Livro - a forma do engenheiro inovador

Livro - a forma do engenheiro inovador

(Parte 6 de 11)

• ou eram diretores de uma divisão da empresa composta por ele e por uma secretária (encarregados de compras e/ou representações, ou da análise de documentos).

As competências reais exigidas passavam mais pelo domínio de uma determinada linguagem técnica (mas não de sua aplicação) e pela capacidade de adaptação à empresa, do que pelo domínio técnico-instrumental da área de formação. Isso fazia com que o incipiente setor industrial da época não distinguisse uma formação técnica especializada de uma formação livresca e superficial, sendo mais sensível à origem social dos candidatos a emprego (em geral refletida na escola de origem, é preciso dizer)38.

Outro papel social anômalo, próprio a sociedades autoritárias onde as profissões são concedidas pelo estado a partir de imposições legais, é o de responsável legal por projetos ou operações. Para este papel é irrelevante a capacitação técnica, sendo importante apenas o diploma obtido em um curso credenciado conforme a lei e o registro do diploma na corporação legalmente compulsória (no Brasil, o sistema CONFEA/CREAs).

Os professores das escolas de engenharia costumavam ser estes mesmos engenheiros, ministrando aulas durante intervalos no seu trabalho.

Apesar de todo o progresso do ensino da engenharia no país ocorrido a partir daí – na análise dos projetos REENGE não encontramos um único programa de estágio supervisionado academicamente pela escola, embora houvesse exigência formal de estágios supervisionados desde a década de 70. Só encontramos estágios com supervisão acadêmica nos laboratórios de pesquisa, associado a bolsas de iniciação científica (o que permite medir sua pequena extensão).

Somadas à freqüente utilização de livros texto tradicionais norte-americanos centrados na "instrução programada" (como os da Coleção Schaum, sem utilização efetiva da da física e matemática ensinadas no início dos cursos), estas características indicavam a formação, de fato, de um "engenheiro bacharel", termo muito usado em críticas à formação clássica dos engenheiros brasileiros39. Do que foi observado acima, o ambiente industrial brasileiro não diferenciava o "engenheiro bacharel", apenas preparado para declinar um discurso técnico, do "engenheiro politécnico" ou do "engenheiro especialista" definidos nos textos legais vigentes (por listas de habilitações legais e/ou currículos mínimos). A ignorância do fato e a inexistência de parâmetros de comparação com escolas no exterior, salvo listas de conteúdos curriculares, garantia a consciência tranqüila das escolas de engenharia e de seus professores.

Em 1966 houve uma breve tentativa de formar "engenheiros operacionais", em cursos com 3 anos de duração, havendo a possibilidade de completar a formação longa cursando mais 2 anos complementares. Não vale a pena discutir o perfil de formação, pretendido ou real, pois a iniciativa foi rapidamente abortada. O sistema CONFEA/CREAs recusou-se a registrar este profissional tratado como um engenheiro incompleto, sendo a categoria extinta na década de 70. Quase todos os engenheiros operacionais passaram direto aos cursos

Com a possível exceção do engenheiro André Rebouças, cujo elogio onipresente afirma seu caráter excepcional, confirmando a regra. Este testemunho é completamente corroborado pela extensa documentação que fundamenta E. C. Coelho, op. cit. Em especial, ver seus comentários nas páginas 194-197, onde cita a influência inglesa através dos contratos para construção de ferrovias, projetadas e executadas por engenheiros ingleses com formação tecnicista. E. C. Coelho, op. cit., p. 196.

Capítulo I O papel do engenheiro e sua formação complementares40. Apesar disso, uma pesquisa na Internet com o termo "engenheiro operacional" faz aparecer um grande número de citações em documentos datados até 1977.

No entanto, há no país uma longa tradição de formação de técnicos especializados, centrada nos sistemas SENAI e CEFET. Rocha Pinto41, em 2002, analisou estas instituições no Estado do Rio de Janeiro do ponto de vista de seu perfil de formação. Enquanto o técnico do SENAI é preparado para postos de trabalho específicos (torneiro mecânico ou eletricista para residências, por exemplo), e depende da oferta de empregos exclusiva deste posto de trabalho, o do CEFET é preparado para uma atuação mais ampla, sem, no entanto, possuir a bagagem de um engenheiro especialista. O que tem gerado uma crise de identidade: o engenheiro técnico do CEFET, ao ocupar o posto de trabalho técnico, sente-se frustrado e questiona a formação recebida. Nem é um engenheiro – donde não ocupa "chefias" – nem admite as repetições que caracterizam a atividade técnica habitual. A noção do "técnico de nível superior" não parece ser reconhecida na cultura (e na realidade industrial) brasileira. Donde, forçosamente, onde existe, é ocupada por engenheiros graduados em escolas de menor prestígio ou pelos engenheiros (prestigiados) dos CEFETs.

