def dicionario de medicamentos

def dicionario de medicamentos

                  By OkDoKeY

A CURITYBINA

AAS 100 MG/500 MG

ABACICLOVIR

ABBOTTRACURIUM

ABC

ABELCET*

ABILIFY

ABLOK PLUS*

ABLOK*

ABRILAR*

ABSTEN S

ACARSAN LOÇÃO

ACARSAN SABONETE

ACCOLATE

ACCUPRIL

ACCUVIT

ACEBROFILINA

ACEBROFILINA XAROPE

ACECLOFENACO

ACEMEDROX

ACETATO DE HIDROCORTISONA

ACETATO DE PREDNISOLONA 1%

ACETILCISTEÍNA

ACETILCISTEÍNA SOLUÇÃO INJETÁVEL

ACETILCISTEÍNA XAROPE E GRANULADO

ACETITOL

ACETONIDO DE TRIANCINOLONA, SULFATO DE NEOMICINA, GRAMICIDINA, NISTATINA

ACICLOMED

ACICLOR*

ACICLOVAN

ACICLOVIR

ACICLOVIR 200 MG

ACICLOVIR 200/400 MG

ACICLOVIR 400 MG

ACICLOVIR 50 MG/G

ACIDERM

ACIDERM CREME

ACIDEX

ÁCIDO ACETILSALICÍLICO

ÁCIDO BÓRICO PÓ

ACIDOGEL

ACIFÓLICO

ACINIC*

ACIVERAL

ACIVIRAX

ACNE-AID

ACNE-AID WASH

ACNESOAP

ACNIL

ACROMAX

ACROSIN

ACT-HIB

ACTICALCIN

ACTIFEDRIN

ACTILYSE*

ACTINE*

ACTIVELLE*

ACTONEL 35 MG UMA VEZ POR SEMANA*

ACTONEL 5 MG

ACTOS*

ACTPARIN

ACULAR

ACULAR SEM CONSERVANTE

ADALAT

ADALAT OROS

ADALAT RETARD

ADALEX RETARD

ADAPALENO GEL

ADEFORTE

ADEGRIP

ADEKs

AD-ELEMENT

ADENOCARD

ADENON

ADEROGIL D3

ADEROGIL D3 GOTAS

AD-FURP

AD-MUC*

ADOLESS*

ADRENOPLASMA

ADRENOXIL

ADRENYL

ADRIBLASTINA RD

AD-TIL*

ADVANTAN CREME

ADVANTAN LOÇÃO*

ADVANTAN SOLUÇÃO CAPILAR

ADVIL SUSPENSÃO*

ADVIL*

AERODIOL*

AEROFLUX EDULITO

AEROJET

AEROJET SPRAY

AEROLIN

AEROLIN INJETÁVEL

AEROTIDE

AFBM

AFRIN

AFRIN OFTÁLMICO

AFRIN SALINE MIST

AFTINE

AGAROL

AGASTEN*

AGENERASE

AGILISIN SPRAY

AGIOLAX*

AGRASTAT

AGREAL

AGRYLIN

ÁGUA BORICADA A 2%

ÁGUA DE MELISSA

ÁGUA DESTILADA

ÁGUA INGLESA

ÁGUA OXIGENADA 10 V

ÁGUA PARA INJEÇÃO

ÁGUA VEGETO MINERAL

AIR SALONPAS

AIRCLIN

AKINETON*

ALBENDAZOL

ALBENDY

ALBENIX

ALBICON

ALBOCRESIL*

ALBUMINA HUMANA 20%

ALBUMINA HUMANA 20% BIOTEST

ALBUMINA HUMANA A 20% IMMUNO

ALBUMINA HUMANA GRIFOLS 20% (10, 50 E 100 ML)

ALBUMINAR 20%

ALCACHOFRA COMPOSTA

ALCALONE PLUS

ALCA-LUFTAL

ÁLCOOL IODADO (SOLUÇÃO)

ALCYTAM*

ALDACTONE

ALDARA*

ALDAZIDA 50

ALDOMET

ALDOSTERIN

ALENDIL

ALENDRONATO SÓDICO

ALENIA*

ALERFIN*

ALERGO FILINAL

ALERGOLON

ALERGOSAN

ALERGYO

ALETIR

ALFAD

ALFAEPOETINA*

ALFAINTERFERONA 2A*

ALFARÉ

ALFASIN

ALFAST

ALGEXIN COMPOSTO

ALGI DORSEROL

ALGI TANDERIL

ALGI TANDERIL GOTAS

ALGI TANDERIL SOFT GEL

ALGINAC 1000 COMPRIMIDOS REVESTIDOS*

ALGINAC 5000 SOLUÇÃO INJETÁVEL*

ALGI-REUMATRIL

ALGIRONA

ALIMTA

ALIN*

ALIVE

ALIVIOL

ALIVIUM*

ALKERAN

ALLEGRA 30 MG INFANTIL

ALLEGRA COMPRIMIDOS*

ALLEGRA D*

ALLESTRA

ALOIS*

ALOMIDE

ALOPURINOL

ALPHAGAN

ALPHAGAN P

ALPRAZOLAM

ALREX

ALRINTE*

ALTIVA*

ALTROX*

ALUDROXIL

ALVENT

ALVEOFACT

ALVESCO*

ALZEX*

AMARYL*

AMBEZETAL

AMBISOME*

AMBRA-SINTO T

AMBROSIL

AMBROSIL SUSPENSÃO

AMBROTEN

AMBROXMED

AMELOVAS

AMENOPAN

AMICILON

AMIDALIN

AMILOPIL

AMINOFILIN

AMINOFILINA

AMINOFILINA SANDOZ

AMINOPED 10%

AMINOPLASMAL 10%

AMINOSTERIL 10% SEM ELETRÓLITOS E CARBOIDRATOS

AMINOSTERIL HEPA 8%

AMINOSTERIL NEFRO

AMINOVAC*

AMIOBAL*

AMIRÉTIC

AMLOCOR*

AMLOVASC

AMOFLUX

AMÔNIA (DILUÍDA)

AMOXICAP

AMOXICILINA

AMOXICILINA + CLAVULANATO DE POTÁSSIO

AMOXICILINA CÁPSULAS

AMOXICILINA E CLAVULANATO DE POTÁSSIO

AMOXICILINA SUSPENSÃO

AMOXICILINA*

AMOXIDIL

AMOXIL

AMOXIL BD

AMOXIMED

AMOXINA

AMOXI-PED

AMOXIPEN

AMOXITAN

AMPHOCIL

AMPICIFLAN

AMPICILINA

AMPICILINA SÓDICA

AMPICLER

AMPIXIN

AMPLACILINA

AMPLACIN

AMPLAVIT

AMPLIBAC

AMPLICTIL

AMPLIUM*

AMPLIUM-G CREME*

AMPLOBIOTIC

AMPLOCILIN

AMPLOSPEC 1G

AMYTRIL

ANABRON*

ANADOR COMPRIMIDOS*

ANADOR GOTAS*

ANAFRANIL SR

ANAFRANIL*

ANAGRIPE

ANANDRON

ANANGOR

ANARTRIT

ANASEPTIL

ANATYL

ANCLOMAX

ANCORON

ANDANTOL GELÉIA

ANDELUX 50 MG

ANDOLBA

ANDRIODERMOL

ANDROCUR*

ANDROSTERON 50 MG

ANDROXON

ANEMIPLUS

ANEMIX

ANESTALCON

ANESTÉSICO

ANFERTIL

ANFORICIN B

ANFUGINE

ANFUGITAK

ANFUGITARIN

ANGIL

ANGIMET

ANGINO TRICIN

ANGINO-RUB PASTILHAS

ANGIOLONG

ANGIOLONG AP

ANGIOPRIL

ANGIPRESS

ANGIPRESS-CD

ANGITENS

ANLO*

ANLODIBAL*

ANSENTRON

ANSILIVE

ANSIODORON*

ANSIOPAX

ANSIOTEX

ANSITEC

ANTAK COMPRIMIDOS

ANTAK INJETÁVEL

ANTI+SÉPTICO

ANTIETANOL

ANTIGERON

ANTIMICÓTICO MARTEL

ANTISEPTIN

ANTITROMBINA III GRIFOLS 500 E 1000 U.I.

ANTUX

ANZATAX*

ANZEMET IV

ANZOPAC*

ANZOPROL

APETIL

APETIVITON

APLAUSE*

APLICAV

APMED

APRAZ*

APRESOLINA

APROVEL 150 MG/300 MG*

APROZIDE*

APTAMIL 1

APTAMIL 2

APTAMIL PRE

APTAMIL SOJA 1

APTAMIL SOJA 2

ARACYTIN

ARACYTIN CS

ARADOIS H*

ARADOIS*

ARAMIN

ARAVA*

ARCALION

ARCOLAN SHAMPOO

ARCOXIA*

ARECAMIN

AREDIA

ARELIX

ARES

ARFLEX RETARD

ARGIROL 10%

ARICILINA

ARIFENICOL

ARIMIDEX

ARISTOPRAMIDA

ARMOGLOBULINA P

ARNICA

ARNICA WELEDA*

AROMASIN

AROPAX

AROVIT

ARTELAC

ARTEMEXIL

ARTEMIDIS 35

ARTERON

ARTREN

ARTREN 50 MG SUPOSITÓRIO

ARTRIL

ARTRINID

ARTRITEC

ARTRODAR

ARTROLIVE

ARTROSIL

ASALIT

ASCARIDIL

ASCARIZOLE

ASCEDOR

ASDRON

ASERCIT*

ASEROPRIN

ASETISIN

ASILONE

ASMALERGIN

ASMAX

ASMEN

ASMIFEN

ASPIRINA PREVENT

ASSEPIUM BALSÂMICO

ASSEPIUM SUSPENSÃO

ASSERT

ASTRO

AT III IMMUNO

ATACAND 8 MG E 16 MG*

ATACAND HCT 16 MG/12,5 MG

ATACAND HCT 8 MG/12,5 MG

ATENASE

ATENOBAL*

ATENOL

ATENOLOL

ATENOLOL + CLORTALIDONA 50 + 12,5 MG/100 + 25 MG

ATENOLOL + CLORTOLIDONA

ATENOLOL 50 MG/100 MG

ATENOPRESS

ATENORM

ATENS-H

ATENSINA

ATERÓIDE DRÁGEAS

ATERÓIDE POMADA

ATINAC

ATLANSIL 100 MG/200 MG

ATLANSIL INJETÁVEL

ATOSSION

ATROPIN

ATROPINA

ATROPINA 0,5%-1%

ATROPION

ATROVENT

ATURGYL

AURAM

AURORIX

AVADEN*

AVALOX SOLUÇÃO PARA INFUSÃO

AVALOX*

AVANDAMET

AVANDIA*

ÁVAPRO

AVAXIM

AVENO EMULSÃO

AVENO SABONETE

AVENTIS PHARMA DIMERCAPROL

AVICIS SOLUÇÃO CAPILAR

AVODART*

AVONEX

AXEPEN

AXETIL CEFUROXIMA

AXID

AYERST PROPRANOLOL

AZACTAM

AZATIOPRINA

AZELAN

AZI

AZIMED

AZIMIX

AZIRAM

AZITRAX

AZITRAX GU

AZITROMICINA

AZITRON

AZITRON GU

AZITROPHAR

AZOPT

AZUKON MR*

AZUL PATENTE V

AZULFIN*

AZULIX*

BABIX CREME

BABIX SABONETE

BABIX XAMPU

BABYDRAX

BABYGLÓS

BABYMED

BACFAR

BACFAR F*

BACINANTRAT

BACLON*

BACROCIN*

BACTERIAN APLICADOR DE 50 ML

BACTERIAN SPRAY DE 50 ML

BACTOCILIN

BACTODERM

BACTOFLOX

BACTOMAX

BACTRIM INFUSÃO VENOSA*

BACTRIM*

BACTRISAN

BACTROBAN

BACTROPIN

BALCOR E.V.*

BALCOR RETARD

BALCOR*

BALUROL

BAMBEC*

BAMIFIX*

BANHO NO LEITO SANICORPORE*

BARALGIN M

BARALGIN M SOLUÇÃO INJETÁVEL

BARBITRON

BARIOGEL 100%

BATROX

BAYCUTEN N

BEBELAC 1

BEBELAC 2

BECENUN

BECEVIT

BECLOSOL AQUOSO NASAL SPRAY

BECORTEM

BEDFORD CITARABINA

BEDFORD CLORIDRATO DE DOBUTAMINA

BEDFORD VLB

BEDFORDALPROST 500 MCG

BEDFORDEPH

BEDFORDMYTO-C

BEDFORDPOLY B

BEDFORDSPORIN

BEDOZIL

BELACODID GOTAS

BELACODID INJETÁVEL

BELACODID XAROPE EXPECTORANTE

BELAGIN DUCHA VAGINAL

BELEXA

BEMINAL COM VITAMINA C

BEMINAL PLUS COM ZINCO

BENADRYL

BENALET

BENAPEN

BENEFIX

BENEPAX*

BENERVA

BENETOSS

BENFLOGIN

BENICAR HCT*

BENICAR*

BENORMAL

BENTYL

BENZAC AC 2,5%, 5% E 10%

BENZAC AC WASH

BENZAC ERITROMICINA

BENZATRON

BENZETACIL*

BENZEVIT

BENZILPENICILINA BENZATINA

BENZILPENICILINA PROCAÍNA + BENZILPENICILINA POTÁSSICA

BENZIN

BENZITRAT

BENZITRAT COLUTÓRIO

BENZOCID

BENZO-GINOESTRIL AP

BENZOTAL

BENZOTISAN

BEPANTOL

BEPLEXARON

BERIATE P

BERIBUMIN

BERIGLOBINA

BERIPLAST P

BERIPLEX P/N

BERLISON

BEROCCAL

BEROTEC

BEROTEC 100/200

BESEROL

BESFLOX

BESILATO DE ANLODIPINO

BESILATO DE ANLODIPINO 5/10 MG

BESITRAC 25 MG E 50 MG

BETACEF

BETADERM

BETADERM CAPILAR

BETADERM N CREME

BETAFERON*

BETAGAN

BETA-LONG

BETALOR*

BETAMETASONA

BETAMETASONA + MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA

BETA-OPHTIOLE 0,3%

BETAPROSPAN

BETASERC*

BETAZIDIM

BETNELAN

BETNOLON

BETNOVATE

BETNOVATE CAPILAR

BETNOVATE N

BETNOVATE Q 0,1%

BETOPTIC

BETOPTIC S

BEVIT

BEXTRA

BEXTRA IM/IV

BIALERGE

BIAMOTIL

BIAMOTIL-D

BIATÓS

BICARBONATO DE SÓDIO

BICARBONATO DE SÓDIO 8,4%

BICARBONATO DE SÓDIO 8,4%-10%

BICONCOR*

BIGMAR CÁLCIO FOLINATO

BIGMAR ETOPOSIDO

BIGMAR FLUOROURACIL PARA INJEÇÃO

BIGMAR METOTREXATO 25 MG/ML

BI-NERISONA

BINKO HEXAL

BINOTAL

BIOCARBO

BIOCLOR

BIOFENAC

BIOFENAC AEROSSOL

BIOFENAC C.L.R.

BIOFENAC DI

BIOFENAC GOTAS

BIOFENAC LP

BIOFLAC

BIOFLORIN

BIOFRUCTOSE INJETÁVEL

BIOGLIC*

BIOHULIN N (NPH)

BIOHULIN R (REGULAR)

BIOMETROX COMPRIMIDOS

BIOMETROX INJETÁVEL

BIOPAXEL

BIOPLUS GINSENG

BIOPRAZOL

BIORRUB

BIOSTIM

BIOTERAL

BIO-VAGIN CREME VAGINAL

BIOVICERIN*

BIOVIR

BIOXIFENO

BIPENCIL

BI-PROFENID*

BIPROSLAN*

BISALAX

BISOLVON*

BISPECT

BISPECT SOLUÇÃO EXPECTORANTE

BLAUBIMAX

BLAUFERON A

BLAUFERON B*

BLENOXANE

BLEPHAGEL

BLOCULCER

BLOPRESS

BOLDO VERNE

BOLJUPRIMÁ

BONALEN

BONAR

BONEFÓS*

BORAG*

BOSTON

BOSTON SIMPLICITY

BOTOX*

B-PLATIN

BRACIMICIN

BREFUS

BREVIBLOC

BREXIN

BRICANYL BRONCODILATADOR

BRICANYL COMPOSTO EXPECTORANTE

BRICANYL DURILES

BRICANYL INJETÁVEL

BRICANYL SOLUÇÃO PARA NEBULIZAÇÃO

BRICANYL TURBUHALER

BRISMUCOL

BROFENTEC

BROMALGINA

BROMAZEPAM

BROMELIN PRÓPOLIS SPRAY

BROMELIN SUSPENSÃO

BROMEPAN COMPOSTO

BROMETO DE IPRATRÓPIO

BROMETO DE N-BUTILESCOPOLAMINA DIPIRONA SÓDICA

BROMETO DE N-BUTILESCOPOLAMINA SOLUÇÃO ORAL

BROMOPAN

BROMOPIRIN

BROMOPRIDA

BROMOXON

BROMUC

BRONCHO-VAXOM*

BRONCOFLUX

BRONCOMIX

BRONCONAL

BRONCOTEN

BRONDILAT ADULTO

BRONDILAT PEDIÁTRICO

BRONFILIL

BRONQUIASMA

BRONQUIDEX

BRONQUIMUCIL

BROS*

BRYOPHYLLUM WELEDA

B-TABLOCK

BUCLINA

BUCLITINA

BUDECORT AQUA*

BUFEDIL

BUFFERIN

BUFFERIN CÁRDIO

BUONA

BUPIABBOTT

BUPIABBOTT PLUS

BURINAX*

BUSCOPAN COMPOSTO*

BUSCOPAN PLUS*

BUSCOPAN*

BUSCOVERAN COMPOSTO

BUSONID AEROSSOL NASAL

BUSONID AEROSSOL ORAL

BUSONID AQUOSO NASAL*

BUSONID CAPS*

BUSPAR

BUTAZOLIDINA*

BUTAZONA CÁLCICA

BUTILAMIN

BUTILBROMETO DE ESCOPOLAMINA + DIPIRONA SÓDICA

BUTOVENT PULVINAL*

B-VESIL

CADUET*

CAELYX

CALADRYL

CALAMED

CALATO

CALCICHELL*

CALCIGENOL

CALCIGENOL COMPOSTO B12

CALCIJEX

CÁLCIO DE OSTRAS

CALCIODORON 1

CALCIOLIT*

CALCI-PED

CALCIUM D3*

CALCIUM SANDOZ + VITAMINA C*

CALCIUM SANDOZ F

CALCIUM SANDOZ FF

CALCIUM SANDOZ XAROPE

CALCORT

CALDÊ*

CALMAN*

CALMINEX ATLETA

CALMINEX H

CALMIPLAN

CALMOCITENO

CALMOXIL

CALOTRAT

CALSAN

CALSYNAR

CALTRATE 600 + D*

CALTRATE 600 + M*

CALTREN

CAMBEM

CAMOMILINA C

CAMOXIN

CAMPTOSAR

CANCIDAS*

CANDICORT

CANDIDERM CREME

CANDIZOL

CANDORAL

CAPILAREMA*

CAPOBAL

CAPOTEN

CAPOTRAT

CÁPSULAS PHARMATON

CAPTOCORD

CAPTOLIN

CAPTOMED

CAPTOPIRIL

CAPTOPRIL

CAPTOPRIL + HIDROCLOROTIAZIDA

CAPTOPRIL 12,5 MG/25 MG/50 MG

CAPTOPRIL 30 COMPRIMIDOS

CAPTOPRIL/HIDROCLOROTIAZIDA

CAPTOPRON

CAPTOSEN

CAPTOTEC

CARBAMAZEPINA

CARBIDOPA/LEVODOPA

CARBOCIN

CARBOCISTEÍNA

CARBOCISTEÍNA XAROPE

CARBOFAN

CARBOLIBBS

CARBOLIM

CARBOLITIUM

CARBOLITIUM CR

CARBOPLATINA*

CARDALIN RETARD

CARDILOL

CARDIOAAS

CARDIODORON

CARDIONATO

CARDIONATO H

CARDIOXANE

CARDIZEM

CARDIZEM CD

CARDIZEM SR

CARDURAN

CARDURAN XL

CARDVITA

CARDVITA H

CARIDERM

CARNABOL

CARTRAX

CARVEDILAT*

CARVEDILOL

CÁSCARA SAGRADA

CASEICAL

CASODEX

CATAFLAM AEROSOL*

CATAFLAM D*

CATAFLAM DRÁGEAS*

CATAFLAM EMULGEL*

CATAFLAM GOTAS*

CATAFLAM INJETÁVEL*

CATAFLAM SUPOSITÓRIO*

CATAFLAM SUSPENSÃO*

CATAFLEX

CATAFLEX GEL

CAUTEREX

CAVERJECT

CEBION 1 G SEM AÇÚCAR

CEBION 500 MG*

CEBION CÁLCIO*

CEBION GLICOSE

CEBION*

CEBRALAT

CEBRILIN

CECLOR

CECLOR AF

CECNOIN GEL*

CECNOIN*

CEDILANIDE

CEDRILAX

CEDRIN

CEDUR

CEDUR RETARD*

CEFACIMED

CEFACLOR

CEFACLOR*

CEFACOLIN

CEFADRIN

CEFADROXIL

CEFADROXILA

CEFALEXINA

CEFALIUM

CEFALIV

CEFALOTIL

CEFALOTINA SÓDICA

CEFALOTINA TAMPONADA*

CEFAMOX*

CEFANAL

CEFARISTON

CEFAXON

CEFAZIMA 1G

CEFAZOLINA SÓDICA

CEFEPEN

CEFEPIM*

CEFLEN

CEFORAN

CEFOTAXIMA SÓDICA

CEFOXITINA SÓDICA

CEFPODOXIMA PROXETIL

CEFTANORTH

CEFTAZIDIMA 1 G IM/IV

CEFTAZIDON

CEFTON

CEFTRAT

CEFTRIAX IM

CEFTRIAXONA SÓDICA

CEFTRIAXONA SÓDICA IM

CEFTRIAXONA SÓDICA IV

CEFUNORTH

CEFUROXIMA SÓDICA

CEFZIL*

CEKLIN

CELANCE*

CELEBRA

CELEN AF*

CELESTAMINE

CELESTONE COMPRIMIDOS/GOTAS/ELIXIR

CELESTONE INJETÁVEL

CELESTONE SOLUSPAN

CELESTRAT

CELEXIN

CELLCEPT*

CELLEXINA

CELLOZINA

CELLPARIN

CELLTRIAXON

CELLUFRESH

CELOVAN

CELOX*

CEMAX

CENALFAN

CENALFAN PLUS

CENTRUM SILVER*

CENTRUM*

CEPACAÍNA

CEPACOL JUNIOR

CEPACOL PASTILHAS

CEPACOL SOLUÇÃO

CERAZETTE

CERTICAN*

CERUMIN

CESTOX

CETAPHIL BARRA

CETAPHIL CREME E LOÇÃO HIDRATANTE

CETAPHIL HP LOÇÃO - FPS15

CETAPHIL LOÇÃO DE LIMPEZA

CETAPHIL SABONETE LÍQUIDO

CETAPHIL SHAMPOO SUAVE

CETAZ

CETIHEXAL

CETIVA AE

CETOBETA

CETOCONA

CETOCONAZOL

CETOCONAZOL + DIPROPIONATO DE BETAMETASONA

CETOCONAZOL + DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE NEOMICINA

CETOCONAZOL CREME

CETOCONAZOL SHAMPOO

CETOCORTEN

CETODERM COMPRIMIDO

CETODERM CREME

CETODERM XAMPU

CETOHEXAL

CETOMED COMPRIMIDOS

CETOMED CREME

CETOMED SHAMPOO

CETOMICOSS

CETOMICOSS CREME

CETONAX COMPRIMIDOS

CETONAX CREME

CETONAX SHAMPOO

CETONIL CREME

CETONIL SHAMPOO

CETONIN

CETOPROFENO

CETOPROFENO 100 MG IV

CETOPROFENO I.V.

CETOPROFENO IM

CETOROLACO DE TROMETAMINA 0,5%

CETOTERON

CETOZIN

CETRILAN CREME

CETRILAN SABONETE*

CETRIZIN*

CETROLAC

CETROTIDE*

CEVITON

CEWIN

CEZOLIN

CHEMOPENT

CHERACAP S

CHIROCAINE

CHLOROHEX DERMO SUAVE

CHLOROHEX SOLUÇÃO ALCOÓLICA

CHOLEODORON

CHOPHYTOL*

CHORAGON*

CHRON-ASA 5

CIALIS*

CIBALENAA*

CICATRENE

CICLADOL*

CICLO 21*

CICLOFEMME

CICLOLATO

CICLOMIDRIN

CICLOPIROX OLAMINA

CICLOPLÉGICO

CICLOPRIMOGYNA

CICLOSPORINA

CICLOVULON

CICONAZOL

CIFLOGEX

CIFLOGEX DIET

CIFLOGEX GEL

CIFLOXTRON

CILCLAR

CILINON

CILODEX

CILOXAN

CILOXAN OTOLÓGICO

CIMECORT

CIMEGRIPE

CIMELIDE

CIMETIDAN

CIMETIDINA

CIMETIVAL

CINAFAR

CINARIZINA

CINATREX

CINATREX POMADA OFTÁLMICA

CINAZON

CINCORDIL

CINETOL

CINTILAN

CIPRAMIL*

CIPRO

CIPRO HC

CIPRO XR*

CIPROBIOT

CIPRODINE

CIPROFAR

CIPROFLAN

CIPROFLONAX

CIPROFLOX

CIPROFLOXACINO

CIPROFLOXATRIN

CIPROGLEN

CIPRONOM

CIPROSTAT*

CIPROXEN

CISPLATEX

CISTICID

CITAB

CITALOPRAM

CITALOR

CITARAX

CITOCAÍNA 3%

CITONEURIN 1000 E 5000 SOLUÇÃO INJETÁVEL*

CITONEURIN 5000 DRÁGEAS

CITONEURIN DRÁGEAS*

CITOSTAL

CITRATO DE TAMOXIFENO

CITROLIT*

CITROSODINE COMPRIMIDOS

CITROSODINE GRANULADO

CITROVIT

CLAFORAN

CLAFORDIL

CLARIDERM

CLARIL

CLARILERG

CLARIPEL

CLARIPEL CREME E ACQUAGEL

CLARITIN

CLARITIN-D

CLARITIN-D 24 HORAS

CLARITROMICINA

CLARITRON

CLARITRON IV

CLAROFT

CLARVISOL

CLAUDEMOR

CLAVICIN

CLAVULIN BD

CLAVULIN ES

CLEANBAC

CLEARBLUE EASY

CLEARPLAN

CLENIL 250 MCG SPRAY

CLENIL A*

CLENIL COMPOSITUM A*

CLENIL COMPOSITUM SPRAY E JET

CLENIL JET 250 MCG

CLENIL NASAL AQUOSO

CLENIL NASAL SPRAY

CLENIL PULVINAL 100, 200 E 400 MCG*

CLENS-100 GOTAS UMIDIFICANTES

CLEVERON

CLEXANE*

CLIANE

CLIBIUM

CLIMADERM 7 DIAS

CLIMADIL*

CLIMATIDINE

CLIMENE

CLINAGEL

CLINDABIOTIC

CLINDACIN

CLINDACNE GEL

CLINDAL AZ

CLINDAMICINA

CLINDARIX

CLINDOXYL

CLINFAR

CLISTIN

CLO

CLOBESOL*

CLOB-X

CLOFAZIMINA

CLOFEN K

CLOFEN S

CLOFENID

CLOMAZEN

CLOMAZOL

CLOMID*

CLONIDIN

CLONOTRIL*

CLOPAN

CLOPIXOL*

CLOPSINA

CLORANA

CLORANFENICOL

CLORCIN-PED

CLORETO DE MAGNÉSIO

CLORETO DE POTÁSSIO

CLORETO DE SÓDIO

CLORETO DE SÓDIO 0,9%

CLORETO DE SÓDIO 10%

CLORETO DE SÓDIO 20%

CLORIDRATO DE AMBROXOL

CLORIDRATO DE AMBROXOL XAROPE

CLORIDRATO DE AMILORIDA + HIDROCLOROTIAZIDA

CLORIDRATO DE AMILORIDA/HIDROCLOROTIAZIDA

CLORIDRATO DE AMIODARONA

CLORIDRATO DE AMITRIPTILINA

CLORIDRATO DE AMITRIPTILINA*

CLORIDRATO DE BENAZEPRIL

CLORIDRATO DE BETAXOLOL

CLORIDRATO DE BETAXOLOL 0,5%

CLORIDRATO DE BIPERIDENO

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE CEFEPIMA

CLORIDRATO DE CETIRIZINA

CLORIDRATO DE CIPROFLOXACINO

CLORIDRATO DE CLOBUTINOL

CLORIDRATO DE CLOBUTINOL + SUCCINATO DE DOXILAMINA

CLORIDRATO DE CLOBUTINOL SUCCINATO DE DOXILAMINA

CLORIDRATO DE DILTIAZEM

CLORIDRATO DE DOBUTAMINA

CLORIDRATO DE DOPAMINA

CLORIDRATO DE DORZOLAMIDA

CLORIDRATO DE DOXORRUBICINA

CLORIDRATO DE FEXOFENADINA

CLORIDRATO DE FLUOXETINA

CLORIDRATO DE FLUOXETINA 20

CLORIDRATO DE GRANISETRONA

CLORIDRATO DE IRINOTECANO

CLORIDRATO DE LIDOCAÍNA 2%

CLORIDRATO DE METFORMINA

CLORIDRATO DE METFORMINA 500 MG/850 MG/1 G

CLORIDRATO DE METOCLOPRAMIDA

CLORIDRATO DE METOCLOPRAMIDA 5 MG/ML

CLORIDRATO DE MINOCICLINA

CLORIDRATO DE NAFAZOLINA

CLORIDRATO DE NORTRIPTILINA

CLORIDRATO DE ONDANSETRONA*

CLORIDRATO DE PAROXETINA

CLORIDRATO DE PROPRANOLOL

CLORIDRATO DE RANITIDINA

CLORIDRATO DE RANITIDINA 150 MG/300 MG

CLORIDRATO DE SELEGILINA

CLORIDRATO DE SERTRALINA

CLORIDRATO DE SOTALOL

CLORIDRATO DE TERAZOSINA

CLORIDRATO DE TERBINAFINA

CLORIDRATO DE TERBINAFINA COMPRIMIDOS

CLORIDRATO DE TETRACICLINA + ANFOTERICINA B

CLORIDRATO DE TICLOPIDINA

CLORIDRATO DE TRAMADOL

CLORIDRATO DE VANCOMICINA

CLORIDRATO DE VERAPAMIL

CLOR-IN 1 E 10*

CLOR-IN 10.000

CLOR-IN 500 E 1.000

CLOR-IN GRANULADO

CLOR-IN HIGIENIZADOR POST-MIX

CLORIZIN

CLOROCIDE

CLORPROMAZ

CLORPROMAZINA

CLORPROPAMIDA

CLORTALIDONA

CLORTON

CLOSTEMIN

CLOTÁSSIO

CLOTRIMAZOL

CLOTRIMAZOL + ACETATO DE DEXAMETASONA

CLOTRIMAZOL ACETATO DE DEXAMETASONA

CLOTRIMAZOL CREME VAGINAL

CLOTRIZOL

CLOXAZOLAM

CLOZAL*

CLUSIVOL COMPOSTO*

CLUSIVOL COMPRIMIDOS REVESTIDOS*

COBACTIN

COBAVIT

COBAVITAL

CO-CALCIODORON

CODATEN*

CODEIN

CODEIN SOLUÇÃO INJETÁVEL

CODEX*

CO-ENAPROTEC

CO-LABOPRIL

COLCHIS*

COLCITRAT*

COLINEX

COLIRIO MOURA BRASIL

COLIS-TEK*

COLONAC

COLPAGEX-N

COLPIST MT

COLPISTAR CREME

COLPISTATIN

COLPOTROFINE CÁPSULAS*

COLPOTROFINE CREME VAGINAL*

COLTRAX

COLUTÓIDE

COMBACTAN

COMBIRON

COMBITREX

COMBIVENT*

COMPAZ

COMPLEAT

COMPLEVITAN

COMPLEXIMED B

COMPLEXIMED B + C

COMPLEXO B

COMPLEXO B PLUS ROCHE

COMPRIMIDOS EFERVESCENTES DE CLORETO DE POTÁSSIO

COMTAN*

CONCERTA*

CONCOR*

CONDROFLEX*

CONIDRIN

CONMEL

CONTIFLO OD*

CONTRACEP

CONTRACTUBEX*

CONTRATHION

CONVULSAN

COPAXONE*

CO-PRESSOLESS

COR MIO

CORABEN

CORCICLEN

CORDAREX

CORDILAT

CORDIPINA

CORDIRON

COREG

CO-RENITEC

CORGARD 40 E 80 MG*

CO-RHEUMODORON

CORISTINA D

CORISTINA R

CORONAR

CORTIDEX

CORTISONAL CREME

CORTISONAL*

CORTISTON

CORUS

CORUS-H

COSMEGEN

COSOPT*

COUMADIN

COVERSYL 4 MG*

COZAAR*

COZIB

C-PLATIN

CREME COM URÉIA 10% COSMIATRIC

CREME UNIVERSAL

CREMEDERME

CREMEFENERGAN

CREON*

CRESTOR*

CRINONE 8%*

CRISTALPEN

CRIXIVAN

CROMOGLICATO DISSÓDICO 4%

CROMOLERG 2% E 4%

CRONOBÊ

CRONOGERON 25 E 75 MG

CRONOMET

CUBISON

CUBITAN

CUPRIMINE

CUROSURF*

CUTENOX*

CUTISANOL*

CUTISONE*

CYCLOFEMINA*

CYFENOL

CYLOCORT

CYMBALTA*

CYMEVENE CÁPSULAS

CYMEVENE FRASCO-AMPOLA

CYMEVIR

CYNT*

D.T.COQ/D.T.P.

D.T.VAX

DACARB

DACTIL-OB

DACTINOMICINA

DAFLON 500*

DAFORIN

DAIVOBET*

DAIVONEX*

DAKNAX

DAKTARIN GEL ORAL

DAKTARIN LOÇÃO CREMOSA

DALACIN C*

DALACIN T

DALACIN V

DALMADORM

DALSY*

DANTROLEN INTRAVENOSO

DAONIL

DAPSONA*

DARAPRIM

DARBIN

DAUNO-BIG

DAUNOBLASTINA

DAUNOXOME*

DAYVIT

DAZOLSTON

DDAVP*

DECA-DURABOLIN

DECAN HALOPER

DECNAZOL

DECONGEX PLUS

DEFATIG

DEFICICAL B12

DEFLANIL

DEFLAREN

DEFLAREN CREME

DEFLOGEN

DEIV LIMPADOR ENZIMÁTICO 3E

DEIV LIMPADOR ENZIMÁTICO 4E

DEKATIN*

DELTACID PLUS

DELTACID*

DELTRACIN

DENACEN

DENTPLAQUE

DENYL

DEOCIL 10 MG

DEOTRIN

DEPAKENE

DEPAKOTE

DEPAKOTE SPRINKLE

DEPO-MEDROL

DEPO-PROVERA

DEPOSTERON IM

DEPRAX

DEPRESS

DEPRILAN

DEPROZOL

DEQUADIN COM BENZOCAÍNA

DERMACARE

DERMACERIUM 2,2

DERMACERIUM HS

DERMACERIUM*

DERMACYD

DERMASE

DERMATODORON

DERMATOP

DERMAVITE

DERMAX SABONETE

DERMAZINE*

DERMAZOL

DERMICIN

DERMICON

DERMIZAN CREME

DERMODEX PREVENT*

DERMODEX*

DERMOMAX*

DERMOSALIC

DERMOSEPTIL

DERMOTIVIN SABONETE

DERMOVAT

DERMOXIN

DERMS

DERMYCOSE

DERSANI MIRIM*

DERSANI*

DESALEX*

DESCON*

DESCROST DETERGENTE ENZIMÁTICO

DESENSIBILIZANTE CHAUVIN*

DESERILA

DESFERAL*

DESFRIN

DESINFLEX

DESINFLEX GEL

DESOBESI-M

DESONIDA

DESONOL*

DESPACILINA 400.000 U

DESTILBENOL

DETECT BABY

DETIMEDAC

DETRUSITOL

DETRUSITOL LA

DEXA-CITONEURIN COMPRIMIDOS*

DEXA-CITONEURIN SOLUÇÃO INJETÁVEL*

DEXACLOR

DEXACOBAL

DEXA-CRONOBÊ

DEXADEN

DEXADERM

DEXADERME

DEXADOR

DEXAFENICOL

DEXAGIL

DEXALGEN

DEXAMETASONA

DEXAMETASONA - CREME

DEXAMETASONA - LAFEPE

DEXAMETASONA ELIXIR

DEXAMETASONA*

DEXAMETAX CREME

DEXAMETONAL

DEXAMETRAT

DEXAMINOR

DEXANEURIN

DEXAZONA

DEXAZONA CREME

DEXAZONA INJETÁVEL

DEXTAMINE

DEXTROVITASE

DIAB

DIABECONTROL

DIABETISOURCE COM NUTRISHIELD

DIABEXIL

DIABINESE*

DIABINIL

DIAD

DIADEN

DIAFORMIN

DIAMELLITIS

DIAMICRON

DIAMICRON MR*

DIAMOX*

DIANE 35

DIARRESEC

DIASEC

DIASIP

DIASON

DIATYL*

DIAZEFAST*

DIAZEPAM

DIAZEPAM NQ

DICETEL*

DICLAC

DICLAC SR

DICLIN*

DICLO P

DICLOFENACO

DICLOFENACO COLESTIRAMINA

DICLOFENACO COLESTIRAMINA*

DICLOFENACO DE DIETILAMÔNIO

DICLOFENACO DIETILAMÔNIO

DICLOFENACO POTÁSSICO

DICLOFENACO POTÁSSICO*

DICLOFENACO RESINATO

DICLOFENACO SÓDICO

DICLOFENACO SÓDICO*

DICLOGENOM

DICLOKALIUM

DICLONATRIUM

DICLONAX

DICLONIL

DICLORIDRATO DE CETIRIZINA

DICLOSOD

DICORANTIL F 250

DIDANOSIN

DIDANOSINA (DDI) - LAFEPE*

DIDANOX

DIENPAX

DIENTRIN

DIETAMINA

DIETASAL

DIFEBRIL

DIFEN

DIFENIDRIN

DIFFERIN CREME

DIFFERIN GEL

DIGECAP ZIMÁTICO

DIGEDRAT*

DIGEPLUS

DIGESAN

DIGESAN RETARD

DIGEST

DIGESTINA

DIGIX

DIGOBAL

DIGOX

DIGOXEN

DIGOXINA

DILACORON

DILAFLUX

DILAFLUX RETARD

DILAMOL

DILENA

DILTIACOR

DILTIN

DILTIPRESS

DILTIZEM

DILTIZEM AP

DILTOR CD*

DIMEFOR

DIMETAPP EXPECTORANTE*

DIMETAPP GELCAPS*

DIMETAPP*

DIMETICONA

DIMETROSE

DIMINUT

DIMIPRESS

DIMORF COMPRIMIDOS

DIMORF LC

DIMORF SEM CONSERVANTES

DIMORF SOLUÇÃO ORAL

DIMORF SP

DINAFLEX*

DINATON

DINAVIR

DINAVITAL C

DINILL

DIOCOMB SI*

DIOSMIN

DIOVAN AMLO*

DIOVAN HCT*

DIOVAN*

DIOXAFLEX 50

DIOXAFLEX 75

DIOXAFLEX GEL

DIPAVERINA 100 MG

DIPEPTIVEN

DIPIMAX

DIPINAL

DIPIRAN

DIPIRONA

DIPIRONA SÓDICA

DIPRIVAN 1%*

DIPRIVAN 2%

DIPROBET

DIPROBETA

DIPROCORT

DIPROGENTA

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + ÁCIDO SALICÍLICO

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + FOSFATO DISSÓDICO DE BETAMETASONA

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA + SULFATO DE GENTAMICINA

DIPROPIONATO DE BETAMETASONA ÁCIDO SALICÍLICO

DIPROSALIC

DIPROSONE

DIPROSPAN

DISERIM*

DISGREN*

DISOTRON

DISPEPTRIN

DISPLATA

DISPNEITRAT

DITRAN

DIUPRESS

DIURISA

DIURIT

DIVELOL*

DIVIDOL

DNAREN

DOBTAN

DOBUTABBOTT

DOBUTON

DOGMATIL

DOLAMIN

DOLANTINA

DOLO MOFF INJETÁVEL*

DOLO MOFF*

DOLOSAL

DOMPEROL

DONAREN*

DOPABANE

DOPACRIS

DOPAMETIL

DORCIFLEX

DORFEBRIL

DORFLEX

DÔRICO

DÔRICO CHÁ

DORIDINA

DORIGREN DM*

DORILAX

DORILESS

DORLESS

DORMIRE

DORMIRE COMPRIMIDOS

DORMIRE SOLUÇÃO INJETÁVEL

DORMIUM

DORMONID COMPRIMIDOS*

DORMONID INJETÁVEL*

DORNAL

DORNOT

DOROSTIL

DORPINON

DOSTINEX

DOTAREM

DOXAL

DOXICICLINA

DOXICLIN

DOXO-BIG

DOXOFIL

DOXOLEM

DOZENEURIN IM

DRAMIN B6 DL*

DRAMIN B6*

DRAMIN*

DRENALIN

DRENIFÓRMIO

DRENISON N

DRENISON OCLUSIVO

DRENISON*

DRENOL

DRIPANINA*

DROPERDAL

DROPROPIZINA

DROXAINE

DUALID S

DUCILAMINA

DULCOLAX*

DUNASON

DUOCEF

DUO-CIDE PLUS

DUODOPA CR*

DUOFILM

DUOFILM PLANTAR

DUOFLAM

DUOVENT

DUOZOL

DUPHASTON*

DURATESTON

DUROGESIC

DUSPATALIN*

DUZIMICIN

DYSPORT*

EACA BALSÂMICO*

EBASTEL

EBASTEL D

EBIX*

ECATOR*

ECOFILM*

ECOS

EDHANOL

EFEDERM

EFEDRIN

EFERVIT C 1 G

EFEXOR XR*

EFEXOR*

EFORTIL

EFURIX*

EL DIET

ELAMAX*

ELCODRIX

ELEPRIL*

ELEVIT GERIÁTRICO

ELIDEL*

ELIXIR PAREGÓRICO

ELOCOM

ELOFURAN

ELOTIN

ELOXATIN*

ELOZIMA

ELPRAZOL

ELSPAR*

ELUM

EMADINE

EMEBRID

EMEND*

EMLA CREME

EMODERM

EMOFORM

EMOFORM CLOROFILA

EMOTIVAL

EMULSÃO SCOTT

EMULSÃO UNIVERSAL

ENALABAL*

ENALAMED

ENAPLEX

ENAPROTEC

ENATEC

ENATEC F

ENAX*

ENBREL*

ENDOBULIN S/D

ENDOFOLIN*

ENDRONAX*

ENERGICLIN

ENERGIVIT

ENERGOPLEX

ENFAMIL PROSOBEE

ENFAMIL SEM LACTOSE

ENFLURAN

ENFOL

ENJOY*

ENTEROCLER

ENTEROFIGON

ENTEROSEC

ENTEROTONUS

ENTEROTONUS INFANTIL

ENTEROTONUS SENE

ENTOCORT CÁPSULAS

ENTOCORT ENEMA

ENXOFRE EM PÓ

ENZICOBA 1 MG

ENZICOBA 5 MG

EPAREMA*

EPATIVAN B6

EPHYNAL

EPIDRAT LOÇÃO FLUIDA PARA O CORPO

EPIDRAT LOÇÃO FLUIDA PARA O ROSTO COM FPS 15

EPILENIL

EPISOL GEL FPS 30*

EPISOL INFANTIL FPS 30

EPISOL LOÇÃO PROTETORA SOLAR FPS 45

EPISOL OIL FREE FPS 15, FPS 30, FPS 45*

EPISOL SPRAY FPS 30

EPISOL UVA LOÇÃO FPS 15

EPISOL UVA LOÇÃO FPS 30*

EPITEZAN

EPIVIR

EPOCLER

EPÓSIDO

EPREX

EQUILID

EQUIPLEX ÁGUA (H2O) PARA INJEÇÃO

EQUIPLEX AMINOFILINA BIHIDRATADA

EQUIPLEX BICARBONATO DE SÓDIO

EQUIPLEX BROMETO DE N-BUTILESCOPOLAMINA

EQUIPLEX CIMETIDINA

EQUIPLEX DEXAMETASONA

EQUIPLEX DICLOFENACO DE POTÁSSIO

EQUIPLEX DICLOFENACO DE SÓDIO

EQUIPLEX DIPIRONA SÓDICA

EQUIPLEX METOCLOPRAMIDA

EQUIPLEX METRONIDAZOL CLORIDRATO 0,5%

EQUIPLEX N-BUTILBROMETO DE ESCOPOLAMINA + DIPIRONA SÓDICA

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE CLORETO DE POTÁSSIO

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICERINA 12% (CLISTER)

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 10%

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 25%

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 5%

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 50%

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 75%

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE MANITOL 20%

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE RINGER COM LACTATO

EQUIPLEX SOLUÇÃO DE RINGER SIMPLES

EQUIPLEX SOLUÇÃO FISIOLÓGICA DE CLORETO DE SÓDIO 0,9%

EQUIPLEX SOLUÇÃO FISIOLÓGICA DE CLORETO DE SÓDIO 10%

EQUIPLEX SOLUÇÃO FISIOLÓGICA DE CLORETO DE SÓDIO 20%

EQUIPLEX SOLUÇÃO GLICOFISIOLÓGICA

EQUIPLEX SULFATO DE ATROPINA

EQUITAM

ERANZ*

ERGOMEMOR

ERGOMETRIN

ERITINA

ERITÓS*

ERITREX

ERITREX A

ERITROBEN

ERITROKINE

ERITROMICINA*

ERRADIC

ERRADIC UG

ERYACNEN 4%

ERYSIDORON 1

ESCABRON

ESCLEROVITAN

ESCLEROVITAN PLUS*

ESCOPEN

ESMERON

ESMIL

ESPASMO LUFTAL

ESPASMODID COMPOSTO

ESPECTROPRIMA

ESPERSON

ESPERSON N

ESSEN

ESTAFAN C*

ESTALIS SQ*

ESTALIS*

ESTANDRON P

ESTAVUDINA

ESTIMORAL*

ESTOMAVIZ

ESTOMEPE

ESTRADOT*

ESTRAGEST TTS

ESTREPTOMICINA*

ESTREVA GEL*

ESTROFEM 1 MG*

ESTROFEM 2 MG*

ESTROGENON COMPRIMIDOS

ESTROGENON CREME VAGINAL

ESTROPLUS

E-TABS

ETAMBUTOL

ETHAMOLIN

ETHYOL

ETILEFRIL

ETOMIDATO

ETOPOS*

ETRANE

EUCALIPTAN

EUCIL

EUFOR 20

EUGERIAL

EUGLUCON

EULEXIN

EUMOVATE

EUNADES CS

EUPEPT

EUPRESSIN

EUPRESSIN-H

EUTHYROX*

EUTROPIN

EVANOR

EVISTA

E-VITAMINA

EVOCANIL*

EVRA

EXAVIR

EXCEDRIN

EXCIVIT*

EXELMIN

EXELON*

EXIT

EXLUTON

EXPECTIL

EXTRA GRAFT

EXTRALERG SL

EZETROL

EZULEN

FACYL 500

FACYL M

FADIG

FAGOLIPO

FALEXINA

FALMONOX

FAMOSET*

FAMOTIL

FAMOX

FAMOXIL

FAMVIR

FANCLOMAX

FANHDI 250, 500 e 1000 U.I.

FANSIDAR

FARINHAS LÁCTEAS

FARLAC

FARLUTAL

FARMAZOL

FARMICINA

FARMORUBICINA CS

FARMORUBICINA RD

FARMOXICAM

FASLODEX

FASTFEN

FASULIDE

FASULIDE GEL

FAULBLASTINA

FAULDACAR

FAULDCARBO

FAULDCISPLA

FAULDCITA

FAULDFLUOR

FAULDLEUCO

FAULDMETRO

FAULDOXO

FAULDPAMI

FAULDPENTA

FAULDVINCRI

FAZOLON

FEIBA IMMUNO

FELDENE

FELDENE GEL

FELDENE SL

FELDOX

FELODIL

FEM 7*

FEMARA*

FEMIANE

FEMIGESTROL*

FEMINA

FEMINVIT*

FEMME

FEMME COM FLÚOR

FEMOSTON 1/10*

FEMOSTON CONTI*

FENAFLEX

FENAREN

FENAREN GEL

FENDICAL*

FENERGAN

FENERGAN EXPECTORANTE

FENICLORAN

FENIDEX

FENILEFRIN

FENILEFRINA 10%

FENITAL

FENITOÍNA

FENOBARBITAL

FENOCRIS

FENOZAN GOTAS E XAROPE

FENTABBOTT

FENTANEST

FENTANIL

FENTIZOL

FERANE 35*

FERID

FER-IN-SOL GOTAS

FERRINI*

FERRIPROX*

FERROCOMPLEX

FERROTOTAL

FERROTRAT 500

FERROTRAT B12 PLUS 1000

FERTILITY DAY

FERTNON*

FERVEX

FESTONE 10 MG E 20 MG

FEXO D*

FEXODANE*

FIBERSOURCE

FIBRACAP

FIBRASE

FIBRINASE COM CLORANFENICOL

FIBROGAMMIN P

FIDEÍNE

FILAX GEL*

FILGRASTIM

FILGRASTINE*

FILINAR

FILMCEL 0,5%

FILOGARGAN

FILOGASTER

FINALOP

FINASTERIDA 1 MG

FINASTERIDA 1/5 MG

FINASTERIDA 5 MG

FINASTIL

FINDOR

FINETOSS

FINIGAS

FINN

FINN CRISTAL

FIOTAN

FISIOGEL

FISIOGEN*

FIZZICLEAN

FLADON

FLAGASS

FLAGASS BABY

FLAGYL 400

FLAGYL COMPRIMIDOS

FLAGYL GINECOLÓGICO GELÉIA

FLAGYL INJETÁVEL

FLAGYL NISTATINA CREME

FLAGYL PEDIÁTRICO

FLAMACORTEN

FLAMADENE

FLAMADOR

FLAMOSTAT

FLANAX

FLANCOX*

FLATEX

FLAXIN

FLEBOGAMMA 5%, 0,5 - 2,5 - 5 - 10 G

FLEET ENEMA*

FLEXAMINA

FLEXDOR

FLIXONASE AQUOSO NASAL SPRAY

FLIXOTIDE SPRAY 50 E 250 MCG

FLODIN DUO*

FLOGAN AI COMPRIMIDO SOLÚVEL

FLOGAN COMPRIMIDOS

FLOGAN GOTAS

FLOGENE

FLOGENE 10 MG

FLOGESIC

FLOGORAL COLUTÓRIO

FLOGORAL CREME DENTAL

FLOGORAL PASTILHAS

FLOGORAL SPRAY

FLOGO-ROSA

FLORATE

FLORATIL PEDIÁTRICO*

FLORATIL*

FLORAX*

FLORAZIN

FLOREN*

FLORINEFE

FLORINY

FLOTAC*

FLOX

FLOXACIN

FLOXEN

FLOXEN COMPRIMIDOS

FLOXID

FLOXILIN

FLOXINOL*

FLU COLIC

FLUCAZOL

FLUCISTEIN

FLUCISTEIN XAROPE

FLUCODAN

FLUCOLCID

FLUCOLTRIX

FLUCOMED

FLUCONAL

FLUCONAZOL

FLUDARA*

FLUDILAT RETARD

FLUDILAT*

FLUFENAN

FLUFENAN DEPOT

FLUIBRON A

FLUIBRON XAROPE ADULTO E PEDIÁTRICO, GOTAS

FLUICIS

FLUIMUCIL

FLUIMUCIL ORAL

FLUIMUCIL SOLUÇÃO NASAL

FLUIMUCIL XAROPE*

FLUIR

FLUIZAN

FLUMAZEN*

FLUMAZIL

FLUMEX 0,10% E 0,25%

FLUMEX-N

FLUNARIN

FLUODRAZIN

FLUOMINT ANTICÁRIE ANTI-SÉPTICO BUCAL

FLUOMINT CONTROLE DO TÁRTARO ANTI-SÉPTICO BUCAL

FLUORESCEÍNA

FLUORETO DE SÓDIO

FLUORO-URACIL*

FLUORURACILA

FLUOTHANE

FLUOTRAT

FLUO-VASO

FLUOX*

FLUOXETIN

FLUTAMIDA

FLUTEC

FLUTICAPS*

FLUTIVATE

FLUVERT*

FLUXAPRIL

FLUXENE

FLUXILASE

FLUXOL

FOLACIN

FOLDAN

FOLICORIN

FOLIFER

FOLIN*

FOLINATO DE CÁLCIO

FONERGIN*

FONTOL

FONTOLAX

FONTO-VIT A

FONTO-VIT B6

FONTO-VIT C

FONTO-VIT E 1.000 UI

FONTO-VIT E 400 UI

FOR GAS

FORADIL CÁPSULAS

FORANE

FORASEQ*

FORMET

FORMOCAPS*

FORMOL

FORTAZ 1 E 2 G

FORTEN

FORTÉO

FORTIDRINK

FORTILAN*

FORTINI MULTI FIBER

FORTOVASE

FOSAMAX*

FOSFASERON

FOSFATO DE CLINDAMICINA

FOSFATO DE CLINDAMICINA*

FOSFATO DE POTÁSSIO

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO SÓDICO DE PREDNISOLONA

FOSFOCAPS

FRADEMICINA

FRAGMIN

FRANOL

FREEGAS

FREENAL

FRENURIN

FRESH TEARS

FRESH TEARS LIQUIGEL

FRESOFOL 1%

FRESOLCAN

FRISIUM

FRONTAL XR

FRONTAL*

FRUTOPLEX

FRUTOSE 5%

FRUTOVENA

FRUTOVITAM

FULCIN

FUMARATO DE CETOTIFENO

FUNED ÁCIDO ACETILSALICÍLICO

FUNED ÁCIDO FÓLICO

FUNED ALBENDAZOL

FUNED AMINOFILINA

FUNED AMITRIPTILINA

FUNED CAPTOPRIL

FUNED CIMETIDINA

FUNED CLORIDRATO DE IMIPRAMINA

FUNED CLORPROPAMIDA

FUNED DIAZEPAM

FUNED DIDANOSINA

FUNED DIGOXINA

FUNED DINITRATO DE ISOSSORBIDA

FUNED DIPIRONA

FUNED ERITROMICINA

FUNED FENITOÍNA

FUNED FENOBARBITAL

FUNED FURAZOLIDONA

FUNED FUROSEMIDA

FUNED HALOPERIDOL

FUNED HIDROCLOROTIAZIDA

FUNED MEBENDAZOL

FUNED METILDOPA

FUNED METOCLOPRAMIDA

FUNED METRONIDAZOL

FUNED NIFEDIPINA

FUNED PARACETAMOL

FUNED PROPRANOLOL

FUNED SALBUTAMOL

FUNED SORO ANTIBOTRÓPICO

FUNED SORO ANTIBOTRÓPICO-CROTÁLICO (POLIVALENTE)

FUNED SORO ANTIBOTRÓPICO-LAQUÉTICO

FUNED SORO ANTICROTÁLICO

FUNED SORO ANTIELAPÍDICO

FUNED SORO ANTIESCORPIÔNICO

FUNED SULFAMETOXAZOL + TRIMETOPRIMA

FUNED SULFATO FERROSO

FUNGI B

FUNGIROX ESMALTE*

FUNGIROX*

FUNGIZON

FUNGOLAN

FUNGON

FUNGORAL

FUNGORAL CREME

FUNGORAL SHAMPOO

FUNTYL

FURACIN

FUROATO DE MOMETASONA

FUROSAN

FUROSECORD

FUROSEM

FUROSEMIDA

FUROSEMIDE

FUROSEMIDE COMPOSTO

FUROSEN

FUROSETRON

FUROZIX

FUZEON

GABALLON*

GABAPENTINA

GADUOL

GALENOGAL

GAMA ANTI TÉTANO GRIFOLS 250 U.I./1 ML E 500 U.I./2 ML

GAMA ANTI-D GRIFOLS 1250 U.I. (250 MCG)

GAMA ANTI-HEPATITE B GRIFOLS 1000 U.I./5 ML

GAMA ANTI-HEPATITE B GRIFOLS 600 U.I./3 ML

GAMACEF

GAMAGLOBULINA HUMANA PASTEURIZADA GRIFOLS 320 MG (2 ML) E 800 MG (5 ML)

GAMAX

GAMMAR*

GANCICLOVIR - LAFEPE

GANCICLOVIR SÓDICO

GANVIRAX*

GARAMICINA CREME

GARAMICINA INJETÁVEL

GARAMICINA INJETÁVEL PEDIÁTRICA

GARASONE

GARDENAL

GARGOCETIL

GASPIREN

GASTERASE

GASTRIUM

GASTROBION

GASTROCINE

GASTRODORON

GASTROFLAT

GASTROMAX

GASTROPLUS

GAVIZ

GAZYME

GELAFUNDIN (GELATINA FLUIDA MODIFICADA)

GELFLEX

GELFOAM

GELUSIL

GEMZAR

GENCYDO 30% E 50%

GENFIBROZILA

GENGI LACER

GENGI LACER ENXAGUATÓRIO BUCAL

GENGRAF

GENOTROPIN

GENOXACIN

GENTACORT

GENTAMICINA*

GENTARON

GENTEAL

GEODON IM

GEODON*

GEOPHAGOL

GEPEPROSTIN 50 MG

GERIATON

GERIAVITE

GERIBION*

GERILON

GERMEKIL

GERMOXIL

GERMPOL PLUS

GERONTEX

GEROTREX H3

GESTADINONA

GESTINOL 28*

GESTRELAN

GEVRAL SUPER

GIAMEBIL*

GIARLAM

GINBILOBA

GINCONAZOL

GINEC

GINECOSIDE DRÁGEAS

GINESSE

GINGILONE

GINKAN

GINKOBA*

GINKOBIL

GINKOBILON

GINKOCAPS

GINKOMED

GINKOPLUS

GINO CAUTEREX

GINO TRALEN

GINO-CANESTEN

GINO-CANESTEN 1

GINO-CANESTEN 3

GINO-DACZOL

GINO-DERMAZINE

GINO-FIBRASE

GINOFLORAX

GINO-LOPROX

GINO-PLETIL

GINOTARIN-MICONAZOL

GINSANA*

GINSENG

GLAUCOTRAT

GLAUTIMOL

GLAVIT

GLIBEN

GLIBENCLAMIDA

GLIBENCLAMON

GLICAMIDA

GLICARON

GLICERINA

GLICOCEF

GLICONATO DE CÁLCIO 10%

GLICOSE

GLICOSE 10%

GLICOSE 25%

GLICOSE 5%

GLICOSE 50%

GLICOSE EM SOLUÇÃO ISOTÔNICA DE CLORETO DE SÓDIO

GLIFAGE XR*

GLIFAGE*

GLIMEPIBAL*

GLIMEPIL

GLIMEPIRIDA

GLIMEPRID

GLIOTEN

GLIOTENZIDE 10 E 20

GLIPLEX

GLITISOL*

GLIVEC*

GLOSSALIV

GLUCAGEN

GLUCAL B12

GLUCAN 10 MG*

GLUCANTIME

GLUCOBAY

GLUCOFORMIN

GLUCOHEX 4% SABONETE LÍQUIDO

GLUCONATO DE CÁLCIO

GLUCOSAMINE

GLUCOVANCE*

GLUTACIDE II

GLUTACIDE PRONTO USO

GLUTAFIN

GLUTAMIN

GLYPRESSIN*

GLYQUIN*

GLYTEOL

GLYVENOL*

GONAL-F*

GONAPEPTYL DEPOT 3,75 MG SC/IM*

GOPTEN*

GOTAS BINELLI*

GOTAS DIGESTIVAS

GOTAS NICAN

GOTAS PRECIOSAS

GRACIAL

GRANOCYTE

GRANULEN

GRANULOKINE FRASCO-AMPOLA*

GRANULOKINE SERINGA PREENCHIDA*

GRAV TEST

GRIPEOL

GRIPOMATINE

GRIPÔNIA

GUARANÁ

GUARANÁ EM PÓ

GUARANÁ HERTZ

GUTTALAX*

GYNAX

GYNAZOLE-1

GYNBEN*

GYNERA

GYNO IRUXOL

GYNO-DAKTARIN

GYNO-FUNGIX

GYNO-ICADEN

GYNOMAX

GYNO-MICOSIN

GYNO-MYCEL

GYNOPAC*

GYNOPLUS

GYNO-ZALAIN

H. BACTER IBP

H.BACTER

HAEMATE P

HAES-STERIL 200/0,5 10% E 200/0,5 6%

HALDOL

HALDOL DECANOATO

HALO

HALO DECANOATO

HALOG

HALOPERIDOL

HALOPSITOL

HALOTHANO

HANTINA*

HARMONET*

HEBRIN

HELICOPAC

HELICOPAC IBP

HELMIBEN

HELMIBEN NF

HELMICIN

HELMIZIL

HELYAGE GEL FPS: 15; PPD: 5*

HEMATIASE B12

HEMATOFER

HEMAX-ERITRON

HEMOBLOCK

HEMOFIL M

HEMOFLEB

HEMOGENIN

HEMOHES AMIDO HIDROXIETÍLICO 200/0,5 A 6% E 10%

HEMOPREX

HEMORROIDEX

HENETIX

HEPABILE

HEPALIN

HEPA-MERZ*

HEPARIN

HEPATECT CP*

HEPATILON

HEPATO DIET

HEPATOBYL

HEPATOCLER

HEPATODORON

HEPATOPLEX

HEPATOTRIS

HEPATOX

HEPAVITOSE

HEPSERA

HEPTAR

HERALGLÓS

HERCAP*

HERCEPTIN*

HERPESIL

HERPESINE*

HERPEX

HERVIRAX

HEXABRIX 320

HEXOMEDINE COLUTÓRIO*

HIBUTAN 250 MG

HICLOFEN

HI-CLOR

HI-CLOSAN DEGERMANTE

HI-CLOSAN SABONETE LÍQUIDO

HICONAZOL

HICONCIL

HIDANTAL COMPRIMIDOS

HIDANTAL INJETÁVEL

HIDRAFIL EYECARE

HIDRAFIL GEL

HIDRAFIL LOÇÃO CREMOSA

HIDRAFIL SABONETE

HIDRAFIX 90 FLACONETE

HIDRAFIX 90 PRONTO PARA BEBER

HIDRAFIX FLACONETE

HIDRAFIX PRONTO PARA BEBER

HIDRAKIDS

HIDRAPEL CREME/LOÇÃO

HIDRAPEL PLUS URÉIA 10%

HIDRION*

HIDROCIN

HIDROCLORANA

HIDROCLOROTIAZIDA

HIDROCORTEX

HIDROMED

HIDROSONE

HIDROTIAZIDA

HIDROXIALIV

HIDRÓXIDO DE ALUMÍNIO

HIDRÓXIDO DE ALUMÍNIO GEL

HIFLOXAN

HIGICLER*

HI-GLUT 28/35

HIGROTON

HIGROTON RESERPINA

HINOX

HIOARISTON

HI-ODIN TÓPICO

HIOSCINA

HIPER DIET ENERGY PLUS

HIPER DIET MULTI FIBER

HIPER DIET STANDARD

HIPER DIET TCM

HIPER DIET TCM SEM SACAROSE

HIPEREX

HIPERSAC

HIPOCLOR

HIPOCLORITO DE SÓDIO 1% P/V PARA LACTÁRIOS

HIPOCLORITO DE SÓDIO 1% P/V PARA SUPERFÍCIES FIXAS

HIPOCLORITO DE SÓDIO 2,5% P/V

HIPODEX

HIPOFAGIN S

HIPOGLÓS*

HIPOSAN

HIPOTEN

HIRUDOID GEL E POMADA

HISTADIN

HISTADIN D

HISTAMED

HISTAMIX

HIXIZINE

HORMOCERVIX*

HORMODOSE

HORMOTROP*

HUMALOG

HUMALOG MIX 25

HUMATROPE

HUMULIN 70N/30R

HUMULIN N (NPH)

HUMULIN R (REGULAR)

HYALOZIMA CREME

HYALOZIMA*

HYALUDERMIN

HYCAMTIN

HYDERGINE SRO*

HYDERGINE*

HYDRAX 45

HYDRAX 90

HYDREA

HYGINE ESPUMA*

HYPERIUM 1 MG*

HYPERON

HYPNOMIDATE*

HYPOTEARS PLUS

HYPOTEARS PLUS DU

HYTÓS PLUS

HYTRIN

HYZAAR*

IBERIN FÓLICO

IBEROL

IBEROL GOTAS

IBUPROFAN

ICADEN

ICTUS*

IFOSFAMIDA*

IGUASSINA

IKAFLUX XAROPE

ILOBAN CÁPSULAS*

ILOSONE

ILOSONE TÓPICO SOLUÇÃO

IMIPRA

IMMUCYST

IMMUNATE

IMMUNINE

IMOSEC*

IMOVANE 7,5 MG

IMOVAX MUMPS

IMOVAX POLIO

IMPACT GLUTAMINA*

IMPACT ORAL*

IMPACT*

IMPLANON

IMUNEN

IMUNOGLOBULIN*

IMUNOGLUCAN

IMUNOKINE ALFA

IMUNONUTRIL DIET

IMUNOPARVUM

IMUNOPROTEIN ? 2 UDS/0,1 ML

IMUNOPROTEIN ? 5 UDS/0,1 ML

IMUNOTRANSFERAN SL

IMURAN

IMUSSUPREX

INCEL

INCONTINOL*

INCORIL AP

INDAPEN SR*

INDERAL

INDOCID

INDUSON

INDUX

INFECTRIN

INFECTRIN F

INFEXICAN

INFLADOREN

INFLADOREN GEL

INFLAMAX

INFLAMENE

INFLAMENE CREME

INFLANAN

INFLAX

INFLUDO

INFLUDORON

INHALANTE YATROPAN

INIBEX S*

INIBINA*

INICOX

INICOX DP

INJECTRAX

INJEFLEX

INNOSFEN

INOFUNGIN

INSETIVAC SC

INSETIVAC SC-AP

INSETIVAC SL

INTAL AEROSSOL

INTAL NASAL 4%

INTAL SOLUÇÃO PARA NEBULIZAÇÃO

INTERFERON ALFA 2B HUMANO RECOMBINANTE

INTERLEUKIN*

INTRA

INTRACEF

INTRAGLOBIN F

INTRON-A

INVANZ*

INVIRASE

IODEPOL

IODERMOL

IOLIN N

IOLIN R

IONAX SCRUB

IONIL T*

IONIL*

IOPAMIRON

IOPOTOSS

IPERISAN*

IPRABON

IPSILON*

IRENAX 100 MG

IRIDUX F 200

IRINOLIBBS

IRUXOL

IRUXOL MONO

ISCOVER

ISDIN EXTREM INFANTIL FPS 30

ISDIN EXTREM UVA FPS 25

ISDIN EXTREM UVA FPS 25 LOÇÃO

ISDIN FPS 50

ISDIN INFANTIL FPS 40

ISDIN SPRAY FPS 25

ISILAX

ISKEMIL

ISKETAM

ISOFACE*

ISOFORINE

ISONIAZIDA + RIFAMPICINA

ISONIAZIDA*

ISOPTO CETAPRED

ISORDIL

ISOSOURCE 1.5 CAL COM NUTRISHIELD

ISOSOURCE HN

ISOSOURCE HN PÓ

ISOSOURCE STANDARD

ISOSOURCE STANDARD PÓ

ISOTRETINOÍNA

ISOTREX

ISOTREXIN

ISOTREXOL CREME

ITRACONAZOL

ITRAHEXAL

ITRAMICÓS

ITRASPOR

ITRAZOL

IVERMEC*

IXEL*

JARSIN 300

JOHNSON 92 PLUS DESENCROSTANTE

JUMEXIL

KABIVEN

KALETRA*

KALIMA SABONETE*

KALOBA*

KALOSTOP

KALYAMON B-12

KAMILLOSAN

KANAKION MM PEDIÁTRICO*

KANAKION*

KAOMAGMA

KAPROSOL

KARVIL*

KATADOLON

KAVAKAN*

KAVASEDON

KAVIT

KEFALOTIN

KEFLAXINA

KEFLEX

KEPHALODORON

KETAMIN S

KETEK

KETONAN

KETONAZOL

KETONAZOL CREME DERMATOLÓGICO

KETONAZOL XAMPU

KETOSTERIL

KI EXPECTORANTE

KIATRIUM 5 E 10 MG

KIDDI PHARMATON*

KINERASE CREME

KINERASE LOÇÃO

KINNOFERON 2A

KIRSAN*

KITNOS

KLARICID I.V.

KLARICID UD*

KLARICID*

KLARITRIL*

KLIMATER*

KLIOGEST*

K-MED

KOLANTYL

KOLANTYL DMP GEL

KOLANTYL GEL

KOLLAGENASE

KOLPAZOL

KOLPAZOL CREME VAGINAL

KRONEL

KRONEL SABONETE LÍQUIDO

KWELL

KYBERNIN P

KYTRIL AMPOLAS*

KYTRIL COMPRIMIDOS

LABEL

LABERITIN

LABIRIN*

LABOPRIL

LAC-HYDRIN 12%

LACIPIL

LACRIBELL*

LACRIFILM

LACRIGEL A

LACRIL

LACRIMA PLUS

LACTASOL

LACTIBON INFANTIL

LACTICARE

LACTIPAN

LACTO-VAGIN

LACTREX CREME E LOÇÃO

LACTULONA XAROPE*

LADERM SABONETE

LADOGAL

LAFEPE ÁCIDO ACETILSALICÍLICO

LAFEPE AMPICILINA

LAFEPE BENZILPENICILINA BENZATINA

LAFEPE BENZOATO DE BENZILA

LAFEPE CAPTOPRIL

LAFEPE CEFALEXINA

LAFEPE CIMETIDINA

LAFEPE CLORANFENICOL

LAFEPE CLORPROPAMIDA

LAFEPE DIPIRONA

LAFEPE ERITROMICINA*

LAFEPE ESTAVUDINA*

LAFEPE FUROSEMIDA

LAFEPE GLIBENCLAMIDA

LAFEPE HIDROCLOROTIAZIDA

LAFEPE HIDRÓXIDO DE ALUMÍNIO

LAFEPE INDINAVIR

LAFEPE LAPACHOL*

LAFEPE MEBENDAZOL

LAFEPE METOCLOPRAMIDA

LAFEPE METRONIDAZOL

LAFEPE NEOMICINA + BACITRACINA

LAFEPE PARACETAMOL

LAFEPE POLIVITAMINAS

LAFEPE PROPRANOLOL

LAFEPE SAIS PARA REIDRATAÇÃO ORAL

LAFEPE SALBUTAMOL

LAFEPE SULFATO FERROSO

LAFEPE TETRACICLINA

LAFEPE VITAMINA C

LAFEPE ZIDOVUDINA

LAITAN

LAMI

LAMICTAL

LAMISIL COMPRIMIDO

LAMISIL*

LAMITOR*

LAMIVUDINA

LAMIVUDINA (3TC) - LAFEPE*

LANEXAT*

LANSODOM*

LANSOHEXAL

LANSOPRAZOL

LANSOPRID*

LANTUS OPTISET

LANTUS*

LANVIS*

LANZ

LANZOL

LASILACTONA

LASIX COMPRIMIDOS

LASIX INJETÁVEL

LAVITAN

LAXARINE*

LAXIFOS

LAXOL

LAXTAM

LECITINA DE SOJA (500/1.000 MG)

LECTRUM

LEGALON*

LEGIFOL CS

LEITE DE MAGNÉSIA DE PHILLIPS

LENITRAL*

LENOVOR

LEPONEX

LERGITEC

LERIN

LESCOL/LESCOL XL*

LEUCIN*

LEUCOCITIM

LEUCODIN CREME

LEUCOGEN

LEUCOVORIN CÁLCIO

LEUKERAN

LEUSTATIN

LEVAFLOX

LEVAQUIN

LEVEDURA DE CERVEJA

LEVEGLUTAN

LEVEL*

LEVITRA*

LEVOCARB

LEVOFLOXACINO

LEVOPHED

LEVORDIOL

LEVORIN

LEVOTAC

LEVOXIN*

LEVOZINE

LEXAPRO*

LEXFAST*

LEXOTAN CR*

LEXOTAN*

LIBERAN

LIBIAM*

LICILON

LICOVIT*

LIDIAL

LIDOCABBOTT 2%

LIDOCABBOTT H

LIDOCABBOTT PLUS

LIDOCAÍNA

LIDOJET

LIDOPASS

LIDOSPORIN

LIDOSPRAY 10%

LIDOSTON

LIMBITROL

LINATRON

LINCOFLAN

LINDISC 50

LINFOGEX

LIORAM*

LIORESAL

LIPANON*

LIPIDIL*

LIPIODOL ULTRA-FLUIDO

LÍPITOR*

LIPLESS*

LIPOFUNDIN MCT/LCT

LIPOTEX*

LIPOVENOS 10%

LIPOVENOS 20%

LIPOVENOS MCT 10% E 20%

LIQUEMINE SUBCUTÂNEO*

LIQUEMINE*

LISADOR*

LISAGLUCON

LISAPRES

LISEDEMA

LISINOPRIL

LISINOPRIL + HIDROCLOROTIAZIDA

LISINOPRIL 5/10/20 MG

LISINOPRIL/HIDROCLOROTIAZIDA

LISINOVIL

LISODREN

LISOPAN

LISOTOX

LISTRIL*

LITOCIT

LIVIAL

LIVOLON*

LIVTEN 500 MG*

LIVTEN L 1000 MG*

LIVTEN VIT

LOCABIOTAL

LOCERYL CREME

LOCERYL ESMALTE

LOCOID

LOCORTEN-VIOFÓRMIO

LOGAT

LOMEXIN*

LOMICINA

LOMIR

LOMIR SRO

LOMOTIL

LONCORD RETARD

LONGACILIN

LONGACTIL

LONGEVIT

LONGEVIT PLUS

LONITEN

LOPERIDOL

LOPID

LOPRESSOR

LOPRIL-D

LOPROX CREME

LOPROX NL 80 MG

LOPROX SOLUÇÃO TÓPICA

LOPURAX

LORALERG

LORALERG D*

LORANIL

LORANIL D

LORATADINA

LORATADINA + PSEUDOEFEDRINA XAROPE

LORATADINA + SULFATO DE PSEUDOEFEDRINA

LORATADINA XAROPE

LORATAMED

LORAX*

LORAZEFAST*

LORAZEPAM

LORELIN DEPOT*

LOREMIX

LOREMIX D

LORSACOR

LORSAR HCT

LOSALEN

LOSAR

LOSARTANA POTÁSSICA

LOSARTEC*

LOSATAL

LOSEC

LOSEC MUPS

LOSORPAK

LOSORPAK IBP

LOTAR*

LOTENSIN

LOTENSIN H

LOTEPROL

LOVASTATINA

LOVASTEROL

LOVAX*

LOVELLE*

LOXONIN*

LP DRINK

LUCRETIN

LUDIOMIL*

LUFTAL MAX*

LUFTAL*

LUMIGAN

LUMIREM

LUPRON

LUPRON DEPOT 11,25 MG

LUPRON DEPOT 22,5 MG

LUPRON DEPOT 3,75 MG E 7,5 MG

LURANTAL

LUTAMIDAL*

LUTENIL*

LUVERIS 75 UI*

LUVOX*

LYMIUM*

LYMPHOGLOBULINE

M.M. EXPECTORANTE

M.V.I. 12 OPOPLEX

M.V.I. 12 OPOPLEX INJETÁVEL LIOFILIZADO ADULTO

M.V.I. 12 OPOPLEX INJETÁVEL LIOFILIZADO PEDIÁTRICO

MAALOX PLUS

MABTHERA*

macAZI

MACRODANTINA

MAGNÉSIA BISURADA

MAGNEVISTAN

MAGNOPYROL

MAGNOSTON

MAGRIX*

MAG-TAB

MALEAPRIL

MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA

MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA + BETAMETASONA

MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA + SULFATO DE PSEUDOEFEDRINA + GUAIFENESINA

MALEATO DE DEXCLORFENIRAMINA BETAMETASONA

MALEATO DE ENALAPRIL

MALEATO DE ENALAPRIL + HIDROCLOROTIAZIDA

MALEATO DE ENALAPRIL/HIDROCLOROTIAZIDA

MALEATO DE TIMOLOL

MALEATO DE TIMOLOL 0,25% E 0,5%

MALEATO DE TIMOLOL 0,5%

MALIASIN*

MALTENS*

MALÚ

MALVATRICIN ANTIPLACA CREME DENTAL

MALVATRICIN ANTITÁRTARO CREME DENTAL

MALVATRICIN BRANQUEADOR ANTI-SÉPTICO BUCAL

MALVATRICIN BRANQUEADOR CREME DENTAL

MALVATRICIN DENTES SENSÍVEIS CREME DENTAL

MALVATRICIN GEL

MALVATRICIN GINECOLÓGICO

MALVATRICIN ORGANIC ANTI-SÉPTICO BUCAL

MALVATRICIN ORGANIC CREME DENTAL NATURAL

MALVATRICIN ORGANIC SPRAY ANTI-SÉPTICO BUCAL NATURAL

MALVATRICIN PASTILHAS

MALVATRICIN PLUS ANTI-SÉPTICO BUCAL

MALVATRICIN PLUS CREME DENTAL

MALVATRICIN SOFT ANTI-SÉPTICO BUCAL NATURAL

MALVATRICIN SOFT CREME DENTAL NATURAL

MALVATRICIN SOFT SPRAY ANTI-SÉPTICO BUCAL NATURAL

MALVATRICIN SOLUÇÃO

MALVATRICIN SOLUÇÃO PPU

MALVATRICIN SPRAY

MALVONA PASTA DENTRÍFICIA MEDICINAL

MALVONA PASTILHAS

MALVONA SOLUÇÃO*

MANITOL 20%

MANIVASC*

MANSIL*

MANTIDAN

MARAX

MARCAÍNA 0,5% COM EPINEFRINA

MARCAÍNA 0,5% E 0,25% SEM VASOCONSTRITOR

MARCAÍNA 0,75% SEM VASOCONSTRITOR

MARCAÍNA PESADA 0,5%

MARCODINE SCRUB

MARCOUMAR

MAREVAN

MATERFOLIC*

MATERGAM

MATERNA

MATERSKIN

MATERVIT

MATURITY TEST

MAXALT RPD

MAXALT*

MAXAQUIN

MAXCEF

MAXIBELL

MAXICALC

MAXICALC D-200 UI

MAXICALC D-400 UI

MAXICROM 2% E 4%

MAXIDEX COLÍRIO E POMADA

MAXIDRIN

MAXIFLOX

MAXIFLOX-D

MAXILERG

MAXILIV

MAXITROL COLÍRIO E POMADA

MAX-PAX

MAZITROM

MEBENDAZOL

MEBENDAZOL-TIABENDAZOL

MEBENIX

MECLIN*

MEDCEF

MEFLOX

MEGALOTECT

MEGESTAT

MEGUANIN

MELAGENINA PLUS

MELLERIL*

MELOXICAM

MELOXICAM 7,5/15 MG

MELOXIL

MELXI

MEMÊ

MEMORIOGLUTAN

MEMORIOL B6 200

MENCIRAX*

MENINGO A + C

MENODORON

MENOGON

MENOP*

MENOPAX

MENOPRIN

MENOPUR 75 U.I.*

MENOSTRESS 5 E 10 MG

MENOTENSIL

MENOTROGEN

MEPENOX IV*

MEPRAMIN

MERACILINA

MERCILON

MERCILON CONTI

MERICOMB

MERIGEST

MERIMONO

MERITENE*

MERONEM IV*

MESACOL*

MESIGYNA

MESILATO DE DOXAZOSINA 2/4 MG

MESILATO DE DOXAZOSINA*

MESMERIN

MESNA

MESTINON

METADON

METALYSE*

METAMUCIL*

METAXON

METFORMED

METHERGIN

METICORTEN

METILDOPA

METILDOPA - LAFEPE

METILVITA

METIOCOLIN B12

METIOCOLIN COMPOSTO

METOCLOPRAMIDA

METOCLOSAN

METOPLAMIN

METOPRIN

METREXATO*

METRI*

METRONIDAZOL

METRONIDAZOL - GELÉIA VAGINAL

METRONIDAZOL + NISTATINA

METRONIDAZOL 0,5%

METRONIDAZOL*

METRONIN

METRONIN SUSPENSÃO

METRONIX

METROVAL

METROVAL SUSPENSÃO ORAL

MEVALOTIN

MEVILIP

MEXITIL*

MIACALCIC

MIANTREX CS

MICARDIS HCT*

MICARDIS*

MICETAL CREME*

MICETAL SOLUÇÃO TÓPICA*

MICOCILIL

MICOFENOLATO MOFETIL GENÉRICO*

MICOFIM

MICOGYN

MICOLAMINA

MICOLAMINA ESMALTE

MICONAL

MICONASTIN

MICORAL COMPRIMIDO

MICORAL CREME

MICOSIN

MICOSTATIN

MICOSTATIN CREME VAGINAL

MICOSTEN

MICOSTYL

MICOTRIZOL

MICRODIOL

MICRONOR

MICROPAQUE SCANNER

MICROPAQUE SUSPENSÃO

MICROPIL R21

MICROVLAR

MICTASOL*

MICTRIN

MIDAZOLAM

MIFLASONA

MIFLONIDE

MIGRALIV

MIGRANE

MIGRANETTE

MINERÓLEO 100%

MINESSE*

MINGAU NUTRITON 5 CEREAIS

MINGAU NUTRITON DE AVEIA & BANANA

MINGAUS

MINIAN

MINIDEX

MINIDIAB

MINILAX

MÍNIMA*

MINIPIL

MINIPIL-2 POST

MINIPRESS SR

MINODERM

MINOMAX

MINOTON

MINULET

MINUSORB

MINUSORB 70 MG*

MIOCALVEN

MIOCALVEN D*

MIO-CITALGAN*

MIOCOR

MIOCORON

MIODARON

MIODRINA

MIOFLEX

MIOFLEX A*

MIONEVRIX

MIOSAN*

MIRABEL

MIRALIS*

MIRELLE

MIRENA*

MIRTAZAPINA*

MISOSTOL

MITAXIS

MITICOÇAN LÍQUIDO

MITICOÇAN SABONETE

MITOCIN*

MITOSTATE

M-M-R II

MOBILAT GEL E POMADA

MOBILISIN COMPOSTO

MODERINE

MODIFICAL

MODULEN IBD

MODURETIC

MOMENT

MONOCORDIL*

MONONITRATO DE ISOSSORBIDA

MONOPLUS

MONOPRIL

MONOTREAN

MONOTREAN B6

MONURIL*

MOTILIUM

MOTIVEN

MOTRIN

MOVACOX

MOVATEC

MOVOXICAM

MSUD 1

MSUD 2

MSUD MAXAMAID

MUCIBRON

MUCOCETIL

MUCOFAN

MUCOFLUX

MUCOLIN

MUCOLITIC*

MUCOLIX

MUCOSOLVAN*

MUCOTOSS

MULTIGRAM

MULTILOAD-CU 375 RADIOPACO

MUPHORAN*

MUPIROCINA

MURICALM

MUSCORIL

MUVINLAX*

MUVINOR*

MYDRIACYL 1%

MYFORTIC

MYLANTA PLUS

MYLERAN*

MYLICON

MYSOLINE

NAABAK

NAAXIA

NADERM

NALDECON BEBÊ

NALDECON DIA*

NALDECON NOITE*

NALDECON*

NALLE

NAN 1

NAN 2

NAN 2 PROBIÓTICO

NAN AR

NAN H.A.

