior distância possível entre si, para diminuir os esforços de corte. Quanto menor proximidade entre os pinos, maior o risco de cisalhamento e menor a precisão no ajuste.

  • O principal esforço a que os pinos, de modo geral, estão sujeitos é o de cisalhamento. Por isso os pinos com função de alinhar ou centrar devem estar a maior distância possível entre si, para diminuir os esforços de corte. Quanto menor proximidade entre os pinos, maior o risco de cisalhamento e menor a precisão no ajuste.

Pino cilíndrico paralelo

  • Pino cilíndrico paralelo

  • Pino de ajuste (guia) temperado

  • É feito de aço-prata ou similar e é temperado, revenido e retificado. Pode resistir a grandes esforços transversais e é usado em diversas montagens, geralmente associado a parafusos e prisioneiros.

Pode ser liso, liso com furo para cupilha, com cabeça e furo para cupilha, com cabeça provida de ressalto para evitar o giro, com ponta roscada e cabeça.

  • Pode ser liso, liso com furo para cupilha, com cabeça e furo para cupilha, com cabeça provida de ressalto para evitar o giro, com ponta roscada e cabeça.

  • Todos os pinos que apresentam furo ou rosca são usados como eixo para articulações ou para suportar rodas, polias, cabos, etc. A precisão destes pinos é j6, m6 ou h8.

Pino de segurança

  • Pino de segurança

  • É usado principalmente em máquinas-ferramentas como pino de cisalhamento, isto é, em caso de sobrecarga esse pino se rompe para que não quebre um componente de maior importância.

  • Pino de união

  • Tem funções secundárias como em dobradiças para caixas metálicas e móveis.

Pino cônico

  • Pino cônico

  • Feito geralmente de aço-prata, é temperado ou não e retificado. Tem por diâmetro nominal o diâmetro menor, para que se use a broca com essa medida antes de calibrar com alargador.

  • Existem pinos cônicos com extremidade roscada a fim de mantê-los fixos em casos de vibrações ou sacá-los em furos cegos.

  • O pino cônico tem largo emprego na construção de máquinas, pois permite muitas desmontagens sem prejudicar o alinhamento dos componentes; além do que é possível compensar eventual desgaste ou alargamento do furo.

Pino estriado

  • Pino estriado

  • A superfície externa do pino estriado apresenta três entalhes e respectivos rebordos. A forma e o comprimento do entalhes determinam os tipos de pinos. O uso destes pinos dispensa o acabamento e a precisão do furo alargado.

Pino tubular fendado

  • Pino tubular fendado

  • Também conhecido como pino elástico, é fabricado de fita de aço para mola enrolada. Quando introduzido, a fenda permanece aberta e elástica gerando o aperto.

  • Este elemento tem grande emprego como pino de fixação, pino de ajuste e pino de segurança. Seu uso dispensa o furo alargado.

Há um pino elástico especial chamado Connex, com fenda ondulada cujos cantos estão opostos entre si. Isto proporciona uma força de ajuste maior em relação ao pino elástico comum.

  • Há um pino elástico especial chamado Connex, com fenda ondulada cujos cantos estão opostos entre si. Isto proporciona uma força de ajuste maior em relação ao pino elástico comum.

Comentários