Uma tentativa de resolver o problema foi a criação dos cursos seqüenciais, "uma modalidade de ensino superior, em que o aluno, após ter concluído o ensino médio, poderá ampliar os seus conhecimentos ou sua qualificação profissional, freqüentando o ensino superior, sem necessariamente ingressar em um curso de graduação"42. Esta possibilidade ainda está sendo digerida pelas escolas de engenharia, que começam a ministrar cursos seqüenciais de formação específica. Chiganer et al.43 apontam as dificuldades relativas a esta formação não associada a um "título consagrado com representação de status social", isto é, sem um papel social determinado.

Na mesma direção podemos apontar a enorme quantidade de cursos de formação de técnicos de nível superior abertos por universidades de direito privado, e que tornaram a Universidade Estácio de Sá (RJ) uma das maiores universidades brasileiras (em número de alunos) – sendo os responsáveis por boa parte do aumento de vagas na área tecnológica nas faculdades/centros universitários/universidades atuais44. São cursos de 3 anos orientados para a formação profissional, exigindo um menor investimento financeiro (pelo baixo custo e menor duração) e intelectual (vestibulares menos concorridos, não exigem formação científica ou cultural mais aprofundadas). Diplomas de nível superior devem ser aprovados pelo MEC e devem corresponder, por definição legal, a novas profissões. Melhor do que explicar a sua estrutura legal, é observar um exemplo simples: o curso em técnica de gravação e produção fonográfica, organizado por um dos principais profissionais brasileiros neste mercado junto à Universidade Estácio de Sá45. Seus objetivos são capacitar o aluno em tecnologia de gravação e produção fonográfica e como empreendedor nesta área (tornando-

Os primeiros cursos de engenharia de produção foram criados como complementos de 2 anos para engenheiros operacionais. Por isso apareceram como engenheiro de produção mecânica, produção elétrica, etc. Ver http://www.fei.edu.br/producao/oquee.htm onde a história é apresentada. Sandra R. da Rocha Pinto, A educação profissional de nível técnico à luz do modelo de competências: uma análise comparativa da implantação de três propostas institucionais. Tese de

Doutorado, Departamento de Educação, PUC-Rio, 2000. w.mec.gov.br. Luís Chiganer, Carlos E. Leal, Juarez Lopes e Antônio C. Sarquis, Cursos seqüenciais na área tecnológica, Proceedings of IASEE 2003; São José dos Campos, SP: UNIP, 2003. Estudo a ser aprofundado. Não é fácil obter dados das universidades citadas, pois as novas formações aparecem sob a coberta de cursos tecnológicos de nível superior, cursos sequenciais ou cursos de especialização – todos os rótulos legais são bons, desde que correspondam a formações procuradas por candidatos a alunos que acreditem (com ou sem razão) que estas abram as portas para o mercado de trabalho, ou, ao menos, criem um diferencial na concorrência por um posto de trabalho. Organizado por Mayrton Bahia, está descrito (de forma clara e direta) em http://www.estacio.br/politecnico/cursos/gravacao_producao.asp

Capítulo I O papel do engenheiro e sua formação o capaz de criar seu próprio selo ou produtora), com competência para a produção, divulgação e distribuição de música em todos os seus suportes, cuidando da concepção, desenvolvimento e comercialização do produto. O mercado de trabalho para este profissional é composto por estúdios de gravação, produtoras de discos, selos fonográficos, e empresas de sonorização e produção de espetáculos envolvendo música – campo efervescente onde se multiplicam as micro-empresas e as atuações individuais. O curso dá acesso a um conjunto de certificados e diplomas (o que é novidade no quadro nacional): disk jokey (DJ) ao final do segundo período, assistente técnico de estúdio de áudio e/ou assistente de montagem e reparo em sistemas de sonorização, ao final do terceiro período, e diploma de graduação em produção fonográfica ao final de dois anos e meio. O curso fornece fundamentos de acústica, eletrônica, música, legislação, marketing, informática, além das técnicas específicas ao setor profissional, e exige aptidões iniciais (verificadas por análise de currículo) na área musical. Não é um curso técnico em eletrônica, não é um curso técnico em acústica, não é um curso de música, muito menos um curso de administração, mas integra estes campos em torno da produção fonográfica. Não corresponde a nenhum dos cursos préexistentes no país46.

Um exemplo singular e grandioso é o CEFET do Paraná. Através de convênios com os EU (USAID) e com a Alemanha, passou a formar técnicos altamente qualificados. A evolução foi natural para o jovem e progressista ambiente industrial paranaense: transformou-se em escola de engenharia, formando engenheiros prezados por uma alta qualificação prática, diferentes dos engenheiros projetistas ou com visão gerencial que serão citados adiante, e dos "engenheiros bacharéis" apresentados acima. No momento há muitas escolas de engenharia, principalmente na região Sul, seguindo o mesmo caminho (UBRA, UNISINOS, UNIVAP e PUCRS, por exemplo), resultado de parques industriais gerados em áreas contíguas, e apoiadas em convênios com a indústria local. A notar que estes engenheiros passam por uma formação longa, com perfil inicial generalista, pois irão trabalhar em pequenas indústrias onde terão o papel do faztudo. A formação final é técnica especializada, orientada para o mercado de trabalho regional - que está bem definido a não mais de dez quilômetros da escola. Poderíamos denominar este perfil de formação como "engenheiro generalista com formação técnica de interesse regional". Note que, mudando a região, mudam as competências exigidas.