NAN SEM LACTOSE

NAN SOY

NAOX

NAPRIX

NAPRIX A*

NAPRIX D

NAPROSYN

NAPROXENO

NARAMIG*

NARCAN

NARCAN NEONATAL

NARIX ADULTO

NARIX INFANTIL

NAROPIN*

NASACORT*

NASALIV

NASIVIN

NASOLIN

NASONEX*

NASOPAN

NASTERID-A

NATALINS COM FLÚOR

NATALINS FÓLICO

NATELE*

NATIFA

NATIFA PRO*

NATIVIT FLÚOR

NATIVIT MINERAIS

NATRILIX

NATRILIX SR*

NATURETTI CÁPSULAS*

NATURETTI GELÉIA

NAUSEDRON

NAUSICALM B6

NAUSOLIN B6

NAXOGIN COMPOSTO

NAXOGIN*

NEBACETIN POMADA

NEBACIMED

NEBACTRINA

NECAMIN

NECK-FER

NECRO B6

NECROHEPAT

NEDAX PLUS

NEDAX SABONETE

NEDAX SHAMPOO

NEFRO DIET

NEMICINA

NEMODINE

NEMOXIL

NENÊ DENT N

NEO CEBETIL COMPLEXO

NEO DECAPEPTYL*

NEOBACINA

NEOCAÍNA 0,25%, 0,50% E 75% COM E SEM VASOCONSTRITOR

NEOCAÍNA 0,5%

NEOCAÍNA 0,5% ISOBÁRICA

NEOCAÍNA 0,5% PESADA

NEOCATE

NEOCETRIN

NEOCINA

NEOCITEC 10 MG E 50 MG

NEODERME

NEOLEND

NEOM

NEOMED

NEOMICINA + BACITRACINA

NEOMICON

NEOPLATINE

NEOPOSIDEO

NEOSALDINA*

NEOSETRON

NEOSULIN N

NEOSULIN R

NEOTAXEL

NEOTIGASON*

NEOVLAR

NEOZINE

NEOZINE COMPRIMIDOS

NEPODEX

NEPRAZOL

NEPRESOL

NERISONA

NERIZINA

NESTOGENO 1

NESTOGENO 2

NESTOGENO PLUS

NEULEPTIL

NEULEPTIL GOTAS PEDIÁTRICAS

NEUMEGA

NEURAL

NEURALGINA

NEURILAN

NEURIUM

NEUROLITHIUM

NEURONTIN

NEUTROFER

NEUTROFER FÓLICO

NEUTROFER NEONATAL

NEUTROGERM

NEVRALGEX

NEXIUM*

NEXVEP

NIAR

NICORD

NICORETTE

NICORETTE MENTA

NICOSTAN

NIDAZOLIN

NIDAZOLIN CREME VAGINAL

NIDEX

NIFADIL

NIFEDIPINA

NIFEHEXAL RETARD

NIFELAT*

NIKKHO-VAC*

NILPERIDOL

NIMALGEX

NIMBIUM

NIMESILAM

NIMESUBAL

NIMESULIDA

NIMESULIN

NIMESULON

NIMOBAL

NIMODIPINO

NIMOPAX

NIMOTOP

NIMOVAS

NIPRIDE*

NIQUITIN ADESIVOS TRANSDÉRMICOS 21 MG, 14 MG OU 7 MG*

NIQUITIN GOMA DE MASCAR

NISALGEN

NISALGEN GEL

NISTATINA

NISTATINA + ÓXIDO DE ZINCO

NISTATINA CREME VAGINAL

NISTATINA SUSPENSÃO ORAL

NISTOMIC

NISULID

NISULID GEL

NITRADISC

NITRAPAN

NITRATO DE ISOCONAZOL

NITRATO DE MICONAZOL

NITRATO DE PRATA

NITRENCORD

NITRENDIPINO

NITRILENO

NITRODERM TTS

NITROPRESABBOTT

NITROPRUS

NIXODERM

NIZORAL COMPRIMIDOS*

NIZORAL CREME

NIZORAL SHAMPOO

NOCTAL

NOCTAVAL

NOLVADEX/NOLVADEX-D

NOODIPINA*

NOOTRON

NOOTROPIL

NOPLAK

NORCURON

NORDETTE

NORDITROPIN

NORDITROPIN SIMPLEXX

NORELBIN*

NOREPINE

NORESTIN

NORFLOXACINO

NORFLOXASAN

NORFLOXMED

NORFLURIN

NORIPURUM

NORIPURUM COM ÁCIDO FÓLICO

NORIPURUM EV*

NORIPURUM GOTAS*

NORIPURUM INTRAMUSCULAR

NORIPURUM VITAMINADO

NORMAMOR

NORMASTIG*

NOROGIL

NORTREL

NORVASC

NORVIR

NORXACIN

NOSTIL

NOTUSS

NOTUSS PASTILHAS

NOVABUPI

NOVABUPI COM E SEM VASOCONSTRITOR

NOVACIMET

NOVACORT

NOVADERM CREME CICATRIZANTE

NOVADERM CREME GINECOLÓGICO

NOVALEX 50%

NOVALGINA

NOVALGINA INJETÁVEL*

NOVALGINA SUPOSITÓRIO INFANTIL

NOVAMIN

NOVAMOX

NOVAMOX 2X

NOVASOURCE 2.0

NOVASOURCE PULMONARY COM NUTRISHIELD

NOVASOURCE RENAL

NOVASUTIN

NOVATREX

NOVATROPINA

NOVELMIN

NOVIAL

NOVO RINO

NOVO RINO-S

NOVOCILIN

NOVOFER

NOVOLIN 70/30

NOVOLIN 70/30 PENFILL

NOVOLIN 80/20 PENFILL

NOVOLIN 90/10 PENFILL

NOVOLIN L

NOVOLIN N

NOVOLIN N PENFILL

NOVOLIN R

NOVOLIN R PENFILL

NOVOLIN U

NO-VÔMIT

NOVOMIX 30 FLEXPEN

NOVOMIX 30 PENFILL

NOVONORM

NOVOPRAZOL

NOVOPULMON NOVOLIZER

NOVORAPID

NOVOSEVEN 120

NOVOSEVEN 240

NOVOSEVEN 60

NUBAIN

NÚCLEO C.M.P.*

NUJOL

NULYTELY*

NUPERCAINAL*

NUTILIS

NUTRACORT 1% CREME

NUTRADERM 30 LOÇÃO

NUTRADERM CREME

NUTRADERM LOÇÃO

NUTRAPLUS CREME E LOÇÃO

NUTREN 1.0 LÍQUIDO

NUTREN 1.0 PÓ

NUTREN 1.0 ULTRAPAK

NUTREN ACTIVE

NUTREN DIABETES

NUTREN FIBRAS LÍQUIDO

NUTREN FIBRAS PÓ

NUTREN FIBRAS ULTRAPAK

NUTREN JÚNIOR LÍQUIDO

NUTREN JÚNIOR PÓ

NUTRIDRINK

NUTRIDRINK MULTI FIBER

NUTRIFLEX LIPID PERI

NUTRIFLEX LIPID PLUS

NUTRIFLEX LIPID SPECIAL

NUTRIFLEX PLUS

NUTRIMAIZ SM

NUTRINI ENERGY MULTI FIBER

NUTRINI MULTI FIBER

NUTRINI STANDARD

NUTRISON ENERGY MULTI FIBER

NUTRISON PROTEIN PLUS

NUVARING

NYOLOL GEL 0,1%

OCERAL

OCUFEN

OCUPRESS

OCUVITE

ODDIBIL

ODONID

OFLOX

OFLOXACINO 0,3%

OFLOXILAB

OFOXIN

OFTAZUL

OFTPRED

OFTRACIN

OGASTRO

OILATUM

OILATUM CREME

OILATUM JUNIOR CREME

OILATUM JUNIOR ÓLEO PARA BANHO

OILATUM JUNIOR SABONETE

OILATUM LOÇÃO CREMOSA

OLCADIL*

ÓLEO DE RÍCINO AROMÁTICO

ÓLEO MINERAL

ÓLEO MINERAL PURÍSSIMO

OLIGOSSAC

OLIGOVIT*

OLMETEC*

OMCILON-A EM ORABASE

OMCILON-A M

OMCILON-A SOLUÇÃO TÓPICA

OMEGAVEN

OMEP

OMEPAMP

OMEPRAMED

OMEPRAMIX

OMEPRAZOL

OMEPRAZOL IV

OMEPRAZOL SÓDICO

OMEPROTEC

OMNIC 0,4 MG

ONCOPLATIN

ONCOSIDEO

ONCOTAXEL

ONDANLES

ONDANTRIL

ONTAX

ONTRAX

ONXEL

O-PLAT*

OPRAZON*

OPTACILIN*

OPTAFLAN*

OPTAMAX

OPTI-CLEAN

OPTI-FREE EXPRESS

OPTI-FREE LIMPADOR DIÁRIO

OPTI-FREE SOLUÇÃO MULTI-AÇÃO

OPTI-FREE SOLUÇÃO UMIDIFICANTE ESTÉRIL

OPTI-FREE SUPRACLENS

OPTI-TEARS

ORAP*

ORGALUTRAN

ORGANONEURO CEREBRAL

ORGANONEURO ÓPTICO

ORMIGREIN

ORNITARGIN

ORNITARGIN AMPOLAS

OROXADIN

ORTHOCLONE OKT 3*

ORTOSOL P SHAMPOO

OS-CAL 500

OS-CAL 500 + D*

OSSOMAX*

OSSOPAN

OSSOPAN 800

OSTAC

OSTENAN*

OSTEOFAR 10 MG

OSTEOFAR 70 MG

OSTEOFORM

OSTEOPLUS*

OSTEORAL

OSTRIOL

OTICERIM

OTO-BETNOVATE

OTOCIRIAX*

OTODOL

OTOLÓIDE

OTOLONE

OTOMICINA

OTOSPORIN

OTOSYNALAR

OTO-XILODASE

OTRIVINA 1%*

OVESTRION COMPRIMIDOS

OVESTRION CREME VAGINAL

OVIDREL 250 MCG*

OXACIL

OXACILINA SÓDICA

OXALIPLATINA

OXANON

OXAPEN

OXCORD

OXCORD RETARD

OXERON

OXIAN

OXIGEN COMPRIMIDOS

OXIGEN GOTAS

OXIGEN SOLUÇÃO INJETÁVEL

OXINEST

OXIPELLE*

OXIS TURBUHALER

OXITON*

OXSORALEN*

OXYCONTIN*

OZONYL

OZONYL AQUOSO

OZONYL EXPECTORANTE

PACLITAXEL

PAMELOR*

PAMERGAN

PAMIDROM

PAMIDRONATO DISSÓDICO*

PAMILIBBS

PANCREASE

PANCURON

PANFUGAN*

PANGEST

PANKREOFLAT

PANOTIL

PANOXYL GEL 5% E 10%

PANTEC

PANTELMIN

PANTOCAL

PANTOCAL EV

PANTOMICINA

PANTOMICINA TÓPICA

PANTOPRAZOL

PANTOZOL 20 MG*

PANTOZOL 40 MG*

PANTOZOL EV*

PANTRAT

PANZYTRAT 25.000

PAPULESS GEL

PAR

PARACETAMOL

PARALON

PARAPLATIN

PARAQUEIMOL

PARASIMED

PARASIN

PARATOSSE

PARCEL*

PARENZYME AMPICILINA

PARENZYME ANALGÉSICO

PARENZYME ENZIMAS

PARENZYME TETRACICLINA

PAREXEL

PARIET

PARINORTH

PARKIDOPA

PARLODEL

PARLODEL SRO

PARNATE

PAROXETINA

PARTOGAMA SDF

PARVULAN 10 MG

PASALIX*

PASIC

PASSANEURO

PASSIFLORINE*

PASSIFURIL*

PASTA D?ÁGUA

PATANOL

PAVULON

PAXIL CR

PAXTRAT

PED-ELEMENT

PEDIALYTE 45

PEDIALYTE 45 PÓ

PEDIALYTE 90

PEDIALYTE 90 PÓ

PEDIALYTE SOLUÇÃO

PEDIAMINO TAU

PEDIA-TRIC 90

PEDIDERM

PEDILETAN

PEDRA HUME

PEDVAX LIQUID

PEGASYS*

PEGINTRON*

PEITORAL MARTEL

PELMIC

PENEFRIN

PENETRO INALANTE

PENKARON

PENTACT-HIB

PENTAGLOBIN

PENTALAC*

PENTASA*

PENTOX

PENTOXIFILINA

PENTRAL

PENTRAT

PEN-V-CIL

PEN-VE-ORAL*

PENVIR LÁBIA

PENVIR*

PEPGASTRIN

PEPRAZOL

PEPSAMAR

PEPSAPLUS

PEPSICAPS

PEPTAMEN LÍQUIDO

PEPTAMEN PÓ

PEPTAMEN ULTRAPAK

PEPTISON DIET

PEPTO-BISMOL SUSPENSÃO*

PEPTOPANCREASI

PEPTULAN

PERCOF

PERIDAL*

PERIDONA

PERIODONTIL

PERIOXIDIN ENXAGUATÓRIO BUCAL

PERIOXIDIN GEL BIOADESIVO

PERITOFUNDIN

PERLUTAN

PERMETRIX

PERMIXON

PERSANTIN

PERTACEL

PERTRICIN

PFIZER SUPOSITÓRIO DE GLICERINA

PHARMATON*

PHOSFOENEMA

PHOTODERM MAX FPS 100 CREME

PHOTODERM MAX FPS 100 CREME TINTO

PHOTODERM MAX FPS 100 FLUIDO

PHOTODERM MAX FPS 100 LOÇÃO LEITE

PIASCLEDINE 300*

PICOLAX*

PIDOMAG*

PILEM*

PILOCAN 2% E 4%

PILOCARPINA

PÍLULAS DE VIDA DO DR. ROSS

PIODREX

PIPORTIL L4

PIPUROL

PIRACETAM

PIRAZINAMIDA*

PIRAZINON

PIROFEBRAN

PIROXAN

PIROXENE

PIROXICAM

PIROXIL

PIROXIN

PKU 1

PKU 1 MIX

PKU 2

PKU 3

PLAKETAR*

PLAMET

PLAMIVON

PLANTABEN*

PLANTAX*

PLAQUINOL

PLASBUMIN 20

PLASIL

PLASMASTERIL

PLASMIN 450/0.7-6%

PLATAMINE CS

PLATICARB

PLATINIL

PLATIRAN

PLATISTINE CS

PLAVIX*

PLENACOR

PLENTY*

PLETIL ADULTO

PLURAIR*

PLURIMINERAL

PLURISAN

PLURIVITAMIN

PLUSVAC SC

PLUSVAC SC-AP

PLUSVAC SL

PNEUMO 23

PNEUMODORON 1

PNEUMOVAX 23

POLARAMINE

POLARAMINE EXPECTORANTE

POLARATIN

POLAREN

POLIACEL

POLIBIOTIC

POLIDERMS

POLIGINAX*

POLIPLEX LÍQUIDO

POLIPRED

POLIREUMIN

POLISOCEL

POLIVITAMINAS E SAIS MINERAIS GRANADO

POLIVITAMÍNICO

POLYCLENS

POLYTAR

POLYTAR COM PROTEÍNAS

POLYTAR SABONETE

POLY-VI-FLÚOR

POLYZYM

POMADA DE BASILICÃO

PONDERA

PONDICILINA

PONSTAN

PONTIN

PORTAMIN 8%

POSIDON

POSLOV

POSTEC*

POSTINOR-2

POSTOVAL

POVIDINE DEGERMANTE DERMO SUAVE

POVIDINE TINTURA

POVIDINE TÓPICO

POZATO

PRACAP

PRANDIN*

PRATICILIN

PRATIPRAZOL

PRAVACOL

PRAVASTATINA SÓDICA

PRAZOL*

PRAZONIL

PRE NAN

PRECEDEX

PRED FORT

PRED MILD

PREDMETIL

PREDNISOLON

PREDNISON

PREDNISONA*

PREDSIM*

PREDSON

PREDVAL

PREFEST

PREG-LESS

PREGNYL

PREGOMIN

PRELONE COMPRIMIDOS

PRELONE SOLUÇÃO ORAL

PREMARIN CREME VAGINAL*

PREMARIN DRÁGEAS*

PREMELLE CICLO*

PREMELLE*

PRÉ-MENS

PRENILAN

PRENILAN RTD

PRESERV

PRESMIN

PRESSAT*

PRESSOCORD

PREVAX

PREVENCOR*

PREVIGRIP

PREXIGE*

PRIDECIL

PRILCOR

PRIMACEF

PRIMACOR I.V.

PRIMAFLÚOR

PRIMERA 20

PRIMERA 30

PRIMIDON

PRIMOGYNA

PRIMOLUT-NOR

PRIMOSISTON

PRINIVIL

PRINZIDE

PRISTONAL

PRITOR

PRIVINA*

PRO HAIR

PROBEKS

PROBENXIL

PROBENXIL EMULGEL

PROCIMAX*

PROCTOCAPS

PROCTO-GLYVENOL*

PROCTOSAN

PROCTYL*

PRODERM CREME

PRODERM EMULSÃO

PRODERM SABONETE

PRODERM SABONETE LÍQUIDO

PRODERM SHAMPOO

PROFENID

PROFENID ENTÉRICO*

PROFENID GEL

PROFENID GOTAS

PROFENID INJETÁVEL*

PROFENID IV*

PROFENID RETARD

PROFLAM

PROFLAM CREME

PROFLOX URO

PROFOL*

PROFOLEN

PROGESAN

PROGRAF

PROGRESSE

PROLEUKIN

PROLIFT*

PROLOPA*

PROMETAX*

PROMETAZOL

PROMETAZOL CREME

PRONASTERON 1 MG*

PRONASTERON 5 MG*

PRONAZOL 100 MG E 150 MG

PRONOL

PROPACOR

PROPALOL

PROPAN*

PROPECIA

PROPIL

PROPILRACIL*

PROPINE

PROPIONATO DE CLOBETASOL

PROPOABBOTT

PROPOVAN

PROPRAMED

PROPRANOLOL

PROSCAR

PROSIGNE

PROSTAT*

PROSTAVASIN*

PROSTEM PLUS

PROSTEM*

PROSTIDE

PROSTIGMINE

PROSTOKOS

PROTAMINA 1000*

PROTECTINA*

PROTEOBIL

PROTETOR SOLAR ? FPS12

PROTHROMPLEX-T

PROTOPIC*

PROTOVIT PLUS

PROVERA

PROVIRON

PROZAC

PRURIX

PRURIZIN

PSICOSEDIN

PSIQUIAL

PSOREX

PSOREX CAPILAR

PULMICORT SUSPENSÃO PARA NEBULIZAÇÃO

PULMICORT TURBUHALER

PULMO DIET

PULMOCRISINA

PULMOZYME*

PURAN T4*

PUREGON

PUREGON 300 E 600 UI

PURINETHOL*

PURISAFE

PVPI GEYER

PYLOPRAZOL

PYLORID

PYLORIPAC IBP*

PYLORIPAC*

PYRIDIUM

PYRISEPT

PYRIT-ZINNOBER

PYR-PAM*

PYVERM

QIFTRIM

QUADERMIN

QUADRIDERM

QUADRIHEXAL

QUEIMALIVE

QUELICIN

QUEMICETINA

QUESTRAN LIGHT

QUINACRIS

QUINCARDINE*

QUINIDINE DURILES

QUINOFLOX*

RABINEFIL

RAMIPRIL

RANICLOR

RANIDIN

RANIDINA

RANITION

RANITZEN

RANYTISAN

RAPAMUNE*

RAPIFEN

RAPILAX

RAPTIVA*

RARICAL COMPRIMIDOS REVESTIDOS

RARICAL SUSPENSÃO

REBATEN LA

REBIF*

REBONE

RECALFE

RECOMBINATE

RECOMBIVAX

RECORMON PARA RECO-PEN

RECORMON SERINGAS PREENCHIDAS*

RECORMON*

REDOXON

REDOXON ZINCO

REDSAI STRESS

REDUCLIM*

REDUCTIL*

REDUSCAR

REDVIT

REFORGAN*

REFRESH

REFRESH GEL

REGAINE 2%

REGAINE 5%

REGENCEL

REGENOM

REGULAX

REHIDRAT 50

REHIDRAT 90

REHIDRAZOL

RELAFLEX

RELAXIL 3 E 6 MG

REMERON SOLTAB

REMICADE*

REMINYL

RENAL-VIT

RENITEC

RENU 1 STEP

RENU GOTAS UMIDIFICANTES

RENU PLUS

RENU PLUS GOTAS LUBRIFICANTES E UMIDIFICANTES

RENU SOLUÇÃO MULTI-USO

REOPRO

REPARIL GEL*

REPARIL SPRAY

REPITELIN

REPOCAL

REPOGEN

REPOGEN CICLO

REPOGEN CONTI

REPOVIT

REQUIP*

RESCOLD

RESCULA 0,12%

RESFENOL

RESOURCE BENEFIBER*

RESOURCE DEXTROL

RESOURCE DIABETIC*

RESOURCE FRUIT BEVERAGE

RESOURCE GLUTAMINA

RESOURCE JUST FOR KIDS

RESOURCE PLUS*

RESOURCE PROTEIN

RESOURCE STANDARD

RESOURCE TCM

RESOURCE TCM-AGE

RESPEXIL

RESPIDON*

RESPRIN

RESTASIS

RETEMIC UD*

RETEMIC*

RETIN-A

RETINAR

RETINOVA

RETROVIR AZT

REUMADIL

REUPLEX

REUQUINOL*

REUTREXATO*

REVECTINA*

REVIA

REVIMINE

REVIRAX

REVITAM ANTI-OX

REVITAM ANTI-STRESS

REVITAM JÚNIOR*

REVIVAN

REYATAZ

RHEOMACRODEX

RHEUMA W

RHEUMODORON 1

RHUM CREOSOTADO

RIBAVIRIN

RICONAZOL

RIELEX

RIFALDIN

RIFAMPICINA*

RIFOCINA SPRAY

RIFOCORT

RILAN NASAL 2%*

RILAN NASAL 4%

RILUTEK*

RINGER COM LACTATO DE SÓDIO

RINGER COM SOLUÇÃO FISIOLÓGICA

RINIDON

RINISONE

RINO AZETIN

RINO RESFENIL

RINOFLUIMUCIL

RINO-LASTIN

RINOLON*

RINOS-A

RINOSORO 3%*

RINOSORO*

RIOPAN PLUS*

RIOPAN*

RISELLE

RISPERDAL*

RISPERIDON

RISPERIDONA

RITALINA

RITALINA LA

RITMONEURAN

RITMONORM*

RITOVIR

RIVOTRIL*

ROACUTAN*

ROCALTROL

ROCEFIN INJEÇÃO INTRAMUSCULAR

ROCEFIN INJEÇÃO INTRAVENOSA*

ROCHAGAN

ROFERON-A

ROHYDORM

ROHYPNOL*

ROTRAM*

ROUVAX

ROVAMICINA

ROXETIN

ROXFLAN

ROXITROM

ROXITROMICINA

ROZEX

RUBIDOX

RUBINA

RUBRANOVA

RUBROMICIN

RUDIVAX

RUPAFIN*

SABOEX CREMOSO DERMO SUAVE

SABOFEN*

SABRIL

SAIS PARA REIDRATAÇÃO ORAL

SAIZEN*

SAL DE ANDREWS

SAL DE FRUTA ENO

SALBUTAM

SALBUTAMOL

SALDER S

SALIPADS DISCOS

SALISOAP SABONETE

SALISOAP SHAMPOO

SALITIL

SALIVAN*

SALONPAS EMPLASTRO*

SALONPAS GEL

SALONPAS LINIMENTO

SALSEP*

SANASAR

SANDIMMUN

SANDIMMUN NEORAL

SANDOMIGRAN*

SANDOSOURCE PEPTIDE

SANDOSTATIN

SANDOSTATIN LAR*

SANDRENA GEL

SANIL MENTA

SANILIN

SANISKIN*

SANPRONOL

SANTUSSAL

SANVAPRESS

SARCOTON

SARFIRAM

SARIDON

SARNEZAN

SARNODEX

SASTID SABONETE

SASTID SHAMPOO

SCAFLAM

SCAFLAM GEL

SCAFLOGIN

SCALID

SEACALCIT

SECFAR

SECNIDAL

SECNIDAZOL

SECNIHEXAL

SECNIMAX

SECNI-PLUS

SECNITRAT*

SECNIX

SECNIZOL

SECOTEX*

SECZOL

SEDALÊNE

SEIS-B 100 MG e 300 MG*

SEKI*

SELECTA

SELECTRIN

SELENE

SELIMAX

SELIMAX PULSO*

SELOKEN COMPRIMIDOS

SELOKEN DURILES

SELOKEN INJETÁVEL

SELOPRESS

SELOPRESS ZOK

SELOZOK*

SELVIGON

SEMAP*

SENAN*

SÉNOPHILE COMPOSTO PÓ*

SÉNOPHILE POMADA*

SENOPÓ MENTA

SENOPÓ ROSA

SENSITRAM

SEPTIOLAN COMPRIMIDOS

SEPTIOLAN SUSPENSÃO

SEPTOPAL

SEPURIN*

SERENATA 50 MG*

SERENUS

SERETIDE

SERETIDE DISKUS

SEREVENT DISKUS

SEREVENT SPRAY

SERMION

SEROMIDA

SERONIP

SEROPHENE

SEROQUEL

SEROQUEL*

SEROTABIR*

SERZONE

SETRONAX

SETUX EXPECTORANTE

SETUX SUSPENSÃO

SEVOCRIS

SEVORANE

SIBELIUM

SIBLIMA

SICOTRAT

SIDERON

SIFROL*

SIGMACALCIDOL

SIGMA-CLAV BD*

SIGMASPORIN

SIGMASPORIN MICROORAL

SIGMATRIOL

SILENCIUM

SILIMALON*

SÍLIVER

SILKIS

SILOMAT PLUS*

SILOMAT*

SILUDROX

SIMDAX

SIMECO PLUS

SIMULECT*

SINARINA

SINAXIAL

SINEMET

SINERGEN*

SINGULAIR*

SINTAFLAT

SINTEROID

SINTOMICETINA*

SINTOZIMA

SINUDORON

SINUTAB

SINVALIP

SINVASCOR*

SINVASTACOR

SINVASTAMED

SINVASTATINA

SINVASTIN*

SINVASTON*

SINVAZ

SIOCONAZOL

SIRDALUD*

SKIN SEC SABONETE*

SLOW-K

SNIF

SOAPELLE*

SOAPEX 1% TRICLOSANO

SOAPEX SABONETE

SOAPEX SABONETE CREMOSO

SOAPEX SABONETE LÍQUIDO

SOBREPIN

SOCIAN 200 MG

SOCIAN 50 MG

SOFT CARE DOVE CREAM WASH H2

SOFT CARE HANDSEPT CLEAN H4.3

SOFT CARE SABONETE

SOLAQUIN*

SOLARCAINE AEROSSOL

SOLARCAINE LOÇÃO

SOLARDRIL

SOLUÇÃO DE DIÁLISE PERITONEAL A 1,5%

SOLUÇÃO DE DIÁLISE PERITONEAL A 7,0%

SOLUÇÃO DE GLICERINA A 12%

SOLUÇÃO DE GLICINA A 1,5%

SOLUÇÃO DE GLICOSE

SOLUÇÃO DE GLUCONATO DE CÁLCIO A 0,5 MEQ/ML

SOLUÇÃO DE MANITOL A 20%

SOLUÇÃO DE MANITOL A 3%

SOLUÇÃO DE METRONIDAZOL A 0,5

SOLUÇÃO DE RINGER COM LACTATO

SOLUÇÃO DE RINGER Nº 3

SOLUÇÃO DE SORBITOL E MANITOL COMPOSTA

SOLUÇÃO EURO-COLLINS

SOLUÇÃO FISIOLÓGICA 0,9%

SOLUÇÃO FISIOLÓGICA DE CLORETO DE SÓDIO

SOLUÇÃO FISIOLÓGICA DE CLORETO DE SÓDIO A 0,9%

SOLUÇÃO FISIOLÓGICA NASAL 0,9%

SOLUÇÃO GLICERINADA A 12%

SOLUÇÃO GLICERINADA A 25%

SOLUÇÃO GLICERINADA A 6%

SOLUÇÃO HIPERTÔNICA DE GLICOSE A 10%

SOLUÇÃO ISOTÔNICA DE GLICOSE A 5%

SOLU-CORTEF

SOLUGEL

SOLUGEL PLUS

SOLU-MEDROL

SOLUPREN

SOLUSTREP

SOLVOBIL

SOMALGIN

SOMALGIN CARDIO

SOMALIUM

SOMATROP

SOMAZINA COMPRIMIDOS*

SOMAZINA INJETÁVEL*

SONHARE*

SONORIPAN

SONOTABS

SONRIDOR

SONRISAL LIMÃO

SONRISAL TRADICIONAL

SORAMIN 10%

SORCAL

SORINE ADULTO

SORINE INFANTIL

SORO FISIOLÓGICO A 0,9%

SORO GLICOFISIOLÓGICO A 5%

SORONAL

SOTACOR

SOY 500

SOYA DIET MULTI FIBER

SOYA DIET SEM SACAROSE

SOYAC

SOYFEMME

SPECTOFLUX

SPECTRABAN

SPECTRABAN FPS 15

SPECTRABAN SPRAY E GEL FPS 20

SPECTRABAN T

SPECTRABAN ULTRA FPS 30

SPIDUFEN 400*

SPIDUFEN 600

SPIRIVA*

SPIROCTAN*

SPLENDIL COMPRIMIDOS

SPORANOX

SPOROSTATIN*

STABLON*

STAFICILIN-N

STALEVO

STAPHYLASE DO DR. DOYEN*

STARFORM*

STARLIX*

STELAZINE

STIEFCORTIL

STIEFDERM SABONETE

STIEMYCIN

STILAMIN*

STILGRIP

STILL

STILNOX

STIMULANCE MULTI FIBER

STIPROX

STIPROXAL

STOCRIN*

STREPTASE

STREPTOKIN

STREPTONASE

STRESSDORON*

STRESSLIV

STRESSON MULTI FIBER

STRESSTABS 600 COM ZINCO*

STUGERINA

STUGERON

STYPTANON*

SUAVIÉ SABONETE*

SUCCINATO SÓDICO DE HIDROCORTISONA

SUCCINIL COLIN

SUCCITRAT

SUCRAFILM

SUFENTA

SUKEPAR

SULBACTAM SÓDICA + AMPICILINA SÓDICA

SULBACTER

SULFADIAZINA DE PRATA*

SULFADIAZINA*

SULFAMETOXAZOL + TRIMETOPRIMA

SULFAMETOXAZOL + TRIMETOPRIMA - LAFEPE

SULFATO DE AMICACINA

SULFATO DE EFEDRINA

SULFATO DE GENTAMICINA

SULFATO DE MAGNÉSIO

SULFATO DE MAGNÉSIO 50%

SULFATO DE MORFINA

SULFATO DE NEOMICINA + BACITRACINA

SULFATO DE POLIMIXINA B*

SULFATO DE SALBUTAMOL

SULFATO DE TERBUTALINA

SULFATO DE TERBUTALINA + GUAIFENESINA

SULFATO DE TERBUTALINA GUAIFENESINA

SULFATO FERROSO

SULFAZINE*

SULFERRO

SULFERROL

SULNIL

SULPAN

SUMASEPT

SUMAX

SUNMAX ACQUAGEL FPS 20

SUNMAX ACQUASPRAY FPS 20

SUNMAX FPS 30

SUNMAX FPS 60

SUPER COREGA PÓ

SUPERAN

SUPERHIST

SUPLAN

SUPLAN GEST

SUPOSITÓRIO DE GLICERINA

SUPRADYN

SUPRADYN PRÉ-NATAL

SUPRAHYAL*

SUPREFACT DEPOT

SUPRELLE*

SUPREMA*

SUREPTIL

SURFACTIL

SURVANTA

SUSTAGEN

SUSTAGEN KIDS

SUSTAIN

SUSTAIN 30 KIDS

SUSTRATE*

SVIR

SVUDIN

SYGEN

SYLADOR

SYMBICORT TURBUHALER 12/400 MCG

SYMBICORT TURBUHALER 6/100 MCG E 6/200 MCG*

SYNAGIS*

SYNAREL*

SYNCRO

SYNTHROID*

SYNTOCINON

SYNTOCINON SPRAY NASAL

SYNVISC*

SYSCOR AP

SYSTEN 25/50/100

SYSTEN CONTI

SYSTEN SEQUI

TACLIPAXOL

TACRINAL*

TAGAMET

TAKIL

TALERC

TALOFILINA

TALSUTIN

TAMARIL

TAMARINE CÁPSULAS E GELÉIA*

TAMIFLU*

TAMIRAM

TÂMISA 15, 20 E 30

TAMOXIM

TAMSULON*

TANAKAN

TANDENE

TANDRIFLAN

TANDRILAX

TARFLEX

TARGIFOR

TARGIFOR C

TARGIFOR C INFANTIL

TARGOCID*

TARGUS LAT

TARTARATO DE BRIMONIDINA 0,2%

TARTARATO DE METOPROLOL

TARVEXOL

TASMAR

TAURARGIN

TAVANIC COMPRIMIDOS

TAVANIC INJETÁVEL

TAXILAN*

TAXOFEN*

TAXOL

TAXOTERE*

TAZEPIN

TAZOCIN

TAZPEN*

TEBONIN*

TECNID

TECNOCARB

TECNOCRIS

TECNOFLUT

TECNOMET*

TECNOMICINA

TECNOPLATIN*

TECNOTAX

TECNOTECAN*

TECNOVORIN

TECNOVORIN INJETÁVEL

TEFLAN

TEFLUT*

TEGRETARD

TEGRETOL

TEGRETOL CR DIVITABS

TEICONIN

TEICOZID

TELEBRIX 30 MEGLUMINA

TELEBRIX 35

TELEBRIX CORONAR*

TELEBRIX HYSTERO

TELEBRIX MEGLUMINA TC

TEMGESIC

TEMODAL

TENADREN

TENAG*

TENLIV*

TENORETIC

TENOTEC

TENOXEN

TENOXICAM

TENSIOVAL*

TENSODIN

TENSULAN

TENSURIL

TENTRINI MULTI FIBER

TEOLONG

TEOMUC*

TEOREMIN

TEOSTON

TEQUIN

TERAGRAN JÚNIOR

TERAGRAN-M

TERAGRAN-M DRÁGEAS

TERBUTIL

TERICIN AT

TERMOL

TERRA-CORTRIL POMADA

TERRAMICINA COM SULFATO DE POLIMIXINA B POMADA OFTÁLMICA

TERRAMICINA COM SULFATO DE POLIMIXINA B POMADA TÓPICA

TERRAMICINA ORAL*

TERRAMICINA SOLUÇÃO INTRAMUSCULAR

TETANOGAMMA

TETAVAX

TETMOSOL

TETRACICLINA

TETRACICLINA + ANFOTERICINA B

TETRACINA

TETRACOQ

TETRACT-HIB

TETRALYSAL 150 E 300

TETRASPIR

TETREX

TETROID*

THERACNE

THERACORT

THERACORT 20*

THERACORT F

THERAPSOR

THERAPSOR POMADA*

THERASONA

THERATAR

THIABEN

THIABENA*

THIAMINOSE

THICKEN UP

THIOMUCASE

THIONEMBUTAL

THIOPENTAX

THYMOGLOBULINE

TIABIOSE CREME E LOÇÃO

TIABIOSE SABONETE

TIADOL

TIAPRIDAL

TICLID

TICLOBAL*

TIENAM

TILATIL*

TILIV 500 MG

TILIV L 1000 MG

TILONAX

TILOXICAN

TIMASEN

TIMASEN SR

TIMENTIN*

TIMOPTOL

TIMOPTOL-XE

TIMPANOL

TIMULINA*

TINIDAZOL + NITRATO DE MICONAZOL

TINIDAZOL NITRATO DE MICONAZOL

TINORAL

TINTURA DE ARNICA

TINTURA DE BOLDO

TINTURA DE IODO

TINTURA DE JALAPA COMPOSTA (AGUARDENTE ALEMÃ)

TIOCONAZOL

TIOCONAZOL + TINIDAZOL

TIORFAN*

TIRACASPA

TISSUCOL

TOBI

TOBRACIN

TOBRACIN-D

TOBRACORT

TOBRADEX

TOBRAGAN

TOBRAMICINA

TOBRAMICINA + DEXAMETASONA

TOBRAMICINA 0,3%

TOBRAMICINA SOLUÇÃO OFTÁLMICA

TOBRAMICINA/DEXAMETASONA

TOBRANOM

TOBREX COLÍRIO E POMADA

TOFRANIL

TOFRANIL PAMOATO

TOLREST*

TOLVON*

TOMUDEX

TONATON

TÔNICO VITAL

TONOPAN

TOPAMAX*

TOPCOID

TOPISON*

TOPLEXIL

TOPLEXIL PEDIÁTRICO

TORADOL*

TORAGESIC*

TORLÓS*

TORLÓS-H*

TORVAL

TORVAL CR*

TOSSILERG

TOTELLE CICLO*

TOTELLE*

TRACITRANS PLUS

TRACLEER*

TRACNOX

TRACONAL

TRACRIUM

TRACTOCILE*

TRACUR

TRALEN 1%

TRALEN 28% SOLUÇÃO PARA UNHAS

TRAMADON

TRAMAL

TRAMINER

TRANQUINAL

TRANSAMIN*

TRANSPULMIN AEROSOL

TRANSPULMIN BÁLSAMO

TRANSPULMIN SUPOSITÓRIOS

TRANSPULMIN UNGÜENTO

TRANSPULMIN XAROPE

TRANXILENE

TRASYLOL*

TRAUMAGEL

TRAVATAN

TRAVISCO*

TRAVOGYN

TRENTAL

TRENTAL INFANTIL

TRENTAL VERT

TRENTOFIL

TREXERON

TRIALGIN

TRIANCIL

TRIATEC

TRIATEC D

TRIATEC PREVENT

TRIATIV*

TRIAXTON

TRIAZI

TRIAZOL

TRICANGINE-A CREME VAGINAL

TRICANGINE-A ÓVULOS

TRICEROL*

TRICOLPEX

TRICOMIN

TRICORTID

TRIDIL 25 E 50 MG

TRIEXIDYL

TRIFAMOX IBL

TRIFAMOX IBL BD*

TRIFEDRIN

TRIFEN

TRIGLICERIL CM

TRIGLICERIL CM COM AGE

TRIGLOBE F

TRIGLOBE SUSPENSÃO

TRILAX

TRILEPTAL*

TRI-LUMA

TRIMEDAL*

TRIMETABOL

TRIMOVAX

TRINIZOL-M

TRINORDIOL

TRIOCÁLCIO

TRIOTÔNICO

TRIOXINA

TRIQUILAR

TRISEQUENS 2 MG*

TRISORB

TRIVAGEL-N*

TRIVASTAL RETARD*

TRI-VI-FLÚOR

TRI-VI-SOL

TROFODERMIN

TROK

TROK-N

TROMAXIL 1000 MG*

TROMBOFOB

TROMIX

TROPINAL

TROPINOM

TROTIL

TRUSOPT

TRYPTANOL

TUSSIFLEX D

TYLENOL AP

TYLENOL BEBÊ

TYLENOL COMPRIMIDOS

TYLENOL DC

TYLENOL GOTAS

TYLEX 7,5 MG/30 MG

UCD 1

UCD 2

UFT

ULCEFOR

ULCERASE

ULCERIT

ULCEROCIN

ULCITRAT

ULCOREN

ULTIVA

ULTRA COREGA CREME

ULTRACET

ULTRAPROCT

ULTRASE

ULTRASE MT

UNASYN INJETÁVEL*

UNASYN ORAL*

UNGÜENTO PICRATO DE BUTESIN

UNI AMOX

UNI AMPICILIN

UNI AZTRENAM

UNI BROMAZEPAX

UNI CARBAMAZ

UNI CEFALEXIN

UNI CLONAZEPAX

UNI DEXA

UNI DEXA CREME

UNI DIAZEPAX

UNI DOXICICLIN

UNI FENICOL

UNI HALOPER

UNI HIOSCIN

UNI IMIPRAX

UNI NORFLOXACIN

UNI PROPRALOL

UNI VIR

UNI VIR COMPRIMIDOS

UNI VIR CREME

UNIFEDRINE

UNIFENITOIN

UNIFENOBARB

UNIFENOBARB INJETÁVEL

UNIFILIN

UNIGRIP

UNIGYN

UNIMEDROL

UNIPRAZOL

UNIPROFEN

UNIQUE-PH

UNITIFEN

UNIZOL

UNO-CICLO

UNOPROST

UPRIMA*

URASIX

URBANIL

UREADIN 10*

UREADIN 20*

UREADIN 3 LOÇÃO INFANTIL

UREAX

URICEMIL

URITRAT

UROFLOX

UROSEPTAL

UROXAZOL-N

UROXINA

URSACOL*

UTROGESTAN*

UVLESS

UXALUN 50 MG E 100 MG

VACINA ADSORVIDA CONTRA DIFTERIA E TÉTANO (DUPLA ADULTO)

VACINA BCG LIOFILIZADA INTRADÉRMICA

VACINA BCG LIOFILIZADA PERCUTÂNEA

VACINA BCG ORAL LÍQUIDA

VACINA COMBINADA CONTRA DIFTERIA-TÉTANO-PERTUSSIS ACELULAR

VACINA COMBINADA CONTRA DIFTERIA-TÉTANO-PERTUSSIS ACELULAR dTpa-R

VACINA COMBINADA CONTRA DIFTERIA-TÉTANO-PERTUSSIS ACELULAR E HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B

VACINA COMBINADA CONTRA DIFTERIA-TÉTANO-PERTUSSIS ACELULAR E HEPATITE B r-DNA

VACINA COMBINADA CONTRA DIFTERIA-TÉTANO-PERTUSSIS ACELULAR, HEPATITE B r-DNA, PÓLIO INATIVADA E HAEM

VACINA COMBINADA CONTRA DIFTERIA-TÉTANO-PERTUSSIS ACELULAR, PÓLIO INATIVADA E HAEMOPHILUS INFLUENZAE

VACINA COMBINADA CONTRA SARAMPO, CAXUMBA E RUBÉOLA

VACINA COMBINADA INATIVADA CONTRA HEPATITE A E B 360/10

VACINA COMBINADA INATIVADA CONTRA HEPATITE A E B 720/20

VACINA CONJUGADA CONTRA HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B

VACINA CONTRA VARICELA BIKEN (VÍRUS ATENUADOS)

VACINA DE VÍRUS ATENUADO CONTRA VARICELA

VACINA DE VÍRUS INATIVADO CONTRA GRIPE

VACINA INATIVADA CONTRA HEPATITE A

VACINA MENINGOCÓCICA CONJUGADA DO GRUPO C (PROTEÍNA DIFTÉRICA CRM197)*

VACINA MENINGOCÓCICA CONJUGADA GRUPO C

VACINA MENINGOCÓCICA GRUPO C, CONJUGADA CRM197*

VACINA PNEUMOCÓCICA CONJUGADA 7-VALENTE (PROTEÍNA DIFTÉRICA CRM197)*

VACINA r-DNA CONTRA HEPARITE B

VAGI BIOTIC

VAGI-SULFA

VAGITRENE

VAGITRIN-N

VALCYTE*

VALDORM*

VALERATO DE BETAMETASONA

VALERATO DE BETAMETASONA SULFATO DE NEOMICINA

VALERIANE*

VALERIMED

VALERIN

VALERIX*

VALFIRAN

VALIUM COMPRIMIDO

VALIUM INJETÁVEL*

VALMANE*

VALPAKINE

VALPROATO DE SÓDIO

VALTREX*

VALTRIAN*

VANCEL

VANCOABBOTT

VANCOCID

VANCONORTH

VANCOSON

VANCOTRAT

VANTIL

VAQTA

VARIKROMO

VARILISE*

VARIVAX

VARIZIN

VASCASE

VASCASE PLUS

VASCER

VASCLIN*

VASCORD

VASCULAT

VASELINA LÍQUIDA

VASELINA PURA

VASELINA PURA GRANADO

VASELINA SÓLIDA

VASLIP*

VASOGARD*

VASOJET

VASOPRIL PLUS*

VASOPRIL*

VASOTON

VASTAREL 20 MG*

VASTATIL

VAXIGRIP

VECASTEN*

VECTARION 50 MG*

VECURON

VELAMOX

VELAMOX BD

VENALOT DRÁGEAS*

VENALOT H CREME

VENIMMUNA N

VENLIFT OD*

VENOCUR TRIPLEX

VENODORON

VENORUTON 300 MG*

VENORUTON 500 MG

VENORUTON GEL

VENOVAZ

VEPESID

VERAVAL

VERDAZOL

VERMECTIL

VERMIBEN

VERMICLASE

VERMITAL

VERMOPLEX

VERORAB PASTEUR

VEROTINA*

VEROVERME

VERRUX

VERTIX

VERTIZINE D

VERUTEX B*

VERUTEX*

VERZUM

VESANOID*

VESSEL 25/75

VEXOL

VFEND IV

VFEND*

VIAGRA*

VIBRAL

VIBRAMICINA*

VICK INALADOR*

VICK PYRENA*

VICK VAPORUB 12 G

VICK VAPORUB 30 G

VICK VAPORUB 50 G*

VICOG*

VICTRIX

VIDEX

VIDEX EC

VIDISIC GEL

VIDYN

VIDYN EFERVESCENTE

VIETA

VI-FERRIN

VIGAMED

VIGAMOX

VIKATRON

VINCIZINA CS

VINCRIFIL

VINCRISAN

VINERA*

VINOCARD Q10*

VIOFÓRMIO-HIDROCORTISONA

VIOLETA GENCIANA SOLUÇÃO

VIRACEPT COMPRIMIDOS

VIRACEPT PÓ ORAL

VIRAMID

VIRAMID INJETÁVEL

VIRAZOLE*

VIR-COMPLEX

VIREAD

VIREX PLUS 2%

VIROTIN

VISALMIN

VISCOTEARS

VISCUM ALBUM

VISIONOM

VISIPLEX

VISKALDIX

VISKEN*

VISLIN

VISODIN

VISOLON

VISONEST

VISUAL

VISUDYNE*

VITA E 400

VITA K

VITACID*

VITADERME

VITADESAN

VITALYN

VITAMINA C

VITAMINA C 500 MG

VITAMINA E 400 MG

VITAMINAS DO COMPLEXO B

VITANOL-A

VITA-PED

VITA-SÊNIOR

VITATONUS DEXA

VITAX DERM*

VITENON*

VITERCAL C

VITERGAN MASTER*

VITERGAN PRÉ-NATAL*

VITERGAN ZINCO

VITERGAN ZINCO PLUS*

VITICROMIN

VITIZIN

VITIZIN 600 S

VITIZIN BETA

VITIZIN E

VIVACOR*

VIVERDAL

VIVONEX PEDIATRIC

VIVONEX PLUS/VIVONEX FLAVOR PACKETS

VIXMICINA

VODOL

VOLTAFLAN

VOLTAREN COLÍRIO*

VOLTAREN DU COLÍRIO

VOLTAREN EMULGEL

VOLTAREN INJETÁVEL*

VOLTAREN RETARD*

VOLTAREN SR 75*

VOLTAREN*

VOLTRIX

VOLTRIX GEL

VOLUVEN 6%

VOTAG*

VUDIRAX

VUEFFE*

VUMON

VYTORIN*

WARFARIN*

WARTEC

WECESIN

WELECLIM

WELLBUTRIN SR

WELLCID

WESTCORT

WINTER AP

WINTOMYLON

WYCILLIN

WYCILLIN R

XALACOM

XALATAN

XANTINON B12

XANTINON COMPLEX

XAROPE 44 E*

XAROPE SÃO JOÃO

XAROPE VICK DE GUAIFENESINA*

XAROPE VICK-MEL*

XATRAL OD 10 MG

XELODA*

XENICAL*

XIGRIS

XILODASE POMADA*

XMET MAXAMAID

XMET MAXAMUM

XMTVI ANALOG

XMTVI MAXAMAID

XOLAIR*

XP ANALOG LCP

XP MAXAMAID

XP MAXAMUM

XPT ANALOG

XPT MAXAMAID

XYLESTESIN 1% E 2% COM E SEM VASOCONSTRITOR

XYLESTESIN 10% SPRAY

XYLESTESIN 2%

XYLESTESIN 2% COM E SEM VASOCONSTRITOR

XYLESTESIN 2% GELÉIA

XYLESTESIN 2% SEM CONSERVANTE - ISOBÁRICA

XYLESTESIN 5% PESADA

XYLESTESIN 5% POMADA

XYLOCAÍNA COM EPINEFRINA

XYLOCAÍNA GELÉIA 2%

XYLOCAÍNA POMADA 5%

XYLOCAÍNA POMADA 5% - SABOR LARANJA

XYLOCAÍNA SEM VASOCONSTRITOR

XYLOCAÍNA SPRAY 10%

XYLOCAÍNA VISCOSA 2%

XYLOPROCT

YAKULT RI

YASMIN*

YOMAX*

ZAARPRESS*

ZADINE

ZADITEN

ZADITEN COLÍRIO

ZADITEN COLÍRIO 0,25 MG*

ZALAIN

ZALCITABINA - LAFEPE

ZAMADOL

ZANIDIP*

ZARGUS*

ZARV

ZAVEDOS*

ZELIX

ZELMAC*

ZENAPAX*

ZENCEF

ZENTEL SUSPENSÃO

ZERITAVIR

ZESTORETIC

ZESTRIL

ZETALERG

ZETIA*

ZETIR

ZETITEC

ZETRON*

ZETSIM*

ZIAGENAVIR

ZIDIMAX

ZIDOVIR

ZIDOVUDINA

ZILABEN 25%

ZILOPUR*

ZIMICINA

ZINACEF

ZINC

ZINCOLOK

ZINCOVIT

ZINNAT

ZIPROL

ZIRVIT 600 S*

ZIRVIT BETA*

ZIRVIT E*

ZIRVIT MULTI*

ZIRVIT PLUS*

ZIRVIT*

ZITRINA

ZITROMAX

ZITROMAX IV

ZIVIT PLUS

ZN SHAMPOO

ZOCOR

ZOFLUX

ZOFRAN

ZOLADEX

ZOLADEX LA

ZOLBEN

ZOLDABEN

ZOLIN

ZOLOFT

ZOLPROX

ZOLSTATIN

ZOLTEC

ZOLTEC 150

ZOMETA*

ZOMIG

ZOMIG E ZOMIG OD*

ZORTRIX*

ZOVIRAX COMPRIMIDOS

ZOVIRAX CREME

ZOVIRAX INTRAVENOSO

ZOVIRAX POMADA OFTÁLMICA

ZURCAL 20 MG

ZURCAL 40 MG

ZYBAN

ZYLIUM

ZYLIUM 75 MG

ZYLORIC

ZYMAR

ZYPLO*

ZYPREXA*

ZYRTEC

ZYRTEC-D

ZYVOX*

 A CURITYBINA (União Química). Ácido salicílico. Calicida. Fr. com 5 ml; pote com 13 g.

 

 

 ACCUVIT (Aché). Vitaminas e antioxidantes. Fr. com 30 comp.

 

 

 

 

AGREAL (Sanofi-Synthelabo).

 

Composição

Veraliprida 100 mg/cápsula.

 

Indicações

Tratamento sintomático da menopausa, tratamento dos fogachos e das manifestações psicofuncionais da menopausa confirmada.

 

Contra-indicações

Pacientes com suspeita de feocromocitoma, pacientes com hiperprolactinemia não-funcional (microadenomas e adenomas hipofisários com produção de prolactina), pacientes antes do período da menopausa.

 

Reações adversas

AGREAL é normalmente bem tolerado. Efeitos colaterais que podem ocorrer, ainda que raramente, incluem ganho ponderal, galactorréia, sedação, sonolência, discinesias neuromusculares e síndrome extrapiramidal.

 

Posologia

Uma cápsula ao dia durante 20 dias. Geralmente a melhora dos sintomas de fogachos ocorre após 48 a 72 horas do início do tratamento. Há melhora dos distúrbios neurovegetativos após a primeira semana de tratamento. A terapia pode ser renovada a critério médico, observando um intervalo de 10 dias entre os tratamentos.

 

Apresentação

Caixa com 20 cápsulas.

 

 

 CICLOPLÉGICO (Allergan). Cloridrato de ciclopentolato. Fr. com 5 ml de col.

 

 

 CICLOPRIMOGYNA (Schering do Brasil). Valerato de estradiol, levonorgestrel. Distúrbios menstruais e do climatério. Blister-calendário com 21 dr.

 

 

 GELAFUNDIN(B. Braun). Gelatina fluida modificada. Expansor do plasma. Amp.

 

 

 

 

Nexium®

 

Esomeprazol magnésio

 

20 mg e 40 mg

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — Comprimidos revestidos de 20 mg ou 40 mg: Embalagens com 7 ou 14.

 

Composição — Cada comprimido de 20 mg e 40 mg contém: Esomeprazol magnésio triidratado 22,3 mg ou 44,5 mg (equivalem a esomeprazol 20 mg ou 40 mg, respectivamente); Excipientes (monoestearato de glicerila 40-50, hiprolose, hipromelose, óxido de ferro marrom-avermelhado, óxido de ferro amarelo*, estearato de magnésio, copolímero do ácido metacrílico-acrilato de etila (1:1), celulose microcristalina, parafina sintética, macrogol 6000, polissorbato 80, crospovidona, estearil fumarato de sódio, esferas de açúcar**, talco, dióxido de titânio e ácido cítrico) q.s.p. 1 comprimido. (* Apenas para o comprimido de 20 mg. ** 28 mg para o comprimido de 20 mg e 30 mg para o comprimido de 40 mg.)

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: Desaparecimento dos sintomas de azia, dor epigástrica e de regurgitação ácida. Cicatrização das úlceras pépticas. Cuidados de armazenamento: Conservar em temperatura ambiente (15°C a 30°C). Proteger da umidade. Manter o produto dentro da embalagem original. Prazo de validade: Ver cartucho. Não use medicamento com prazo de validade vencido. Gravidez e lactação: Não há dados clínicos de NEXIUM em gestantes. Informe o seu médico da ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o término. Não se sabe se NEXIUM é excretado no leite humano, portanto, NEXIUM não deve ser usado durante a amamentação. Informar ao médico se está amamentando. Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. O comprimido não deve ser mastigado ou esmagado. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Informe o seu médico do aparecimento de reações desagradáveis. Reações comuns: dor de cabeça, dor na barriga, diarréia, gases, constipação, enjôo e vômito. Reações raras: coceira, urticária, boca seca, tontura e dermatite. Ingestão concomitante com outras substâncias: NEXIUM pode diminuir a absorção de cetoconazol e itraconazol e pode aumentar a concentração plasmática de diazepam, citalopram, imipramina, clomipramina, fenitoína e varfarina. Contra-indicações e precauções: Não deve ser usado por pessoas com alergia ao esomeprazol, benzimidazóis ou qualquer outro componente da fórmula. Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Efeitos sobre a capacidade de dirigir autos e operar máquinas: Não foram observados efeitos na habilidade de dirigir veículos ou operar máquinas.

 

Todo medicamento dever ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — Cada comprimido de NEXIUM contém esomeprazol magnésio triidratado distribuído, juntamente aos excipientes em aproximadamente 1.000 microgrânulos gastrorresistentes. Os comprimidos se dispersam no estômago, mas o revestimento gastrorresistente dos microgrânulos garante que NEXIUM esteja protegido até alcançar o intestino delgado, onde é absorvido.

 

Propriedades farmacodinâmicas — Esomeprazol é o isômero-S do omeprazol. Reduz a secreção ácida gástrica através de um mecanismo de ação específico e direcionado. É um inibidor específico da bomba ácida na célula parietal. O isômero-S e o isômero-R de omeprazol possuem atividades farmacodinâmicas semelhantes. Local e mecanismo de ação: Esomeprazol é uma base fraca, sendo concentrado e convertido para a forma ativa no meio altamente ácido dos canalículos secretores da célula parietal, onde inibe a enzima H+K+-ATPase — a bomba ácida, inibindo as secreções ácidas, basal e estimulada. Efeito na secreção ácida gástrica: Após a dose oral com 20 mg e 40 mg de esomeprazol, o início do efeito ocorre em uma hora. Após a administração repetida de 20 mg de esomeprazol, uma vez ao dia, por cinco dias, o pico médio de produção de ácido após a estimulação de pentagastrina é reduzido em 90%, quando medido 6-7 horas após a dosagem, no quinto dia. Após 5 dias da dose oral com 20 mg e 40 mg de esomeprazol, o pH intragástrico maior que 4 foi mantido por um período médio de 13 e 17 horas, respectivamente, em um período de 24 horas, em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) sintomáticos. As proporções de pacientes que mantiveram um pH intragástrico maior que 4 por pelo menos 8, 12 e 16 horas, respectivamente, para 20 mg de esomeprazol foram 76%, 54% e 24%. As proporções correspondentes para 40 mg de esomeprazol foram 97%, 92% e 56%. Usando a AUC (área sob a curva) como um parâmetro substituto para a concentração plasmática, foi mostrada uma relação entre a inibição da secreção ácida e exposição. Efeitos terapêuticos da inibição ácida: Cicatrização da esofagite de refluxo com 40 mg de esomeprazol ocorre em aproximadamente 78% dos pacientes, após 4 semanas, e em 93%, após 8 semanas. O tratamento de uma semana com 20 mg de esomeprazol, duas vezes ao dia, e antibióticos adequados resultam em erradicação bem-sucedida do Helicobacter pylori em aproximadamente 90% dos pacientes. Após o tratamento de erradicação por uma semana, não há necessidade da monoterapia subseqüente com drogas anti-secretoras para a cicatrização e para o desaparecimento dos sintomas de úlceras duodenais não-complicadas. Outros efeitos relacionados com a inibição ácida: Durante o tratamento com substâncias anti-secretoras, a gastrina sérica aumenta em resposta à inibição da secreção ácida. Um número aumentado de células enterocromafins, possivelmente relacionado com o aumento dos níveis séricos de gastrina, foi observado em alguns pacientes durante tratamento em longo prazo com esomeprazol. Foi relatado que durante o tratamento prolongado com drogas anti-secretoras os cistos glândulares gástricos ocorreram em uma freqüência relativamente elevada. Essas alterações são uma conseqüência fisiológica da inibição pronunciada da secreção ácida, são benignas e parecem ser reversíveis.

 

Propriedades farmacocinéticas — Absorção e distribuição: Esomeprazol é instável em meio ácido, sendo administrado oralmente em grânulos de revestimento entérico. A conversão in vivo para o isômero-R é insignificante. A absorção de esomeprazol é rápida, com níveis de pico plasmático ocorrendo aproximadamente em 1-2 horas após a dose. A biodisponibilidade absoluta é de 64% após uma dose única de 40 mg e aumenta para 89% após a administração de dose única diária repetida. Para esomeprazol 20 mg, os valores correspondentes são 50% e 68%, respectivamente. O volume aparente da distribuição no estado de equilíbrio em indivíduos normais é de aproximadamente 0,22 l/kg de peso corpóreo. Esomeprazol tem uma taxa de ligação às proteínas plasmáticas de 97%. A ingestão de alimentos não influenciou de maneira significativa o efeito de esomeprazol na acidez intragástrica. Metabolismo e excreção: Esomeprazol é totalmente metabolizado pelo sistema citocromo P-450 (CYP). A parte principal de seu metabolismo é dependente da CYP2C19 polimórfica, responsável pela formação de metabólitos hidróxi e desmetila de esomeprazol. A parte restante é dependente de uma outra isoforma específica, CYP3A4, responsável pela formação de sulfona esomeprazol, o metabólito principal no plasma. Os parâmetros a seguir refletem principalmente a farmacocinética em indivíduos com uma enzima funcional CYP2C19, metabolizadores extensivos. A depuração plasmática total é de cerca de 17 l/h após uma dose única e cerca de 9 l/h após a administração repetida. A meia-vida de eliminação plasmática é de cerca de 1,3 hora após doses repetidas uma vez ao dia. A área abaixo da curva de concentração plasmática vs. tempo aumenta com a administração repetida de esomeprazol. Esse aumento é dose-dependente e resulta em uma relação dose/AUC não-linear após a administração repetida. Essa dependência tempo e dose é devido a uma redução do metabolismo de primeira passagem e depuração sistêmica provavelmente causada por uma inibição da enzima CYP2C19 pelo esomeprazol e/ou seu metabólito sulfona. Esomeprazol é totalmente eliminado no plasma entre as doses, com nenhuma tendência de acúmulo durante o tratamento de uma vez ao dia. Os principais metabólitos de esomeprazol não têm efeito sobre a secreção ácida gástrica. Aproximadamente 80% de uma dose oral de esomeprazol são excretados como metabólitos na urina e o restante pelas fezes. Menos que 1% da droga inalterada é encontrada na urina. Populações de pacientes especiais: Aproximadamente 1%-2% da população não tem a enzima funcional CYP2C19 e são chamados de metabolizadores fracos. Nesses indivíduos, o metabolismo de esomeprazol é provável e principalmente catalisado pela CYP3A4. Após a administração repetida de uma vez ao dia de 40 mg de esomeprazol, a média da área abaixo da curva de concentração plasmática vs. tempo foi aproximadamente 100% mais elevada nos metabolizadores fracos do que nos indivíduos que têm uma enzima funcional CYP2C19 (metabolizadores extensivos). As concentrações plasmáticas de pico médias apresentaram um aumento de cerca de 60%. Estas descobertas não têm implicações na posologia de esomeprazol. O metabolismo de esomeprazol não é significativamente alterado em idosos (71-80 anos de idade). Após a administração de uma dose única de 40 mg de esomeprazol, a média da área abaixo da curva de concentração plasmática vs. tempo é aproximadamente 30% maior em mulheres do que em homens. Não é observada nenhuma diferença entre os sexos masculino e feminino após administração única diária repetida. Estas descobertas não têm implicações sobre a posologia de esomeprazol. O metabolismo de esomeprazol em pacientes com disfunção hepática de leve à moderada pode ser prejudicado. A taxa metabólica é reduzida nos pacientes com disfunção hepática grave, resultando em uma duplicação da área abaixo da curva de concentração plasmática vs. tempo de esomeprazol. Portanto, não se deve exceder um máximo de 20 mg nos pacientes com disfunção hepática grave. Esomeprazol ou seus metabólitos principais não mostram qualquer tendência de acúmulo com a dosagem de uma vez ao dia. Nenhum estudo em pacientes com função renal reduzida foi realizado. Considerando que o rim é responsável pela excreção dos metabólitos de esomeprazol, mas não pela eliminação do composto inalterado, não é esperado que o metabolismo de esomeprazol seja alterado nos pacientes com função renal deficiente.

 

Dados de segurança pré-clínica — Os estudos correlacionados pré-clínicos não revelaram risco particular para os humanos com base nos estudos convencionais de toxicidade de dose repetida, genotoxicidade e toxicidade para reprodução. Os estudos sobre carcinogenicidade em ratos com a mistura racêmica apresentaram hiperplasia de células enterocromafins gástricas e carcinóides. Esses efeitos gástricos no rato são o resultado da hipergastrinemia pronunciada, constante, secundária à produção reduzida do ácido gástrico e são observados após o tratamento prolongado no rato com inibidores da secreção ácida gástrica.

 

Indicações — NEXIUM é efetivo no tratamento de doenças acidopépticas e alívio dos sintomas de azia, regurgitação ácida e dor epigástrica. NEXIUM também é efetivo para a erradicação de Helicobacter pylori quando associado com os antibióticos corretos. Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE): Tratamento da esofagite de refluxo erosiva; tratamento de manutenção para prevenir a recidiva de esofagite; tratamento dos sintomas da doença de refluxo gastroesofágico (DRGE), tais como: pirose/azia (queimação retroesternal), regurgitação ácida e dor epigástrica. Tratamento da úlcera duodenal associada ao Helicobacter pylori. Erradicação do Helicobacter pylori em associação com um tratamento antibacteriano adequado.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade conhecida ao esomeprazol, benzimidazóis substituídos ou a qualquer outro componente da formulação.

 

Precauções e advertências — Na presença de qualquer sintoma de alarme (p. ex.: perda de peso não-intencional significativa, vômito recorrente, disfagia, hematêmese ou melena) e quando há suspeita de úlcera gástrica ou quando essa já está presente, a malignidade deve ser excluída, pois o tratamento com NEXIUM pode aliviar os sintomas e retardar o diagnóstico. Os pacientes sob tratamento prolongado (particularmente aqueles tratados por mais de um ano) devem ser mantidos sob supervisão médica constante. Pacientes em tratamento de uso conforme a necessidade devem ser instruídos a contatar o seu médico se os seus sintomas mudarem de característica. Quando prescrever esomeprazol para uso quando necessário, as implicações de interações com outros medicamentos, devido a flutuações nas concentrações plasmáticas de esomeprazol, devem ser consideradas (ver Interações medicamentosas). Quando prescrever esomeprazol para erradicação do Helicobacter pylori, deve-se considerar as possíveis interações medicamentosas para todos os componentes da terapia tripla. A claritromicina é um potente inibidor da CYP3A4 e, portanto, as contra-indicações e interações da claritromicina devem ser consideradas quando a terapia tripla é utilizada em pacientes tratados concomitantemente com outros fármacos metabolizados via CYP3A4, como a cisaprida. Pacientes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose, má absorção de glicose-galactose ou insuficiência de sacarase-isomaltase não devem receber este medicamento. Uso durante a gravidez e a lactação: Estão disponíveis dados clínicos limitados para o esomeprazol em gestantes sob exposição. Estudos em animais com esomeprazol não indicam efeitos nocivos diretos ou indiretos com relação ao desenvolvimento embrionário/fetal. Estudos em animais com a mistura racêmica não indicam efeitos nocivos diretos ou indiretos com relação à gravidez, parto ou desenvolvimento pós-natal. Deve-se tomar cuidado na prescrição para mulheres grávidas. Não se sabe se o esomeprazol é excretado no leite humano. Nenhum estudo em lactantes foi realizado. Portanto, NEXIUM não deve ser usado durante a amamentação.

 

Interações medicamentosas — Efeitos de esomeprazol na farmacocinética de outras drogas: Como ocorre com outros inibidores da bomba de prótons, a acidez intragástrica reduzida durante o tratamento com esomeprazol pode elevar ou reduzir a absorção das substâncias se o mecanismo da absorção for influenciado pelos níveis da acidez gástrica. Em comum com o uso de outros inibidores da secreção ácida ou de antiácidos, a absorção de cetoconazol e itraconazol pode diminuir durante o tratamento com esomeprazol. Esomeprazol inibe sua principal enzima de metabolização, CYP2C19. Dessa forma, quando esomeprazol é combinado com drogas metabolizadas pela CYP2C19, tais como diazepam, citalopram, imipramina, clomipramina, fenitoína, etc., as concentrações plasmáticas dessas drogas podem ser aumentadas e uma redução da dose pode ser necessária. A administração concomitante de 30 mg de esomeprazol resultou em uma redução de 45% da depuração de diazepam, um substrato da CYP2C19. É improvável que essa interação tenha relevância clínica. A administração concomitante de 40 mg de esomeprazol resultou em um aumento de 13% nos níveis plasmáticos baixos de fenitoína em pacientes epiléticos; o ajuste de dose não foi necessário neste estudo. É recomendado o monitoramento das concentrações plasmáticas da fenitoína quando o tratamento com esomeprazol é introduzido ou suspenso. A administração concomitante de 40 mg de esomeprazol a pacientes tratados com varfarina mostrou que apesar de uma discreta elevação na concentração plasmática do isômero menos potente da varfarina, o isômero-R, os tempos de coagulação estavam dentro da faixa aceitável. Contudo, como para todos os pacientes em tratamento com varfarina, recomenda-se monitoramento durante o tratamento concomitante com esomeprazol. Em indivíduos normais, a administração concomitante de 40 mg de esomeprazol resultou em um aumento de 32% na área abaixo da curva de concentração plasmática vs. tempo (AUC) e um prolongamento de 31% da meia-vida de eliminação (t1/2), mas nenhuma elevação significante nos níveis do pico plasmático de cisaprida. O discreto prolongamento do intervalo QTc observado após a administração isolada de cisaprida, não apresentou um maior aumento quando cisaprida foi administrada em associação com esomeprazol (ver também Precauções e advertências). Foi demonstrado que esomeprazol não apresenta efeitos clinicamente relevantes na farmacocinética de amoxicilina ou quinidina. Efeitos de outras drogas na farmacocinética de esomeprazol: Esomeprazol é metabolizado pela CYP2C19 e CYP3A4. A administração concomitante de esomeprazol e um inibidor CYP3A4, claritromicina (500 mg, duas vezes ao dia), resultou em uma duplicação da exposição (AUC) ao esomeprazol. O ajuste da dose de esomeprazol não é necessário.

 

Reações adversas — As seguintes reações adversas à droga foram identificadas ou suspeitas no programa dos estudos clínicos para esomeprazol. Nenhuma foi considerada dose-relacionada. Comum (³ 1/100):Cefaléia, dor abdominal, diarréia, flatulência, náusea/vômito, constipação. Rara (< 1/1.000): Dermatite, prurido, urticária, vertigem, secura da boca. Após a comercialização de NEXIUM, raros casos de reações de hipersensibilidade, como, por exemplo, angioedema e reação anafilática foram relatados. As seguintes reações adversas foram observadas com o racemato (omeprazol) e podem ocorrer com esomeprazol: Sistema nervoso central e periférico: Parestesia, sonolência, insônia e vertigem. Confusão mental reversível, agitação, agressividade, depressão e alucinações, principalmente em pacientes em estado grave. Endócrino: Ginecomastia. Gastrointestinal:Estomatite e candidíase gastrointestinal. Hematológico: Leucopenia, trombocitopenia, agranulocitose e pancitopenia. Hepático: Aumento das enzimas hepáticas, encefalopatia em pacientes com insuficiência hepática grave preexistente; hepatite com ou sem icterícia, insuficiência hepática. Musculoesquelético:Artralgia, fraqueza muscular e mialgia. Pele: Erupção, fotossensibilidade, eritema multiforme, síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica e alopecia. Outros: Mal-estar. Reações de hipersensibilidade, por exemplo, angioedema, febre, broncoespasmo, nefrite intersticial e choque anafilático. Aumento da transpiração, edema periférico, turvação da visão, alteração do paladar e hiponatremia.

 

Posologia e modo de usar — Os comprimidos devem ser ingeridos com líquido. Os comprimidos não devem ser mastigados ou esmagados. Nos casos de pacientes com dificuldade para deglutir, o comprimido pode ser disperso em meio copo de água sem gás (não se deve usar outro líquido), mexendo até o comprimido se desintegrar. A dispersão deve ser ingerida ou administrada através de sonda nasoenteral (SNE) em até 30 minutos. Se persistirem microgrânulos aderidos à parede do copo, adicionar um pouco de água, mexer e ingerir ou administrar por SNE o seu conteúdo. Os microgrânulos não devem ser mastigados ou esmagados. Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE): Tratamento da esofagite de refluxo erosiva: 40 mg, uma vez ao dia, por 4 semanas. Um tratamento adicional de 4 semanas é recomendado para os pacientes com esofagite não-cicatrizada ou aqueles que apresentam sintomas persistentes. Tratamento de manutenção para prevenir a recidiva em pacientes com esofagite: 20 mg, uma vez ao dia. Tratamento dos sintomas da doença de refluxo gastroesofágico (DRGE), tais como pirose/azia (queimação retroesternal), regurgitação ácida e dor epigástrica: 20 mg, uma vez ao dia, para os pacientes que não apresentam esofagite. Se o controle dos sintomas não for obtido após 4 semanas, o paciente deve ser investigado. Uma vez resolvidos os sintomas da DRGE, NEXIUM pode ser usado na dose de 20 mg/dia, na presença de sintomas ocasionais, isto é, quando necessário. Tratamento da úlcera duodenal associada ao 'Helicobacter pylori'/erradicação do 'Helicobacter pylori': 20 mg de NEXIUM com 1 g de amoxicilina e 500 mg de claritromicina, todos duas vezes ao dia, por 7 dias. Não há necessidade da continuidade do tratamento com drogas anti-secretoras para a cicatrização e resolução dos sintomas de úlcera. Crianças: Não há experiência do uso de NEXIUM em crianças. Insuficiência renal: Não há necessidade de ajuste da dose para os pacientes com insuficiência renal. Devido à experiência limitada em pacientes com insuficiência renal grave, esses pacientes devem ser tratados com precaução (ver Propriedades farmacocinéticas). Insuficiência hepática: Não é necessário o ajuste de dose para os pacientes com insuficiência hepática de leve a moderada. Para os pacientes com disfunção hepática grave, deve-se usar uma dose máxima diária de 20 mg de NEXIUM (ver Propriedades farmacocinéticas). Idosos: Não é necessário o ajuste de dose para idosos.

 

Superdosagem — Os sintomas descritos com relação a superdosagem deliberada de esomeprazol (experiência limitada de dose com mais de 240 mg/dia) são transitórios. Doses únicas de 80 mg de esomeprazol não apresentaram intercorrências. Não se conhece nenhum antídoto específico. Esomeprazol liga-se extensivamente às proteínas plasmáticas e, portanto, não é dialisável. Em caso de superdosagem, o tratamento deve ser sintomático e medidas de suporte gerais devem ser utilizadas.

 

Pacientes idosos — Não é necessário o ajuste das doses.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado sua eficácia e sua segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Fabricado por: AstraZeneca AB — Suécia.

 

Todas as marcas nesta embalagem são propriedade do grupo de empresas AstraZeneca.

 

SAC: 0800-145578.

 

Registro no M.S. 1.1618.0105.

 

Importado e embalado por:

AstraZeneca do Brasil Ltda.

 

 

 

 

TOMUDEX(AstraZeneca).

 

Raltitrexato

 

Composição

Cada frasco-ampola contém: Raltitrexato 2 mg. Excipientes (manitol, fosfato dibásico de sódio, hidróxido de sódio) q.s.p. 1 frasco-ampola.

 

Indicações

Tratamento paliativo do câncer colorretal avançado.

 

Contra-indicações

TOMUDEX não deve ser usado em gestantes, em mulheres que possam engravidar durante o tratamento ou que estejam amamentando. A possibilidade de gravidez deve ser excluída antes do início do tratamento com TOMUDEX (ver Gravidez e lactação). TOMUDEX está contra-indicado para pacientes com insuficiência renal grave.

 

Reações adversas

Como ocorre com outras drogas citotóxicas, TOMUDEX pode estar associado com certas reações adversas. Entre elas, incluem-se principalmente efeitos reversíveis no sistema hematopoiético, nas enzimas hepáticas e no trato gastrintestinal. Os efeitos listados abaixo foram descritos como possíveis reações adversas medicamentosas, ocorrendo a uma incidência de 2% ou mais em pacientes com câncer colorretal tratados com TOMUDEX nos estudos clínicos: Sistema gastrintestinal: Os efeitos mais freqüentes foram náuseas (57%), vômitos (35%), diarréia (36%) e anorexia (26%). Os menos freqüentes foram mucosite, estomatite, úlceras orais, dispepsia e constipação. A diarréia geralmente tem uma intensidade leve ou moderada (graus 1 e 2 da OMS) e ocorre a qualquer momento após a administração de TOMUDEX. Entretanto, pode ocorrer diarréia grave (graus 3 e 4 da OMS) e esta pode estar associada a uma concomitante supressão hematológica, especialmente leucopenia (em particular neutropenia). Pode ser necessário suspender o tratamento ou reduzir a dose, de acordo com o grau de toxicidade (ver Posologia). As náuseas e os vômitos geralmente são leves (graus 1 e 2 da OMS), ocorrendo geralmente na primeira semana após a administração de TOMUDEX, e são responsivos aos antieméticos. Sistema hematopoiético: Foram relatadas leucopenia (em particular neutropenia), anemia e trombocitopenia, isoladas ou associadas, como possíveis reações adversas nos estudos clínicos (21%, 16% e 5% dos pacientes, respectivamente). Essas reações geralmente são leves a moderadas e ocorrem na primeira ou segunda semana depois do tratamento, recuperando-se na terceira semana. Podem ocorrer leucopenia (em particular neutropenia) grave (graus 3 e 4 da OMS) e trombocitopenia grave de grau 4 da OMS, com risco de vida ou fatais, especialmente se associadas a sinais de toxicidade gastrintestinal. Metabólicas e nutricionais: Têm sido relatadas elevações reversíveis na TGO e na TGP como reações adversas em estudos clínicos (14% e 14% dos pacientes, respectivamente). Essas alterações habitualmente são assintomáticas e auto-limitantes quando não estão associadas com a progressão da neoplasia maligna subjacente. Outros efeitos menos freqüentes são perda de peso, desidratação, edema periférico, hiperbilirrubinemia e elevações na fosfatase alcalina. Sistema musculoesquelético e sistema nervoso: Artralgia e hipertonia (geralmente cãibras musculares) foram relatadas como possíveis reações adversas medicamentosas em menos de 2% dos pacientes que receberam TOMUDEX nos estudos clínicos. Pele, anexos cutâneos e sentidos especiais: O exantema foi relatado com freqüência nos estudos clínicos (13% dos pacientes), algumas vezes associado a prurido. Outros efeitos menos freqüentes foram descamação, alopecia, sudorese, distúrbio do paladar e conjuntivite. Organismo: Os efeitos mais freqüentes nos estudos clínicos foram astenia (46% dos pacientes) e febre (20%), que geralmente foram leves a moderadas, ocorrendo na primeira semana após a administração de TOMUDEX, e foram reversíveis. Pode ocorrer astenia grave e esta associar-se com mal-estar e uma síndrome semelhante à gripe. Outros efeitos menos freqüentes foram dor abdominal, dor, cefaléia, celulite e septicemia.

 

Posologia

Adultos: A dose de TOMUDEX é calculada com base na área de superfície corporal. São recomendados 3 mg/m², administrados por via intravenosa, como infusão intravenosa única breve em 50 a 250 ml de solução de cloreto de sódio a 0,9% ou de solução de glicose a 5% (dextrose). Recomenda-se que a infusão seja administrada durante um período de 15 minutos. Outras drogas não devem ser misturadas com TOMUDEX no mesmo recipiente da infusão. Na ausência de toxicidade, o tratamento pode ser repetido em intervalos de 3 semanas. Não se recomenda aumentar a dose de 3 mg/m², visto que doses mais elevadas têm sido associadas ao aumento da incidência de toxicidade fatal ou com risco de vida para o paciente. Antes do início do tratamento e de cada tratamento subseqüente, devem ser feitos hemograma completo (incluindo contagem diferencial e plaquetas) e doseamento de transaminases hepáticas, bilirrubina e creatinina séricas. O número total de leucócitos deve ser superior a 4.000/mm³, o de neutrófilos superior a 2.000/mm³ e o de plaquetas a 100.000/mm³ antes do tratamento. Se ocorrerem efeitos tóxicos, a dose subseqüente deverá ser suspensa até que os sinais de efeitos tóxicos regridam. Em particular, os sinais de toxicidade gastrintestinal (diarréia ou mucosite) e de toxicidade hematológica (neutropenia ou trombocitopenia) devem estar resolvidos completamente antes do início do tratamento subseqüente. Os pacientes que desenvolverem sinais de toxicidade gastrintestinal deverão ser submetidos a monitorização, com hemogramas completos pelo menos semanais para detecção de sinais de toxicidade hematológica. Com base no pior grau de toxicidade gastrintestinal e hematológica observado no tratamento prévio e desde que essa toxicidade tenha se resolvido completamente, recomendam-se as seguintes reduções posológicas para o tratamento subseqüente: redução de 25% na dose em pacientes com toxicidade hematológica de grau 3 da OMS (neutropenia ou trombocitopenia) ou toxicidade gastrintestinal de grau 2 da OMS (diarréia ou mucosite); redução de 50% na dose em pacientes com toxicidade hematológica de grau 4 da OMS (netropenia ou trombocitopenia) ou toxicidade gastrintestinal de grau 3 da OMS (diarréia ou mucosite). Uma vez que a redução posológica tenha sido adotada, deve ser mantida em todas as doses subseqüentes. O tratamento deve ser suspenso na presença de toxicidade gastrintestinal de grau 4 da OMS (diarréia ou mucosite) ou toxicidade gastrintestinal de grau 3 da OMS associada com toxicidade hematológica de grau 4 da OMS. Os pacientes com esses efeitos tóxicos devem ser tratados imediatamente com medidas de suporte padronizadas, incluindo hidratação intravenosa e medidas de suporte relativo a medula óssea. Além disso, os dados pré-clínicos sugerem que se deva considerar a administração de leucovorina (ácido folínico). Com base na experiência clínica com outros antifolatos, a leucovorina pode ser administrada na dose de 25 mg/m², por via intravenosa, com intervalos de 6 horas, até a resolução dos sintomas. O uso adicional de TOMUDEX nesses pacientes não é recomendado. É essencial que o esquema de redução posológica seja seguido rigorosamente, visto que o potencial de toxicidade com risco de vida ou fatal aumenta se a dose não for reduzida ou se o tratamento não for interrompido quando apropriado. Idosos: Posologia e administração recomendadas para adultos. Entretanto, como ocorre com outros citotóxicos, TOMUDEX deve ser usado com cautela em pacientes idosos (ver Precauções e advertências). Crianças: TOMUDEX não é recomendado para uso em crianças, visto que a segurança e a eficácia não foram estabelecidas nesse grupo de pacientes. Insuficiência renal: Para pacientes com creatinina sérica anormal, antes do primeiro tratamento ou de qualquer tratamento subseqüente deve-se medir ou calcular o clearance de creatinina. Em pacientes com creatinina sérica normal, quando esta não se correlacionar bem com sua depuração devido a fatores tais como idade ou perda de peso, o mesmo procedimento deve ser seguido. Se a depuração de creatinina for £ 65 ml/min, são recomendadas as seguintes modificações posológicas: Modificação da dose na presença de insuficiência renal: Depuração de creatinina > 65 ml/min: dose completa, a cada 3 semanas; depuração de creatinina 55 a 65 ml/min: 75%, a cada 4 semanas; depuração de creatinina 25 a 54 ml/min: 50%, a cada 4 semanas; depuração de creatinina < 25 ml/min: sem tratamento, não aplicável (ver Contra-indicações para uso em pacientes com insuficiência renal grave). Insuficiência hepática: Não é necessário fazer ajuste posológico em pacientes com insuficiência hepática leve a moderada. Entretanto, como uma certa proporção da droga é excretada pelas fezes e que esses pacientes geralmente formam um grupo de prognóstico ruim, pacientes com dano hepático leve a moderado devem ser tratados com cautela. TOMUDEX não foi estudado em pacientes com insuficiência hepática grave, icterícia clínica ou hepatopatia descompensada e seu uso nesses pacientes não é recomendado.

 

Apresentação

TOMUDEX é apresentado em embalagem contendo 1 frasco-ampola, contendo 2 mg de raltitrexato, sob forma de pó para infusão.

 

 

 

 

Symbicort® turbuhaler®

 

Fumarato de formoterol/Budesonida

 

6/200 mcg/inalação

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Pó inalante. 6/200 mcg/inalação: Embalagem com 1 tubo contendo 60 doses. O mecanismo Turbuhaler garante a dose exata de budesonida e fumarato de formoterol.

 

Composição — Cada inalação contém: Dose medida: Fumarato de formoterol 6 mcg; Budesonida 200 mcg. Dose liberada: Fumarato de formoterol 4,5 mcg; Budesonida 160 mcg. Excipiente (lactose) q.s.p. 1 inalação.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: O uso de SYMBICORT TURBUHALER melhora e controla a falta de ar em asmáticos e em pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica. Este efeito começa dentro de 1-3 minutos após a inalação do medicamento e dura até 12 horas. Quando você inala pelo bocal, a medicação segue para os seus pulmões. Cuidados de armazenamento: Conservar em temperatura ambiente (15°C a 30°C). SYMBICORT TURBUHALER deve ser mantido com a tampa fechada e rosqueada. Prazo de validade: Ver cartucho. Não use medicamento com prazo de validade vencido. Gravidez e lactação: Informe o seu médico da ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o término. Informar ao médico se está amamentando. SYMBICORT TURBUHALER só deve ser usado durante a gravidez após análise cuidadosa da situação, sob supervisão médica, principalmente nos primeiros 3 meses de gestação e pouco tempo antes do parto. O uso durante a amamentação deve ser evitado. Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Antes de iniciar o uso de SYMBICORT TURBUHALER é importante que leia o item Instruções para uso. Siga as instruções corretamente. Nunca empreste seu TURBUHALER para outra pessoa. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Informe o seu médico do aparecimento de reações desagradáveis, como leve irritação da garganta, tosse, rouquidão, sapinho (infecção fúngica na boca e garganta), dor de cabeça, taquicardia, tremores. Ingestão concomitante com outras substâncias: Alguns medicamentos para pressão alta, para problemas cardíacos, para infecções fúngicas e alguns colírios podem alterar o efeito de SYMBICORT TURBUHALER se usados simultaneamente. Contra-indicações e precauções: Não deve ser usado por pessoas alérgicas à budesonida, ao fumarato de formoterol ou à lactose. Informe ao seu médico se você tiver outros problemas de saúde, principalmente se tem ou teve problemas cardíacos, diabetes, baixa taxa de potássio no sangue ou função alterada da tireóide. Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Informe ao seu médico, assim que possível, caso precise usar sua medicação inalatória para alívio dos sintomas mais vezes do que o usual para obter o controle da sua asma. Sempre carregue sua medicação para alívio dos sintomas com você. Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas: Não interfere na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — Propriedades farmacodinâmicas: Mecanismos de ação e efeitos famacodinâmicos: SYMBICORT TURBUHALER contém formoterol e budesonida, substâncias que possuem diferentes modos de ação e que apresentam efeitos aditivos em termos de redução das exacerbações da asma e da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Os mecanismos de ação das duas substâncias estão discutidos a seguir: Budesonida:A budesonida é um glicocorticosteróide com um elevado efeito antiinflamatório local. A budesonida mostrou exercer efeitos antianafiláticos e antiinflamatórios nos estudos de provocação realizados em animais e em humanos, os quais se manifestaram por redução da obstrução brônquica tanto na fase precoce como tardia de uma reação alérgica. A budesonida também demonstrou reduzir a reatividade das vias aéreas em pacientes hiper-reativos submetidos tanto à provocação direta como indireta. A terapêutica com budesonida inalatória demonstrou ser eficaz na prevenção da asma induzida por exercício. Estudos de longo prazo mostram que as crianças e adolescentes tratados com budesonida inalatória atingem, na idade adulta, a sua altura esperada. Porém, foi observada uma pequena redução inicial, mas passageira, no crescimento (aproximadamente 1 cm). Isto geralmente acontece no primeiro ano de tratamento (ver Precauções e advertências). Formoterol: O formoterol é um agonista beta-2-adrenérgico seletivo, que induz o relaxamento do músculo liso brônquico em pacientes com obstrução reversível das vias aéreas. O efeito broncodilatador manifesta-se muito rapidamente no período de 1-3 minutos após a inalação e a sua duração é de 12 horas após uma dose única. Eficácia clínica: SYMBICORT TURBUHALER: Terapia com um único inalador: Em estudos de 6-12 meses de duração em pacientes a partir 4 anos de idade, o uso conforme a necessidade de SYMBICORT TURBUHALER, em quantidade adicional à dose de manutenção, foi comparado ao tratamento com a mesma dose de manutenção de SYMBICORT ou dose de budesonida 2 ou 4 vezes mais altas, ambas com o uso de terbutalina, conforme a necessidade. Foi verificada melhora no controle da asma nos primeiros dias de tratamento e esta foi maior do que a verificada nos tratamentos de comparação. Os pacientes administraram, em média, 1 inalação de SYMBICORT por dia, conforme a sua necessidade, e alcançaram reduções  estatística e clinicamente significantes nas exacerbações graves e melhora na função pulmonar e nos sintomas. Estas melhoras foram alcançadas com uma quantidade menor de esteróide inalatório e oral em comparação com os outros tratamentos. Não houve nenhum sinal de atenuação do efeito antiasmático com o passar do tempo. Um estudo de curto prazo em pacientes em crise aguda de asma não mostrou diferença na melhora da função pulmonar durante as primeiras 3 horas entre tratamento com SYMBICORT TURBUHALER e salbutamol administrado por medicação spray. Terapia de manutenção regular: Estudos clínicos mostraram que a adição de formoterol à budesonida melhorou os sintomas asmáticos e a função pulmonar e reduziu as exacerbações. O efeito de SYMBICORT TURBUHALER sobre a função pulmonar, utilizado como uma dose única de manutenção, foi igual ao da budesonida e formoterol, em inaladores separados, em adultos, e superior à da budesonida isoladamente, em adultos e crianças. Todos os grupos de tratamento usaram um beta-2-agonista de curta duração, conforme a necessidade. Não se observaram sinais de atenuação do efeito antiasmático no decorrer do tempo. Um estudo de curto prazo em pacientes em crise aguda de asma não mostrou diferença na melhora da função pulmonar durante as primeiras 3 horas entre tratamento com SYMBICORT TURBUHALER e salbutamol administrado por medicação spray. DPOC: Em dois estudos de 12 meses em pacientes com DPOC, SYMBICORT TURBUHALER foi superior ao placebo, ao formoterol e à budesonida com relação à função pulmonar e mostrou uma redução significante da taxa de exacerbação em comparação com o placebo e formoterol. Portanto, foi demonstrada a contribuição do formoterol e da budesonida para o efeito de SYMBICORT TURBUHALER. SYMBICORT TURBUHALER também foi superior ao placebo em relação aos sintomas e qualidade de vida. O tratamento foi bem tolerado. Propriedades Farmacocinéticas: Absorção: SYMBICORT TURBUHALER e os monoprodutos correspondentes (Pulmicort Turbuhaler e Oxis Turbuhaler) demonstraram ser bioequivalentes em termos da exposição sistêmica da budesonida e do formoterol, respectivamente. Não foram observados quaisquer sinais de interações farmacocinéticas entre a budesonida e o formoterol. Verificou-se que os parâmetros farmacocinéticos das respectivas substâncias eram comparáveis após a administração de budesonida e formoterol sob a forma de monoprodutos ou como SYMBICORT TURBUHALER. A budesonida inalatória é rapidamente absorvida e a concentração plasmática máxima é atingida no período de 30 minutos após a inalação. Os estudos realizados demonstraram que a deposição pulmonar média da budesonida após a inalação pelo TURBUHALER variou entre 32% e 44% da dose liberada. A biodisponibilidade sistêmica é de aproximadamente 49% da dose liberada. Em crianças, a concentração plasmática e a deposição pulmonar têm a mesma variação que em adultos. O formoterol inalatório é rapidamente absorvido e a concentração plasmática máxima é atingida 10 minutos após a inalação. Os estudos realizados demonstraram que a deposição pulmonar média de formoterol após a inalação pelo Turbuhaler variou entre 28%-49% da dose liberada. A disponibilidade sistêmica é de aproximadamente 61% da dose liberada. Distribuição e metabolismo: A ligação às proteínas plasmáticas é de aproximadamente 50% para o formoterol e de 90% para a budesonida. O volume de distribuição é de aproximadamente 4 l/kg para o formoterol e de 3 l/kg para a budesonida. O formoterol é inativado por reações de conjugação (embora se observe formação de metabólitos ativos O-desmetilados e desformilados, estes são essencialmente considerados como conjugados não-ativos). A budesonida sofre uma ampla biotransformação (aproximadamente 90%) na primeira passagem pelo fígado, originando metabólitos com uma reduzida atividade glicocorticosteróide. A atividade glicocorticosteróide dos principais metabólitos, 6-beta-hidroxi-budesonida e 16-alfa-hidroxi-prednisolona, é inferior a 1% daquela da budesonida. Não existem sinais de quaisquer interações metabólicas ou de quaisquer reações de deslocamento entre o formoterol e a budesonida. Eliminação: A dose de formoterol é essencialmente eliminada por metabolismo no fígado seguida de excreção renal. Após a inalação, 8% a 13% da dose liberada de formoterol são excretados não-metabolizados através da urina. O formoterol possui uma elevada depuração sistêmica (cerca de 1,4 l/min) e a sua meia-vida de eliminação terminal é, em média, de 17 horas. A budesonida é eliminada por metabolismo, principalmente catalisada pela enzima CYP3A4. Os metabólitos da budesonida são excretados na urina inalterados ou sob a forma conjugada. Apenas pequenas quantidades de budesonida inalterada foram detectadas na urina. A budesonida possui uma elevada depuração sistêmica (cerca de 1,2 l/min) e a sua meia-vida de eliminação plasmática após administração IV é, em média, de 4 horas. A budesonida tem uma depuração sistêmica de aproximadamente 0,5 l/min em crianças asmáticas de 4-6 anos de idade. As crianças têm uma depuração por kg de peso corpóreo que é aproximadamente 50% maior da de adultos. A meia-vida de eliminação da budesonida, após inalação, é de aproximadamente 2,3 horas em crianças asmáticas. a farmacocinética de formoterol em crianças não foi estudada. A farmacocinética da budesonida ou do formoterol em idosos e em pacientes com insuficiência renal é desconhecida. A exposição à budesonida e ao formoterol poderá estar aumentada em pacientes com doença hepática. Dados de segurança pré-clínica: A toxicidade observada em estudos de experimentação animal realizados com budesonida e formoterol, administrados em associação ou separadamente, foi similar. Os efeitos foram associados às atividades farmacológicas e foram dependentes da dose. Foi comprovado, em estudos de reprodução animal, que os corticosteróides, como a budesonida, induzem malformações (fenda palatina, malformações esqueléticas). Estes resultados obtidos na experimentação animal não parecem, no entanto, serem relevantes para os humanos nas doses recomendadas (ver Uso durante a gravidez e a lactação, em Precauções e advertências). Os estudos de reprodução animal realizados com formoterol demonstraram uma ligeira redução da fertilidade nos ratos machos submetidos a exposições sistêmicas elevadas e perdas de implantação, assim como diminuição da sobrevida pós-natal precoce e do peso ao nascimento com exposições sistêmicas consideravelmente superiores às atingidas durante a utilização clínica. Contudo, estes resultados obtidos na experimentação animal não parecem ser relevantes para o ser humano.

 

Indicações — Asma: SYMBICORT TURBUHALER está indicado no tratamento da asma nos casos em que o uso de uma associação (corticosteróide inalatório com um beta-2-agonista de ação prolongada) é apropriado. DPOC: SYMBICORT TURBUHALER está indicado no tratamento regular de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) de moderada a grave, com sintomas freqüentes e história de exacerbações.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade à budesonida, ao formoterol ou à lactose inalatória.

 

Precauções e advertências — Se o paciente considerar que o tratamento não está sendo efetivo ou se exceder a maior dose recomendada de SYMBICORT TURBUHALER, deve-se consultar o médico. A deterioração súbita e progressiva no controle da asma ou DPOC pode potencialmente representar risco de vida e o paciente deve passar por uma avaliação médica com urgência. Nesta situação, deve-se considerar a necessidade de aumentar a terapêutica com corticosteróides, por exemplo, um curso de corticosteróides orais, ou tratamento antibiótico se uma infecção estiver presente. O tratamento não deve ser iniciado para tratar uma exacerbação grave. O crescimento de crianças e adolescentes submetidos a uma corticoterapia prolongada por qualquer via deve ser mantido sob rigoroso controle médico e devem ser pesados os benefícios da terapêutica com corticosteróides em relação ao possível risco de supressão do crescimento (ver Propriedades farmacodinâmicas, em Características). Deve-se tomar cuidado especial em pacientes que são transferidos de esteróides orais para inalatórios, uma vez que podem permanecer riscos de função adrenal prejudicada durante um tempo considerável. Pacientes que necessitaram de terapia corticosteróide de alta dose emergencial ou de terapia prolongada na maior dose recomendada de corticosteróides inalatórios também podem estar em risco. Estes pacientes podem exibir sinais e sintomas de insuficiência adrenal quando expostos a situações de estresse grave. Administração de corticosteróide sistêmico adicional deveria ser considerada durante situações de estresse ou cirurgia eletiva. SYMBICORT TURBUHALER deve ser administrado com cautela em pacientes com graves transtornos cardiovasculares (incluindo anomalias do ritmo cardíaco), diabetes mellitus, hipocalemia não-tratada ou tireotoxicose. A administração de doses elevadas de um beta-2-agonista pode diminuir o potássio sérico, por induzir a redistribuição de potássio do meio extracelular para o meio intracelular, via estimulação da Na+/K+-ATPase nas células musculares. A importância clínica deste efeito não está estabelecida. SYMBICORT TURBUHALER contém lactose (< 1 mg/inalação). Esta quantidade não é geralmente passível de causar problemas a indivíduos com intolerância à lactose. Uso durante a gravidez e a lactação: Não há dados disponíveis do uso de SYMBICORT TURBUHALER ou do tratamento concomitante com formoterol e budesonida na gravidez. Não foram realizados estudos em animais relativos à toxicidade reprodutiva desta associação. Não há dados disponíveis do uso de formoterol em mulheres grávidas. Em estudos de reprodução em animais, o formoterol causou efeitos adversos em níveis de exposição sistêmica muito elevados (ver Dados de segurança pré-clínica, Características). Dados de aproximadamente 2.500 mulheres grávidas indicaram não haver aumento do risco teratogênico associado ao uso de budesonida inalatória. SYMBICORT TURBUHALER só deve ser utilizado durante a gravidez após ponderação cuidadosa da situação, em especial durante os primeiros três meses da gestação e pouco tempo antes do parto. Deve ser usada a menor dose eficaz de budesonida de modo a permitir o controle adequado da asma. Não é conhecido se o formoterol ou a budesonida são excretados no leite humano. Em ratas, foram detectadas pequenas quantidades de formoterol no leite materno. Só deverá considerar-se a hipótese de utilizar SYMBICORT TURBUHALER em mulheres lactantes, se os benefícios esperados para a mãe superarem qualquer possível risco para a criança.

 

Interações medicamentosas — Interações farmacocinéticas: O metabolismo da budesonida é mediado principalmente pela CYP3A4, uma subfamília do citocromo P-450. Portanto, inibidores desta enzima, como o cetoconazol, podem aumentar a exposição sistêmica à budesonida. Esta possibilidade tem importância clínica limitada para o tratamento em curto prazo (1-2 semanas) com cetoconazol, mas deve ser levada em consideração durante tratamento em longo prazo. Interações farmacodinâmicas: Os bloqueadores beta-adrenérgicos (incluindo os colírios oftálmicos) podem atenuar ou inibir o efeito do formoterol. Não foi observado que a budesonida e o formoterol interajam com outros fármacos usados no tratamento da asma.

 

Reações adversas — Dado que SYMBICORT TURBUHALER contém budesonida e formoterol, pode ocorrer o mesmo padrão de efeitos não-desejáveis observados com estas substâncias, quando administradas isoladamente. Não se observou qualquer aumento da incidência de reações adversas após a administração concomitante dos dois compostos. As reações adversas mais freqüentes relacionadas com a droga consistem em efeitos colaterais farmacologicamente previsíveis da terapêutica beta-2-agonista, tais como tremor e palpitações. Estes tendem a ser leves e a desaparecer após alguns dias de tratamento. As reações adversas que foram associadas à budesonida ou ao formoterol são apresentadas na tabela a seguir:

 

Comum                                       Alterações cardíacas                                                     Palpitações

(1% a 10%)                                  Infecções                                                                         Candidíase na orofaringe

                                                      Alterações do                                                                 Cefaléia, tremor

                                                      sistema nervoso

                                                      Alterações respiratórias,                                              Leve irritação na garganta,

                                                      torácicas e do mediastino                                           tosse, rouquidão

 

Incomum                                    Alterações cardíacas                                                     Taquicardia

(0,1% a 1%)                                 Alterações gastrointestinais                                       Náusea

                                                      Alterações                                                                       Cãibras musculares

                                                      musculoesqueléticas e do

                                                      tecido conjuntivo

                                                      Alterações do sistema                                                 Tontura

                                                      nervoso

                                                      Alterações psiquiátricas                                              Agitação, ansiedade, nervosismo,

                                                                                                                                                perturbações do sono

 

Rara                                              Alterações cardíacas                                                     Arritmias cardíacas, por exemplo,

(0,01% a 0,1%)                                                                                                                      fibrilação atrial, taquicardia

                                                                                                                                                supraventricular e extra-sístoles

                                                      Alterações do sistema                                                 Reações de hipersensibilidade,

                                                      imune                                                                              imediatas e tardias, por exemplo,

                                                                                                                                                dermatite, exantema, urticária,

                                                                                                                                                prurido e angioedema

                                                      Alterações respiratórias,                                              Broncoespasmo

                                                      torácicas e do mediastino

                                                      Alterações na pele e tecido                                         Equimose

                                                      subcutâneo

 

Muito rara                                   Alterações cardíacas                                                     Angina pectoris

(< 0,01%)                                     Alterações endócrinas                                                 Sinais ou sintomas de efeitos

                                                                                                                                                glicocorticosteróides sistêmicos,

                                                                                                                                                por exemplo, hipofunção da

                                                                                                                                                glândula supra-renal

                                                      Alterações metabólicas e                                            Hiperglicemia

                                                      nutricionais

                                                      Alterações psiquiátricas                                              Depressão, alterações do

                                                                                                                                                comportamento

 

 

Posologia e modo de usar — A dose de SYMBICORT TURBUHALER deve ser individualizada conforme a gravidade da doença. Quando for obtido o controle dos sintomas, a dose deve ser titulada para a menor dose que permita manter um controle eficaz dos sintomas. Há duas alternativas para o tratamento da asma com SYMBICORT TURBUHALER: Terapia com um único inalador: Os pacientes utilizam SYMBICORT TURBUHALER para uma dose de manutenção diária e administram inalações adicionais, conforme a sua necessidade, para alívio rápido dos sintomas e melhora do controle da asma. Os pacientes devem ser aconselhados a ter SYMBICORT TURBUHALER sempre à disposição. Não é necessário ter um inalador separado para alívio dos sintomas. Terapia de manutenção regular: Os pacientes utilizam SYMBICORT TURBUHALER para uma dose de manutenção diária e administram separadamente um broncodilatador de rápida ação para alívio dos sintomas. Os pacientes devem ser aconselhados a ter este broncodilatador de rápida ação sempre à disposição. Terapia com um único inalador: Doses recomendadas: Adultos e adolescentes (a partir de 12 anos de idade): A dose de manutenção diária usual é de 2 inalações, uma vez ao dia, ou 1 inalação, duas vezes ao dia. Alguns pacientes podem precisar de uma dose de manutenção de 2 inalações, duas vezes ao dia. Os pacientes devem administrar inalações adicionais, conforme a sua necessidade, em resposta aos sintomas. Uma dose diária total de até 12 inalações pode ser usada temporariamente. Os pacientes devem ser aconselhados a ter SYMBICORT TURBUHALER sempre à disposição. Não é necessário ter um inalador separado para o alívio dos sintomas. Uma reavaliação da terapia da asma deve ser considerada em pacientes que necessitam de um número alto de inalações, conforme a sua necessidade: para adultos e adolescentes uma dose diária total de mais de 8 inalações, durante 2-3 semanas. Terapia de manutenção regular: Doses recomendadas: Asma: Adultos (a partir de 18 anos de idade): 1-2 inalações, uma ou duas vezes ao dia. Em alguns casos, pode ser necessário um máximo de 4 inalações, duas vezes ao dia, como dose de manutenção ou temporariamente durante uma piora da asma. Adolescentes (12-17 anos de idade): 1-2 inalações, uma ou duas vezes ao dia. Durante uma piora da asma, a dose pode ser temporariamente aumentada para um máximo de 4 inalações, duas vezes ao dia. Crianças (a partir de 4 anos de idade): 1 inalação, duas vezes ao dia. Dose máxima diária: 2 inalações. Na terapia de manutenção regular, é necessário ter um inalador separado para resgate. Os pacientes devem ser aconselhados a ter seu broncodilatador de rápida ação sempre à disposição. O aumento do uso de broncodilatadores de resgate é indicativo de agravamento da condição subjacente, justificando uma reavaliação da terapia. DPOC: Adultos (a partir de 18 anos de idade): 2 inalações, duas vezes ao dia. Dose máxima diária: 4 inalações. Informações gerais: Os pacientes devem ser instruídos a usar SYMBICORT TURBUHALER mesmo quando estiverem assintomáticos para obter o benefício máximo da terapia. Não é necessário efetuar qualquer ajuste da dose em pacientes idosos. Não existem dados disponíveis sobre o uso de SYMBICORT TURBUHALER em pacientes com insuficiência hepática ou renal. Uma vez que a budesonida e o formoterol são essencialmente eliminados por metabolismo hepático, é previsível que se verifique um aumento da exposição em pacientes com cirrose hepática grave.

 

Instruções para uso — TURBUHALER é um inalador através do qual SYMBICORT é administrado sem o uso de gases propelentes. A medicação, na forma pó, é liberada para os pulmões quando você inspira, agindo localmente. Portanto, é importante que você inspire forte e profundamente através do bocal. Quando SYMBICORT TURBUHALER for prescrito a crianças, é necessário verificar se estão seguindo as instruções de uso. Antes de usá-lo, ver com cuidado a Fig. 1 e identifique as diversas partes do aparelho. A quantidade do medicamento liberada em uma inalação é muito pequena. Assim, é muito provável que você não sinta gosto algum durante a inalação. Siga as instruções a seguir e você estará inalando a dose correta. Importante: O conteúdo do inalador é sensível à umidade. Nunca expire com o inalador na boca e sempre recoloque a tampa logo após o uso. Cheque regularmente o contador do número de doses abaixo do bocal (Fig. 1), para certificar-se de que o inalador não se encontra vazio (Fig. 4). Ao abrir o inalador pela primeira vez, o contador estará mostrando o número 60 (total de doses). À medida que a base é girada, o contador também irá girar. É importante verificar que o contador mostra uma contagem de 10 em 10 doses, indicando o número de doses restantes no inalador, contudo, você só irá ver números no visor do contador a cada 20 doses utilizadas, conforme o seguinte esquema: 60 ç 40 ç 20 ç 0. TURBUHALER é muito fácil de ser utilizado. Basta seguir as instruções a seguir. Como usar a primeira dose: Na primeira vez que o inalador for utilizado, é necessário prepará-lo para o uso como descrito a seguir: 1. Retire o lacre de plástico, desatarraxe e retire a tampa: segure o inalador na vertical (no espaço entre o bocal e a base) com a base giratória para baixo (Fig. 1) e observe o contador de doses, que indicará o número total de doses 60.

 

FIGURA

 

2. Gire a base 1 vez para cada lado (Fig. 2), até ouvir um 'clique'. Repita este procedimento mais 2 vezes. Agora a primeira dose está preparada para ser usada.

 

FIGURA

 

3. Solte todo o ar dos pulmões antes de colocar o aparelho na boca. Atenção: Nunca retire o ar dos pulmões com o inalador na boca. 4. Coloque o bocal entre os dentes, feche os lábios e inspire pela boca o mais forte e profundamente possível (Fig. 3). Não mastigue ou morda o bocal.

 

FIGURA

 

5. Remova o inalador da boca antes de soltar o ar dos pulmões e segure a respiração por 10 segundos ou o quanto for possível. 6. Recoloque a tampa. 7. Enxágüe a boca com água, sem engolir. Como usar da segunda dose até a última dose: 1. Desatarraxe e retire a tampa do inalador: segure o inalador na vertical (no espaço entre o bocal e a base) com a base giratória para baixo (ver Fig. 1). 2. Gire a base 1 vez para cada lado (ver Fig. 2), até ouvir um 'clique' (este é o sinal de que o aparelho está carregado com uma dose). Obs.: Ao carregar a dose, não segure no bocal. 3. Solte todo o ar dos pulmões antes de colocar o aparelho na boca. Atenção: Nunca retire o ar dos pulmões com o inalador na boca. 4. Coloque o bocal entre os dentes, feche os lábios e inspire pela boca o mais forte e profundamente possível (ver Fig. 3). Não mastigue ou morda o bocal. 5. Remova o inalador da boca antes de soltar o ar dos pulmões. 6. Caso tenha sido prescrita mais de uma inalação, repita os passos 2 a 5 descritos anteriormente. 7. Recoloque a tampa. 8. Enxágüe a boca com água, sem engolir. Obs.: Se por engano, antes de uma inalação, você realizar mais de uma vez o procedimento 2 (descrito anteriormente) para carregar uma dose, pode ficar seguro de que você inalará apenas uma dose. Entretanto, sempre que a base for girada o contador de doses registrará uma dose.

 

Limpeza — A parte externa do bocal deve ser limpa regularmente (1 vez por semana) com um pano seco. O inalador nunca deve ser lavado, pois o seu conteúdo é sensível à umidade. Obs.: Nunca tente remover ou girar o bocal, pois ele é fixo no inalador.

 

Contador de doses — O contador informa quantas doses há ainda no inalador. Ao abrir o inalador pela primeira vez, o contador estará mostrando o número 60 (total de doses). À medida que a base é girada o contador também irá girar. A contagem varia de 10 em 10 doses, contudo, você só verá números no visor a cada 20 doses utilizadas, conforme o seguinte esquema: 60  | 40  | 20  | 0. Quando um fundo vermelho, com o número zero (0) inscrito sobre ele, preencher toda a janela do contador, o inalador não liberará mais a dose correta de medicamento, devendo ser descartado (Fig. 4).

 

FIGURA

 

Obs.: O som ouvido ao agitar o TURBUHALER não é produzido pelo medicamento, mas pelo agente dessecante (usado para proteger o inalador da umidade) presente no seu interior. Este som não significa que ainda há medicamento no interior do inalador.

 

Superdosagem — A superdosagem de formoterol irá provavelmente provocar efeitos típicos dos agonistas beta-2-adrenérgicos: tremor, cefaléias, palpitações e taquicardia. Poderá igualmente ocorrer hipotensão, acidose metabólica, hipocalemia e hiperglicemia. Pode ser indicado um tratamento de suporte e sintomático. A administração de uma dose de 90 microgramas durante três horas, em pacientes com obstrução brônquica aguda, não suscitou quaisquer problemas de segurança. Não é esperado que uma superdosagem aguda de budesonida, mesmo em doses excessivas, constitua um problema clínico. Quando utilizado cronicamente em doses excessivas, podem ocorrer efeitos glicocorticosteróides sistêmicos.

 

Pacientes idosos — Ver Posologia.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas tenham indicado sua eficácia e sua segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Fabricado por: AstraZeneca AB — Suécia.

 

Todas as marcas nesta embalagem são propriedade do grupo de empresas AstraZeneca.

 

SAC: 0800-145578.

 

Registro no M.S. 1.1618.0106.

 

Importado por:

ASTRAZENECA do Brasil Ltda.

 

 

 AMOXICILINA CÁPSULAS (Medley). Antibiótico. Emb. com 15, 21 e 30 cáp. de 500 mg.

 

 

 AMOXICILINA SUSPENSÃO (Medley). Antibiótico. Fr. com 150 ml de susp. com 125, 250 e 500 mg/5 ml.

 

 

 ARES (União Química). Brometo de ipratrópio. Broncodilatador. Fr. com 20 ml (sol. para inalação).

 

 

 FLUCISTEIN XAROPE (União Química). Acetilcisteína. Mucolítico. Fr. com 100 ml de xarope com 20 mg/ml.

 

 

 

 

FOR GAS (União Química).

 

Dimeticona

 

Composição

Cada comprimido contém: Dimeticona 40 mg. Excipientes: Celulose microcristalina, polividona, sacarose, dióxido de silício coloidal, croscarmelose sódica, amido, carbonato de cálcio, lactose, estearato de magnésio, manitol, etilcelulose. Cada ml da emulsão oral (gotas) contém: Dimeticona 75 mg. Veículo: Carmelose, metilparabeno, propilparabeno, celulose microcristalina, ciclamato de sódio, corante vermelho FD & C, aroma de cereja, ácido cítrico, óleo de rícino, propilenoglicol, água purificada.

 

Indicações

Indicado nos casos de excesso de gases no aparelho gastrointestinal, constituindo incômodo, motivo de dores ou cólicas intestinais, tais como: meteorismo, eructação, borborismo, flatulência, aerofagia, pós-operatório e convalescença, distúrbios fermentativos intestinais. Indicado ainda no preparo intestinal dos pacientes para radiografia do abdome.

 

Contra-indicações

É contra-indicado em pacientes hipersensíveis aos componentes da fórmula.

 

Reações adversas

Não existem relatos da ocorrência de efeitos adversos pela utilização de dimeticona por via oral.

 

Posologia

Emulsão oral. Lactentes: 4 a 6 gotas, três vezes ao dia. Crianças até 12 anos: 6 a 12 gotas, três vezes ao dia. Adultos e crianças maiores de 12 anos: 16 gotas, três vezes ao dia. Agitar o frasco antes do uso. As gotas podem ser administradas diretamente na boca, diluídas em um pouco de água ou misturadas a alimentos. Comprimido. Adultos e crianças maiores de 12 anos: 1 comprimido, três vezes ao dia, após as refeições.

 

Apresentação

Comprimido: Caixa com 20 comprimidos. Emulsão oral (gotas): Frasco gotejador contendo 10 ml.

 

 

 PRO HAIR (União Química). Finasterida. Calvície masculina. Cx. com 30 comp. de 1 mg.

 

 

 TANDRIFLAN (União Química). Paracetamol, carisoprodol, diclofenaco sódico, cafeína. Inflamações. Cx. com 30 comp.

 

 

 

 

VASOJET(União Química).

 

Lisinopril

 

Apresentações

Comprimido 5 mg: Caixa com 30 comprimidos. Comprimido 10 mg: Caixa com 30 comprimidos.

 

Composição

Comprimido: Cada comprimido de 5 mg contém: Lisinopril 5 mg (na forma diidratada). Excipientes: Amido, lactose, estearato de magnésio, celulose microcristalina, dióxido de silício coloidal. Cada comprimido de 10 mg contém: Lisinopril 10 mg (na forma diidratada). Excipientes: Amido, lactose, estearato de magnésio, celulose microcristalina, dióxido de silício coloidal, óxido de ferro.

 

Indicações

No tratamento da hipertensão, hipertensão renovascular em monoterapia ou associado a outras classes de agentes anti-hipertensivos. É indicado no controle de insuficiência cardíaca congestiva como tratamento adjuvante com diuréticos e terapia de digitálicos. Recomenda-se utilizar concomitante a trombolíticos, ácido acetilsalicílico e betabloqueadores em casos de pacientes hemodinamicamente estáveis que sofreram infarto agudo do miocárdio nas últimas 24 horas.

 

Contra-indicações

O lisinopril é contra-indicado para pacientes hipersensíveis aos componentes da fórmula e pacientes com histórico de angioedema relatado quando em tratamento com inibidor da enzima conversora de angiotensina. Não iniciar o tratamento para infarto agudo do miocárdio em pacientes após o tratamento com um vasodilatador sob risco de grave deterioração hemodinâmica.

 

Reações adversas

Geralmente as reações adversas são discretas e transitórias. As reações mais comuns são tontura, cefaléia, diarréia, fadiga, tosse e náuseas. Menos freqüentemente ocorreram efeitos ortostáticos, incluindo hipotensão, erupções cutâneas, astenia, hipersensibilidade, edema angioneurótico. Casos de hipotensão severa podem evoluir para infarto do miocárdio, acidente cerebrovascular. As reações digestivas são caracterizadas por dor abdominal, boca seca, pancreatite, hepatite, icterícia. No sistema nervoso, se caracterizam por alterações do humor, confusão mental, parestesia. No nível dermatológico, podem ocorrer urticária, diaforese, alopecia, prurido, e, no sistema urogenital, as alterações são uremia, oligúria/anúria, disfunção renal, insuficiência renal aguda e impotência. Outras reações incluem febre, vasculite, artralgia, artrite, mialgia, broncoespasmo.

 

Posologia

Recomenda-se dose única diária. Hipertensão essencial: A dose inicial recomendada é de 10 mg, uma vez ao dia. A dose usual de manutenção é de 20 mg, administrados uma vez ao dia. A dose deve ser ajustada de acordo com a resposta da pressão arterial. A dose máxima recomendada é de 40 mg/dia. A dose máxima usada por longo prazo em estudos clínicos controlados foi de 80 mg por dia. Doses iniciais menores são necessárias na presença de comprometimento da função renal, em pacientes nos quais a terapêutica diurética não possa ser descontinuada, em pacientes depletados de volume e/ou sal e em pacientes com hipertensão renovascular. Pacientes tratados com diuréticos: Pode ocorrer hipotensão sintomática após o início da terapia com lisinopril, principalmente em pacientes tratados com diuréticos, pois estes pacientes podem estar depletados de volume e/ou sal. Descontinuar a terapêutica diurética dois a três dias antes de iniciar a administração de lisinopril, reiniciando caso seja preciso. Se a terapêutica diurética não puder ser descontinuada, iniciar a terapia com a dose de 5 mg e ajustar de acordo com a resposta da pressão arterial. Dose em pacientes com insuficiência renal: A dose em pacientes com insuficiência renal deve ser baseada na depuração de creatinina. Depuração de creatinina < 10 ml/min (incluindo pacientes em diálise), dose inicial de 2,5 mg/dia (a dose e/ou a freqüência de administração devem ser ajustadas de acordo com a resposta da pressão arterial). Depuração de creatinina de 10-30 ml/min, dose inicial de 2,5 mg-5 mg/dia. Depuração de creatinina de 31-70 ml/min, dose inicial de 5 mg-10 mg/dia. Ajustar dose gradativamente até que seja obtido controle da pressão arterial, com o máximo de 40 mg/dia. Hipertensão renovascular: Alguns pacientes com hipertensão renovascular, especialmente aqueles com estenose bilateral da artéria renal ou estenose da artéria renal em rim único, podem apresentar resposta exacerbada no início da terapia. Recomenda-se uma dose inicial de 2,5 mg a 5 mg. A partir daí, a dose pode ser ajustada de acordo com a resposta da pressão arterial. Insuficiência cardíaca congestiva: Como tratamento adjuvante com diuréticos e, onde apropriado, com digitálicos, iniciar com dose de 2,5 mg, uma vez ao dia. A dose usual de manutenção varia de 5 a 20 mg ao dia, administrados em dose única diária. Pacientes com alto risco de apresentar hipotensão sintomática como, por exemplo, pacientes com depleção de sal, com ou sem hiponatremia, pacientes com hipovolemia, ou que tenham recebido rigorosa terapêutica diurética devem ser tratados previamente quando possível. E o efeito da dose inicial de lisinopril sobre a pressão arterial deverá ser monitorado cuidadosamente. Infarto agudo do miocárdio: Iniciar o tratamento dentro de 24 horas após o início dos sintomas. A primeira dose de lisinopril é de 5 mg administrados oralmente, seguida de 5 mg após 24 horas, 10 mg após 48 horas e então 10 mg, uma vez ao dia. Pacientes com baixa pressão sistólica (120 mmHg ou menos) devem receber uma dose menor: 2,5 mg oralmente, quando o tratamento for iniciado ou durante os 3 primeiros dias após o infarto. Se ocorrer hipotensão (pressão sistólica menor ou igual a 100 mmHg), uma dose diária de manutenção de 5 mg pode ser administrada com reduções temporárias a 2,5 mg, se necessário. Se ocorrer hipotensão prolongada (pressão sistólica menor ou igual a 90 mmHg por mais de uma hora) descontinuar o uso; caso contrário, continuar por 6 semanas. Sintomas de insuficiência cardíaca não são indicativos para descontinuar a terapêutica.

 

 

 UNI CEFALEXIN (União Química). Cefalexina. Antibiótico. Cx. com 10 cáp. de 500 mg; fr. com 100 ml de susp. com 250 mg/5 ml.

 

 

 ZITROMAX IV (Pfizer). Azitromicina. Antibiótico. Fr. com 500 mg.

 

 

 BIOMETROX COMPRIMIDOS (Biosintética). Metotrexato. Antineoplásico. Emb. com 20 comp. de 2,5 mg.

 

 

 CICLOVULON (Sanval). Noretindrona, etinilestradiol. Anticoncepcional. Cx. com 1 ou 10 ciclos com 21 comp.

 

 

 CARBAMAZEPINA (Biosintética). Antiepiléptico. Emb. com 30 comp. de 200 mg.

 

 

 

 

Dysport®

 

Toxina botulínica tipo A — 500 U

 

Reservado a uso hospitalar ou clínica médica sob prescrição médica

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

 

Advertências — DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) somente deverá ser aplicado por especialistas experientes, os quais devem ter recebido orientação e treinamento na aplicação do produto. Todos os frascos, incluindo aqueles com prazo de validade vencido e os materiais utilizados com a droga, devem ser cuidadosamente descartados como todos os detritos de origem médica. Pacientes sedentários devem ser advertidos no sentido de retornarem as suas atividades lenta e cuidadosamente após administração de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A).

 

Forma farmacêutica e apresentação — Pó liófilo injetável: Embalagem contendo 1 frasco-ampola com 500 U.

 

Fórmula de composição — Cada frasco-ampola de 500 U contém: Toxina botulínica tipo A 500 U (complexo toxina-hemaglutinina tipo A de Clostridium botulinum). Excipientes: Solução de albumina humana 125 mcg; Lactose 2,5 mg.

 

Cuidados de armazenamento — O produto deverá ser conservado sob refrigeração (entre 2°C e 8°C) e ao abrigo da luz. Após reconstituição com solução salina, deverá ser utilizado dentro de 8 horas. DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) deve ser armazenado em refrigerador (entre 2°C e 8°C) no hospital ou clínica médica onde as aplicações serão realizadas, não devendo ser entregues ao paciente para estocagem. DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) não deve ser congelado. Prazo de validade: Desde que sejam observados os cuidados de armazenamento, DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) apresenta prazo de validade de 12 meses. Não utilize o produto após o vencimento do prazo de validade.

 

Instruções para o uso/manipulação — Imediatamente após o tratamento do paciente, qualquer resíduo de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) que pode estar presente no frasco ou seringa deve ser inativado com solução de hipoclorito diluído (1% de cloro disponível). Então, todos os itens devem ser descartados de acordo com práticas hospitalares padronizadas. O derramamento de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) deve ser limpo com um tecido absorvente embebido em solução de hipoclorito diluído.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Informações técnicas

 

Modo de ação — DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) é classificado como agente paralisante da função neuromuscular. O complexo toxina-hemaglutinina tipo A de Clostridium botulinum bloqueia a transmissão periférica colinérgica na junção neuromuscular através da ação pré-sináptica no local proximal à liberação de acetilcolina. A toxina age dentro dos terminais nervosos antagonizando aqueles eventos que são iniciados através de Ca2+, que culminam na liberação do transmissor. Ela não deve afetar a transmissão colinérgica pós-ganglional ou a transmissão simpática pós-ganglional. A ação da toxina envolve um passo inicial de adsorção onde a toxina adere rápida e avidamente à membrana do nervo pré-sináptico. A seguir existe um passo de internalização em que a toxina atravessa a membrana pré-sináptica, sem causar um início de paralisia. Finalmente, a toxina inibe a liberação de acetilcolina, comprometendo o mecanismo de liberação da acetilcolina intermediada pelo Ca2+, diminuindo assim o potencial final da placa, provocando a paralisia. A recuperação da transmissão de impulso ocorre gradualmente quando novos terminais nervosos se desenvolvem e é feito contato com o final da placa, um processo que requer de 6-8 semanas em experiência animal.

 

Farmacocinética — Estudos farmacocinéticos com toxina botulínica em modelos animais apresentam dificuldades de realização devido à alta potência, às pequenas doses envolvidas, ao elevado peso molecular do composto e à dificuldade de marcar a toxina para produzir uma atividade específica suficientemente elevada. Estudos usando toxina marcada com I125 mostraram que a ligação do receptor é específica e saturável, e a alta densidade dos receptores da toxina é um fator que contribui para sua potência elevada. Estudos em macacos demonstraram que, em doses baixas, houve início de efeito entre 2-3 dias, com efeito máximo em 5-6 dias após a injeção. A duração da ação, medida através de mudanças do alinhamento ocular e paralisia muscular, variou entre 2 semanas e 8 meses. Este modelo é observado também no homem, sendo atribuído ao processo de ligação, internalização e mudanças na junção neuromuscular.

 

Indicações — O produto está indicado para o tratamento de blefarospasmo, espasmo hemifacial, torcicolo espasmódico, espasticidade, linhas faciais hiperfuncionais e hiperidrose em adultos. DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) é também indicado para o tratamento da espasticidade na deformidade do pé eqüino dinâmico em pacientes pediátricos portadores de paralisia cerebral com capacidade de deambulação. Pode ser aplicado em pacientes a partir de dois anos de idade, apenas em centros hospitalares especializados, com equipe apropriadamente treinada.

 

Contra-indicações — O produto está contra-indicado em pacientes que apresentem hipersensibilidade à toxina botulínica ou a qualquer outro componente da formulação. Está contra-indicado na gravidez.

 

Cuidados e precauções especiais — O tratamento com DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) somente deverá ser aplicado por especialistas experientes, os quais devem ter recebido orientações e treinamento na aplicação de DYSPORT®(toxina botulínica tipo A). Avaliação cautelosa deve ser feita antes de nova aplicação em pacientes que apresentaram reação alérgica prévia. Os riscos de nova reação alérgica devem ser avaliados frente aos benefícios do tratamento. O produto somente poderá ser utilizado, sob cuidadosa monitoração, em paciente com evidências clínicas ou subclínicas de deficiência na transmissão neuromuscular. Tais pacientes podem apresentar sensibilidade aumentada ao DYSPORT® (toxina botulínica tipo A), podendo resultar em excessiva fraqueza muscular. Não há referência sobre resistência imunológica em pacientes com blefarospasmo ou espasmo hemifacial que foram tratados localmente e de acordo com as doses recomendadas para estas alterações. Entretanto, pequeno número de pacientes que receberam terapia com DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) para tratamento de torcicolo espasmódico e um paciente portador de paralisia cerebral pediátrica apresentaram formação de anticorpos. Nestes casos, verificou-se, clinicamente, redução de resposta terapêutica e necessidade de aumento de dose. Este produto contém uma pequena quantidade de albumina humana. Portanto, não deve ser excluído o risco de transmissão de infecção viral proveniente do uso de derivados ou sangue humano, ainda não detectável preventivamente pela tecnologia atual. Nos casos de hiperidrose, antes de se iniciar o tratamento, deve-se excluir as causas secundárias: menopausa, obesidade, uso de drogas (como antidepressivos), distúrbios endócrinos (hipoglicemia, hipertireoidismo, feocromocitoma), distúrbios neurológicos que envolvem desregulação autonômica e psiquiátrica, como a fobia social. Devido à falta de uma unidade internacional, DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) não é terapeuticamente equivalente à outra preparação de toxina botulínica tipo A disponível no mercado brasileiro. As potências de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) e da outra preparação de toxina botulínica tipo A são baseadas em diferentes métodos de ensaio. Se for necessário substituir a outra preparação de toxina botulínica tipo A por DYSPORT® (toxina botulínica tipo A), é recomendado utilizar uma razão de aproximadamente três unidades de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) para uma unidade da outra preparação de toxina botulínica tipo A, a fim de se evitar reações adversas e para se atingir efeitos similares. Gravidez e lactação: O produto está classificado como categoria C. Estudos teratológicos e outros estudos reprodutivos não foram realizados com DYSPORT® (toxina botulínica tipo A). Como ainda não existem dados sobre a segurança do seu uso em mulheres grávidas ou em fase de lactação, DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) somente deverá ser administrado em mulheres grávidas se for indispensavelmente necessário. Não existem dados disponíveis se DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) é excretado pelo leite humano, porém, como muitas drogas são excretadas pelo leite humano, devem ser tomadas as devidas precauções quando o produto for administrado a mulheres que estejam amamentando. Uso pediátrico: A segurança e eficácia do tratamento com DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) de torcicolo espasmódico, blefarospasmo, espasmo hemifacial, linhas faciais hiperfuncionais e hiperidrose em crianças não foram estabelecidas. DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) é indicado em pacientes pediátricos, a partir de dois anos de idade, somente para o tratamento da espasticidade na deformidade do pé eqüino dinâmico, e em portadores de paralisia cerebral com capacidade de deambulação. Pode ser aplicado apenas em centros hospitalares especializados, com equipe apropriadamente treinada. Efeitos sobre a habilidade de dirigir e usar máquinas: Desconhecidos. Nota: A eficácia e a segurança de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) dependem do armazenamento adequado do produto, seleção correta da dose e técnicas apropriadas de reconstituição e administração. Os médicos que fizerem uso do DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) em seus pacientes devem conhecer profundamente a anatomia e a fisiologia neuromuscular, bem como estar a par de quaisquer alterações anatômicas que possivelmente podem ocorrer após procedimentos cirúrgicos anteriores. Devem conhecer também técnicas-padrões de eletromiografia. Como qualquer outro produto de origem biológica, a aplicação de DYSPORT®(toxina botulínica tipo A) pode provocar reações anafiláticas, por isso, devem estar disponíveis as medicações para combatê-las.

 

Interações medicamentosas — O efeito da toxina botulínica pode ser potencializado por antibióticos aminoglicosídeos ou quaisquer outras drogas que interfiram com a transmissão neuromuscular. Os pacientes que fazem uso dessas drogas devem ser cuidadosamente observados quando utilizarem DYSPORT® (toxina botulínica tipo A).

 

Reações adversas — Reações adversas com o tratamento com DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) estão relacionadas, em geral, com a fraqueza temporária da musculatura adjacente, que pode ser minimizada com o uso de doses mínimas nos grupamentos mais envolvidos com a patologia. Reações adversas no tratamento de blefarospasmo e espasmo hemifacial: Injeções profundas ou posicionadas incorretamente de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) podem paralisar temporariamente grupos musculares próximos. Exacerbação de anormalidades preexistentes das pálpebras ou correção excessiva inicial (altas doses) pode produzir ptose, reação adversa mais comum. Alguns pacientes podem apresentar também diplopia ou sintomas de comprometimento de músculos do terço médio da face. A expectativa é de que estas reações adversas poderão ser resolvidas dentro de duas a quatro semanas. Queratite e secura dos olhos, devido à redução do piscar, foram também relatadas, recomendando-se uso de lágrimas artificiais. Equimoses e edema palpebral podem ocorrer após a aplicação, porém, são de curta duração. Oftalmoplegia externa reversível foi relatada após dosagem excessiva. As aplicações podem estar associadas à sensação de queimação durante 1-2 minutos, após a infiltração. Reações alérgicas como rash cutâneo e sintomas parecidos com gripe foram notados ocasionalmente. Reações adversas durante o tratamento de torcicolo espasmódico: Injeções profundas ou posicionadas incorretamente de DYSPORT®(toxina botulínica tipo A) podem paralisar temporariamente grupos musculares próximos. As aplicações podem estar associadas à sensação de queimação durante 1-2 minutos, após a infiltração. O evento adverso relatado com maior freqüência em pacientes tratados de torcicolo foi disfagia. Em ensaio duplo-cego controlado por placebo, a incidência de disfagia foi de 29% no tratamento com 500 unidades de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) e de 10% no grupo placebo. Isto parece ser dose-dependente, ocorrendo mais freqüentemente após injeções aplicadas no músculo esternocleidomastóideo. Dieta leve pode ser necessária até o desaparecimento dos sintomas. Nos pacientes severamente afetados, a laringoscopia identificou acúmulo de saliva. Aspiração pode ocorrer raramente e pode ser uma preocupação potencial em pacientes com problemas respiratórios preexistentes. Eventos relatados com menor freqüência incluem fraqueza dos músculos do pescoço, secura da boca e mudança na voz. Fraqueza mais generalizada e distúrbios visuais (inclusive diplopia e visão embaçada) foram relatados ocasionalmente. Dificuldades respiratórias foram observadas em raras ocasiões associadas a altas doses. Espera-se que estes efeitos colaterais possam ser resolvidos de duas a quatro semanas. Reações alérgicas como rash cutâneo e sintomas parecidos com gripe foram notados ocasionalmente. Reações adversas na espasticidade: Espasticidade da paralisia cerebral pediátrica: A incidência de eventos adversos foi avaliada por três estudos prospectivos envolvendo 142 pacientes tratados com DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) e 75 pacientes tratados com placebo. Os eventos adversos com uma incidência ³ de 5% após o tratamento com DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) foram: dor na perna (8%), faringite (8%), lesão acidental (7%), bronquite (6%) e febre (6%). Aqueles com incidência de 1% a 5% foram: infecção viral (5%), infecção (4%), rinite (4%), convulsão (4%), infecção de vias respiratórias superiores (4%), astenia (3%), asma (3%), tosse (3%), vômitos (3%), resfriado (2%), diarréia (2%), incontinência urinária (2%), distúrbio da marcha (1%), gastroenterite (1%), laringite (1%) e sonolência (1%). A incidência de muitos desses eventos adversos (faringite, bronquite, febre, infecção viral, rinite, infecção de vias respiratórias superiores, tosse, vômitos, resfriado) foi similar em pacientes tratados com placebo e, provavelmente, indica um espectro de doenças típicas na população pediátrica. Também a incidência de convulsões foi idêntica nos pacientes tratados com placebo, e reflete um dos mais freqüentes problemas concomitantes associados com paralisia cerebral. A incidência de lesão acidental (quedas) demonstrou a maior diferença com pacientes tratados com placebo (1%), e é provável que esses eventos adversos sejam devido ao enfraquecimento excessivo do músculo alvo e/ou a difusão local de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) para outros músculos envolvidos na deambulação e equilíbrio. Os relatos de distúrbios da marcha também podem resultar de tal efeito. Outra reação adversa local foi dor na perna; predominantemente dor na panturrilha. Embora essa dor pareça ser distinta de qualquer dor experimentada pela injeção em si, ela também foi relatada em 5% dos tratamentos com placebo. Astenia e incontinência urinária foram associadas com doses maiores de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) (20-30 U/kg), que pode ser o resultado de difusão sistêmica da toxina. Espasticidade em adultos: Fraqueza muscular é o evento adverso mais comumente relatado em estudos clínicos e na literatura para esta população de pacientes. No estudo pivô usando DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) para espasticidade em membros inferiores após acidente vascular cerebral, os eventos adversos mais freqüentes foram dor (10%), astenia (8,3%), miastenia, boca seca, vômitos, lesão acidental, síndrome gripal e ambliopia (cada um com incidência de 3,3%). A maioria dos eventos se resolveu em 2 semanas. Nos dois estudos pivôs usando DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) para espasticidade em membros superiores após acidente vascular cerebral, os eventos adversos mais freqüentes foram infecção (8,2%), síndrome gripal (6,1%), boca seca, miastenia, dor, constipação, diarréia, faringite e sonolência (cada um com incidência de 4,1%). A maioria dos eventos desapareceu em 2 semanas. Disfagia foi relatada com doses excessivas de 2.700 U, dadas em uma dose ou quando em doses divididas separadas por 12 semanas. Nenhum caso foi relatado nos estudos pivôs. Reações adversas no tratamento de linhas faciais hiperfuncionais e hiperidrose: Podem ocorrer raramente ptose palpebral, cefaléia, dor transitória moderada durante algumas horas após a aplicação. No tratamento de rugas frontais podem ocorrer ptose das sobrancelhas, perda de expressividade causada pela injeção do músculo frontal lateral à linha mediopupilar e assimetrias. Deve-se evitar aplicação na região periorbital em pacientes com bolsas palpebrais, pois há possibilidade de acentuação das mesmas. Na hiperidrose, fraqueza de músculos adjacentes e dor nos sítios de injeção são mais comuns no tratamento da região palmar.

 

Posologia e método de administração — Blefarospasmo e espasmo hemifacial: Posologia: Adultos e idosos: No tratamento de blefarospasmo bilateral, a dose inicial recomendada é de 120 unidades (abreviação = U) por olho. Injeções de 0,1 ml (20 U) devem ser aplicadas medialmente e injeções de 0,2 ml (40 U) devem ser aplicadas lateralmente na junção entre as regiões pré-septal e orbital de ambos os músculos orbiculares inferior e superior de cada olho. Para injeções na pálpebra superior, a agulha deve ser direcionada para fora de seu centro, para evitar o músculo elevador da pálpebra.

 

FIGURA

 

Espera-se o início do alívio dos sintomas entre 2 a 4 dias, com efeito máximo dentro de duas semanas. As injeções devem ser repetidas aproximadamente a cada 8 semanas ou quando necessário para evitar o reaparecimento dos sintomas. Nas administrações subseqüentes, pode-se reduzir a dose para 80 U por olho: 0,1 ml (20 U) medialmente e 0,1 ml (20 U) lateralmente acima e abaixo de cada olho, da maneira descrita anteriormente. A dose total pode ser posteriormente reduzida para 60 unidades por olho, mediante supressão da injeção medial inferior. Nos casos de blefarospasmo unilateral, as aplicações deverão ser limitadas para o olho afetado. Pacientes com espasmo hemifacial devem ser tratados tal como no blefarospasmo unilateral. As doses recomendadas para adultos de todas as idades, incluindo idosos, estão dentro dos padrões pré-estabelecidos. Método de administração: A porção central da tampa (vedação de borracha) exposta ao ambiente deve ser limpa com álcool imediatamente antes de se perfurar a tampa de borracha. Devem ser usadas agulhas estéreis de calibre 23 ou 25. Para o tratamento de blefarospasmo e espasmo hemifacial, o produto deverá ser reconstituído com 2,5 ml de solução de cloreto de sódio para injetáveis (0,9%), obtendo-se solução contendo 200 U/ml de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A). DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) deverá ser administrado através de injeção subcutânea aplicada medialmente e lateralmente na junção entre as regiões pré-septal e orbital de ambos os músculos orbiculares superior e inferior de cada olho. Torcicolo espasmódico: Posologia: As doses recomendadas para torcicolo incluem adultos de todas as idades com peso normal e sem evidência de baixa massa muscular cervical. A redução da dose é necessária quando o paciente estiver abaixo do peso ou no idoso com redução da massa muscular. A dose inicial recomendada para o tratamento de torcicolo espasmódico é de 500 U por paciente, administrada em doses múltiplas e aplicadas em dois ou três músculos distônicos do pescoço. Para torcicolo rotacional distribuir as 500 U, sendo 350 U no músculo esplênio do pescoço, homolateral à direção da rotação queixo/cabeça, e 150 U no músculo esternocleidomastóideo, contralateral à rotação. Para laterocolo, distribuir as 500 U, administrando 350 U no esplênio do pescoço homolateral e 150 U no músculo esternocleidomastóideo homolateral. Nos casos associados com elevação do ombro, o músculo trapézio homolateral ou músculo elevador da escápula podem também requerer tratamento, de acordo com a hipertrofia visível do músculo ou com a eletromiografia (EMG). Quando for necessária a injeção em três músculos, distribuir as 500 U, conforme segue: 300 U no esplênio do pescoço, 100 U no esternocleidomastóideo e 100 U no terceiro músculo. Para retrocolo, distribuir as 500 U em cada músculo esplênio do pescoço (250 U por músculo). Se houver resposta ineficiente, pode ser necessária complementação bilateral no trapézio (até 250 U por músculo) após 6 semanas. Injeções bilaterais no esplênio do pescoço podem aumentar o risco de fraqueza nos músculos do pescoço. Todas as outras formas de torcicolo são altamente dependentes de conhecimentos especializados e uso da EMG para o tratamento dos músculos distônicos. A EMG deverá ser usada como diagnóstico de todas as formas complexas de torcicolos, para reavaliação de casos não-complexos sem sucesso, para orientar aplicações em músculos profundos, em pacientes com baixo peso ou com músculos do pescoço pouco palpáveis. Em administrações subseqüentes, as doses podem ser ajustadas de acordo com a resposta clínica e as reações adversas observadas. É recomendado utilizar doses dentro da faixa de 250 U-1.000 U. Altas doses podem ser acompanhadas por aumento de reações adversas, particularmente disfagia. Doses acima de 1.000 U não são recomendadas. O alívio dos sintomas de torcicolo geralmente ocorre dentro de uma semana após a aplicação do produto. As aplicações devem ser repetidas a cada 8 a 12 semanas aproximadamente ou quando necessário para evitar reincidência dos sintomas. Método de administração: A porção central da tampa (vedação de borracha) exposta ao ambiente deve ser limpa com álcool imediatamente antes de se perfurar a tampa de borracha. Devem ser usadas agulhas estéreis de calibre 23 ou 25. Para o tratamento de torcicolo espasmódico, o produto é reconstituído com 1 ml de solução de cloreto de sódio para injetáveis (0,9%) e solução final contendo 500 U/ml de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A). O produto deverá ser administrado através de injeção intramuscular, tal como descrito no tratamento de torcicolo espasmódico. Espasticidade na paralisia cerebral pediátrica: Posologia: No tratamento da espasticidade na deformidade do pé eqüino dinâmico em pacientes pediátricos, com dois anos de idade ou mais velhos, portadores de paralisia cerebral com capacidade de deambulação: A dose inicial recomendada é de 20 U/kg de peso corporal, divididas em ambos os músculos da panturrilha. Se apenas uma panturrilha estiver comprometida, a dose recomendada é de 10 U/kg de peso corporal. Deve-se considerar a redução desta dose inicial se houver evidências que sugiram que esta dose pode levar à fraqueza excessiva dos músculos alvos, como em pacientes cujos músculos alvos são pequenos ou que necessitem de injeções concomitantes em outros grupos musculares. Após avaliação da resposta à dose inicial, a dose subseqüente pode ser titulada dentro da faixa de 10 U/kg a 30 U/kg, divididas em ambas as pernas. A máxima dose administrada não deve exceder 1.000 U por paciente. A administração deve ser primariamente dirigida ao músculo gastrocnêmio, embora injeções aos músculos sóleo e tibial posterior devem também ser consideradas. O uso de eletromiografia (EMG) não é rotina na prática clínica, mas pode ajudar na identificação dos músculos mais ativos. A melhora clínica pode ser esperada dentro de duas semanas após as injeções. As aplicações podem ser repetidas a cada 16 semanas ou quando necessário para se manter a resposta, porém não antes de 8 semanas. Método de administração: A porção central da tampa (vedação de borracha) exposta ao ambiente deve ser limpa com álcool imediatamente antes de se perfurar a tampa de borracha. Devem ser usadas agulhas estéreis de calibre 23 ou 25. Para o tratamento da espasticidade da paralisia cerebral pediátrica, o produto é reconstituído com 1 ml de solução de cloreto de sódio para injetáveis (0,9%) para obter uma solução contendo 500 U/ml de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A). O produto é administrado através de injeção intramuscular nos músculos da panturrilha no tratamento da espasticidade. Espasticidade em adultos: Posologia: É necessário um enfoque individualizado para a determinação da dosagem a ser utilizada em função do peso, idade e sexo do paciente, da distribuição da espasticidade, massa muscular, número de músculos injetados, grau de hipertonia, resultado de aplicações anteriores, duração esperada do tratamento e risco de fraqueza excessiva. A dose máxima recomendada por sessão de aplicações é de 1.000 U. As aplicações não devem ser mais freqüentes que a cada 8 semanas. Doses usuais de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) injetadas em músculos dos membros superiores: Essas doses podem ser diminuídas ou elevadas em função dos fatores citados acima.

 

Músculo                                                                          Doses                                           Sítios de

                                                                                          DYSPORT®                                  aplicação

                                                                                         

Grande dorsal                                                                150-300 U                                     2-3

Peitoral maior*                                                              150-300 U                                     1-2

Redondo maior                                                             90-150 U                                       1

Redondo menor*                                                          60-120 U                                       1

Deltóide*                                                                         120-180 U                                     1-2

Bíceps braquial                                                              150-300 U                                     2-4

Tríceps braquial                                                             100-300 U                                     2-3

Braquiorradial                                                                60-180 U                                       1

Pronador redondo                                                        90-180 U                                       1

Pronador quadrado                                                      60-90 U                                         1

Flexor ulnar do carpo                                                   30-120 U                                       1-2

Extensor do punho*                                                    30-100 U                                       1-2

Flexor radial do carpo                                                   60-180 U                                       1-2

Palmar longo*                                                               60-150 U                                       1-2

Flexor superficial dedos                                               30-120 U                                       1-2

Flexor profundo dedos                                                30-90 U                                         1-2

Flexor longo polegar                                                    20-70 U                                         1

Oponente polegar                                                         30-60 U                                         1

Adutor polegar                                                              30-60 U                                         1

Intrínsecos da mão

(lumbricais – por músculo)                                        15-20 U                                         1

 

* Músculos pouco injetados.

 

Doses usuais de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) injetadas em músculos dos membros inferiores. Essas doses podem ser diminuídas ou elevadas em função dos fatores citados acima.

 

 

Músculo                                                        Doses                                           Sítios de

                                                                        DYSPORT®                                                                   aplicação

Paravertebral lombar                                  150-600 U                                     2-6

Glúteo mínimo                                            120-180 U                                     1

Adutores da coxa                                        150-500 U                                     2-6

Reto femoral                                                90-300 U                                       1-3

Isquiotibiais                                                  150-400 U                                     2-6

Gastrocnêmio                                              150-600 U                                     2-4

Sóleo                                                              100-300 U                                     1-2

Tibial posterior                                            90-180 U                                       1-2

Flexor longo artelhos                                 90-120 U                                       1-2

Flexor curto artelhos                                  60-100 U                                       1

Flexor longo hálux                                      60-150 U                                       1

Flexor curto hálux                                       30-90 U                                         1

 

Método de administração: A porção central da tampa (vedação de borracha) exposta ao ambiente deve ser limpa com álcool imediatamente antes de se perfurar a tampa de borracha. Devem ser usadas agulhas estéreis de calibre 23 ou 25. DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) pode ser reconstituído com 2,5 ml de solução de cloreto de sódio para injetáveis (0,9%) para obter uma solução contendo 200 U/ml de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A). O produto é administrado através de injeção intramuscular nos músculos recomendados acima, de acordo com sua contribuição à espasticidade. Uma técnica de injeção baseada na eletromiografia (EMG) é desejável e de fato necessária na região dos músculos do antebraço. A eletromiografia assegura que a injeção seja intramuscular e auxilia na busca por sítios de injeção apropriados. Um critério é a atividade elétrica detectável no estiramento rápido ou espontâneo. Alternativamente, o 'ponto motor' pode ser buscado através da estimulação muscular elétrica. Uma injeção não baseada na eletromiografia é aceitável em músculos grandes e/ou superficiais. Hiperidrose e linhas faciais hiperfuncionais: Posologia: 1. Em hiperidrose axilar de moderada a grave, a dose total utilizada por axila é de 100-250 U. Após a identificação apropriada das áreas hiperidróticas pelo teste iodo-amido de Minor, delimita-se 10-25 pontos com distribuição uniforme. Após assepsia local, cada sítio de injeção recebe 10 U de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) subdérmico. A necessidade de repetição das injeções tem prazo variável, em média 6 meses. Na hiperidrose palmar, a dose total usual utilizada por palma é de 100 a 150 U, distribuídas em 10-15 sítios diferentes de injeção subcutânea, sendo 10 U por sítio. 2. Para o tratamento de linhas faciais hiperfuncionais recomenda-se a utilização da eletromiografia para obtenção do máximo efeito terapêutico com as mínimas doses possíveis. A dose deverá ser estabelecida pelo médico, com base na força e cinética muscular do paciente. A aplicação deve ser feita por via IM no músculo associado à linha hiperfuncional, com seringa e agulha de insulina de 30 G 1/2. O volume pode variar de acordo com a reconstituição (diluição) que o médico julgar mais apropriada para cada paciente. Na região glabelar recomenda-se uso de 60 a 80 U no total, para os dois lados, distribuídas entre os músculos prócero e a parte medial do corrugador. Divide-se a dose em 15 a 20 U para o prócero, 10 a 12 U para a parte medial do corrugador e 6 a 9 U para o músculo orbicular, logo acima da região medial do corrugador. As injeções no músculo prócero são realizadas na junção entre a borda óssea e uma linha imaginária que passa na altura do início dos supercílios. As aplicações seguintes ocorrem na junção entre uma linha que passa no canto interno dos olhos e na borda superior do osso orbital; os próximos pontos ficam 1 cm acima destes. Em homens, cuja musculatura responsável por estas rugas possuem maior massa muscular, pode-se acrescentar mais 1 ponto de aplicação de cada lado situado 1 cm acima da borda do osso orbital e de uma linha vertical que passa na altura das pupilas. É importante que seja 1 cm acima do supercílio para evitar ptose palpebral. Pés de galinha: 30 a 45 U cada lado, distribuídas em três pontos de 10 a 15 U ao nível do canto do olho e 1 cm lateral à parede lateral da órbita. O outro ponto fica a 1,5 cm inferior a este e ligeiramente medial ao primeiro ponto de aplicação. Pode–se massagear gentil, mas firmemente em direção externa, pois isto produz melhor resultado. Pode-se aumentar pontos de aplicação (mais superior), lembrando que o efeito da toxina se estende em média num raio de 1 cm a partir do ponto de aplicação. Esta aplicação pode levar à diplopia, ectrópio, sorriso assimétrico, devido ao comprometimento do zigomático maior. Para evitar esta complicação deve-se injetar no mínimo 1 cm fora da borda óssea da órbita e não injetar próxima à margem inferior do zigoma. Linhas horizontais da região frontal: de 30 a 45 U para tratamento parcial e de 60 a 80 U para paralisia total. Uma linha imaginária é traçada horizontalmente através da fronte entre os supercílios e a linha do cabelo. Colocam-se 6 U em cada ponto, podendo iniciar na linha vertical que passa sobre cada pupila. Duas injeções adicionais nas mesmas doses são aplicadas entre estes dois sítios, de forma que produzam 4 pontos eqüidistantes nesta linha horizontal. Massagear com firmeza estes pontos. Pescoço (platisma): 90 a 180 U no total para ambos os lados; doses maiores podem provocar disfagia ou fraqueza de musculatura do pescoço por ação da toxina na musculatura próxima ao local da aplicação. Instruir o paciente a contrair o platisma para evidenciar as bandas platismais. Um total de 45 U é injetado em 3 pontos (15 U cada). Normalmente, 2 a 4 faixas são injetadas em cada sessão, totalizando 90 a 180 U; as linhas horizontais são tratadas aplicando-se 60 a 90 U ao longo da linha, em intervalos aproximados de 2 a 3 cm. Rugas da região superior do lábio: 6 a 27 U, sendo 3 a 6 U por linha. Iniciar com a menor dose e mais superficialmente para não comprometer a função de fechamento da boca. Sulco nasolabial: 6 a 10 U de cada lado, com localização por EMG do músculo levantador do lábio superior e da asa do nariz. Região mentoniana: 15 a 30 U. Injeções nesta área podem facilmente levar à incompetência da boca. Utilizar a menor dose inicial. Graduar o enfraquecimento através de outras aplicações em visitas seqüenciais. O efeito inicia-se em média 24 a 72 horas após a aplicação e persiste por 4 a 6 meses. Método de administração: A porção central da tampa (vedação de borracha) exposta ao ambiente deve ser limpa com álcool imediatamente antes da perfuração.

 

Reconstituição de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A)

 

Solução salina 0,9%                                          Unidades/0,1 ml

1,66 ml                                                                 30 U

2,5 ml                                                                   20 U

3,3 ml                                                                   15 U

 

Para o tratamento de linhas faciais hiperfuncionais e hiperidrose, a reconstituição (diluição) deverá. O médico deverá julgar a dose correta baseando-se na clínica do paciente. Para o tratamento de hiperidroses axilar e palmar, o produto deverá ser reconstituído com solução de seguir indicação da tabela Reconstituição de DYSPORT® (toxina botulínica tipo A) apresentada acima cloreto de sódio para injetáveis (0,9%). O produto deverá ser administrado através de injeção subdérmica, com agulha usualmente de calibre 30, nas áreas hiperidróticas previamente determinadas. Alguns estudos não utilizaram anestésicos, outros utilizaram resfriamento local da palma ou bloqueios dos nervos mediano e ulnar para minimizar a dor. Para o tratamento de linhas faciais hiperfuncionais, o produto deverá ser reconstituído com solução de cloreto de sódio para injetáveis (0,9%). O produto deverá ser administrado através de injeção intramuscular, com agulha usualmente de calibre 30, nas áreas previamente estudadas.

 

Superdose — Doses excessivas podem produzir paralisia neuromuscular distante e intensa. Suporte respiratório pode ser necessário, se doses excessivas provocarem paralisia dos músculos respiratórios. Não existe antídoto específico; não se deve esperar que a antitoxina seja benéfica e cuidados gerais de suporte são recomendados.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e embora as pesquisas tenham indicado eficiência e segurança, quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis, ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Fabricado por: Ipsen Biopharm Limited — Reino Unido, para Beaufour Ipsen International (França).

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-151036.

 

Registro no M.S. 1.1213.0220.

 

Importado e distribuído por:

BIOSINTÉTICA Farmacêutica Ltda.

 

 

 PREVAX (Biosintética). Folinato cálcico. Antídoto dos antagonistas do ácido fólico. Emb. com 10 comp. de 15 mg; fr.-amp. com 50 mg; emb. com 6 amp. de 1 ml com 3 mg.

 

 

 

 

GENFIBROZILA (Biosintética).

 

600 mg

 

Medicamento genérico Lei 9787/99

 

Composição

Cada comprimido revestido contém: Genfibrozila 600 mg. Excipientes: Amido, dióxido de silício, hidroxipropilcelulose, polissorbato, celulose microcristalina, estearato cálcico, opadry.

 

Indicações

Prevenção primária da doença coronariana e infarto do miocárdio em pacientes com hipercolesterolemia, dislipidemia mista e hipertrigliceridemia, classificação de Fredrickson tipos Ila, lIb e IV, respectivamente. Tratamento de outras dislipidemias, tais como: Fredrickson tipos III e IV; associada com diabetes; associada com xantomatose. Tratamento para pacientes adultos com níveis séricos elevados de triglicerídeos (hiperlipidemia tipos IV e V) que apresentem risco de pancreatite e que não respondam adequadamente a um determinado esforço dietético para controlá-los. GENFIBROZILA é indicado quando medidas não-medicamentosas como exercício físico, perda de peso, dieta específica e redução de ingestão de álcool falharem. Outros distúrbios clínicos como hipotireoidismo e diabetes devem ser controlados tanto quanto possível. Durante o tratamento com GENFIBROZILA devem ser realizadas determinações periódicas dos lipídios plasmáticos. Se a resposta lipídica do paciente mostrar-se inadequada após três meses, a droga deve ser descontinuada ou ser instituído tratamento coadjuvante.

 

Contra-indicações

O produto está contra-indicado em pacientes com disfunção hepática ou renal grave e afecção biliar preexistente. A hipersensibilidade ao princípio ativo também constitui contra-indicação para seu uso.

 

Reações adversas

Na fase duplo-cega controlada do Estudo do Coração de Helsinque, 2.046 pacientes receberam GENFIBROZILA durante até cinco anos, apresentando as seguintes reações adversas estatisticamente mais freqüentes: Freqüência em porcentagem de pacientes, Reações gastrintestinais GENFIBROZILA (N = 2.046) 34,2, Placebo (N = 2.035) 23,8; Dispepsia GENFIBROZILA (N = 2.046) 19,6, Placebo (N = 2.035) 11,9; Dor abdominal GENFIBROZILA (N = 2.046) 9,8, Placebo (N = 2.035) 5,6; Apendicite Aguda GENFIBROZILA (N = 2.046) 1,2, Placebo (N = 2.035) 0,6; Fibrilação atrial GENFIBROZILA (N = 2.046) 0,7, Placebo (N = 2.035)0,1. Reações adversas relatadas por mais de 1% dos pacientes, porém sem diferença significativa entre os dois grupos, foram: Freqüência em porcentagem de pacientes. Diarréia GENFIBROZILA (N = 2.046) 7,2, 6,5; Fadiga GENFIBROZILA (N = 2.046) 3,8, Placebo (N = 2.035) 3,5; Náusea/vômitos GENFIBROZILA (N = 2.046) 2,5, Placebo (N = 2.035) 2,1, Eczema GENFIBROZILA (N = 2.046) 1,9, Placebo (N = 2.035) 1,2; Erupção cutânea GENFIBROZILA (N = 2.046) 1,7, Placebo (N = 2.035) 1,3; Tonturas GENFIBROZILA (N = 2.046) 1,5, Placebo (N = 2.035) 1,3; Constipação GENFIBROZILA (N = 2.046) 1,4, Placebo (N = 2.035) 1,3; Cefaléia GENFIBROZILA (N = 2.046) 1,2, Placebo (N = 2.035) 1,1. Foram relatadas outras reações adversas que provavelmente podem ser atribuídas ao uso do produto: Aparelho ou sistema, Reações adversas; Gastrintestinal, Icterícia colestática, pancreatite; Sistema nervoso central, Tonturas, sonolência, parestesia, neurite periférica, cefaléia, depressão, diminuição da libido; Olhos, Visão turva; Geniturinário, Impotência; Musculoesquelético, Artralgia, sinovite, mialgia, miopatia, miastenia, extremidades dolorosas, rabdomiólise; Tegumentar, Dermatite esfoliativa, rash, dermatite, prurido; Imune, Angioedema, edema de laringe, urticária; Hematopoético. Reações adversas adicionais que foram relatadas incluíram fotossensibilidade.

 

Posologia

A dose diária recomendada é de 1.200 mg/dia, dividida em duas tomadas diárias, 30 minutos antes do desjejum e do jantar.

 

Apresentação

Comprimidos revestidos de 600 mg: Embalagem com 30 comprimidos.

 

 

 

 

 CIFLOGEX GEL (Cimed). Cloridrato de benzidamina. Antiinflamatório. Bisn. com 60 g.

 

 

 

 

DUCILAMINA LOÇÃO (Grupo Igefarma).

 

Calamina

 

Composição

Cada grama de DUCILAMINA®Loção gelificada contém: Calamina 160 mg. Excipiente loção gelificada (glicerina, alfa bisabolol e óleo essencial de Mentha piperita) q.s.p. 1 g.

 

Indicações

DUCILAMINA® é indicada no tratamento das dermatites leves e moderadas, queimaduras, eritema solar, picadas de insetos, pruridos em geral e miliárias. É também utilizada como coadjuvante no tratamento da varicela.

 

Posologia

Aplicar sobre a área afetada, 3 a 4 vezes ao dia, ou a critério médico.

 

Apresentação

Embalagem contendo bisnaga com 80 g.

 

 

 

 

PAPULESS GEL (Grupo Igefarma).

 

Nicotinamida a 4%

 

Composição

Cada grama de PAPULESS® GEL contém: Nicotinamida 0,04 g. Excipiente gel (glicerina, propilenoglicol, carbomero, metilparabeno, óleo essencial de alecrim, álcool a 96° GL e água destilada) q.s.p. 1 g.

 

Indicações 

É uma alternativa aos antibióticos tópicos no tratamento da acne inflamatória.

 

Posologia

Limpar a área afetada com água morna e sabão. Aplicar PAPULESS® sobre a área afetada, duas vezes ao dia, ou a critério médico.

 

Apresentação

Embalagem contendo bisnaga com 25 g.

 

 

 

 

UVLESS (Grupo Igefarma).

 

Dexpantenol, vitaminas

 

A, C, E, FPS 30+, UVA 13

 

Composição

Cada grama de UVLESS® Creme contém: Dexpantenol 50 mg. Excipientes (VCPMG, alfatocoferol, retinol, avobenzona, oxibenzona, metilbenzilideno cânfora, octilmetoxicinamato, padimato O e dióxido de titânio micronizado) q.s.p. 1 g.

 

Indicações

É indicado na prevenção e tratamento do fotoenvelhecimento cutâneo, fotodermatoses e manchas da pele. Pode ser utilizado em peles mais sensíveis e no pós-peeling.

 

Posologia

Aplicar uma fina camada sobre a área desejada. Reaplicar quando necessário.

 

Apresentação

Embalagem contendo bisnaga com 30 g.

 

 

 PREFEST(Janssen-Cilag). Estradiol, norgestimato. Reposição hormonal. Comprimidos.

 

 

 REMINYL (Janssen-Cilag). Bromidrato de galantamina. Alzheimer. Comp. de 4, 8 e 12 mg.

 

 

 

 

Gonapeptyl®depot 3,75 mg SC/IM

 

Triptorelina

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Forma farmacêutica — Caixa com 1 seringa com microcápsulas contendo 3,75 mg de triptorelina (D-Trp6-LHRH) encapsulada em um polímero biodegradável (microcápsulas de liberação lenta) e 1 seringa com agente de suspensão de 1 ml. Para injeção SC ou IM profunda após preparo da suspensão.

 

Indicações — Homens: a) Carcinoma de próstata hormônio-dependente. b) Diagnóstico de sensibilidade do carcinoma prostático à terapia hormonal. Mulheres: a) Miomas uterinos sintomáticos, quando a supressão da hormoniogênese ovariana é uma medida pré-operatória para reduzir o tamanho individual dos miomas antes de programar a enucleação do mioma ou a histerectomia. b) Endometrioses sintomáticas confirmadas por laparoscopia, quando a supressão da hormoniogênese ovariana é indicada, e uma extensa terapia cirúrgica não é a primeira indicação. c) Técnicas de reprodução assistida para prevenir picos prematuros de LH. Crianças: a) Puberdade precoce, em meninas até 8 anos, e meninos até 10 anos.

 

Contra-indicações — No homem: a) Carcinoma de próstata hormônio-independente; b) Pacientes castrados cirurgicamente. Na mulher: a) Como todo análogo de GnRH (LHRH), GONAPEPTYL® DEPOT é contra-indicado para portadoras de osteoporose com manifestação clínica. b) Gravidez. c) Período de lactação. d) Técnicas de reprodução assistida: Em pacientes com ovário policístico, o uso deste medicamento deve ser considerado com grande precaução, quando o número de folículos ultra-sonograficamente detectáveis é maior que 10. Crianças: Tumor cerebral progressivo. Homens, mulheres e crianças: Hipersensibilidade conhecida à triptorelina, ou a outros componentes da fórmula.

 

Precauções e advertências — O monitoramento da terapia deve ser realizado através da determinação dos níveis séricos dos esteróides sexuais. No homem: O aumento inicial transitório da testosterona sérica pode causar, em alguns pacientes, uma temporária exacerbação dos sintomas da doença. O paciente deve ser orientado a consultar um médico, caso qualquer destes sintomas se agrave. Na fase inicial da terapia deve-se considerar a administração de um agente antiandrógeno para diminuir a exacerbação da sintomatologia clínica. A determinação da testosteronemia de forma periódica pode ser útil; tal nível não deve ser superior a 1 ng/ml; a avaliação da resposta terapêutica é realizada através de exame cintilográfico e/ou escanográfico dos ossos. A avaliação também é viável através da escanografia, exame clínico de toque ou ultra-sonografia prostática. Na mulher: a) As mulheres potencialmente férteis devem ser cuidadosamente examinadas antes do tratamento, para excluir possibilidade de estarem grávidas. Métodos não-hormonais de contracepção devem ser adotados durante a terapia, e em caso de endometriose ou mioma, devem ser continuados até a menstruação não ocorrer. As pacientes não devem usar preparações contendo estrógeno durante a terapia. Na vigência de tratamento do mioma uterino, os tamanhos do útero e do mioma devem ser medidos por ultra-sonografia regularmente. Rápida redução não-proporcional do volume uterino em comparação com o do mioma tem, em casos raros, causado metrorragia e infecção. Na ocorrência de metrorragia é necessário avaliação dos níveis plasmáticos de estradiol. Quando tais níveis forem menores que 50 pg/ml, uma avaliação de eventuais lesões orgânicas associadas é necessária.  Uma vez que os ciclos menstruais devem parar durante o tratamento com GONAPEPTYL® DEPOT — Triptorelina, a paciente deve ser instruída a notificar o seu médico caso menstruações regulares persistam. Reações alérgicas e anafiláticas têm sido relatadas em adultos e crianças, incluindo tanto reações locais como sintomas sistêmicos. A patogênese não pôde ser elucidada, sendo recomendável testar a sensibilidade do paciente antes do início da administração da medicação.

 

Interações medicamentosas — Nenhuma interação com outras drogas foi reportada. Interferência dos antagonistas de cálcio no mecanismo de ação do GnRH e em seus análogos não está estabelecida, porém é teoricamente concebível. Os resultados de testes iniciais com terapia de supressão de longa duração da testosterona sérica, com o uso da forma Depot de triptorelina, simultaneamente a terapias com antagonistas de cálcio, não têm, contudo, mostrado qualquer evidência de tais interações. Por falta de dados é recomendável evitar a utilização concomitante de medicamentos hiperprolactinemiantes, que diminuem a taxa de receptores de LHRH hipofisários.

 

Reações adversas e alterações de exames laboratoriais — Os efeitos colaterais farmacológicos devidos à supressão da produção de hormônio incluem: Nos homens: Rubores, impotência, perda de libido e, em raros casos, ginecomastia, atrofia testicular, distúrbios do sono, redução do crescimento da barba e perda dos pêlos do peito, braços e pernas. Efeitos colaterais nos homens comuns aos análogos de LHRH: Humor depressivo, dispnéia, febre, náuseas, vômitos, prurido, fraqueza nos membros inferiores, vertigens, palpitações, sudorese, mudanças de peso, perda de apetite, dor de cabeça, atividade enzimática aumentada (LDH, gamaGT, SGOT, SGPD) e tromboflebites. A acentuação inicial dos sintomas do câncer prostático, nos casos mais severos, pode ser combatida com antiandrógenos por um período curto de tempo. Tais exacerbações são temporárias, porém devem ser consideradas nos pacientes com risco de desordens neurológicas ou que apresentem obstrução urinária. Nas mulheres: Rubores, sangramentos, secura vaginal e/ou dispareunia. Como conseqüência dos níveis baixos de estrógeno, uma leve perda de densidade do osso trabecular pode ocorrer. Todavia, esta é geralmente reversível entre 6-9 meses depois de ter descontinuado o tratamento. Outros efeitos nas mulheres: Dor de cabeça, fadiga, distúrbios do sono, irritação, náuseas, dores nas costas, humor depressivo, perda da libido, esporadicamente elevados níveis enzimáticos (LDH, gamaGT, SGOT, SGPT), leve elevação do colesterol sérico, parestesia e distúrbios visuais.   Técnicas de reprodução assistida: Uma vez que nestas técnicas gonadotrofinas exógenas também são injetadas, os sintomas da privação hormonal não duram mais que alguns dias. Para se detectar uma hiperestimulação ovariana prematuramente, uma cuidadosa monitorização do crescimento folicular é necessária. Em crianças: Em 1/3 das meninas tratadas podem ocorrer hemorragias genitais pequenas, após a primeira injeção; tratamento moderador por acetato de medroxiprogesterona (40 mg/dia) ou ciproterona (100 mg/dia) durante a primeira semana de tratamento deve ser instituído. Em homens, mulheres e crianças: Reações de hipersensibilidade (prurido, erupção cutânea, febre, anafilaxias) podem ocorrer em casos individuais. Reações de hipersensibilidade têm sido também observadas depois da administração de dextrano. Em casos raros podem ocorrer dores temporárias no local da injeção. Em geral, os efeitos são brandos e desaparecem depois do término do tratamento.

 

Modo de preparação — a) Retire o pacote de GONAPEPTYL® DEPOT — Triptorelina do refrigerador; b) Remova a capa da seringa descartável contendo as microcápsulas de liberação controlada, retirando seu fechamento de borracha cinza por torção; c) Abra a embalagem com o conector; atarraxe a seringa contendo as microcápsulas de liberação controlada ao conector por torção; d) Atarraxe a seringa contendo o agente de suspensão no lado 'livre' do conector e assegure-se de que esteja ajustado firmemente (Figura 1).

 

FIGURA

 

Formando a suspensão: a) Force o conteúdo da suspensão de sua seringa para dentro da seringa com as microcápsulas de liberação controlada e depois force o composto a voltar novamente. Não execute os primeiros dois ou três movimentos até o fim do trajeto dos êmbolos. b) O composto deve ser movido cuidadosamente para trás e para frente entre as duas seringas até homogeneizar, e uma suspensão leitosa ser obtida (Figura 2).

 

FIGURA

 

Injeção: a) Remova o conector junto com uma das seringas vazia. b) Ajuste a agulha adequada à via de administração escolhida, SC ou IM profunda. c) Injete imediatamente. Obs.: A suspensão não deve atingir a temperatura ambiente, pois se forma uma placa que impede sua passagem pela agulha.

 

Posologia — O local da injeção deve ser mudado.  Homens: Terapia do carcinoma de próstata: Uma injeção a cada quatro semanas. Como diagnóstico: Uma injeção a cada quatro semanas por três meses; caso o câncer prostático seja andrógeno-dependente, ocorrerá sua retração; isto observado, a administração pode ser continuada. O tratamento com GONAPEPTYL® DEPOT — Triptorelina é normalmente uma terapia de longa duração. Mulheres: Mioma uterino e endometriose: Uma injeção a cada quatro semanas; em vista do possível efeito sobre a densidade óssea, a terapia não deve exceder um período de seis meses. Técnicas de reprodução assistida: Administração única nos dias 2 ou 3 do ciclo (fase folicular) ou no dia 22 do ciclo anterior ao de estimulação ovariana (fase lútea). Puberdade precoce: Uma injeção IM de no mínimo 50 mcg/kg a cada quatro semanas.

 

Conduta na superdosagem— Em um evento de intoxicação, pouco provável, este deve ser tratado sintomaticamente.

 

Cuidados de armazenamento — Manter entre 2°C e 8°C. Após a reconstituição aplicar imediatamente.

 

SAC: 0800-7724656.

 

Registro no M.S. 1.2876.0009.001-2.

 

Laboratórios FERRING Ltda.

 

 

 

 

EMADINE (Alcon).

 

Composição

Difumarato de emedastina.

 

Indicação

Conjuntivite alérgica.

 

Apresentação

Frascos conta-gotas com 5 ou 10 ml de solução oftálmica estéril.

 

 

 

 

CILOXAN OTOLÓGICO (Alcon).

 

Composição

Cloridrato de ciprofloxacino.

 

Indicação

Otites.

 

Apresentação

Frasco conta-gotas com 5 ml de solução otológica estéril.

 

 

 CILODEX (Alcon). Cloridrato de ciprofloxacino, dexametasona. Infecções oculares. Colírio e pomada oftálmica.

 

 

 

 

DUNASON (Alcon).

 

Composição

Sulfato de condroitina.

 

Indicação

Insuficiência lacrimal, reepitelização corneana.

 

Apresentação

Frascos conta-gotas com 5 ou 15 ml de solução oftálmica estéril.

 

 

 

 

MALEATO DE TIMOLOL 0,5% (Alcon).

 

Composição

Maleato de timolol.

 

Indicação

Hipotensor ocular.

 

Apresentação

Frasco conta-gotas com 5 ml de solução oftálmica estéril.

 

 

 VEXOL (Alcon). Rimexolona. Corticosteróide tópico.

 

 

 CIPRO HC (Alcon). Cloridrato de ciprofloxacino, hidrocortisona. Otites.

 

 

 

 

CILOXAN (Alcon).

 

Composição

Cloridato de ciprofloxacino.

 

Indicação

Infecções oculares.

 

Apresentação

Frasco conta-gotas com 5 ml de solução oftálmica (colírio); bisnaga com 3,5 g de pomada oftálmica.

 

 

 FRESH TEARS (Allergan). Carboximetilcelulose. Lubrificante ocular. Fr. com 15 ml de sol. oftálmica.

 

 

 

 

ACULAR SEM CONSERVANTE (Allergan).

 

Cetorolaco de trometamina 0,5%

 

Composição

Cada ml contém 5,0 mg de cetorolaco de trometamina. Excipientes: Cloreto de sódio, ácido clorídrico e/ou hidróxido de sódio para ajustar o pH para 7,4 e água purificada q.s.p.

 

Indicações

Indicado como antiinflamatório e analgésico para o tratamento da dor e fotofobia após cirurgia ocular.

 

Contra-indicações

Pacientes com história prévia de hipersensibilidade aos componentes da fórmula do produto.

 

Reações adversas

As reações adversas relatadas mais freqüentemente com as soluções de uso oftálmico contendo cetorolaco de trometamina foram ardor e dor aguda em pontada no momento da aplicação, de caráter transitório; essas reações ocorreram em cerca de 20% dos pacientes que participaram dos estudos clínicos. Outras reações, que ocorreram em 1% a 10% durante o tratamento com cetorolaco de trometamina, foram: irritação ocular, reações alérgicas, infecções oculares superficiais, ceratite superficial, inflamação ocular, edema de córnea e irite. Outros eventos adversos que ocorreram mais raramente com o produto foram: secura dos olhos, infiltrados corneais, úlceras de córnea, distúrbios visuais (visão borrada) e cefaléia.

 

Posologia

Assegure-se de que o flaconete está intato antes de usar. Para abrir, gire totalmente a ponteira. Não puxe.

Instile 1 gota (0,25 mg), 4 vezes ao dia no olho operado, conforme a necessidade para eliminação da dor e fotofobia, durante até 3 dias após a cirurgia.

 

Apresentação

Caixa contendo 12 flaconetes de dose única com 0,4 ml.

 

 

 

 

 

ISCOVER (Bristol-Myers Squibb).

 

Clopidogrel

 

Composição

Cada comprimido de ISCOVER contém 75 mg de clopidogrel base e os seguintes ingredientes inativos: lactose, óleo de rícino hidrogenado, celulose microcristalina, macrogol, amido, óxido de ferro vermelho, hipromelose, dióxido de titânio e cera de carnaúba.

 

Indicações

ISCOVER é indicado para a redução de eventos ateroscleróticos (infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e morte vascular) em pacientes com aterosclerose documentada por acidente vascular cerebral ou infarto do miocárdio recentes ou doença arterial periférica estabelecida.

 

Contra-indicações

O uso de ISCOVER é contra-indicado nas seguintes condições: Hipersensibilidade ao clopidogrel ou a qualquer dos componentes do produto; sangramento patológico ativo, com úlcera péptica ou hemorragia intracraniana. Gravidez (categoria b): Estudos de reprodução realizados em ratos e coelhos com doses de até 500 mg/kg/dia e 300 mg/kg por dia (respectivamente, 65 e 78 vezes a dose humana recomendada em mg/m²) não revelaram evidências de prejuízo da fertilidade ou fetotoxicidade em virtude do clopidogrel. Não há, no entanto, estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas. Visto que os estudos de reprodução animal não são sempre predizentes da resposta humana, ISCOVER deve ser usado durante a gravidez somente quando claramente necessário. Lactação: Os estudos realizados com ratos demonstraram que o clopidogrel e/ou seus metabólitos são excretados no leite. Desconhece-se se esta droga é eliminada no leite materno. Visto que muitos fármacos são excretados no leite materno e, devido ao potencial de reações adversas graves no lactente, deve-se tomar a decisão de interromper a amamentação ou descontinuar a droga, considerando-se a importância desta para a mãe.

 

Reações adversas

A segurança de ISCOVER foi avaliada em mais de 11.300 pacientes, dos quais mais de 7.000 pacientes foram tratados por períodos iguais ou superiores a 1 ano. A tolerabilidade global de ISCOVER foi similar à do ácido acetilsalicílico, independentemente de idade, sexo e raça, com incidência aproximadamente igual (13%) de pacientes que interromperam o tratamento devido a reações adversas. Os eventos adversos clinicamente importantes observados durante o estudo CAPRIE estão descritos a seguir: Hemorrágicas: Em pacientes que receberam ISCOVER durante o estudo CAPRIE, as hemorragias gastrintestinais ocorreram a uma taxa de 2,0%, sendo a hospitalização necessária em 0,7% dos casos. Nos pacientes que receberam ácido acetilsalicílico, as taxas correspondentes foram 2,7% e 1,1%, respectivamente. A incidência de hemorragia intracraniana foi de 0,4% com ISCOVER e comparada a 0,5% com o ácido acetilsalicílico. Neutropenia/agranulocitose: A ticlopidina, uma droga quimicamente similar a ISCOVER, está associada a uma incidência de 0,8% de neutropenia grave (menos que 450 neutrófilos/ml). Os pacientes avaliados no estudo CAPRIE (ver Estudos clínicos) foram intensamente monitorados com relação a este efeito adverso. Neutropenia severa foi observada em seis pacientes, quatro com ISCOVER e dois com o ácido acetilsalicílico. Dois dos 9.599 pacientes que receberam ISCOVER e nenhum dos 9.586 pacientes que receberam ácido acetilsalicílico tiveram contagem de neutrófilos igual a zero. Um dos quatro pacientes neutropênicos que receberam ISCOVER estava recebendo quimioterapia citotóxica e outro recuperou-se e retornou para o estudo após uma interrupção apenas temporária do tratamento com ISCOVER. Portanto, embora seja mínimo o risco de mielotoxicidade com ISCOVER, esta possibilidade deve ser considerada quando um paciente que recebe ISCOVER demonstrar febre ou outros sinais de infecção. Gastrintestinais: De modo geral, a incidência de eventos gastrintestinais (por exemplo, dor abdominal, dispepsia, gastrite e constipação) em pacientes que receberam clopidogrel foi de 27,1% em comparação a 29,85% dos que fizeram uso de ácido acetilsalicílico. A incidência de úlceras péptica, gástrica ou duodenal foi de 0,7% para o clopidogrel e 1,2% para o ácido acetilsalicílico. Foram descritos casos de diarréia em 4,5% dos pacientes no grupo do clopidogrel em comparação com 3,4% no grupo do ácido acetilsalicílico. No entanto, estes eventos raramente foram severos (ISCOVER = 0,2% e ácido acetilsalicílico = 0,1%). A incidência de pacientes que interromperam o tratamento devido a eventos adversos gastrintestinais foi de 3,2% para ISCOVER e 4,0% para o ácido acetilsalicílico. Erupção da pele e outros distúrbios cutâneos: A incidência de distúrbios da pele e anexos em pacientes que receberam ISCOVER foi de 15,8% (incidência de 0,7% de eventos sérios). A taxa correspondente nos pacientes que receberam ácido acetilsalicílico foi de 13,1% (incidência de 0,5% de eventos sérios). A incidência global de pacientes que interromperam o tratamento devido a reações adversas na pele e anexos foi de 1,5% para ISCOVER e 0,8% para o ácido acetilsalicílico.

 

Posologia

A dose recomendada de ISCOVER é de 75 mg, uma vez ao dia concomitante ou não com as refeições. Não é necessário nenhum ajuste de dose para pacientes idosos ou com insuficiência renal.

 

Apresentação

ISCOVER (clopidogrel) é apresentado em embalagem contendo 14 ou 28 comprimidos revestidos.

 

 

 MONOPLUS(Bristol-Myers Squibb). Fosinopril, hidroclorotiazida. Hipertensão arterial. Emb. com 16 e 30 comp.

 

 

 

 

Actos

 

Cloridrato de pioglitazona

 

Uso adulto

 

 

Composição — Cada comprimido contém: Cloridrato de pioglitazona 15 mg, 30 mg ou 45 mg. Excipientes: Lactose monoidratada, hidroxipropilcelulose, carboximetilcelulose cálcica e estearato de magnésio, q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicações— Antidiabético oral utilizado como um coadjuvante de dieta e exercícios para melhorar o controle glicêmico em pacientes com diabetes mellitus tipo 2; como monoterapia e também para uso em combinação com sulfoniluréia, metformina ou insulina.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade à pioglitazona ou a qualquer um de seus excipientes.

 

Precauções e advertências — Não deve ser utilizado em pacientes portadores de diabetes mellitus tipo 1 ou para o tratamento de cetoacidose diabética. Em combinação com insulina ou agentes hipoglicemiantes orais há risco de hipoglicemia, podendo ser necessária a redução do agente concomitante. Pacientes que estejam em período anovulatório pré-menopausa podem ter reinício da ovulação. A pioglitazona pode causar decréscimos na hemoglobina (de 2% a 4%) e hematócrito. Estudos clínicos observaram o aparecimento de edema leve a moderado. Não está indicada em pacientes com insuficiência cardíaca classe III ou IV da NYHA. As elevações de TGP em pacientes tratados com cloridrato de pioglitazona foram reversíveis e não foram relacionadas com a terapia com pioglitazona. Embora os dados clínicos disponíveis não mostrem nenhuma evidência de hepatotoxicidade ou elevações de TGP induzidas por pioglitazona, a mesma está estruturalmente relacionada com a troglitazona. Recomenda-se que pacientes tratados com cloridrato de pioglitazona sejam submetidos a monitorações periódicas de enzimas hepáticas. A terapia com cloridrato de pioglitazona não deve ser iniciada, se o paciente exibir evidência clínica de doença hepática ativa ou níveis de TGP 2,5 vezes acima dos limites da normalidade. A pioglitazona não deve ser usada em pacientes que apresentaram icterícia durante o uso de troglitazona. Medidas de glicemia de jejum e hemoglobina glicosilada (HbA1c) devem ser realizadas periodicamente para monitorar o controle glicêmico e a resposta terapêutica, bem como as enzimas hepáticas. Pioglitazona deverá ser usada durante a gravidez somente se os potenciais benefícios justificarem o risco para o feto. Não deve ser administrada a mulheres durante o período de amamentação. O uso da pioglitazona não é recomendado para pacientes com menos de 18 anos de idade. Nenhuma diferença significante na eficácia e segurança foi observada entre pacientes idosos.

 

Interações medicamentosas — Devem ser adotadas precauções adicionais relativas à contracepção em pacientes que estejam recebendo pioglitazona. Cetoconazol parece inibir significativamente o metabolismo da pioglitazona.

 

Reações adversas — Eventos adversos relatados em estudos clínicos com freqüência ³ 5%: infecção do trato respiratório superior, cefaléia, sinusite, mialgia, alterações dentárias, diabetes mellitus agravado, faringite. Hipoglicemia leve a moderada foi relatada durante a terapia combinada com sulfoniluréia ou insulina. Em estudos de monoterapia, o edema foi registrado em 4,8%. Na combinação com insulina, o edema ocorreu em 15,3% dos pacientes.

 

Posologia e modo de usar — Uma vez ao dia, independentemente da alimentação. A monoterapia com ACTOS em pacientes sem controle adequado de dieta e exercícios pode ser iniciada com 15 mg ou 30 mg uma vez ao dia. A dose pode ser aumentada em incrementos de até 45 mg uma vez ao dia (dose máxima diária recomendada). Em pacientes que não respondem adequadamente à monoterapia, uma terapia combinada pode ser considerada e, nestes casos, seja em associação com sulfoniluréia ou metformina ou insulina, ACTOS deverá ser iniciado na dose de 15 a 30 mg ao dia. Se o paciente apresentar hipoglicemia na associação com sulfoniluréia, a dose desta deverá ser diminuída. Nos pacientes que estejam recebendo ACTOS e insulina, a dose de insulina pode ser diminuída em torno de 10% a 25%, se o paciente apresentar hipoglicemia ou se as concentrações de glicose plasmática diminuírem para valores menores de 100 mg/ml. Não é recomendado o ajuste de doses em pacientes com insuficiência renal.

 

Superdosagem — Deve ser iniciado tratamento de suporte adequado, de acordo com os sinais e sintomas do paciente.

 

Apresentação — Frasco com 15, 30 ou 90 comprimidos.

 

Fabricado por Takeda Chemical Industries, Ltd. — Osaka, Japão.

 

Serviço de Informações: 0800-7031050.

 

Registro no M.S. 1.0553.0238.

 

Distribuído por:

ABBOTT Laboratórios do Brasil Ltda.

 

 

 

 

LEVOPHEDÒ (Abbott).

 

Norepinefrina, bitartarato

 

Composição

Cada ampola de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) contém 4 ml de solução concentrada. Cada 1 ml de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) contém o equivalente a 1 mg de norepinefrina base, cloreto de sódio e até 2 mg de metabissulfito de sódio.