Uma mudança estratégica nas Américas

Um exemplo espetacular de mudança estratégica de perfis de formação ocorreu a partir de meados da década de 50 do último século, nas Américas: a criação do conceito de "engenharia científica". Embora houvesse um certo empuxo do mercado de trabalho, ao menos na América do Norte, as tecnologias de base científica desenvolvidas na segunda metade do último século e o significado político-social atrelado à corrida espacial e à guerra fria (a era Kennedy) levaram à introdução de um renovado conteúdo científico nos currículos de engenharia, fortemente apoiado pelos governos norte-americano47 e brasileiro (separadamente em cada país, com níveis de recursos bem diferentes, o Brasil agindo com grande inércia em relação aos EU). Para isso o sistema acadêmico próprio às ciências básicas foi introduzido nas escolas de engenharia, gerando professores orientados para a pesquisa e, esperava-se, para o desenvolvimento

O único curso próximo, em 2003, na UNICAMP, atende mais a uma visão científica que à visão técnica integrando os diferentes temas fornecida pela Universidade Estácio de Sá.. Os conservatórios de música estão voltados exclusivamente para a execução e composição musical, não considerando seu aspecto tecnológico ou comercial. National Research Council, Engineering Education: Designing an Adative System, Washington, DC: National Academy Press, 1995; National Science Foundation, Shapping the Future, New Expectations for Undergraduate Education in Science, Mathematics, Engineering and Technology, Washington, DC: National Science Foundation, 1996.

Capítulo I O papel do engenheiro e sua formação de novas tecnologias. O empuxo foi dado por um aumento espetacular do número de bolsas de estudo em ciências básicas e do investimento estatal em atividades de pesquisa (no Brasil correspondeu à criação do CNPq e do sistema de pósgraduação).

A "engenharia científica" foi uma política de governos. A ciência era tratada como um valor em si, embora nos pareça que esta valorização tenha sido decorrente da concorrência tecnológica gerada pela guerra fria e pela crença no contínuo e automático aumento do bem-estar social a partir das novas tecnologias. No Brasil ainda houve o impulso dado por uma política de substituição das importações, que buscou criar uma abrangente indústria nacional.

Com a evolução industrial e tecnológica brasileira promovida a partir dos anos 50, mas realmente ativada a partir da década de 70, houve um aumento gradativo da demanda por engenheiros com formação mais científica e maior conhecimento técnco, que pode ser observada, principalmente (e, no início, quase exclusivamente), nos corpos de engenheiros e pesquisadores das grandes empresas estatais, como a ELETROBRÁs (em especial o CEPEL), a TELEBRÁS (e seus centros de pesquisa), a PETROBRÁS, e a EMBRAPA. Concomitantemente, a legislação foi mudada, aparecendo enormes e ultra-especificados "currículos mínimos"48, definindo, em tese, um "engenheiro especialista de base científica", situado entre o engenheiro de formação longa alemão e o engenheiro generalista de base científica francês. De fato, o debate entre os partidários da formação generalista (pensada como a antiga formação do engenheiro civil) e os de formações especializadas, que se multiplicariam com o avanço da tecnologia, dominou a discussão sobre a formação de engenheiros, como pode ser verificado nas resoluções do CFE (Conselho Federal de Educação), nos artigos das revistas editadas pelo sistema CONFEA/CREAs e pelo Clube de Engenharia, da década de 60 até a década de 90, com um repique nas discussões em torno das Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia49.

As modificações nos perfis de formação (os idealizados e os, de fato, obtidos) podem ser imputadas à qualificação das escolas de engenharia geradas a partir das políticas governamentais de desenvolvimento industrial e das novas necessidades das empresas estatais já citadas. Data deste período a criação dos cursos de pós-graduação, essencialmente voltados para a qualificação dos professores universitários nas áreas científicas e tecnológicas – sob a esperança governamental (expressa nos documentos emanados da FINEP, do CNPq e dos vários avatares do Ministério da Ciência e Tecnologia ao longo das décadas citadas) de que bastaria um bom grupo de doutores (em regime de dedicação exclusiva, defendiam alguns) para que o desenvolvimento tecnológico e a conseqüente geração de inovações tecnológicas se produzisse50. Verificamos, analisando os projetos apresentados para o REENGE, que apenas parte do conjunto das escolas de graduação em engenharia havia sido afetada, de fato, pelo novo sistema de qualificação. À parte poucas escolas (como a PUC-Rio, as escolas do Estado de São Paulo, e as principais escolas federais), a nova formação se exercia essencialmente por via da pós-graduação.

(Parte 6 de 11)

Comentários