 

Indicações

LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) é usado para o controle da pressão arterial em determinados estados de hipotensão aguda (por exemplo, feocromocitomectomia, simpatectomia, poliomielite, anestesia espinhal, infarto do miocárdio, septicemia, transfusões sangüíneas e reações às drogas). Também pode ser utilizado como medicação adjuvante no tratamento de parada cardíaca e hipotensão pronunciada.

 

Contra-indicações

LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) não deve ser administrado a pacientes hipotensos devido a déficit de volume, exceto como medida de emergência para manter a perfusão arterial coronariana e cerebral, até que a terapia de reposição de volume sangüíneo seja completada. O seguinte quadro pode ocorrer se LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) for administrado continuamente para manter a pressão sangüínea, na ausência de reposição do volume sangüíneo: vasoconstrição visceral e periférica severas, com diminuição da perfusão renal e do débito urinário, redução do fluxo sangüíneo sistêmico (apesar de a pressão sangüínea estar 'normal'), hipoxia tecidual e acidose láctica. LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) também não deve ser administrado a pacientes com trombose vascular periférica ou mesentérica (devido aos riscos de aumento da isquemia e extensão da área de infarto), a menos que, segundo parecer médico criterioso, a administração de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) seja necessária como procedimento para salvar a vida do paciente. Os anestésicos ciclopropano e halotano aumentam a irritabilidade autonômica cardíaca e, portanto, parecem sensibilizar o miocárdio à ação da epinefrina ou norepinefrina administradas intravenosamente. Por esta razão, o uso de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) durante anestesia com ciclopropano e/ou halotano é geralmente considerado contra-indicado, pelo risco de produzir taquicardia ventricular ou fibrilação. O mesmo tipo de arritmia cardíaca pode ocorrer com o uso de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) em pacientes com hipoxia severa ou hipercapnia.

 

Reações adversas

A administração prolongada de qualquer fármaco vasopressor potente pode resultar em redução do volume plasmático, o qual deve ser continuamente corrigido através de terapia apropriada de reposição de fluidos e eletrólitos. Pode haver recorrência da hipotensão quando LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) for descontinuado, se os volumes plasmáticos não forem corrigidos; ou então, a pressão sangüínea pode se manter, com o risco de vasoconstrição visceral e periférica severas (por exemplo, diminuição da perfusão renal), com diminuição do fluxo sangüíneo e da perfusão tecidual, subseqüente hipoxia tecidual e acidose láctica, com possível lesão isquêmica. Gangrena de extremidade tem sido raramente relatada. Superdosagem ou doses convencionais em pacientes hipersensíveis (por exemplo, pacientes hipertireoideanos) causam hipertensão severa com forte cefaléia, fotofobia, dor retroesternal lancinante, palidez, transpiração intensa e vômitos). Genericamente, as seguintes reações podem ocorrer: Gerais: Lesão isquêmica, secundária à ação vasoconstritora potente, e hipoxia tecidual. Cardiovasculares: Bradicardia (provavelmente como resultado reflexo do aumento da pressão sangüínea) e arritmias. Neurológicas: Ansiedade e cefaléia transitória. Respiratórias: Dificuldade respiratória. Pele e anexos: Necrose, por extravasamento no local de administração.

 

Posologia

O bitartarato de norepinefrina é um fármaco potente e concentrado, que deve ser diluído antes da infusão em soluções que contenham dextrose. Sua administração deve ser feita através de veia calibrosa (ver Precauções). Restauração da pressão sangüínea em estados de hipotensão aguda: A depleção do volume sangüíneo deve ser sempre corrigida, tanto quanto possível, antes da administração de qualquer fármaco vasopressor. LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) pode ser administrado antes ou até concomitantemente à reposição de volume sangüíneo, apenas como medida emergencial em casos em que a pressão intra-aórtica deve ser mantida para prevenir isquemia arterial coronariana ou cerebral. Diluição: LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) deve ser diluído em dextrose a 5% ou em solução de cloreto de sódio mais dextrose a 5%. As soluções que contêm dextrose protegem o produto contra oxidação, a qual gera uma significativa perda de potência. Não é recomendada a administração apenas em solução salina. Sangue e plasma, se indicados para aumentar o volume sangüíneo, devem ser administrados separadamente (por exemplo, se administrados simultaneamente, através de frascos individuais e com equipos em Y). Dose média: Adicione uma ampola de 4 ml (4 mg) de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) a 1.000 ml de solução de dextrose a 5%. Cada ml desta solução conterá 4 mcg de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) base. Administre esta solução por infusão intravenosa. Insira um cateter plástico intravenoso através de uma agulha (esta deve estar posicionada centralmente em uma veia e bem fixada por fitas adesivas). Se possível, evite qualquer tipo de obstrução venosa, pois promove estase. Uma bomba de gotejamento intravenoso, ou outro equipamento adequado, é essencial para possibilitar uma estimativa adequada do fluxo da infusão, em gotas por minuto. Administre inicialmente uma dose de 2 a 3 ml/minuto (de 8 a 12 mcg do fármaco-base) e ajuste o fluxo de infusão para estabilizar e manter a pressão sangüínea normal em níveis baixos (geralmente de 80 a 100 mmHg de pressão sistólica), o que é suficiente para manter a circulação em órgãos vitais. Em pacientes que já sofrem de hipertensão, é recomendável que a pressão sangüínea seja elevada até 40 mmHg abaixo da pressão sistólica prévia. A dose de manutenção tem uma variação média de 0,5 a 1 ml/minuto (de 2 a 4 mcg do fármaco-base). Dose elevada: Há grande variação individual na dose necessária para estabilizar e manter adequadamente a pressão sangüínea. Todos os pacientes devem ter a dose de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) titulada de acordo com a resposta individual. Ocasionalmente, doses diárias muito maiores, ou até mesmo doses extremamente elevadas (até 68 mg ou 17 ampolas), podem se fazer necessárias se o paciente permanecer hipotenso; nestes casos deve-se suspeitar de sangramento oculto que esteja depletando o volume sangüíneo do paciente, e proceder a sua correção. A monitoração da pressão venosa central é geralmente útil para detectar e tratar esta situação. Administração de fluidos: O grau de diluição depende da necessidade clínica da reposição de fluidos. Se grandes volumes de fluido (dextrose) forem necessários e o fluxo de infusão fosse resultar em dose excessiva do agente pressório por unidade de tempo, deve-se optar por uma solução mais diluída do que 4 mcg/ml. Por outro lado, quando grandes volumes de fluidos não são desejáveis, uma concentração maior do que 4 mcg/ml pode ser necessária. Duração da terapia: A infusão deve ser continuada até que uma pressão sangüínea adequada e a perfusão tecidual sejam mantidas sem medicação. As infusões de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) devem ser reduzidas gradualmente, evitando-se interrupções abruptas. Em alguns relatos de colapso vascular, devido a infarto do miocárdio, o tratamento se fez necessário por até 6 dias. Tratamento adjunto em parada cardíaca: Infusões intravenosas de LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) são geralmente administradas durante a ressuscitação cardíaca, a fim de restaurar e manter a pressão sangüínea adequada, depois que os batimentos cardíacos e a ventilação do paciente tenham sido restabelecidos por outros meios. LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) é um estimulador beta-adrenérgico potente, também usado nestes casos para aumentar a força e a efetividade da contração sistólica cardíaca, desde que ela ocorra. Dose média: Para manter a pressão sangüínea sistêmica durante o manejo da parada cardíaca, LEVOPHEDÒ (bitartarato de norepinefrina) é usado do mesmo modo como descrito em Restauração da pressão sangüínea em estados de hipotensão aguda.

 

Apresentação

Solução injetável concentrada para infusão IV: Embalagens com 10 ampolas de 4 ml cada (Lista nº 1443).

 

 

 

 

NITROPRESSABBOTT (Abbott).

 

Nitroprussiato de sódio

 

Composição

Cada ml contém: Nitroprussiato de sódio 25,0 mg; Água para injeção q.s.p. 1,0 ml.

 

Indicações

NITROPRESSABBOTT é indicado para redução imediata da pressão sangüínea de pacientes em crise hipertensiva. Medicação anti-hipertensiva de longa ação deve ser administrada concomitantemente, para que a duração do tratamento com nitroprussiato seja minimizada. NITROPRESSABBOTT é também indicado para produzir hipotensão controlada, reduzindo sangramentos durante a cirurgia. Também é indicado para tratamento de insuficiência cardíaca congestiva aguda.

 

Contra-indicações

Nitroprussiato de sódio não deve ser utilizado no tratamento de hipertensão compensatória, onde a lesão hemodinâmica primária seja a coarctação da aorta ou derivação arteriovenosa. Nitroprussiato de sódio não deve ser utilizado para produzir hipotensão durante a cirurgia em pacientes com fluxo sangüíneo cerebral conhecidamente inadequado, ou em pacientes moribundos (classificação ASA V E), levados à cirurgia de emergência. Pacientes com atrofia óptica congênita (Leber) ou com ambliopia por tabagismo apresentam, de forma não-usual, altas taxas de cianeto/tiocianato. Esta rara condição está provavelmente associada a uma rodanase defeituosa ou ausente, devendo-se evitar o nitroprussiato de sódio nestes pacientes. Nitroprussiato de sódio não pode ser utilizado no tratamento de insuficiência cardíaca congestiva aguda, associada com resistência vascular periférica reduzida, tal como insuficiência cardíaca de alto débito, que pode ser vista na sepse endotóxica.

 

Reações adversas

As reações adversas mais importantes são hipotensão excessiva e intoxicação por cianeto, que podem ser evitadas conforme descrito em Advertências. As reações descritas nesta seção se manifestam mais lentamente e são menos freqüentes. Têm sido observadas quando a pressão sangüínea é reduzida muito rapidamente: dor abdominal, apreensão, diaforese, tontura, cefaléia, fasciculações musculares, náusea, reação de vômito, palpitações, inquietude e desconforto retroesternal. Esses sintomas desaparecem rapidamente quando a infusão é lentificada ou descontinuada e não reaparecem quando a infusão é continuada (ou reiniciada) mais lentamente. Outras reações adversas relatadas são: Cardiovasculares: Bradicardia, alterações no ECG, taquicardia. Dermatológicas: Erupção cutânea. Endócrinas: Hipotireoidismo. Gastrintestinais: Íleo paralítico. Hematológicas: Diminuição da agregação plaquetária. Neurológicas: Aumento da pressão intracraniana. Outras: Rubor, acentuação dos trajetos venosos, irritação no local da infusão. Metemoglobinemia: Como descrito na Farmacologia clínica, infusões de nitroprussiato podem causar seqüestro da hemoglobina para metemoglobina. O processo de reconversão é normalmente rápido e metemoglobinemia clinicamente significativa (> 10%) é observada raramente em pacientes em uso de nitroprussiato de sódio. Mesmo pacientes congenitamente incapazes de reconverterem a metemoglobina demonstram 10% de metemoglobinemia somente após terem recebido ao redor de 10 mg/kg de nitroprussiato de sódio. Um paciente teria que receber nitroprussiato de sódio na dose máxima recomendada (10 mcg/kg/min), por mais de 16 horas, para atingir esta dose total acumulada. Os níveis de metemoglobina podem ser determinados pela maioria dos laboratórios de análises clínicas. Suspeita-se deste diagnóstico em pacientes que estejam recebendo > 10 mg/kg de nitroprussiato de sódio e que apresentem sinais de prejuízo na liberação de oxigênio, a despeito de adequado débito cardíaco e adequada pO2 arterial. Classicamente, o sangue metemoglobinêmico é descrito como de cor marrom-chocolate, sem apresentar alteração de coloração à exposição ao ar. Quando a metemoglobinemia é diagnosticada, o tratamento de escolha é a administração intravenosa de 1 a 2 mg/kg de azul-de-metileno, por vários minutos. Nos pacientes que provavelmente possam apresentar substancial quantidade de cianeto ligado à metemoglobina, na forma de cianometemoglobina, o tratamento da metemoglobinemia com azul-de-metileno deve ser conduzido com cuidado extremo. Intoxicação por tiocianato: Como descrito em Farmacologia clínica, a maior parte do cianeto produzido durante o metabolismo do nitroprussiato é eliminada na forma de tiocianato. Quando a eliminação do cianeto é acelerada por co-infusão de tiossulfato, a produção de tiocianato é aumentada. Em nível sérico de 1 mmol/l (60 mg/l) o tiocianato é levemente neurotóxico (zumbido, miose, hiper-reflexia). A intoxicação por tiocianato apresenta risco de vida quando os níveis estão 3 a 4 vezes mais elevados (200 mg/l). O nível de equilíbrio do tiocianato, após infusão prolongada de nitroprussiato de sódio, é aumentado pelo aumento da taxa de infusão e a meia-vida de acumulação é de 3 a 4 dias. Para manter o nível de equilíbrio do tiocianato abaixo de 1 mmol/l, a infusão prolongada de nitroprussiato de sódio não deve ser mais rápida do que 3 mcg/kg/min; em pacientes anúricos, o limite correspondente é de apenas 1 mcg/kg/min. Quando infusões prolongadas forem mais rápidas que isso, deve-se medir o nível de tiocianato diariamente. Não se conhecem manobras fisiológicas (p. ex.: alteração de pH da urina) que aumentem a eliminação do tiocianato. A taxa de depuração do tiocianato durante a diálise pode ser semelhante à taxa do fluxo sangüíneo no dializador. O tiocianato interfere com a captação de iodo pela tireóide.

 

Posologia

NITROPRESS deve ser infundido utilizando-se um dispositivo de controle de gotejamento. Recomenda-se infundir através de bomba de infusão, preferivelmente do tipo volumétrico. Não se deve administrar outras medicações na mesma solução de NITROPRESS. A dose inicial e máxima recomendada são: 0,3 mcg/kg/min e 10 mcg/kg/min, respectivamente, para adultos e crianças de pesos variados. Diluição para uma concentração de infusão apropriada: Dependendo da concentração desejada, a solução de NITROPRESS, contendo 50 mg de nitroprussiato de sódio, deve ser adicionalmente diluída em 250 a 1.000 ml de solução estéril de glicose a 5%. Essa solução diluída deve ser protegida da luz, utilizando-se a folha opaca que é fornecida, ou alumínio laminado, ou outro material opaco. Não é necessário cobrir a câmara de gotejamento do equipo de infusão. Verificação da integridade química do produto: A solução de nitroprussiato de sódio pode ser inativada por reações com traços de contaminantes. Os produtos dessas reações podem ser freqüentemente azuis, verdes ou vermelhos, muito mais brilhantes que a cor marrom apagada do nitroprussiato de sódio não-reagido. Não devem ser utilizadas soluções com alterações de cor, ou soluções em que sejam visíveis partículas. Se adequadamente protegida da luz, a solução diluída é estável por 24 horas. Prevenção de hipotensão excessiva: Embora a taxa de infusão média eficaz em adultos e crianças seja de 3 mcg/kg/min, alguns pacientes podem vir a ter hipotensão perigosa ao receber nitroprussiato de sódio nessa taxa. A infusão de nitroprussiato de sódio deve ser, portanto, iniciada a uma taxa muito baixa (0,3 mcg/kg/min), com titulação ascendente a cada poucos minutos, até que o efeito desejado seja alcançado, ou a taxa de infusão máxima recomendada (10 mcg/kg/min) seja atingida. Como o efeito hipotensor do nitroprussiato de sódio tem início e dissipação muito rápidos, pequenas variações na taxa de infusão podem levar a variações amplas e indesejáveis na pressão sangüínea. Como o nitroprussiato de sódio pode induzir essencialmente redução ilimitada da pressão sangüínea, um paciente recebendo essa medicação deve ter a sua pressão sangüínea continuamente monitorada, utilizando-se um esfigmomanômetro continuamente reinflado, ou (preferivelmente) um sensor intra-arterial de pressão. Insuficiência cardíaca congestiva aguda: Quando nitroprussiato de sódio é utilizado no tratamento de insuficiência cardíaca congestiva aguda, a titulação da taxa de infusão deve ser guiada pelos resultados da monitoração da hemodinâmica invasiva, com simultânea monitoração do débito urinário. O nitroprussiato de sódio deve ser titulado por aumentos de taxa de infusão, até que (qualquer delas que ocorrer primeiro): a medida do débito cardíaco não esteja mais aumentada; a pressão sangüínea sistêmica não possa ser adicionalmente reduzida sem comprometer a perfusão de órgãos vitais; ou a taxa máxima recomendada de infusão tenha sido alcançada. Metas hemodinâmicas específicas devem ser desenhadas para a situação clínica, mas melhoras no débito cardíaco e na pressão de enchimento ventricular esquerdo não devem ser objetivadas às custas de hipotensão indevida e conseqüente hipoperfusão. Prevenção da intoxicação por cianeto: Como descrito em Farmacologia clínica, quando se administra mais de 500 mcg/kg de nitroprussiato de sódio, de forma mais rápida que 2 mcg/kg/min, gera-se cianeto mais rapidamente do que o paciente não-assistido pode eliminar. A administração de tiossulfato mostrou aumentar a taxa de processamento do cianeto, reduzindo o risco de intoxicação por este. Embora não tenham sido relatadas reações tóxicas ao tiossulfato de sódio, o regime de co-infusão não foi extensamente estudado e não pode ser recomendado sem reservas. Em um estudo, tiossulfato de sódio pareceu potencializar os efeitos hipotensores do nitroprussiato de sódio. Co-infusões de tiossulfato de sódio foram administradas em taxas de 5 a 10 vezes às do nitroprussiato de sódio. Deve-se ter cuidado para evitar o uso indiscriminado de doses prolongadas ou altas de nitroprussiato de sódio com tiossulfato de sódio, já que isto pode resultar em intoxicação por tiocianato e hipovolemia. Mesmo assim, deve-se evitar a administração sem cautela do nitroprussiato de sódio e todas as precauções para sua utilização devem ser observadas. Considerações sobre a intoxicação por metemoglobinemia e tiocianato: Raros pacientes recebendo mais de 10 mg/kg de nitroprussiato de sódio desenvolverão metemoglobinemia; outros pacientes, especialmente aqueles com prejuízo da função renal, desenvolverão previsivelmente intoxicação por tiocianato, após infusões rápidas prolongadas. De acordo com as descrições em Reações adversas, pacientes com achados sugestivos devem ser investigados para essas intoxicações.

 

Apresentação

NITROPRESSABBOTT é uma solução injetável para infusão intravenosa apresentada em frascos-ampolas âmbar de dose única de 2 ml. Caixas com 1 frasco-ampola (Lista nº 3024).

 

 

 

 

Mirena®

 

Levonorgestrel 20 mcg/24 h

 

 

Composição— Cada endoceptivo contém 52 mg de levonorgestrel e libera inicialmente 20 mcg/24 h.

 

Indicações— Contracepção, menorragia idiopática, prevenção da hiperplasia endometrial na terapia de reposição estrogênica.

 

Contra-indicações— Gravidez ou suspeita de gravidez; doença inflamatória pélvica atual ou recorrente; infecção do trato genital inferior; endometrite pós-parto; aborto infectado durante os últimos 3 meses; cervicite; displasia cervical; tumor maligno uterino ou cervical; sangramento uterino anormal não-diagnosticado; anomalia uterina congênita ou adquirida, incluindo leiomiomas, quando causarem deformação da cavidade uterina; doença hepática aguda ou tumor hepático; condições associadas com aumento de suscetibilidade a infecções; hipersensibilidade aos constituintes do produto.

 

Precauções e advertências — MIRENA® pode ser usado com precaução ou deve-se considerar sua remoção, se existirem quaisquer das seguintes condições ou se estas aparecerem pela primeira vez: enxaqueca, enxaqueca focal com perda visual assimétrica ou outros sintomas indicativos de isquemia cerebral transitória; cefaléia excepcionalmente intensa; icterícia; aumento acentuado da pressão arterial; diagnóstico ou suspeita de neoplasia hormônio-dependente, incluindo câncer de mama; doença arterial grave. Alguns estudos epidemiológicos recentes indicaram que usuárias de contraceptivos orais contendo somente progestógeno podem apresentar risco discretamente aumentado de ocorrência de tromboembolismo venoso, mas os resultados não foram estatisticamente significativos. No entanto, diagnóstico e medidas terapêuticas apropriadas devem ser providenciados imediatamente se existirem sinais ou sintomas de trombose. Não existe consenso sobre possível influência de veias varicosas e tromboflebites superficiais no tromboembolismo venoso. MIRENA® pode ser usado com precaução em mulheres que apresentam doença cardíaca congênita ou doença cardíaca valvular com risco de endocardite infecciosa.  Deve-se administrar antibiótico profilaticamente quando o endoceptivo for inserido ou removido nestas pacientes. A administração de levonorgestrel em baixas doses pode afetar a tolerância à glicose e a glicemia deve ser controlada em pacientes diabéticas que estejam usando MIRENA®. Sangramentos irregulares podem mascarar alguns sinais e sintomas de pólipos ou câncer endometriais e medidas diagnósticas devem ser consideradas. MIRENA® não é o método de primeira escolha para mulheres jovens nulíparas ou mulheres pós-menopausadas com atrofia uterina avançada. Inserção e remoção/substituição: Antes da  inserção,  a paciente deve ser informada sobre eficácia, riscos e efeitos colaterais de MIRENA® (levonorgestrel). Deve-se realizar exame médico, incluindo exame pélvico, exame das mamas e esfregaço cervical. Deve-se excluir existência de gravidez e de doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitais devem ser tratadas. A posição do útero e o tamanho da cavidade uterina devem ser determinados. O posicionamento de MIRENA® (levonorgestrel) no fundo do útero, é particularmente importante para assegurar exposição uniforme do endométrio ao progestógeno, prevenir a expulsão e maximizar a eficácia. Portanto, as instruções para inserção devem ser seguidas cuidadosamente. A paciente deve ser reexaminada 4 a 12 semanas após a inserção e, posteriormente, uma vez por ano ou mais freqüentemente, se for clinicamente indicado. MIRENA®deve ser inserido na cavidade uterina no período de 7 dias após o início da menstruação e pode ser substituído por outro endoceptivo em qualquer fase do ciclo. O SIU também pode ser inserido imediatamente após abortamento de primeiro trimestre ou 6 semanas pós-parto. MIRENA® pode não ser adequado para uso na contracepção de emergência. Quando utilizado para proteção endometrial na terapia de reposição estrogênica, MIRENA® pode ser inserido a qualquer momento em mulheres amenorréicas, ou durante os últimos dias de menstruação ou sangramento por privação. Sangramentos irregulares/spotting são comuns durante os primeiros meses de terapia, recomenda-se excluir a existência de patologia endometrial antes da inserção de MIRENA®. Se a usuária permanecer com MIRENA® inserido anteriormente para contracepção, deve-se excluir a possibilidade de patologia endometrial no caso de ocorrência de distúrbios de sangramento após o início da terapia de reposição estrogênica. Se ocorrerem irregularidades de sangramento durante tratamento prolongado, medidas diagnósticas apropriadas devem ser providenciadas. Remoção: MIRENA® é removido puxando-se os fios com pinça. Se os fios não estiverem visíveis e o endoceptivo estiver na cavidade uterina, pode-se removê-los usando tenáculo estreito. Este procedimento pode requerer anestesia e dilatação do canal cervical. MIRENA®deve ser removido após 5 anos de uso. Se a usuária desejar continuar empregando o método, novo endoceptivo pode ser inserido imediatamente, no mesmo procedimento. Se não for desejada gestação, a remoção deve ser realizada durante o período pré-menstrual em mulheres em idade fértil, no caso de existirem ciclos semelhantes aos menstruais. Se o SIU for removido no meio do ciclo e a mulher tiver tido relação sexual no período de 7 dias anteriores à retirada, ela apresenta risco de engravidar, a menos que novo endoceptivo seja inserido imediatamente após a remoção. A inserção e a remoção de MIRENA® podem estar associados com dor e sangramento. O procedimento pode causar desmaio como reação vasovagal, ou crise em paciente epilética. Oligomenorréia/amenorréia: Em mulheres em idade fértil, ocorre desenvolvimento gradual de oligomenorréia ou amenorréia em cerca de 20% das usuárias. A possibilidade de gestação deve ser considerada se não ocorrer sangramento no período de 6 semanas após o início de uma menstruação anterior. Em pacientes amenorréicas, não é necessário repetir o teste de gravidez, a menos que outros sinais ou sintomas o indiquem. Quando MIRENA® é utilizado em associação com terapia de reposição estrogênica contínua, desenvolve-se gradualmente padrão sem sangramento na maioria das mulheres durante o primeiro ano. Infecção pélvica: Estudos sugerem que a taxa de infecção pélvica em usuárias de MIRENA® é mais baixa do que a verificada com usuárias de DIU de cobre. Um dos fatores de risco conhecidos para doença inflamatória pélvica são múltiplos parceiros sexuais. A infecção pélvica pode diminuir a fertilidade e aumentar o risco de gravidez ectópica. Se ocorrer endometrite ou infecções pélvicas recorrentes, ou se infecção aguda não responder ao tratamento adequado em alguns dias, MIRENA® deve ser removido. Expulsão: Sintomas de expulsão parcial ou completa de qualquer dispositivo intra-uterino podem incluir sangramento e dor. O SIU também pode ser expelido da cavidade uterina sem que a paciente perceba. A expulsão parcial pode diminuir a atividade de MIRENA® e o aumento de fluxo menstrual pode indicar a ocorrência de expulsão do SIU. Em caso de deslocamento, MIRENA® deve ser removido o mais rápido possível, e novo endoceptivo pode ser inserido ao mesmo tempo. A usuária deve ser instruída sobre o procedimento para checagem dos fios de MIRENA®. Perfuração: Em casos raros, pode ocorrer perfuração ou penetração no corpo uterino ou na cérvix por contraceptivo intra-uterino, mais freqüentemente durante a inserção. Caso isto ocorra, MIRENA® deve ser removido. Gravidez ectópica: Mulheres com história prévia de gravidez ectópica, cirurgia tubária ou infecção pélvica apresentam risco aumentado de ocorrência de gravidez ectópica. Esta possibilidade deve ser considerada em caso de dores no abdome inferior, em especial quando ocorrer simultaneamente ausência de sangramento ou quando mulheres amenorréicas apresentam sangramento. A taxa de gravidez ectópica observada em usuárias de MIRENA®foi de 0,06 por 100 mulheres-anos; esta taxa é menor que a taxa de 0,3-0,5 por 100 mulheres-anos estimada para mulheres que não utilizam qualquer método contraceptivo. Perda dos fios de remoção: Se os fios de remoção não estiverem visíveis na cérvix, deve-se excluir a existência de gravidez ou podem ter se deslocado para dentro do útero ou do canal cervical e podem reaparecer durante o próximo período menstrual. Excluída a possibilidade de gravidez, os fios podem ser localizados, na maioria das vezes, por meio de sondagem cuidadosa com instrumento adequado.  Se não  for  possível encontrá-los, MIRENA® pode ter sido expelido. Exame ultra-sonográfico e raios X podem ser utilizados para localizar MIRENA®. Atresia folicular retardada: Como o efeito contraceptivo de MIRENA®  é causado por seu efeito local, são observados, com freqüência, ciclos ovulatórios com ruptura folicular em mulheres em idade fértil. Algumas vezes, a atresia do folículo é retardada e a foliculogênese pode continuar. Estes folículos aumentados não podem ser diferenciados clinicamente de cistos ovarianos. Folículos aumentados foram diagnosticados em cerca de 12% das usuárias de MIRENA®. A maioria destes folículos são assintomáticos, no entanto, algumas vezes, podem ser acompanhados de dor pélvica ou dispareunia. Na maioria dos casos, os folículos aumentados desaparecem espontaneamente em 2 a 3 meses de observação. Se persistirem, recomenda-se controle periódico com ultra-sonografia e medidas diagnósticas/terapêuticas. Em casos raros, intervenção cirúrgica pode ser necessária. Gravidez: Se ocorrer gravidez enquanto MIRENA® estiver sendo utilizado, recomenda-se a remoção do endoceptivo, uma vez que qualquer contraceptivo intra-uterino que permaneça in situ pode aumentar o risco de abortamento e parto prematuro. A remoção de MIRENA®ou sondagem do útero pode resultar em abortamento espontâneo. Se o endoceptivo não puder ser cuidadosamente removido, a paciente deve ser informada sobre riscos e possíveis conseqüências do nascimento prematuro. A possibilidade de gestação ectópica deve ser excluída. Considerando a administração intra-uterina e exposição local ao hormônio, a possibilidade de ocorrência de teratogenicidade não pode ser completamente excluída. A experiência clínica de gestações com MIRENA® é limitada devido sua elevada eficácia contraceptiva; no entanto, as mulheres devem ser informadas que, até o momento, não existem evidências de defeitos congênitos associados ao uso de MIRENA®, nos casos onde o endoceptivo permaneceu no local durante toda a gestação, até o nascimento da criança. Lactação: A dose diária e concentrações plasmáticas de levonorgestrel observadas com o uso de MIRENA® são inferiores às de qualquer outro método contraceptivo hormonal; entretanto, o levonorgestrel foi identificado em pequenas quantidades no leite de lactantes usuárias de MIRENA®. Métodos contraceptivos contendo exclusivamente progestógenos são considerados como segunda escolha depois dos métodos não-hormonais. Não foram observados efeitos deletérios sobre o crescimento ou desenvolvimento da criança com a utilização de qualquer método contraceptivo contendo somente progestógeno, após 6 semanas do parto e parece não afetarem a quantidade ou qualidade do leite materno.

 

Reações adversas — Eventos adversos são mais comuns durante os primeiros meses após a inserção e diminuem durante o uso prolongado. Podem ocorrer alterações do padrão de sangramento menstrual (ocorrem em todas usuárias), cistos ovarianos benignos, cefaléia, dor no abdome inferior, dor nas costas, afecções cutâneas, secreção vaginal aumentada, condições benignas da mama, vaginite, alterações emocionais, náusea, edema, aumento de peso, queda de cabelos, etc.

 

Interações medicamentosas — O efeito de contraceptivos hormonais pode ser diminuído por medicamentos indutores de  enzimas hepáticas. Não é esperado que haja interação medicamentosa de maior importância, considerando o mecanismo de ação local de MIRENA®.

 

Posologia— Verificar as instruções específicas às condições de inserção de MIRENA®. Adicionalmente, observar as orientações sobre Inserção e remoção/substituição descritas no item Precauções e advertências. Uma vez que a técnica de inserção de MIRENA® é diferente das dos demais dispositivos intra-uterinos, deve-se dar atenção especial ao treinamento da técnica correta de inserção. Inserir 1 unidade de MIRENA®na cavidade uterina. Cada unidade é eficaz por até 5 anos. O site http://www.mirena.com.br contém dicas adicionais sobre a técnica de inserção de MIRENA®, bem como textos reproduzidos da bula e folheto de inserção originais do produto.

 

Apresentação— Cartucho contendo 1 endoceptivo (sistema intra-uterino — SIU) e 1 insertor estéreis.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Atenção — Este texto é o resumo da bula registrada no Ministério da Saúde. Para informações adicionais consulte a bula do produto, outros de nossos impressos mais detalhados ou telefone para o SAC (0800-551241). Schering do Brasil, Química e Farmacêutica Ltda. Subsidiária da Schering AG – Alemanha.

 

Registro no M.S. 1.0020.0087.

 

Schering do Brasil, Química e Farmacêutica Ltda.

 

 

 

 

Creon®

 

Pancreatina

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — CREON® 10.000 é apresentado em cartuchos contendo 30 e 100 cápsulas de pancreatina sob a forma de minimicroesferas com revestimento ácido-resistente. CREON®25.000 é apresentado em cartucho contendo 30 cápsulas de pancreatina sob a forma de minimicroesferas com revestimento ácido-resistente.

 

Composições — Cada cápsula de CREON® contém:

 

                                                      CREON® 10.000                                                              CREON® 25.000

                                 U.F.Eur. (1)/FIP(2)                     U.USP(3)                         U.F.Eur. (1)/FIP(2)                     U.USP(3)

 

Lipase                      10.000                                        10.000                             25.000                                       25.000

Amilase                  8.000                                          33.200                             18.000                                       74.700

Protease                 600                                             37.500                               1.000                                       62.500

 

(1) Unidade de atividade enzimática determinada conforme a European Pharmacopeia.

(2) Unidade de atividade enzimática determinada conforme a Fédération Internationale Pharmaceutique.

(3) Unidade de atividade enzimática determinada conforme a United States Pharmacopeia.

 

Excipientes q.s.p. 1 cápsula.

 

Indicações — CREON® é indicado para o tratamento da insuficiência pancreática exócrina de adultos e crianças. A insuficiência pancreática exócrina costuma estar associada, mas não exclusivamente, às seguintes situações: fibrose cística; pancreatite crônica; pós-pancreatectomia; gastrectomia; câncer pancreático; cirurgia de bypass pós-gastrintestinal (por exemplo: gastroenterostomia de Billroth II); obstrução do ducto pancreático ou ducto biliar comum (por exemplo: por neoplasia).

 

Contra-indicações — CREON® não deve ser administrado a pacientes com conhecida hipersensibilidade à pancreatina de origem suína ou aos demais componentes do medicamento.

 

Precauções e advertências — Não administrar medicamentos por via oral durante os estágios iniciais da pancreatite aguda. Gravidez e lactação: As evidências sobre a segurança de CREON® durante a gravidez ou a lactação não são exaustivas. Por isso, CREON®deve ser administrado durante a gravidez e lactação somente quando os benefícios suplantarem os potenciais riscos.

 

Interações medicamentosas — Não existem evidências de interações com outras drogas ou quaisquer outros tipos de interação.

 

Reações adversas — A incidência de reações adversas é muito baixa (< 1%). Ocasionalmente foram descritos: diarréia, constipação, desconforto gástrico, náuseas e reações cutâneas. Contudo, devido aos sintomas próprios da insuficiência pancreática exócrina e, freqüentemente, à medicação associada, não se pode demonstrar de maneira inequívoca que tais reações sejam devido à pancreatina. Foram descritos casos de estenose da região ileocecal e do intestino grosso, bem como colite, em crianças com fibrose cística usando suplementos enzimáticos de alta potência. Estudos realizados não revelaram nenhuma associação entre CREON® e o aparecimento de colonopatia fibrosante. Como medida de precaução, caso surjam sintomas abdominais imprevistos ou alterações dos sintomas abdominais usuais, deve-se excluir a possibilidade de uma lesão do cólon, em especial se o paciente estiver tomando mais de 10.000 unidades de lipase por kg/dia.

 

Posologia — A posologia deve ser ajustada segundo as necessidades de cada paciente e depende da gravidade da doença e do tipo de alimentos ingeridos. Recomendações gerais: Recomenda-se tomar metade ou um terço da dose total (ver adiante) no início das refeições e o restante durante as mesmas. As cápsulas de CREON® devem ser ingeridas inteiras e com auxílio de um líquido durante as refeições ou lanches, não devendo ser mastigadas ou amassadas. Quando a deglutição das cápsulas for difícil (por exemplo: crianças muito pequenas ou idosos), as cápsulas poderão ser cuidadosamente abertas e as minimicroesferas ingeridas com a ajuda de um líquido (por exemplo: sucos de frutas). Qualquer mistura das minimicroesferas com alimento ou líquidos deve ser ingerida imediatamente, não devendo ser armazenada. Posologia na fibrose cística (FC): De acordo com a Cystic Fibrosis Consensus Conference e estudos promovidos pelas fundações da FC nos Estados Unidos e no Reino Unido, recomenda-se o seguinte esquema posológico para a terapia de reposição enzimática: a dose de enzimas baseada no peso deve começar com 1.000 unidades de lipase/kg/refeição para crianças com menos de 4 anos de idade, e com 500 unidades de lipase/kg/refeição para crianças com mais de 4 anos; a dose deve ser ajustada de acordo com a gravidade da doença, o controle da esteatorréia e a manutenção de um bom estado nutricional; de um modo geral, os pacientes não devem exceder a dose de 10.000 unidades de lipase/kg de peso por dia. Posologia em outros distúrbios da insuficiência pancreática exócrina: A dose deve ser individualizada e determinada conforme o grau de má absorção e o conteúdo de gordura das refeições. O número de cápsulas a serem administradas durante as refeições ou lanches deve ser aquele que reduz a esteatorréia a um mínimo e garante um bom estado nutricional. CREON® 10.000: A dose inicial habitual é de 1 ou 2 cápsulas de CREON® 10.000 por refeição ou lanche. A prática clínica sugere que se administrem por refeição, no mínimo, 2 a 4 cápsulas de CREON® 10.000 e, durante o lanche, 2 cápsulas. CREON® 25.000: A dose inicial habitual é de 1 cápsula de CREON® 25.000 por refeição ou lanche. A prática clínica sugere que se administrem por refeição, no mínimo, 1 a 2 cápsulas de CREON® 25.000 e, durante o lanche, 1 cápsula.

 

Superdosagem — Doses excessivas de pancreatina podem desencadear hiperuricosúria e hiperuricemia.

 

Pacientes idosos — Não existem restrições específicas para o uso em pacientes idosos.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

SAC: 0800-141500.

 

Registro no M.S. 1.0082.0145.

 

SOLVAY FARMA Ltda.

 

 

 

 

Duspatalin®

 

Cloridrato de mebeverina

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — DUSPATALIN® 200 mg é apresentado em caixa contendo 30 cápsulas de liberação prolongada.

 

Composição — Cada cápsula contém: Cloridrato de mebeverina 200 mg; Excipientes (estearato de magnésio, Eudragit NE, talco, hidroxipropilmetilcelulose, Eudragit L, triacetato de glicerol) q.s.p. 1 cápsula.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: DUSPATALIN®possui forte ação antiespasmódica sobre a musculatura lisa do trato digestivo, em especial do intestino grosso. Cuidados de armazenamento: O medicamento deve ser mantido em sua embalagem original e ao abrigo do calor e da umidade. Manter à temperatura ambiente. Prazo de validade: DUSPATALIN® possui prazo de validade de 36 meses a partir da data de fabricação (ver cartucho). Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Gravidez e lactação: DUSPATALIN® somente deverá ser utilizado na gravidez sob supervisão médica. Informe o seu médico sobre a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando. Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Informe o seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. Ingestão concomitante com outras substâncias: Não há restrição quanto à ingestão concomitante de bebidas e alimentos. Contra-indicações e precauções: O produto não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade conhecida aos componentes da fórmula. Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — Propriedades farmacodinâmicas: DUSPATALIN® é um antiespasmódico musculotrópico com ação direta sobre a musculatura lisa do trato gastrintestinal, aliviando o espasmo sem afetar a motilidade intestinal normal. Uma vez que esta ação não é mediada pelo sistema nervoso autônomo, os efeitos secundários anticolinérgicos comuns estão ausentes. DUSPATALIN® pode ser utilizado em pacientes com hipertrofia prostática ou com glaucoma. Propriedades farmacocinéticas: A forma de cápsulas de liberação prolongada permite a administração em duas doses diárias. A mebeverina não é excretada sob forma inalterada, mas metabolizada completamente. A primeira etapa do metabolismo é a hidrólise, levando à formação de ácido verátrico e mebeverina alcoólica. Ambos são excretados através da urina, sendo que a mebeverina alcoólica é excretada parte como o ácido carboxílico correspondente e parte como o ácido carboxílico desmetilado.

 

Indicações — DUSPATALIN® é indicado para: tratamento sintomático da dor e de espasmos abdominais, distúrbios intestinais e desconforto intestinal relacionados à síndrome do intestino irritável; tratamento de espasmos gastrintestinais secundários a afecções orgânicas.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade conhecida a qualquer um dos componentes da fórmula.

 

Precauções e advertências — Gravidez e lactação: Os estudos realizados em animais não demonstraram qualquer efeito teratogênico. De qualquer modo, as precauções normais relacionadas à administração de qualquer droga durante a gravidez devem ser observadas. A mebeverina não é excretada no leite materno após a administração de doses terapêuticas.

 

Interações medicamentosas — Até o momento não foram relatados casos de interações medicamentosas com o uso do produto.

 

Reações adversas — Em casos raros e isolados, podem ocorrer reações de hipersensibilidade, urticária, angioedema, edema facial e exantema.

 

Posologia — Uma cápsula de 200 mg, duas vezes ao dia (tomar uma cápsula pela manhã e outra à noite). Tomar as cápsulas com água e não mastigar.

 

Superdosagem — Em bases teóricas pode-se dizer que irá ocorrer excitabilidade do sistema nervoso central em casos de superdosagem. Não existem antídotos específicos. Na eventualidade da ingestão acidental de doses muito acima das preconizadas, recomenda-se lavagem gástrica e tratamento sintomático.

 

Pacientes idosos — Não há restrições específicas para pacientes idosos.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

SAC: 0800-141500.

 

Registro no M.S. 1.0082.0152.

 

SOLVAY FARMA Ltda.

 

 

 

 

Piascledine® 300

 

Persea gratissima

Glycine max

 

Extrato insaponificável de abacate e soja

 

Medicamento fitoterápico

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Cápsulas: Caixa com 15 cápsulas.

 

Composição — Cada cápsula contém: Extrato de óleo insaponificável de abacate e soja 300,0 mg (insaponificável de abacate 100,0 mg, insaponificável de soja 200,0 mg); Excipientes (hidroxitolueno butilado, dióxido de silício coloidal) q.s.p. 1 cápsula.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: PIASCLEDINE® 300 estimula a recuperação dos tecidos conjuntivos e sua ação é mais efetiva nos casos de dores provocadas por artrose. Cuidados de armazenamento: As cápsulas de PIASCLEDINE® 300 devem ser mantidas na embalagem original, à temperatura ambiente (15°C a 30°C), em local seco e protegido da luz. Prazo de validade: Não utilize medicamento com a validade vencida. Observe o prazo de validade impresso na embalagem. PIASCLEDINE® 300 tem validade de 36 meses a partir da data de fabricação. Gravidez e lactação: Informe o seu médico sobre a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando. Não se recomenda o uso de PIASCLEDINE® 300 durante a gravidez ou a amamentação. Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Tome sempre a cápsula de PIASCLEDINE® 300 com um copo de água e junto com uma refeição. Não mastigue nem abra a cápsula. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. O tratamento pode perdurar por até 6 meses e deve ser seguido conforme as instruções do seu médico. Reações adversas: Informe o seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. Raramente, você poderá sofrer eructações com odor de óleo, o que pode ser evitado tomando sempre a cápsula junto com uma refeição. Ingestão concomitante com outras substâncias: Não há dados sobre a interação do produto com outras drogas; portanto, durante o tratamento com PIASCLEDINE® 300, tome somente os medicamentos prescritos por seu médico. Contra-indicações e precauções: Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Não deve ser usado durante a gravidez e a lactação. PIASCLEDINE® 300 é contra-indicado nos casos de hipersensibilidade conhecida a qualquer componente da fórmula. Durante o tratamento, visite regularmente o seu médico e realize os exames complementares solicitados.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — Nomenclatura oficial: Abacate: Gênero: Persea. Espécie: gratissima. Variedades utilizadas:Fuerte e Hass. Autor do binômio: Gaemt. Família: Lauraceae.Soja: Gênero: Glycine. Espécie: max. Variedades utilizadas: Altona e Swift. Autor do binômio: (L.)Merril. Família: Leguminosae (Fabaceae). PIASCLEDINE® 300 é um composto de óleos insaponificáveis de abacate (Persea gratissima) e de soja (Glycine max), extraídos do fruto e das sementes dessas plantas, respectivamente, através do processamento dessas partes. Essa mistura consiste ainda em constituintes não-glicéricos, como triterpenos e álcoois alifáticos, carotenóides, fitosteróis e tocoferóis. Esses insaponificáveis comprovaram ser eficientes em osteoartroses dolorosas, nas quais diminuíram o curso da doença. Osteoartrose: PIASCLEDINE® 300 pertence ao grupo das drogas sintomáticas de ação lenta para o tratamento das osteoartroses (Symptomatic Slow-Acting Drugs for Treatment of Osteoarthritis — SYSADOA). O tratamento das osteoartroses busca diminuir o processo de destruição articular e, particularmente, da degradação da cartilagem. O efeito benéfico de PIASCLEDINE® 300 sobre a cartilagem, demonstrado em estudos in vitro e in vivo, deve-se a sua ação condroprotetora e condroestimulante. In vitro, PIASCLEDINE® 300 inibe a degradação dos proteoglicanos no tratamento agudo. O estímulo da síntese e da secreção de proteoglicanos pelos condrócitos osteoartrósicos foi observado em tratamentos em longo prazo. Após a administração de dose única das frações isoladas, o óleo insaponificado de soja mostrou ter ação preponderante. Entretanto, quando administrado em doses repetidas, o óleo insaponificado de abacate demonstrou um efeito maior sobre a síntese de proteoglicanos. A combinação dos dois compostos permite a ação complementar entre ambos. PIASCLEDINE®300 conduz a um aumento de 20% a 80% na síntese de colágeno pelos sinoviócitos e pelos condrócitos articulares, respectivamente. Ao mesmo tempo, PIASCLEDINE® 300 diminui em cerca de 50% a atividade da colagenase, enzima degradativa da cartilagem. Além disso, o produto interfere no efeito deletério da interleucina-1 nos condrócitos. A interleucina-1 exerce um importante papel na destruição da cartilagem articular. A atividade colagenolítica dessa citoquina é reduzida por PIASCLEDINE® 300 e, portanto, ao impedir o efeito da interleucina-1, PIASCLEDINE® 300 permite a restauração da produção normal de colágeno e da malha de tecido conjuntivo. O tratamento deve ter a duração de 3 a 6 meses e o seu efeito persiste por até 2 meses após o tratamento.

 

Indicações — PIASCLEDINE® 300 é indicado: no tratamento dos quadros dolorosos de artrose de quadril e joelho; como coadjuvante do tratamento das periodontites e gengivites.

 

Contra-indicações — Nos casos de hipersensibilidade aos constituintes do produto.

 

Precauções e advertências — Gravidez e amamentação: Não existem estudos disponíveis sobre o uso de PIASCLEDINE® 300 em mulheres grávidas. Portanto, não se recomenda a sua utilização durante a gravidez e a amamentação. Pediatria: Não se recomenda o uso em crianças, pois não há estudos em pediatria.

 

Interações medicamentosas — Não há dados sobre a interação do produto com outras drogas.

 

Reações adversas — Podem ocorrer, raramente, eructações com odor lipídico que podem ser evitadas com a ingestão da cápsula durante a refeição.

 

Posologia — Uma cápsula de PIASCLEDINE® 300 ao dia, junto à refeição. A cápsula deve ser ingerida inteira, com um copo cheio de água. Não mastigue nem abra a cápsula. O tratamento deve perdurar por três a seis meses nos casos de osteoartroses e por um a três meses nos casos de periodontopatias.

 

Conduta na superdosagem — Não há dados disponíveis sobre a administração de sobredose do produto. Nesses casos podem ocorrer náuseas e o paciente deve ser monitorado quanto às reações gastrintestinais.

 

Pacientes idosos — Deve-se manter os mesmos cuidados recomendados para pacientes adultos.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

SAC: 0800-141500.

 

Registro no M.S. 1.0082.0144.

 

SOLVAY FARMA Ltda.

 

 

 NISALGEN GEL (UCI-Farma). Nimesulida. Antiinflamatório. Bisn. com 40 g.

 

 

 

 

Androxon®

 

Undecanoato de testosterona

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Cápsulas para uso oral: Embalagens com 30 cápsulas.

 

Composição — Cada cápsula contém: Undecanoato de testosterona 40 mg; Excipiente (ácido oleico) q.s.p. 1 cápsula.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: ANDROXON, quando corretamente utilizado, aumenta os níveis dos hormônios sexuais masculinos no sangue. Cuidados de armazenamento e data de validade: ANDROXON Cápsulas deve ser conservado em geladeira (entre 2oC e 8oC). Após a abertura do frasco, conservar em temperatura ambiente (entre 15oC e 30oC) e consumir dentro de 90 dias. O produto deve ser protegido da luz e da umidade. Nº de lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pois seu efeito não será o desejado. Cuidados de administração:Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Tome as cápsulas inteiras, com auxílio de algum líquido, após as refeições. Recomenda-se que metade da dose diária seja tomada pela manhã e a outra metade após o jantar. Caso o seu médico tenha receitado um número ímpar de cápsulas, tome a dose maior pela manhã. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, especialmente se forem graves ou persistentes. Com o uso de ANDROXON pode ocorrer retenção de água e sódio. Em meninos pré-adolescentes, o tratamento com hormônios sexuais masculinos pode levar ao desenvolvimento sexual precoce. Em homens, podem aparecer sinais de estimulação sexual excessiva, como, por exemplo, ereção persistente e dolorosa do pênis (priapismo). Ingestão concomitante com outras substâncias: Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Contra-indicações e precauções: ANDROXON não deve ser utilizado por pacientes que tenham alergia aos componentes de sua fórmula ou pacientes com suspeita ou caso confirmado de tumor maligno de próstata ou mama.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — ANDROXONé uma preparação de testosterona ativa por via oral. O tratamento com ANDROXON aumenta os níveis plasmáticos de testosterona e de seus metabólitos ativos, resultando em um efeito terapêutico regular. O princípio ativo de ANDROXON é o undecanoato de testosterona, dissolvido em ácido oleico. O undecanoato de testosterona é um éster do ácido graxo do androgênio natural testosterona, que, ao contrário da testosterona, é ativo por via oral porque após a sua absorção é parcialmente incorporado aos quilomícrons, entrando na circulação sistêmica com a linfa. Uma pequena parte do éster é, então, convertida no também ativo undecanoato de 5a-diidrotestosterona. Após a absorção na parede intestinal e no fígado, o restante da dose é convertido em produtos de biotransformação inativos. A hidrólise dos ésteres absorvidos pelo sistema linfático se dá na circulação periférica, após o que os esteróides livres exercem seus efeitos androgênicos nos órgãos-alvo. Em condições de equilíbrio, o valor plasmático de testosterona alcança um máximo de aproximadamente 40 nmol/l entre 4 a 5 horas após a administração de uma dose de 80-160 mg de ANDROXON; 8-12 horas após a administração, o valor plasmático aumenta. A eliminação sob a forma de glicuronídeos é semelhante a dos androgênios naturais. A excreção se dá principalmente pelos rins, com pequenas quantidades sendo excretadas pelas fezes.

 

Indicações — Na terapia de reposição da testosterona nos distúrbios hipogonadais masculinos, como: após castração, eunucoidismo, hipopituitarismo, impotência de origem endócrina, sintomas do

climatério masculino, tais como: diminuição da libido e das atividades mental e física, certos tipos de infertilidade devido a distúrbios de espermatogênese. A terapia com testosterona também pode ser indicada na osteoporose originada pela deficiência androgênica.

 

Contra-indicações — Pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula; suspeita ou caso confirmado de carcinoma prostático ou mamário.

 

Precauções e advertências — Se ocorrerem reações adversas relacionadas ao androgênio, o tratamento deverá ser interrompido e, após o desaparecimento dos sintomas, reiniciado com dose menor. Pacientes com insuficiência cardíaca latente ou manifesta, disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou história dessas condições) deverão ser monitorados, uma vez que o tratamento com androgênios pode, algumas vezes, causar retenção de fluidos. Androgênios deverão ser utilizados com cautela em meninos pré-púberes para evitar o fechamento prematuro das epífises ou desenvolvimento sexual precoce. Recomenda-se a monitorização da função hepática durante tratamentos longos. Deve-se ter cautela ao tratar pacientes com disfunções hepáticas. Pode haver um aumento das queixas relativas à próstata nos casos de hipertrofia prostática benigna.

 

Interações medicamentosas — Poderá ocorrer diminuição do iodo ligado a proteínas (PBI) sem qualquer significado clínico.

 

Reações adversas — As seguintes reações adversas estão associadas com a terapia androgênica: priapismo e outros sinais de estimulação sexual excessiva; em meninos pré-púberes: desenvolvimento sexual precoce, aumento da freqüência de ereções, aumento do pênis e fechamento prematuro das epífises; oligospermia e diminuição do volume ejaculado; retenção de água e sódio.

 

Posologia — A dose de ANDROXON deve ser determinada pelo médico, de acordo com a gravidade dos sintomas e a resposta individual do paciente. A dose inicial necessária geralmente está entre 120 e 160 mg por dia, durante 2-3 semanas, seguida por uma dose de manutenção de 40-120 mg/dia. Tomar as cápsulas inteiras, com auxílio de algum líquido, após as refeições. Recomenda-se que metade da dose diária seja tomada pela manhã e a outra metade após o jantar. Se um número ímpar de cápsulas for recomendado, a dose maior deverá ser administrada pela manhã.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Só pode ser vendido com retenção da receita.

 

Fabricado por: N.V. Organon — Holanda.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0002.

 

Embalado e distribuído por:

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

DECA-DURABOLIN(Organon do Brasil).

 

Decanoato de nandrolona

 

Composição

Cada ampola de 1 ml contém 25 ou 50 mg de decanoato de nandrolona; veículo (óleo de amendoim, álcool benzílico) q.s.p. 1 ml

 

Indicações

Como um adjuvante para terapias específicas e medidas dietéticas em condições patológicas caracterizadas por um balanço negativo de nitrogênio, (por ex.: durante doenças debilitantes crônicas, durante terapias prolongadas com glicocorticóides, após grande cirurgia ou trauma). Adultos: 25-50 mg cada 3 semanas. Crianças: Mais de 30 kg: 15 mg cada 3 semanas; 20-30 kg: 7,5-10 mg cada 3 semanas; 10-20 kg: 5,0-7,5 mg cada 3 semanas; menos de 10 kg: 5,0 mg cada 3 semanas. Osteoporose: 50 mg cada 2-3 semanas. Para tratamento paliativo de casos selecionados de carcinoma mamário disseminado em mulheres: 50 mg cada 2-3 semanas. Obs: Para um efeito terapêutico favorável é necessário administrar doses adequadas de vitaminas, minerais e proteínas, em uma rica dieta calórica.

 

Contra-indicações

Gravidez. Suspeita ou casos confirmados de carcinoma prostático ou mamário no homem.

 

Reações adversas

Altas doses, tratamento prolongado e(ou) administração muito freqüente podem provocar: virilização, que aparece em mulheres sensíveis, como rouquidão, acne, hirsutismo e aumento da libido; em meninos pré-púberes, como um aumento da freqüência de ereções e aumento fálico; em meninas, como um aumento dos pêlos pubianos e hipertrofia clitoriana. Rouquidão pode ser o primeiro sintoma da alteração vocal que pode resultar num duradouro, e algumas vezes irreversível, engrossamento da voz. Amenorréia e inibição da espermatogênese. Fechamento epifisário prematuro. Retenção de água e sal.

 

Apresentações

Caixa com 1 ampola de 1 ml contendo 25 mg/ml. Caixa com 1 ampola de 1 ml contendo 50 mg/ml.

 

 

 DILENA (Organon do Brasil). Valerato de estradiol, acetato de medroxiprogesterona. Cart. com 21 comp.

 

 

 DURATESTON (Organon do Brasil). Fenilpropionato de testosterona, isocaproato de testosterona, propionato de testosterona e decanoato de testosterona. Cart. com 1 amp. de 1 ml.

 

 

 

 

Esmeron®

 

Brometo de rocurônio

 

Uso pediátrico e adulto

 

Uso restrito a hospitais

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Solução injetável para uso intravenoso: Cartucho com 12 frascos-ampolas de 5 ml (10 mg/ml).

 

Composição — Cada ml de solução injetável contém: Brometo de rocurônio 10 mg; Veículo q.s.p. (acetato de sódio, cloreto de sódio, ácido acético e água para injeção) 1 ml.

 

Cuidados de armazenamento e data de validade — O produto deve ser conservado sob refrigeração (entre 2°C e 8°C), ao abrigo da luz, podendo ser conservado entre 8°C e 30°C por um período de até 12 semanas. Os frascos não-utilizados neste período não devem ser colocados de volta em geladeira, devendo ser descartados. Nº de lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamentos com prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado. Uma vez que ESMERON não contém conservantes, a solução deve ser utilizada imediatamente após a abertura do frasco.

 

Informações técnicas

 

Propriedades farmacodinâmicas — ESMERON (brometo de rocurônio) é um agente bloqueador neuromuscular não-despolarizante de ação intermediária, com rápido início de ação, que apresenta todas as ações farmacológicas características desta classe de fármacos (curariforme). ESMERON atua competindo pelos colinorreceptores nicotínicos da placa motora terminal. Esta ação é antagonizada pelos inibidores da acetilcolinesterase, tais como neostigmina, edrofônio e piridostigmina. A DE90 (dose requerida para produzir uma depressão de 90% da transmissão neuromuscular do polegar à estimulação do nervo ulnar) durante a anestesia intravenosa é de aproximadamente 0,3 mg/kg de peso corporal. Dentro de 60 segundos após a administração intravenosa de uma dose de 0,6 mg/kg de peso corporal de brometo de rocurônio (2 vezes a DE90 sob anestesia intravenosa) podem ser obtidas condições de intubação adequadas em quase todos os pacientes, dos quais 80% apresentam condições de intubação classificadas como excelentes. Dentro de 2 minutos estabelece-se uma paralisia muscular geral adequada para qualquer tipo de intervenção cirúrgica. A duração clínica do bloqueio (duração até a recuperação espontânea de 25% da transmissão neuromuscular) com esta dose é de 30-40 minutos. A duração total (tempo até a recuperação espontânea de 90% da transmissão neuromuscular) é de 50 minutos. O tempo médio para a recuperação espontânea de 25% a 75% da transmissão neuromuscular (índice de recuperação), depois de uma dose em bolo de brometo de rocurônio de 0,6 mg/kg de peso corporal, é de 14 minutos. Doses de brometo de rocurônio inferiores a 0,3-0,45 mg/kg de peso corporal (1-1 1/2 vez a DE90) prolongam o início de ação e diminuem a duração da ação. Após a administração de brometo de rocurônio em uma dose de 0,45 mg/kg de peso corporal, obtêm-se condições de intubação aceitáveis após 90 segundos. Após uma dose de 1,0 mg/kg de peso de brometo de rocurônio durante a indução de seqüência rápida de anestesia, são obtidas condições adequadas de intubação dentro de 60 segundos em 93% dos pacientes sob anestesia propofol e em 96% dos pacientes sob anestesia com fentanil/tiopental. Destas, 70% são classificadas como excelentes. A duração clínica com esta dose aproxima-se de 1 hora, tempo em que o bloqueio neuromuscular pode ser revertido com segurança. Após uma dose de 0,6 mg/kg de peso de brometo de rocurônio durante a indução de seqüência rápida de anestesia, são obtidas condições adequadas de intubação dentro de 60 segundos em 81% dos pacientes sob anestesia com propofol e 75% dos pacientes sob anestesia com fentanil/tiopental. Com doses superiores a 1 mg/kg de peso, as condições de intubação não melhoram apreciavelmente, no entanto, a duração de ação se prolonga. Doses superiores a 4 vezes a DE90 não foram estudadas. A duração de ação da dose de manutenção de 0,15 mg/kg de peso corporal de brometo de rocurônio pode ser mais longa sob anestesia com enflurano e isoflurano em pacientes geriátricos e em pacientes com alterações hepáticas e/ou renais (aproximadamente 20 minutos) do que em pacientes sem deterioração das funções dos órgãos excretores sob anestesia intravenosa (aproximadamente 13 minutos). Não foram observados efeitos cumulativos (aumento progressivo da duração de ação) com repetidas doses de manutenção no nível recomendado. Após infusão contínua na unidade de terapia intensiva, o tempo para recuperação da razão de TOF para 0,7 depende do nível de bloqueio ao final da infusão. Após uma infusão contínua por 20 horas ou mais, a faixa média de tempo entre o retorno de T2 ao estímulo de TOF e a recuperação da razão de TOF para 0,7 é de aproximadamente 1,5 (1-5) hora em pacientes sem falência múltipla de órgãos e de 4 (1-25) horas em pacientes com falência múltipla de órgãos. Em pacientes que serão submetidos à cirurgia cardiovascular, as alterações cardiovasculares mais comuns durante o início de ação do bloqueio máximo após uma dose de 0,6-0,9 mg/kg de peso de ESMERON são um aumento pequeno e clinicamente insignificante da freqüência cardíaca de até 9%, e um aumento da pressão sangüínea arterial média de até 16% em relação aos valores de controle. A administração de inibidores da acetilcolinesterase, tais como neostigmina, piridostigmina ou edrofônio, antagoniza a ação de ESMERON.

 

Propriedades farmacocinéticas — Após a administração intravenosa de uma dose única em bolo de brometo de rocurônio, a concentração plasmática estabelece-se em três fases exponenciais. Em adultos normais a média da meia-vida de eliminação (95% IC) é de 73 (66-80) minutos, o volume aparente de distribuição em condições de equilíbrio dinâmico é de 203 (193-214) ml/kg e o clearance plasmático é de 3,7 (3,5-3,9) ml/kg/min. Em estudos clínicos controlados, o clearance plasmático mostrou-se diminuído em pacientes geriátricos e em pacientes com deficiências renais. No entanto, na maioria dos estudos não foram alcançados os limites de significação estatística. Em pacientes com doença hepática, a média da meia-vida de eliminação prolonga-se em 30 minutos e a média do clearance plasmático é reduzida em 1 ml/kg/min. Quando o brometo de rocurônio é administrado como infusão contínua para facilitar a ventilação mecânica por 20 horas ou mais, a média da meia-vida de eliminação e a média do volume aparente de distribuição no estado de equilíbrio dinâmico são aumentadas. Em estudos clínicos controlados foi encontrada uma grande variabilidade entre os pacientes, relacionada à natureza e à extensão da falência (múltipla) de órgãos e a características individuais do paciente. Em pacientes com falência múltipla de órgãos foram encontrados uma meia-vida média (± DP) de eliminação de 21,5 (± 3,3) horas, um volume aparente de distribuição de 1,5 (± 0,8) l/kg no estado de equilíbrio dinâmico e um clearance plasmático de 2,1 (± 0,8) ml/kg/min. O brometo de rocurônio é excretado na urina e na bile. A excreção na urina é de cerca de 40% dentro de 12-24 horas. Após a injeção de uma dose de brometo de rocurônio marcado com radioatividade, a excreção do composto radioativo é, em média, de 47% na urina e 43% nas fezes após 9 dias. Aproximadamente 50% são recuperados inalterados.

 

Dados de estudos pré-clínicos — Não há nenhum modelo animal apropriado para estudar as situações extremamente complexas de um paciente na unidade de terapia intensiva. Assim, a segurança do uso de ESMERON na facilitação da ventilação mecânica na unidade de terapia intensiva baseia-se principalmente nos resultados obtidos em estudos clínicos.

 

Indicações — ESMERON é indicado como adjuvante à anestesia geral para facilitar a intubação endotraqueal em procedimentos de rotina e de indução de seqüência rápida de anestesia, e para relaxar a musculatura esquelética durante as intervenções cirúrgicas. ESMERON também é indicado como adjuvante na unidade de terapia intensiva (UTI) para facilitar a intubação endotraqueal e a ventilação mecânica.

 

Contra-indicações — ESMERONé contra-indicado a pacientes que tenham manifestado alergia ao rocurônio, ao íon brometo ou a qualquer um de seus componentes.

 

Precauções — Uma vez que ESMERON provoca paralisia da musculatura respiratória, pacientes tratados com este medicamento devem receber ventilação mecânica até que haja restauração adequada da respiração espontânea. Assim como ocorre com todos os bloqueadores neuromusculares, é importante antecipar-se a dificuldades na intubação, particularmente quando se utiliza a técnica de indução de seqüência rápida de anestesia. Após a administração de agentes bloqueadores neuromusculares podem ocorrer reações anafiláticas, por isso sempre devem ser tomadas precauções para tratar tais reações. Uma vez que foram relatadas reações alérgicas cruzadas a agentes bloqueadores neuromusculares, no caso de reações anafiláticas prévias devem ser tomadas precauções especiais. Níveis de dose de brometo de rocurônio superiores a 0,9 mg/kg de peso corporal podem aumentar a freqüência cardíaca; este efeito pode antagonizar a bradicardia produzida por outros agentes anestésicos ou por estimulação vagal. Em geral, após o uso em longo prazo dos relaxantes musculares na UTI, tem sido observada uma paralisia prolongada e/ou fraqueza dos músculos esqueléticos. Para auxiliar a excluir um possível prolongamento do bloqueio neuromuscular e/ou superdosagem, recomenda-se enfaticamente que a transmissão neuromuscular seja monitorada durante o uso dos relaxantes musculares. Além disso, os pacientes devem receber analgesia e sedação adequadas. Adicionalmente, os relaxantes musculares devem ser ajustados individualmente para cada paciente de acordo com o efeito, por médicos experientes que estejam familiarizados com suas ações e técnicas de monitoração neuromuscular apropriadas ou sob sua supervisão. Uma vez que ESMERON é sempre utilizado com outros agentes, e devido à possibilidade de ocorrência de hipertermia maligna durante a anestesia, mesmo na ausência de agentes sabidamente indutores, antes do início de qualquer anestesia os médicos devem estar familiarizados com os sinais iniciais, com o diagnóstico confirmatório e com o tratamento da hipertermia maligna. Em estudos com animais, ESMERON demonstrou não ser um agente indutor de hipertermia maligna. As condições descritas a seguir podem influenciar a farmacocinética e/ou a farmacodinâmica de ESMERON. Doença hepática e/ou do trato biliar e insuficiência renal: ESMERON deve ser usado com cuidado em pacientes com doença hepática e/ou biliar e/ou insuficiência renal clinicamente significativas, pois o rocurônio é excretado na urina e na bile. Neste grupo de pacientes foi observado prolongamento da ação com doses de 0,6 mg de brometo de rocurônio por kg de peso corpóreo. Tempo de circulação prolongado: Condições associadas a tempo de circulação prolongado, tais como doença cardiovascular, idade avançada e estado edematoso levando a um aumento do volume de distribuição, podem contribuir para um início de ação mais lento. Doença neuromuscular: Assim como outros agentes bloqueadores neuromusculares, ESMERON deve ser utilizado com extremo cuidado em pacientes com doença neuromuscular ou após poliomielite, pois a resposta a agentes bloqueadores neuromusculares pode ser consideravelmente alterada nestes casos. A magnitude e a direção desta alteração podem variar muito. Em pacientes com miastenia grave ou com síndrome miastênica (Eaton-Lambert), pequenas doses de ESMERON podem ter efeitos acentuados, por isso nestes pacientes ESMERON deve ser ajustado individualmente, de acordo com o efeito, até se obter a resposta desejada. Hipotermia: Em cirurgias sob condições hipotérmicas, o efeito bloqueador neuromuscular de ESMERON é aumentado e sua duração prolongada. Obesidade: Assim como outros agentes bloqueadores neuromusculares, ESMERON pode apresentar um prolongamento na duração e na recuperação espontânea em pacientes obesos quando administrado em doses calculadas com base no peso corporal ideal. Queimaduras: Pacientes com queimaduras sabidamente desenvolvem resistência a agentes bloqueadores neuromusculares não-despolarizantes. Recomenda-se que a dose seja ajustada à resposta. Condições que podem aumentar os efeitos de ESMERON: Hipocalemia (p. ex., após vômito e diarréia graves e terapia diurética), hipermagnesemia, hipocalcemia (após transfusões maciças), hipoproteinemia, desidratação, acidose, hipercapnia e caquexia. Distúrbios eletrolíticos graves, alteração do pH sangüíneo ou desidratação devem ser corrigidos quando possível.

 

Gravidez e lactação — Não há dados disponíveis sobre o uso de ESMERON durante a gravidez humana para se avaliar potenciais danos ao feto. Até o momento não há evidências de efeitos prejudiciais em estudos animais. ESMERON deve ser administrado a pacientes gestantes somente quando o médico julgar que os benefícios superam os potenciais riscos. ESMERON pode ser utilizado como parte da técnica de indução de seqüência rápida de anestesia em pacientes submetidas à cesariana, desde que não se preveja nenhuma dificuldade de intubação e seja administrada uma dose suficiente de agente anestésico, ou após intubação facilitada por succinilcolina. ESMERON, quando administrado em doses de 0,6 mg/kg de peso, mostrou-se seguro em parturientes submetidas à cesariana. ESMERON não afeta o escore de Apgar, o tônus muscular fetal nem a adaptação cardiorrespiratória. Amostras de sangue do cordão umbilical evidenciam que a transferência placentária de brometo de rocurônio é limitada e não leva à observação de efeitos clínicos adversos no recém-nascido. Nota: Doses de 1,0 mg/kg foram investigadas durante a indução de seqüência rápida de anestesia, mas não em pacientes de cesariana. A reversão do bloqueio neuromuscular induzido por agentes bloqueadores neuromusculares pode ser inibida ou insatisfatória em pacientes recebendo sais de magnésio para toxemia da gravidez, porque sais de magnésio potencializam o bloqueio neuromuscular. Desta forma, nessas pacientes a dose de ESMERON deve ser reduzida e ajustada cuidadosamente pela monitoração de seus efeitos. Foram encontrados níveis insignificantes de brometo de rocurônio no leite de ratas que amamentavam. Não há dados sobre o uso de ESMERON durante a lactação em humanos. ESMERON só deve ser administrado a mulheres que amamentam quando os benefícios para a paciente suplantarem o risco potencial para o lactante.

 

Efeitos sobre a habilidade de dirigir e utilizar máquinas — Não se recomenda o uso de máquinas potencialmente perigosas, nem a direção de automóveis, dentro de um período de 24 horas após a completa recuperação da ação bloqueadora neuromuscular de ESMERON.

 

Interações medicamentosas — Foi demonstrado que as drogas a seguir descritas influenciam a magnitude e/ou a duração da ação de agentes bloqueadores neuromusculares não-despolarizantes. Aumento do efeito: Anestésicos voláteis halogenados e éter. Altas doses de tiopental, meto-hexital, cetamina, fentanil, gama-hidroxibutirato, etomidato e propofol. Outros agentes bloqueadores neuromusculares não-despolarizantes. Administração prévia de succinilcolina. Outros fármacos: antibióticos: aminoglicosídeos e polipeptídios, lincosamida, tetraciclina, acilaminopenicilínicos, altas doses de metronidazol; diuréticos: tiamina, agentes inibidores da MAO, quinidina, protamina, agentes bloqueadores alfa-adrenérgicos, sais de magnésio, agentes bloqueadores dos canais de cálcio e sais de lítio. Diminuição do efeito: Neostigmina, edrofônio, piridostigmina, derivados da aminopiridina; administração prévia crônica de corticosteróides, fenitoína ou carbamazepina; noradrenalina, azatioprina (somente um efeito transitório e limitado), teofilina, cloreto de cálcio e de potássio.

 

Reações adversas — Reações anafiláticas: Embora muito raras, foram relatadas reações anafiláticas graves a agentes bloqueadores neuromusculares, incluindo ESMERON. Em alguns casos essas reações foram fatais. Devido à possível gravidade destas reações, deve-se sempre supor que elas podem ocorrer e tomar as precauções necessárias. Liberação de histamina e reações histaminóides: Uma vez que os agentes bloqueadores neuromusculares são sabidamente capazes de induzir a liberação de histamina, tanto local quanto sistemicamente, a possibilidade de ocorrência de reações pruriginosas e eritematosas no local da injeção e/ou reações histamínicas (anafilóides) generalizadas, tais como broncoespasmo e alterações cardiovasculares (p. ex., hipertensão e taquicardia), deve ser sempre levada em consideração quando se administram tais drogas. Em estudos clínicos foram observados apenas pequenos aumentos nos níveis plasmáticos médios de histamina após a administração rápida em bolo de doses de 0,3 a 0,9 mg de brometo de rocurônio por kg de peso. Reações no local da injeção: Durante indução de seqüência rápida de anestesia foi relatada dor à injeção, especialmente quando o paciente não havia perdido completamente a consciência, e particularmente quando o propofol foi usado como agente de indução. Em estudos clínicos foi observada dor à injeção em16% dos pacientes submetidos à indução de seqüência rápida de anestesia com propofol, e em menos de 0,5% dos pacientes submetidos à indução de seqüência rápida de anestesia com fentanil e tiopental.

 

Posologia — Assim como outros agentes bloqueadores neuromusculares, a dose de ESMERON deve ser individualizada para cada paciente. Para definir a dose, deve-se levar em consideração o tipo de anestesia utilizada, a duração prevista da cirurgia e da ventilação mecânica, o método de sedação empregado, a possível interação com outros medicamentos administrados antes e/ou durante a anestesia e o estado do paciente. Recomenda-se o emprego de uma técnica adequada para controlar o bloqueio neuromuscular e a sua recuperação. Os anestésicos inalatórios potencializam o efeito do bloqueio neuromuscular de ESMERON. No entanto, esta potencialização torna-se clinicamente relevante durante a anestesia quando os agentes voláteis alcançam as concentrações tissulares requeridas para a referida interação. Conseqüentemente, durante procedimentos mais prolongados (tempo superior a 1 hora) sob anestesia inalatória (ver Interações medicamentosas), os ajustes de dose de ESMERON devem ser feitos pela administração de doses de manutenção menores em intervalos menos freqüentes, ou pelo uso de doses de infusão mais baixas de ESMERON. As doses apresentadas a seguir podem servir de diretriz para intubação endotraqueal e relaxamento muscular em procedimentos cirúrgicos de curta a longa duração e para uso na unidade de terapia intensiva em adultos. Procedimentos cirúrgicos: Intubação endotraqueal: A dose padrão para intubação durante anestesia de rotina é de 0,6 mg/kg de peso de brometo de rocurônio. Com tal dose são obtidas condições adequadas de intubação dentro de 60 segundos em quase todos os pacientes. Recomenda-se uma dose de 1,0 mg/kg de peso de brometo de rocurônio para facilitar as condições de intubação endotraqueal durante indução de seqüência rápida de anestesia. Com tal dose também são obtidas condições adequadas de intubação dentro de 60 segundos em quase todos os pacientes. Se for utilizada uma dose de 0,6 mg/kg de peso de brometo de rocurônio para indução de seqüência rápida de anestesia, recomenda-se intubar o paciente 90 segundos após a administração do brometo de rocurônio. Em pacientes submetidas à cesariana, recomenda-se usar apenas uma dose de 0,6 mg/kg de peso de brometo de rocurônio, uma vez que a dose de 1,0 mg/kg de peso não foi investigada nesse grupo de pacientes. Dose de manutenção: A dose de brometo de rocurônio recomendada para manutenção é de 0,15 mg/kg de peso corporal. Em caso de anestesia inalatória de longa duração, a dose de brometo de rocurônio deve ser reduzida para 0,075-0,1 mg/kg de peso corporal. As doses de manutenção devem ser administradas preferencialmente quando a transmissão neuromuscular tenha se recuperado em 25%, ou quando houver 2 a 3 contrações em resposta a um estímulo TOF. Infusão contínua: Caso ESMERON seja administrado por infusão contínua, a dose inicial recomendada é de 0,6 mg/kg de peso corporal de brometo de rocurônio, iniciando-se a administração por infusão após o início da recuperação do bloqueio neuromuscular. A taxa de infusão deve ser ajustada de modo a manter uma resposta da transmissão neuromuscular de 10% do controle do tamanho da contração ou manter 1 a 2 contrações em resposta a um estímulo TOF. Em adultos sob anestesia intravenosa, a taxa de infusão requerida para manter o bloqueio neuromuscular a este nível está entre 0,3-0,6 mg/kg/hora, e sob anestesia inalatória a taxa de infusão varia entre 0,3-0,4 mg/kg/hora. É essencial o controle contínuo do bloqueio neuromuscular, uma vez que os requisitos da taxa de infusão variam de um paciente para outro e com o tipo de anestesia utilizada. Doses na pediatria: Crianças (1-14 anos) e lactentes (1-12 meses) sob anestesia com halotano apresentam sensibilidade a ESMERON semelhante a dos adultos. O início de ação é mais rápido em lactentes e crianças do que em adultos. A duração clínica é mais curta em crianças do que em adultos. Até o momento não há dados disponíveis para sustentar o uso de ESMERON em neonatos (0-1 mês). Doses em pacientes geriátricos e pacientes com alterações hepáticas e/ou das vias biliares e/ou insuficiência renal: A dose padrão para intubação de pacientes geriátricos e pacientes com alterações hepáticas e/ou das vias biliares e/ou insuficiência renal durante anestesia de rotina é de 0,6 mg/kg de peso corporal de brometo de rocurônio. Deve-se considerar uma dose de 0,6 mg/kg para indução de seqüência rápida de anestesia nos pacientes em que se espera um prolongamento da ação. Independentemente da técnica anestésica aplicada, recomenda-se para tais pacientes uma dose de manutenção de brometo de rocurônio de 0,075-0,1 mg/kg de peso corporal, com uma velocidade de infusão de 0,3-0,4 mg/kg/hora (ver Infusão contínua).  Doses em pacientes obesos e com excesso de peso: Ao utilizar ESMERON em pacientes com excesso de peso ou obesos (definidos como pacientes com peso corporal superior a 30% ou mais em relação ao peso corporal ideal), as doses devem ser reduzidas em função do peso corporal ideal. Procedimentos na unidade de terapia intensiva: Intubação endotraqueal: Para intubação endotraqueal deve-se usar as mesmas doses recomendadas para procedimentos cirúrgicos. Facilitação da ventilação mecânica: Recomenda-se o uso de uma dose inicial de 0,6 mg/kg de peso de brometo de rocurônio, seguida por uma infusão contínua assim que haja recuperação de 10% ao estímulo ou 1 a 2 contrações em resposta a um estímulo TOF. As doses devem ser sempre ajustadas para cada paciente. Em adultos, para manter o bloqueio neuromuscular em 80%-90% (1 a 2 contrações em resposta a um estímulo TOF), recomenda-se uma velocidade inicial de infusão de 0,3-0,6 mg/kg/hora durante a primeira hora de administração, a qual deverá ser reduzida, de acordo com a resposta individual, durante as próximas 6-12 horas. A partir daí, os requisitos individuais de dose permanecem relativamente constantes. Em estudos clínicos controlados foi encontrada uma grande variabilidade entre os pacientes nas velocidades horárias de infusão, com a velocidade média de infusão horária variando de 0,2-0,5 mg/kg/hora, dependendo da natureza e extensão da falência de órgãos, medicação concomitante e características individuais dos pacientes. Recomenda-se enfaticamente a monitoração da transmissão neuromuscular para se obter ótimo controle individual do paciente. Foi investigada a administração por até 7 dias. Até o presente momento não há dados que justifiquem recomendações de dose para facilitar a ventilação mecânica em pacientes pediátricos e geriátricos.

 

Administração — Uma vez que ESMERON não contém conservantes, os frascos devem ser abertos imediatamente antes da administração. ESMERON deve ser administrado por via intravenosa, tanto por injeção em bolo quanto por infusão contínua. Em estudos de compatibilidade, ESMERON, em concentrações nominais de 0,5 mg/ml e 2,0 mg/ml, demonstrou ser compatível com as seguintes soluções de infusão: NaCI a 0,9%; glicose a 5%; soro glicofisiológico (glicose a 5% em soro fisiológico); água para injeção; solução de Ringer-lactato; Haemacel. A administração deve ser feita imediatamente após a mistura, devendo se completar dentro das 24 horas seguintes. As soluções não-utilizadas devem ser descartadas. ESMERON pode ser injetado em uma linha de infusão contínua contendo soluções intravenosas dos seguintes fármacos: adrenalina, alcurônio, alfentanil, aminofilina, atracúrio, atropina, ceftazidima, cefuroxima, cimetidina, clemastina, clindamicina, clometiazol, clonazepam, clonidina, danaparóide, dobutamina, dopamina, droperidol, efedrina, ergotamina, esmolol, etomidato, fentanil, flucitosina, galamina, gentamicina, glicose a 40%, brometo de glicopirrônio, heparina, isoprenalina, cetamina, labetalol, lidocaína, manitol a 20%, metoclopramida, metoprolol, metronidazol, midazolam, milrinona, morfina, nifedipina, nimodipina, nitroglicerina, noradrenalina, oxitocina, pancurônio, petidina, pipecurônio, cloreto de potássio, prometazina, propranolol, ranitidina, salbutamol, carbonato hidrogenado de sódio, nitroprussiato, sulfentanil, cloreto de succinilcolina, vecurônio e verapamil, assim como Geloplasma e Thalamonal. Foi documentada incompatibilidade física de ESMERON quando adicionado a soluções que contêm os seguintes fármacos: anfotericina, amoxicilina, azatioprina, cefazolina, cloxacilina, dexametasona, diazepam, enoximona, eritromicina, famotidina, furosemida, succinato sódico de hidrocortisona, insulina, meto-hexital, metilprednisolona, succinato sódico de prednisolona, tiopental, trimetoprima e vancomicina. ESMERON é incompatível com intralipídio. Não se recomenda que ESMERON seja misturado a outras soluções ou fármacos na mesma seringa ou frasco, exceto àquelas já citadas anteriormente como compatíveis. Se ESMERON for administrado na mesma via de infusão utilizada para outros fármacos, é importante que a linha seja lavada adequadamente (p. ex., com cloreto de sódio a 0,9%) entre a administração de ESMERON e dos fármacos para os quais foi demonstrada incompatibilidade ou cuja compatibilidade ainda não tenha sido estabelecida (ver itens anteriores sobre compatibilidade e incompatibilidade).

 

Superdosagem — Em caso de superdosagem e prolongamento do bloqueio neuromuscular, o paciente deve continuar a receber suporte ventilatório e sedação. Deve-se administrar um inibidor da acetilcolinesterase (p. ex., neostigmina, edrofônio, piridostigmina) em doses adequadas, até que se inicie a recuperação espontânea. Quando a administração de agentes inibidores da acetilcolinesterase não reverter os efeitos neuromusculares de ESMERON, deve-se continuar com a ventilação até que a respiração espontânea seja restaurada. A administração de doses repetidas de inibidores da acetilcolinesterase pode ser perigosa. Em estudos com animais, a depressão severa da função cardiovascular, eventualmente levando a colapso cardíaco, não ocorreu até a administração de uma dose cumulativa de 750 vezes a DE90 (135 mg/kg de peso).

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Uso restrito a hospitais.

 

Fabricado por: N.V. Organon — Holanda.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0096.

 

Embalado e distribuído por:

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 ESTANDRON P (Organon do Brasil). Benzoato de estradiol, fenilpropionato de estradiol, propionato de testosterona, fenilpropionato de testosterona, isocaproato de testosterona. Menopausa. Cart. com 1 amp. de 1 ml.

 

 

 

 

EXLUTON (Organon do Brasil).

 

Linestrenol

 

Composição

Cada comprimido contém: Linestrenol  0,5 mg. Excipiente (amido, amilopectina, estearato de magnésio e lactose) q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicação

Anticoncepcional oral.

 

Contra-indicações

 Gravidez; hepatopatia grave ou história dessa condição com testes de função hepática alterados; icterícia colestática; história de icterícia gravídica ou icterícia devidas ao uso de esteróides; síndrome de Dubin-Johnson; sangramento vaginal não diagnosticado; história de gravidez tubária ou salpingite; história de prurido intenso ou herpes durante a gravidez ou durante uso prévio de esteróides.

 

Reações adversas

Os seguintes efeitos colaterais têm sido associados com a terapia progestagênica: Trato geniturinário: Sangramento intermenstrual, amenorréia pós-pílula, alteração no muco cervical, certas infecções vaginais como candidíase. Mamas: Sensibilidade. Trato gastrintestinal: Náusea, vômito, colelitíase, icterícia colestática. Pele: Cloasma, erupção cutânea. SNC: Cefaléia, enxaqueca, alterações de humor. Outros:Retenção de líquidos, redução da tolerância à glicose, alterações do peso corpóreo.

 

Posologia

A administração da primeira cartela deve ser iniciada no primeiro dia da menstruação.  Isso se aplica  também nos casos de mudança de outro anticoncepcional oral para EXLUTON. Os comprimidos devem ser administrados diariamente, durante 28 dias, sem interrupção, sempre na mesma hora do dia. Se o intervalo entre a administração de 2 comprimidos for maior que 27 horas, a eficácia anticoncepcional pode ser afetada seriamente. As cartelas subseqüentes devem ser iniciadas continuamente, sem qualquer intervalo entre os comprimidos. A administração após o parto pode ser iniciada no primeiro dia da menstruação espontânea.  Se for necessário iniciar antes, por exemplo, imediatamente após o parto, serão necessárias precauções anticoncepcionais adicionais durante os primeiros 14 dias de administração. Após aborto espontâneo ou provocado, a administração deve ser iniciada imediatamente. Nesse caso, nenhuma precaução adicional será necessária.

 

Apresentação

Embalagem com 28 comprimidos de 0,5 mg.

 

 

 

 

Fludilat®

 

Fumarato de benciclano

 

 

Composição — Cada comprimido contém: Fumarato de benciclano 100 mg.

 

Indicações — Distúrbios circulatórios cerebrais e periféricos. Doenças em que coexiste redução da circulação cerebral: esclerose cerebral acompanhada de vertigens, cefaléias, zumbido, alterações do sono, diminuição da capacidade psíquica, falta de memória, estados apopléticos. Distúrbios circulatórios das extremidades devido à arteriosclerose, como: sensação unilateral de frio, cãibras noturnas das panturrilhas, parestesias, claudicação intermitente, dores em repouso, alterações tróficas. Angiopatias diabéticas. Úlcera crural. Distúrbios circulatórios funcionais como doença de Raynaud e acrocianose.

 

Contra-indicações — Insuficiência hepática ou renal grave e insuficiência cardíaca descompensada. Bloqueio A-V de qualquer grau. Fase aguda do infarto do miocárdio e apoplexia (durante os 3 primeiros dias).

 

Posologia — 1 comprimido, 3 vezes ao dia. Em casos graves, 1 comprimido, 4 vezes ao dia.

 

Reações adversas — Ocasionalmente têm sido relatados efeitos sobre o trato gastrointestinal com sensação de plenitude, dores gástricas e náusea. A natureza leve de tais efeitos raramente obriga à interrupção do tratamento. Em casos de superdosagem ou em pacientes hipersensíveis, casos isolados de inquietação, hiperexcitabilidade, tremor das mãos e alterações do sono têm sido observados. Esses efeitos, provavelmente, estão correlacionados à ação anestésica local e ao efeito inibidor da serotonina de FLUDILAT.  A maioria dessas manifestações desaparece espontaneamente quando a dose é reduzida a 300 mg diários ou menos. Os efeitos colaterais podem surgir mais freqüentemente em pacientes com peso abaixo do normal.

 

Apresentação — Embalagem com 24 comprimidos.

 

Registro no M.S. 1.0171.0015.

 

ORGANON do Brasil Ind. e Com. Ltda.

 

 

 FLUDILAT RETARD (Organon do Brasil). Fumarato de benciclano. Vasodilatador cerebral e periférico. Cart. com 24 comp. de 200 mg.

 

 

 

 

 

Gracial®

 

Desogestrel

Etinilestradiol

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Comprimidos: Cartucho com 22 comprimidos.

 

Composição — Cada blister de GRACIAL contém 7 comprimidos azuis e 15 comprimidos brancos. Cada comprimido azul contém: Desogestrel 25 mcg; Etinilestradiol 40 mcg; Excipientes (amido, povidona, ácido esteárico, estearato de magnésio, dióxido de silício, alfa-tocoferol, indigotina e lactose) q.s.p. 1 comprimido. Cada comprimido branco contém: Desogestrel 125 mcg; Etinilestradiol 30 mcg; Excipientes (amido, povidona, ácido esteárico, estearato de magnésio, dióxido de silício, alfa-tocoferol e lactose) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações à paciente — Cuidados de armazenamento e data de validade: GRACIAL deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da luz e da umidade. Nº do lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado. Ação esperada do medicamento: GRACIAL Comprimidos é uma moderna 'pílula anticoncepcional', para uso oral, que apresenta baixa dosagem de princípios ativos. São eles o desogestrel e o etinilestradiol. Gravidez: Toda pílula anticoncepcional só deverá ser utilizada com orientação contínua do médico, por isso, antes de iniciar o tratamento, a paciente deve ser submetida a exames ginecológicos e principalmente excluída a existência de gravidez. Cuidados de administração: Para usar GRACIAL e obter o máximo de eficácia, ler atentamente as instruções indicadas a seguir: O 1º dia do ciclo corresponde ao 1º dia de menstruação. Tomar 1 comprimido (inteiro) por dia, durante 22 dias seguidos — seguir as setas indicadas na cartela — sempre no mesmo horário, por exemplo, na hora do café ou na hora do jantar. Se esquecer de tomar 1 comprimido, o mesmo deve ser tomado na mesma hora que perceber o esquecimento, desde que não tenha ultrapassado 12 horas do horário escolhido para fazer o tratamento. Se esse período for maior do que 12 horas, esperar até a hora habitual e tomar os 2 comprimidos juntos (o 'esquecido' e o do dia normal) — nesse caso, tomar precauções adicionais para evitar a gravidez durante 7 dias seguidos ou até ocorrer a próxima menstruação. Interrupção do tratamento: Suspendendo o uso de GRACIAL, a função dos ovários é recuperada e conseqüentemente existe risco de engravidar. Como usar GRACIAL: Se durante o ciclo anterior não usou nenhuma pílula anticoncepcional ou se usou e quer trocar por GRACIAL: esperar o início da menstruação. No 1º dia da menstruação tomar o 1º comprimido de GRACIAL (ver marca na cartela do dia da semana correspondente ao 1º comprimido). Seguir a direção das setas e continuar a tomar 1 comprimido por dia, durante 22 dias seguidos, até a cartela ficar vazia. Fazer pausa de 6 dias. No 7º dia, começar outra cartela de GRACIAL, mesmo que a menstruação não tenha terminado. Observar que o esquema de 22 dias possibilita que o começo, o término e o recomeço da cartela aconteçam no mesmo dia da semana. Se iniciar o tratamento após o dia recomendado ou no período pós-parto, tomar precauções adicionais para evitar a gravidez durante os primeiros 7 dias de uso de GRACIAL (uso de camisinha, por exemplo). Se a menstruação já começou há mais de 5 dias, esperar até a próxima menstruação para iniciar o tratamento. Precauções e advertências: O uso de anticoncepcionais orais pode diminuir a tolerância da glicose, portanto, se você está usando insulina ou outros medicamentos antidiabéticos avise o seu médico. Os anticoncepcionais orais contendo estrogênio/progestagênio podem afetar a qualidade e reduzir a quantidade de leite materno. Pequenas quantidades dessas substâncias podem ser eliminadas através do leite materno. O uso de cigarros aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Esse risco aumenta com a idade e a quantidade de cigarros/dia, portanto, as pacientes que utilizam anticoncepcionais orais devem ser orientadas a parar de fumar. A paciente deve informar ao médico qualquer alteração desagradável durante o uso de GRACIAL, principalmente se essas alterações surgirem com o uso de outros medicamentos. Confiabilidade reduzida: A confiabilidade de anticoncepcionais orais pode ser reduzida quando: os comprimidos não forem tomados de acordo com as instruções de uso; ocorrerem problemas gastrintestinais com vômitos e/ou diarréia até 4 horas depois de tomado o comprimido; forem utilizados outros medicamentos em conjunto, tais como: antibióticos, barbitúricos, anticonvulsivantes e, possivelmente, produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort).

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — GRACIAL é um anticoncepcional oral bifásico que contém, como substâncias ativas, o estrogênio etinilestradiol e o progestagênio desogestrel. Os estudos clínicos revelaram que os anticoncepcionais orais contendo etinilestradiol e desogestrel não provocam efeitos metabólicos indesejáveis atribuídos à atividade androgênica de alguns progestagênios utilizados em anticoncepcionais orais. Quando administrado de acordo com o esquema posológico recomendado, GRACIAL suprime a função gonadal hipofisária e, conseqüentemente, a ovulação. Além disso, GRACIAL induz um sangramento uterino regular com quantidade e duração semelhantes à menstruação normal. Esse sangramento é indolor e normalmente inicia 2 ou 3 dias após a ingestão do último comprimido. Ensaios clínicos realizados com GRACIAL demonstraram baixíssimo índice de gravidez, bom controle do ciclo, baixa incidência de efeitos colaterais e, como resultado, reduzido índice de descontinuidade.

 

Indicação — Como anticoncepcional oral. Indicação terapêutica complementar: Tratamento da acne leve e moderada.

 

Contra-indicações — GRACIAL é contra-indicado: durante a gravidez; distúrbios cardiovasculares ou cerebrovasculares, por exemplo, tromboflebites, processos tromboembólicos, ou antecedentes dessas condições; hipertensão grave; distúrbios hepáticos importantes ou antecedentes dessas condições, caso os resultados dos testes de função hepática não tenham retornado ao normal, icterícia colestática, antecedentes de icterícia na gravidez ou durante o uso de esteróides; síndromes de Rotor e de Dubin-Johnson; presença ou suspeita de tumores estrogênio-dependentes; hiperplasia endometrial; sangramento vaginal sem diagnóstico; porfiria; hiperlipoproteinemia, especialmente em presença de outros fatores de risco que predisponham a doenças cardiovasculares; um histórico de prurido intenso ou herpes gestacional durante a gravidez, ou com uso prévio de esteróides.

 

Precauções e advertências — Se ocorrerem quaisquer sinais de processos tromboembólicos, o tratamento deverá ser interrompido imediatamente. O tabagismo aumenta o risco de doenças vasculares e esse risco é acentuado com a idade. Além disso, é provavelmente um pouco maior nas usuárias de anticoncepcionais orais contendo estrogênios em relação às não-usuárias. Sendo assim, as mulheres com idades acima de 35 anos devem ser orientadas a parar de fumar caso queiram utilizar esses produtos. Nas pacientes fazendo uso de medicamentos contendo estrogênios, o risco de trombose venosa profunda pode aumentar temporariamente ao serem submetidas à cirurgia de grande porte ou imobilização prolongada. Na presença de veias varicosas importantes, os benefícios dos medicamentos com estrogênios deverão ser avaliados contra os possíveis riscos. O tratamento deverá ser interrompido caso os resultados dos testes de função hepática se tornem anormais. Muito raramente têm sido descritos adenomas de células hepáticas em usuárias de anticoncepcionais orais. O adenoma pode se apresentar como uma massa abdominal e/ou com sinais e sintomas de dor abdominal aguda. Caso a paciente apresente dor abdominal ou sinais de sangramento intra-abdominal, deve-se considerar a presença de adenoma celular hepático hemorrágico. Ocasionalmente, verifica-se cloasma durante o uso de medicamentos contendo estrogênio e/ou progestagênio, especialmente em mulheres com antecedentes de cloasma gravídico. As mulheres com tendência a cloasma devem evitar exposição ao sol durante o tratamento com esses medicamentos. Durante o uso de anticoncepcionais contendo estrogênios, poderá ocasionalmente ocorrer depressão. Caso isso se acompanhe de distúrbio no metabolismo do triptofano, a administração de vitamina B6 poderá ter valor terapêutico. O uso de esteróides pode influenciar os resultados de determinados testes laboratoriais. Recomendam-se exames médicos periódicos durante o tratamento prolongado com medicamentos contendo estrogênios e/ou progestagênios. As pacientes portadoras de qualquer das seguintes condições deverão ser monitoradas: insuficiência cardíaca latente ou manifesta, disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou antecedentes dessas condições), pois pode ocorrer agravamento ou recorrência dessas doenças ou, eventualmente, podem ser induzidas; drepanocitose, pois sob certas circunstâncias como, por exemplo, durante infecção ou anoxia, os medicamentos contendo estrogênios podem induzir processos tromboembólicos em pacientes com essas condições. Doenças ginecológicas sensíveis à ação estrogênica, como, por exemplo, fibromiomas uterinos, que podem aumentar de tamanho, e endometriose, que pode se agravar durante o tratamento com estrogênio.

 

Confiabilidade reduzida — Quando GRACIAL é tomado de acordo com as instruções de uso, a ocorrência de gravidez é altamente improvável. No entanto, a confiabilidade dos anticoncepcionais orais pode ser reduzida quando: os comprimidos não são tomados de acordo com as instruções de uso, como, por exemplo, esquecimento da ingestão de um ou mais comprimidos; ocorrer distúrbios gastrintestinais com diarréia e/ou vômito dentro de até 4 horas após a ingestão do comprimido; administração concomitante de outros medicamentos (ver Interações medicamentosas). Se não ocorrer sangramento de privação e nenhuma das circunstâncias mencionadas anteriormente estiver presente, a gravidez será altamente improvável e o uso de anticoncepcional oral pode ser continuado. Se, no entanto, qualquer uma dessas eventualidades ocorrer, deve-se interromper a ingestão dos comprimidos e excluir-se a presença de gravidez antes de retornar ao uso do anticoncepcional oral.

 

Interações medicamentosas — Sangramento irregular e confiabilidade reduzida poderão ocorrer quando os anticoncepcionais forem administrados concomitantemente com outros medicamentos como os anticonvulsivantes, barbitúricos, antibióticos (por exemplo: tetraciclina, rifampicina, etc.), determinados laxantes e, possivelmente, produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort). Em diabéticas, os anticoncepcionais orais podem diminuir a tolerância à glicose e aumentar as necessidades de insulina ou de outros medicamentos antidiabéticos. Os anticoncepcionais orais podem interferir no metabolismo oxidativo do diazepam e clordiazepóxido, provocando acumulação plasmática dos mesmos. Os estrógenos podem provocar diminuição da resposta a agentes antidepressivos tricíclicos e aumento na incidência de efeitos secundários tóxicos desses medicamentos.

 

Efeitos colaterais e reações adversas — Foram associadas ao tratamento com estrogênio e/ou progestagênio as seguintes reações: Trato geniturinário: Sangramento intermenstrual, amenorréia pós-medicação, alterações na secreção cervical, aumento no tamanho dos fibromiomas uterinos, agravamento de endometriose, certas infecções vaginais, como a candidíase. Mamas: Sensibilidade, dor, aumento, secreção. Sistema gastrintestinal: Náusea, vômito, colelitíase, icterícia colestática. Sistema cardiovascular: Tromboses, aumento da pressão arterial. Pele: Cloasma, eritema nodoso, erupção. Olhos: Desconforto da córnea, quando em uso de lentes de contato. SNC: Cefaléia, enxaqueca, alterações do humor.Diversos: Retenção de líquidos, redução da tolerância à glicose, alteração do peso corporal.

 

Posologia e modo de usar — O 1º comprimido da primeira cartela deverá ser iniciado no 1º dia da menstruação. Isso também é aplicável quando houver troca de um outro anticoncepcional oral. Um comprimido é tomado diariamente no mesmo horário, sem interrupção durante 22 dias, seguindo-se de uma pausa de 6 dias. Cada cartela seguinte será iniciada após o término dessa pausa de 6 dias. A administração após o parto deverá ser iniciada no 1º dia da primeira menstruação espontânea. Caso seja necessário iniciar antes, por exemplo, imediatamente após o parto, serão necessárias medidas anticoncepcionais adicionais durante os primeiros 7 dias de uso dos comprimidos. A administração após aborto deverá ser iniciada imediatamente. Nesse caso, não serão necessárias medidas anticoncepcionais adicionais.

 

Superdosagem — A toxicidade tanto do desogestrel como do etinilestradiol é muito baixa. Sendo assim, não se espera a ocorrência de sintomas tóxicos com GRACIAL quando, por exemplo, uma criança venha a ingerir diversos comprimidos simultaneamente. Os sintomas que podem ocorrer nesse caso incluem: náusea, vômito e, em meninas, leve sangramento vaginal. Provavelmente, não será necessário tratamento específico e, caso seja adequado, pode-se administrar tratamento de apoio a critério médico.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0082.

 

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

LIVIAL(Organon do Brasil).

 

Tibolona

 

Apresentação

Comprimidos: Cartucho com 1 ou 3 blísteres com 28 comprimidos.

 

Composição

Cada comprimido contém: Tibolona 2,5 mg; Excipientes (amido de batata, estearato de magnésio, palmitato de ascorbila, lactose) q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicações

Tratamento das queixas resultantes da menopausa natural ou cirúrgica. Prevenção da osteoporose em estados de deficiência estrogênica.

 

Contra-indicações

LIVIAL não deve ser usado na presença de qualquer das condições a seguir. Se qualquer dessas condições ocorrer durante o uso de LIVIAL, o tratamento deve ser descontinuado

imediatamente: Gravidez e lactação. Caso confirmado ou suspeito de tumores estrógeno-dependentes, especialmente câncer de mama e câncer de endométrio. Trombose venosa profunda ativa, processos tromboembólicos ou história pregressa dessas condições. Sangramento vaginal não-diagnosticado. Distúrbios hepáticos graves. Conhecida hipersensibilidade à lactose. Conhecida hipersensibilidade a qualquer componente de LIVIAL.

 

Reações adversas

Os efeitos colaterais descritos a seguir foram relatados em 16 estudos controlados com placebo, onde 1.463 mulheres receberam doses terapêuticas de tibolona e 855 mulheres receberam placebo. A duração do tratamento nesses estudos variou de 2 a 24 meses. Os efeitos colaterais seguintes ocorreram com mais freqüência durante o tratamento com a tibolona do que com o placebo e foram considerados comuns (entre 1%-10%): sangramento vaginal ou spotting, leucorréia, dor abdominal, ganho de peso, dor mamária, hipertricose, prurido genital, moniliase genital, vaginite (apresentado em ordem decrescente de freqüência). Amnésia foi incomum (entre 0,1%-1,0%). Dentre estes efeitos colaterais, sangramento vaginal ou spotting, dor abdominal e dor mamária ocorreram principalmente durante os primeiros meses de tratamento e em seguida diminuíram gradativamente. Na prática clínica, estes efeitos colaterais foram observados, assim como alguns outros como cefaléia, edema e tontura. Contudo, em estudos clínicos, estes últimos efeitos não foram encontrados com mais freqüência durante o tratamento com tibolona do que com o placebo, indicando que estes efeitos não estão relacionados com a tibolona. Foram relatados casos de hiperplasia endometrial e câncer endometrial em pacientes tratadas com tibolona, embora uma relação causal não tenha sido estabelecida.

 

Posologia

Um comprimido ao dia, por via oral, com o auxílio de algum líquido, preferivelmente sempre na mesma hora. O alívio dos sintomas geralmente ocorre dentro de poucas semanas. Contudo, resultados mais favoráveis são obtidos quando o tratamento tem duração de pelo menos 3 meses. Para a prevenção da osteoporose é necessário tratamento de longo prazo. Na dose recomendada, não há restrição quanto a duração do tratamento com LIVIAL. Não é necessária a administração de progestagênio para evitar a proliferação endometrial, conforme descrito em Propriedades farmacodinâmicas. Iniciando LIVIAL: Mulheres com menopausa natural devem iniciar o tratamento com LIVIAL pelo menos 12 meses após seu último sangramento natural. Se LIVIAL for administrado antes disso, a chance de sangramento irregular ou spotting é aumentada. Em caso de menopausa artificial (induzida química ou cirurgicamente), o tratamento com LIVIAL pode ser iniciado imediatamente. Alterando de TRH convencional: Em mulheres com útero que mudaram de uma preparação estrogênica isolada, deve ser induzido um sangramento por privação com progestagênio antes de iniciar o tratamento com LIVIAL. No caso de alterar de uma preparação TRH seqüencial, o tratamento com LIVIAL deve ser iniciado logo após o término do sangramento por privação. Se alterar de uma preparação TRH contínua combinada, o tratamento pode ser iniciado a qualquer momento. Se a razão para alterar de uma TRH convencional for o sangramento vaginal anormal, é aconselhável investigar a causa do sangramento antes de iniciar o tratamento com LIVIAL. Comprimidos esquecidos: Uma dose esquecida deve ser tomada assim que lembrada, desde que não tenha ultrapassado mais de 12 horas. Neste caso, a dose esquecida deve ser desconsiderada e a próxima dose deve ser tomada no horário normal.

 

 

 

 

Mercilon®

 

Desogestrel

Etinilestradiol

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Embalagens com 1 cartela com 21 comprimidos.

 

Composição — Cada comprimido contém: Desogestrel 150 mcg; Etinilestradiol 20 mcg; Excipiente (amido, povidona, ácido esteárico, estearato de magnésio, dióxido de silício, alfa-tocoferol, lactose) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações à paciente — Ação esperada do medicamento:Anticoncepcional. Cuidados de armazenamento e data de validade: Conservar MERCILON em temperatura ambiente (entre 15°C-30°C), protegido da luz e da umidade. Nº do lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado. A cartela de MERCILON contém 21 comprimidos e nessa cartela está marcado o dia da semana correspondente a cada comprimido. MERCILON Comprimidos é uma moderna 'pílula anticoncepcional', para uso oral, que apresenta baixa dosagem de princípios ativos. São eles o desogestrel e o etinilestradiol. Toda pílula anticoncepcional só deverá ser utilizada com orientação contínua do médico, por isso, antes de iniciar o tratamento, a paciente deve ser submetida a exames ginecológicos e principalmente excluída a existência de gravidez. Cuidados de administração: Para usar MERCILON e obter o máximo de eficácia, ler atentamente as instruções indicadas a seguir: O primeiro dia do ciclo corresponde ao primeiro dia de menstruação. Tomar 1 comprimido (inteiro) por dia, durante 21 dias seguidos — seguir as setas indicadas na cartela —, sempre no mesmo horário, por exemplo, na hora do café ou na hora do jantar. Se esquecer de tomar 1 comprimido, o mesmo deve ser tomado na mesma hora que perceber o esquecimento, desde que não tenha ultrapassado 12 horas do horário escolhido para fazer o tratamento. Se esse período for maior do que 12 horas, esperar até a hora habitual e tomar os 2 comprimidos juntos (o 'esquecido' e o do dia normal); nesse caso tomar precauções adicionais para evitar a gravidez durante 7 dias seguidos ou até ocorrer a próxima menstruação. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Cuidados na interrupção do tratamento: Suspendendo o uso de MERCILON, a função dos ovários é recuperada e conseqüentemente existe risco de engravidar. Como usar MERCILON: Se durante o ciclo anterior não usou nenhuma pílula anticoncepcional ou se usou e quer trocar por MERCILON, esperar o início da menstruação. No primeiro dia da menstruação, tomar o primeiro comprimido de MERCILON (ver marca na cartela do dia da semana correspondente ao primeiro comprimido). Seguir a direção das setas e continuar a tomar 1 comprimido por dia, durante 21 dias seguidos, até a cartela ficar vazia. Fazer pausa de 7 dias. Imediatamente após o sétimo dia, começar outra cartela de MERCILON, mesmo que a menstruação não tenha terminado. Observar que da segunda cartela em diante, sempre a primeira pílula vai coincidir com o mesmo dia da semana em que se iniciou o tratamento. Se iniciar o tratamento após o dia recomendado ou no período pós-parto, tomar precauções adicionais para evitar a gravidez durante os primeiros 7 dias de uso de MERCILON (uso de camisinha, por exemplo). Se a menstruação já começou há mais de 5 dias, esperar até a próxima menstruação para iniciar o tratamento. Precauções e advertências: O uso de anticoncepcionais orais pode diminuir a tolerância da glicose, portanto, se você está usando insulina ou outros medicamentos antidiabéticos avise o seu médico. Os anticoncepcionais orais contendo estrogênio/progestagênio podem afetar a qualidade e reduzir a quantidade de leite materno. Pequenas quantidades dessas substâncias podem ser eliminadas através do leite materno. O uso de cigarros aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Esse risco aumenta com a idade e a quantidade de cigarros/dia, portanto, as pacientes que utilizam anticoncepcionais orais devem ser orientadas a parar de fumar. A paciente deve informar ao médico qualquer alteração desagradável durante o uso de MERCILON, principalmente se essas alterações surgirem com o uso de outros medicamentos. Confiabilidade reduzida: A confiabilidade de anticoncepcionais orais pode ser reduzida quando: os comprimidos não forem tomados de acordo com as instruções de uso; ocorrerem problemas gastrintestinais como vômitos e/ou diarréia até 4 horas depois de tomado o comprimido; forem utilizados outros medicamentos em conjunto, tais como: antibióticos, barbitúricos, anticonvulsivantes e, possivelmente, produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort).

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — MERCILON é um anticoncepcional oral combinado que contém, como substâncias ativas, o estrogênio etinilestradiol e o progestagênio desogestrel. Os estudos clínicos revelam que os anticoncepcionais orais contendo etinilestradiol e desogestrel não provocam efeitos metabólicos indesejáveis atribuídos à atividade androgênica de alguns progestagênios utilizados em anticoncepcionais orais. Quando administrado de acordo com esquema posológico recomendado, MERCILON suprime a função gonodal hipofisária e, conseqüentemente, a ovulação. Além disso, MERCILON induz um sangramento uterino regular com quantidade e duração semelhantes à menstruação normal. Esse sangramento é indolor e normalmente inicia 2 ou 3 dias após a ingestão do último comprimido. Ensaios clínicos realizados com MERCILON demonstraram baixíssimo índice de gravidez, bom controle do ciclo, baixa incidência de efeitos colaterais e, como resultado, reduzido índice de descontinuidade.

 

Indicação — Como anticoncepcional oral.

 

Contra-indicações — MERCILON é contra-indicado durante a gravidez. Distúrbios cardiovasculares ou cerebrovasculares, por exemplo, tromboflebites, processos tromboembólicos ou antecedentes dessas condições. Hipertensão grave. Distúrbios hepáticos importantes ou antecedentes dessas condições, caso os resultados dos testes de função hepática não tenham retornado ao normal; icterícia colestática; antecedentes de icterícia na gravidez ou durante o uso de esteróides. Síndromes de Rotor e de Dubin-Johnson. Presença ou suspeita de tumores estrogênio-dependentes. Hiperplasia endometrial. Sangramento vaginal sem diagnóstico. Porfiria. Hiperlipoproteinemia, especialmente em presença de outros fatores de risco que predisponham a doenças cardiovasculares. Um histórico de prurido intenso ou herpes gestacional durante a gravidez, ou com uso prévio de esteróides.

 

Precauções e advertências — Os anticoncepcionais orais contendo estrogênio/progestagênio podem afetar a qualidade e reduzir a quantidade de leite materno. Uma pequena quantidade das substâncias ativas pode ser excretada através do leite materno. Se ocorrerem quaisquer sinais de processos tromboembólicos, o tratamento deverá ser interrompido imediatamente. O tabagismo aumenta o risco de doenças vasculares e esse risco é acentuado com a idade. Além disso, é provavelmente um pouco maior nas usuárias de anticoncepcionais orais contendo estrogênios em relação às não-usuárias. Sendo assim, as mulheres com idades acima de 35 anos devem ser orientadas a parar de fumar, caso queiram utilizar esses produtos. Nas pacientes fazendo uso de medicamentos contendo estrogênios, o risco de trombose venosa profunda pode aumentar temporariamente ao serem submetidas à cirurgia de grande porte ou imobilização prolongada. Na presença de veias varicosas importantes, os benefícios dos medicamentos com estrogênios deverão ser avaliados contra os possíveis riscos. O tratamento deverá ser interrompido caso os resultados dos testes de função hepática se tornem anormais. Muito raramente têm sido descritos adenomas de células hepáticas em usuárias de anticoncepcionais orais. O adenoma pode se apresentar como uma massa abdominal e/ou com sinais e sintomas de dor abdominal aguda. Caso a paciente apresente dor abdominal ou sinais de sangramento intra-abdominal, deve-se considerar a presença de adenoma celular hepático hemorrágico. Ocasionalmente, verifica-se cloasma durante o uso de medicamentos contendo estrogênio e/ou progestagênio, especialmente em mulheres com antecedentes de cloasma gravídico. As mulheres com tendência a cloasma devem evitar exposição ao sol durante o tratamento com esses medicamentos. Durante o uso de anticoncepcionais contendo estrogênios, poderá, ocasionalmente, ocorrer depressão. Caso isso se acompanhe de distúrbios no metabolismo do triptofano, a administração de vitamina B6 poderá ter valor terapêutico. O uso de esteróides pode influenciar os resultados de determinados testes laboratoriais. Recomendam-se exames médicos periódicos durante o tratamento prolongado com medicamentos contendo estrogênios e/ou progestagênios. As pacientes portadoras de qualquer das seguintes condições deverão ser monitoradas: insuficiência cardíaca latente ou manifesta, disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou antecedentes dessas condições), pois pode ocorrer agravamento ou recorrência dessas doenças ou, eventualmente, podem ser induzidas; drepanocitose, pois sob certas circunstâncias, como, por exemplo, durante infecção ou anoxia, os medicamentos contendo estrogênios podem induzir processos tromboembólicos em pacientes com essas condições; doenças ginecológicas sensíveis à ação estrogênica, como, por exemplo, fibromiomas uterinos — que podem aumentar de tamanho, e endometriose — que pode se agravar durante o tratamento com estrogênio. Confiabilidade reduzida: Quando MERCILON é tomado de acordo com as instruções de uso, a ocorrência de gravidez é altamente improvável. No entanto, a confiabilidade dos anticoncepcionais orais pode ser reduzida quando: os comprimidos não são tomados de acordo com as instruções de uso, como, por exemplo, esquecimento da ingestão de um ou mais comprimidos; ocorrer distúrbios gastrintestinais como diarréia e/ou vômito dentro de até 4 horas após a ingestão do comprimido; administração concomitante de outros medicamentos (ver item Interações medicamentosas). Se não ocorrer sangramento de privação e nenhuma das circunstâncias mencionadas anteriormente estiver presente, a gravidez será altamente improvável e o uso de anticoncepcional oral pode ser continuado. Se, no entanto, qualquer uma dessas eventualidades ocorrer, deve-se interromper a ingestão dos comprimidos e excluir-se a presença de gravidez antes de retornar ao uso do anticoncepcional oral.

 

Interações medicamentosas — Sangramento irregular e confiabilidade reduzida poderão ocorrer quando os anticoncepcionais forem administrados concomitantemente com outros medicamentos, como anticonvulsivantes, barbitúricos, antibióticos (por exemplo, tetraciclina, rifampicina, etc.), determinados laxantes e, possivelmente, produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort). Em diabéticas, os anticoncepcionais orais podem diminuir a tolerância à glicose e aumentar as necessidades de insulina ou de outros medicamentos antidiabéticos. Os anticoncepcionais orais podem interferir no metabolismo oxidativo do diazepam e clordiazepóxido, provocando acumulação plasmática dos mesmos. Os estrógenos podem provocar diminuição da resposta a agentes antidepressivos tricíclicos e aumento na incidência de efeitos secundários tóxicos desses medicamentos.

 

Reações adversas — Foram associadas ao tratamento com estrogênio e/ou progestagênio as seguintes reações: Trato geniturinário: Sangramento intermenstrual, amenorréia pós-medicação, alterações na secreção cervical, aumento no tamanho dos fibromiomas uterinos, agravamento de endometriose, certas infecções vaginais, como candidíase. Mamas: Sensibilidade, dor, aumento, secreção. Sistema gastrintestinal: Náusea, vômito, colelitíase, icterícia colestática. Sistema cardiovascular: Tromboses, aumento da pressão arterial. Pele: Cloasma, eritema nodoso, erupção. Olhos: Desconforto da córnea quando em uso de lentes de contato. SNC: Cefaléia, enxaqueca, alterações do humor. Diversos: Retenção de líquidos, redução da tolerância à glicose, alteração do peso corporal.

 

Posologia e modo de usar — O primeiro comprimido da primeira cartela deverá ser iniciado no primeiro dia da menstruação. Isso também é aplicável quando houver troca de um outro anticoncepcional oral. Um comprimido é tomado diariamente no mesmo horário, sem interrupção durante 21 dias, seguindo-se de uma pausa de 7 dias. Cada cartela seguinte será iniciada após o término dessa pausa de 7 dias. A administração após o parto deverá ser iniciada no primeiro dia da primeira menstruação espontânea. Caso seja necessário iniciar antes, por exemplo, imediatamente após o parto, serão necessárias medidas anticoncepcionais adicionais durante os primeiros 7 dias de uso dos comprimidos. A administração após aborto deverá ser iniciada imediatamente. Nesse caso, não serão necessárias medidas anticoncepcionais adicionais.

 

Superdosagem — A toxicidade tanto do desogestrel como do etinilestradiol é muito baixa. Sendo assim, não se espera a ocorrência de sintomas tóxicos com MERCILON quando, por exemplo, uma criança venha a ingerir diversos comprimidos simultaneamente. Os sintomas que podem ocorrer nesse caso incluem: náusea, vômito e, em meninas, leve sangramento vaginal. Provavelmente não será necessário tratamento específico e, caso seja adequado, pode-se administrar tratamento de apoio, a critério médico.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0068.

 

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

Microdiol®

 

Desogestrel

Etinilestradiol

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Embalagens com 21 comprimidos.

 

Composição — Cada comprimido contém: Desogestrel 150 mcg; Etinilestradiol 30 mcg; Excipientes (amido, polividona, ácido esteárico, dióxido de silício, alfa-tocoferol, estearato de magnésio, lactose) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações à paciente — MICRODIOL é uma 'pílula anticoncepcional' para uso oral, que apresenta baixa dosagem de princípios ativos. São eles o desogestrel e o etinilestradiol. Toda pílula anticoncepcional só deverá ser utilizada com orientação contínua do médico, por isso, antes de iniciar o tratamento, a paciente deve ser submetida a exames ginecológicos e principalmente excluída a existência de gravidez. A cartela de MICRODIOL contém 21 comprimidos e nessa cartela está marcado o dia da semana correspondente a cada comprimido. Nº de lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado. MICRODIOL deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30 °C), protegido da luz e da umidade. Cuidados de administração:  Para usar MICRODIOL e obter o máximo de eficácia, ler atentamente as instruções indicadas a seguir: Tomar 1 comprimido (inteiro) por dia, durante 21 dias seguidos — seguir as setas indicadas na cartela — sempre no mesmo horário, por exemplo, na hora do café ou na hora do jantar. Se esquecer de tomar 1 comprimido, o mesmo deve ser tomado na mesma hora que perceber o esquecimento, desde que não tenha ultrapassado 12 horas do horário escolhido para fazer o tratamento. Se esse período for maior do que 12 horas, esperar até a hora habitual e tomar os 2 comprimidos juntos (o 'esquecido' e o do dia normal), nesse caso tomar precauções adicionais para evitar a gravidez durante 7 dias seguidos ou até ocorrer a próxima menstruação. Se ocorrer gravidez durante o tratamento, avisar ao médico imediatamente. Cuidados na interrupção do tratamento: Suspendendo o uso de MICRODIOL, a função dos ovários é recuperada e conseqüentemente existe risco de engravidar. Como usar MICRODIOL: Se durante o ciclo anterior não usou nenhuma pílula anticoncepcional ou se usou e quer trocar por MICRODIOL: esperar o início da menstruação. No primeiro dia da menstruação tomar o primeiro comprimido de MICRODIOL (ver marca na cartela do dia da semana correspondente ao primeiro comprimido). Seguir a direção das setas e continuar a tomar 1 comprimido por dia, durante 21 dias seguidos, até a cartela ficar vazia. Fazer pausa de 7 dias. Imediatamente após o sétimo dia, começar outra cartela de MICRODIOL, mesmo que a menstruação não tenha terminado. Observar que da segunda cartela em diante, sempre a primeira pílula vai coincidir com o mesmo dia da semana em que se iniciou o tratamento. Se iniciar o tratamento entre o 2º e o 5º dia do ciclo ou no período pós-parto, tomar precauções adicionais para evitar a gravidez durante os primeiros 7 dias de uso de MICRODIOL (uso de camisinha, por exemplo). Se a menstruação já começou há mais de 5 dias, esperar até a próxima menstruação para iniciar o tratamento. Precauções e advertências: O uso de anticoncepcionais orais pode diminuir a tolerância à glicose, portanto avisar ao médico o uso de insulina ou de outros medicamentos antidiabéticos. Os anticoncepcionais orais contendo estrogênio/progestagênio podem afetar a qualidade e reduzir a quantidade de leite materno. Pequenas quantidades dessas substâncias podem ser eliminadas através do leite materno. O uso de cigarros aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Esse risco aumenta com a idade e a quantidade de cigarros/dia, portanto, as pacientes que utilizam anticoncepcionais orais devem ser orientadas a parar de fumar. A paciente deve informar ao médico qualquer alteração desagradável durante o uso de MICRODIOL,principalmente se essas alterações surgirem com o uso de outros medicamentos. Confiabilidade reduzida: A confiabilidade de anticoncepcionais orais pode ser reduzida quando: os comprimidos não forem tomados de acordo com as instruções de uso; ocorrerem problemas gastrintestinais como vômitos e/ou diarréia até 4 horas depois de tomado o comprimido; forem utilizados outros medicamentos em conjunto, tais como: antibióticos, barbitúricos, anticonvulsivantes e, possivelmente, produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort).

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — MICRODIOL é um anticoncepcional oral combinado que contém, como substâncias ativas, o estrogênio etinilestradiol e o progestagênio desogestrel. Os estudos clínicos revelaram que os anticoncepcionais orais contendo etinilestradiol e desogestrel não provocam efeitos metabólicos considerados como de atividade androgênica, existentes em alguns outros progestagênicos utilizados em anticoncepcionais para uso oral. Quando administrado de acordo com o esquema posológico recomendado, MICRODIOL suprime a função gonodal hipofisária e, conseqüentemente, a ovulação. Além disso, MICRODIOL induz um sangramento uterino regular com quantidade e duração semelhantes à menstruação normal. Esse sangramento é indolor e normalmente inicia 2 ou 3 dias após a ingestão do último comprimido. Nos estudos clínicos, MICRODIOL demonstrou índice de gravidez bastante reduzido, bom controle do ciclo, baixa incidência de efeitos colaterais e, como resultado, reduzido índice de descontinuidade.

 

Indicação — Como anticoncepcional oral.

 

Contra-indicações — MICRODIOL é contra-indicado durante a gravidez. Distúrbios cardiovasculares ou cerebrovasculares, por exemplo: tromboflebites, processos tromboembólicos ou antecedentes dessas condições. Hipertensão grave. Distúrbios hepáticos importantes ou antecedentes dessas condições, caso os resultados dos testes de função hepática não tenham retornado ao normal; icterícia colestática; antecedentes de icterícia na gravidez ou durante o uso de esteróides. Síndromes de Rotor e de Dubin-Johnson. Presença ou suspeita de tumores estrogênio-dependentes. Hiperplasia endometrial. Sangramento vaginal sem diagnóstico. Porfiria. Hiperlipoproteinemia, especialmente em presença de outros fatores de risco que predisponham a doenças cardiovasculares. Um histórico de prurido intenso ou herpes gestacional durante a gravidez, ou com uso prévio de esteróides.

 

Precauções e advertências — Os anticoncepcionais orais contendo estrogênio/progestagênio podem afetar a qualidade e reduzir a quantidade do leite materno. Uma pequena quantidade das substâncias ativas pode ser excretada através do leite materno. Se ocorrerem quaisquer sinais de processos tromboembólicos, o tratamento deverá ser interrompido imediatamente. O tabagismo aumenta o risco de doenças vasculares e esse risco é acentuado com a idade. Além disso, esse risco é provavelmente um pouco maior nas usuárias de anticoncepcionais orais contendo estrogênios em relação às não-usuárias. Sendo assim, as mulheres com idade acima de 35 anos devem ser orientadas a parar de fumar, caso queiram utilizar esses produtos. Nas pacientes fazendo uso de medicamentos contendo estrogênios, o risco de trombose venosa profunda pode aumentar temporariamente ao serem submetidas à cirurgia de grande porte ou imobilização prolongada. Na presença de veias varicosas importantes, os benefícios dos medicamentos com estrogênios deverão ser avaliados contra os possíveis riscos. O tratamento deverá ser interrompido caso os resultados dos testes de função hepática se tornem anormais. Muito raramente têm sido descritos adenomas de células hepáticas em usuárias de anticoncepcionais orais. O adenoma pode se apresentar como uma massa abdominal e/ou com sinais e sintomas de dor abdominal aguda. Caso a paciente apresente dor abdominal ou sinais de sangramento intra-abdominal, deve-se considerar a presença de adenoma celular hepático hemorrágico. Ocasionalmente, verifica-se cloasma durante o uso de medicamentos contendo estrogênio e/ou progestagênio, especialmente em mulheres com antecedentes de cloasma gravídico. As mulheres com tendência a cloasma devem evitar exposição ao sol durante o tratamento com esses medicamentos. Durante o uso de anticoncepcionais contendo estrogênios, poderá, ocasionalmente, ocorrer depressão. Caso isso se acompanhe de distúrbio no metabolismo do triptofano, a administração de vitamina B6 poderá ter valor terapêutico. O uso de esteróides pode influenciar os resultados de determinados testes laboratoriais. Recomendam-se exames médicos periódicos durante o tratamento prolongado com medicamentos contendo estrogênios e/ou progestagênios. As pacientes portadoras de qualquer das seguintes condições deverão ser monitoradas: insuficiência cardíaca latente ou manifesta, disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou antecedentes dessas condições), pois pode ocorrer agravamento ou recorrência dessas doenças, ou eventualmente podem ser induzidas; drepanocitose, pois sob certas circunstâncias, como, por exemplo, durante infecção ou anoxia, os medicamentos contendo estrogênios podem induzir processos tromboembólicos em pacientes com essas condições; doenças ginecológicas sensíveis à ação estrogênica, como, por exemplo, fibromiomas uterinos — que podem aumentar de tamanho, e endometriose — que pode se agravar durante o tratamento com estrogênio. Confiabilidade reduzida: Quando MICRODIOL é tomado de acordo com as instruções de uso, a ocorrência de gravidez é altamente improvável. No entanto, a confiabilidade dos anticoncepcionais orais pode ser reduzida quando: os comprimidos não são tomados de acordo com as instruções de uso, como, por exemplo, esquecimento da ingestão de um ou mais comprimidos; ocorrer distúrbios gastrintestinais com diarréia e/ou vômito dentro de 4 horas após a ingestão do comprimido; administração concomitante de outros medicamentos (ver item Interações medicamentosas). Se não ocorrer sangramento de privação e nenhuma das circunstâncias mencionadas anteriormente estiver presente, a gravidez será altamente improvável e o uso de anticoncepcional oral pode ser continuado. Se, no entanto, qualquer uma dessas eventualidades ocorrer, deve-se interromper a ingestão dos comprimidos e excluir-se a presença de gravidez antes de retornar ao uso de anticoncepcional oral.

 

Interações medicamentosas — Sangramento irregular e confiabilidade reduzida poderão ocorrer quando os anticoncepcionais forem administrados concomitantemente com outros medicamentos, como os anticonvulsivantes, barbitúricos, antibióticos (por exemplo, tetraciclina, rifampicina, etc.), determinados laxantes e, possivelmente, produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort). Em diabéticas, os anticoncepcionais orais podem diminuir a tolerância à glicose e aumentar as necessidades de insulina ou outros medicamentos antidiabéticos.

 

Reações adversas — Foram associadas ao tratamento com estrogênio e/ou progestagênio as seguintes reações: Trato geniturinário: Sangramento intermenstrual, amenorréia pós-medicação, alterações na secreção cervical, aumento no tamanho dos fibromiomas uterinos, agravamento de endometriose, certas infecções vaginais, como candidíase. Mamas: Sensibilidade, dor, aumento, secreção. Sistema gastrintestinal: Náusea, vômito, colelitíase, icterícia colestática. Sistema cardiovascular: Trombose, aumento da pressão arterial. Pele: Cloasma, eritema nodoso, erupção. Olhos: Desconforto da córnea quando em uso de lentes de contato. SNC: Cefaléia, enxaqueca, alterações do humor. Diversos: Retenção de líquido, redução da tolerância à glicose, alteração do peso corporal.

 

Posologia e modo de usar — O primeiro comprimido da primeira cartela deverá ser iniciado no primeiro dia da menstruação. Isso também é aplicável quando houver troca de um outro anticoncepcional oral. Um comprimido é tomado diariamente no mesmo horário, sem interrupção durante 21 dias, seguindo-se de uma pausa de 7 dias. Cada cartela seguinte será iniciada após o término dessa pausa de 7 dias. A administração de MICRODIOL pode ser iniciada entre o 2º e o 5º dia do ciclo, segundo critério médico, porém medidas anticonceptivas adicionais deverão ser utilizadas durante os primeiros 7 dias do tratamento. A administração após o parto deverá ser iniciada no primeiro dia da primeira menstruação espontânea. Caso seja necessário iniciar antes, por exemplo, imediatamente após o parto, serão necessárias precauções anticoncepcionais adicionais durante os primeiros 7 dias de uso dos comprimidos. Após aborto espontâneo ou provocado, a administração deverá ser iniciada imediatamente. Sendo assim, não serão necessárias medidas anticoncepcionais adicionais.

 

Superdosagem — A toxicidade tanto do desogestrel como do etinilestradiol é muito baixa. Sendo assim, não se espera a ocorrência de sintomas tóxicos com MICRODIOL quando, por exemplo, uma criança venha a ingerir diversos comprimidos simultaneamente. Os sintomas que podem ocorrer nesse caso incluem: náusea, vômito e, em meninas, leve sangramento vaginal. Provavelmente não será necessário tratamento específico e, caso seja adequado, pode-se administrar tratamento de apoio, a critério médico.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0049.

 

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 MULTILOAD-CU 375 RADIOPACO (Organon do Brasil). Dispositivo intra-uterino. Cx. com 1 unidade.

 

 

 NORCURON (Organon do Brasil). Brometo de vecurônio. Miorrelaxante para uso cirúrgico. Cart. com 10 amp. com 4 mg + diluente; cart. com 10 fr.-amp. de 10 mg.

 

 

 

 

Ormigrein®

 

 

Tartarato de ergotamina

Paracetamol

Cafeína

Sulfato de hiosciamina

Sulfato de atropina

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação— Comprimidos: Cartucho com 10 comprimidos.

 

Composição — Cada comprimido contém: Tartarato de ergotamina 1,0 mg; Cafeína 100,0 mg; Paracetamol 220,0 mg; Sulfato de hiosciamina 87,5 mcg; Sulfato de atropina 12,5 mcg; Excipientes (dióxido de silício, corante azul indigotina, corante tartrazina, estearato de magnésio e amido) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento:ORMIGREIN alivia a dor de cabeça, as náuseas e os vômitos induzidos pela enxaqueca. Cuidados de armazenamento e data de validade: ORMIGREINComprimidos deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da luz e umidade. Nº de lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado. Gravidez e lactação: Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. ORMIGREIN é contra-indicado na gravidez. Informe ao seu médico se estiver amamentando, ele irá lhe aconselhar sobre o uso de ORMIGREIN durante o período de amamentação. Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. A dose recomendada é de 2 comprimidos aos primeiros sinais de uma crise de enxaqueca. Em seguida, 1 comprimido a cada 20-30 minutos, sendo que a dose máxima diária permitida é de 6 comprimidos. O número de comprimidos ingeridos não deverá exceder a 10 comprimidos por semana. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, especialmente se forem graves ou persistentes. Quando ORMIGREIN é utilizado na dose recomendada a ocorrência de reações adversas é pouco freqüente. Em alguns casos, antes do alívio dos sintomas, ORMIGREIN pode aumentar náuseas e vômitos nas crises de enxaqueca. Ingestão concomitante com outras substâncias: Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Contra-indicações e precauções: ORMIGREIN é contra-indicado nos seguintes casos: alergia a qualquer componente da fórmula; gravidez; doença cardíaca coronariana; doença vascular periférica oclusiva; casos graves de pressão alta; problemas renais ou hepáticos graves; glaucoma; aumento do tamanho da próstata; obstrução pilórica. ORMIGREIN não deve ser utilizado para profilaxia da enxaqueca. Este produto contém o corante amarelo de tartrazina que pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais asma brônquica, especialmente em pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico. Não use outro produto que contenha paracetamol.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — O tartarato de ergotamina é um alcalóide do ergot que apresenta uma ação bloqueadora alfa-adrenérgica e uma potente atividade vasoconstritora. É também um antagonista da serotonina. A cafeína é um vasoconstritor cerebral que reduz o fluxo sangüíneo cerebral. A base racional para o uso da combinação da cafeína com o tartarato de ergotamina no tratamento das crises de enxaqueca é o efeito sinérgico que se observa ao combinar as duas drogas. Os alcalóides da beladona, sulfatos de hiosciamina e atropina, são responsáveis pelo alívio das náuseas e vômitos induzidos pela enxaqueca. O paracetamol é uma substância analgésica e antipirética que alivia a dor de várias origens, incluindo a cefaléia, aumentando o efeito vasoconstritor.

 

Indicação — Tratamento das crises de enxaqueca.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula; gravidez; doença vascular periférica oclusiva; doença cardíaca coronariana (vasoespasmo pode causar angina ou infarto do miocárdio); hipertensão grave; disfunção renal ou hepática grave; estados sépticos; sensibilidade elevada do SNC aos efeitos da cafeína; glaucoma; hipertrofia prostática; obstrução pilórica.

 

Precauções e advertências — ORMIGREIN não é indicado para uso profilático. Em alguns casos, ORMIGREIN pode aumentar náuseas e vômitos nas crises de enxaqueca, antes de proporcionar o alívio dos mesmos. Os alcalóides do ergot inibem a lactação e podem causar ergotismo no neonato. Durante a lactação, os riscos do tratamento deverão ser avaliados em relação aos benefícios, uma vez que os alcalóides do ergot são excretados no leite materno.

 

Reações adversas — Quando utilizado na posologia recomendada, a ocorrência de reações adversas é rara. Reações adversas relacionadas com a ergotamina: Náusea, vômito, cefaléia, vertigem, fenômenos alérgicos, incluindo choque, ergotismo, elevação súbita da pressão arterial, especialmente durante anestesia espinhal, e vasoconstrição periférica. As reações adversas relacionadas com o paracetamol são geralmente leves, embora tenham sido relatadas reações hematológicas. Erupções da pele e outras reações alérgicas podem ocorrer ocasionalmente. Reações adversas relacionadas com a cafeína: Náusea, nervosismo, insônia e diurese, podem ocorrer raramente e são, freqüentemente, resultantes de superdosagem. Reações adversas relacionadas com os sulfatos de hiosciamina e atropina: Ocasionalmente pode haver aceleração do pulso, secura da boca, dilatação da pupila com perda da acomodação e fotofobia, disúria, erupção cutânea, constipação e tontura.

 

Posologia — Aos primeiros sinais de uma crise de enxaqueca devem ser tomados 2 comprimidos por via oral. Em seguida, 1 comprimido a cada 20-30 minutos, sendo que a dose máxima diária permitida é de 6 comprimidos. O número de comprimidos ingeridos não deverá exceder a 10 comprimidos por semana.

 

Superdosagem — A superdosagem aguda com ORMIGREIN pode causar efeitos tóxicos que são, principalmente, devidos aos componentes ergotamina e paracetamol. Os sintomas de superdosagem aguda pela ergotamina incluem náusea, vômito, diarréia, sede, parestesia, prurido e esfriamento da pele, pulso fraco, cianose das extremidades, estupor, convulsões, coma e choque. Sintomas de superdosagem aguda pelo paracetamol incluem palidez, náusea, vômito, anorexia e dor abdominal. Além disso, danos hepáticos (evidenciados pelo aumento das concentrações séricas das aminotransferases, bilirrubina e do tempo de protrombina), insuficiência renal aguda com necrose tubular aguda, anormalidades no metabolismo da glicose, acidose metabólica e arritmia cardíaca. Doses tóxicas de hiosciamina e atropina causam taquicardia, respiração rápida ou estertorosa, hiperpirexia, insônia, confusão e excitação, e alucinação passando para delírio. Pode ocorrer erupção da pele da face e da parte superior do tronco. Nos quadros de intoxicação grave, podem ocorrer depressão do sistema nervoso central com hipertensão ou com insuficiência circulatória e depressão respiratória. O tratamento dos casos de superdosagem consiste na eliminação de ORMIGREIN através de medidas apropriadas (êmese e lavagem) e condutas sintomáticas (manutenção de ventilação pulmonar adequada, controle das convulsões, tratamento do choque). Acetilcisteina ou metionina poderão ser utilizadas como antídotos nos casos de envenenamento pelo paracetamol. O uso de anticoagulantes e drogas vasodilatadoras poderá ser indicado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0028.

 

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 PAVULON (Organon do Brasil). Brometo de pancurônio. Miorrelaxante para uso cirúrgico. Cart. com 25 amp. de 2 ml com 2 mg.

 

 

 

 

 

PREGNYL(Organon do Brasil).

 

Gonadotrofina coriônica humana

 

Composição

Cada ampola de pó liofilizado contém 1.500 UI e 5.000 UI de gonadotrofina coriônica humana (HCG). Excipiente (fosfato de sódio dibásico, fosfato de sódio monobásico, manitol) q.s.p. 1 ampola. Cada ampola de diluente contém: cloreto de sódio 9 mg, água para injeção q.s.p. 1 ml.

 

Indicação

Amenorréias, criptorquidias e esterilidade feminina e masculina.

 

Contra-indicações

Para pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula. História ou suspeita de tumores andrógeno-dependentes, como carcinoma prostático ou carcinoma mamário no homem. Precauções e advertências: O tratamento de pacientes masculinos com HCG induz ao aumento da produção de andrógenos. Conseqüentemente, o HCG deverá ser usado cautelosamente em meninos pré-púberes, para evitar a soldadura prematura da epífise ou o desenvolvimento sexual precoce. Pacientes com insuficiência cardíaca latente ou manifesta, disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou histórico dessas condições) deverão ser acompanhados, uma vez que de água e sal tem sido observada após a administração de altas doses de HCG. Na mulher: Quando do tratamento de infertilidade anovulatória, a estimulação dos ovários pela menotrofina pode promover aumento excessivo dos níveis estrogênicos. Nesses casos, o HCG não deverá ser administrado, pois há risco de se induzir ovulação múltipla ou de se produzir síndrome de hiperestimulação ovariana. Ocorrendo gravidez  após a indução da ovulação com preparados gonadotróficos, existe um aumento do risco de aborto e gestação múltipla.

 

Reações adversas

Erupções na pele têm sido raramente mencionadas. Retenção de água e sal, ocasionalmente, é observada em homens após administração de altas doses, em resultado da produção excessiva de andrógeno.

 

Apresentação

PREGNYL 1500 UI: Embalagens com 3 ampolas de pó liofilizado e 3 ampolas de diluente de 1 ml. PREGNYL 5000 UI: Embalagens com 2 ampolas de pó liofilizado e 2 ampolas de diluente de 1 ml.

 

 

 

 

PUREGON (Organon do Brasil).

 

Folitrofina beta

(FSH recombinante humano)

 

Apresentação

Solução injetável:Cartucho com 1 frasco-ampola de 0,5 ml com 50, 100, 150 ou 200 UI.

 

Composição

Cada frasco-ampola contém: Folitrofina beta 50, 100, 150 ou 200 UI; Veículo (sacarose, citrato de sódio, L-metionina, polissorbato, ácido clorídrico, hidróxido de sódio, água para injeção) q.s.p. 0,5 ml. Isto corresponde a 100, 200, 300 ou 400 UI/ml. Uma ampola contém 5, 10, 15 ou 20 mcg de proteína (bioatividade específica in vivo igual aproximadamente 10.000 UI de FSH/mg de proteína).

 

Indicações

PUREGONestá indicado no tratamento da infertilidade feminina nas seguintes situações: anovulação (inclusive doença policística ovariana), em mulheres que se mostraram não-responsivas ao tratamento com citrato de clomifeno; hiperestimulação ovariana controlada para induzir o desenvolvimento de múltiplos folículos em programas de reprodução assistida [por exemplo, fertilização in vitro/transferência de embriões (FIV/TE) e transferência intratubária de gametas ou zigotos (GIFT/ZIFT) e injeção intracitoplasmática de espermatozóide (ICSI)].

 

Contra-indicações

PUREGONé contra-indicado nos casos de: tumores de ovário, mama, útero, hipófise e hipotálamo; gravidez e lactação; sangramento vaginal não-diagnosticado; hipersensibilidade a qualquer componente de PUREGON; falência ovariana primária; cistos ovarianos ou ovários aumentados, não-relacionados com doença policística ovariana; malformações dos órgãos sexuais incompatíveis com a gravidez; miomas uterinos incompatíveis com a gravidez.

 

Reações adversas

A hiperestimulação ovariana indesejada foi observada em 5% das pacientes tratadas com PUREGON. Sintomas característicos dessas condições já foram descritos (ver Precauções e advertências). A utilização de PUREGON tanto por via IM ou SC pode levar a reações no local da aplicação como ardor, dor, eritema, inchaço e prurido, a maioria dos quais de leve intensidade. Reações generalizadas não têm sido observadas. Formação de anticorpos antifolitrofina beta ou de proteínas derivadas da célula hospedeira não tem sido reportada durante a terapia. Um leve aumento do risco de gravidez ectópica e gravidez múltipla têm sido observado. Em raras circunstâncias, tromboembolismo têm sido associado a outras terapias com menotrofina/gonadotrofina. Isso pode ocorrer com a terapia PUREGON/ hCG.

 

Posologia

O tratamento com PUREGON deve ser iniciado sob supervisão de um médico especialista em tratamento de problemas de fertilidade. Existem grandes variações inter e intra-individuais na resposta dos ovários às gonadotrofinas exógenas; por isso, é impossível estabelecer um esquema de dosagem uniforme. Portanto, o ajuste deve ser feito individualmente, dependendo da resposta do ovário. Para isso, é necessário fazer a monitorização através de ultra-sonografias e através dos níveis de estradiol. Em estudos clínicos comparativos com PUREGON e FSH urinário, PUREGON é mais eficaz que o FSH urinário em termos de dose total mais baixa e de um período de tratamento mais curto, necessário para atingir as condições pré-ovulatórias. Portanto, é considerado adequado administrar uma dosagem mais baixa de PUREGONque a geralmente usada para FSH urinário, não somente para otimizar o desenvolvimento folicular, mas também para minimizar o risco de hiperestimulação ovariana indesejada. PUREGON pode ser administrado de forma isolada ou em combinação com análogo de GnRH para evitar luteinização prematura. No último caso, especialmente quando usar um agonista de GnRH, uma dose de tratamento total mais alta de PUREGON pode ser necessária para atingir uma resposta folicular adequada. A experiência clínica com PUREGON é baseada em até 3 ciclos de tratamento nas duas indicações. A experiência em FIV indica que, em geral, a taxa de sucesso do tratamento permanece estável durante as primeiras 4 tentativas e declina gradualmente daí em diante. Anovulação: Em geral, é recomendado um esquema de tratamento seqüencial, geralmente iniciado com a administração diária de 50 UI de PUREGON, dose que deve ser mantida durante no mínimo 7 dias. Se não for detectada uma resposta dos ovários, a dose deve ser incrementada gradualmente até o crescimento folicular e/ou os níveis de estradiol indicarem uma resposta farmacodinâmica adequada. É considerada ótima a velocidade de aumento da ordem de 40%-100% ao dia. A dose eficaz diária é então mantida até que sejam atingidas as condições de pré-ovulação. As condições pré-ovulatórias são atingidas quando há evidência ultra-sonográfica de um folículo dominante de pelo menos 18 mm de diâmetro e/ou quando os níveis de estradiol plasmático de 300-900 picogramas/ml (1.000-3,000 pmol/l) são atingidos. Normalmente, 7 a 14 dias de tratamento são suficientes para atingir este nível. A administração de PUREGON é então interrompida e pode-se induzir a ovulação, administrando-se hCG. Se o número de folículos responsivos for muito alto ou os níveis de estradiol aumentarem muito rapidamente, mais que o dobro ao dia durante 2 ou 3 dias consecutivos, a dose diária deverá ser diminuída. Como os folículos com mais de 14 mm podem produzir gravidez, múltiplos folículos pré-ovulatórios com mais de 14 mm aumentam o risco de gravidez múltipla. Nesse caso, deve-se suspender a hCG para evitar gestações múltiplas. Hiperestimulação controlada do ovário em programas de reprodução assistida: Vários protocolos de estimulação podem ser empregados. Geralmente uma dose inicial de 100-200 UI é recomendada pelo menos para os primeiros quatro dias de estimulação. Daí em diante, a dose deve ser ajustada individualmente, baseada na resposta ovariana. Estudos clínicos demonstraram que dosagens de manutenção, variando entre 100-300 UI, por seis a 12 dias são suficientes, embora tratamentos mais longos possam ser necessários. PUREGON pode ser usado isoladamente ou em combinação com agonista GnRH para prevenir a luteinização prematura. Nesse último caso, um tratamento com dose total maior pode ser necessário para atingir uma resposta folicular adequada. A maturação dos folículos é monitorada por ultra-sonografia e pelos níveis plasmáticos de estradiol. Quando a avaliação ultra-sonográfica indica a presença de, ao menos, três folículos de 16-20 mm, e a resposta de estradiol é boa [níveis plasmáticos de aproximadamente 300-400 picogramas/ml (1.000-1.300 pmol/l) para cada folículo com um diâmetro maior que 18 mm], faz-se a indução da fase final da maturação folicular administrando-se hCG. A recuperação dos oócitos é realizada após 34 a 35 horas.

 

 

 

 

Remeron Soltab®

 

Mirtazapina

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Comprimidos orodispersíveis: REMERON SOLTAB 15, 30 e 45 mg: Cartucho com 30 comprimidos.

 

Composição — Cada comprimido contém: Mirtazapina (como mirtazapina revestida) 15, 30 ou 45 mg; Excipientes (hipromelose, polividona, esferas de açúcar, copolímero aminoalquil metacrilato E, aspartame, ácido cítrico, crospovidona, estearato de magnésio, manitol, celulose microcristalina, flavorizante natural e artificial de laranja, bicarbonato de sódio) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento:Alívio do humor depressivo causado pela depressão. Cuidados de armazenamento e data de validade: REMERON SOLTAB deve ser conservado em sua embalagem original em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da luz e da umidade. Utilize o medicamento imediatamente após a abertura da embalagem individual. Nº de lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado. Gravidez e lactação: Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se estiver amamentando. REMERON SOLTAB não é recomendado durante a lactação. Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento, mesmo notando melhora dos sintomas, que pode ocorrer em 1 a 4 semanas. Depois de posicionado sobre a língua, REMERON SOLTAB desintegra em segundos, podendo ser engolido com ou sem água. Se você tomar mais REMERON SOLTAB do que deveria, consulte o seu médico imediatamente. Interrupção do tratamento: Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. A interrupção repentina do tratamento de longo prazo com REMERON SOLTAB pode causar sonolência e náusea. Reações adversas:Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, especialmente se forem intensas ou persistentes. Reações adversas mais comuns: aumento do apetite, ganho de peso, sonolência e tontura. REMERON SOLTAB pode causar diminuição dos glóbulos brancos do sangue, resultando em redução da resistência do organismo a infecções. Se você tiver febre, calafrios, dor de garganta, feridas na membrana mucosa ou outros sinais de infecção, informe ao seu médico. Deve ser dada atenção especial a queixas que indiquem gripe ou outros sintomas que possam sugerir a presença de infecção. Raramente, durante a fase inicial do tratamento, alguns pacientes podem apresentar tendências ao suicídio. Comunique imediatamente o seu médico caso isto ocorra. Ingestão concomitante com outras substâncias: Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Não ingira bebidas alcoólicas durante o tratamento. Contra-indicações e precauções: REMERON SOLTAB é contra-indicado em pacientes alérgicos a qualquer componente da fórmula. O médico deve ser informado se você tiver: convulsões; problemas de fígado; problemas de rim ou de coração; pressão baixa; história de mania/hipomania. REMERON SOLTAB contém aspartame, uma fonte de fenilalanina, o que pode ser prejudicial para pacientes com fenilcetonúria. Durante o tratamento o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas. Não é recomendado o uso de REMERON SOLTAB em crianças.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Propriedades farmacodinâmicas — O mecanismo de ação de REMERON SOLTAB, como os outros antidepressivos, é desconhecido. Dados compilados em estudos pré-clínicos sugerem que a mirtazapina aumenta a atividade noradrenérgica e serotoninérgica central. Estes estudos demonstraram que a mirtazapina age como antagonista nos auto-receptores e heterorreceptores inibidores centrais pré-sinápticos a2-adrenérgicos, uma ação que pressupõe resultar em um aumento da atividade noradrenérgica e serotoninérgica central. A mirtazapina é um potente antagonista dos receptores 5-HT2 e 5-HT3 e não apresenta afinidade significativa pelos receptores 5-HT1A e 5-HT1B. A mirtazapina é um potente antagonista dos receptores de histamina (H1), propriedade esta que pode explicar seu elevado efeito sedativo. A mirtazapina é um antagonista a1-adrenérgico periférico moderado, uma propriedade que pode explicar a hipotensão ortostática ocasional relatada em associação ao seu uso. A mirtazapina é um antagonista moderado dos receptores muscarínicos, propriedade esta que pode explicar a incidência relativamente baixa de efeitos colaterais anticolinérgicos associados ao seu uso.

 

Propriedades farmacocinéticas — REMERON SOLTAB é rápida e completamente absorvido após administração oral e apresenta meia-vida de cerca de 20-40 horas. Os picos de concentração plasmática são atingidos cerca de 2 horas após administração oral de uma dose. A presença de alimentos no estômago tem efeito mínimo tanto na taxa como na extensão da absorção e não requer ajuste da dose. REMERON SOLTAB é bioequivalente a REMERON Comprimidos. A mirtazapina é amplamente metabolizada após administração oral. As principais vias de biotransformação são desmetilação e hidroxilação seguido por conjugação de glicuronídeos. Dados in vitro de microssomos do fígado humano indicaram que o citocromo 2D6 e 1A2 estão envolvidos na formação do metabólito 8-hidróxi da mirtazapina, enquanto que o citocromo 3A é considerado como responsável pela formação dos metabólitos N-dimetil e N-óxido. A mirtazapina apresenta biodisponibilidade absoluta de aproximadamente 50%. É eliminada predominantemente pela urina (75%) com 15% nas fezes. Diversos metabólitos não-conjugados possuem atividade farmacológica, mas estão presentes no plasma em níveis muito baixos. O enantiômero (-) apresenta meia-vida de eliminação aproximadamente duas vezes mais longa que o enantiômero (+) e, portanto, atinge níveis plasmáticos aproximadamente três vezes mais altos que o enantiômero (+). Os níveis plasmáticos estão linearmente relacionados à dose, em uma faixa de dosagem de 15 a 80 mg. A meia-vida média de eliminação da mirtazapina após administração oral varia de aproximadamente 20-40 horas através de subgrupos etários e de sexo, com as mulheres de todas as idades, demonstrando meias-vidas de eliminação significativamente mais longas que os homens (meia-vida média de 37 horas para mulheres contra 26 horas para homens). Os níveis de equilíbrio plasmático da mirtazapina são atingidos em 5 dias, com cerca de 50% de acumulação (índice de acumulação = 1,5). A ligação da mirtazapina com proteínas plasmáticas é de aproximadamente 85% sobre uma faixa de concentração de 0,01 a 10 m/ml. Populações especiais: Idosos:Após a administração oral de 20 mg/dia por 7 dias de REMERON Comprimidos a indivíduos de diferentes idades (faixa de 25-74), o clearance oral da mirtazapina foi reduzido nos indivíduos idosos em comparação com os indivíduos jovens. As diferenças foram mais acentuadas nos homens. O clearance nos homens idosos foi 40% mais baixo que nos homens jovens, enquanto que o clearance em mulheres idosas foi apenas 10% mais baixo que em mulheres jovens. Recomenda-se cautela na administração de REMERON SOLTAB a pacientes idosos (ver Precauções e advertências e Posologia e modo de usar). Crianças: A segurança e a eficácia do uso da mirtazapina em crianças não foram estabelecidas (ver Precauções e advertências). Sexo: A meia-vida de eliminação média da mirtazapina após administração oral varia de 20-40 horas através de subgrupos etários e de sexo, com mulheres de todas as idades demonstrando meias-vidas de eliminação significativamente mais longas do que em homens (meia-vida de 37 horas para mulheres contra meia-vida de 26 horas para homens) (ver Propriedades farmacocinéticas). Raça: Não foram realizados estudos para avaliar o efeito da raça sobre a farmacocinética de REMERON SOLTAB. Insuficiência renal: A distribuição da mirtazapina foi estudada em pacientes com diversos graus de função renal. A eliminação da mirtazapina está correlacionada com o clearance da creatinina. O clearance corporal total da creatinina foi reduzido em aproximadamente 30% em pacientes com diminuição moderada da função renal (Clcr = 11-39 ml/min/1,73 m2) e em aproximadamente 50% em pacientes com diminuição grave da função renal (Clcr = < 10 ml/min/1,73 m2), quando comparado com indivíduos normais. Recomenda-se cautela na administração de REMERON SOLTAB a pacientes com a função renal comprometida (ver Precauções e advertências e Posologia e modo de usar). Insuficiência hepática: Após administração oral de uma dose única de 15 mg de REMERON SOLTAB, o clearance oral da mirtazapina foi reduzido em 30% nos pacientes com função hepática diminuída, quando comparado com pacientes com a função hepática normal. Recomenda-se cautela na administração de REMERON SOLTAB a pacientes com a função hepática comprometida (ver Precauções e advertências e Posologia e modo de usar). Estudos clínicos demonstrando eficácia: A eficácia de REMERON Comprimidos para o tratamento da depressão foi estabelecida em quatro estudos controlados com placebo com duração de 6 semanas em pacientes ambulatoriais adultos, satisfazendo o critério DSM-III para depressão maior. Os pacientes foram titulados com mirtazapina em uma faixa de dosagem de 5 mg até 35 mg/dia. De forma geral, estes estudos demonstraram que a mirtazapina foi superior ao placebo em, pelo menos, três das quatro medidas seguintes: classificação total na Escala de Avaliação da Depressão de Hamilton com 21 itens (HDRS); itens de humor deprimido HDRS; grau de severidade CGI; e Escala de Avaliação da Depressão de Montgomery e Asberg (MADRS). A superioridade da mirtazapina sobre o placebo também foi constatada por determinados fatores do HDRS, incluindo fator ansiedade/somatização e fator de distúrbio do sono. A dose média de mirtazapina para pacientes que completaram estes quatro estudos variou de 21 a 32 mg/dia. Um quinto estudo, com esquema semelhante, utilizou doses maiores (até 50 mg) diárias e também demonstrou eficácia. O exame de subgrupos de idade e sexo na população não revelou diferencial algum na resposta.

 

Indicações — REMERON SOLTAB é indicado no tratamento da depressão. A eficácia de REMERON Comprimidos no tratamento da depressão foi estabelecida em estudos clínicos controlados de 6 semanas, em pacientes ambulatoriais com diagnóstico mais próximo à categoria de distúrbio depressivo maior do Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais — 3ª edição (DSMIII) (ver Estudos clínicos demonstrando eficácia). Um episódio de depressão maior (DSM-IV) implica humor deprimido ou disfórico acentuado e relativamente persistente (quase todos os dias por pelo menos 2 semanas), que geralmente interfere na função diária e inclui pelo menos cinco dos nove sintomas a seguir: humor deprimido, perda de interesse nas atividades de rotina, alteração significativa do peso e/ou apetite, insônia ou hipersonia, agitação ou retardo psicomotor, fadiga aumentada, sentimento de culpa ou inferioridade, raciocínio lento ou dificuldade de concentração, tentativa de suicídio ou ideação suicida. A eficácia antidepressiva de REMERON SOLTAB em pacientes depressivos hospitalizados não foi estudada adequadamente. A eficácia de REMERON SOLTAB em uso de longo prazo, isto é, por mais de 6 semanas, não foi sistematicamente avaliada em estudos controlados. Portanto, o médico que decidir utilizar REMERON SOLTAB por períodos extensos, deve avaliar periodicamente a utilidade do uso de longo prazo do fármaco em cada paciente.

 

Contra-indicações — REMERON SOLTAB é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade à mirtazapina ou aos componentes da fórmula.

 

Precauções e advertências — Agranulocitose: Em estudos clínicos pré-comercialização, dois (um com síndrome de Sjögren) entre 2.796 pacientes tratados com REMERON Comprimidos desenvolveram agranulocitose [contagem absoluta de neutrófilos (ANC) < 500/mm3 com sinais e sintomas associados, p. ex., febre, infecção, etc.] e um terceiro paciente desenvolveu neutropenia grave (ANC < 500/mm3 sem sintoma algum associado). No caso desses três pacientes, o início da neutropenia grave foi detectado nos dias 61, 9 e 14 do tratamento, respectivamente. Os três pacientes se recuperaram após a retirada de REMERON. Estes três casos representaram uma incidência grosseira de neutropenia grave (com ou sem infecção associada) de aproximadamente 1,1 por 1.000 pacientes expostos, com um intervalo de confiança muito amplo de 95%, isto é, 2,2 casos por 10.000 a 3,1 casos por 1.000. Caso um paciente desenvolva dor de garganta, febre, estomatite ou outros sinais de infecção, juntamente com baixa contagem de leucócitos, o tratamento com REMERON SOLTAB deve ser descontinuado e o paciente cuidadosamente monitorado. Inibidores da MAO: Em pacientes recebendo outros antidepressivos em combinação com inibidores da monoaminoxidase (IMAOs) e em pacientes que descontinuaram recentemente um fármaco antidepressivo e, em seguida, iniciaram um IMAO, foram relatadas reações sérias e algumas vezes fatais, incluindo náusea, vômito, rubor, tontura, tremor, mioclonia, rigidez, diaforese, hipertermia, instabilidade autonômica com flutuações rápidas dos sinais vitais, convulsão e estado mental variando da agitação ao coma. Apesar de não existirem dados em humanos pertinentes a esse tipo de interação com REMERON SOLTAB, não é recomendado o seu uso em combinação com IMAO, ou dentro de 14 dias do início ou interrupção da terapia com IMAO. Sonolência: Em estudos controlados nos Estados Unidos, foi relatada sonolência em 54% dos pacientes tratados com REMERON Comprimidos, comparado com 18% para o placebo e 60% para amitriptilina. Nesses estudos, a sonolência resultou em descontinuação do tratamento em 10,4% dos pacientes tratados com REMERON, comparado com 2,2% do placebo. Não ficou claro se ocorre desenvolvimento ou não de tolerância aos efeitos de sonolência causados por REMERON. Devido ao fato de REMERON potencializar efeitos significativos na diminuição de desempenho, os pacientes devem ser alertados quanto a se dedicarem a atividades que exijam estado de alerta até que tenham conseguido avaliar os efeitos do fármaco sobre o seu desempenho psicomotor. Tontura:Em estudos nos Estados Unidos, foram relatadas tonturas em 7% dos pacientes tratados com REMERON, comparado com 3% para o placebo e 14% para amitriptilina. Não ficou claro se ocorre ou não desenvolvimento de tolerância à tontura observada em associação ao uso de REMERON. Aumento do apetite/ganho de peso: Em estudos controlados nos Estados Unidos, aumento do apetite foi relatado em 17% dos pacientes tratados com REMERON, comparado com 2% para o placebo e 6% para amitriptilina. Nesses mesmos estudos, ganho de peso ³ 7% da massa corpórea foi relatado em 7,5% dos pacientes tratados com mirtazapina, comparado com 0% para o placebo e 5,9% para amitriptilina. Em uma combinação de estudos pré-comercialização nos Estados Unidos, incluindo diversos pacientes em tratamento aberto de longo prazo, 8% dos pacientes recebendo REMERON descontinuaram o tratamento devido ao ganho de peso. Colesterol/triglicérides: Em estudos controlados nos Estados Unidos, o aumento do colesterol medido sem jejum foi ³ 20% acima do limite máximo de normalidade em 15% dos pacientes tratados com REMERON, comparado com 7% com placebo e 8% com amitriptilina. Nesses mesmos estudos, foi observado aumento ³ 500 mg/dl dos triglicérides, medido sem jejum em 6% dos pacientes tratados com mirtazapina, comparados com 3% com placebo e 3% com amitriptilina. Elevações da transaminase: Foi observado aumento clinicamente significativo de ALT (SGPT) (³ 3 vezes acima do limite máximo da faixa normal) em 2 % (8/424) dos pacientes expostos a REMERON em um conjunto de estudos controlados de curto prazo nos Estados Unidos, comparado a 0,3% (1/328) de pacientes recebendo placebo e 2% (3/181) de pacientes recebendo amitriptilina. A maioria desses pacientes com ALT aumentada não desenvolveu sinais ou sintomas associados com o comprometimento da função hepática. Enquanto alguns pacientes foram descontinuados devido ao aumento de ALT, em outros casos, os níveis da enzima retornaram ao normal apesar de terem prosseguido o tratamento com REMERON. REMERON SOLTAB deve ser usado com precaução em pacientes com diminuição da função hepática (ver Propriedades farmacocinéticas e Posologia e modo de usar). Ativação da mania/hipomania: Mania/hipomania ocorreu em aproximadamente 0,2% (3/1.299 pacientes) dos pacientes tratados com REMERON em estudos nos Estados Unidos. Apesar da incidência de mania/hipomania ter sido muito baixa durante o tratamento com mirtazapina, esta deve ser usada com cautela em pacientes com história de mania/hipomania. Convulsão: Em estudos pré-comercialização, apenas um caso de convulsão foi relatado entre os 2.796 pacientes dos Estados Unidos e de outros países tratados com REMERON. Entretanto, não foram realizados estudos controlados em pacientes com história de convulsão. Portanto, a mirtazapina deve ser utilizada com cautela nesses pacientes.Suicídio: Ideação suicida é inerente à depressão e pode persistir até que ocorra remissão significativa. Como com qualquer paciente recebendo antidepressivos, pacientes de alto risco devem ser cuidadosamente monitorados durante a terapia inicial com o fármaco. A prescrição de REMERON SOLTAB deve ser realizada de forma que seja administrada a menor quantidade de fármaco compatível com o bom controle do paciente, a fim de reduzir o risco de superdosagem. Uso em pacientes com doença concomitante: A experiência clínica de REMERON SOLTAB em pacientes com doença sistêmica concomitante é limitada. Conseqüentemente, recomenda-se cautela ao administrar mirtazapina a pacientes com doenças ou condições que afetem o metabolismo ou respostas hemodinâmicas. REMERON SOLTAB não foi avaliado sistematicamente ou usado em extensão apreciável em pacientes com história recente de infarto do miocárdio ou outra doença cardíaca significativa. REMERON foi associado à hipotensão ortostática significativa em estudos iniciais de farmacologia clínica com voluntários sãos. A hipotensão ortostática não foi observada com freqüência em pacientes com depressão. REMERON SOLTAB deve ser utilizado com cautela em pacientes com doença cardio ou cerebrovascular conhecida, que pode ser exacerbada pela hipotensão (história de infarto do miocárdio, angina ou derrame isquêmico) e condições que predisponham o paciente à hipotensão (desidratação, hipovolemia e tratamento com medicamentos anti-hipertensivos). O clearance da mirtazapina é reduzido em pacientes com diminuição da função renal moderada [taxa de filtração gromerular (GFR) = 11-39 ml/min/1,73 m2] e grave (GFR < 10 ml/min/1,73 m2) e também em pacientes com diminuição da função hepática. Recomenda-se cautela na administração de REMERON SOLTAB para estes pacientes (ver Propriedades farmacocinéticas e Posologia e modo de usar). Uso pediátrico: A segurança e a eficácia em crianças não foram estabelecidas. Fenilcetonúricos: Os pacientes fenilcetonúricos devem ser informados que os comprimidos REMERON SOLTAB de 15, 30 e 45 mg contém 2,6, 5,2 e 7,8 mg de fenilalanina, respectivamente. Dependência física e psicológica: REMERON SOLTAB não foi sistematicamente estudado em animais ou seres humanos, quanto ao seu potencial para abuso, tolerância ou dependência física. Embora os estudos clínicos não tenham revelado tendência alguma para qualquer comportamento de busca da droga, essas observações não foram sistemáticas, não sendo assim possível prever, com base nessa experiência limitada, até que ponto uma droga que atua sobre o SNC será indevidamente usada, desviada e/ou abusada, uma vez comercializada. Em conseqüência disso, os pacientes deverão ser cuidadosamente avaliados quanto a antecedentes de abuso de drogas, sendo esses pacientes observados com cuidado quanto a sinais de mau uso ou abuso de REMERON SOLTAB (p. ex., desenvolvimento de tolerância, aumentos de dose, comportamento de procura pela droga).

 

Efeitos sobre a habilidade de dirigir e operar máquinas — REMERON SOLTAB pode prejudicar o julgamento, o raciocínio e, particularmente, as habilidades motoras, devido ao seu elevado efeito sedativo. A sonolência associada ao uso da mirtazapina pode reduzir a capacidade do paciente de dirigir veículos motorizados, operar máquinas ou realizar tarefas que requeiram estado de alerta. Portanto, os pacientes devem ser alertados quanto à realização de atividades perigosas até que estejam razoavelmente seguros que a terapia com REMERON SOLTAB não afeta adversamente sua capacidade de se dedicar a tais tarefas.

 

Gravidez e lactação — Efeitos teratogênicos: Gravidez categoria C: Estudos reprodutivos em ratas e coelhas prenhes em doses de até 100 mg/kg e 40 mg/kg, respectivamente [20 e 17 vezes a dose máxima recomendada para seres humanos ('MRHD') em base de mg/m2, respectivamente], não demonstraram evidência de efeitos teratogênicos. Em ratos, entretanto, houve um aumento nas perdas pós-implantação em matrizes tratadas com mirtazapina. Houve um aumento na morte de filhotes durante os 3 primeiros dias de lactação e uma diminuição no peso dos filhotes ao nascer. A causa dessas mortes não é conhecida. Os efeitos ocorreram com doses 20 vezes acima da dose máxima recomendada para seres humanos, mas não 3 vezes a MRHD, com base em mg/m2. Não existem estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas. Como os estudos de reprodução animal nem sempre são preditivos da resposta humana, o fármaco somente deverá ser usado durante gravidez caso realmente necessário. Lactantes: Não se sabe se a mirtazapina é excretada no leite humano. Devido ao fato de muitos fármacos serem excretados no leite humano, deve-se ter cautela ao administrar REMERON SOLTAB a mulheres que estejam amamentando.

 

Carcinogênese, mutagênese, diminuição da fertilidade — Carcinogênese: Foram realizados estudos de carcinogenicidade com mirtazapina administrada na dieta em doses de 2, 20 e 200 mg/kg/dia a camundongos e 2, 20 e 60 mg/kg/dia a ratos. As doses mais altas usadas são aproximadamente 20 e 12 vezes a dose máxima recomendada para seres humanos ('MRHD') de 45 mg/dia com base em mg/m2 em camundongos e ratos, respectivamente. Houve um aumento na incidência de adenoma hepatocelular e carcinoma em camundongos machos na dose mais alta. Em ratos, houve um aumento de adenoma hepatocelular em fêmeas, em doses média e alta e em tumores hepatocelulares e adenoma/cistadenoma folicular de tireóide e carcinoma em machos, em doses altas. Os dados sugerem que os efeitos anteriores poderiam ser possivelmente mediados por mecanismos não-genotóxicos, a relevância dos quais para seres humanos não é conhecida. As doses usadas no estudo com camundongos podem não ter sido suficientemente altas para caracterizar totalmente o potencial carcinogênico de REMERON Comprimidos. Mutagênese: A mirtazapina não teve efeito mutagênico ou clastogênico e não induziu dano geral ao DNA, conforme foi constatado em diversos testes de genotoxicidade: teste de Ames, ensaio in vitro de mutação genética em células dehamster chinês V 79, ensaio in vitro de troca de cromátides irmãs em linfócitos de coelho em cultura, teste in vitro de micro-núcleo de medula óssea em ratos e ensaio de síntese não programada de DNA em células HeLa. Diminuição de fertilidade: A mirtazapina foi administrada em um estudo de fertilidade em ratos, em doses de até 100 mg/kg [20 vezes acima da dose máxima recomendada para seres humanos ('MRHD') em base de mg/m2]. O acasalamento e a concepção não foram afetados pela droga, mas o ciclo estral foi perturbado em doses que foram 3 vezes ou mais superiores à MRHD, tendo ocorrido perdas de pré-implantação com 20 vezes a MRHD.

 

Interações medicamentosas — Como com outros fármacos, existe o potencial para interação por diversos mecanismos (p. ex., farmacodinâmica, inibição ou exacerbação farmacocinética, etc) (ver Propriedades farmacocinéticas e Propriedades farmacodinâmicas). Fármacos que afetam o metabolismo hepático: O metabolismo e a farmacocinética de REMERON podem ser afetados pela inibição ou indução de enzimas que metabolizam fármacos. Fármacos que são metabolizados por enzimas do citocromo P450 e/ou inibem estas enzimas: Diversos fármacos são metabolizados por enzimas do citocromo P450 e/ou inibem várias destas enzimas, p. ex., 2D6, 1A2, 3A4, etc. Estudos in vitro demonstraram que a mirtazapina é substrato para muitas destas enzimas, incluindo a 2D6, 1A2 e 3A4. Embora estudos in vitro tenham demonstrado que a mirtazapina não é um potente inibidor de nenhuma dessas enzimas, o que indica que a mirtazapina provavelmente não apresenta efeito inibidor clinicamente significativo sobre o metabolismo de outros fármacos que são substratos para as enzimas do citocromo P450, ainda não foi formalmente estudado o uso concomitante de REMERON SOLTAB com a maioria dos fármacos metabolizados por essas enzimas. Conseqüentemente, não é possível fazer qualquer declaração definitiva sobre o risco do uso concomitante de REMERON SOLTAB com esses fármacos. Álcool: A administração concomitante de álcool (equivalente a 60 g) apresentou efeito mínimo sobre os níveis plasmáticos de mirtazapina (15 mg) em 6 homens sãos. Entretanto, a redução das funções cognitivas e motoras causada por REMERON demonstrou ser aditiva à causada pelo álcool. Com isso, os pacientes devem ser aconselhados a evitar o consumo de álcool durante o tratamento com REMERON SOLTAB Diazepam: A administração concomitante de diazepam (15 mg) apresentou efeito mínimo sobre os níveis plasmáticos de mirtazapina (15 mg) em 12 indivíduos sãos. Entretanto, a redução das habilidades motoras causada por REMERON demonstrou ser aditiva à causada pelo diazepam. Com isso, os pacientes devem ser aconselhados a evitar o uso de diazepam e outros fármacos similares durante o tratamento com REMERON SOLTAB.

 

Reações adversas — Associadas com a descontinuação do tratamento: Aproximadamente 16% dos 453 pacientes que receberam REMERON Comprimidos em estudos clínicos controlados de 6 semanas nos Estados Unidos descontinuaram o tratamento devido a uma experiência adversa, comparado com 7% dos 362 pacientes tratados com placebo. Os eventos mais comuns (³ 1%) associados à descontinuação do tratamento e considerados estar relacionados com o fármaco (isto é, aqueles eventos associados ao abandono do tratamento em uma taxa de no mínimo duas vezes a do placebo) incluíram:

 

Eventos adversos comuns associados à descontinuação do tratamento em estudos de

6 semanas com REMERON nos Estados Unidos

 

Evento adverso                     Percentual de pacientes que descontinuaram

                                 com eventos adversos

 

                                             REMERON                    Placebo

                                             (n = 453)                       (n = 361)

 

Sonolência                            10,4%                           2,2%

Náusea                                  1,5%                             0%

 

Eventos adversos comumente observados em estudos clínicos controlados nos Estados Unidos: Os eventos adversos mais comumente observados com o uso de REMERON Comprimidos (incidência de 5% ou maior) e não-observados em incidência equivalente entre os pacientes tratados com placebo (incidência com REMERON no mínimo duas vezes a incidência com o placebo) foram:

 

 

Eventos adversos comuns decorrentes do tratamento associados ao uso de

REMERON em estudos de 6 semanas nos Estados Unidos

 

Evento adverso                     Percentual de pacientes que relataram

                                 eventos adversos

 

                                             REMERON                    Placebo

                                             (n = 453)                       (n = 361)

 

Sonolência                            54%                              18%

Aumento de apetite               17%                              2%

Ganho de peso                      12%                              2%

Tontura                                 7%                               3%

 

Eventos adversos que ocorreram com incidência maior ou igual a 1% entre os pacientes tratados com REMERON: A tabela a seguir enumera os eventos adversos que ocorreram em incidência maior ou igual a 1%, e foram mais freqüentes nos pacientes tratados com REMERON Comprimidos do que no grupo que recebeu placebo em estudos de curto prazo controlados com placebo realizados nos Estados Unidos, nos quais os pacientes receberam doses variando de 5 a 60 mg/dia. Esta tabela mostra o percentual de pacientes em cada grupo que apresentou pelo menos um episódio de um evento em algum momento durante o tratamento. Os eventos adversos relatados foram classificados segundo a terminologia padrão COSTART. O prescritor deve estar ciente que estes números não podem ser usados para prever a incidência de efeitos colaterais durante a prática médica usual, onde as características do paciente e outros fatores diferem daqueles que prevaleceram nos estudos clínicos. Da mesma forma, as freqüências citadas não podem ser comparadas com os números obtidos em outras investigações envolvendo diferentes tratamentos, usos e investigadores. Os números citados, entretanto, proporcionam ao médico que irá prescrever, alguma base para estimar a contribuição relativa do fármaco ou fatores não-relacionados ao fármaco para o índice de incidência de efeitos colaterais na população estudada.

 

Incidência de experiências clínicas adversas1(³ 1%) em estudos controlados de

curta duração nos Estados Unidos

 

Experiência clínica adversa         REMERON (n = 453)  Placebo (n = 361)

 

Corpo em geral

Astenia                                        8%                            5%

Síndrome gripal                          5%                            3%

Dor lombar                                  2%                            1%

 

Sistema digestivo

Boca seca                                   25%                           15%

Aumento de apetite                     17%                           2%

Constipação                                13%                           7%

 

Distúrbios metabólicos e nutricionais

Ganho de peso                            12%                           2%

Edema periférico                         2%                            1%

Edema                                         1%                            0%

 

Sistema musculoesquelético

Mialgia                                        2%                            1%

 

Sistema nervoso

Sonolência                                  54%                           18%

Tontura                                       7%                            3%

Sonhos anormais                        4%                            1%

Raciocínio anormal                     3%                            1%

Tremor                                        2%                            1%

Confusão                                    2%                            0%

 

Sistema respiratório

Dispnéia                                      1%                            0%

 

Sistema urogenital

Freqüência urinária                     2%                            1%

 

1 Estão incluídos eventos relatados por no mínimo 1% dos pacientes tratados com REMERON, exceto os seguintes eventos, que tiveram uma incidência em placebo ³ REMERON: dores de cabeça, infecção, dor, dor torácica, palpitação, taquicardia, hipotensão postural, náusea, dispnéia, diarréia, flatulência, insônia, nervosismo, diminuição da libido, hipertonia, faringite, rinite, sudorese, visão dupla, tinido, perversão do paladar.

 

Alterações no ECG: Foram analisados os eletrocardiogramas de 338 pacientes que receberam REMERON e de 261 pacientes que receberam placebo em estudos controlados com placebo com duração de 6 semanas. Não foi observado prolongamento em QTc ³ 500 mseg entre pacientes tratados com mirtazapina; a alteração média em QTc foi +1,6 mseg para a mirtazapina e -3,1 mseg para o placebo. A mirtazapina foi associada a um aumento médio na freqüência cardíaca de 3,4 bpm, comparado a 0,8 bpm para o placebo. A importância clínica dessas alterações não é conhecida. Outros eventos adversos observados durante a avaliação pré-comercialização de REMERON: Durante a sua avaliação pré-comercialização, foram administradas doses múltiplas de REMERON Comprimidos a 2.796 pacientes em estudos clínicos. As condições e a duração da exposição a mirtazapina variaram muito e incluíram (em categorias com sobreposição) estudos abertos e em duplo-cego, estudos não-controlados e controlados, estudos com pacientes hospitalizados e de ambulatório, estudos com dose fixa e com titulação de dose. Os eventos inesperados associados com essa exposição foram registrados por investigadores clínicos, usando terminologia de sua própria escolha. Conseqüentemente, não é possível fornecer uma estimativa significativa da proporção de indivíduos nos quais ocorreram eventos adversos, sem primeiro agrupar tipos semelhantes de eventos inesperados em um número menor de categorias padronizadas de eventos. Nas tabulações a seguir, os eventos adversos relatados foram classificados utilizando-se uma terminologia padrão COSTART. As freqüências apresentadas, portanto, representam a proporção dos 2.796 pacientes expostos a múltiplas doses de REMERON que experimentaram um evento do tipo citado em, pelo menos, uma ocasião, enquanto estavam recebendo REMERON. Todos os eventos reportados estão incluídos, exceto aqueles já enumerados na tabela anterior; as experiências adversas classificadas sob termos COSTART que são generalizadas demais ou excessivamente específicas a ponto de se tornarem não-informativas, bem como aqueles eventos para os quais houve uma causa medicamentosa muito remota. É importante enfatizar que, embora os eventos relatados tenham ocorrido durante tratamento com REMERON, estes não foram necessariamente causados pelo medicamento. Os eventos são ainda classificados por sistema do organismo e enumerados em ordem decrescente de freqüência, de acordo com as seguintes definições: eventos adversos freqüentes são aqueles que ocorrem em uma ou mais ocasiões em pelo menos 1/100 pacientes; eventos adversos não-freqüentes são aqueles que ocorrem em entre 1/100 e 1/1.000 pacientes; eventos raros são aqueles que ocorrem em menos do que 1/1.000 pacientes. Nesta listagem aparecem somente os eventos que ainda não foram enumerados na tabela anterior. Os eventos de maior importância clínica também são descritos no item Precauções e advertências. Corpo em geral:Freqüentes: mal-estar, dor abdominal, síndrome abdominal aguda; não-freqüentes: calafrios, febre, edema da face, ulcera, reação de fotossensibilidade, rigidez da nuca, dor no pescoço, abdome dilatado; raros: celulite, dor torácica subesternal. Sistema cardiovascular: Freqüentes: hipertensão, vasodilatação; não-freqüentes: angina pectoris, infarto do miocárdio, bradicardia, extra-sístole ventricular, síncope, enxaqueca, hipotensão; raros: arritmia atrial, bigeminismo, cefaléia vascular, embolia pulmonar, isquemia cerebral, cardiomegalía, flebite, insuficiência cardíaca esquerda. Sistema digestivo: Freqüentes: vômitos, anorexia; não-freqüentes: eructação, glossite, colecistite, náusea e vômitos, hemorragia da gengiva, estomatite, colite, testes de função hepática anormais; raros: descoloração da língua, estomatite ulcerativa, dilatação de glândula salivar, salivação aumentada, obstrução intestinal, pancreatite, estomatite aftosa, cirrose hepática, gastrite, gastroenterite, monilíase oral, edema de língua. Sistema endócrino: Raros: bócio, hipotiroidismo. Sistemas hemático e linfático: Raros: linfadenopatia, leucopenia, petéquias, anemia, trombocitopenia, linfocitose, pancitopenia. Distúrbios metabólicos e nutricionais: Freqüente: sede; não-freqüentes: desidratação, perda de peso; raros: gota, SGOT aumentado, cicatrização anormal, fosfatase ácida aumentada, SGPT aumentado, diabete mellitus. Sistema musculoesquelético: Freqüentes: miastenia, artralgia; não-freqüentes: artrite, tenossinovite; raros: fratura patológica, fratura por osteoporose, dor óssea, miosite, ruptura de tendão, artrose, bursite. Sistema nervoso: Freqüentes: hipoestesia, apatia, depressão, hipocinesia, vertigem, espasmos musculares, agitação, ansiedade, amnésia, hipercinesia, parestesia; não-freqüentes: ataxia, delírio, ilusões, despersonalização, discinesia, síndrome extrapiramidal, libido aumentada, coordenação anormal, disartria, alucinações, reação maníaca, neurose, distonía, hostilidade, reflexos aumentados, labilidade emocional, euforia, reação paranóica; raros: afasia, nistagmo, acatisia, estupor, demência, diplopia, dependência farmacológica, paralisia, convulsão epiléptica (grande mal), hipotonia, mioclono, depressão psicótica, síndrome de abstinência. Sistema respiratório: Freqüentes: tosse aumentada, sinusite; não-freqüentes: epistaxe, bronquite, asma, pneumonia; raros: asfixia, laringite, pneumotórax, soluços. Pele e anexos: Freqüentes: prurido, erupção; não-freqüentes: acne, dermatite esfoliativa, pele seca, herpes simplex, alopecia; raros: urticária, herpes-zóster, hipertrofia cutânea, seborréia, úlcera de pele. Sentidos especiais: Não-freqüentes: dor nos olhos, anomalia de acomodação, conjuntivite, surdez, ceratoconjuntivite, distúrbio de secreção lacrimal, glaucoma, hiperacusia, dor de ouvido; raros: blefarite, surdez parcial transitória, otite média, perda de paladar, parosmia. Sistema urogenital: Freqüentes: infecção do trato urinário; não-freqüentes: cálculo renal, cistite, disúria, incontinência urinária, retenção de urina, vaginite, hematúria, dor mamária, amenorréia, dismenorréia, leucorréia, impotência; raros: poliúria, uretrite, metrorragia, menorragia, ejaculação anormal, ingurgitamento das mamas, inchaço das mamas, urgência urinária. Outros eventos adversos observados durante avaliação pós-comercialização de REMERON: Os eventos adversos relatados desde a introdução no mercado, que foram temporariamente (mas não necessariamente de forma causal) relacionados à terapia com mirtazapina, incluem quatro casos de arritmia ventricular paroxística. Em três dos quatro casos, entretanto, houve implicação de drogas concomitantes. Todos os pacientes se recuperaram.

 

Posologia e modo de usar — Tratamento inicial: A dose inicial recomendada para REMERON SOLTAB é de 15 mg/dia, administradas em dose única, preferencialmente à noite, ao deitar-se. Nos estudos clínicos controlados para estabelecer a eficácia antidepressiva de REMERON, a faixa de dose eficaz foi geralmente entre 15-45 mg/dia. Embora a relação entre dose e resposta antidepressiva para REMERON não tenha sido adequadamente explorada, os pacientes que não responderem à dose inicial de 15 mg, poderão beneficiar-se de aumentos na dose até no máximo 45 mg/dia. REMERON tem uma meia-vida de eliminação de aproximadamente 20-40 horas; assim sendo, as doses não deverão ser alteradas em intervalos menores que uma a duas semanas, a fim de permitir tempo suficiente para a avaliação da resposta terapêutica a uma determinada dose. Administração de REMERON SOLTAB: Os pacientes devem ser orientados para abrir a embalagem do comprimido com as mãos secas e colocar o comprimido sobre a língua. O comprimido deve ser usado imediatamente após a sua retirada do blister; uma vez retirado, não poderá ser novamente guardado. Os comprimidos de REMERON SOLTAB irão dissolver-se rapidamente sobre a língua, podendo ser engolidos com a saliva. Não há necessidade de água para ingerir o medicamento. Os pacientes não devem tentar dividir o comprimido. Pacientes idosos e pacientes com diminuição da função renal ou hepática: O clearance da mirtazapina fica reduzido em pacientes idosos e naqueles que apresentam diminuição moderada a grave da função renal ou hepática. Conseqüentemente, o prescritor, deverá estar ciente de que os níveis de mirtazapina no plasma poderão ser aumentados nesses grupos de pacientes, comparados aos níveis observados em adultos mais jovens, sem problemas renais ou hepáticos (ver Precauções e advertências e Propriedades farmacocinéticas). Manutenção/ tratamento prolongado: Não existem provas suficientes disponíveis, obtidas em estudos controlados, para determinar por quanto tempo o paciente deprimido deve ser tratado com REMERON SOLTAB. Entretanto, entende-se geralmente que o tratamento farmacológico para episódios agudos de depressão deve prosseguir por até seis meses ou mais. Não se sabe se a dose de agente antidepressivo necessária para induzir a remissão é idêntica àquela necessária para manter eutimia. Trocando pacientes de ou para um inibidor de monoaminoxidase: Pelo menos 14 dias devem decorrer entre a suspensão de um IMAO e o início da terapia com REMERON SOLTAB. Além disso, devem ser dados pelo menos 14 dias após a suspensão de REMERON SOLTAB antes de iniciar o tratamento com um IMAO.

 

Superdosagem — Experiência em humanos: A experiência com superdosagem de REMERON SOLTAB é muito limitada. Em estudos clínicos pré-comercialização foram relatados oito casos de superdosagem com REMERON isolado ou em combinação com outros agentes farmacológicos. O único óbito por superdosagem durante tratamento com REMERON ocorreu em um caso onde havia combinação com amitriptilina e clorprotixeno, em um estudo clínico realizado fora dos Estados Unidos. Com base nos níveis plasmáticos, a dose de REMERON ingerida foi de 30-45 mg, enquanto que nos níveis plasmáticos de amitriptilina e clorprotixeno foram constatados estar em níveis tóxicos. Todos os outros casos de superdosagem pré-comercialização resultaram em recuperação completa. Os sinais e sintomas relatados relacionados à superdosagem incluíram desorientação, sonolência, déficit de memória e taquicardia. Não foram relatados casos de anormalidades em ECG, coma ou convulsões após superdosagem com REMERON isolado. Tratamento da superdosagem: O tratamento deve consistir das medidas gerais empregadas no tratamento da superdosagem de qualquer agente antidepressivo. Assegurar a oxigenação e a ventilação adequada das vias aéreas. Monitorar o ritmo cardíaco e os sinais vitais. Recomendam-se também medidas gerais de apoio e controle sintomático. Não é recomendada a indução de vômitos. Pode ser indicado, caso necessário, uma lavagem gástrica com tubo orogástrico de grosso calibre com proteção adequada das vias aéreas, se realizada logo após a ingestão do fármaco, ou em pacientes sintomáticos. Devido à sua rápida desintegração, podem não aparecer fragmentos do comprimido de REMERON SOLTAB no conteúdo gástrico obtido com a lavagem. Deve-se administrar carvão ativado. Não existe experiência com o uso de diurese forçada, diálise, hemoperfusão ou transfusão de troca no tratamento de casos de superdosagem de mirtazapina. Não são conhecidos antídotos específicos para a mirtazapina. Ao tratar casos de superdosagem, deve-se considerar a possibilidade de envolvimento de mais de uma droga. O médico deve considerar a possibilidade de entrar em contato com um centro de controle de substâncias venenosas para obter informações adicionais a respeito do tratamento de qualquer caso de superdosagem.

 

Pacientes idosos — Aproximadamente 190 indivíduos idosos (³ 65 anos de idade) participaram de estudos clínicos com REMERON Comprimidos. Sabe-se que este fármaco é substancialmente excretado pelos rins (75%) e o risco de diminuição da eliminação do medicamento é maior em pacientes com função renal prejudicada. Como pacientes idosos são mais propensos a apresentar uma diminuição da função renal, a seleção da dose deve ser cuidadosa. Fármacos sedativos podem causar confusão e sedação excessiva nos idosos. Nenhum fenômeno adverso raro relacionado à idade foi identificado neste grupo. Estudos farmacocinéticos revelaram uma diminuição do clearance nos idosos. Aconselha-se cautela ao administrar REMERON SOLTAB a pacientes idosos (ver Propriedades farmacocinéticas e Posologia e modo de usar).

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Só pode ser vendido com retenção da receita.

 

Fabricado por: Cima Laboratoires — EUA.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0077.

 

Embalado e distribuído por:

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

RISELLE (Organon do Brasil).

 

Estradiol

 

Composição

Cada implante contém: 17b-estradiol 25 mg. Não contém excipientes.

 

Indicações

RISELLE® é indicado no tratamento dos sintomas de deficiência estrogênica associados à menopausa natural ou cirúrgica. Prevenção da osteoporose induzida por deficiência estrogênica.

 

Contra-indicações

Hipersensibilidade ao estradiol. Durante a gravidez ou suspeita de gravidez e durante a lactação. Sangramento vaginal sem diagnóstico. Trombose venosa profunda ativa, distúrbios tromboembólicos ou história desses distúrbios. Casos confirmados ou suspeita de tumores estrogênio-dependentes. Endometriose.

 

Reações adversas

As seguintes reações adversas podem ser associadas com o uso de estrogênios em geral: Mamas: Tensão, dor, edema e secreção. Gerais: Retenção de líquido e ganho de peso. Pele: Eritema ocasional, cloasma, erupção. Sistema nervoso central: Cefaléia, enxaqueca, fadiga, nervosismo e alteração do humor. Sistema gastrointestinal e fígado: Náusea, flatulência, colelitíase, icterícia colestática, alterações nos níveis séricos de enzimas hepáticas. Área urogenital: Sangramentos vaginais inesperados, secreção da cérvix, aumento no tamanho de fibromioma, agravação de endometriose. Sistema cardiovascular: Trombose/tromboembolismo, hipertensão. Olhos: Desconforto no uso de lentes de contato. Com os implantes pode ocorrer ocasionalmente um hematoma subdérmico no local da aplicação.

 

Posologia

Para tratamento dos sintomas de deficiência estrogênica: Geralmente 1 implante. Um implante adicional pode ser administrado quando houver recorrência dos sintomas. Em geral, isso ocorrerá em 6 meses, com uma variação de 4 a 8 meses. Algumas pacientes podem necessitar de doses maiores de estradiol, podendo ser usados 2 implantes simultaneamente. Para a prevenção da osteoporose: 1 implante a cada 6 meses. Às mulheres que possuem útero intacto também deve ser prescrito progestogênio por 10-14 dias/mês com o objetivo de prevenir a hiperplasia endometrial. RISELLE®  deve ser inserido subcutaneamente, após anestesia local, utilizando o aplicador em área de pouco movimento como no quadrante externo superior das nádegas ou na região abdominal inferior.

 

Apresentação

RISELLE® , na forma farmacêutica de implante (subcutâneo) em embalagem contendo: 1 implante (6 mm de comprimento, 2,1 mm de diâmetro), 1 aplicador e 1 pinça.

 

 

 

 

Sandrena® gel

 

Estradiol

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Cartucho com 28 sachês de 0,5 ou 1,0 g.

 

Composição — Cada sachê com 0,5 g de gel contém: Estradiol (como hemidrato) 0,5 mg; Excipientes (carbômero 934, solução de hidróxido de sódio, propilenoglicol, etanol, água purificada) q.s.p. 0,5 g. Cada sachê com 1,0 g de gel contém: Estradiol (como hemidrato) 1,0 mg; Excipientes (carbômero 934, solução de hidróxido de sódio, propilenoglicol, etanol, água purificada) q.s.p. 1,0 g.

 

Informações à paciente — SANDRENA não deve ser usado como método anticoncepcional. Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Cuidados de armazenamento e data de validade: Nº do lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não usar medicamento com o prazo de validade vencido, pois seu efeito não será o desejado. SANDRENA deve ser conservado em local com temperatura até 25°C, protegido da luz. Gravidez e a lactação: O uso de SANDRENA é contra-indicado em mulheres grávidas ou que estejam amamentando. Cuidados na administração: Lavar bem as mãos antes e após a aplicação. Evitar contato acidental do gel com os olhos. SANDRENA é administrado em dose única diária e aplicado sobre a pele do abdome ou da coxa (direita ou esquerda), alternando diariamente o local de aplicação. A superfície de aplicação deverá ser uma área de 1-2 palmos (200-400 cm2), ou seja, SANDRENA deverá ser espalhado e não deverá ser concentrado em uma área menor do que 1 palmo (200 cm2) e não ultrapassar uma área maior do que 2 palmos (400 cm2). Não deve ser aplicado na região das mamas, no rosto, na pele com irritações ou na área vaginal. Aguardar ao menos 1 hora após a aplicação de SANDRENA para molhar a área onde foi aplicado o gel. Se a paciente esquecer de aplicar uma dose, essa deve ser aplicada tão logo seja possível, em até 12 horas após o horário habitual. Se ultrapassar as 12 horas, não aplicar esta dose. Continuar o tratamento normalmente. O esquecimento das doses pode induzir a sangramentos irregulares. Precauções e advertências: Um exame ginecológico completo deve ser realizado e repetido pelo menos uma vez ao ano durante o tratamento. O uso prolongado de SANDRENA, sem o uso combinado de um progestagênio, pode causar hiperplasia endometrial. Por essa razão, para mulheres que possuem o útero intacto, é recomendado o uso combinado de um progestagênio cíclico durante o tratamento com SANDRENA. Sangramento de privação semelhante à menstruação geralmente deverá ocorrer após o término de cada ciclo de progestagênio. Caso ocorra um sangramento uterino inesperado ou prolongado durante o tratamento com SANDRENA, a causa deve ser pesquisada e esclarecida. Deve-se levar em conta a descontinuação do tratamento antes de uma cirurgia ou de uma imobilização prolongada. Os riscos e os benefícios do tratamento devem ser avaliados e monitorados rigorosamente em pacientes que apresentarem: endometriose; hiperplasia endometrial; doenças cardiovasculares, incluindo distúrbios vasculares e cerebrais; história de doença tromboembólica; hipertensão severa; história (ou história familiar próxima) de câncer de mama; distúrbios do metabolismo de lipídios; disfunção renal. Mulheres em tratamento com SANDRENA que apresentaram (durante a gravidez ou tratamento hormonal prévio) as seguintes situações devem ser cuidadosamente monitoradas: hipertensão leve; enxaqueca ou dor de cabeça severa; distúrbios da função hepática; distúrbios benignos da mama; colestase/colelitíase; porfiria; leiomioma uterino; diabetes mellitus; epilepsia; asma; otosclerose; esclerose múltipla.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Propriedades farmacodinâmicas — A farmacodinâmica de SANDRENA é similar à dos estrogênios orais, sendo que a maior diferença, em relação à administração oral, é encontrada na farmacocinética. A eficácia clínica de SANDRENA no tratamento dos sintomas de menopausa é comparável à do estrogênio administrado por via oral. Combinado com o acetato de medroxiprogesterona, o tratamento percutâneo com estradiol abaixa o colesterol total sem reduzir o nível de HDL-colesterol. O tratamento com SANDRENA é tão eficiente quanto com estrogênios orais na redução da perda óssea na pós-menopausa.

 

Propriedades farmacocinéticas — SANDRENAé um gel de base alcoólica. Quando aplicado na pele, o álcool evapora rapidamente e o estradiol é, então, absorvido e estocado no tecido subcutâneo, de onde é gradualmente liberado para a circulação. A administração percutânea evita o efeito da primeira passagem pelo fígado. Por essas razões, as flutuações na concentração plasmática com SANDRENA são menos pronunciadas que as com estrogênios orais. Uma dose percutânea de estradiol de 1,5 mg (1,5 g de gel) resulta numa concentração plasmática de aproximadamente 340 pmol/l, o que corresponde ao início da fase folicular de mulheres na pré-menopausa. Durante o tratamento com SANDRENA, a razão estradiol/estrona é de 0,7, enquanto durante o tratamento por via oral essa razão cai para menos que 0,2. A biodisponibilidade de SANDRENA é de 82%, comparada com a dose oral equivalente de valerato de estradiol. Por outro lado, o metabolismo e a excreção do estradiol transdérmico são os mesmos dos estrogênios naturais.

 

Indicações — SANDRENA é indicado para tratamento da síndrome do climatério, associada com deficiência estrogênica (por exemplo: fogachos, sudorese noturna, atrofia dos tecidos urogenitais e humor deprimido), resultante da menopausa natural ou cirúrgica. Prevenção da osteoporose pós-menopausal.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade aos componentes da fórmula; durante a gravidez e a lactação; sangramento vaginal não-diagnosticado; distúrbios cárdio ou cerebrovasculares, como tromboflebites, processos tromboembólico ou história pregressa dessas condições distúrbios hepáticos graves (incluindo síndrome de Dubin-Johnson e síndrome de Rotor); casos confirmados ou suspeita de tumores estrogênio-dependentes (por exemplo: câncer de mama, endométrio ou ovário).

 

Precauções e advertências — Um exame ginecológico completo deve ser realizado e repetido pelo menos uma vez ao ano durante o tratamento. O uso prolongado de SANDRENA, sem o uso combinado de um progestagênio, pode causar hiperplasia endometrial. Por essa razão, para mulheres que possuem o útero intacto, é recomendado o uso combinado de um progestagênio cíclico durante o tratamento com SANDRENA. Sangramento de privação semelhante à menstruação geralmente deverá ocorrer após o término de cada ciclo de progestagênio. Caso ocorra um sangramento uterino inesperado ou prolongado durante o tratamento com SANDRENA, a causa deve ser pesquisada e esclarecida. Deve-se levar em conta a descontinuação do tratamento antes de uma cirurgia ou de uma imobilização prolongada. Os riscos e benefícios do tratamento devem ser avaliados e monitorados rigorosamente em pacientes que apresentarem: endometriose; hiperplasia endometrial; doenças cardiovasculares, incluindo distúrbios vasculares e cerebrais; história de doença tromboembólica; hipertensão severa; história (ou história familiar próxima) de câncer de mama; distúrbios do metabolismo de lipídios; disfunção renal. Mulheres em tratamento com SANDRENA que apresentaram (durante a gravidez ou tratamento hormonal prévio) as seguintes situações devem ser cuidadosamente monitoradas: hipertensão leve; enxaqueca ou dor de cabeça severa; distúrbios da função hepática; distúrbios benignos da mama; colestase/colelitíase; porfiria; leiomioma uterino; diabetes mellitus; epilepsia; asma; otosclerose; esclerose múltipla.

 

Interações medicamentosas — Há indicações de que os estrogênios reduzem os efeitos de anti-hipertensivos, anticoagulantes e antidiabéticos. O tratamento simultâneo com potentes indutores enzimáticos hepáticos (por exemplo: barbitúricos, carbamazepina, griseofulvina e rifampicina) pode reduzir os níveis plasmáticos de estradiol. A significância dessas interações em aplicações transdérmicas não foi bem esclarecida. Nenhuma interação entre SANDRENA e outros medicamentos tem sido relatada.

 

Reações adversas — As reações adversas são geralmente brandas e raramente levam à descontinuação do tratamento. Se ocorrerem reações adversas, essas ocorrerão durante os primeiros meses de tratamento. Ocasionais: Dores de cabeça, edema, aumento de peso, tensão mamária, sangramentos vaginais imprevistos ou spotting. Raros: Enxaqueca, alterações na libido e no humor, distúrbios gastrointestinais (vômitos, cólicas estomacais), hipertensão, irritação na pele.

 

Posologia e modo de usar — SANDRENA é indicado para uso contínuo, mas pode ser usado ciclicamente. A dose deve ser ajustada individualmente de 0,5 g a 1,5 g por dia, o correspondente a 0,5 mg a 1,5 mg de estradiol por dia. A dose inicial é de 1,0 mg de estradiol (1,0 g de gel) diariamente. Nas pacientes com útero intacto, é recomendado combinar o tratamento de SANDRENA com um progestagênio, por exemplo, acetato de medroxiprogesterona, noretisterona, acetato de noretisterona ou diidrogesterona por 10-12 dias por ciclo. Nas pacientes em pós-menopausa estabelecida, os ciclos de tratamento podem ser aumentados para 3 meses. Lavar bem as mãos antes e após a aplicação. Evitar contato acidental do gel com os olhos. SANDRENA é administrado em dose única diária e aplicado sobre a pele do abdome ou da coxa (direita ou esquerda), alternando diariamente o local de aplicação. A superfície de aplicação deverá ser uma área de 1-2 palmos (200-400 cm2), ou seja, SANDRENA deverá ser espalhado e não deverá ser concentrado em uma área menor do que 1 palmo (200 cm2) e não ultrapassar uma área maior do que 2 palmos (400 cm2). SANDRENA não deve ser aplicado na região das mamas, no rosto, na pele com irritações ou na área vaginal. Aguardar ao menos 1 hora após a aplicação de SANDRENA para molhar a área onde foi aplicado o gel. Se a paciente esquecer de aplicar uma dose, essa deve ser aplicada tão logo seja possível, em até 12 horas após o horário habitual. Se ultrapassar as 12 horas, não aplicar esta dose. Continuar o tratamento normalmente. O esquecimento das doses pode induzir a sangramentos irregulares.

 

Superdosagem — Geralmente, estrogênios são bem tolerados em superdosagem. Os possíveis sintomas de uma superdosagem são os mesmos citados para reações adversas. O tratamento é sintomático.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Fabricado por: Orion Corporation — Finlândia.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0084.

 

Importado e distribuído por:

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

Tolvon®

 

Cloridrato de mianserina

 

 

Composição— Cada comprimido revestido contém: Cloridrato de mianserina 30 mg. Excipiente (amido, dióxido de silício, estearato de magnésio, metilcelulose, fosfato de cálcio dibásico, hidroxipropilmetilcelulose, polietilenoglicol, dióxido de titânio) q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicações — TOLVON é indicado no tratamento das enfermidades depressivas nas quais estejam indicados os fármacos antidepressivos.

 

Contra-indicações— Em pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula, durante a fase maníaca de doença bipolar e nos casos de psicose esquizofrênica.

 

Reações adversas — Discrasias sangüíneas, convulsões, hipomania, hipotensão, distúrbios da função hepática, artralgia, edema e ginecomastia foram ocasionalmente relatados. Durante os primeiros dias de tratamento, foram relatados casos de tonturas. A fim de assegurar um efeito antidepressivo ótimo, não é recomendável reduzir a dose de TOLVON. A freqüência e severidade dos sintomas relacionados com a depressão, tais como visão turva, boca seca e constipação não aumentam durante o tratamento com TOLVON; ao contrário, em muitos casos foi observada uma diminuição desses sintomas.

 

Posologia — A administração deve ser por via oral; os comprimidos deverão ser tomados sem mastigar, com auxílio de algum líquido. Iniciar o tratamento com 30 mg/dia, administrados na hora de deitar. Ajustar a dose de acordo com a resposta clínica do paciente. A dose efetiva geralmente situa-se entre 30 mg e 90 mg/dia. Na maioria dos casos, esta dose é de 60 mg/dia. Obs.: Não existem estudos clínicos de cloridrato de mianserina em crianças; portanto, não se pode determinar esquema posológico para essa faixa etária.

 

Apresentação— Embalagens com 20 comprimidos revestidos de 30 mg (Cloridrato de mianserina).

 

Registro no M.S. 1.0171.0042.

 

ORGANON do Brasil Ind. e Com. Ltda.

 

 

 

 

Styptanon®

 

Succinato de estriol

 

 

Composição — Cada frasco-ampola contém: Succinato de estriol 20 mg; manitol 20 mg. Cada ampola de diluente contém: Água para injeção q.s.p. 2 ml.

 

Indicações— Terapia e profilaxia de hemorragias capilares. Cirurgia geral: Como profilático e no tratamento de hemorragias parenquimáticas, por exemplo, no pré e pós-operatório de intervenções cirúrgicas pequenas e grandes (antes e após prostatectomia, operações no fígado e em cirurgia plástica). Oftalmologia: Nas hemorragias do corpo vítreo ou de fundo do olho, em conseqüência de afecções vasculares degenerativas. Otorrinolaringologia: Antes e depois de tonsilectomias e operações de ouvido. Clínica geral: Nas gastrites hemorrágicas e outras hemorragias do trato gastrintestinal; nas trombocitopenias primárias e secundárias e exacerbações das mesmas; hemorragias petequiais e outras hemorragias resultantes de uma permeabilidade patológica; fragilidade capilar; profilaxia nas tendências hemorrágicas, aumentadas durante terapia com anticoagulantes. Obs.: STYPTANON não possui nenhuma influência no mecanismo de coagulação sangüínea. STYPTANON não é indicado para o tratamento de hemorragias de grandes veias ou para hemorragias traumáticas em pacientes em uso de anticoagulantes.

 

Contra-indicações— STYPTANON contém uma substância estrogênica. Portanto, quando altas doses e tratamento prolongado forem necessários, os benefícios de sua terapia deverão ser avaliados em comparação aos possíveis riscos. Nessas situações, as contra-indicações, precauções e advertências válidas em relação à terapêutica estrogênica deverão ser levadas em conta. Deve-se ter em mente que o tratamento com STYPTANON é sintomático. Em função disso, procedimentos diagnósticos apropriados deverão ser utilizados no estabelecimento de patologias mascaradas e, quando possível, instituir terapêutica causal.

 

Reações adversas — Sendo o succinato de estradiol um estrógeno, poderá ocorrer retenção de líquidos, aumento e(ou) sensibilidade das mamas, cefaléia, enxaqueca, tontura, náusea, vômito e outros distúrbios gastrintestinais que desaparecerão com o ajuste da dose utilizada.

 

Posologia — Adultos: Em geral, 20 mg diariamente. Em casos sérios, 40 mg diariamente. Pré-operatório:De 20 a 40 mg no dia anterior à operação; repetir a mesma dose aproximadamente 1 hora antes da cirurgia. Crianças: De 5 a 10 mg diariamente, dependendo do peso corpóreo. Obs.: As dosagens podem ser ajustadas de acordo com as necessidades individuais do paciente.

 

Apresentação— Embalagens com 1 frasco-ampola de pó liofilizado e 1 ampola de diluente de 2 ml.

 

Registro no M.S. 1.0171.0038.

 

ORGANON do Brasil Ind. e Com. Ltda.

 

 

 

 

Ovestrion®comprimidos

 

Estriol

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Comprimidos: Cartucho com 30 comprimidos.

 

Composição — Cada comprimido de OVESTRION COMPRIMIDOS 1 mg contém: Estriol 1 mg; Excipientes (amido, estearato de magnésio, amilopectina e lactose) q.s.p. 1 comprimido. Cada comprimido de OVESTRION COMPRIMIDOS 2 mg contém: Estriol 2 mg; Excipientes (amido, povidona, dióxido de silício, estearato de magnésio, e lactose) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações à paciente — Ação esperada do medicamento: OVESTRION COMPRIMIDOS é um produto indicado para reposição hormonal feminina, que apresenta como princípio ativo o estriol, e só deverá ser utilizado sob orientação médica. Cuidados de armazenamento e data de validade: OVESTRION COMPRIMIDOS deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da luz e da umidade. Nº do lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pois o seu efeito não será o desejado. Cuidados de administração: Para usar OVESTRION COMPRIMIDOS e obter o máximo de eficácia, leia atentamente as instruções indicadas a seguir: Os comprimidos devem ser ingeridos sem mastigar com o auxílio de algum líquido. Informar ao seu médico se ocorrer gravidez durante o tratamento, dor nas mamas ou tensão. Siga a orientação do seu médico respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Reações adversas: Raramente são observados aumento de pressão arterial, dores de cabeça, alterações visuais e cãibras. Normalmente estas reações desaparecem após as primeiras semanas de tratamento. Podem ocorrer sensibilidade ou dores nas mamas, náuseas, vômitos, sangramentos vaginais, retenção de água e aumento da secreção vaginal. Estas reações são indicativas de doses elevadas. Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, especialmente se forem intensas ou persistentes. Contra-indicações e precauções: OVESTRION COMPRIMIDOS está contra-indicado nos casos de: gravidez; problemas circulatórios; suspeita ou casos de tumores dependentes de hormônios; sangramento vaginal sem diagnóstico; problemas no ouvido (otosclerose) durante a gravidez ou uso de hormônios. Pacientes portadoras das seguintes condições deverão ser monitoradas: história de processos tromboembólicos, insuficiência cardíaca latente ou manifesta, retenção de líquidos devido à disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou história dessas condições), distúrbios hepáticos graves, endometriose, mastopatia fibrocística, porfiria, hiperlipoproteinemia, diabetes mellitus; história de prurido, herpes gestacional ou deterioração da otosclerose durante a gravidez ou uso de preparações estrogênicas. Mamas doloridas ou produção excessiva de muco cervical podem ser indicativos de doses excessivas. Durante o tratamento prolongado é aconselhável fazer exames médicos periodicamente.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — OVESTRION COMPRIMIDOS (uso ora) apresenta como princípio ativo o estriol, hormônio natural feminino. Nos anos que antecedem ou sucedem a menopausa (natural ou cirúrgica), o estriol pode ser usado no tratamento dos sintomas relacionados à deficiência estrogênica. O estriol é particularmente eficaz no tratamento dos sintomas geniturinários. No caso de atrofia vaginal, o estriol induz a normalização do epitélio vaginal e ajuda a restauração da microflora normal e do pH fisiológico da vagina. Como resultado, o estriol aumenta a resistência das células epiteliais vaginais à infecção e inflamação. Após a administração oral, o estriol é rapidamente absorvido pelo trato gastrintestinal. Os níveis plasmáticos máximos são atingidos de 1 a 2 horas após a administração. Quase a totalidade de estriol (90%) se liga à albumina plasmática e, ao contrário a outros estrogênios, não apresenta globulina fixadora de hormônio sexual (SHBG). O metabolismo do estriol consiste principalmente na conjugação e desconjugação durante a circulação êntero-hepática. O estriol é excretado, principalmente, através da urina sob a forma conjugada e apenas uma pequena fração (± 2%) é excretada pelas fezes sob a forma não-conjugada. Finalmente, ao contrário de outros estrogênios, o estriol é de curta duração, pois tem curto tempo de permanência dentro do núcleo das células endometriais. Sendo assim, não há proliferação endometrial quando a dose total recomendada é administrada em dose única diária, não sendo necessária a administração cíclica de progestágeno e nem ocorre sangramento de privação na pós-menopausa.

 

Indicações e posologia — 1. Atrofia do trato geniturinário relacionada à deficiência estrogênica, especialmente a: tratamento das queixas vaginais com dispareunia, ressecamento e prurido; prevenção das infecções recidivantes vaginais e do trato geniturinário inferior; controle das queixas miccionais (como polaciúria e disúria) e incontinência urinária leve: 4 a 8 mg por dia durante as primeiras semanas, seguida de redução gradual, de acordo com o alívio dos sintomas, até se atingir a dose de manutenção (1 a 2 mg por dia). 2. Terapia pré e pós-operatórias em mulheres na pós-menopausa submetidas à cirurgia vaginal: 4 a 8 mg por dia 2 semanas antes da cirurgia e 1 a 2 mg por dia durante as 2 semanas após a cirurgia. 3. Auxiliar diagnóstico em caso de esfregaço cervical atrófico duvidoso: 2 a 4 mg por dia durante 1 semana antes da coleta do próximo esfregaço. 4. Queixas climatérias, como fogacho e sudorese noturna: 4 a 8 mg por dia durante as primeiras semanas, seguidas da redução gradual. Para terapia de manutenção, usar a menor dose eficaz. 5. Infertilidade devido à hostilidade cervical: em geral, 1 a 2 mg do 6º ao 15º dia do ciclo menstrual. Entretanto, para algumas pacientes, doses de 0,25 mg/dia são suficientes, enquanto que outras podem necessitar de até 8 mg/dia. Dessa forma, a dose deve ser aumentada a cada mês até que se obtenha um efeito ótimo do muco cervical.

 

Contra-indicações — Gravidez; trombose; suspeita ou casos confirmados de tumores estrogênio-dependentes; sangramento vaginal sem diagnóstico; história de manifestação ou otosclerose durante a gravidez ou uso prévio de esteróides.

 

Precauções e advertências — Não existem informações suficientes quanto ao uso de estriol durante a lactação que permitem aferir o risco potencial ao lactente. Sabe-se que o estriol é excretado através do leite materno, podendo diminuir a produção do leite. Para prevenir a estimulação endometrial, a dose diária não deverá exceder 8 mg e nem essa dose máxima deverá ser empregada por mais de algumas semanas. Durante o tratamento prolongado com estrogênios, recomenda-se a realização de exames médicos periódicos. Existem relatos indicando uma associação entre o uso de preparações contendo estrogênios com a ocorrência de colelitíase. No entanto, não se sabe ainda se essa associação existe com o estriol. Em caso de infecções vaginais, recomenda-se tratamento específico concomitante. Pacientes portadoras das seguintes condições deverão ser monitoradas: história de processos tromboembólicos, insuficiência cardíaca latente ou manifesta, retenção de líquidos devido à disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou história dessas condições), distúrbios hepáticos graves, endometriose, mastopatia fibrocística, porfiria, hiperlipoproteinemia, diabetes mellitus; história de prurido, herpes gestacional ou deterioração da otosclerose durante a gravidez ou uso de preparações estrogênicas.

 

Interações medicamentosas — Existem indicações que os estrogênios, incluindo o estriol, podem aumentar os efeitos farmacológicos de certos corticosteróides. Se necessário, a dosagem do corticosteróide deverá ser reduzida. Também há indicações obtidas principalmente com outros estrogênios ou anticoncepcionais orais, de que o uso concomitante de estriol com barbitúricos, hidantoínas e rifampicina diminui a eficácia do estriol. O estriol ainda pode aumentar a eficácia dos bloqueadores beta-adrenérgicos e alterar a eficácia das insulinas.

 

Reações adversas — Sensibilidade ou dores mamárias, náuseas, vômitos, spotting, retenção hídrica e hipersecreção cervical poderão ocorrer. Essas reações são indicativas de doses elevadas. Cefaléia, hipertensão, cãibras e distúrbios visuais são observados raramente. Normalmente, essas reações desaparecem após as primeiras semanas de tratamento.

 

Superdosagem — A toxidade aguda de estriol em animais é bastante baixa. É improvável a ocorrência de superdosagem de OVESTRION COMPRIMIDOS após administração oral. No entanto, se houver grande ingestão de estriol, os possíveis sintomas são: náuseas, vômitos e sangramento de privação em mulheres. Não existe antídoto específico. Se necessário, pode-se instituir tratamento sintomático.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0030.

 

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

Ovestrion® creme vaginal

 

Estriol

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Creme vaginal: Cartucho com bisnaga de 50 g + aplicador.

 

Composição — Cada grama de creme contém: Estriol 1 mg; Excipientes (octildodecanol, cetil palmitato, glicerina, álcool cetílico, álcool estearílico, polissorbato, estearato de sorbitan, ácido lático, cloridrato de clorexidina, solução hidróxido de sódio) q.s.p. 1 g.

 

Informações à paciente — Ação esperada do medicamento: Alívio dos sintomas vaginais relacionados à falta do hormônio feminino estriol. Cuidados de armazenamento e data de validade: OVESTRION CREME deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15oC e 30°C) e protegido da luz. Nº do lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com o prazo de validade vencido, pois o seu efeito não será o desejado. Cuidados de administração:Para usar OVESTRION CREME e obter o máximo de eficácia, leia atentamente as instruções indicadas a seguir: OVESTRION CREME deve ser usado à noite, na hora de deitar, e administrado na vagina com auxílio do aplicador que acompanha a bisnaga. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Como usar OVESTRION CREME: Lave bem as mãos antes da aplicação; remova a tampa da bisnaga e encaixe o bocal do aplicador na bisnaga; pressione a extremidade inferior do tubo para encher o aplicador até a marca (anel) na parte superior correspondente a cerca de 1 grama. Não 'puxe' o êmbolo além desta marca (anel), retire o aplicador da bisnaga e tampe-a; deite-se e introduza profundamente o aplicador na vagina e empurre o êmbolo vagarosamente até o fim; lave muito bem o aplicador com água morna e sabão e enxágüe bem (não use detergente e nem água fervente).

 

Figura

 

Reações adversas: Durante o uso de OVESTRION CREMEpode ocorrer coceira ou irritação local. Ocasionalmente pode ocorrer dor nas mamas ou tensão. Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, especialmente se forem intensas ou persistentes. Contra-indicações e precauções: OVESTRION CREME é contra-indicado para: pacientes grávidas; com trombose; com sangramento vaginal sem diagnóstico; que já apresentaram cloasma (manchas escuras na pele, especialmente na face) durante a gravidez ou uso de esteróides; pacientes com suspeita ou caso confirmado de tumores dependentes de hormônio (estrogênio). Em caso de tratamento prolongado, recomenda-se a realização de exames médicos periódicos.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — OVESTRION CREME apresenta como princípio ativo o estriol, hormônio natural feminino. Nos anos que antecedem ou sucedem a menopausa (natural ou cirúrgica), o estriol pode ser usado no tratamento dos sintomas relacionados à deficiência estrogênica. O estriol é particularmente eficaz no tratamento dos sintomas geniturinários. No caso de atrofia vaginal, o estriol induz a normalização do epitélio vaginal e ajuda a restauração da microflora normal e do pH fisiológico da vagina. Como resultado, o estriol aumenta a resistência das células epiteliais vaginais à infecção e inflamação. A administração intravaginal do estriol proporciona concentração ótima no local de ação. O estriol é também absorvido pela circulação sistêmica e os níveis plasmáticos máximos são atingidos de 1 a 2 horas após a aplicação. Quase a totalidade de estriol (90%) se liga à albumina plasmática e, ao contrário a outros estrogênios, não apresenta ligação à globulina fixadora de hormônios sexual (SHBG). O metabolismo do estriol consiste principalmente na conjugação e na desconjugação durante a circulação êntero-hepática. O estriol é excretado, principalmente, através da urina sob a forma conjugada e apenas pequena fração (± 2%) é excretada pelas fezes sob a forma não-conjugada. Finalmente, ao contrário de outros estrogênios, o estriol é de curta duração, pois tem curto tempo de permanência dentro do núcleo das células endometriais. Sendo assim, não há proliferação endometrial quando a dose total recomendada é administrada em dose única diária, não sendo necessária a administração cíclica de progestágeno e nem ocorre sangramento de privação na pós-menopausa.

 

Indicações e posologia — 1. Atrofia do trato geniturinário relacionada à deficiência estrogênica, especialmente em: tratamento das queixas vaginais como dispareunia, ressecamento e prurido; prevenção das infecções recidivantes vaginais e do trato geniturinário inferior; controle das queixas miccionais (como polaciúria e disúria) e incontinência urinária leve: 1 aplicação por dia durante as primeiras semanas, seguida de redução gradual de acordo com o alívio dos sintomas, até se atingir a dose de manutenção (1 aplicação, 2 vezes por semana). 2. Terapia pré e pós-operatórios em mulheres na pós-menopausa submetidas à cirurgia vaginal: 1 aplicação por dia 2 semanas antes da cirurgia e 1 aplicação 2 vezes por semana durante as 2 semanas após a cirurgia. 3. Auxiliar diagnóstico em caso de esfregaço cervical atrófico duvidoso: 1 aplicação em dias alternados, 1 semana antes da coleta do próximo esfregaço.

 

Contra-indicações — Gravidez; trombose; suspeita ou casos confirmados de tumores estrogênio-dependentes; sangramento vaginal sem diagnóstico; história de manifestação ou otosclerose durante a gravidez ou uso prévio de esteróides.

 

Precauções e advertências — Não existem informações suficientes quanto ao uso de estriol durante a lactação que permitam aferir o risco potencial ao lactente. Sabe-se que o estriol é excretado através do leite materno, podendo diminuir a produção de leite. Para prevenir a estimulação endometrial, a dose diária não deverá exceder a 1 aplicação e nem esta dose máxima deverá ser empregada por muitas semanas seguidas. Durante o tratamento prolongado com estrogênios, recomenda-se a realização de exames médicos periódicos. Existem relatos indicando uma associação entre o uso de preparações contendo estrogênios com a ocorrência de colelitíase. No entanto, não se sabe ainda se esta associação existe com o estriol. Em casos de infecções vaginais, recomenda-se tratamento específico concomitante. Pacientes portadoras das seguintes condições deverão ser monitoradas: história de processos tromboembólicos, insuficiência cardíaca latente ou manifesta, retenção de líquidos devido à disfunção renal, hipertensão, epilepsia ou enxaqueca (ou história dessas condições), distúrbios hepáticos graves, endometriose, mastopatia fibrocística, porfiria, hiperlipoproteinemia, diabetes mellitus; história de prurido, herpes gestacional ou deterioração da otosclerose durante a gravidez ou uso de preparações estrogênicas.

 

Interações medicamentosas — Existem indicações que os estrogênios, incluindo o estriol, podem aumentar os efeitos farmacológicos de certos corticosteróides. Se necessário, a dosagem do corticosteróide deverá ser reduzida. Também há indicações, obtidas principalmente com outros estrogênios ou anticoncepcionais orais, de que o uso concomitante de estriol com barbitúricos, hidantoínas e rifampicina diminui a eficácia do estriol. O estriol ainda pode aumentar a eficácia dos bloqueadores beta-adrenérgicos e alterar a eficácia das insulinas.

 

Reações adversas — Como acontece com qualquer produto de aplicação em superfícies de mucosas, OVESTRION CREME pode causar prurido ou irritação local. Tensão ou dores mamárias poderão ocasionalmente surgir; essas reações são indicativas de doses elevadas. Normalmente, essas reações desaparecem após as primeiras semanas de tratamento.

 

Administração — OVESTRION CREME deve ser administrado, intravaginalmente, à noite na hora de deitar, com auxílio do aplicador que acompanha a bisnaga (um aplicador contém aproximadamente 1,0 g de creme). O aplicador tem uma marca na parte superior (anel). O êmbolo não deve ser 'puxado' além desta marca (anel).

 

Superdosagem — A toxicidade aguda de estriol em animais é bastante baixa. É improvável a ocorrência de superdosagem de OVESTRION CREME após administração vaginal. No entanto, se houver grande ingestão de estriol, os possíveis sintomas são: náuseas, vômito e sangramento de privação em mulheres. Não existe antídoto específico. Se necessário, pode-se instituir tratamento sintomático.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0030.

 

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

DICLOGENOM (Genom).

 

Diclofenaco sódico

 

Composição

Cada ml da solução oftálmica contém: Diclofenaco sódico 1 mg; Veículos (ácido bórico, borato de sódio, tiomersal, cloreto de sódio e água purificada estéril) q.s.p. 1 ml; Cada g da pomada oftálmica contém: Diclofenaco sódico 1 mg. Excipientes (vaselina, lanolina, metilparabeno e propilparabeno) q.s.p. 1 g.

 

Indicações

Reações inflamatórias do segmento anterior do globo ocular: conjuntivite crônica, ceratoconjuntivite, condições pós-traumáticas dolorosas da córnea e da conjuntiva, no pré e pós-operatório de cirurgia ocular, úlceras marginais da córnea, ceratite fotoelétrica e episclerites. Adjuvante no tratamento da inflamação na ceratite do estroma corneano por herpes.

 

Contra-indicações

O produto está contra-indicado em pacientes com história de hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula. Pacientes com crises de asma, urticária e rinite precipitadas pelo ácido acetilsalicílico ou outros agentes antiinflamatórios não-esteróides.

 

Reações adversas

Ocasionalmente pode ocorrer sensação de ardor e irritação transitória imediatamente após a aplicação.

 

Posologia

Solução oftálmica: Instilar 1 gota no saco conjuntival, 4 a 5 vezes por dia. Pomada oftálmica: Aplicar uma pequena quantidade no saco conjuntival, 2 a 3 vezes por dia. Para maior comodidade, pode-se utilizar a forma de solução oftálmica durante o dia e a forma de pomada à noite, ao deitar.

 

Apresentações

Solução oftálmica:Cartucho com frasco contendo 5 ml. Pomada oftálmica: Cartucho com bisnaga contendo 3,5 g.

 

 

 VISIONOM (Genom). Cloreto de benzalcônio, ácido bórico. Infecções oculares. Fr. com 10 ml de sol. oft.; cx. com 10 flac. de 0,5 ml.

 

 

 

 

TOBRANOM (Genom).

 

Tobramicina

 

Composição

Cada ml da solução oftálmica contém: Tobramicina base 3 mg. Veículos (ácido bórico, sulfato de sódio, cloreto de sódio, tiloxapol, cloreto de benzalcônio e água purificada estéril) q.s.p. 1 ml. Cada g da pomada oftálmica contém: Tobramicina base 3 mg. Excipientes (vaselina, clorobutanol e óleo mineral) q.s.p. 1 g.

 

Indicações

No tratamento das infecções bacterianas externas dos olhos e seus anexos, causadas por microrganismos sensíveis à tobramicina.

 

Contra-indicações

É contra-indicado em pacientes com antecedentes de hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula.

 

Reações adversas

As reações adversas relatadas com o uso oftálmico da tobramicina são: coceira, irritação, inchaço da pálpebra e eritema da conjuntiva.

 

Posologia

Solução oftálmica: Nos casos leves a moderados, instile 1 ou 2 gotas no olho afetado, a cada 4 horas. Nas infecções graves, instile duas gotas no olho, de hora em hora, até obter melhora. A partir desse momento a freqüência das instilações deve ser reduzida gradativamente antes de sua suspensão. Pomada oftálmica: Nos casos leves a moderados aplique aproximadamente 1 cm da pomada no olho afetado, 2 a 3 vezes ao dia. Em infecções mais graves, aplique aproximadamente 1 cm da pomada no olho afetado, a cada 3 ou 4 horas até obter melhora. A partir desse momento a freqüência das instilações deve ser reduzida gradativamente antes de sua suspensão.

 

Apresentações

Solução oftálmica:Cartucho com frasco contendo 5 ml. Pomada oftálmica: Cartucho com bisnaga contendo 3,5 g.

 

 

 REGENOM (Genom). Acetato de retinol, cloranfenicol, metionina, aminoácidos. Epitelização ocular. Bisn. com 3,5 g de pom. oft.

 

 

 TOBRACORT (Genom). Tobramicina, dexametasona. Inflamações oculares. Fr. com 5 ml de susp. oft.; bisn. com 3,5 g de pom. oft.; cx. com 10 flac. de 0,5 ml.

 

 

 PRIORIX (GlaxoSmithkline). Vacina contra sarampo, caxumba e rubéola. Fr.-amp. monodose + diluente.

 

 

 AEROLIN INJETÁVEL (GlaxoSmithkline). Sulfato de salbutamol. Broncodilatador. Cx. com 5 amp. de 1 ml com 0,5 mg.

 

 

 AMOXIL (GlaxoSmithkline). Amoxicilina. Antibiótico. Emb. com 15, 21 e 30 cáp. de 500 mg; fr. com 150 ml de susp. com 125, 250 e 500 mg/5ml.

 

 

 

 AMOXIL BD (GlaxoSmithkline). Amoxicilina. Antibiótico. Emb. com 14 comp. de 875 mg; emb. com 100 ml de susp. com 200 e 400 mg/5 ml.

 

 

 CIMETIVAL (Sanval). Cimetidina. Antiulceroso. Cx. com 40 e 500 comp. de 200 mg.

 

 

 AROPAX (GlaxoSmithkline). Cloridrato de paroxetina. Antidepressivo. Emb. com 10, 20 e 30 comp. de 20 mg; emb. com 10 e 20 comp. de 30 mg.

 

 

 

 

Avandia®

 

Maleato de rosiglitazona

 

 

Composição — Cada comprimido 4 mg contém: Maleato de rosiglitazona 5,30 mg (equivalente a 4 mg de rosiglitazona); Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Cada comprimido 8 mg contém: Maleato de rosiglitazona 10,60 mg (equivalente a 8 mg de rosiglitazona); Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Excipientes: Amidoglicolato de sódio, hidroxipropilmetilcelulose, celulose microcristalina, lactose, estearato de magnésio, dióxido de titânio, polietilenoglicol 3000, triacetina, óxido amarelo de ferro E 172 (4 mg), óxido vermelho de ferro E 172, talco (4 mg).

 

Indicações — AVANDIA é indicado como auxiliar a dieta e exercícios para melhorar o controle glicêmico em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. AVANDIA é indicado como monoterapia. AVANDIA é também indicado para uso em combinação com metformina, sulfoniluréia ou insulina, quando dieta, exercícios e AVANDIA sozinhos ou dieta, exercícios e um dos outros agentes sozinhos não resultam em controle glicêmico adequado. Para pacientes inadequadamente controlados com uma dose máxima de metformina ou sulfoniluréia, AVANDIA deve ser acrescentado, em vez de substituído por metformina ou sulfoniluréia. O controle de diabetes tipo 2 deve incluir controle da dieta. Restrição calórica, perda de peso e exercícios são essenciais para o tratamento apropriado do paciente diabético, porque ajudam a melhorar a sensibilidade à insulina. Isto é importante não apenas no tratamento primário de diabetes tipo 2, mas também na manutenção da eficácia do tratamento medicamentoso. Antes do início do tratamento com AVANDIA, as causas secundárias do controle glicêmico insatisfatório, por exemplo: infecção, devem ser investigadas e tratadas.

 

Contra-indicações — AVANDIA é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade a rosiglitazona ou a qualquer de seus componentes.

 

Reações adversas — Em estudos clínicos, aproximadamente 4.600 pacientes com diabetes do tipo 2 foram tratados com AVANDIA; 3.300 pacientes foram tratados por 6 meses ou mais e 2.000 pacientes foram tratados por 12 meses ou mais. Estudos de tratamentos com AVANDIA como monoterapia e combinações orais: A incidência e os tipos de eventos adversos relatados em estudos clínicos de AVANDIA como monoterapia são apresentados na tabela.

 

Tabela — Eventos adversos (³ 5% em qualquer grupo de tratamento) relatados por pacientes em estudos clínicos duplo-cegos com AVANDIA como monoterapia

 

Termo preferido                                    AVANDIA                             Placebo                       Metformina                    Sulfoniluréias*

                                                                  Monoterapia

                                                                  n = 2.526                                n = 601                         n = 225                              n = 626

                                                                  %                                            %                                  %                                       %

 

Infecção do trato                                   9,9                                           8,7                                 8,9                                      7,3

     respiratório superior

Lesão                                                        7,6                                           4,3                                 7,6                                      6,1

Cefaléia                                                    5,9                                           5,0                                 8,9                                      5,4

Dor lombar                                             4,0                                           3,8                                 4,0                                      5,0

Hiperglicemia                                         3,9                                           5,7                                 4,4                                      8,1

Fadiga                                                      3,6                                           5,0                                 4,0                                      1,9

Sinusite                                                   3,2                                           4,5                                 5,3                                      3,0

Diarréia                                                    2,3                                           3,3                                 15,6                                    3,0

Hipoglicemia                                          0,6                                           0,2                                 1,3                                      5,9

 

* Inclui pacientes recebendo glibenclamida (n = 514), gliclazida (n = 91) ou glipizida (n = 21).

 

 

Houve um pequeno número de pacientes tratados com AVANDIA que tiveram experiências adversas de anemia, edema e hipercolesterolemia. Em geral, estes eventos foram de gravidade leve a moderada e normalmente não exigiram descontinuação do tratamento com AVANDIA. Em estudos duplo-cegos, anemia foi relatada em 1,9% dos pacientes tratados com AVANDIA, em comparação a 0,7% com placebo, 0,6% com sulfoniluréias e 2,2% com metformina. Edema foi relatado em 4,8% dos pacientes tratados com AVANDIA, em comparação a 1,3% com placebo, 1,0% com sulfoniluréias e 2,2% com metformina. Em geral, os tipos de experiências adversas relatadas quando AVANDIA foi usado em combinação com metformina ou sulfoniluréia foram similares àquelas durante monoterapia com AVANDIA. Os relatos de anemia (7,1%) foram em maior número em pacientes tratados com uma combinação de AVANDIA e metformina, em comparação com a monoterapia com AVANDIA ou em combinação com sulfoniluréia. Níveis mais baixos de hemoglobina/hematócrito pré-tratamento em pacientes recrutados nos estudos clínicos de combinação com metformina podem ter contribuído para o índice mais alto de relatos de anemia nestes estudos. Em estudos duplo-cegos de 26 semanas, edema foi relatado com mais freqüência nos estudos de tratamento combinado com AVANDIA e insulina (insulina: 5,4%; AVANDIA em combinação com insulina: 14,7%). Relatos de um novo início ou de exacerbação de insuficiência cardíaca congestiva ocorreram em taxas de 1% para insulina como monoterapia e 2% (4 mg) e 3% (8 mg) para insulina em combinação com AVANDIA). Em recentes experiências pós-comercialização com AVANDIA, foram relatados eventos adversos potencialmente relacionados ao volume de expansão (p. ex.: insuficiência cardíaca congestiva e edema pulmonar). A hipoglicemia foi o evento adverso relatado com maior freqüência nos estudos clínicos com insulina em dose fixa, embora poucos pacientes tenham deixado o estudo devido a hipoglicemia (4 de 408 para AVANDIA e insulina e 1 de 203 para a insulina isoladamente). As taxas de hipoglicemia, confirmada por concentração sérica capilar de glicose £ 50 mg/dl, foram de 6% para a insulina isoladamente e de 12% (4 mg) e 14% (8 mg) para a insulina em combinação com AVANDIA.

 

Posologia — O controle do tratamento antidiabético deve ser individualizado. AVANDIA pode ser administrado na dose inicial diária de 4 mg na forma de dose única ou fracionada e administrada pela manhã e à noite. Para pacientes que respondem inadequadamente após 8 a 12 semanas de tratamento, conforme determinado pela redução da GJ, a dose pode ser aumentada para 8 mg ao dia, na forma de monoterapia ou em combinação com metformina. AVANDIA pode ser administrado com ou sem alimentação. Monoterapia: A dose inicial usual de AVANDIA é de 4 mg, administrados como dose única diária ou em doses fracionadas, duas vezes ao dia. Em estudos clínicos, o esquema de 4 mg duas vezes ao dia resultou na maior redução da GJ e HbA1c. Terapia combinada: Quando AVANDIA é acrescentado a um tratamento existente, a dose usual de metformina, insulina ou sulfoniluréia pode ser mantida até o início do tratamento com AVANDIA. Metformina: A dose inicial usual de AVANDIA, em combinação com metformina é de 4 mg, administrada como dose única diária ou em doses fracionadas, duas vezes ao dia. É improvável que a dose de metformina venha a requerer um ajuste devido a hipoglicemia durante tratamento combinado com AVANDIA. Sulfoniluréia: Quando usado em combinação com sulfoniluréia, a dose recomendada de AVANDIA é de 4 mg, administrados como dose única diária ou em doses fracionadas, duas vezes ao dia. Se os pacientes relatarem hipoglicemia, a dose de sulfoniluréia deve ser reduzida. Insulina:Para os pacientes estabilizados com insulina, a dose de insulina deverá ser mantida após o início da terapia com AVANDIA. AVANDIA deverá ser administrado na dose de 4 mg ao dia. As doses de AVANDIA de mais de 4 mg ao dia em combinação com insulina não são indicadas atualmente. Recomenda-se que a dose de insulina seja reduzida em 10% a 25%, caso o paciente relate hipoglicemia ou caso as concentrações de GJ sejam reduzidas para menos de 100 mg/dl. Os ajustes adicionais deverão ser individualizados com base na resposta de redução da glicose. Dose máxima recomendada: A dose de AVANDIA não deve exceder 8 mg ao dia, como dose única ou fracionada, duas vezes ao dia. A dose de 8 mg diários mostrou ser segura e eficaz nos estudos clínicos como monoterapia e em combinação com metformina. Doses de AVANDIA maiores que 4 mg ao dia em combinação com sulfoniluréia não foram estudadas em estudos clínicos adequados e bem controlados. Doses de AVANDIA de mais de 4 mg ao dia em combinação com insulina não são indicadas atualmente. AVANDIA pode ser administrado com ou sem alimentação. Nenhum ajuste da dose é necessário para idosos. Nenhum ajuste de dose é necessário quando AVANDIA é usado como monoterapia em pacientes com insuficiência renal. Uma vez que a metformina é contra-indicada nestes pacientes, a administração concomitante de metformina e AVANDIA também é contra-indicada em pacientes com insuficiência renal. O tratamento com AVANDIA não deve ser iniciado se o paciente apresentar evidências clínicas de doença hepática ativa ou níveis aumentados de transaminase sérica (ALT > 2,5 vezes o limite máximo da faixa normal no início do tratamento). O acompanhamento das enzimas hepáticas é recomendado em todos os pacientes antes do início do tratamento com AVANDIA e periodicamente a partir de então. Não há dados sobre o uso de AVANDIA em pacientes menores de 18 anos de idade; portanto, o uso de AVANDIA em pacientes pediátricos não é recomendado.

 

Apresentações — Comprimido revestido (Tiltab): Apresentado em embalagem contendo: AVANDIA 4 mg: 7, 14, 28 e 56 comprimidos. AVANDIA 8 mg: 7, 14 e 28 comprimidos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0107.0154.

 

Distribuído por:

GLAXOSMITHKLINE Brasil Ltda.

 

 

 BACTROBAN (GlaxoSmithkline). Mupirocina. Antibiótico tópico. Tubo com 15 g de creme a 2%.

 

 

 CLAVULIN BD (GlaxoSmithkline). Amoxicilina, clavulanato de potássio. Antibiótico. Emb. com 12 comp. de 875 mg; fr. com 70 ml de susp. com 200 e 400 mg/5 ml.

 

 

 ENGERIX-B (GlaxoSmithkline). Vacina anti-hepatite B. Emb. com 1 e 25 doses + solvente + seringa.

 

 

 FLUARIX (GlaxoSmithkline). Vacina contra gripe. Seringas com 0,5 ml ou 0,25 ml; fr.-amp. com 10 doses de 0,5 ml.

 

 

 HAVRIX (GlaxoSmithkline). Vacina contra hepatite A. Emb. com 1 seringa de 0,5 ml (Pediátrico) e 1 ml (Adulto).

 

 

 HIBERIX (GlaxoSmithkline). Vacina contra H. influenzae tipo b. Fr.-amp. + diluente.

 

 

 HYCAMTIN (GlaxoSmithkline). Cloridrato de topotecano. Antineoplásico. Emb. com 1 fr.-amp. com 4 mg.

 

 

 PARNATE (GlaxoSmithkline). Sulfato de tranilcipromina. Antidepressivo. Emb. com 20 dr. de 10 mg.

 

 

 SERETIDE DISKUS (GlaxoSmithkline). Xinafoato de salmeterol, propionato de fluticasona. Asma. Strip com 60 doses.

 

 

 STELAZINE (GlaxoSmithkline). Dicloridrato de trifluoperazina. Antipsicótico. Emb. com 20 comp. de 2 e 5 mg.

 

 

 

 TAGAMET (GlaxoSmithkline). Cimetidina. Gastroprotetor. Emb. com 10 e 40 comp. de 200 mg; emb. com 16 comp. de 400 mg.

 

 

 

 

Timentin®

 

Ticarcilina/Clavulanato de potássio

 

 

Composição — Cada frasco-ampola contém: Ticarcilina (sob a forma sódica estéril) 3,0 g; Ácido clavulânico (sob a forma de clavulanato de potássio estéril) 0,1 g.

 

Indicações — TIMENTIN® é indicado no tratamento de infecções causadas por cepas de microrganismos sensíveis, nas seguintes condições: Septicemia: Incluindo bacteremia, causada por cepas de espécies de Klebsiella* produtoras de betalactamase, E. coli*, Staphylococcus aureus* e Pseudomonas aeruginosa* (e outras espécies de Pseudomonas*). Infecções das vias aéreas inferiores: Causadas por cepas de Staphylococcus aureus, Hemophilus influenzae* e Klebsiella spp.*produtoras de betalactamase. Infecções dos ossos e articulações: Causadas por cepas de Staphylococcus aureus produtoras de betalactamase. Infecções de pele e tecidos moles: Causadas por cepas de Staphylococcus aureus, Klebsiella spp.* e Escherichia coli* produtoras de betalactamases. Infecções do trato urinário (complicadas e não-complicadas): Causadas por cepas produtoras de betalactamase de Escherichia coli, Klebsiella spp.*, Pseudomonas aeruginosa* (e outras espécies de Pseudomonas*), Citrobacter spp.*, Enterobacter cloacae*, Serratia marcescens* e Staphylococcus aureus*. Infecções ginecológicas: Endometrite causada por cepas produtoras de betalactamase de B. melaninogenicus*, Enterobacter spp.* (incluindo E. cloacae*), Eschericha coli, Klebsiella pneumoniae*, Staphylococcus aureus e Staphylococcus epidermidis. (* A eficácia para este microrganismo, neste sistema orgânico, foi estudada em menos de 10 infecções.) Enquanto TIMENTIN® é indicado apenas para as condições listadas anteriormente, as infecções causadas por microrganismos sensíveis à ticarcilina também são sensíveis ao tratamento com TIMENTIN®, devido à presença de ticarcilina em sua composição. Por esse motivo, infecções mistas causadas por microrganismos sensíveis à ticarcilina e a microrganismos produtores de betalactamase sensíveis a TIMENTIN® não requerem tratamento concomitante com outro antibiótico. Testes apropriados de cultura e sensibilidade devem ser realizados antes do tratamento, a fim de isolar e identificar os microrganismos que estão causando a infecção e para determinar sua sensibilidade ao TIMENTIN®. Devido ao seu amplo espectro de ação contra bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, TIMENTIN® é particularmente útil no tratamento de infecções mistas e para a terapia preventiva anterior à identificação dos microrganismos causadores da infecção. TIMENTIN®demonstrou ser eficaz como terapia isolada no tratamento de algumas infecções graves, nas quais normalmente é utilizada uma combinação de antibióticos. A terapia com TIMENTIN® pode ser iniciada antes que os resultados de tais testes sejam conhecidos, desde que existam razões para supor que a infecção pode envolver quaisquer dos microrganismos produtores de betalactamase listados anteriormente; entretanto, uma vez que os resultados sejam conhecidos, a terapia adequada deve ser iniciada. In vitro, o sinergismo entre TIMENTIN®, gentamicina, tobramicina ou amicacina contra certas cepas multirresistentes de Pseudomonas aeruginosa foi demonstrado. A terapia combinada foi bem-sucedida, especialmente em pacientes com sistema imunológico deficiente. Ambas as drogas devem ser usadas em doses terapêuticas. Assim que os resultados dos testes de cultura e sensibilidade estiverem disponíveis, a terapia antimicrobiana deve ser ajustada.

 

Contra-indicações — TIMENTIN®é contra-indicado para pacientes com história de reações de hipersensibilidade a antibióticos betalactâmicos (p. ex.: penicilinas e cefalosporinas).

 

Reações adversas — Da mesma forma que com outras penicilinas, as seguintes reações adversas podem ocorrer: Reações de hipersensibilidade: Se ocorrer qualquer reação de hipersensibilidade, o tratamento deve ser descontinuado. erupções cutâneas, prurido, urticária, artralgia, mialgia, febre medicamentosa, calafrios, desconforto torácico, reações anafiláticas, reações bolhosas. Eritema multiforme e síndrome de Stevens-Johnson raramente foram relatados. Sistema nervoso central: Cefaléia, vertigem, hiperirritabilidade neuromuscular ou crises convulsivas. Convulsões podem raramente ocorrer, particularmente em pacientes com função renal comprometida ou naqueles recebendo altas dosagens. Distúrbios gastrintestinais: Alterações do paladar e do olfato, estomatite, flatulência, náusea, vômito e diarréia, dor epigástrica. Como ocorre com outros antibióticos, colite pseudomembranosa raramente tem sido relatada. Se tal reação aparecer, o tratamento com TIMENTIN® deve ser descontinuado e a terapia apropriada deve ser instituída; por exemplo, vancomicina oral. Sangue e sistema linfático: Trombocitopenia, leucopenia, neutropenia, eosinofilia e redução da hemoglobina ou do hematócrito. Aumento dos tempos de protrombina e de sangramento. Anormalidade nos testes de função renal e hepática: Elevação sérica moderada do aspartato aminotransferase (SGOT), da alanina aminotransferase (SGPT), da fosfatase alcalina, do HDL e da bilirrubina. Raramente foram relatadas hepatite transitória e icterícia colestática — como ocorre com algumas penicilinas e cefalosporinas. Elevação da creatinina sérica e/ou BUN, hipernatremia. Redução de ácido úrico no soro. Hipocalemia foi relatada raramente. Reações locais: Dor, ardência, edema e endurecimento no local da injeção, e tromboflebite nos locais da administração intravenosa.

 

Posologia — TIMENTIN®deve ser administrado por infusão intravenosa (30 min). Adultos: A dose usualmente recomendada para infecções sistêmicas e do trato urinário para adultos pesando em torno de 60 kg é de 3,1 g de TIMENTIN®, a cada 4-6 horas. Para infecções ginecológicas, TIMENTIN® deve ser administrado como se segue: Infecções moderadas: 200 mg/kg/dia, em doses divididas, a cada 6 horas. Infecções graves: 300 mg/kg/dia, em doses divididas, a cada 4 horas. Para pacientes pesando menos que 60 kg, a dose recomendada é de 200-300 mg/kg/dia, baseado no conteúdo de ticarcilina, administrado em doses divididas a cada 4-6 horas. Para pacientes com insuficiência renal, as doses devem ser baseadas no clearance de creatinina, conforme indicado a seguir:

 

Clearance de creatinina (ml/min)                            Dose de TIMENTIN®

 

> 60                                                                      3,1 g, a cada 4 horas

30-60                                                                    2,0 g, a cada 4 horas

10-30                                                                    2,0 g, a cada 8 horas

< 10                                                                      2,0 g, a cada 12 horas

< 10 e com disfunção hepática                              2,0 g, a cada 24 horas

Pacientes em diálise peritoneal                            3,1 g, a cada 12 horas

Pacientes em hemodiálise                                    2,0 g, a cada 12 horas, com 3,1 g a cada

                                                                            diálise, como complemento

 

 

Para calcular o clearance de creatinina a partir do valor de creatinina sérica, utiliza-se a seguinte fórmula:

 

Ccr = (140 – idade) (peso em kg)

                72 x Scr (mg/100 ml)

 

Este cálculo é para adultos do sexo masculino. Para o sexo feminino, considera-se 15% a menos. A vida média da ticarcilina em pacientes com insuficiência renal é de aproximadamente de 13 horas. A dose para cada paciente deve sempre levar em consideração a gravidade e o local da infecção, a sensibilidade do microrganismo infectante, o estado geral do paciente e uma avaliação dos seus mecanismos de defesa. A duração do tratamento está na dependência da gravidade da infecção. Em geral, TIMENTIN® deve ser utilizado por, pelo menos, 2 dias após o desaparecimento dos sinais e sintomas de infecção. A duração usual tem sido de 10 a 14 dias, entretanto, em infecções graves ou de difícil controle, pode ser necessário um tratamento mais prolongado. Nos casos de infecção crônica do trato urinário são necessárias freqüentes análises bacteriológicas e avaliações clínicas, devendo essas avaliações serem mantidas por alguns meses após o término do tratamento; infecções persistentes podem necessitar tratamento por algumas semanas e doses menores que as indicadas não devem ser usadas. Em certas infecções envolvendo formação de abscessos, a drenagem cirúrgica adequada deve ser recomendada, concomitante com a terapia antimicrobiana. Crianças (acima de 12 anos): A dose usual de TIMENTIN® recomendada para crianças é de 80 mg/kg de peso corporal, administrada a cada 6-8 horas. Para crianças com insuficiência renal, a dose deve ser reduzida da mesma forma que para os adultos.

 

Apresentação — Pó estéril para solução injetável: Apresentado em embalagem contendo 10 frascos-ampolas de 3,1 g.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0107.0075.

 

GLAXOSMITHKLINE Brasil Ltda.

 

 

 TWINRIX ADULTO (GlaxoSmithkline). Vacina contra hepatites A e B. Seringa com 1 ml.

 

 

 TWINRIX PEDIÁTRICO (GlaxoSmithkline). Vacina contra hepatites A e B. Seringa com 0,5 ml.

 

 

 VARILRIX (GlaxoSmithkline). Vacina contra varicela. Fr.-amp. monodose + diluente em seringa.

 

 

 ZENTEL SUSPENSÃO (GlaxoSmithkline). Albendazol. Anti-helmíntico de amplo espectro. Fr. com 10 ml de susp. com 40 mg/ml.

 

 

 

 INFANRIX (GlaxoSmithkline). Vacina contra difteria, tétano e pertussis. Seringa com 0,5 ml de vacina.

 

 

 

 

ACTONEL 5 MG (Aventis Pharma).

 

Risedronato sódico

 

Indicações

Para o tratamento e prevenção da osteoporose em mulheres no período pós-menopausa; para manter ou aumentar a massa óssea nos homens e mulheres que estejam em tratamento com corticosteróide em longo prazo.

 

Contra-indicações

Em pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula ou com hipocalcemia. Precauções e advertências: Alimentos e bebidas (exceto água) e drogas contendo cátions polivalentes (tais como: cálcio, magnésio, ferro e alumínio) podem interferir na absorção do ACTONEL e não devem ser administrados concomitantemente. Portanto, os pacientes devem tomar o comprimido, no mínimo, 30 minutos antes da 1ª refeição ou bebida do dia ou, no mínimo, 2 horas antes ou depois de cada refeição ou bebida a qualquer período do dia. Alguns bisfosfonatos demonstraram associações com esofagites e ulcerações esofágicas; portanto, os pacientes devem ter atenção na dose a ser administrada. A hipocalcemia deve ser tratada antes do início do tratamento com ACTONEL; os outros distúrbios ósseos e do metabolismo mineral (p. ex.: disfunção da paratiróide e hipovitaminose D) devem ser tratados quando iniciado o tratamento com ACTONEL. Os médicos devem considerar a administração de cálcio suplementar e vitamina D se a dieta seguida for inadequada. Gravidez e lactação: Somente deve ser usado durante a gravidez se os benefícios potenciais superarem os possíveis riscos para a mãe e para o feto. Deve ser tomada uma decisão de se administrar a droga ou interromper a amamentação, levando-se em conta a importância da medicação para a mãe. Interações medicamentosas: A ingestão concomitante de medicações contendo cátions polivalentes pode interferir na absorção do ACTONEL (ver Precauções e advertências). Se considerado apropriado, ACTONEL pode ser usado concomitantemente com terapia de reposição hormonal.

 

Reações adversas

Dores musculoesqueléticas e abdominais; a maioria dos eventos foi leve a moderada; foram relatados raros casos de duodenite, glossite e irite. Em alguns pacientes foram observadas leves diminuições nos níveis de cálcio sérico e fosfato, as quais foram precoces, transitórias e assintomáticas. Raramente houve alterações nos testes das funções hepáticas.

 

Posologia

A dose diária recomendada em adultos é de 1 comprimido de 5 mg por via oral. Como o alimento irá interferir com a sua absorção, deve-se administrá-lo, no mínimo, 30 minutos antes da 1ª refeição ou bebida (exceto água) do dia, ou, no mínimo, 2 horas antes ou depois de qualquer refeição ou bebida, em qualquer período do dia, e, no mínimo, 30 minutos antes de se deitar. Os pacientes devem administrar ACTONEL enquanto estiverem na posição vertical, com um copo de água (³ 120 ml) para auxiliar a chegada ao estômago e não devem se deitar por 30 minutos após a sua ingestão. Em idosos, não é necessário ajuste de doses. Em pacientes com insuficiência renal, não é necessário ajuste de doses naqueles com clearance de creatinina ³ 30 ml/min; naqueles com insuficiência renal grave, nenhuma recomendação de dose pode ser feita para esta população. Em crianças e em adolescentes em fase de crescimento, a segurança e a eficácia não foram estabelecidas.

 

Composição e apresentação

Cada comprimido revestido contém 5 mg de risedronato sódico. Caixas com 14 e 28 comprimidos

 

 

 

 

ALLEGRA 30 MG INFANTIL (Aventis Pharma).

 

Cloridrato de fexofenadina

 

Composição

Comprimidos de 30 mg: Cada comprimido revestido contém: Cloridrato de fexofenadina (equivalente a 28 mg de fexofenadina) 30 mg; Excipientes (celulose microcristalina, amido de milho pré-gelatinizado, croscarmelose sódica, estearato de magnésio, hidroxipropilmetilcelulose, polividona, dióxido de titânio, dióxido de silício coloidal, macrogol 400, óxido férrico rosa e amarelo) q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicações

ALLEGRA® (Cloridrato de fexofenadina) 30 MG INFANTIL está indicado como anti-histamínico no tratamento das manifestações alérgicas, tais como rinite alérgica e urticária.

 

Contra-indicações

ALLEGRA® (Cloridrato de fexofenadina) 30 MG INFANTIL está contra-indicado para uso em pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.

 

Reações adversas

Nos estudos placebo-controlados envolvendo pacientes com rinite alérgica sazonal e urticária idiopática crônica, os eventos adversos foram comparáveis nos pacientes tratados com placebo ou fexofenadina. Os eventos adversos mais freqüentes relatados em adultos incluem: cefaléia (> 3%), sonolência, vertigem e náuseas (1%-3%). Os eventos adversos que foram relatados durante os estudos controlados envolvendo pacientes com rinite alérgica sazonal e urticária idiopática crônica, com incidência menor do que 1% e similares ao placebo, e que foram raramente relatados após a comercialização incluem: fadiga, insônia, nervosismo, alterações do sono ou pesadelos. Foram relatados raros casos de exantema, urticária, prurido e reações de hipersensibilidade, tais como: angioedema, rigidez torácica, dispnéia, rubor e anafilaxia sistêmica. Os eventos adversos relatados em estudos placebo-controlados de urticária idiopática crônica foram similares àqueles relatados em estudos placebo-controlados de rinite alérgica. Nos estudos placebo-controlados em crianças com 6 a 11 anos de idade com rinite alérgica sazonal, os eventos adversos foram similares àqueles observados nos estudos clínicos envolvendo adultos e crianças de 12 anos ou mais com rinite alérgica sazonal.

 

Posologia

Crianças com 6 a 11 anos de idade: A dose recomendada é de 30 mg, duas vezes ao dia. A eficácia e a segurança do cloridrato de fexofenadina ainda não foram estudadas em crianças com menos de 6 anos de idade. Não é necessário ajuste posológico em pacientes com insuficiência renal ou hepática.

 

Apresentação

Comprimidos revestidos: Caixas com 20 comprimidos.

 

 

 INFANRIX-IPV + HIB (GlaxoSmithkline). Vacina contra difteria, tétano, pertussis, pólio e hemófilo B. Fr.-amp. + seringa com diluente.

 

 

 HIDRAFIX PRONTO PARA BEBER (Altana Pharma). Reidratante. Fr. com 250 ml (sabores framboesa, laranja e uva).

 

 

 

 

Noripurum®

 

Sacarato de hidróxido de ferro III

 

Solução para uso endovenoso

 

Uso adulto ou pediátrico

 

 

Composição e apresentações — Solução injetável endovenosa: Embalagem com 5 ampolas de 5 ml. Cada ampola de 5 ml contém: ferro 100 mg, na forma de complexo de sacarato de hidróxido de ferro III, água para injeção e hidróxido de sódio q.s.p.

 

Indicações — Anemias ferropênicas graves (pós-hemorrágicas, pós-partos, pós-cirúrgicas). Distúrbios de absorção gastrointestinal ou impossibilidade de se utilizar a ferroterapia por via oral nos casos de intolerância às preparações orais de ferro em doenças inflamatórias gastrointestinais, que poderiam ser agravadas pela ferroterapia oral e nos casos em que a falta de resposta à ferroterapia seja suspeita de falta de adesão ao tratamento. Anemias no 3o trimestre da gravidez ou no puerpério. Correção da anemia ferropênica no pré-operatório de grandes cirurgias. Anemia ferropriva que acompanha a insuficiência renal crônica.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade conhecida ao ferro ou aos complexos de ferro monossacarídeos e dissacarídeos. Não deve ser utilizado por pacientes portadores de anemias que não sejam causadas por deficiência de ferro e nem em situações de sobrecarga férrica ou distúrbios da utilização de ferro. Também não deve ser usado no primeiro trimestre da gravidez.

 

Precauções e advertências — NORIPURUM Endovenoso somente deve ser administrado quando a indicação da ferroterapia tiver sido confirmada através de investigação apropriada com exames laboratoriais. A administração parenteral de preparados de ferro pode causar reações alérgicas ou anafiláticas, que podem ser potencialmente letais. Observa-se que pacientes que recebem betabloqueadores simultaneamente à terapia férrica não reagem adequadamente à adrenalina. Administrar o produto com cuidado em pacientes com histórico de asma brônquica, eczema, outras alergias atópicas ou reações alérgicas por outras preparações parenterais de ferro e pacientes com baixa capacidade de ligação do ferro e/ou deficiência de ácido fólico, uma vez que tais pacientes apresentam risco acentuado de apresentar reação alérgica ou mesmo reação anafilactóide. NORIPURUM Endovenoso deve ser administrado com cuidado em pacientes com disfunção hepática ou renais. Deve-se ter um cuidado especial na administração do produto em pacientes que sofrem de infecções agudas ou crônicas que possuem valores excessivos de ferritina, uma vez que a administração parenteral de ferro pode influenciar desfavoravelmente uma infecção viral ou bacteriana. Pode ocorrer hipotensão se a injeção for administrada rapidamente. A estabilidade de sistemas coloidais é limitada. Por isso, particularmente nos casos de armazenagem inadequada, há possibilidade de formação de sedimentos nas ampolas do preparado. Não se recomenda o uso parenteral de compostos à base de ferro durante o primeiro trimestre de gestação. Durante os segundo e terceiro trimestres, a administração deve ser feita com cautela. O produto deve ser administrado com cautela durante a lactação.

 

Interações medicamentosas — Como todos os preparados à base de ferro para uso parenteral, o produto não deve ser administrado junto aos compostos orais de ferro, uma vez que a absorção oral do ferro é reduzida. Portanto, deve-se iniciar o tratamento oral no mínimo 5 dias após a última injeção. A administração concomitante de inibidores da ECA pode aumentar efeitos sistêmicos de ferro parenteral. Efeitos na habilidade de dirigir e operar máquinas:  É improvável que o produto tenha alguma influência na habilidade de dirigir e operar máquinas.

 

Reações adversas — As mais freqüentes reações adversas a medicamentos relatadas em experimentações clínicas com relação à administração de NORIPURUM endovenoso foram: deturpação passageira do paladar,  hipotensão, febre e tremores, sensação de calor, reações no local da injeção, espasmos venosos no local da veia puncionada e náusea, ocorrendo em 0,5% a 1,5% dos pacientes. Reações anafilactóides sem seriedade ocorreram raramente. Reações anafilactóides, em geral, são potencialmente as reações adversas mais sérias. Recomenda-se, nestes casos, a suspensão imediata da ferroterapia e, se necessário, adotar-se as medidas habituais para controle de reações anafiláticas. Pode ocorrer hipotensão se a injeção for administrada rapidamente. Em estudos clínicos, as seguintes reações adversas têm sido relatadas em relação temporal com a administração de NORIPURUM Endovenoso, com, no mínimo, uma possível relação causal: Desordens do sistema nervoso: Comum (maior ou igual a 1% e menor que 10%): Deturpação passageira do paladar. Incomuns (maior ou igual a 0,1% e menor que 1%): Dor de cabeça e vertigens. Rara (maior ou igual a 0,01% e menor que 0,1%): Parestesia. Desordens cardiovasculares: Incomuns: Hipotensão e colapso; taquicardia e palpitações. Desordens respiratória, torácica e mediastinal: Incomuns: Broncoespasmo, dispnéia. Desordens gastrointestinais: Incomuns: Náusea, vômito, dor abdominal, diarréia. Desordens da pele e tecidos subcutâneos: Incomuns: Prurido, urticária, erupção cutânea, exantema, eritema. Desordens musculoesqueléticas, do tecido conectivo e ossos: Incomuns: Espasmos musculares, mialgia. Desordens gerais e desordens no local de administração: Incomuns: Febre, tremores, vermelhidão, dores nas costas e tensão; desordens no local de injeção, tais como flebites superficiais, queimadura, inchaço. Raras: Reações anafilactóides (raramente envolvendo artralgia), edema periférico, fadiga, astenia, mal-estar. Além disso, em relatos espontâneos, as seguintes reações adversas foram relatadas: Casos isolados: redução do nível de consciência, delírio, confusão, angioedema e inchaço nas articulações. Evitar extravasamento paravenoso, pois o extravasamento no local da injeção pode causar dor, inflamação, necrose do tecido, abscesso estéril e manchas na pele.

 

Posologia — Cálculo da posologia: A posologia deverá ser determinada individualmente, conforme a necessidade total de ferro, levando-se em conta três fatores: 1) grau de deficiência de ferro em mg, déficit total de ferro em mg; 2) peso do paciente em kg; 3) reserva necessária de ferro. Pode-se encontrar a dose total (em ml) para um tratamento completo, utilizando-se as seguintes fórmulas: deficiência total de Fe (mg) = [peso (kg) x déficit Hb (g/dl) x 2,4] + reservas de Fe (mg). Total em ml de NORIPURUM Endovenoso a ser aplicado = deficiência total de Fe (mg)/20 mg/ml. Se a dose total necessária exceder a dose única máxima permitida, a administração deve ser dividida. Posologia média recomendada: Adultos e pacientes idosos: 5-10 ml (100 a 200 mg de ferro) uma a três vezes por semana, dependendo do nível de hemoglobina. Crianças: Há dados limitados referentes a crianças nas situações estudadas. Se houver necessidade clínica, é recomendado não exceder a dose de 0,15 ml (3 mg de ferro) por kg de peso corporal, uma a três vezes por semana, dependendo do nível de hemoglobina. Dose única máxima tolerada:  Crianças: 0,35 ml/kg de peso corporal diluído em solução fisiológica, infundido em no mínimo 3,5 horas.  Adultos e pacientes idosos:  Injeção: 10 ml (200 mg de ferro) administrados em, no mínimo, 10 minutos. Infusão: Dose única máxima tolerada: 7 mg de ferro/kg de peso corporal administrada uma vez por semana, mas não excedendo 25 ml de NORIPURUM Endovenoso diluídos em 500 ml de solução fisiológica, administrados em no mínimo 3,5 horas. Uma incidência mais elevada de reações adversas (em particular, hipotensão), que pode ser também mais grave, é associada às doses mais elevadas.

 

Cuidados na administração — As ampolas devem ser visualmente inspecionadas quanto à presença de sedimentos e danos antes de serem utilizadas. Somente aquelas livres de sedimento e que apresentem solução homogênea devem ser usadas. Uma vez aberta a ampola, a administração deve ser imediata. NORIPURUM Endovenoso deve ser diluído somente com solução de cloreto de sódio 0,9% p/v. NORIPURUM Endovenoso deve ser administrado por via intravenosa e nunca por via intramuscular pois, em função de seu elevado pH, pode ocorrer necrose do tecido muscular. Pode-se administrar a solução por infusão gota a gota, por injeção endovenosa lenta ou diretamente na linha do dialisador. Antes da administração da primeira dose de NORIPURUM Endovenoso, deve-se administrar uma dose-teste. Se alguma reação alérgica ou intolerância ocorrer durante a administração, a terapia deve ser imediatamente interrompida. Infusão endovenosa: NORIPURUM Endovenoso deve preferencialmente ser administrado por infusão gota a gota, a fim de reduzir o risco de episódios hipotensivos e injeção paravenosa. O diluente deve ser exclusivamente soro fisiológico, em uma diluição de 1 ml de NORIPURUM Endovenoso (20 mg de ferro) em no máximo 20 ml de solução de cloreto de sódio 0,9% p/v. Injeção endovenosa: NORIPURUM Endovenoso pode ser administrado não diluído, por injeção endovenosa lenta a uma velocidade máxima de 1 ml por minuto (uma ampola de 5 ml em 5 minutos), não excedendo a dose de 10 ml (200 mg de ferro) por injeção. Após a aplicação, estender o braço do paciente. Injeção direta no dialisador: NORIPURUM Endovenoso pode ser administrado diretamente na linha do dialisador, seguindo as mesmas recomendações para injeção endovenosa ou infusão endovenosa.

 

Superdose — Existem casos fatais por intoxicação com ferro parenteral. Superdose pode causar uma sobrecarga aguda de ferro que pode se manifestar como hemosiderose e, em especial, quando a anemia foi incorretamente diagnosticada como anemia ferropênica, devendo-se tratá-la da mesma maneira que a talassemia, isto é, com a administração endovenosa de deferoxamina. Superdosagem pode ser tratada com medidas de suporte e, se requerido, um agente quelante de ferro. No caso de superdose, podem ocorrer sintomas tais como náusea, vômito, diarréia, gastralgia e letargia. Em casos graves, as seguintes situações podem ser esperadas: hiperglicemia, leucocitose, acidose metabólica, hipotensão, taquicardia, convulsão, cãibra e coma. Após 12 a 48 horas, existe a possibilidade da ocorrência de necrose tubular e de células hepáticas. O tratamento da superdose deve ser iniciado com a administração de deferoxamina se os seguintes sinais e/ ou sintomas ocorrerem dentro de 6 horas após a superdose: vômito, diarréia, glicemia > 150 mg/dl e leucocitose importante > 15 x 109/l. No caso de ocorrência de insuficiência renal, será necessário hemodiálise, uma vez que o complexo deferoxamina-ferro (ferrioxamina) é efetivamente eliminado pela diálise.

 

Produto de uso sob prescrição médica.

 

Ao persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado.

 

SAC: 0800-7710345.

 

Registro no M.S. 1.0639.0099.

 

ALTANA Pharma Ltda. é a nova razão social da Byk Química e Farmacêutica Ltda.

 

 

 NORIPURUM INTRAMUSCULAR (Altana Pharma). Ferro III. Antianêmico. Emb. com 5 amp. de 2 ml com 100 mg + agulhas.

 

 

 

 

Aerodiol®

 

Estradiol hemiidratado

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Solução estéril para pulverização nasal em um frasco de vidro com uma bomba dosadora.

 

Composição — Cada ml da solução contém: Estradiol hemiidratado (DCB 0483.01) 2,143 mg. Excipientes (metil-b-ciclodextrina, cloreto de sódio, água purificada, ácido clorídrico ou hidróxido de sódio) q.s.p. 1,000 ml. Cada aplicação (0,07 ml) contém 150 µg de estradiol hemiidratado. Cada frasco contém 4,2 ml da solução, garantindo 60 aplicações após sua ativação.

 

Informações técnicas

 

Farmacocinética — Os picos dos níveis de estradiol sérico em cerca de 1.000 pg/ml são observados em cerca de 10 a 30 minutos após a administração da dose, quando AERODIOL é administrado na dosagem de 300 µg. O 17b-estradiol (E2) é rapidamente distribuído. O retorno aos valores próximos à linha de base ocorre dentro de 12 horas após a administração da dose. A biodisponibilidade do estradiol, quando administrado por via nasal, é maior do que aquela após administração oral. A exposição ao hormônio, expressa pela área sob a curva (AUC24h) é proporcional à dose. Após a administração de 300 µg, a AUC24h é semelhante àquela obtida utilizando-se outras vias de administração (adesivo fornecendo 50 µg, comprimido de 2 mg). Variações intra e interindividuais são baixas e, nos estudos clínicos, nenhum caso de não-absorção foi observado. Os níveis de estrona (E1) são baixos e as relações E1/E2 são fisiológicas, em torno de 1: a via nasal evita o efeito de primeira passagem hepática. O fumo, imediatamente antes da administração de AERODIOL, não modifica a absorção nasal do produto e não exige modificação da posologia.

 

Dados de segurança pré-clínicos — Os estudos pertinentes à tolerância local em animais mostraram que a administração nasal do estradiol não causa lesões à mucosa.

 

Propriedades farmacodinâmicas — Estrogênio natural para administração nasal. AERODIOL permite a administração do 17b-estradiol, estrogênio natural que é produzido pelos ovários diariamente, em uma quantidade fisiológica, e sob uma forma inalterada. AERODIOL constitui uma pulsoterapia estrogênica baseada em doses que podem ser ajustadas individualmente sem maiores dificuldades e assegura grande regularidade nas quantidades absorvidas. A exposição hormonal induzida é semelhante àquela encontrada durante as fases foliculares inicial e intermediária do ciclo menstrual. Após a aplicação de AERODIOL, o 17b-estradiol rapidamente penetra nas células e ativa os receptores estrogênicos específicos no núcleo. Uma vez ativados, os receptores se ligam aos sítios específicos do ADN, induzindo uma cascata de reações e síntese protéica, durante várias horas (de 3 a 7 horas para os processos rápidos e de 12 a 24 horas para os processos lentos). AERODIOL diminui a secreção de FSH. Durante o tratamento, devido ao mecanismo de ação, os valores mínimos do FSH são observados de 6 a 8 horas após a administração da dose e valores diminuídos ainda são observados antes da administração da dose seguinte. AERODIOL é desprovido de efeitos de primeira passagem intestinal e hepática, ao contrário do que ocorre com os estrogênios administrados oralmente. Em um estudo controlado com 6 meses de duração, AERODIOL não demonstrou exercer qualquer estímulo sobre o metabolismo hepático. AERODIOL não induz nenhum aumento nos triglicerídeos, não interfere com as proteínas da coagulação (fibrinogênio de alto peso molecular, antitrombina III) e não tem efeito sobre os níveis angiotensiogênicos circulantes. AERODIOL afeta o perfil lipídico pós-menopausal, diminuindo a lipoproteína (a), a apolipoproteína B e o colesterol total. Isto é considerado benéfico para as mulheres com risco de doença coronariana.

 

Indicações — Correção das deficiências de estrogênios e seus sintomas, particularmente aquelas relacionadas à menopausa pós-cirúrgica ou fisiológica.

 

Contra-indicações — Contra-indicações absolutas: Hipersensibilidade conhecida a um dos componentes da fórmula; tumores malignos da mama e do útero; tumores da hipófise; sangramento genital sem diagnóstico; evento tromboembolítico venoso pregresso; evento trombótico arterial pregresso (particularmente coronariano ou cerebral); porfiria. Contra-indicações relativas: Tumores benignos da mama e distrofia uterina (hiperplasia, mioma, endometriose); colagenose; otospongiose; gravidez e lactação; galactorréia, níveis elevados de prolactina; história de colestase recorrente ou prurido recorrente durante a gravidez; insuficiência renal; insuficiência hepática severa. Embora, com AERODIOL, os fatores de coagulação permaneçam inalterados em curto prazo, este medicamento geralmente não é indicado nas seguintes situações (como precaução e na ausência de dados epidemiológicos suficientes): doença cardíaca emboligênica; histórico pessoal de doença tromboembólica recente e documentada.

 

Precauções de uso — Cuidados especiais: O risco de câncer endometrial está aumentado, quando os estrogênios são administrados isoladamente durante períodos prolongados. Portanto, recomenda-se fortemente combinar um progestágeno durante, pelo menos, 10 a 14 dias por ciclo. Precauções especiais para o uso: Um exame médico completo incluindo um exame ginecológico e anamnese concernente ao histórico familiar é necessário, antes e nos intervalos, durante o tratamento com estrogênio. A terapia de reposição hormonal somente será instituída após terem sido avaliadas as doenças vasculares e/ou metabólicas e o monitoramento regular será conduzido nestes casos. O emprego de AERODIOL em pacientes idosos a princípio não apresenta maiores restrições, visto que destina-se à reposição hormonal, mesmo em pacientes em pós-menopausa já bem estabelecida. Contudo, incorre nas mesmas precauções descritas anteriormente nesta bula. Gravidez e lactação: AERODIOL não deve ser usado durante a gravidez ou a lactação. Os estudos mostram que a administração acidental de AERODIOL durante a gravidez não provocaria efeitos adversos, já que a suplementação de estradiol fornecida permaneceria dentro dos limites fisiológicos. Efeitos sobre a aptidão de condução de veículos e utilização de máquinas: Não existem dados clínicos sugerindo que AERODIOL possa interferir com a capacidade de dirigir ou manusear máquinas.

 

Interações medicamentosas e outras formas de interação — A ação dos estrogênios pode estar prejudicada por medicamentos que provocam indução hepática de enzima, tais como: barbitúricos, hidantoína e compostos relacionados, carbamazepina, meprobamato, fenilbutazona e rifampicina. Não se sabe se tais interações podem ocorrer após a administração nasal de AERODIOL. Nenhuma interação entre AERODIOL e outros medicamentos tem sido relatada, já que não existe o efeito de primeira passagem hepática.

 

Reações adversas — AERODIOL geralmente é bem tolerado. As reações adversas mais freqüentemente relatadas são as reações no local da aplicação: espirros e uma sensação de prurido. As reações normalmente são transitórias e moderadas e só excepcionalmente obrigam a interrupção do tratamento. Outras reações secundárias, que geralmente não obrigam a interrupção do tratamento, podem ser observadas: náuseas, cefaléia moderada; mastalgia (exigindo ajuste da dose); pernas pesadas; sangramento importante exigindo investigação para doença subjacente; secreção cervical aumentada. Como precaução, é aconselhável descontinuar o tratamento se um dos seguintes fenômenos ocorrer: acidentes cardiovasculares ou tromboembólicos; icterícia por estase biliar; doença benigna ou maligna da mama, tumores uterinos; recrudescimento de quadro epiléptico; adenoma hepático; galactorréia.

 

Posologia — A administração da solução de AERODIOL na forma de spray nasal permite que a dose seja ajustada de 150 µg (1 aplicação) a 600 µg (4 aplicações). A dose geralmente recomendada para o início do tratamento dos sintomas menopausais é de 300 µg para um período de 24 horas, como dose única, isto é, 1 aplicação em cada narina, pela manhã ou à noite, conforme instruções para uso/manuseio. Após 2 ou 3 ciclos, a dose pode ser ajustada em função dos sintomas clínicos: se os sintomas da deficiência de estrogênio persistem: distúrbios vasomotores (fogachos, suores noturnos), atrofia urogenital (secura vaginal, dispareunia, atrofia vulvovaginal, incontinência urinária) ou distúrbios psiquiátricos (distúrbios do sono, astenia, cefaléia, tendência depressiva), a quantidade de doses pode ser aumentada para 3 ou mesmo 4 aplicações por dia, divididas entre manhã e noite; no caso de aparecimento de sinais de hiperestrogenismo, tais como mastalgia, meteorismo, ansiedade, nervosismo ou agressividade, a dose pode ser reduzida para uma aplicação diária. Em todos os casos, o tratamento deve ser continuado na dose eficaz mínima. AERODIOL pode ser administrado como tratamento descontínuo ou contínuo: Tratamento descontínuo: AERODIOL é usado ciclicamente durante um período de 21 a 28 dias, seguido por um período sem tratamento de 2 a 7 dias. Tratamento contínuo: AERODIOL é administrado diária e continuamente. Este regime de tratamento está indicado particularmente nas mulheres histerectomizadas ou nos casos nos quais os sintomas climatéricos ocorrem durante o período de não-tratamento. Independentemente do tratamento ser descontínuo ou contínuo, o uso de progestágeno deve ser combinado com AERODIOL para as mulheres não-histerectomizadas, abrangendo pelo menos de 10 a 14 dias por ciclo. Sangramento vaginal pode ocorrer após a suspensão do progestágeno nos dois tipos de tratamento recomendados anteriormente. No caso de obstrução acentuada das vias nasais, AERODIOL pode ser temporariamente administrado por via oral, aplicado no sulco gengival superior. Em tais circunstâncias, a dose usual deve ser dobrada. Se a paciente esquecer de aplicar uma dose, esta deve ser aplicada tão logo seja possível, em até 12 horas após o horário habitual. Se ultrapassar as 12 horas, esta dose deve ser desconsiderada. O esquecimento das doses pode induzir a sangramentos irregulares.

 

Modo e via de administração — Via nasal: 1. Retirar a tampa protetora que será recolocada em seu lugar após cada utilização. 2. Antes da primeira utilização, ativar a bomba pressionando firmemente por 3 vezes em um local ventilado. Esta operação só deve ser realizada antes da primeira utilização em cada frasco. Horário: Pela manhã ou à noite, conforme seja mais conveniente para a paciente, mas, se possível, fazer as aplicações diariamente no mesmo horário. Não é necessário estar em jejum. 3. Modo de usar: Manter o frasco na posição vertical durante a aplicação, curvar ligeiramente a cabeça para a frente, introduzir o bico do frasco na narina. Exercer uma pressão firme sobre a bomba. Repetir o mesmo procedimento para a outra narina. A paciente não deve inspirar durante a aplicação e nem assoar o nariz logo depois da aplicação. 4. Após utilização: Recolocar a tampa protetora cobrindo o bico do aplicador totalmente. Não tente jamais desmontar a bomba.

 

Conduta na superdosagem — A via de administração torna improvável uma superdosagem aguda significativa. Os efeitos da superdosagem são, geralmente, mastalgia, distensão abdominal/pélvica, náuseas e agressividade.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.1278.0058.

 

Laboratórios SERVIER do Brasil Ltda.

 

 

 

 

Diamicron® MR

 

Gliclazida 30 mg

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — Caixas contendo 15, 30 e 60 comprimidos de liberação modificada.

 

Composição — Cada comprimido de liberação modificada contém: Gliclazida 30 mg (DCB 03478.01-7). Excipientes (fosfato hidrogenado de cálcio, hidroxipropilmetilcelulose, estearato de magnésio, maltodextrina, sílica coloidal anidra) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações ao paciente — O produto deverá ser conservado ao abrigo da luz, calor e umidade excessivos. Prazo de validade: 3 anos após a data de fabricação. Atenção: Não tome remédio com o prazo de validade vencido. O resultado poderá ser nulo ou prejudicial para a sua saúde. DIAMICRON MR promove uma secreção adequada da insulina controlando as taxas de açúcar no sangue. O pâncreas, assim que comemos, libera a insulina que vai manter o açúcar do sangue em níveis normais. No diabetes, a secreção de insulina é inadequada provocando aumento do açúcar (hiperglicemia). DIAMICRON MR estimula o pâncreas a liberar insulina no momento certo e na quantidade certa, normalizando o açúcar no sangue sem o risco de provocar grandes quedas (hipoglicemia). Com o tempo, no diabetes podem aparecer complicações vasculares; DIAMICRON MR opõe-se à evolução destas complicações. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao seu médico se estiver amamentando. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. No caso de utilização de bebidas alcoólicas, miconazol oral, antiinflamatórios, diazepan, tetraciclinas, cloranfenicol e clofibrato durante o tratamento com DIAMICRON MR, comunique ao seu médico. Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento com DIAMICRON MR. Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. As reações desagradáveis são raras e benignas. As mais freqüentemente descritas foram alergias da pele.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas — Farmacocinética: Após a administração, as concentrações plasmáticas aumentam progressivamente até a 6a hora, evoluindo para a forma de platô entre a 6a e a 12a hora. As variações intra-individuais são fracas. A absorção da gliclazida é completa. A tomada conjunta com as refeições não modifica a velocidade e a taxa de absorção. A relação entre a dose administrada e a área sob a curva das concentrações em função do tempo é linear. A fixação às proteínas plasmáticas é de aproximadamente 95%. A gliclazida é metabolizada principalmente ao nível hepático e sua excreção é essencialmente urinária, com menos de 1% sendo encontrada sob forma inalterada na urina. Nenhum metabólito ativo circulante foi detectado. A meia-vida de eliminação da gliclazida é de aproximadamente 16 horas. No paciente idoso não ocorre qualquer modificação, clinicamente significativa, dos parâmetros farmacocinéticos. A tomada única diária de DIAMICRON MR permite a manutenção de uma concentração plasmática eficaz da gliclazida durante 24 horas. Propriedades: DIAMICRON MR é um hipoglicemiante desenvolvido no Instituto de Pesquisa Servier na França; resultado do enxerto de um anel heterocíclico nitrogenado, através de ligação endocíclica ao grupamento sulfoniluréia, diferente, portanto, das outras sulfoniluréias conhecidas. Propriedades metabólicas: DIAMICRON MR estimula a secreção de insulina e potencializa o efeito insulino-secretor da glicose; DIAMICRON MR corrige a inércia pancreática restaurando o pico precoce da secreção da insulina. Restabelece assim a resposta fisiológica de insulina ao estímulo alimentar, evitando os picos de hiperglicemia pós-prandial e a hipoglicemia reacional. Isto foi confirmado pela dosagem da glicemia pós-prandial, registros de ciclos glicêmicos contínuos e da glicemia de 24 horas. A ação metabólica de DIAMICRON MR se faz então sem a ocorrência de hiperinsulinismo, diminuindo assim o risco de hipoglicemia e aterosclerose. A ação hipoglicemiante progressiva de DIAMICRON MR e sua meia-vida biológica de cerca de 16 horas contribuem para sua segurança de uso. Propriedades microvasculares: No animal: DIAMICRON MR opõe-se à microtrombose experimental, agindo assim sobre um dos mecanismos da microangiopatia diabética: retarda o aparecimento do trombo parietal; retarda a evolução do trombo para a obliteração total do vaso; diminui consideravelmente a duração da trombose; acelera a velocidade de desaparecimento do trombo. DIAMICRON MR intervém, portanto, sobre três fatores essenciais da trombogênese: as plaquetas: DIAMICRON MR diminui de forma altamente significativa a adesão das plaquetas à parede e evita a formação do coágulo plaquetário, estado inicial da formação do trombo; a fibrina: DIAMICRON MR aumenta a fibrinólise parietal e opõe-se à persistência anormal de fibrina sobre a parede vascular; a agressão adrenalínica: DIAMICRON MR normaliza a sensibilidade dos vasos à adrenalina e opõe-se à agressão adrenalínica, particularmente nociva para os vasos do diabético. No homem: A diminuição da adesividade e da agregação plaquetária, a lentificação do turnover das plaquetas, a normalização da atividade fibrinolítica endotelial foram confirmadas pela clínica em todas as formas de diabetes insulino e não-insulinodependente; na retinopatia diabética foram realizados estudos controlados a longo prazo contra hipoglicemiantes clássicos. Foi evidenciado que, com controle glicêmico idêntico, existe uma diferença estatisticamente significativa, sugerindo que DIAMICRON MR retarda a evolução da retinopatia diabética no estado não-proliferativo; na nefropatia diabética, a administração de DIAMICRON MR não modificou a função renal que permaneceu normal ou estacionária e foi acompanhada de uma diminuição significativa da proteinúria, paralelamente a um controle da pressão arterial e da glicemia.

 

Indicações — Diabetes não-insulinodependente; diabetes tipo 2, com ou sem complicações vasculares.

 

Contra-indicações — Cetose grave; acidose; diabetes infanto-juvenil; coma e pré-coma diabético; insuficiência hepática ou renal grave; associação à forma do miconazol oral; pacientes com conhecida sensibilidade às sulfamidas; gravidez.

 

Precauções de uso — DIAMICRON MR é usado no diabetes adulto. Não deve ser usado durante a gravidez. DIAMICRON MR não dispensa em qualquer caso a dieta hipocalórica e/ou hipoglicídica. Os controles do diabético devem ser regularmente realizados. No caso de intervenção cirúrgica, o uso da insulina deve ser levado em conta. A ingestão conjunta com álcool pode potencializar o efeito hipoglicemiante de DIAMICRON MR. Existe o risco de DIAMICRON MR promover a hipoglicemia quando administrado sem justificativa em diabéticos controlados com dieta, em pacientes com alimentação insuficiente e nos casos de insuficiência renal e/ou hepática graves. A ação microvascular de DIAMICRON MR não exige vigilância especial, pois não é anticoagulante.

 

Interações medicamentosas — Associações que podem levar à hipoglicemia: Miconazol oral, antiinflamatórios não-esteróides (principalmente os salicilatos), sulfamidas antibacterianas, cumarínicos, IMAOs, betabloqueadores, diazepam, tetraciclinas, cloranfenicol, clofibrato e maleato de perhexilina. Associações que podem reduzir a ação de DIAMICRON MR: Barbitúricos. Associações que podem levar à hiperglicemia: Corticóides, diuréticos, estroprogestativos.

 

Reações adversas — Foram relatados raros casos de reações cutâneas com o uso de DIAMICRON MR, que regrediram após a interrupção do medicamento. Excepcionalmente podem ser observadas discrasias sangüíneas reversíveis. Foram relatados, de forma rara, distúrbios digestivos do tipo: náuseas, vômitos, gastralgias, diarréia e constipação. Estes efeitos são diminuídos tomando DIAMICRON MR durante as refeições. Não foram referidas, até o momento, reações tipo 'antabuse' quando DIAMICRON MR é usado concomitantemente com o álcool.

 

Posologia e modo de administração — A dose diária pode variar de 30 a 120 mg em uma única tomada oral. Recomenda-se a tomada do medicamento juntamente com o café da manhã. Em caso de esquecimento de uma dose, a dose do dia seguinte não deverá ser aumentada. Os estudos clínicos controlados, nos pacientes portadores de diabetes tipo 2, com a hemoglobina glicada, confirmaram a eficácia de DIAMICRON MR, em uma única tomada diária, sobre o controle glicêmico a longo prazo. Como para todos os medicamentos hipoglicemiantes, a dose deverá ser ajustada conforme a resposta individual de cada paciente. A posologia inicial recomendada de DIAMICRON MR é de 1 comprimido (30 mg) ao dia. Os ajustes posológicos, quando necessários, serão feitos em escalas de 30 mg, em função da resposta glicêmica e deverão observar um intervalo de, pelo menos, 2 semanas entre si. A dose diária não deve ultrapassar 120 mg, sempre em tomada única no café da manhã. DIAMICRON MR pode substituir o tratamento com Diamicron nas posologias que variam de 1 a 4 comprimidos, 2 coprimidos na maioria dos casos. DIAMICRON MR pode substituir um outro tratamento hipoglicemiante sem período de transição. No caso de substituição de uma sulfamida hipoglicemiante de meia-vida prolongada (p. ex.: clorpropamida), os pacientes devem ter os parâmetros glicêmicos avaliados atentamente (durante 1 a 2 semanas), para evitar o surgimento de uma hipoglicemia em função da possibilidade de sobreposição dos efeitos terapêuticos. DIAMICRON MR pode ser associado às biguanidas, aos inibidores da alfa-glucosidase, às tiazolidinedionas ou à insulina. A posologia para o idoso é a mesma que para o adulto com menos de 65 anos, considerando-se a eficácia e a segurança do uso de DIAMICRON MR no idoso, demonstrados nos estudos clínicos. Nos pacientes portadores de insuficiência renal leve ou moderada (clearance de creatinina entre 20 e 80 ml/min), a posologia será a mesma dos pacientes com função renal normal, considerando-se os parâmetros de eficácia e segurança apresentados nos estudos clínicos.

 

Conduta na superdosagem — A hipoglicemia é o sintoma mais freqüente. Nos casos graves com comprometimento do nível de consciência, administrar imediatamente glicose hipertônica a 10% ou 30%, por via endovenosa e proceder à hospitalização de urgência.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.278.0004.

 

Laboratórios SERVIER do Brasil Ltda.

 

 

 ACTIFEDRIN (Farmoquímica). Cloridrato de triprolidina, cloridrato de pseudo-efedrina. Descongestionante nasal. Cx. com 20 comp.; fr. com 100 ml de xarope.

 

 

 BETNELAN(Farmoquímica). Betametasona. Corticosteróide. Cx. com 16 comp. de 0,5 mg.

 

 

 CICATRENE (Farmoquímica). Sulfato de neomicina, bacitracina zíncica. Bisn. com 20 g.

 

 

 DARAPRIM (Farmoquímica). Pirimetamina. Malária, toxoplasmose. Emb. com 100 comp. de 25 mg.

 

 

 ETHAMOLIN (Farmoquímica). Oleato de monoetanolamina. Esclerosante de veias varicosas. Cx. com 6 amp. de 2 ml.

 

 

 EUMOVATE (Farmoquímica). Butirato de clobetasona. Tópico nas dermatoses de crianças e lactentes. Bisn. com 15 g de creme ou pom.

 

 

 LIDOSPORIN (Farmoquímica). Lidocaína, sulfato de polimixina B. Tópico nas otites. Fr. com 10 ml.

 

 

 

 

MAREVAN (Farmoquímica).

 

Varfarina sódica

 

Composição

Cada comprimido contém: Varfarina sódica 5 mg. Excipientes: Lactose, amido de milho, corante vermelho ponceau, glicolato de amido sódico e estearato de magnésio.

 

Indicações

A varfarina, como todos os anticoagulantes orais, é eficaz na prevenção primária e secundária do tromboembolismo venoso, na prevenção do embolismo sistêmico em pacientes com prótese de válvulas cardíacas ou fibrilação atrial, e na prevenção do acidente vascular cerebral, infarto recorrente e de morte em pacientes com infarto agudo do miocárdio. Os anticoagulantes orais estão indicados na prevenção do embolismo sistêmico em pacientes com doença valvular cardíaca, mas a sua eficácia nestas condições nunca foi demonstrada em ensaios clínicos.

 

Contra-indicações

A varfarina não deve ser administrada diante de grave doença hepática ou renal, hemorragias, hipertensão arterial grave sem controle, gravidez, endocardite bacteriana e em pacientes com conhecida hipersensibilidade à varfarina. A varfarina é contra-indicada nas primeiras 24 (vinte e quatro) horas após cirurgia ou parto.

 

Reações adversas

As seguintes reações adversas têm sido relatadas: reações de hipersensibilidade, erupção cutânea, alopecia, diarréia, uma queda inexplicada no hematócrito e uma síndrome purpúrica dos pés. Necrose dérmica nos primeiros dias de tratamento tem sido relatada com pouca freqüência, e na maioria dos casos em mulheres idosas e obesas. O primeiro sinal é uma placa eritematosa edemaciada. A administração de vitamina K neste estágio pode prevenir o desenvolvimento de equimose e infarto. O risco mais importante da terapia com a varfarina é de hemorragia em vários órgãos com conseqüente formação de hematomas, bem como desenvolvimento de anemia.  Podem também ser observados febre, náusea e vômito, pancreatite, hemotórax e sangramento nasal. Se forem observados quaisquer destes sintomas suspenda imediatamente o tratamento e fale com seu médico. A varfarina é reconhecidamente teratogênica. Administrada no primeiro trimestre da gravidez pode causar uma síndrome varfarínica fetal, caracterizada por condrodisplasia punctata (pontilhado ósseo) e anormalidades faciais e do SNC, que também pode se desenvolver após administração no segundo e terceiro trimestres. A administração à gestante, em estágios mais avançados da gravidez, está associada à hemorragia fetal e aumento da taxa de aborto. A incidência relatada da síndrome varfarínica fetal tem oscilado entre 5% e 30%. Na Inglaterra, os limites recomendados de exposição à varfarina são 0,1 mg/m3 (longo prazo) e 0,3 mg/m3 (curto prazo).

 

Posologia

A dose inicial é de 10-15 mg (2-3 comprimidos) por dia, variando em função da idade e do peso corpóreo e ajustada de acordo com os resultados dos testes de controle diário, até que seja obtido o nível desejado de atividade anticoagulante, o que ocorre geralmente entre 3-6 dias após o início do tratamento. A administração concomitante de heparina afeta os resultados dos testes, devendo por isso ser descontinuada pelo menos 6 horas antes da realização do primeiro teste. A dose de manutenção será posteriormente ajustada de acordo com os testes de controle, que deverão ser conduzidos a intervalos regulares. 

 

Apresentação

O produto é apresentado em caixas contendo 10 e 30 comprimidos de 5 mg; embalagem com 30 comprimidos de 7,5 mg.

 

 

 OTO-BETNOVATE (Farmoquímica). Valerato de betametasona, clorfenesina, cloridrato de tetracaína. Otites. Fr. com 5 ml.

 

 

 OTOSPORIN (Farmoquímica). Sulfato de polimixina B, sulfato de neomicina, hidrocortisona. Tópico nas otites. Fr. com 10 ml.

 

 

 TRIFEDRIN (Farmoquímica). Cloridrato de triprolidina, cloridrato de pseudo-efedrina, sulfoguaiacolato de potássio. Infecções respiratórias. Fr. com 100 ml de xarope.

 

 

 

 

LOCOID®  (Eurofarma).

 

Butirato de hidrocortisona

 

Composição

Cada grama de LOCOID Creme contém: Butirato de hidrocortisona 1 mg. Excipientes (álcool cetoestearílico, cetomacrogol 1000, parafina líquida, parafina sólida, metilpara-hidroxibenzoato, ácido cítrico anidro, citrato de sódio anidro e água purificada) q.s.p. 1 g. Cada grama de LOCOID Emulsão contém: Butirato de hidrocortisona 1 mg. Excipientes (álcool cetoestearílico, cetomacrogol 1000, parafina líquida, parafina sólida, óleo de borragem, butilidroxitolueno, propilenoglicol, citrato de sódio anidro, ácido cítrico anidro, propilpara-hidroxibenzoato, butilpara-hidroxibenzoato e água purificada) q.s.p. 1 g.

 

Indicações

LOCOID é indicado no alívio das manifestações inflamatórias e pruríticas das dermatoses superficiais sensíveis à corticoterapia, não causadas por microrganismos, tais como: eczema, eczema infantil, dermatite atópica, dermatite herpetiforme, dermatite de contato, dermatite seborréica, neurodermatite, algumas formas de psoríase e intertrigo. Ocasionalmente, corticosteróides como o butirato de hidrocortisona podem ser usados, associados a uma droga antimicrobiana adequada, no tratamento de infecções da pele. Obs.: A forma emulsão, ainda que possa ser usada em quaisquer das patologias anteriores, é especialmente direcionada para o tratamento da dermatite seborréica.

 

Contra-indicações

Hipersensibilidade ou reações adversas demonstradas aos componentes da formulação ou a outros corticosteróides, incluindo-se entre as últimas, dermatite perioral e estrias atróficas. Lesões na pele causadas por: infecções bacterianas (piodermites, processos luéticos e tuberculosos); infecções virais (varicela, herpes simplex, herpes zóster, verruga vulgar, verruga plana, condiloma, molusco contagioso); infecções micóticas e por leveduras; infecções parasitárias (escabiose, por exemplo). Lesões ulcerosas da pele, feridas. Ictiose, dermatose plantar juvenil, acne vulgar, acne rosácea, fragilidade dos vasos superficiais e atrofia da pele.

 

Reações adversas

Efeitos sistêmicos: Efeitos sistêmicos, como conseqüência de aplicação tópica de corticosteróides em adultos, raramente ocorrem, mas podem ser sérios. A inibição do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) tem importância, especialmente, nos tratamentos de longo prazo. O risco de efeitos sistêmicos é maior em: aplicação sob oclusão; aplicação em grandes áreas; tratamento de longo prazo; aplicação em crianças (a pele delgada e a relativamente extensa superfície corporal tratada, tornam as crianças muito sensíveis). Efeitos locais: As seguintes reações adversas locais, em ordem decrescente de incidência, são reportadas infreqüentemente, podendo ocorrer mais freqüentemente com o uso de curativos oclusivos: ardência, prurido, irritação, ressecamento, foliculite, hipertricose, erupções acneiformes, hipopigmentação, dermatite perioral, dermatite de contato, maceração da pele, infecção da pele, infecção secundária, atrofia da pele, estrias, miliária. A incidência de reações adversas locais aumenta com a duração do tratamento e com a aplicação sob oclusão. Infecções dérmicas bacterianas, parasitárias, fúngicas e virais podem ser mascaradas e/ou agravadas com o uso de LOCOID.

 

Posologia

Aplicar, uniformemente, uma fina camada de LOCOID sobre a pele lesada, duas a três vezes ao dia, dependendo da seriedade da lesão. Após a melhora do quadro, a aplicação uma vez ao dia ou duas a três vezes na semana, é usualmente eficaz. Não usar mais que 30-60 g do produto no período de uma semana. Para uma melhor penetração na pele, a aplicação do produto pode ser feita massageando-se suavemente. Para se obter um resultado terapêutico melhor, pode ser recomendada a utilização de um curativo oclusivo, o que, todavia, aumenta o risco de efeitos adversos.

 

Apresentação

Creme dermatológico: Em tubos contendo 15 g de creme. Emulsão dermatológica: Em frascos contendo 30 g de emulsão.

 

 

 

 

Estreva®

 

Estradiol hemiidratado

 

Gel

 

Uso oral — adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Gel: Frascos de 50 g com bomba dosadora.

 

Composição completa — Cada 100 g do gel contém: Estradiol (na forma de estradiol hemiidratado) 0,1 g. Excipientes (água purificada, álcool etílico, dietilenoglicol, edetato sódico, polímero carboxivinílico, propilenoglicol, trietanolamina) 100,0 g. Cada pressão na bomba dosadora libera 0,5 g do gel, o que corresponde a 0,5 mg de estradiol.

 

Instruções de uso — Retire a tampa. Segure a embalagem com uma das mãos, colocando a outra mão abaixo da bomba para recolher o gel.

 

FIGURA

 

Pressione a bomba para obter a dose. Ao iniciar a utilização de um frasco, poderão ser necessárias várias pressões sobre a bomba para acionar o dispositivo que permite a liberação do gel.

 

FIGURA

 

Entre cada movimento de pressão, deixe a bomba retornar à posição inicial. A aplicação do gel deve ser feita sobre uma extensa área de pele limpa, como: braços, antebraços, coxas, abdome e nádegas. Aplicar preferencialmente após o banho, pela manhã ou à noite. Não é necessário fazer massagem após a aplicação. O gel não mancha a roupa, mas é recomendável esperar de 1 a 2 minutos antes de se vestir. O gel não deve ser aplicado sobre as mamas ou sobre as mucosas.

 

FIGURAS

 

Indicações — Correção da deficiência estrogênica na mulher menopausada, ooforectomizada ou com hipofunção gonadal, que pode se manifestar como distúrbios vasomotores (fogachos), alterações da trofismo geniturinário (atrofia vulvovaginal, dispareunia, incontinência urinária) e problemas psíquicos (distúrbios do sono, astenia).

 

Contra-indicações — Absolutas: Tumores malignos de mama e útero, tumores hipofisários, hemorragias genitais (causa desconhecida), doenças tromboembólicas (em curso, recentes ou que deixaram seqüelas), Insuficiência hepática, grave, porfiria, otospongiose, doenças do tecido conectivo. Gravidez e lactação: A gravidez é uma contra-indicação absoluta, no caso de administração acidental, o tratamento deverá ser interrompido, não sendo necessário adotar-se outra medida, pois trata-se de um hormônio natural cuja administração não determina níveis plasmáticos elevados. Relativas: O uso de estrógenos em pacientes com história de tumores benignos de mama, distrofias uterinas (hiperplasia, mioma), endometriose, elevação da concentração sangüínea de prolactina com galactorréia, colestase recorrente ou gestacional (pruridos recidivantes) e insuficiência renal, deve ler cuidadosamente avaliado. Incluem-se ainda, por prudência, as seguintes patologias, já que a experiência clínica de utilização de estradiol percutâneo a longo prazo e limitada: afecções cardiovasculares (valvulopatias, arritmias trombogênicas), acidentes cerebrovasculares, patologias oculares de origem vascular.

 

Precauções e advertências — É necessária a realização de exames clínicos, antes e durante o tratamento. Deve-se monitorar a pressão arterial, o peso, as mamas e o útero. Deve-se dedicar especial atenção às pacientes portadoras de epilepsia, asma, distúrbios da função hepática leves ou moderada, hipertensão arterial severa e com antecedentes familiares de câncer de mama. Os riscos de hiperplasia e câncer do endométrio podem aumentar na administração prolongada de estrógenos, sendo necessária a associação de um progestágeno por um mínimo de 12 dias ao mês, para a prevenção da hiperplasia endometrial. A estrogenioterapia prolongada e isolada pode aumentar a doença mamária. Antes de se iniciar o tratamento deve ser confirmada a ausência de doenças estrógeno-dependentes. Qualquer sangramento intermenstrual durante o tratamento deve ser cuidadosamente investigado.

 

Interações medicamentosas — Os medicamentos que produzem indução enzimática, como barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, fenilbutazona, meprobamato ou rifampicina, podem alterar a ação dos estrógenos, contudo, a existência de tais interações ainda não está descrita por via percutânea.

 

Reações adversas/colaterais— A maior parte dos eventos adversos graves descritos a seguir, relativamente raras, foram essencialmente observados com o uso de estrógenos sintéticos (artificiais), administrados por via oral. No entanto, por medida de segurança, deve-se interromper o tratamento com ESTREVA no caso do aparecimento de: problemas cardiovasculares e tromboembólicos, icterícia colestática, mastopatia benigna ou maligna, tumores malignos do útero, adenoma hepático e galactorréia. Sinais e sintomas de hiper ou hipoestrogenismo, que se manifestam como reações adversas menos graves e mais freqüentes, normalmente não impedem a continuidade do tratamento, sendo suficiente a adaptação da posologia. Sinais de hipoestrogenismo: Fogachos persistentes, cefaléia freqüente, enxaqueca, sangramento intermenstrual (cuja origem deve ser investigada), ressecamento vaginal, irritação ocular por lentes de contato. Sinais de hiperestrogenismo: Náuseas, mastalgia exacerbada, irritabilidade, sensação de peso nas pernas e exacerbação da secreção do muco cervical. Eventos ligados a superdosagem aguda ou crônica, como agravamento de crises epilépticas, podem ser observados com todas as formas ativas de administração estrogênica, inclusive com a via percutânea.

 

Posologia — ESTREVA Gel é apresentado em um frasco com bomba dosadora. Cada compressão libera 0,5 g de gel (0,5 mg de estradiol). A posologia média é 1,5 g de gel por dia (três compressões). As doses e a duração do tratamento podem variar em função da necessidade da paciente, de uma eventual produção estrogênica residual e das particularidades farmacocinéticas individuais. A posologia será eventualmente readaptada após 2 ou 3 ciclos de tratamento, em função da sintomatologia clínica: diminuição da dose nos casos de manifestações hiperestrogênicas ou aumento da dose nos casos de manifestações de hipoestrogenismo. Em mulheres com útero, é altamente recomendável a associação de um progestágeno oral de forma seqüencial (12 a 14 dias) ou contínua (durante todo o mês). A aplicação do gel deverá ser feita pela própria paciente, sobre a pele limpa, de preferência após o banho, pela manhã ou à noite, sobre o abdome, ombros, coxas e nádegas, com exceção das mamas e das mucosas. Não é necessário fazer massagem. O gel não mancha a roupa, mas é aconselhável deixar o gel secar por cerca de 1 a 2 minutos antes de se vestir. Observar atentamente as Instruções de uso.

 

Superdosagem — Os efeitos de uma superdosagem são geralmente: mastalgia exacerbada, inchaço abdominal ou pélvico, ansiedade, nervosismo, agressividade. Na eventualidade de ingestão acidental ou administração de doses muita acima das preconizadas, recomenda-se adotar as medidas habituais de controle das funções vitais.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-265900.

 

Registro no M.S. 1.0639.0192.

 

MERCK S.A.

 

 

 

 

Lutenil®

 

Acetato de nomegestrol

 

Uso oral — adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — Comprimidos: Embalagens com 10 e 14 comprimidos de 5 mg.

 

Indicações — Distúrbios ginecológicos causados pela insuficiência luteal, tais como alteração da menstruação ou dos ciclos menstruais, hiperplasia endometrial, dismenorréia, síndrome pré-menstrual, mastodinia. Tratamento da menopausa (em associação com os estrógenos e para contrabalançar seu efeito).

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade aos componentes do produto. Durante os primeiros 4 meses da gestação, pelos riscos de ambigüidades sexuais, sobretudo no sexo masculino. Antecedentes tromboflebíticos. Alterações graves da função hepática. Cautela nos casos com antecedentes de infarto do miocárdio, distúrbios cerebrovasculares, hipertensão arterial, diabetes e em lactantes.

 

Interações medicamentosas — Os indutores enzimáticos, tais como anticonvulsivantes, barbitúricos, griseofulvina, rifabutina e rifampicina podem reduzir a eficácia dos progestágenos por indução enzimática.

 

Reações adversas/colaterais— Modificações dos ciclos menstruais, amenorréia, sangramento intercorrente. Ganho de peso, insônia, pilificação, distúrbios gastrointestinais. Agravamento de insuficiência venosa dos membros inferiores. Icterícia colestática e prurido.

 

Posologia — Antes da menopausa, 1 comprimido ao dia, por via oral, do 16o ao 25o dia do ciclo. Na menopausa, o tratamento será durante 12 a 14 dias por mês, em associação com um estrogênio. A posologia e a duração do tratamento poderão ser modificadas em função da indicação e da resposta ao tratamento.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-265900.

 

Registro no M.S. 1.0089.0282.

 

MERCK S.A.

 

 

 

 

ATENOLOL 50 MG/100 MG(Merck).

 

Composição

Cada comprimido de ATENOLOL contém: Atenolol 50 ou 100 mg. Excipientes (celulose microcristalina, estearato de magnésio, glicolato de amido sódico e polividona) q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicações

Controle da hipertensão arterial; controle da angina pectoris; controle de arritmias cardíacas e tratamento do infarto do miocárdio.

 

Contra-indicações

ATENOLOL não deve ser administrado a crianças. ATENOLOL, assim como outros betabloqueadores, não deve ser usado na presença de conhecida hipersensibilidade à substância, bradicardia, choque cardiogênico, hipotensão, acidose metabólica, distúrbios severos da circulação arterial periférica, bloqueio cardíaco de segundo ou terceiro grau, síndrome do nodo sinusal, feocromocitoma não-tratado, insuficiência cardíaca descompensada.

 

Reações adversas

ATENOLOL é bem tolerado. Em estudos clínicos, os efeitos colaterais relatados foram normalmente atribuíveis às ações farmacológicas de ATENOLOL. As seguintes reações adversas foram relatadas com ATENOLOL: Cardiovasculares: Bradicardia (casos isolados), piora da insuficiência cardíaca, hipotensão postural que pode estar associada à síncope e extremidades frias. Em pacientes suscetíveis as reações, pode ocorrer precipitação de bloqueio cardíaco, aumento da claudicação intermitente, se esta já estiver presente, e fenômeno de Raynaud. Sistema nervoso central: Confusão, tontura, cefaléia, alterações de humor, pesadelos, alucinações e psicoses além de distúrbios do sono do tipo observado em outras drogas betabloqueadoras. Gastrintestinais: Distúrbios gastrintestinais e boca seca. Pouco freqüentemente foram observadas elevações das transaminases e raros casos de toxicidade hepática, incluindo colestase intra-hepática. Hematológicas: Púrpura e trombocitopenia. Tegumentares: Alopecia, olhos secos, reações cutâneas semelhantes à psoríase, exacerbação da psoríase e rashes cutâneos. Neurológica: Parestesia. Respiratórias: Pode ocorrer broncoespasmo em pacientes com asma brônquica ou história de queixas asmáticas. Outras: Distúrbios visuais, fadiga. Um aumento dos anticorpos antinucleares (ANA) foi observado, entretanto, a relevância clínica deste evento não está elucidada. A descontinuação do medicamento deve ser considerada se, de acordo com critério médico, o bem-estar do paciente estiver sendo adversamente afetado por qualquer uma das reações descritas anteriormente.

 

Posologia

Hipertensão: A maioria dos pacientes responde a uma dose única oral diária de 50 mg a 100 mg. O efeito pleno será alcançado após uma ou duas semanas. Pode-se conseguir uma redução adicional na pressão arterial combinando-se ATENOLOL com outros agentes anti-hipertensivos. Por exemplo, a administração concomitante de ATENOLOL com um diurético, tal como a clortalidona, propicia um tratamento anti-hipertensivo altamente eficaz. Angina: A maioria dos pacientes com angina pectoris responde a uma dose diária de 100 mg administrada oralmente como dose única ou como 50 mg administrados duas vezes ao dia. É improvável que se obtenha benefício adicional com o aumento da dose. Arritmias: Certas arritmias podem ser controladas com uma dose oral adequada de 50 mg a 100 mg diários, administrada em dose única. Infarto do miocárdio: Para pacientes que se apresentarem alguns dias após sofrerem um infarto agudo do miocárdio, recomenda-se uma dose oral de 100 mg diários de ATENOLOL para profilaxia a longo prazo do infarto do miocárdio. Insuficiência renal: Uma vez que ATENOLOL é excretado por via renal, a dose deve ser ajustada nos casos de comprometimento grave da função renal. Não ocorre acúmulo significativo de ATENOLOL em pacientes que tenham uma depuração de creatinina superior a 35 ml/min/1,73 m² (a faixa normal é de 100-150 ml/min/1,73 m²). Para pacientes com depuração de creatinina de 15-35 ml/min/1,73 m² (equivalente à creatinina sérica de 300-600 mmol/litro), a dose oral deve ser de 50 mg diários. Para pacientes com depuração de creatinina menor que 15 ml/min/1,73 m² (equivalente à creatinina sérica > 600 mmol/litro), a dose oral deve ser de 50 mg em dias alternados. Os pacientes que se submetem à hemodiálise devem receber 50 mg, por via oral, após cada diálise. Isto deve ser feito sob supervisão hospitalar, uma vez que podem ocorrer acentuadas quedas na pressão arterial.

 

Apresentação

Comprimido:Embalagem com 30 comprimidos.

 

 

 

 

Alginac® comprimidos revestidos

 

Cianocobalamina, cloridrato de piridoxina, mononitrato de tiamina, diclofenaco sódico

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — ALGINAC® 1000 Comprimidos revestidos: Embalagem contendo 14 ou 30 comprimidos revestidos.

 

Composição — ALGINAC® 1000 Comprimidos revestidos: Cada comprimido revestido contém: Vitamina B12 (cianocobalamina) 1.000 mcg; Vitamina B6 (cloridrato de piridoxina) 50 mg; Vitamina B1 (mononitrato de tiamina) 50 mg; Diclofenaco sódico 50 mg. Excipientes: Talco, estearato de magnésio, lactose, celulose, carboximetilcelulose sódica, dióxido de silício coloidal, eudragit RL 30D, macrogol, dióxido de titânio, dimeticona, trietilcitrato, metilparabeno, propilparabeno, polividona, corante vermelho FD & C no 6.

 

Indicações — Antiinflamatório com ação analgésica. Antineurítico. Nas lombalgias, cervicalgias, braquialgias, radiculite, neuropatias periféricas de etiopatogenia diversa, neuralgias faciais, neuralgia do trigêmeo, neuralgia intercostal, neuralgia herpética, neuropatia alcoólica, neuropatia diabética, síndrome do conduto do carpo, fibromialgia e espondilite.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula. Policitemia vera. Porfiria aguda. A vitamina B12 não deve ser utilizada na doença precoce de Leber (atrofia hereditária do nervo óptico). Úlceras pépticas, gastrites e duodenites. Em pacientes cujas crises de asma brônquica, urticária ou rinite são desencadeadas ou agravadas pelo uso de salicilatos e outros medicamentos inibidores da síntese de prostaglandinas. Discrasias sangüíneas, estados hemorrágicos e lesões hepáticas.

 

Precauções e advertências — É recomendável controlar periodicamente o hemograma e as funções renal e hepática. Antes da administração do produto, deve ser avaliado o estado do sistema digestivo, do fígado e dos rins. Não deve ser administrado durante a gravidez e a lactação nem em crianças com menos de 12 anos. Como as prostaglandinas têm grande importância na manutenção do fluxo sangüíneo renal, o produto deve ser empregado com cautela em nefropatas, cardiopatas, pacientes em uso de diuréticos e após grandes cirurgias. Os pacientes que apresentarem tonturas ou outros distúrbios do sistema nervoso central devem abster-se de dirigir veículos ou operar máquinas.

 

Interações medicamentosas — Existem relatos de que a tiamina pode aumentar o efeito de bloqueadores neuromusculares, desconhecendo-se seu significado clínico. A piridoxina reforça a descarboxilação periférica da levodopa e reduz sua eficácia no tratamento da doença de Parkinson. A administração concomitante de carbidopa com levodopa previne este efeito. O cloridrato de piridoxina não deve ser administrado em doses superiores a 5 mg por dia em pacientes sob tratamento com levodopa unicamente. A administração de 200 mg ao dia de cloridrato de piridoxina durante um mês produz diminuição das concentrações séricas de fenobarbital e de fenitoína em até 50%. A ciclosserina e a hidralazina são antagonistas da vitamina B6 e a administração da piridoxina reduz os efeitos secundários neuronais decorrentes do uso destes fármacos. A utilização prolongada de penicilamina pode causar deficiência de vitamina B6. A piridoxina pode diminuir as concentrações plasmáticas da ciclosporina, quando administradas simultaneamente. A absorção da vitamina B12 no sistema gastrointestinal pode ser reduzida pela administração de aminoglicosídeos, colchicina, potássio em formulação de liberação prolongada, ácido aminossalicílico e seus sais, anticonvulsivantes (fenitoína, fenobarbital, primidona), irritação com cobalto no intestino delgado e pela ingestão excessiva de álcool por mais de duas semanas. A administração concomitante de neomicina e colchicina incrementa a má absorção de vitamina B12. O ácido ascórbico pode destruir quantidades importantes da vitamina B12 e do fator intrínseco in vitro; assim, esta possibilidade deverá ser levada em consideração quando da administração concomitante de doses altas de ácido ascórbico e de vitamina B12 por via oral. Existem relatos de que a prednisona intensificou a absorção de vitamina B12 e a secreção do fator intrínseco em pacientes com anemia perniciosa, porém não em pacientes com gastrectomia parcial ou total, desconhecendo-se o significado clínico destas observações. A administração concomitante de cloranfenicol e de vitamina B12 pode antagonizar a resposta hematopoética à vitamina. A administração simultânea de diclofenaco com preparações à base de lítio, digoxina ou diuréticos poupadores de potássio pode elevar as concentrações plasmáticas destes fármacos. A utilização concomitante com outros antiinflamatórios não-esteroidais pode aumentar o risco de reações adversas. Recomenda-se acompanhamento rigoroso de pacientes sob tratamento com anticoagulantes. O emprego de antiinflamatórios não-esteróides deve ser suspenso 24 horas antes de iniciar-se tratamento com metotrexato, para evitar a elevação da concentração plasmática do citostático e de seus efeitos tóxicos.

 

Reações adversas/colaterais e alterações de exames laboratoriais — Existem relatos isolados de reações secundárias à administração parenteral em longo prazo de tiamina e de cianocobalamina, provavelmente devido a casos raros de hipersensibilidade. A administração de megadoses de piridoxina pode produzir certas síndromes neuropáticas sensoriais; contudo, estudos histopatológicos não demonstraram o relacionamento destas síndromes com degeneração neuronal em nenhum grau. Com a suspensão do uso da piridoxina, a função neuronal melhora gradativamente até a completa recuperação do paciente. Trato gastrointestinal: Dor abdominal, náuseas, vômitos, diarréia, dispepsia, flatulência e anorexia. Raramente, hemorragia gastroduodenal, melena, hematêmese, ulceração, perfuração, diarréia sanguinolenta. Ocasionalmente, colite ulcerativa ou proctocolite de Crohn, gengivoestomatite, lesões esofágicas, glossite, obstipação intestinal. Sistema nervoso central: Vertigem, atordoamento, cefalalgia, fadiga. Raramente, parestesias, distúrbios da sensibilidade e da visão, distúrbios da memória, desorientação, tinido, insônia, irritações psicóticas, alterações do paladar. Pele: Casos isolados de erupções vesiculares, eczema, eritema multiforme, síndrome de Stevens-Johnson, síndrome de Lyell, eritrodermia, dermatite esfoliativa, alopecia, reações de fotossensibilidade, púrpura. Rins: Raramente hematúria, proteinúria, insuficiência renal aguda. Fígado: Raramente, elevação da atividade das aminotransferases (transaminases glutamicopirúvica e glutamicoxalacética), hepatite com ou sem icterícia. Sangue: Casos isolados de trombocitopenia, leucopenia, anemia hemolítica, anemia aplástica, agranulocitose. Hipersensibilidade: Raramente hipotensão arterial, edema, reações anafiláticas. Alterações de exames laboratoriais: a piridoxina pode provocar uma reação falsa-positiva no urobilinogênio utilizando reativo de Ehrlich.

 

Posologia — ALGINAC® 1000: Dois a três comprimidos ao dia, preferencialmente após as refeições. A duração do tratamento fica a critério médico.

 

Superdosagem — Não existem relatos de superdosagem com tiamina ou com vitamina B12. A neuropatia sensorial e as outras síndromes neuropáticas sensoriais produzidas pela administração de megadoses de piridoxina melhoram gradativamente com a descontinuação da vitamina, obtendo-se recuperação completa após algum tempo. São raros os relatos de superdosagem de antiinflamatórios não-hormonais. Isso decorre de serem essas substâncias gastroirritantes (provocando vômito, quando em doses elevadas) e de fácil excreção pelos rins. Considerando a curta duração da meia-vida do diclofenaco, pode-se esperar grande margem de segurança. O tratamento da superdosagem e da intoxicação aguda consiste, essencialmente, em medidas de suporte e tratamento sintomático se surgirem complicações (hipotensão, depressão respiratória, insuficiência renal, convulsões, irritação). Em caso de ingestão de número excessivo de comprimidos, o tratamento compreende também lavagem gástrica e uso de carvão ativado.

 

Pacientes idosos — É recomendável cautela quando da prescrição a idosos, em especial, aqueles que tenham função renal prejudicada e em uso de diuréticos e betabloqueadores. Os pacientes idosos são mais sensíveis à ocorrência de efeitos colaterais com antiinflamatórios não-hormonais (em especial, redução do volume urinário e irritação da mucosa gastrointestinal). Devem, portanto, utilizar a menor posologia capaz de produzir os efeitos terapêuticos desejados, pelo menor tempo possível.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-265900.

 

Registro no M.S. 1.0089.0271.

 

MERCK S.A.

 

 

 

 

Alginac® solução injetável

 

Cianocobalamina, cloridrato de piridoxina, cloridrato de tiamina, diclofenaco sódico

 

Uso intramuscular — Adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — ALGINAC® 5000 Solução injetável: Embalagem contendo três ampolas I (1 ml) e três ampolas II (2 ml).

 

Composição — ALGINAC® 5000 Solução injetável: Cada ampola I (1 ml) contém: Cianocobalamina 5.000 mcg; Cloridrato de piridoxina 100 mg; Cloridrato de tiamina 100 mg. Excipientes: Cianeto de potássio, álcool benzílico, hidróxido de sódio, água para injetáveis. Cada ampola II (2 ml) contém: Diclofenaco sódico 75 mg. Excipientes: Bissulfito de sódio, manitol, álcool benzílico, propilenoglicol, glicina, hidróxido de sódio, água para injetáveis.

 

Indicações — Antiinflamatório com ação analgésica. Antineurítico. Nas lombalgias, cervicalgias, braquialgias, radiculite, neuropatias periféricas de etiopatogenia diversa, neuralgias faciais, neuralgia do trigêmeo, neuralgia intercostal, neuralgia herpética, neuropatia alcoólica, neuropatia diabética, síndrome do conduto do carpo, fibromialgia e espondilite.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula. Policitemia vera. Porfiria aguda. A vitamina B12 não deve ser utilizada na doença precoce de Leber (atrofia hereditária do nervo óptico). Úlceras pépticas, gastrites e duodenites. Em pacientes cujas crises de asma brônquica, urticária ou rinite são desencadeadas ou agravadas pelo uso de salicilatos e outros medicamentos inibidores da síntese de prostaglandinas. Discrasias sangüíneas, estados hemorrágicos e lesões hepáticas.

 

Precauções e advertências — É recomendável controlar periodicamente o hemograma e as funções renal e hepática. Antes da administração do produto, deve ser avaliado o estado do sistema digestivo, do fígado e dos rins. Não deve ser administrado durante a gravidez e a lactação nem em crianças com menos de 12 anos. Como as prostaglandinas têm grande importância na manutenção do fluxo sangüíneo renal, o produto deve ser empregado com cautela em nefropatas, cardiopatas, pacientes em uso de diuréticos e após grandes cirurgias. Os pacientes que apresentarem tonturas ou outros distúrbios do sistema nervoso central devem abster-se de dirigir veículos ou operar máquinas.

 

Interações medicamentosas — Existem relatos de que a tiamina pode aumentar o efeito de bloqueadores neuromusculares, desconhecendo-se seu significado clínico. A piridoxina reforça a descarboxilação periférica da levodopa e reduz sua eficácia no tratamento da doença de Parkinson. A administração concomitante de carbidopa com levodopa previne este efeito. O cloridrato de piridoxina não deve ser administrado em doses superiores a 5 mg por dia em pacientes sob tratamento com levodopa unicamente. A administração de 200 mg ao dia de cloridrato de piridoxina durante um mês produz diminuição das concentrações séricas de fenobarbital e de fenitoína em até 50%. A ciclosserina e a hidralazina são antagonistas da vitamina B6 e a administração da piridoxina reduz os efeitos secundários neuronais decorrentes do uso destes fármacos. A utilização prolongada de penicilamina pode causar deficiência de vitamina B6. A piridoxina pode diminuir as concentrações plasmáticas da ciclosporina, quando administradas simultaneamente. A absorção da vitamina B12 no sistema gastrointestinal pode ser reduzida pela administração de aminoglicosídeos, colchicina, potássio em formulação de liberação prolongada, ácido aminosalicílico e seus sais, anticonvulsivantes (fenitoína, fenobarbital, primidona), irritação com cobalto no intestino delgado e pela ingestão excessiva de álcool por mais de duas semanas. A administração concomitante de neomicina e colchicina incrementa a má absorção de vitamina B12. O ácido ascórbico pode destruir quantidades importantes da vitamina B12 e do fator intrínseco in vitro; assim, esta possibilidade deverá ser levada em consideração quando da administração concomitante de doses altas de ácido ascórbico e de vitamina B12 por via oral. Existem relatos de que a prednisona intensificou a absorção de vitamina B12 e a secreção do fator intrínseco em pacientes com anemia perniciosa, porém não em pacientes com gastrectomia parcial ou total, desconhecendo-se o significado clínico destas observações. A administração concomitante de cloranfenicol e de vitamina B12 pode antagonizar a resposta hematopoética à vitamina. A administração simultânea de diclofenaco com preparações à base de lítio, digoxina ou diuréticos poupadores de potássio pode elevar as concentrações plasmáticas destes fármacos. A utilização concomitante com outros antiinflamatórios não-esteroidais pode aumentar o risco de reações adversas. Recomenda-se acompanhamento rigoroso de pacientes sob tratamento com anticoagulantes. O emprego de antiinflamatórios não-esteróides deve ser suspenso 24 horas antes de iniciar-se tratamento com metotrexato, para evitar a elevação da concentração plasmática do citostático e de seus efeitos tóxicos.

 

Reações adversas/colaterais e alterações de exames laboratoriais — Existem relatos isolados de reações secundárias à administração parenteral em longo prazo de tiamina e de cianocobalamina, provavelmente devido a casos raros de hipersensibilidade. A administração de megadoses de piridoxina pode produzir certas síndromes neuropáticas sensoriais; contudo, estudos histopatológicos não demonstraram o relacionamento destas síndromes com degeneração neuronal em nenhum grau. Com a suspensão do uso da piridoxina, a função neuronal melhora gradativamente até a completa recuperação do paciente. Trato gastrointestinal: Dor abdominal, náuseas, vômitos, diarréia, dispepsia, flatulência e anorexia. Raramente, hemorragia gastroduodenal, melena, hematêmese, ulceração, perfuração, diarréia sanguinolenta. Ocasionalmente, colite ulcerativa ou proctocolite de Crohn, gengivoestomatite, lesões esofágicas, glossite, obstipação intestinal. Sistema nervoso central: Vertigem, atordoamento, cefalalgia, fadiga. Raramente, parestesias, distúrbios da sensibilidade e da visão, distúrbios da memória, desorientação, tinido, insônia, irritações psicóticas, alterações do paladar. Pele: Casos isolados de erupções vesiculares, eczema, eritema multiforme, síndrome de Stevens-Johnson, síndrome de Lyell, eritrodermia, dermatite esfoliativa, alopecia, reações de fotossensibilidade, púrpura. Rins: Raramente hematúria, proteinúria, insuficiência renal aguda. Fígado: Raramente, elevação da atividade das aminotransferases (transaminases glutamicopirúvica e glutamicoxalacética), hepatite com ou sem icterícia. Sangue: Casos isolados de trombocitopenia, leucopenia, anemia hemolítica, anemia aplástica, agranulocitose. Hipersensibilidade: Raramente hipotensão arterial, edema, reações anafiláticas. No local de aplicação das injeções podem surgir fenômenos inflamatórios, dor e, mais raramente, formação de abscesso e necrose. Alterações de exames laboratoriais: A piridoxina pode provocar uma reação falsa-positiva no urobilinogênio utilizando reativo de Ehrlich.

 

Posologia — ALGINAC® 5000: Uma injeção por dia. No momento da aplicação, aspira-se para o interior de uma seringa, com capacidade mínima de 3 ml, o conteúdo de uma ampola I e de uma ampola II. Injeta-se a mistura lentamente, exclusivamente por via intramuscular profunda no quadrante superior externo da região glútea. As formas injetáveis de ALGINAC® não devem ser usadas por mais de dois dias. Quando for necessário o uso por período mais prolongado, deve-se continuar o tratamento com as formas orais do produto.

 

Superdosagem — Não existem relatos de superdosagem com tiamina ou com vitamina B12. A neuropatia sensorial e as outras síndromes neuropáticas sensoriais produzidas pela administração de megadoses de piridoxina melhoram gradativamente com a descontinuação da vitamina, obtendo-se recuperação completa após algum tempo. São raros os relatos de superdosagem de antiinflamatórios não-hormonais. Isso decorre de serem essas substâncias de fácil excreção pelos rins. Considerando a curta duração da meia-vida do diclofenaco, pode-se esperar grande margem de segurança. O tratamento da superdosagem e da intoxicação aguda consiste, essencialmente, em medidas de suporte e tratamento sintomático se surgirem complicações (hipotensão, depressão respiratória, insuficiência renal, convulsões, irritação).

 

Pacientes idosos — É recomendável cautela quando da prescrição a idosos, em especial, aqueles que tenham função renal prejudicada e em uso de diuréticos e betabloqueadores. Os pacientes idosos são mais sensíveis à ocorrência de efeitos colaterais com antiinflamatórios não-hormonais (em especial, redução do volume urinário e irritação da mucosa gastrointestinal). Devem, portanto, utilizar a menor posologia capaz de produzir os efeitos terapêuticos desejados, pelo menor tempo possível.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-265900.

 

Registro no M.S. 1.0089.0271.

 

MERCK S.A.

 

 

 CAPTOPRIL 12,5 MG/25 MG/50 MG (Merck). Hipertensão. Emb. com 30 e 50 comp. de 12,5 e 25 mg; emb. com 30 comp. de 50 mg.

 

 

 

 

CLINFAR (Merck).

 

Sinvastatina 5 mg/10 mg

 

Composição

Cada comprimido contém: Sinvastatina 5 mg. Excipientes: Ácido ascórbico, ácido cítrico, amido de milho, butilidroxianisol, celulose microcristalina, estearato de magnésio, hidroxipropilmetilcelulose, lactose em cristais finos, opadry verde, silicone antiespumante. Sinvastatina 10 mg. Excipientes: Ácido ascórbico, ácido cítrico, amido de milho, butilidroxianisol, celulose microcristalina, estearato de magnésio, hidroxipropilmetilcelulose, lactose em cristais finos, opadry pink, silicone antiespumante.

 

Indicações

Redução dos níveis elevados de colesterol total e LDL-colesterol em pacientes com hipercolesterolemia primária, quando a resposta à dieta e a outras medidas não-farmacológicas isoladamente tenha sido inadequada. Redução dos níveis elevados de colesterol em hipercolesterolemia combinada à hipertrigliceridemia, quando a hipercolesterolemia for a anormalidade mais importante. Redução da progressão da aterosclerose coronariana, incluindo a redução do desenvolvimento de novas lesões e de novas oclusões, em pacientes com doenças coronarianas. Redução no risco de realização de procedimentos de revascularização do miocárdio.

 

Contra-indicações

Hipersensibilidade a qualquer componente desta preparação. Doença hepática ativa ou elevações persistentes e inexplicadas das transaminases séricas. Gravidez e lactação.

 

Posologia

Hipercolesterolemia: A dose inicial usual é de 10 mg/dia em tomada única à noite. Pacientes com hipercolesterolemia leve a moderada podem ser tratados com a posologia inicial de 5 mg/dia. Ajustes posológicos, se necessários, devem ser feitos a intervalos não inferiores a 4 semanas, até o máximo de 40 mg/dia em tomada única, à noite. Se o nível de LDL-colesterol for reduzido para menos de 75 mg/dia, ou se o colesterol total plasmático for reduzido para menos de 140 mg/dl, deve-se considerar a redução da dose de sinvastatina. Doença coronariana: Pacientes com doença coronariana podem ser tratados com a dose inicial de 20  mg/dia administrada em tomada única, à noite. Ajustes da posologia, se necessários, devem ser realizados conforme orientação descrita anteriormente. Terapia concomitante: Sinvastatina é eficaz isoladamente ou em combinação com os seqüestrantes de ácidos biliares. Em pacientes recebendo ciclosporinas, fibratos ou niacina concomitante com sinvastatina, a dose máxima recomendada é de 10 mg/dia.

 

Apresentações

Comprimidos de 5 mg: Embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 10 mg: Embalagens com 10 e 30 comprimidos.

 

 

 CLORIDRATO DE RANITIDINA 150 MG/300 MG (Merck). Úlcera péptica. Emb. com 20 comp. de 150 e 300 mg.

 

 

 

 

Concor®

 

Fumarato de bisoprolol 1,25/2,5/5/10 mg

 

 

Indicações — Hipertensão arterial. Cardiopatias coronarianas. Insuficiência cardíaca congestiva crônica, estável, de grau médio a grave, com função ventricular sistólica deprimida, em associação com inibidores da ECA, diuréticos e glicosídeos cardíacos, se necessário.

 

Contra-indicações — Choque cardiogênico, insuficiência cardíaca aguda ou descompensada, bloqueio AV de II e III graus sem marcapasso, bradicardia acentuada antes do início do tratamento, bloqueio sinoatrial, doença do nó sinusal, asma grave ou disfunção pulmonar obstrutiva crônica grave, síndrome de Raynaud, hipotensão arterial, feocromocitoma, acidose metabólica, reconhecida hipersensibilidade à qualquer substância da fórmula.

 

Precauções e advertências — O uso continuado de betabloqueadores pode desencadear insuficiência cardíaca. A interrupção brusca pode ocasionar exacerbações da angina pectoris, arritmia ventricular ou infarto do miocárdio e os pacientes devem ser instruídos a não interromper o tratamento sem ordem médica. Cautela no jejum prolongado, durante terapia de dessensibilização, bloqueio AV de primeiro grau, angina de Prinzmetal, doença obstrutiva arterial periférica. Uso, com cautela, em pacientes com doença pulmonar broncoespástica. O mascaramento de hipoglicemia é menos provável, pela seletividade beta-1. Em caso de psoríase somente devem ser administrados após avaliação cuidadosa da relação benefício/risco. No feocromocitoma somente deve ser administrado após prévia administração de alfabloqueadores. Sintomas de hipertireoidismo podem ser mascarados. Não existe experiência terapêutica suficiente em pacientes com insuficiência cardíaca + diabetes melito tipo I, disfunções renais (creatinina sérica ³ 3,4 mg/dl), disfunções hepáticas, cardiomiopatia restritiva, doenças cardíacas congênitas ou doenças valvulares cardíacas hemodinamicamente relevantes. Não há experiência suficiente com insuficiência cardíaca leve (NYHA II), e na insuficiência cardíaca e infarto do miocárdio nos últimos 3 meses. Descontinuar se a disfunção renal progressiva tornar-se aparente. A eliminação do bisoprolol é significativamente mais lenta em pacientes com cirrose hepática. Durante a gravidez, CONCOR® somente deve ser administrado após uma avaliação rigorosa da relação benefício/risco. Desaconselha-se a amamentação. Não existe experiência pediátrica com o produto.

 

Interações medicamentosas — Hipotensores: Potencialização dos efeitos hipotensores. Inibidores da monoaminoxidase: Redução ou elevação excessiva da pressão arterial. Antiarrítmicos: Os efeitos sobre a condução do estímulo e sobre a força de contração cardíacas podem se somar. Parassimpaticomiméticos: Pode ocorrer prolongamento do tempo de condução atrioventricular). Insulina e hipoglicemiantes orais: Intensificação do efeito hipoglicemiante, mascaramento dos sintomas de hipoglicemia. Anestésicos: Maior redução da pressão arterial. Digitálicos: Potencialização dos efeitos crono e dromotrópicos negativos. Mefloquina: Redução da freqüência cardíaca. Inibidores da síntese de prostaglandina: Redução do efeito anti-hipertensor. Derivados da ergotamina: Intensificação dos distúrbios circulatórios periféricos. Simpaticomiméticos: Diminuição dos efeitos de ambos os fármacos. Antidepressivos tricíclicos, barbitúricos, fenotiazinas e outros anti-hipertensores: Potencialização do efeito anti-hipertensor do bisoprolol.

 

Reações adversas — Ocasionalmente sonolência, fadiga, tonteira e cefaléia sensação de frio e insensibilidade nas extremidades, náusea, vômito, diarréia e obstipação. Raramente, insônia, depressão, bradicardia, bloqueios AV, agravamento da insuficiência cardíaca, hipotensão e hipotensão ortostática, broncoespasmo em pacientes com histórico de asma brônquica ou doenças obstrutivas das vias respiratórias, fraqueza muscular e espasmos musculares. Muito raramente, rinite alérgica, reações de hipersensibilidade, distúrbios da potência sexual, aumento das enzimas hepáticas, hepatite e aumento dos triglicerídios, pesadelos, alucinações, redução lacrimal, conjuntivite, disfunção auditiva. Tem sido associado a aumentos no ácido úrico.

 

Posologia — Hipertensão arterial, cardiopatias coronarianas (angina de peito): 5 ou 10 mg ao dia, pela manhã, em jejum ou junto com o desjejum. O tratamento pode ser iniciado com 5 mg diários e aumentado, caso necessário, para 10 mg ao dia. Insuficiência cardíaca congestiva crônica estável, de grau médio a grave, com função ventricular sistólica deprimida: Aumento progressivo das doses. O paciente deve apresentar insuficiência cardíaca crônica estável, sem agravamento agudo durante as últimas 6 semanas. Iniciar com 1,25 mg, uma vez ao dia, aumentando-se a dose gradual e lentamente, de 2,5/3,75/5/7,5/10 mg.

 

Apresentação — Comprimidos revestidos: Embalagens com 14 comprimidos revestidos, bisoprolol 1,25/2,5/5/10 mg.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-265900.

 

Registro no M.S. 1.0089.0194.

 

MERCK S.A.

 

 

 CINETOL (Cristália). Lactato ou cloridrato de biperideno. Parkinsonismo. Cx. com 50 amp. de 1 ml com 5 mg; emb. com 80 e 200 comp. de 2 mg.

 

 

 

 

Abelcet®

 

Complexo lipídico de anfotericina B injetável

 

Uso endovenoso adulto e pediátrico

 

 

Composição — Cada ml da suspensão contém 5 mg de anfotericina B USP.

 

Indicações — ABELCET®é indicado no tratamento das infecções fúngicas invasivas, em pacientes refratários ou que apresentem intolerância à terapia com anfotericina B convencional.

 

Contra-indicações — ABELCET®é contra-indicado em pacientes que tenham demonstrado hipersensibilidade à anfotericina B ou a qualquer outro componente da formulação.

 

Precauções e advertências — Foram relatados casos isolados (< 1%) de anafilaxia em pacientes que fazem uso do produto. Caso ocorra dificuldade respiratória grave, a infusão deve ser suspensa imediatamente; o paciente não deve receber outras infusões de ABELCET®, assim como com qualquer produto que contenha anfotericina B. A administração inicial de ABELCET® deve ser realizada sob observação clínica estrita por profissionais com treinamento adequado. Reações agudas, como febre e calafrios, podem ocorrer 1 a 2 horas após o início de uma infusão intravenosa de ABELCET®. Geralmente estas reações são mais comuns nas doses iniciais de ABELCET® e costumam diminuir nas doses subseqüentes. A infusão raramente tem sido associada a hipotensão, broncoespasmo, arritmias cardíacas e choque.

 

Reações adversas — Em estudos realizados com ABELCET® dos 556 pacientes tratados, 9% descontinuaram o tratamento devido a eventos adversos, relacionados ou não com a droga. Geralmente, os eventos adversos mais comumente reportados com ABELCET® foram calafrios e/ou febre transitórios durante a infusão da droga, que tendem a desaparecer com a continuidade do uso. Apesar de ABELCET® ser menos nefrotóxico, quando comparado com a anfotericina B desoxicolato, o uso em pacientes com alterações da creatinina sérica deve ser feito com supervisão médica.

 

Posologia — A dose diária recomendada para adultos e crianças é de 5 mg/kg, numa única infusão. ABELCET® deve ser administrado por infusão intravenosa, a uma velocidade de 2,5 mg/kg/hora. Caso o tempo de infusão exceda 2 horas, misturar o conteúdo da bolsa de infusão, agitando-a a cada 2 horas. Após a diluição, ABELCET® tem estabilidade e duração de 48 horas se guardado em geladeira, mais 6 horas em temperatura ambiente. A toxicidade renal de ABELCET®, medida pelos níveis de creatinina sérica, mostrou-se dose-dependente, portanto, decisões relacionadas a ajustes de dose devem ser tomadas somente após considerar-se o estado clínico geral do paciente.

 

Apresentação — Suspensão opaca estéril, apirogênica, para infusão intravenosa: Embalagem unitária com frasco de vidro com 20 ml de suspensão, para uso único, acompanhado de agulhas com filtro de 5 micra.

 

Registro no M.S. 1.0089.0257.002-2.

 

Laboratórios BAGÓ Ltda.

 

 

 TRIFAMOX IBL (Bagó). Amoxicilina, sulbactama. Antibiótico. Fr. com 60 ml de susp. com 250 e 500 mg de amoxicilina; fr.-amp. com 750 e 1.500 mg de amoxicilina + diluente; blísteres com 8 e 16 comp. com 500 mg de amoxicilina; blíster com 8 comp. com 1.000 mg de amoxicilina.

 

 

 

 

AMPICILINA (Abbott).

 

Composição

Cápsula: Cada cápsula contém 500mg de ampicilina anidra. Excipiente: Estearato de magnésio.

 

Indicações

A ampicilina  está indicada no tratamento de infecções causadas por microrganismos sensíveis à ampicilina.

 

Contra-indicações

A ampicilina está contra-indicada para pacientes com história de reações de hipersensibilidade às penicilinas.

 

Reações adversas

Assim como com outras penicilinas, a maioria das reações adversas estão essencialmente limitadas às reações de hipersensibilidade. Estas ocorrem com maior probabilidade em indivíduos que demonstraram reações prévias de hipersensibilidade às penicilinas, ou naqueles com história de alergia, asma, febre do feto ou urticária. As seguintes reações adversas podem ser atribuídas ao uso da ampicilina: Gastrintestinais: glossite, estomatite, náusea, vômito, enterocolite, colite pseudomembranosa, diarréia. Estas reações estão geralmente associadas ao uso das formas orais. Reações de hipersensibilidade: Eritema maculopapular, eritema multiforme, urticária, dermatite esfoliativa. Anafilaxia é a reação mais séria ocorrida, tendo sido associada principalmente à administração parenteral. Nota: Urticária, erupções cutâneas e reações semelhantes à doença do soro podem ser controladas com anti-histamínicos e, se necessário, corticosteróides sistêmicos. Sempre que tais reações ocorrerem, o uso da ampicilina deve ser interrompido, a menos que, na opinião do médico, a condição a ser tratada coloque em risco a vida do paciente, e somente possa ser erradicada com o uso da ampicilina. Reações anafiláticas intensas requerem uso imediato de adrenalina, oxigênio e corticosteróides endovenosos, incluindo intubações se necessário. Hepáticas: Uma elevação moderada na transaminase glutâmico-oxalacética (TGO) tem sido ocasionalmente notada, particularmente em crianças, mas seu significado não é conhecido. Hematológicas e Linfáticas: Anemia, trombocitopenia, púrpura trombocitopênica, eosinofilia, leucopenia e agranulocitose têm sido ocasionalmente relatadas durante a terapêutica com penicilinas. Estas reações são usualmente reversíveis com a interrupção do tratamento, e acredita-se serem fenômenos de hipersensibilidade. Pacientes com mononucleose desenvolvem 'rash cutâneo' com o uso de ampicilina, assim como aqueles portadores de leucemia linfóide. Existe controvérsia quanto à causa dessa reação cutânea provocada pela ampicilina, pois pode ocorrer o desaparecimento completo do 'rash' com a continuidade do tratamento, o que favorece a hipótese de uma reação tóxica ao invés de alergia.

 

Posologia

A garantia de níveis sangüíneos eficazes, em virtude de sua estabilidade no meio gastrintestinal, indica a via oral para a administração da ampicilina. Nos impedimentos, usar a via injetável, passando para a oral assim que possível. Recomenda-se a critério médico, e de acordo com a maior ou menor gravidade da infecção, a seguinte posologia: Vias respiratórias 250-500mg a cada 6  horas; Trato gastrintestinal 500mg a cada 6 horas; Vias geniturinárias 500mg a cada 6  horas; Meningite bacteriana 8 a 14g a cada 24 horas.

(*) Podem ser necessárias doses maiores para infecções graves.

Em infecções graves o tratamento poderá ter que prolongar-se por várias semanas, e mesmo doses mais elevadas poderão ser necessárias. Os pacientes devem continuar o tratamento pelo menos por 48 a 72 horas após cessarem todos os sintomas ou as culturas tornarem-se negativas. As infecções por estreptococos hemolíticos requerem um mínimo de 10 dias de tratamento para evitar manifestações de febre reumática ou glomerulonefrite. Nas infecções crônicas de vias geniturinárias e gastrintestinais são necessárias freqüentes avaliações bacteriológicas e clínicas, assim como exames pós-tratamento, repetidos por vários meses, para confirmação de cura bacteriológica. Infecção por Neisseria gonorrheae; infecções uretrais, cervicais, retais e faringianas em adultos podem ser tratadas com dose oral única de 3,5g de ampicilina associada a 1,0g de probenecida administradas simultaneamente. Deve-se realizar seguimento, por meio de culturas, de 4 a 7 dias em homens e de 7 a 14 dias em mulheres, após o tratamento. Todos os pacientes com gonorréia devem fazer teste sorológico para sífilis na época do diagnóstico. Pacientes com sorologia negativa que não apresentem lesão suspeita de sífilis devem fazer  seguimento  de controle  com sorologia mensal durante 4 meses, para detectar possível sífilis mascarada pelo tratamento de gonorréia. Pacientes com gonorréia, que apresentam sífilis concomitantes, devem receber tratamento adicional apropriado para sífilis de acordo com seu estágio.

 

Apresentação

Cápsulas 500 mg: Embalagens com 12 e 20 cápsulas.

 

 

 

 

CLORIDRATO DE BIPERIDENO (Abbott).

 

Composição

Cada comprimido contém: Cloridrato de Biperideno 2 mg. Excipientes: Amido de milho, celulose microcristalina, estearato de magnésio, lactose, polivinilpirrolidona e talco.

 

Indicações

Síndromes parkinsonianas, especialmente associadas a rigidez e tremor. Sintomas extrapiramidais como discinesias precoces, acatisia e estados de parkinsonismo   induzidos por neurolépticos e outros fármacos similares. A forma de uso parenteral é particularmente útil nos casos de intoxicação por pesticidas organofosforados e na intoxicação nicotínica.

 

Contra-indicações

Biperideno está contra-indicado de forma absoluta em pacientes portadores de glaucoma agudo (não tratado), obstrução mecânica do trato gastrintestinal e megacólon. Biperideno está contra-indicado de forma relativa em pacientes portadores de adenoma de próstata e em enfermidades que possam induzir a taquicardia grave. Hipersensibilidade ao biperideno ou alguns dos componentes da fórmula.

 

Reações adversas

Entre as reações adversas a nível do Sistema Nervoso Central podem apresentar-se cansaço, náusea e obnubilação; quando se administra doses mais elevadas se observa agitação, confusão e transtornos ocasionais da memória e, raramente alucinações. As reações adversas a nível periférico consistem em secura da boca, transtornos de acomodação, diminuição da sudorese, constipação, transtornos gástricos, e aumento da  freqüência cardíaca, em raros casos, bradicardia. A administração parenteral pode provocar, em certas ocasiões, uma diminuição da pressão arterial. Foram relatados alguns casos de erupções cutâneas alérgicas, assim como discinesias induzidas por biperideno. Ocasionalmente, em especial, em pacientes com adenoma prostático, podem ocorrer transtornos da micção (deve-se reduzir a dose), ou mesmo, retenção urinária (antídoto: Carbacol).

 

Posologia

O tratamento com biperideno deve-se iniciar gradualmente, aumentado as doses em função do efeito terapêutico e dos efeitos secundários. Este cuidado deve ser feito especialmente nos pacientes com idade avançada, sobretudo, com sintomas orgânicos cerebrais. A experiência com biperideno nas crianças é limitada e se baseia, fundamentalmente, no emprego transitório ante distonias provocadas por medicamentos (ex.: por neurolépticos, metoclopramina e compostos similares).

 

Apresentação

Comprimido 2 mg: Embalagem com 80 comprimidos.

 

 

 

 

Akineton®

 

Cloridrato de biperideno

 

 

Composição — Comprimido de 2 mg: Cada comprimido contém: Cloridrato de biperideno 2 mg. Excipientes: Amido de milho, celulose microcristalina, estearato de magnésio, lactose, polivinilpirrolidona e talco. Comprimido revestido de: 4 mg retard: Cada comprimido revestido contém: Cloridrato de biperideno 4 mg. Excipientes: Água purificada, amido de milho, celulose microcristalina, cera de carnaúba, dióxido de silício, docusato de sódio, estearato de magnésio,lactose, hidroxipropilcelulose, hidroxipropilmetilcelulose, polietilenoglicol, polivinilpirrolidona, talco e corantes: dióxido de titânio e óxido de ferro amarelo. Solução injetável: Cada ampola de 1 ml contém: Lactato de biperideno 5 mg. Excipientes: Água bidestilada e lactato de sódio.

 

Indicações — Síndrome parkinsonianas, especialmente associadas a rigidez e tremor. Sintomas extrapiramidais como discinesias precoces, acatisia e estados de parkinsonismo induzidos por neurolépticos e outros fármacos similares. Outros transtornos motores extrapiramidais como distonias generalizadas e segmentares, síndrome de Meige, blefarospasmo e torcicolo espasmódico. A forma de uso parenteral é particularmente útil nos casos de intoxicação por pesticidas organofosforados e na intoxicação nicotínica.

 

Contra-indicações — AKINETON®  está contra-indicado de forma absoluta em pacientes portadores de glaucoma agudo (não-tratado), obstrução mecânica do trato gastrintestinal, megacólon e íleo. AKINETON®  está contra-indicado de forma relativa em pacientes portadores de adenoma de próstata e em  enfermidades que possam induzir a taquicardia grave. Alergia ao biperideno ou a qualquer componente do produto. Hipertrofia prostática e doenças que podem promover taquicardia grave são contra-indicações relativas. A forma Comprimido Retard 4 mg está contra-indicada para crianças.

 

Reações adversas — Entre as reações adversas em nível do sistema nervoso central encontram-se: cansaço, náusea e obnubilação; quando se administra doses mais elevadas se observa agitação, confusão e transtornos ocasionais da memória e, raramente, alucinações. As reações adversas em nível periférico consistem em secura da boca, tumefação das glândulas salivares, midríase com fotofobia, transtornos de acomodação visual, diminuição da sudorese, constipação, transtornos gástricos, aumento da freqüência cardíaca e, em raros casos, bradicardia. A administração parenteral de AKINETON®  pode provocar, em certas ocasiões, diminuição da pressão arterial. Foram relatados alguns casos de erupções cutâneas e discinesias induzidas por AKINETON®. Ocasionalmente, em especial, em pacientes com adenoma prostático, podem ocorrer transtornos da micção (deve-se reduzir a dose), ou mesmo, retenção urinária (Antídoto: Carbacol).

 

Posologia — Síndromes parkinsonianas: Adultos: Comprimidos de 2 mg: A dose inicial usual é de 1/2 comprimido de AKINETON®, duas vezes ao dia (correspondendo a 2 mg de cloridrato de biperideno/dia). Esta dose pode ser  aumentada diariamente em 2 mg de cloridrato de biperideno (1 comprimido). Como dosagem de manutenção tomar 1/2 (2 comprimidos), 3 a 4 vezes ao dia (correspondendo a 3-16 mg de cloridrato de biperideno). A dosagem máxima diária de 16 mg (8 comprimidos/dia) não deverá ser ultrapassada. Solução injetável (5 mg/1 ml): Nos casos graves e fase aguda, a dose média recomendada é  de  10-20 mg (2-4 ampolas), por via intramuscular ou intravenosa lenta, que deverá ser distribuída uniformemente ao longo do dia. Transtornos extrapiramidais medicamentosos: Comprimidos de 2 mg: Adultos: A dose usual a ser administrada é 1/2 a 2 comprimidos por via oral, 1 a 4 vezes ao dia (correspondendo a 1-8 mg de cloridrato de biperideno), associada à terapia neuroléptica, dependendo da intensidade dos sintomas. O ajuste do tratamento anticolinérgico de outros distúrbios motores extrapiramidais é feito lentamente, através de aumento semanal da dosagem inicial de 2 mg de cloridrato de biperideno até alcançar a dosagem de manutenção tolerada, que também poderá ultrapassar em muitas vezes as dosagens usuais recomendadas em outras indicações. Crianças (de 3-15 anos): Para o tratamento de sintomas de transtornos extrapiramidais medicamentosos, as crianças receberão, acompanhando o neuroléptico, ½   a 1 comprimido, 1 a 3 vezes ao dia (correspondendo a 1-6 mg de cloridrato de biperideno/dia). Solução injetável (5 mg/ml): Adultos: Para obter uma evolução rápida dos sintomas administra-se uma dose por via intramuscular ou  intravenosa  lenta  de 2,5-5 mg de AKINETON®  no adulto. Em caso de necessidade, pode-se repetir esta mesma dose após 30 minutos. A dose máxima diária de AKINETON®  é de 10-20 mg.  Crianças: Até 1 ano de idade: 1 mg de lactato de biperideno (0,2 ml). Até 6 anos de idade: 2 mg de lactato de biperideno (0,4 ml). Até 10 anos de idade: 3 mg de lactato de biperideno (0,6 ml). Lentamente por via intravenosa. Em caso de necessidade, pode-se repetir esta mesma dose após 30 minutos. Intoxicações por nicotina: 1-2 ml da solução injetável (correspondendo a 5–10 mg de lactato de biperideno) por via intramuscular. Em casos críticos, recomenda-se 1 ml da solução injetável (correspondendo a 5 ml de lactato de biperideno) por via intravenosa (adicionalmente às medidas usuais). Para prosseguir com um tratamento oral encontram-se a disposição AKINETON® Comprimidos e AKINETON®  Retard. Nas intoxicações por compostos organofosforados, a dose de AKINETON®  deve ser ajustada individualmente, em função do quadro tóxico. Recomenda-se administrar 5 mg (1 ml) de AKINETON®, por via intravenosa lenta, várias vezes, até o desaparecimento dos sinais de intoxicação. Síndromes parkinsonianas e transtornos extrapiramidais medicamentosos: Comprimidos revestidos de 4 mg retard: A princípio deve-se administrar AKINETON®  Comprimidos de 2 mg, aumentando gradativamente a dose até obter-se resultado satisfatório; só, então, se trocará o tratamento para AKINETON® Comprimidos revestidos 4 mg retard. A experiência indica que a dose média para adultos é de 1 a 2 comprimidos revestidos ao dia, até o máximo de 3 comprimidos revestidos ao dia. As doses deverão ser distribuídas ao longo do dia (administrando-se sempre um comprimido revestido pela manhã).

 

Apresentação — Comprimidos de 2 mg: Embalagem com 80 unidades. Comprimidos retard de 4 mg: Embalagem com 30 unidades. Solução injetável: Embalagem com 5 ampolas de 1 ml com 5 mg/ml.

 

ABBOTT Laboratórios do Brasil Ltda.

 

 

 

 

ALBENDY (Hertz).

 

Albendazol

 

Composição

Cada comprimido mastigável contém: Albendazol 400 mg; Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Cada ml da suspensão oral contém: Albendazol 40 mg; Veículo q.s.p. 1 ml.

 

Indicações

Anti-helmíntico polivalente. ALBENDAZOL está indicado no tratamento de infecções simples ou mistas, causadas por Ascaris lumbricoides, Trichuris trichiura, Enterobius vermicularis, Ancylostoma duodenale, Necator americanus, Taenia sp. e Strongyloides stercoralis.

 

Contra-indicações

Não utilizar o produto em crianças menores de 2 anos. Como ocorre com os derivados benzimidazólicos, o albendazol é também teratogênico e embriotóxico nos animais. Por essa razão, não deve ser usado durante a gravidez ou em mulheres com possibilidade de engravidar. Aconselha-se assegurar, antes de iniciar o tratamento com o produto, de que não há processo de gravidez. Contra-indicado para lactentes e no caso de comprimidos, para pacientes diabéticos.

 

Reações adversas

O produto é bem tolerado, mas reações que o produto pode provocar (comunique-as ao seu médico): boca seca; coceira na pele; desconforto na barriga; diarréias; dor de cabeça; náusea; vômito e prurido cutâneo.

 

Posologia

Uso oral. Comprimido mastigável: Adultos e crianças maiores de 2 anos: 1 comprimido mastigável de 400 mg, em dose única, tanto para crianças como para adultos. O comprimido poderá ser engolido, mastigado ou triturado e misturado a alimentos. Suspensão a 4%: Agite antes de usar: Adultos e crianças maiores de 2 anos: Administrar o conteúdo total de 1 frasco (10 ml = 400 mg), em dose única, tanto para crianças como para adultos. A suspensão pode ser administrada diretamente ou misturada com líquidos. Nos casos de infecção confirmada ou suspeita de Strongyloides stercoralis e Taenia sp. a dose deve ser repetida por três dias consecutivos. Nos casos de infecções por Enterobius vermicularis, a dose usual em crianças maiores de 2 anos é de 100 mg em dose única. Observação: Se o paciente não se curar, um segundo tratamento está indicado após 3 semanas.

 

Apresentação

Comprimidos mastigáveis de 400 mg:Caixa com 1 comprimido mastigável. Suspensão oral a 4%: Frasco de vidro com 10 ml.

 

 

 ALGI-REUMATRIL(Hertz). Ibuprofeno, paracetamol. Antiinflamatório. Comprimido.

 

 

 

 

DEXAMETAX CREME(Hertz).

 

Acetato de dexametasona

 

Composição

Cada g contém: Acetato de dexametasona 1 mg; Excipiente q.s.p. 1 g.

 

Indicações

Tratamento das afecções dermatológicas sensíveis à corticoterapia local, afecções dermatológicas de fundo alérgico e inflamatório; dermatite (leve a moderada); dermatite atópica (leve a moderada); dermatite de contato; dermatite numular (leve); dermatite seborréica (facial e das pregas do corpo); intertrigo; líquen plano (facial e das pregas do corpo); lúpus eritematoso discóide (facial e das pregas do corpo); prurido anogenital; prurido senil; psoríase (facial e das pregas do corpo); picadas de insetos e urticária.

 

Contra-indicações

Contra-indicado em lesões de pele produzidas por vírus, fungos ou tuberculose. Não usar em pacientes sensíveis aos componentes da fórmula ou a corticóides. Não aplicar no ouvido, se houver perfuração do tímpano. Não administrar em pacientes grávidas ou lactentes e em pacientes idosos que sofram de problemas circulatórios que prejudiquem a cicatrização de feridas.

 

Reações adversas

A grande maioria das reações adversas não é reportada com freqüência na corticoterapia tópica, mas pode ocorrer freqüentemente com o uso de curativos. Estas reações são descritas em ordem decrescente de ocorrência: queimadura, prurido, irritação, ressecamento, foliculites, hipertricoses, erupções acneiformes, hipopigmentação, dermatites periorais, dermatites alérgicas e de contato, maceração da pele, infecção secundária, atrofia dérmica, estrias.

 

Posologia

Uso adulto e pediátrico:Limpe cuidadosamente a região afetada e aplique uma fina camada de creme, 2 ou 3 vezes ao dia. Assim que obtiver resultado reduza o número de aplicações para 1 vez ao dia. Importante: Crianças que necessitem de tratamento a longo prazo com o produto devem receber a medicação em dias alternados para minimizar a supressão de crescimento, que pode ser induzida por essa medicação. Evitar uma aplicação indevidamente perigosa. Antes de aplicar no ouvido, limpe e seque o conduto auditivo externo. Com um bastonete aplicar o creme diretamente no canal auditivo 3 ou 4 vezes ao dia. Esta aplicação poderá ser realizada somente se o tímpano estiver intacto. Curativos oclusivos podem ser usados para o controle da psoríase ou condições recalcitrantes, desde que feitos por profissional competente.

 

Apresentação

Creme: Bisnaga com 10 g.

 

 

 GALENOGAL(Hertz). Extrato fluido de caroba, iodeto de potássio, etc. Espinhas, cravos.

 

 

 

 

CINTILAN(Medley).

 

Composição

Cada cápsula contém: piracetam 400mg, excipiente q.s.p. Cada ampola contém: piracetam 1.000mg, veículo q.s.p. Cada ml de solução oral pediátrica contém: piracetam 60mg, veículo q.s.p.

 

Indicações

Perturbações da memória, atenção, concentração, julgamento e raciocínio; desvios de comportamento e dificuldade de adaptação; síndromes involutivas senis; alcoolismo e toxicomanias; seqüelas de afecções neurológicas de origem traumática infecciosa e acidentes vasculares cerebrais.

 

Contra-indicações

CINTILAN é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao piracetam e naqueles com insuficiência renal grave. Como regra geral, deve-se evitar a utilização de medicamentos durante o primeiro trimestre da gravidez. Durante o período restante os benefícios e riscos decorrentes de seu emprego devem ser cuidadosamente avaliados.

 

Posologia

Cápsulas: no início do tratamento, recomenda-se a administração de duas cápsulas 3 vezes ao dia. Após a obtenção do efeito desejado, reduzir a dose progressivamente para 1 cápsula três vezes ao dia. Injetável: administrar 1 ampola 3 vezes ao dia, por via intramuscular ou endovenosa. Solução oral: no início do tratamento recomendam-se 60mg (1ml de solução) por kg de peso ao dia, divididos em 2 ou 3 administrações. Após a obtenção dos efeitos desejados, reduzir as doses para 30mg por kg de peso/dia, divididos em 2 ou 3 administrações. O copo-medida que acompanha o frasco tem quatro graduações: 2,5 - 5,0 - 7,5 e 10ml para facilitar o fracionamento das doses. Observações: tanto por via oral ou parenteral, a dose pode ser modificada, a critério médico, de acordo com a natureza e a gravidade de cada caso em particular.

 

Apresentações.

Cápssulas cartucho com 6,0. Solução injeção ampolas cartucho com 12. Solução oral frasco com 120ml.

 

 

 GASTROBION(Hertz). Hidróxidos de alumínio e magnésio, dimeticona. Antiácido. Pastilhas, suspensão e flaconetes.

 

 

 PERMETRIX (Hertz). Permetrina. Pediculose.

 

 

 RELAFLEX (Hertz). Dipirona, citrato de orfenadrina, cafeína. Analgésico. Comprimidos e gotas.

 

 

 RINO RESFENOL (Hertz). Cloridrato de nafazolina, cloretos de benzalcônio e sódio. Descongestionante nasal.

 

 

 SONOTABS (Hertz). Extratos secos de Passiflora, Crataegus e Salix alba. Insônia. Drágea.

 

 

 

 

Cerazette®

 

Desogestrel

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Comprimido revestido: Cartucho com 1 ou 3 cartelas com 28 comprimidos.

 

Composição — Cada comprimido contém: Desogestrel 75 mcg; Excipiente (sílica coloidal, alfa-tocoferol, lactose, amido, povidona, ácido esteárico, hipromelose, macrogol, talco, dióxido de titânio) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações à paciente — Ação esperada do medicamento:CERAZETTE evita a gravidez quando usado corretamente (sem esquecimento). O produto apresenta um índice de falha muito baixo. Cuidados de armazenamento e data de validade: Conservar em temperatura ambiente (15°C a 30°C), protegido da luz e da umidade. Nº do lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não use medicamento com o prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado. Gravidez e lactação: Não pode ser usado durante a gravidez ou por quem tenha risco de estar grávida. Informe ao seu médico imediatamente se ocorrer gravidez durante o uso deste produto. Informe ao seu médico se estiver amamentando. Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. A embalagem de CERAZETTE contém 28 comprimidos. Tome um comprimido por dia, aproximadamente à mesma hora. Tome o comprimido de CERAZETTE inteiro com um pouco de água. A cada nova embalagem de CERAZETTE, inicie pelo comprimido da 1ª linha (linha de cima) marcado com o dia da semana correspondente. Continue até terminar a embalagem, sempre seguindo a direção indicada pelas setas. Assim você pode verificar facilmente se tomou o comprimido do dia. Pode ocorrer algum sangramento durante o uso do produto, mas mesmo assim os comprimidos devem ser tomados normalmente. Quando terminar uma embalagem, deve ser iniciada uma nova no dia seguinte, sem interrupção e sem esperar a menstruação. CERAZETTE pode ser suspenso quando a pessoa quiser. O efeito contraceptivo termina no dia em que CERAZETTE for descontinuado. Se não estiver tomando pílula no presente momento: Espere pelo início de sua menstruação. No 1º dia de sua menstruação, tome o 1º comprimido de CERAZETTE. Neste caso não é necessário tomar precauções contraceptivas extras. Também é permitido iniciar entre o 2º e o 5º dia da menstruação, mas durante o primeiro ciclo recomenda-se utilizar um método contraceptivo de barreira durante os primeiros 7 dias de tratamento. Se esquecer de tomar 1 ou mais comprimidos: Se o tempo de atraso da tomada do comprimido for de até 12 horas da hora em que toma normalmente, a confiabilidade de CERAZETTE está mantida. Tome o comprimido esquecido logo que lembrar e continue tomando os demais comprimidos normalmente. Se o tempo de atraso for maior que 12 horas, a confiabilidade de CERAZETTE pode ser reduzida. Quanto maior o tempo de esquecimento, mais alto o risco da eficácia contraceptiva ser reduzida. Tome o último comprimido esquecido logo que lembrar e continue tomando os demais comprimidos normalmente. Use um preservativo também nos próximos 7 dias. Se esquecer 1 ou mais comprimidos na 1ª semana de uso e tiver tido relações sexuais na semana anterior ao esquecimento dos comprimidos, a possibilidade de gravidez deve ser considerada. Nesse caso o médico deve ser consultado. Se vomitar: Se vomitar 3-4 horas após ter tomado CERAZETTE, o componente ativo pode não ter sido absorvido completamente. Seguir as instruções para 'comprimidos esquecidos'. Se tomar muitos comprimidos de CERAZETTE (superdosagem):Não há relatos de efeitos perigosos sérios se tomar muitos comprimidos de 1 vez. Podem ocorrer náusea e vômito. Em meninas pode ocorrer um leve sangramento vaginal. Para maiores informações consulte o seu médico. Interrupção de tratamento: O uso de CERAZETTE pode ser interrompido a qualquer momento. Se você não quer uma gravidez, pergunte ao médico sobre outros métodos para evitá-la. Se o uso de CERAZETTE for interrompido por desejo de gravidez, geralmente recomenda-se que se aguarde a próxima menstruação antes de tentar engravidar. Isso ajudará na concepção. Reações adversas: Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, especialmente se forem graves ou persistentes. Podem ocorrer: espinhas, dor nas mamas, diminuição da libido, dor de cabeça, sangramento vaginal irregular, alterações de humor, náuseas e aumento de peso. Reações menos comuns ou raras: dificuldade em usar lentes de contato, perda de cabelo, infecção vaginal, menstruação dolorosa, cansaço, reações na pele, vômitos e eventual dor abdominal. Ingestão concomitante com outras substâncias:Avise o seu médico caso esteja tomando ou for tomar outro remédio, especialmente para tratamento de epilepsia ou tuberculose. Consulte o seu médico antes de tomar produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort). Contra-indicações e precauções: Formação de coágulo em vaso sangüíneo das pernas ou dos pulmões; icterícia ou doença de fígado; câncer; sangramento vaginal de origem desconhecida; gravidez; desejo de engravidar; alergia aos componentes do produto. CERAZETTE, como todos os contraceptivos hormonais, não protege contra infecções por HIV (Aids) ou contra qualquer doença sexualmente transmissível. Avise o médico se tem ou teve câncer de mama, câncer de fígado, formação de coágulo em vaso sangüíneo, diabetes, epilepsia, tuberculose; tem ou teve manchas marrom-amareladas na pele, particularmente no rosto (se tiver tais manchas, deve-se evitar muita exposição ao sol ou raio ultravioleta) e se teve ou tem redução de massa óssea. Avise imediatamente o seu médico se ocorrer: dor forte ou inchaço nas pernas, no peito; dificuldade de respirar, tosse anormal, especialmente se expelir sangue; dor forte e repentina de estômago; icterícia; nódulos nas mamas; dor forte e repentina no abdome; se precisar ser imobilizada, por cirurgia ou doença; sangramento vaginal anormal; suspeita de gravidez.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser prejudicial para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Propriedades farmacodinâmicas — CERAZETTE é uma pílula de progestagênio isolado, que contém o progestagênio desogestrel. Como outras pílulas com progestagênio isolado, CERAZETTE é mais adequado para uso durante a amamentação e para mulheres que não podem ou não querem usar estrogênios. Ao contrário das pílulas com progestagênio isolado tradicionais, o principal efeito contraceptivo de CERAZETTE é a inibição da ovulação como concluído através da monitorização por ultra-som dos ovários e da ausência do pico LH do meio do ciclo e também de um aumento da progesterona na fase lútea. Outros efeitos incluem aumento da viscosidade do muco cervical. Num ensaio comparativo de eficácia, o índice de Pearl total na população utilizando CERAZETTE foi 0,4, comparado a 1,6 para 30 mcg de levonorgestrel. O índice de Pearl de CERAZETTE é comparável àquele historicamente encontrado para os contraceptivos orais combinados em populações usando contraceptivos orais em geral. O tratamento com CERAZETTE leva a uma redução dos níveis de estradiol em níveis correspondentes aos da fase folicular inicial. Não foram observados efeitos clinicamente relevantes no metabolismo de carboidratos, metabolismo lipídico e hemostasia.

 

Propriedades farmacocinéticas — Absorção: Após dose oral de CERAZETTE, o desogestrel é rapidamente absorvido e convertido em etonogestrel. Em condições de estado de equilíbrio os picos dos níveis séricos são atingidos 1,8 hora após ingestão do comprimido e a biodisponibilidade absoluta do etonogestrel é de cerca de 70%. Distribuição: 95,5% a 99% do etonogestrel ligam-se às proteínas séricas, predominantemente à albumina e em menor extensão à SHBG. Metabolismo: O desogestrel é metabolizado ao metabólito ativo etonogestrel via hidroxilação e desidrogenação; esse é metabolizado via conjugação ao sulfato e ao glicuronídeo. Eliminação: O etonogestrel é eliminado com a meia-vida de aproximadamente 30 horas, sem diferença entre dose múltipla e única. Os níveis de estado de equilíbrio no plasma são atingidos após 4 a 5 dias. O clearance sérico após administração de dose única intravenosa (IV) de 150 mcg de etonogestrel é de aproximadamente 10 litros por hora. Após dose múltipla foi calculado um clearance semelhante de 10,4 litros/hora. A excreção de etonogestrel e de seus metabólitos, como esteróide livre ou como conjugados, é feita pela urina e fezes (1,5:1). Em lactantes, o etonogestrel é excretado no leite com uma relação leite/soro de 0,37 a 0,55. Baseado nesses dados e numa ingestão estimada de leite de 150 ml/kg/dia, 0,01 a 0,05 mcg de etonogestrel podem ser ingeridos pela criança. Dados pré-clínicos de segurança: Estudos toxicológicos não revelaram quaisquer efeitos a não ser aqueles devidos às propriedades hormonais do desogestrel.

 

Indicação — Contracepção.

 

Contra-indicações — Contraceptivos de progestagênio isolado não devem ser usados na presença de qualquer das condições a seguir. Se qualquer dessas condições ocorrer pela primeira vez durante o uso de CERAZETTE, o produto deve ser descontinuado imediatamente: gravidez ou suspeita de gravidez; distúrbio tromboembólico venoso ativo; presença ou história de doença hepática grave enquanto os valores de função hepática não tenham retornado ao normal; tumores progestagênio-dependentes; sangramento vaginal não-diagnosticado; hipersensibilidade a qualquer componente de CERAZETTE.

 

Precauções e advertências — Se qualquer dos fatores de risco/condições mencionados a seguir estiver presente, os benefícios do uso de progestagênios devem ser avaliados contra possíveis riscos para cada mulher individualmente e discutidos com ela antes que a mesma decida usar CERAZETTE.No caso de agravamento, exacerbação ou ocorrência pela primeira vez de qualquer destas condições, a usuária deve contatar o médico. Ele deve então decidir se o uso de CERAZETTE deverá ser descontinuado. O risco de câncer de mama aumenta, em geral, com a idade. Durante o uso de contraceptivos orais (COs), o risco de ter câncer de mama diagnosticado está levemente aumentado. Esse risco aumentado desaparece gradualmente em 10 anos após a descontinuação do uso de COs e não está relacionado ao tempo de uso, mas à idade da mulher quando utilizava o CO. O número esperado de casos diagnosticados por 10.000 mulheres que usam contraceptivos orais combinados (COCs) (até 10 anos após a descontinuação do uso) em relação às que nunca usaram durante o mesmo período foi calculado para os respectivos grupos etários: 4,5/4 (16-19 anos), 17,5/16 (20-24 anos), 48,7/44 (25-29 anos), 110/100 (30-34 anos), 180/160 (35-39 anos) e 260/230 (40-44 anos). O risco em usuárias de contraceptivos de progestagênio isolado é possivelmente de magnitude semelhante àquele associado com COC. Entretanto, para esses contraceptivos de progestagênio isolado, a evidência é menos conclusiva. Comparado ao risco de ter câncer de mama em algum momento da vida, o aumento do risco associado ao CO é baixo. Os casos de câncer de mama diagnosticados em usuárias de CO tendem a ser menos avançados que naquelas que não usaram CO. O aumento do risco observado nas usuárias de CO pode ser devido ao diagnóstico precoce, aos efeitos biológicos do CO ou à combinação dos dois. Uma vez que o efeito biológico dos hormônios não pode ser excluído, o estabelecimento individual do risco/benefício deve ser feito na mulher com câncer de mama preexistente e na mulher na qual o câncer de mama é diagnosticado enquanto usando CERAZETTE. Uma vez que o efeito biológico dos progestagênios no câncer de fígado não pode ser excluído, o estabelecimento individual do risco/benefício deve ser feito na mulher com câncer de fígado. Investigações epidemiológicas associaram o uso de COC com uma maior incidência de tromboembolismo venoso (TEV, trombose venosa profunda e embolismo pulmonar). Embora a relevância clínica deste achado para desogestrel usado como contraceptivo na ausência de um componente estrogênico seja desconhecida, CERAZETTE deve ser descontinuado no caso de trombose. A descontinuação de CERAZETTE deve também ser considerada em caso de imobilização prolongada devido à cirurgia ou doença. Mulheres com história de distúrbios tromboembólicos devem ser alertadas sobre a possibilidade de uma recorrência. Embora os progestagênios possam apresentar efeito sobre a resistência à insulina e sobre a tolerância à glicose, não há evidência da necessidade de alterar o regime terapêutico em diabéticas usando contraceptivos de progestagênio isolado. Entretanto, mulheres diabéticas devem ser cuidadosamente observadas enquanto usarem contraceptivos de progestagênio isolado. O tratamento com CERAZETTE leva a uma redução dos níveis séricos de estradiol para um nível correspondente à fase folicular inicial. Até o momento não se sabe se a redução tem algum efeito clinicamente relevante sobre a densidade óssea. A proteção contra gravidez ectópica com contraceptivos de progestagênio isolado não é tão boa como aquela com contraceptivos orais combinados. Os contraceptivos de progestagênio isolado foram associados à ocorrência freqüente de ovulações durante o seu uso. Apesar do fato de CERAZETTE inibir a ovulação, a gravidez ectópica deve ser considerada no diagnóstico diferencial se a mulher tem amenorréia ou dor abdominal. Cloasma pode ocorrer ocasionalmente, especialmente em mulheres com história de cloasma gravídico. Mulheres com tendência a cloasma devem evitar exposição ao sol ou à radiação ultravioleta enquanto usarem CERAZETTE. As seguintes condições foram relatadas durante a gravidez e durante o uso de esteróide sexual, mas a associação com o uso de progestagênios não foi estabelecida: icterícia e/ou prurido relacionado à colestase; formação de cálculo de vesícula; porfiria; lúpus eritematoso sistêmico; síndrome urêmica hemolítica; coréia de Sydenham; herpes gestacional; perda da audição relacionada a otosclerose. Consulta/exame médico: Antes de prescrever, deve ser conhecida a história clínica completa e recomenda-se um exame ginecológico completo para excluir a presença de gravidez. Distúrbios de sangramento, como oligomenorréia e amenorréia, devem ser investigados antes da prescrição. O intervalo entre os exames depende das circunstâncias em cada caso individual. Se o produto prescrito puder influenciar doença manifesta ou latente, os exames de controle devem ser feitos de acordo (ver itens anteriores). Apesar do fato de CERAZETTE ser tomado regularmente, podem ocorrer distúrbios de sangramento. Se o sangramento é muito freqüente e irregular, deve ser considerado outro método contraceptivo. Se os sintomas persistirem, deve ser excluída causa orgânica. O tratamento de amenorréia durante o uso de CERAZETTE depende dos contraceptivos terem sido tomados de acordo com as instruções e pode incluir teste de gravidez. O tratamento deve ser descontinuado se ocorrer gravidez. As mulheres devem ser informadas de que CERAZETTE não protege contra o HIV (Aids) e outras doenças sexualmente transmissíveis.

 

Redução da eficácia — A eficácia dos contraceptivos de progestagênio isolado pode ser reduzida no caso de esquecimento de tomar os comprimidos, vômitos ou de utilização de medicação concomitante.

 

Alterações no padrão de sangramento vaginal — Durante o uso de contraceptivos de progestagênio isolado, pode ocorrer sangramento vaginal mais freqüente ou de duração mais longa em algumas mulheres, enquanto que em outras o sangramento pode ser esporádico ou totalmente ausente. Essas alterações freqüentemente são uma razão para que a mulher rejeite o método. O aconselhamento cuidadoso às mulheres que optaram pelo uso de CERAZETTE pode melhorar a aceitação do padrão de sangramento. A avaliação do sangramento vaginal deve ser feita quando necessário e pode incluir exame que exclua patologia ginecológica ou gravidez.

 

Desenvolvimento folicular— Com todos os contraceptivos hormonais de baixa dosagem, o desenvolvimento folicular ocorre e ocasionalmente o folículo pode continuar o desenvolvimento além do tamanho que poderia atingir num ciclo normal. Geralmente, esses folículos aumentados desaparecem espontaneamente. Freqüentemente são assintomáticos e, em alguns casos, estão associados à dor abdominal leve. Raramente requerem intervenção cirúrgica.

 

Interações medicamentosas e outras formas de interação — As interações que resultam em aumento do clearance de hormônios sexuais podem levar ao sangramento por privação e à falha na contracepção. O mecanismo dessa interação parece estar baseado nas propriedades indutoras de enzimas hepáticas destes fármacos. Não foram realizados estudos de interação específicos com CERAZETTE. Com base nas interações relatadas com outros contraceptivos (principalmente com contraceptivos combinados, mas ocasionalmente também com contraceptivos de progestagênio isolado), pode-se esperar interações durante o uso concomitante de hidantoínas, barbituratos, primidona, carbamazepina, rifampicina; interações com oxcarbazepina, rifabutina, troglitazona, felbamato, griseofulvina e produtos fitoterápicos contendo Hypericum perforatum (erva-de-são-joão ou St. John's wort) são também presumíveis. A indução enzimática máxima geralmente não é percebida antes de 2 a 3 semanas, mas pode ser mantida por, no mínimo, 4 semanas após a suspensão da terapia com o fármaco. Mulheres em tratamento de curta duração com qualquer dos fármacos mencionados anteriormente ou qualquer outro fármaco indutor de enzimas hepáticas devem ser avisadas para usar temporariamente um método de barreira além de CERAZETTE, isto é, durante o tempo de administração concomitante do fármaco e por, no mínimo, 7 dias após a descontinuação. Para mulheres em tratamento com rifampicina deve ser usado um método de barreira adicional durante o tempo de tratamento com rifampicina e por 28 dias após a sua descontinuação. Em mulheres em tratamento de longa duração com fármaco indutor de enzima hepática, recomenda-se suspender o uso de CERAZETTE e prescrever um método contraceptivo não-hormonal. Durante o tratamento com carvão medicinal, a absorção do esteróide do comprimido pode ser reduzida e assim também a eficácia contraceptiva. Nessas circunstâncias, as orientações devem ser iguais àquelas para esquecimento da ingestão de comprimidos.

 

Testes de laboratório — Dados obtidos com COC mostraram que os esteróides contraceptivos podem influenciar os resultados de certos testes de laboratório, incluindo parâmetros bioquímicos do fígado, da tireóide, da adrenal e de função renal, níveis séricos de proteínas (carregadoras), por exemplo, globulina transportadora de corticosteróides e frações lípide/lipoproteína, parâmetros do metabolismo de carboidrato e de coagulação e fibrinólise. As alterações geralmente permanecem dentro dos intervalos normais. Não se sabe em que extensão isso também se aplica a contraceptivos de progestagênio isolado.

 

Uso durante a gravidez e a lactação — Estudos em animais mostraram que doses muito altas de progestagênios podem causar masculinização de fetos femininos. Estudos epidemiológicos extensos mostraram que não há risco aumentado de malformações nas crianças de mães que utilizaram contraceptivos orais antes da gravidez, nem efeitos teratogênicos quando os contraceptivos orais foram administrados inadvertidamente no início da gestação. Dados de farmacovigilância coletados com vários COs combinados contendo desogestrel também não indicam um risco aumentado. À semelhança de outros contraceptivos de progestagênio isolado, CERAZETTE não influencia a produção ou a qualidade do leite materno, mas uma pequena quantidade de etonogestrel é excretada no leite. Conseqüentemente, 0,01-0,05 mcg/dia de etonogestrel por kg de peso corpóreo podem ser ingeridos pela criança (tomando por base uma ingestão diária de leite de 150 ml/kg). A quantidade máxima de progestagênio ingerida pelo lactente é comparável àquela de outras pílulas de progestagênio isolado e não há indicações de que isto leve a algum dano à saúde.

 

Reações adversas — Reações adversas graves: Ver item Precauções e advertências. Outras reações adversas possíveis: As reações adversas relatadas com maior freqüência nos estudos clínicos com CERAZETTE foram irregularidades de sangramento, acne, alterações de humor, dor nas mamas, náusea e aumento de peso. As reações adversas mencionadas a seguir foram consideradas pelos investigadores como tendo uma relação estabelecida, provável ou possível com o tratamento, mas não foi demonstrado se elas estão realmente relacionadas a CERAZETTE. Comuns (> 1/100): Corpo como um todo: cefaléia, aumento de peso. Endócrina: dor nas mamas. Gastrointestinal: náusea. Ginecológicas: sangramento irregular, amenorréia. Pele: acne. Psiquiátricas: alterações de humor, diminuição da libido. Menos comuns (< 1/100): Ginecológicas: vaginite, dismenorréia, cistos ovarianos. Gastrointestinal: vômitos. Pele: alopecia. Psiquiátrica: fadiga. Olhos: dificuldades em utilizar lentes de contato. Raras (< 1/1.000): Pele: exantema (rash cutâneo), urticária, eritema nodoso.

 

Posologia — Os comprimidos devem ser tomados diariamente com uma quantidade adequada de líquido, aproximadamente no mesmo horário, na ordem indicada pelas setas impressas na cartela. Deve-se tomar um comprimido ao dia durante 28 dias consecutivos. Cada cartela subseqüente deve ser iniciada imediatamente após o término da anterior. Como iniciar CERAZETTE: Sem ter utilizado nenhum anticoncepcional hormonal (no último mês): Tomar o comprimido no 1º dia do ciclo menstrual natural (isto é, no primeiro dia da menstruação). Também é permitido iniciar entre o 2º e o 5º dia, mas durante o primeiro ciclo recomenda-se utilizar um método contraceptivo de barreira nos primeiros 7 dias de tratamento. Troca de um contraceptivo hormonal oral combinado (COC) por CERAZETTE: Iniciar CERAZETTE no dia seguinte da tomada do último comprimido ativo do COC utilizado anteriormente. Troca de um medicamento à base de progestagênio isolado (minipílula, injeção, implante) por CERAZETTE: A troca da minipílula por CERAZETTE pode ser feita em qualquer dia. No caso de implante a troca deve ser feita no dia da retirada do implante e, no caso de medicamento injetável, no dia em que seria administrada a próxima injeção. Em todos esses casos, a mulher deve ser aconselhada a utilizar um método de barreira para evitar a gravidez pelo menos durante os primeiros 7 dias de tratamento com CERAZETTE. Após aborto no primeiro trimestre de gestação: Pode-se iniciar imediatamente. Após o parto ou pós-aborto no segundo trimestre de gestação: Iniciar CERAZETTE de 21 a 28 dias após o parto ou aborto. Quando iniciar depois deste período, durante os primeiros 7 dias de tratamento recomenda-se utilizar também um método de barreira para evitar a gravidez. No entanto, se a mulher já tiver tido alguma relação sexual antes de iniciar o tratamento, deve-se afastar a possibilidade de gravidez antes de iniciar CERAZETTE ou, então, deve-se esperar que ocorra a primeira menstruação para se iniciar o tratamento anticoncepcional. Como proceder caso esqueça de tomar o comprimido: A proteção contraceptiva pode ser reduzida se tiverem se passado mais de 36 horas entre dois comprimidos. Se a mulher estiver menos de 12 horas atrasada para tomar qualquer comprimido, o comprimido esquecido deve ser tomado assim que lembrado e o próximo comprimido deve ser tomado no horário habitual. Caso a mulher esteja atrasada mais de 12 horas, deverá seguir a orientação anterior e também utilizar um método contraceptivo adicional durante os próximos 7 dias. Caso sejam esquecidos comprimidos na primeira semana de uso de CERAZETTE e a mulher tiver tido relações sexuais na semana anterior ao esquecimento, deve ser considerada a possibilidade de gravidez. Recomendações em caso de vômitos:Caso ocorram vômitos 3-4 horas após a administração dos comprimidos, a absorção pode não ser completa. Neste caso, aconselha-se seguir as recomendações relativas a comprimidos esquecidos, conforme discutidas anteriormente. Se a mulher não quiser mudar o seu esquema de tratamento normal, ela deve ser orientada a utilizar comprimidos de uma cartela adicional.

 

Superdosagem — Não há relatos de reações adversas graves em decorrência de superdose. Nesta situação os sintomas que podem ocorrer são: náuseas, vômitos e, em meninas e adolescentes, discreto sangramento vaginal. Não há antídotos e o tratamento deve ser sintomático.

 

Atenção — Este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis, ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Fabricado por: N.V. Organon — Holanda.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7042590.

 

Registro no M.S. 1.0171.0089.

 

Embalado e distribuído por:

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

Implanon®

 

Etonogestrel

 

Uso adulto

 

Forma farmacêutica e apresentação — Implante subdérmico: Cartucho com 1 aplicador contendo 1 implante (4 cm de comprimento e 2 mm de diâmetro).

 

Composição — Cada implante contém: Etonogestrel 68 mg; Excipiente (copolímero de etileno vinil acetato) q.s.p. 1 implante. O aplicador é de acrilonitrila-butadieno-estireno, com agulha de aço e protetor de agulha de polipropileno. A taxa de liberação é de 60-70 mg/dia na 5a-6a semanas e reduz-se a cerca de: 35-45 mg/dia no final do primeiro ano; 30-40 mg/dia no final do segundo ano e 25-30 mg/dia no final do terceiro ano. O implante não é biodegradável.

 

Informações à paciente — Ação esperada do medicamento: IMPLANON evita a gravidez. O índice de falha é igual a zero. IMPLANON é colocado sob a pele. Uma pequena quantidade do progestagênio etonogestrel (um tipo de hormônio feminino) é liberada continuamente, passando do implante para o corpo, resultando em um efeito anticoncepcional por um período de três anos. IMPLANON pode ser removido a qualquer momento. IMPLANON, como todos os anticoncepcionais hormonais, não protege contra a infecção por HIV (Aids) ou qualquer outra doença sexualmente transmissível. Lactação: Informe ao seu médico se estiver amamentando. Cuidados de administração: Tanto a inserção como a remoção de IMPLANON, a pedido da paciente ou ao final do terceiro ano de uso, devem ser feitas por um médico que esteja familiarizado com as técnicas de inserção e remoção. Cuidados de armazenamento e data de validade: Conservar à temperatura ambiente (entre 15oC e 30oC), protegido da luz e da umidade. Número de lote, data de fabricação (F) e data de validade (V) estão indicados na embalagem externa do produto. Não usar medicamento com o prazo de validade vencido, pois seu efeito pode não ser o desejado. Reações adversas: Informe ao médico se ocorrerem reações desagradáveis, como: espinhas, dor de cabeça, aumento de peso, dor e endurecimento dos seios, queda de cabelo, humor depressivo, instabilidade emocional, alteração da libido, dor abdominal e menstruação dolorida. A inserção e a remoção do implante podem causar irritação local leve, dor e coceira. Em alguns casos pode haver a formação de uma cicatriz no local do implante. Ocasionalmente podem ocorrer manchas na pele, especialmente em mulheres que apresentaram tais manchas durante gravidez anterior. Mulheres com essa tendência devem evitar exposição à luz solar ou radiação ultravioleta enquanto usarem o implante. Ingestão concomitante com outros medicamentos: Alguns medicamentos podem interferir no perfeito funcionamento de IMPLANON. Eles incluem medicamentos usados para tratar epilepsia (ex.: primidona, hidantoínas, barbituratos) ou tuberculose (ex.: rifampicina, rifabutina). Informe sempre ao médico que prescreveu IMPLANON se estiver tomando outros medicamentos antes ou durante o uso do implante. Contra-indicações: Gravidez ou suspeita de gravidez; doenças circulatórias; doença de fígado; tumores; sangramento vaginal não-diagnosticado; alergia a qualquer componente do implante. Caso ocorra qualquer dessas situações pela primeira vez durante o uso do implante, esse deve ser imediatamente retirado. Precauções: Se IMPLANON for utilizado na presença de quaisquer das condições descritas a seguir, a paciente deve ficar sob observação cuidadosa. O médico deve explicar à paciente como proceder. Portanto, seu médico deve ser informado: se você tem ou já teve câncer de mama; se você tem câncer de fígado; se você alguma vez já teve uma trombose; se você é diabética; se você sofre de epilepsia; se você sofre de tuberculose; se você tem ou já teve alguma vez cloasma (manchas escuras na pele, especialmente na face). Em caso afirmativo, evite exposição excessiva ao sol ou à radiação ultravioleta. Se houver alguma alteração em relação às informações anteriormente citadas após a colocação do implante, seu médico deve ser informado. Também informe ao seu médico se apresentar aumento significativo de peso.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser prejudicial para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Propriedades farmacodinâmicas — IMPLANON é um implante subdérmico, não-biodegradável, contendo etonogestrel, que é o metabólito biologicamente ativo do desogestrel, progestagênio largamente usado em contraceptivos orais (COs). É estruturalmente derivado da 19-nortestosterona e liga-se com alta afinidade aos receptores de progesterona nos órgãos-alvo. O efeito contraceptivo de IMPLANON se dá principalmente por inibição da ovulação. As ovulações não foram observadas nos primeiros 2 anos de uso e só raramente no terceiro ano. Além da inibição da ovulação, IMPLANON também causa alterações no muco cervical, que impedem a passagem de espermatozóides. Nos estudos clínicos foi observado que não ocorreu gravidez na população de usuárias de IMPLANON investigada, com uma exposição total de 59.800 ciclos. O índice de Pearl de 3 anos é zero (intervalo de confiança de 95% — 0,00 a 0,08). Esse alto grau de proteção contra a gravidez é obtido porque, entre outras razões, em comparação aos COs, a ação contraceptiva de IMPLANON não depende da ingestão regular de comprimidos. A ação contraceptiva de IMPLANON é reversível, o que é perceptível através do rápido retorno ao ciclo menstrual normal após a remoção do implante. Embora IMPLANON iniba a ovulação, a atividade ovariana não é totalmente suprimida. A concentração média de estradiol permanece acima do nível observado na fase pré-folicular. Num estudo de 2 anos, no qual a densidade mineral óssea de 44 usuárias de IMPLANON foi comparada com a do grupo-controle de 29 usuárias de DIU, não foram observados efeitos adversos sobre a massa óssea. Durante o uso de IMPLANON, não foram observados efeitos clinicamente relevantes sobre o metabolismo lipídico. O uso de contraceptivos contendo progestagênios pode ter um efeito sobre a resistência à insulina e sobre a tolerância à glicose. Em estudos clínicos foi também mostrado que as usuárias de IMPLANON freqüentemente têm sangramento menstrual menos doloroso.

 

Propriedades farmacocinéticas — Absorção: Após a inserção de IMPLANON, o etonogestrel é rapidamente absorvido pela circulação. As concentrações que inibem a ovulação são atingidas em 1 dia. As concentrações séricas máximas (entre 472 e 1.270 pg/ml) são atingidas entre 1 e 13 dias. A taxa de liberação do implante diminui com o tempo. Como resultado, as taxas séricas diminuem rapidamente durante os primeiros meses. No fim do primeiro ano é medida a concentração média de cerca de 200 pg/ml (intervalo de 150 a 261 pg/ml), que decresce lentamente a 156 pg/ml (intervalo de 111 a 202 pg/ml) no final do terceiro ano. As variações observadas nas concentrações séricas podem ser parcialmente atribuídas a diferenças no peso corpóreo. Distribuição: 95,5% a 99% do etonogestrel ligam-se a proteínas séricas, predominantemente à albumina e, em menor extensão, à globulina transportadora de hormônios sexuais. O volume de distribuição central e total são 27 l e 220 l, respectivamente, e dificilmente são alterados durante o uso de IMPLANON. Metabolismo: Etonogestrel sofre hidroxilação e redução. Os metabólitos são conjugados a sulfatos e glicuronídeos. Estudos em animais mostram que a circulação êntero-hepática provavelmente não contribui para a atividade progestagênica do etonogestrel. Eliminação: Após administração intravenosa de etonogestrel, a meia-vida de eliminação média é de cerca de 25 horas e o clearance sérico é de aproximadamente 7,5 l/h. O clearance e a meia-vida de eliminação permanecem constantes durante o período de tratamento. A excreção de etonogestrel e seus metabólitos, como esteróides livres ou como conjugados, é através de urina e fezes (1,5:1). Após administração oral de desogestrel a lactantes, o metabólito ativo etonogestrel é excretado no leite com uma taxa leite/soro de 0,37 a 0,55. Com base nesses dados, estima-se que por kg de peso corpóreo de uma criança, um máximo de 2,6% a 3,7% da dose diária (expressos por kg de peso corpóreo da mãe) poderia ser ingerido pela criança. Dados de segurança pré-clínica: Estudos toxicológicos não revelaram quaisquer efeitos a não ser aqueles que podem ser explicados com base nas propriedades hormonais do etonogestrel, independente da via de administração.

 

Indicação — Contracepção.

 

Contra-indicações — Gravidez ou suspeita de gravidez; distúrbio tromboembólico venoso ativo; presença ou história de doença hepática grave, enquanto os valores de função hepática não tenham retornado ao normal; tumores progestagênio-dependentes; sangramento vaginal não-diagnosticado; hipersensibilidade a qualquer componente de IMPLANON. Caso ocorra qualquer dessas situações pela primeira vez durante o uso do implante, esse deve ser imediatamente retirado.

 

Advertências — Antes de inserir o implante, a usuária deve ser informada sobre as vantagens e as desvantagens do uso de implantes comparado a outros métodos contraceptivos. Se qualquer dos fatores de risco/condições mencionados a seguir estiver presente, os benefícios do uso de progestagênios devem ser avaliados contra possíveis riscos para cada mulher individualmente e discutidos com ela antes da decisão de usar IMPLANON. No caso de agravamento, exacerbação ou ocorrência pela primeira vez de qualquer destas condições, a usuária deve contatar o médico. Ele deve então decidir se o uso de IMPLANON deverá ser descontinuado. O risco de câncer de mama aumenta, em geral, com a idade. Durante o uso de contraceptivos orais (COs) o risco de ter câncer de mama diagnosticado está levemente aumentado. Esse risco aumentado desaparece gradualmente em 10 anos após a descontinuação do uso de CO e não está relacionado à duração do uso, mas à idade da usuária quando utilizava o CO. O número esperado de casos diagnosticados por 10.000 mulheres que usam contraceptivos orais combinados (COCs) (até 10 anos após a descontinuação do uso) em relação às que nunca usaram durante o mesmo período foi calculado para os respectivos grupos etários em: 4,5/4 (16-19 anos), 17,5/16 (20-24 anos), 48,7/44 (25-29 anos), 110/100 (30-34 anos), 180/160 (35-39 anos) e 260/230 (40-44 anos). O risco em usuárias de métodos contraceptivos que somente contêm progestagênios é possivelmente de magnitude semelhante àquele associado com COC. Entretanto, para esses métodos, a evidência é menos conclusiva. Comparado ao risco de ter câncer de mama em algum momento da vida, o aumento do risco associado ao CO é baixo. Os casos de câncer de mama diagnosticados em usuárias de CO tendem a ser menos avançados que naquelas que não usaram CO. O aumento do risco observado nas usuárias de CO pode ser devido a diagnóstico precoce, a efeitos biológicos do CO ou à combinação dos dois. Uma vez que o efeito biológico dos hormônios não pode ser excluído, o estabelecimento individual do risco/benefício deve ser feito na mulher com câncer de mama preexistente e na mulher na qual o câncer de mama é diagnosticado enquanto usando IMPLANON. Uma vez que o efeito biológico dos progestagênios no câncer de fígado não pode ser excluído, o estabelecimento individual do risco/benefício deve ser feito na mulher com câncer de fígado. Investigações epidemiológicas associaram o uso de COC com uma maior incidência de tromboembolismo venoso (TEV, trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar). Embora a relevância clínica deste achado para etonogestrel (metabólito biologicamente ativo do desogestrel) usado como contraceptivo na ausência de um componente estrogênico seja desconhecido, IMPLANON deve ser removido no caso de trombose. A remoção de IMPLANON deve também ser considerada em caso de imobilização prolongada devido à cirurgia ou doença. Mulheres com história de distúrbios tromboembólicos devem estar avisadas da possibilidade de uma recorrência. Embora os progestagênios possam apresentar efeito sobre a resistência à insulina e sobre a tolerância à glicose, não há evidência da necessidade de alterar o regime terapêutico em diabéticas usando contraceptivos só com progestagênios. Entretanto, mulheres diabéticas devem ser cuidadosamente observadas enquanto usarem contraceptivos só com progestagênios. A proteção com contraceptivos só com progestagênios tradicionais contra gravidez ectópica não é tão boa como com COC, o que tem sido associado à ocorrência freqüente de ovulação durante o uso desses métodos. Apesar do fato de que IMPLANON inibe a ovulação, a gravidez ectópica deve ser considerada no diagnóstico diferencial se a mulher apresenta amenorréia ou dor abdominal. Cloasma pode ocorrer ocasionalmente, especialmente em mulheres com história de cloasma gravídico. Mulheres com tendência a cloasma devem evitar exposição ao sol ou à radiação ultravioleta enquanto usarem IMPLANON. O efeito contraceptivo de IMPLANON está relacionado aos níveis plasmáticos de etonogestrel, que são inversamente proporcionais ao peso corpóreo, e decrescem com o tempo após a inserção. A experiência clínica com IMPLANON em mulheres com peso corpóreo elevado é limitada durante o terceiro ano de uso. Assim, não se pode excluir a possibilidade de que o efeito contraceptivo nessas mulheres durante o terceiro ano de uso seja menor que aquele em mulheres com peso normal. Desta forma, o médico deve considerar a substituição do implante em um prazo menor em mulheres com sobrepeso. As seguintes condições foram relatadas durante a gravidez e durante o uso de esteróide sexual, mas a associação com o uso de progestagênios não foi estabelecida: icterícia e/ou prurido relacionado a colestase; formação de cálculo de vesícula; porfiria; lúpus eritematoso sistêmico; síndrome urêmica hemolítica; coréia de Sydenham; herpes gestacional; perda da audição relacionada a otosclerose. Embora não observada em ensaios clínicos, a expulsão pode ocorrer se o implante for inserido incorretamente.

 

Uso durante a gravidez e lactação — O uso de IMPLANON durante a gravidez é contra-indicado. Os dados disponíveis sobre o uso de IMPLANON durante a gravidez, em humanos ou em animais, não são suficientes para avaliar a possibilidade de efeitos prejudiciais. Até o momento, não há indicação de aumento de risco de defeitos congênitos em crianças cujas mães usaram COC antes da gravidez, nem efeito teratogênico quando um contraceptivo só com progestagênio foi inadvertidamente usado durante a gravidez. Embora isso provavelmente se aplique a todos os COs, não está claro se este também é o caso de IMPLANON. Dados obtidos com contraceptivos só com progestagênios, em geral, têm mostrado que os mesmos não influenciam a produção ou a qualidade do leite. Uma pequena quantidade de progestagênios é excretada no leite e poderá ser ingerida pela criança. Entretanto, não há indicação de que isso constitua um risco para a saúde do lactente.

 

Precauções — Consulta/exame médico: Antes do início ou da reimplantação do produto deve ser conhecida a história médica completa (incluindo história familiar). Deve ser medida a pressão arterial e deve ser feito exame físico, considerando-se as contra-indicações e as advertências. A mulher também deve ser instruída para ler cuidadosamente a bula e seguir os cuidados indicados. Três meses após a inserção de IMPLANON a mulher deve retornar para exame médico. Durante esse exame, a pressão arterial deve ser medida e o médico deve ser informado sobre o estado da usuária, suas queixas ou ocorrências de efeitos indesejáveis. A freqüência e a natureza desses exames periódicos devem ser adaptadas individualmente com base no julgamento clínico. As mulheres devem ser informadas de que IMPLANON não protege contra HIV (Aids) e outras doenças sexualmente transmissíveis. Redução de eficácia: A eficácia de IMPLANON pode ser reduzida quando é usada medicação concomitante (ver Interações medicamentosas e outras formas de interação). Alteração no padrão de sangramento vaginal: Durante o uso de contraceptivos somente com progestagênios, pode ocorrer sangramento vaginal mais freqüente ou de duração mais longa em algumas mulheres, enquanto em outras o sangramento pode ser incidental ou esporádico ou totalmente ausente. Essas alterações freqüentemente são razões pelas quais a mulher rejeita o método. A aceitação do padrão de sangramento pode ser melhorada pelo oferecimento de aconselhamento cuidadoso às mulheres que escolheram IMPLANON. A avaliação do sangramento vaginal deve ser feita quando necessário e pode incluir exame que exclua patologia ginecológica ou presença de gravidez. Desenvolvimento folicular: Com todos os contraceptivos hormonais de baixa dose, o desenvolvimento folicular ocorre e ocasionalmente o folículo pode continuar o desenvolvimento além do tamanho que poderia atingir num ciclo normal. Geralmente, esses folículos aumentados desaparecem espontaneamente. Freqüentemente são assintomáticos; em alguns casos estão associados à dor abdominal leve. Raramente requerem intervenção cirúrgica.

 

Interações medicamentosas e outras formas de interação — As interações que resultam em aumento de clearance de hormônios sexuais podem levar ao sangramento por privação e à falha na contracepção. O mecanismo dessas interações parece estar baseado nas propriedades indutoras de enzimas hepáticas destes fármacos. Não foram realizados estudos de interação específicos com IMPLANON. Com base nas interações relatadas com outros contraceptivos (principalmente com contraceptivos combinados, mas ocasionalmente também com contraceptivos só com progestagênios), pode-se esperar interações durante o uso concomitante com hidantoínas, barbituratos, primidona, carbamazepina, rifampicina; interações com oxcarbazepina, rifabutina, troglitazona, felbamato, griseofulvina são também presumíveis. A indução enzimática máxima geralmente não é percebida antes de 2 a 3 semanas, mas pode ser mantida por, no mínimo, 7 dias após a descontinuação. Para mulheres em tratamento com rifampicina deve ser usado um método de barreira adicional durante o tempo de tratamento com rifampicina e por 28 dias após sua descontinuação. Em mulheres em tratamento de longa duração com fármaco indutor de enzima hepática, recomenda-se remover IMPLANON e prescrever um método contraceptivo não-hormonal.

 

Testes de laboratório — Dados obtidos com COC mostraram que os esteróides contraceptivos podem influenciar os resultados de certos testes de laboratório, incluindo parâmetros bioquímicos do fígado, tireóide, adrenal e de função renal, níveis séricos de proteínas (carregadoras), por exemplo, globulina transportadora de corticosteróides, frações lípide/lipoproteína, parâmetros do metabolismo de carboidrato e de coagulação e fibrinólise. As alterações geralmente permanecem dentro dos intervalos normais. Não se sabe em que extensão isso também se aplica a contraceptivos somente com progestagênios.

 

Reações adversas — Os efeitos indesejáveis relacionados a seguir foram relatados durante o uso de IMPLANON. A associação não foi confirmada nem refutada. Reações adversas com freqüência maior que 5%: acne, cefaléia, aumento do peso corpóreo, endurecimento e dor nas mamas. Reações adversas com freqüência maior que 2,5% e menor ou igual a 5%: alopecia, humor depressivo, labilidade emocional, alterações da libido, dor abdominal, dismenorréia. Além disto, a inserção e a remoção de IMPLANON podem causar escoriação, irritação local leve, dor e prurido. Ocasionalmente poderá haver formação de cicatriz.

 

Posologia e administração — Como usar IMPLANON: IMPLANON é um contraceptivo de longa duração. O implante é inserido via subdérmica. A usuária deve ser informada que ela pode solicitar a remoção de IMPLANON a qualquer momento. A remoção do implante, por solicitação, ou ao final de 3 anos de uso, deve ser feita por médico que esteja familiarizado com a técnica de remoção. Após a remoção do implante, a imediata inserção de outro implante resultará em proteção contraceptiva continuada. Para assegurar uma remoção normal, sem complicação, é necessário que IMPLANON seja inserido corretamente, diretamente sob a pele. As instruções essenciais para esse procedimento estão descritas a seguir. O risco de complicações é pequeno se essas instruções forem seguidas. Médicos que têm pouca experiência com inserção subdérmica devem aprender a técnica correta sob supervisão de um colega mais experiente. Informações adicionais e instruções mais detalhadas referentes à inserção e remoção de IMPLANON serão enviadas, quando solicitadas. A embalagem de IMPLANON contém duas etiquetas com o número de lote do produto fornecido. Uma é destinada à ficha do médico e a outra para a usuária. Como inserir IMPLANON: A inserção de IMPLANON deve ser feita sob condições assépticas e somente por médico que esteja familiarizado com o procedimento. A paciente deve estar deitada em decúbito dorsal com seu braço esquerdo (direito, no caso de paciente canhota) virado para fora e com o cotovelo dobrado. IMPLANON deve ser inserido na face interna do braço esquerdo (direito, no caso de paciente canhota) cerca de 6-8 cm acima da dobra do cotovelo no sulco entre o bíceps e o tríceps (sulcus bicipitalis medialis). Marcar o local da inserção. Limpar o local de inserção com anti-séptico. Anestesiar com anestésico spray, ou com 2 ml de lidocaína (1%) aplicada logo abaixo da pele ao longo do 'canal de inserção'. Remover do blister o aplicador descartável estéril que contém IMPLANON. Verificar visualmente a presença do implante dentro da parte metálica da cânula (agulha). Se o implante desconectar-se da agulha, retorná-lo à sua posição original por pressão contra a parte plástica da cânula. Manter o aparelho e o implante estéreis. Se ocorrer contaminação, é necessário usar uma nova embalagem com um novo aplicador estéril. Segurar o aplicador com a agulha virada para cima até a inserção, para evitar que o implante caia do aplicador. Esticar a pele em torno do local da inserção com o polegar e o dedo indicador. Introduzir a agulha no espaço entre o bíceps e o tríceps, diretamente sob a pele, tão superficialmente quanto possível, levemente angulado e paralelo à superfície da pele, enquanto se levanta a pele com a ponta da agulha. Inserir completamente a agulha.

 

Figura

 

Manter a cânula paralela à superfície da pele. Quando o implante estiver colocado muito profundamente, a remoção pode ser dificultada mais tarde.

 

Figura

 

Romper o selo do aplicador pressionando o suporte obturador. Girar o obturador 90o em relação à cânula. Fixar o suporte do obturador firmemente contra o braço. Com a outra mão retirar vagarosamente a cânula fora do braço com o suporte do obturador imobilizado no local. Nota: Este procedimento é oposto ao de aplicar uma injeção, onde o êmbolo é pressionado e a seringa é fixada. Mantendo o obturador em seu local e, simultaneamente, retirando a cânula, o implante permanecerá na parte superior do braço.

 

Figura

 

Palpar o implante para checar que foi inserido. Aplicar uma gaze estéril com uma bandagem para evitar escoriação. O aplicador é descartável e deve ser adequadamente descartado, de acordo com os procedimentos para manuseio de lixo biológico perigoso.

 

Figura

 

Quando inserir IMPLANON: Em caso de não ter sido usado contraceptivo hormonal (no mês anterior): IMPLANON deve ser inserido entre o dia 1 e 5 do ciclo natural da mulher (dia 1 é o 1o dia do sangramento menstrual). Em substituição a um contraceptivo oral combinado (COC): IMPLANON deve ser inserido preferivelmente no dia seguinte ao último comprimido (ativo) do COC, o mais tardar no dia após o intervalo usual sem comprimido ou o último comprimido de placebo do COC. Em substituição a um método somente com progestagênios (minipílula, injetável, outro implante): IMPLANON deve ser inserido no dia em que a mulher estiver substituindo uma minipílula (outro implante no dia de sua remoção, um injetável no dia previsto para a injeção subseqüente). Após aborto de primeiro trimestre: IMPLANON deve ser inserido imediatamente. Quando isso é feito, a mulher não precisa tomar medidas contraceptivas adicionais. Após o parto ou aborto de segundo trimestre:IMPLANON deve ser inserido no dia 21-28 após o parto ou aborto de segundo trimestre. Quando o implante for inserido posteriormente, a mulher deve ser orientada a utilizar um método adicional de barreira nos primeiros 7 dias após a inserção. Entretanto, se já houve relação sexual, antes da inserção do implante deve-se excluir a presença de gravidez ou aguardar uma menstruação. Como remover IMPLANON: A remoção de IMPLANON deve ser feita somente por médico familiarizado com a técnica de remoção. Localizar o implante por palpação e marcar a extremidade distal.

 

Figura

 

Lavar a área e aplicar um anti-séptico. Anestesiar o braço com 0,5 a 1 ml de lidocaína 1% no local da incisão, que está logo abaixo da extremidade distal do implante. Nota: Aplicar o anestésico abaixo do implante. Aplicação acima do implante provoca edema, que pode causar dificuldade em localizar o implante.

 

Figura

 

Fazer uma incisão de 2 mm de comprimento no sentido longitudinal do braço na extremidade distal do implante.

 

Figura

 

Empurrar suavemente o implante em direção à incisão até que a extremidade seja visível. Segurar o implante com pinça (de preferência do tipo 'mosquito') e removê-lo.

 

Figura

 

Se o implante estiver encapsulado, deve ser feita uma incisão no tecido que o recobre e o implante removido com pinça.

 

Figura

 

Se a ponta do implante não estiver visível, introduzir cuidadosamente uma pinça na incisão e segurar o implante. Com uma segunda pinça, dissecar o tecido que envolve o implante e removê-lo.

 

Figura

 

Fechar a incisão com um curativo, de modo a aproximar as bordas da incisão. Aplicar uma bandagem com gaze estéril para evitar a formação de hematomas. Houve relatos ocasionais de deslocamento do implante; normalmente isso envolve pequenos movimentos em relação à posição original. Isso pode complicar um pouco a remoção.

 

Superdosagem — O implante sempre deve ser removido antes de inserir um novo. Não há dados disponíveis sobre superdosagem com etonogestrel. Não houve relatos de efeitos deletérios sérios de superdosagem de contraceptivos em geral.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Fabricado por: N.V. Organon — Holanda.

 

Registro no M.S. 1.0171.0088.

 

Importado e distribuído por:

ORGANON DO BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 CIPRO (Bayer). Cloridrato de ciprofloxacino. Fr. com 6, 14 e 50 comp. de 250 e 500 mg; fr. com 100 e 200 ml de sol. para infusão a 2%.

 

 

 PRACAP(Darrow). Finasterida. Calvície masculina. Emb. com 30 comp. de 1 mg.

 

 

 CIPRODINE (Sanval). Cloridrato de ciprofloxacino. Quimioterápico. Cx. com 10 comp.  de 250 e 500 mg.

 

 

 ABC(Hertz). Ácido benzóico, iodo, iodeto de potássio. Antimicótico.

 

 

 

 

Aciclor

 

Aciclovir

 

 

Composição — Cada 1 g do creme contém: Aciclovir 50 mg; Excipiente (vaselina sólida, lanette, propilenoglicol, oleato de iso-decila, metilparabeno, propilparabeno, metabissulfito de sódio e água deionizada) q.s.p. 1 g. Cada comprimido contém: Aciclovir 200 mg. Excipiente (amido, lactose, estearato de magnésio, silicato de magnésio, polividona, álcool etílico e água deionizada) q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicações — ACICLOR é um produto indicado no tratamento de infecções pelo vírus Herpes simplex de pele e mucosas, inclusive genital inicial e recorrente. É também indicado na profilaxia de infecções por Herpes simplex em pacientes imunocomprometidos e supressão (prevenção de reincidências) de infecções recorrentes em pacientes não-imunocomprometidos.

 

Contra-indicações — Pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula. Deverá ser avaliada a relação risco-benefício em pacientes com disfunção renal preexistente, hepática ou anomalias neurológicas.

 

Reações adversas — Creme: Em alguns pacientes pode ocorrer queimação ou ardência após a aplicação tópica. Leve ressecamento e descamação da pele ocorrem em aproximadamente 5% dos pacientes. Eritema e prurido foram relatados em uma pequena proporção de pacientes. Comprimidos: Relatou-se o aparecimento de erupções cutâneas em alguns pacientes. Com a suspensão da droga, houve desaparecimento espontâneo das erupções. Efeitos gastrintestinais, os quais incluíam náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais, foram observados em alguns pacientes. Em estudos duplo-cegos, controlados com placebo, a incidência de ocorrências gastrintestinais não diferiu entre os pacientes que receberam placebo e os que receberam aciclovir. Outras ocorrências, embora raramente verificadas, foram: aumento discreto e transitório na bilirrubina e enzimas hepáticas, pequeno aumento na uréia e creatinina sangüínea, pequeno decréscimo nos índices hematológicos, cefaléia, discretas reações neurológicas reversíveis e fadiga.

 

Posologia — Uso externo: Creme: Adultos e crianças: Aplicar 5 vezes ao dia, em intervalos de aproximadamente quatro horas, podendo-se omitir a aplicação no período noturno. ACICLOR Creme deve ser aplicado sobre as lesões existentes ou lesões emergentes tão logo quanto possível, após o início da infecção. É especialmente importante iniciar o tratamento de episódios recorrentes durante o período prodrômico ou aos primeiros sinais de lesão. O tratamento deve continuar por cinco dias. Se não ocorrer cicatrização, o tratamento deverá ser prolongado até 10 dias. Uso oral: Comprimidos: Dose para 'Herpes simplex' em adultos: Um comprimido, 5 vezes ao dia, com intervalos de aproximadamente 4 horas, podendo-se omitir a dose noturna. O tratamento deve continuar por 5 dias, mas deve ser estendido em infecções iniciais sérias. Em pacientes gravemente imunocomprometidos (por exemplo, após transplante de medula óssea) ou em pacientes com distúrbios de absorção intestinal, a dose pode ser duplicada (400 mg). A administração das doses deve ser iniciada tão cedo quanto possível, após o início da infecção; para os episódios recorrentes, isto deve ser feito, de preferência, durante o período prodrômico ou quando as lesões começam a aparecer. Dose para supressão de 'Herpes simplex' em adultos:Um comprimido, 4 vezes ao dia, em intervalos de aproximadamente 6 horas. Muitos pacientes podem ser convenientemente controlados com um regime de dose de 2 comprimidos, 2 vezes ao dia, com intervalos de aproximadamente 12 horas. Uma diminuição da dose para 1 comprimido, 3 vezes ao dia, em intervalos de aproximadamente 8 horas, ou até 2 vezes ao dia, em intervalos de aproximadamente 12 horas, pode mostrar-se eficaz. O tratamento deve ser interrompido periodicamente, a intervalos de 6 a 12 meses, a fim de que se possam avaliar os progressos obtidos. Dose para profilaxia de 'Herpes simplex' em adultos: Em pacientes imunocomprometidos, recomenda-se 1 comprimido, 4 vezes ao dia, em intervalos de aproximadamente 6 horas. Para pacientes gravemente imunocomprometidos (por exemplo, após transplante de medula óssea) ou em pacientes com distúrbios de absorção intestinal, a dose pode ser dobrada (400 mg). A duração da administração profilática é determinada pela duração do período de risco. Dose para crianças maiores que 2 anos: Para o tratamento, assim como para profilaxia de infecções por Herpes simplex em crianças imunocomprometidas com mais de dois anos de idade, as doses indicadas são as mesmas do que para adultos. Não há dados específicos disponíveis relativos à supressão de infecções por Herpes simplex em crianças imunocompetentes.

 

Apresentações — Creme 5%: Bisnaga contendo 10 g. Comprimido: Caixa com 25 comprimidos de 200 mg.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

ACICLOR Creme: Registro no M.S. 1.0689.0110.001-8.

 

ACICLOR Comprimidos: Registro no M.S. 1.0689.0110.002-6.

 

KLEY HERTZ S.A. Indústria e Comércio.

 

 

 ARNICA (Hertz). Pomada.

 

 

 BABYGLÓS (Hertz). Óxido de zinco, pantenol, triclosan, alantoína. Assaduras, brotoejas. Pomada.

 

 

 BACTODERM (Hertz). Sulfato de neomicina, bacitracina. Infecções da pele. Pomada.

 

 

 SANASAR(Hertz). Benzoato de benzila. Escabiose, pediculose.

 

 

 EFEDERM (Hertz). Vit. A, pantenol, triclosan. Queimaduras, assaduras, etc.

 

 

 ENTEROFIGON (Hertz). Adenosina, metionina, betaína, etc. Hepatoprotetor.

 

 

 GLYTEOL (Hertz). Iodeto de potássio, guaifenesina, mentol. Balsâmico. Xarope adulto e infantil.

 

 

 GOTAS PRECIOSAS (Hertz). Fitoterápico. Eupéptico.

 

 

 NEUTROGERM (Hertz). Triclosan. Anti-séptico. Sabonete.

 

 

 PEPSICAPS(Hertz). Omeprazol. Úlcera péptica. Cáp. de 10 e 20 mg.

 

 

 PROCTOSAN(Hertz). Cloridrato de lidocaína, mentol, azuleno, castanha-da-índia, hamamélis. Hemorróidas. Pom.

 

 

 RAPILAX(Hertz). Picossulfato sódico. Laxativo. Fr. com 7,5 mg/ml (gt.).

 

 

 RITMONEURAN (Hertz). Extrato de passiflora, etc. Calmante.

 

 

 SANILIN (Hertz).Cloreto de cetilpiridínio, benzocaína, mentol. Infecções da boca e garganta.

 

 

 ANTI SÉPTICO (Hertz). Cloridrato de lidocaína, cloreto de benzetônio. Anti-séptico.

 

 

 STILGRIP(Hertz). Paracetamol, cloridrato de fenilefrina, maleato de clorfenamina. Antigripal.

 

 

 FLANAX (Roche). Naproxeno. Antiinflamatório. Cx. com 20 comp. de 275 mg; cx. com 10 comp. de 550 mg; fr. com 100 ml de susp. com 25 mg/ml.

 

 

 OTOSYNALAR (Roche). Acetonido de fluocinolona, sulfato de polimixina B, sulfato de neomicina,

cloridrato de lidocaína. Otites. Fr. com 5 ml.

 

 

 NAPROSYN (Roche). Naproxeno. Antiinflamatório. Cx. com 15 comp. de 250 mg; cx. com 20 comp. de 500 mg.

 

 

 TRIALGIN (Hertz). Salicilato de metila, cânfora, mentol, terebintina. Revulsivo. Gel.

 

 

 TRIFEN (Hertz). Paracetamol. Analgésico, antitérmico. Fr. com 100 mg/ml (gt.); comp. de 750 mg.

 

 

 

 

Dinaflex®

 

Sulfato de glicosamina

 

 

Composição — Cada sachê com 3,95 g contém: Sulfato de glicosamina (equivalente a 1,884 g de sulfato policristalino de glicosamina) 1,5 g. Excipientes: Aspartame, sorbitol, ácido cítrico, polietilenoglicol.

 

Indicações — É indicado no tratamento de artrose primária e secundária, osteocondrose, espondilose, condromalacia de rótula e periartrite escapuloumeral.

 

Contra-indicações — DINAFLEX® é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade à glicosamina ou a qualquer outro componente da fórmula. Também não deve ser utilizado durante a gravidez, lactação ou em casos de fenilcetonúria.

 

Interações medicamentosas — A administração oral de sulfato de glicosamina pode favorecer a absorção gastrintestinal de tetraciclinas e reduzir a de penicilina e cloranfenicol.

 

Reações adversas — Os efeitos colaterais mais comuns são de origem gastrintestinal, de intensidade leve a moderada, consistindo em desconforto gástrico, diarréia, náusea, prurido e cefaléia. Reações hematológicas: Não foram observadas alterações clínicas significativas durante os estudos. Testes laboratoriais: Não se observaram diferenças significativas nos valores médios nem nos dados individuais das provas laboratoriais e constantes vitais.

 

Posologia — Um sachê por dia, dissolvido em um copo com água. Duração do tratamento: A critério médico.

 

Apresentação — 1,5 g de sulfato de glicosamina. Embalagem com 15 sachês de dose única.

 

SAC: 0800-166575.

 

Registro no M.S. 1.2214.0031.

 

ZODIAC Produtos Farmacêuticos S.A.

 

 

 

 

Foraseq™

 

Fumarato de formoterol

Budesonida

 

Uso adulto e pediátrico (crianças a partir de 5 anos de idade)

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — Cápsula contendo pó seco para inalação: Tratamento 1: Cápsula contendo fumarato de formoterol micronizado para inalação de 12 mcg. Tratamento 2: Cápsula contendo budesonida para inalação, de 200 ou 400 mcg. Embalagens com 60 cápsulas de fumarato de formoterol + 60 cápsulas de budesonida e um inalador.

 

Composição — Tratamento 1: Cada cápsula com pó para inalação contém: Fumarato de formoterol 12 mcg. Excipiente:Lactose. Tratamento 2: Cada cápsula com pó para inalação contém: 200 mcg ou 400 mcg de budesonida. Excipiente: Lactose.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: FORASEQ contém cápsulas de formoterol, que tem ação broncodilatadora e cápsulas de budesonida que tem ação na redução da inflamação das vias aéreas dos pulmões. O uso seqüencial de um broncodilatador (com início de ação imediata) e um esteróide faz com que aumente a deposição deste nas vias aéreas e conseqüente melhora do controle da asma. Cuidados de armazenamento: FORASEQ deve ser protegido do calor (manter abaixo de 30°C) e da umidade. Prazo de validade: A data de validade está impressa no cartucho. Não utilizar o produto após a data de validade. Gravidez e lactação: Informe ao seu médico sobre a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. O formoterol pode inibir o trabalho de parto, por seu efeito relaxante sobre a musculatura lisa do útero. Informe ao seu médico se está amamentando. Cuidados de administração: Antes de inalar o medicamento, leia atentamente estas instruções, pois elas contêm informações importantes sobre o produto. Em caso de dúvida, peça orientação ao seu médico. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. As cápsulas só devem ser retiradas do blister imediatamente antes do uso. As cápsulas não podem ser ingeridas: elas devem ser utilizadas somente com o tipo de inalador fornecido na embalagem. Não utilize outro tipo de inalador. Se houver esquecimento de uma dose, aguarde para tomar a próxima no horário usual. A dose não deve ser dobrada. Como usar as cápsulas com o inalador: Atenção: Não engolir as cápsulas. Usar exclusivamente para inalação. Para assegurar uma administração adequada, o paciente deve ser informado sobre como usar adequadamente o inalador pelo médico ou por outro profissional de saúde. FORASEQ é utilizado no tratamento de doenças respiratórias, portanto a sua administração incorreta não produzirá o efeito desejado. Para usar o inalador, proceda do seguinte modo:

 

1. Retire a tampa do inalador.

 

FIGURA

 

2. Segure firmemente a base do inalador e, para abri-lo, gire o bocal na direção indicada pela seta.

 

FIGURA

 

3. Coloque a cápsula de formoterol no compartimento adequado, na base do inalador. É importante que a cápsula somente seja retirada do blister imediatamente antes do uso.

 

FIGURA

 

4. Volte o bocal para a posição fechada.

 

FIGURA

 

5. Pressione os botões laterais completamente só uma vez, mantendo o inalador em posição vertical. Solte os botões. Obs.: A cápsula pode partir-se em pequenos fragmentos de gelatina que podem atingir a sua boca ou a garganta. A gelatina é comestível e, portanto, não é prejudicial. Para minimizar a tendência de ocorrer isso, não perfure a cápsula mais de uma vez. Siga as instruções de armazenamento e não retire a cápsula do blister até o momento de usá-la.

 

FIGURA

 

6. Expire o máximo possível.

 

FIGURA

 

7. Coloque o bocal do inalador na boca e feche os lábios ao redor dele. Inspire, pela boca, de maneira rápida e o mais profundamente possível. Você deve ouvir um som de vibração, como se a cápsula girasse na câmara do inalador com a dispersão do produto.

 

FIGURA

 

Se não ouvir esse ruído, a cápsula pode estar grudada em seu compartimento; se isso ocorrer, faça pequenos movimentos sobre o inalador a fim de desgrudar a cápsula do mesmo. Gire ou balance levemente o inalador (na posição vertical), a fim de desprender a cápsula. NÃO tente desprender a cápsula, apertando repetidamente os botões. 8. Quando ouvir o som de vibração, segure a respiração pelo maior tempo que você confortavelmente conseguir (aproximadamente 10 segundos); enquanto isso retire o inalador da boca. Em seguida, respire normalmente. Abra o inalador e verifique se ainda há resíduo de pó na cápsula. Se ainda restar pó na cápsula, repita os passos de 6 a 8. Obs.: Caso o seu médico tenha recomendado o uso de 2 cápsulas (24 mcg) de formoterol, repita os passos de 3 a 8. Nunca coloque duas cápsulas no inalador ao mesmo tempo. 9. Aguarde pelo menos 1 minuto. 10. Repita os passos de 3 a 8, agora utilizando 1 cápsula de budesonida. Obs.: Caso o seu médico tenha recomendado o uso de 2 cápsulas de budesonida, repita o passo 10. Nunca coloque 2 cápsulas no inalador ao mesmo tempo. 11. Após o uso, abra o inalador, remova a cápsula vazia, feche o bocal e recoloque a tampa. Limpeza do inalador: Para remoção do preparado, limpe o bocal e o compartimento da cápsula com um pano seco. Alternadamente, pode-se utilizar uma escova macia e limpa. Se o alívio na dificuldade de respiração não for adequado ou se perdurar por períodos menores do que o usual, informe ao seu médico o mais breve possível. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Com FORASEQ, ocasionalmente podem ocorrer as seguintes reações: tremor, aceleração e irregularidade do batimento do coração ou dores de cabeça; raramente, ocorrem cãibras e dores musculares, agitação, tonturas, nervosismo ou cansaço, dificuldade para dormir, irritação na boca ou na garganta e broncoespasmo. Alguns desses efeitos desaparecem no decorrer do tratamento. Em alguns casos isolados, observaram-se reações alérgicas, com redução acentuada da pressão arterial e inchaço na face, pálpebras e lábios. Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. Ingestão concomitante com outras substâncias: Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Contra-indicações e precauções: O uso de FORASEQ é contra-indicado a pacientes com alergia à budesonida e/ou formoterol ou à lactose. A budesonida também é contra-indicada em pacientes com tuberculose pulmonar ativa. As cápsulas de pó para inalação de FORASEQ são adequadas para crianças a partir de 5 anos de idade, desde que estas possam usar o inalador corretamente, contando com a ajuda de um adulto (ver Como usar as cápsulas com o inalador). FORASEQ é também adequado para pacientes idosos. Informe ao seu médico caso você sofra de alguma doença do coração, de diabetes ou se tem problemas de tireóide.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Formoterol

 

Farmacodinâmica — O formoterol é um potente estimulante seletivo beta2-adrenérgico. Exerce efeito broncodilatador em pacientes com obstrução reversível das vias aéreas. O efeito inicia-se rapidamente (em 1 a 3 minutos), permanecendo ainda significativo 12 horas após a inalação. Com as doses terapêuticas, os efeitos cardiovasculares são pequenos e ocorrem apenas ocasionalmente. O formoterol inibe a liberação de histamina e dos leucotrienos do pulmão humano sensibilizado passivamente. Algumas propriedades antiinflamatórias, tais como inibição de edema e do acúmulo de células inflamatórias, têm sido observadas em experimentos com animais. No homem, tem-se demonstrado que formoterol é eficaz na prevenção do broncoespasmo induzido por alérgenos inalados, exercícios, ar frio, histamina ou metacolina.

 

Farmacocinética — Absorção: Assim como relatado para outros fármacos inalados, é provável que cerca de 90% do formoterol administrado por um inalador sejam deglutidos e então absorvidos a partir do trato gastrintestinal. Isto significa que as características farmacocinéticas da formulação oral se aplicam em grande parte ao pó para inalação. As doses orais de até 300 mcg de fumarato de formoterol são rapidamente absorvidas no trato gastrintestinal. Os picos de concentração plasmática da substância inalterada são atingidos de 1/2 hora a 1 hora após a administração. A absorção de dose oral de 80 mcg é de 65% ou mais. A farmacocinética do formoterol demonstra-se linear na faixa de dosagem investigada, isto é, 20 a 300 mcg. A administração oral repetida de doses diárias de 40 a 160 mcg não leva a acúmulo significativo do fármaco. Após a inalação de doses terapêuticas, não é possível detectar o formoterol no plasma, pelos métodos analíticos correntes; entretanto, a análise das taxas de excreção urinária sugere que o formoterol seja rapidamente absorvido. A taxa de excreção máxima após administração de 12 a 96 mcg é atingida em 1 a 2 horas após a inalação. A excreção urinária cumulativa do formoterol, após administração do pó inalado (12 a 24 mcg) e duas formulações diferentes de aerossol (12-96 mcg), demonstrou que a proporção de formoterol disponível na circulação aumenta proporcionalmente à dose. Distribuição: A ligação do formoterol às proteínas plasmáticas é de 61%-64% (34% principalmente à albumina). Não há saturação dos sítios de ligação na faixa de concentração atingida com doses terapêuticas. Biotransformação: O formoterol é eliminado principalmente pelo metabolismo, sendo a glicuronização direta a principal via de biotransformação. A o-demetilação seguida de glicuronização é outra via. Eliminação:A eliminação do formoterol da circulação parece ser polifásica; a meia-vida aparente depende do intervalo de tempo considerado. Baseando-se nas concentrações no plasma ou no sangue até 6, 8 ou 12 horas após a administração oral, foi determinada uma meia-vida de eliminação de aproximadamente 2-3 horas. A partir das taxas de excreção urinária, entre 3 e 16 horas após administração, foi calculada uma meia-vida de cerca de 5 horas. O fármaco e seus metabólitos são completamente eliminados do organismo; aproximadamente 2/3 de uma dose oral aparecem na urina e 1/3 nas fezes. Após a inalação, cerca de 6%-9% da dose, em média, são excretados inalterados na urina. O clearance (depuração) renal do formoterol é de 150 ml/min.

 

Budesonida

 

Farmacodinâmica — A budesonida é um corticosteróide com ação tópica marcante, mas praticamente desprovido de ação sistêmica no ser humano. Quando utilizado como cápsulas para inalação por pacientes que se beneficiam da terapia com corticosteróide, pode ocasionar o controle da asma geralmente dentro de 10 dias após o início do tratamento. O uso regular da budesonida reduz a inflamação crônica das vias aéreas de pacientes asmáticos. Deste modo, budesonida melhora a função pulmonar e os sintomas da asma, reduz a hiper-reatividade brônquica e previne as exacerbações da asma.

 

Farmacocinética — Absorção: A quantidade de budesonida depositada nos pulmões é rápida e completamente absorvida. O pico de concentração plasmática é atingido imediatamente após a administração. Após correção para a dose depositada na orofaringe, a biodisponibilidade absoluta é de 73%; porém, por via oral é de cerca de 10%. Distribuição: O volume de distribuição da budesonida é de cerca de 300 litros. Em experimentos com animais foram observadas altas concentrações no baço e nas glândulas linfáticas, no timo, no córtex da supra-renal, nos órgãos reprodutivos e nos brônquios. A budesonida atravessa a barreira placentária em camundongos. Não se sabe se passa para o leite materno. Metabolismo: A budesonida não é metabolizada no pulmão. Após a absorção, é metabolizada no fígado, originando vários metabólitos inativos, inclusive 6-beta-hidroxi-budesonida e 16-alfa-hidroxiprednisolona. O clearance (depuração) é de 84 litros/hora, com meia-vida plasmática curta de 2,8 horas. Excreção: Após a inalação, 32% da dose absorvida são recuperados na urina e 15%, nas fezes.

 

Dados de segurança pré-clínicos — Formoterol: Mutagenicidade: Foram conduzidos testes de mutagenicidade cobrindo uma ampla faixa de parâmetros. Não foi encontrado efeito genotóxico em qualquer dos testes efetuados in vitro ou in vivo. Carcinogenicidade: Estudos de 2 anos em ratos e camundongos não indicaram qualquer potencial carcinogênico. Camundongos machos tratados com níveis de dosagem bastante altos demonstraram uma incidência ligeiramente maior de tumor benigno de célula subcapsular adrenal, o que se considera reflexo de alteração no processo fisiológico de envelhecimento. Dois estudos em ratos, com diferentes faixas de dosagem, demonstraram um aumento de leiomiomas mesovarianos. Esses neoplasmas benignos são tipicamente associados, em tratamentos prolongados de ratos, com altas dosagens de fármacos beta2-adrenérgicos. Um aumento na incidência de cistos ovarianos e células tumorais benignas da teca e da granulosa foi também observado; são conhecidos os efeitos dos beta-agonistas em ovário de ratas, sendo os mesmos específicos de roedores. Alguns outros tipos de tumores observados no primeiro estudo com altas dosagens estavam de acordo com a incidência do controle histórico da população e não foram observados no ensaio de doses menores. Nenhuma das incidências de tumores aumentou a uma extensão estatisticamente significativa nas doses mais baixas do segundo estudo, dose esta que levou a uma exposição sistêmica 10 vezes maior do que a esperada com a dosagem máxima recomendada de formoterol. Baseando-se nas conclusões dos estudos e na ausência de potencial mutagênico, conclui-se que o uso de formoterol em doses terapêuticas não apresenta risco carcinogênico. Toxicidade sobre a reprodução: Testes em animais não demonstraram potencial teratogênico. Após administração oral, o formoterol foi excretado no leite de ratas lactantes. Budesonida: Não foram estabelecidos.

 

Indicações — Formoterol (tratamento 1): É indicado para profilaxia e tratamento das broncoconstrições em pacientes com doença obstrutiva reversível das vias aéreas, tais como asma brônquica e bronquite crônica, com ou sem enfisema. Profilaxia de broncoespasmo induzido por alérgenos inalados, ar frio ou exercício. Como o efeito broncodilatador de formoterol é ainda significativo 12 horas após a inalação, a terapia de manutenção de 2 vezes ao dia pode controlar, na maioria dos casos, a broncoconstrição associada a condições crônicas, tanto durante o dia como à noite. Budesonida (tratamento 2): É indicado para asma brônquica, para controle da inflamação das vias aéreas.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade ao formoterol e/ou à budesonida ou a qualquer um dos componentes da formulação. Budesonida é também contra-indicado em pacientes com tuberculose pulmonar ativa

 

Precauções e advertências — Formoterol: Condições concomitantes: Cuidado especial e supervisão, com ênfase particular nos limites de dosagem, são necessários em pacientes tratados com formoterol, quando coexistirem as seguintes condições: doença cardíaca isquêmica, arritmias cardíacas, especialmente bloqueio atrioventricular de terceiro grau, descompensação cardíaca grave, estenose subvalvular aórtica idiopática, cardiomiopatia obstrutiva hipertrófica, tireotoxicose, prolongamento suspeito ou conhecido do intervalo QT (QTc > 0,44 seg; ver Interações medicamentosas). Pelo efeito hiperglicêmico dos beta2-estimulantes, recomenda-se controle adicional de glicose sangüínea em pacientes diabéticos. Hipopotassemia:Hipopotassemia potencialmente grave pode resultar da terapia com beta2-agonistas. Recomenda-se cuidado especial em asma grave, já que esse efeito pode ser potencializado por hipoxia e tratamento concomitante (ver Interações medicamentosas). Recomenda-se que os níveis de potássio sérico sejam monitorizados em tais situações. Broncoespasmo paradoxal: Assim como em outras terapias por inalação, o potencial para broncoespasmo paradoxal deve ser considerado. Se isso ocorrer, o medicamento deve ser imediatamente descontinuado e substituído por terapia alternativa. Budesonida: Os pacientes devem ter conhecimento da natureza profilática do tratamento com budesonida e da necessidade de ser administrado regularmente, mesmo quando não estiverem apresentando sintomas. Budesonida não produz alívio do broncoespasmo agudo, nem é adequado para o tratamento primário do estado asmático ou de outros episódios agudos de asma. São necessários cuidados especiais em pacientes com tuberculose latente, infecções fúngicas e virais das vias aéreas. Deve-se ter cautela ao tratar pacientes com distúrbios pulmonares, como bronquiectasias e pneumoconiose, em vista da possibilidade de infecções fúngicas. Durante as exacerbações agudas da asma pode ser necessário um aumento na dose de budesonida ou tratamento complementar com corticosteróides orais por um curto período de tempo e/ou antibióticos, caso ocorra infecção. Pacientes não-dependentes de corticosteróides sistêmicos: Normalmente, obtém-se efeito terapêutico em 10 dias. Em pacientes com secreção brônquica excessiva, pode-se administrar inicialmente um esquema curto adicional com corticosteróide oral (cerca de 2 semanas). Pacientes dependentes de corticosteróides sistêmicos: A transição de corticosteróides orais para budesonida deve preferencialmente ocorrer em pacientes com asma estável. Uma dose alta de budesonida é dada em combinação com a dose de corticosteróide oral previamente utilizada pelo paciente por pelo menos 10 dias. Após esta fase, a dose de corticosteróide oral deve ser gradualmente reduzida (por exemplo, 2,5 mg de prednisolona ou equivalente cada mês) até a maior redução possível. O tratamento com corticosteróides sistêmicos ou com budesonida não deve ser suspenso abruptamente. Uma precaução especial deve ser observada durante os primeiros meses em que se está havendo a troca de corticosteróide oral para a budesonida, a fim de garantir que a reserva adrenocortical destes pacientes é adequada para contornar situações como trauma, cirurgias ou infecções graves, visto que estes pacientes podem desenvolver quadro agudo de insuficiência adrenal. A função adrenocortical deve ser monitorizada regularmente. Alguns pacientes necessitam uma dose extra de corticosteróides nessas circunstâncias; estes devem ser aconselhados a carregar um cartão com a descrição desta combinação. A substituição de corticosteróides sistêmicos por budesonida pode revelar alergias anteriormente suprimidas por corticosteróides sistêmicos, como rinite alérgica ou eczema (dermatite atópica). Essas alergias devem ser tratadas de maneira adequada com anti-histamínicos ou corticosteróides de uso local. É possível a ocorrência de broncoespasmo paradoxal. Nesse caso, deve-se descontinuar budesonida e introduzir uma terapia alternativa.

 

Gravidez e lactação — Formoterol: A segurança de formoterol durante a gravidez e a lactação não foi ainda estabelecida. Seu uso durante a gravidez deve ser evitado, a não ser que não exista alternativa mais segura. Como outros estimulantes beta2-adrenérgicos, o formoterol pode inibir o trabalho de parto, por seu efeito relaxante na musculatura lisa uterina. Não se sabe se o formoterol passa para o leite materno. O fármaco foi detectado no leite de ratas lactantes. As mães em tratamento com formoterol não devem amamentar. Budesonida: A administração de corticosteróides em animais prenhas resultou em anormalidades no desenvolvimento fetal. A relevância destes achados no homem ainda não está estabelecida. A administração durante a gravidez deve ser evitada; se o tratamento com corticosteróides durante a gravidez for imperativo, corticosteróides inalados devem ser preferidos, pois apresentam menor incidência de efeitos sistêmicos quando comparados com doses equipotentes de corticosteróides orais. Não há informação disponível sobre a passagem de budesonida para o leite materno.

 

Efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas — Não existe nenhum dado que demonstre alteração na habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas.

 

Interações medicamentosas — Formoterol:Fármacos como quinidina, disopiramida, procainamida, fenotiazínicos, anti-histamínicos e antidepressivos tricíclicos podem ser associados com prolongamento do intervalo QT e com aumento do risco de arritmia ventricular (ver Precauções e advertências). A administração concomitante de outros agentes simpatomiméticos pode potencializar os efeitos não desejados de formoterol. A administração de formoterol a pacientes em tratamento com inibidores da monoaminoxidase ou antidepressivos tricíclicos deve ser conduzida com cautela, já que a ação de estimulantes beta2-adrenérgicos no sistema cardiovascular pode ser potencializada. O tratamento concomitante com derivados xantínicos, esteróides ou diuréticos pode potencializar um possível efeito hipocalêmico dos beta2-agonistas. A hipopotassemia pode aumentar a suscetibilidade a arritmias cardíacas em pacientes tratados com digitálicos (ver Precauções e advertências). Os bloqueadores beta-adrenérgicos podem diminuir ou antagonizar o efeito de formoterol. Portanto, formoterol não deve ser administrado juntamente com bloqueadores beta-adrenérgicos (inclusive colírios), a não ser que existam razões que obriguem a seu uso. Budesonida: Não foram estabelecidas.

 

Reações adversas — Formoterol: Sistema musculoesquelético: Ocasionais: tremores; raras: mialgias ou cãibras musculares. Sistema cardiovascular: Ocasionais: palpitações; rara: taquicardia. Sistema nervoso central: Ocasional: cefaléia; raros: agitação, vertigem, ansiedade, nervosismo e insônia. Trato respiratório: Raro: agravamento do broncoespasmo. Irritação local: Rara: irritação da orofaringe. Outras: Reações de hipersensibilidade como hipotensão grave, urticária, angioedema, prurido e exantema. Edemas periféricos, alteração do paladar e náuseas. Budesonida: Pode ocorrer uma leve irritação na garganta. Foram relatados casos de candidíase na orofaringe; é recomendado aos pacientes que enxágüem a boca e que escovem seus dentes após cada uso de budesonida. Na maioria dos casos, esta condição responde ao tratamento com antifúngico tópico sem a necessidade de descontinuar budesonida. Rouquidão pode ocorrer; este desconforto é reversível e desaparece após cessar-se a terapia ou redução da dose e/ou descanso vocal. Reações cutâneas como rash (erupção) podem ocorrer, mesmo que raramente. Assim como outras terapias inalatórias, broncoespasmo paradoxal pode ocorrer; acontecendo, o tratamento com budesonida deve ser suspenso e uma terapia alternativa deve ser instituída. Broncoespasmo paradoxal responde a broncodilatadores de rápido início de ação. Foram descritos distúrbios de comportamento em crianças.

 

Posologia e forma de administração — Para uso em adultos e em crianças a partir de cinco anos de idade. Inalação de 1 a 2 cápsulas (12-24 mcg) de formoterol, 2 vezes ao dia, e 1 a 2 cápsulas de budesonida de 200 ou 400 mcg, 2 vezes ao dia. A cápsula de budesonida deve ser inalada pelo menos 1 minuto após a inalação da cápsula de formoterol. Se necessário, 1-2 cápsulas de formoterol, adicionalmente às requeridas para terapia de manutenção, podem ser usadas cada dia para o alívio de sintomas. Se a necessidade de dose adicional for mais do que ocasional (por exemplo, em mais de 2 dias por semana), nova consulta médica deve ser feita e a terapia reavaliada, já que isso pode indicar uma deterioração da condição subjacente. FORASEQ não é recomendado a crianças com menos de 5 anos de idade.

 

Superdosagem — Formoterol: Sintomas: A superdosagem com formoterol provavelmente conduzirá aos efeitos típicos de estimulantes beta2-adrenérgicos, a saber: náusea, vômitos, cefaléia, tremores, sonolência, palpitação, taquicardia, arritmia ventricular, acidose metabólica, hipopotassemia e hiperglicemia. Tratamento: São indicados tratamentos sintomático e de suporte. Os casos graves devem ser hospitalizados. Deve ser avaliado o uso de betabloqueador cardiosseletivo, mas apenas sujeito a extremo cuidado, já que o uso de medicação bloqueadora beta-adrenérgica pode provocar broncoespasmo. Budesonida: A toxicidade aguda da budesonida é baixa. O único efeito prejudicial que pode ocorrer após a inalação de uma grande quantidade de medicação em um curto período de tempo é a supressão do eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal (HHA). Não há necessidade de nenhuma ação emergencial. O tratamento com budesonida deve continuar com a dosagem recomendada para o controle da asma.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Budesonida: Fabricado por Pharmachemie, Holanda. Embalado por Novartis, Inglaterra.

 

Formoterol: Fabricado por Novartis Pharma AG, Suíça.

 

Única concessionária no Brasil de Novartis AG, Suíça; resultante da fusão de Ciba-Geigy e Sandoz.

 

™ Marca depositada de Novartis AG, Basiléia, Suíça.

 

Serviço de Informações ao Cliente: 0800-8883003.

 

Registro no M.S. 1.0068.0156.

 

Distribuído por

NOVARTIS Biociências S/A.

 

 

 

 

Miflonide*

 

Budesonida

 

Uso adulto e pediátrico para crianças acima de 6 anos

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — Cápsulas para inalação: Embalagens com 30 ou 60 cápsulas de 200 ou 400 mcg + 1 inalador.

 

Composição — Cada cápsula contém 200 mcg ou 400 mcg de budesonida. Excipiente: Lactose.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: MIFLONIDE tem como substância ativa a budesonida e é utilizado no tratamento da asma. MIFLONIDE é utilizado na redução da inflamação das vias aéreas dos pulmões. O uso regular de MIFLONIDE ajuda a prevenir ataques de asma e facilita a respiração. MIFLONIDE é um medicamento de controle da asma, não tendo ação nas crises. Cuidados de armazenamento: MIFLONIDE deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C) e protegido da umidade. Prazo de validade: O prazo de validade está impresso no cartucho. Não utilizar o produto após a data de validade. Gravidez e lactação: Informe ao seu médico sobre a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se está amamentando. Cuidados de administração: Antes de usar o medicamento, leia atentamente as instruções de uso. A cápsula de gelatina, em raros casos, pode quebrar-se, e pequenos pedaços de gelatina podem atingir a boca ou a garganta após a inalação. O paciente pode ficar seguro de que a gelatina não é prejudicial e irá amolecer na boca, podendo ser assim engolida. A tendência da cápsula quebrar é minimizada não se perfurando a cápsula mais de uma vez. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. As cápsulas só devem ser retiradas do blíster imediatamente antes do uso. As cápsulas não podem ser ingeridas: Elas devem ser utilizadas somente com o tipo de inalador fornecido na embalagem. Não utilize outro tipo de inalador. Se houver esquecimento de uma dose, aguarde para tomar a próxima no horário usual. A dose não deve ser dobrada. Como usar as cápsulas com o inalador:

 

FIGURA

 

1. Retire a tampa do inalador.

 

FIGURA

 

2. Segure firmemente a base do inalador e, para abrir, gire o bocal na direção indicada pela seta.

 

FIGURA

 

3. Coloque a cápsula no compartimento adequado, na base do inalador. É importante que a cápsula somente seja retirada do blíster imediatamente antes do uso.

 

FIGURA

 

4. Volte o bocal para a posição fechada.

 

FIGURA

 

5. Pressione os botões laterais completamente só uma vez, mantendo o inalador em posição vertical. Solte os botões. Nota: A cápsula pode partir-se em pequenos fragmentos e esses fragmentos de gelatina podem atingir sua boca ou garganta. A gelatina é comestível e, portanto, não é prejudicial. Para minimizar a tendência de que isso ocorra, não perfure a cápsula mais de uma vez, seguindo as instruções de armazenamento e não retirando a cápsula do blíster até o momento de usá-la.

 

FIGURA

 

6. Expire o máximo possível.

 

FIGURA

 

7. Coloque o bocal do inalador na boca e feche os lábios ao redor dele. Inspire, pela boca, de maneira rápida e o mais profundamente possível. Você deve ouvir um som de vibração, como se a cápsula girasse na câmara do inalador com a dispersão do produto. Se não ouvir esse ruído, a cápsula pode estar grudada em seu compartimento; se isso ocorrer, faça pequenos movimentos sobre o inalador, a fim de desgrudar a cápsula do mesmo. Gire ou balance levemente o inalador (na posição vertical), a fim de desprender a cápsula. Não tente desprender a cápsula, apertando repetidamente os botões. 8. Quando ouvir o som de vibração, segure a respiração pelo maior tempo que você confortavelmente conseguir (aproximadamente 10 segundos); enquanto isso, retire o inalador da boca. Em seguida, respire normalmente. Abra o inalador e verifique se ainda há resíduo de pó na cápsula. Se ainda restar pó na cápsula, repita os passos de 5 a 8. 9. Após o uso, abra o inalador, remova a cápsula vazia, feche o bocal e recoloque a tampa. Limpeza do inalador: Para remoção do preparado, limpe o bocal e o compartimento da cápsula com um pano seco. Alternadamente, pode-se utilizar uma escova macia e limpa. Interrupção do tratamento: O tratamento não pode ser interrompido repentinamente, devendo ser retirado gradativamente, de acordo com a prescrição médica. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Reações adversas: Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. Poderão ser observadas infecções na boca ou na garganta, reações na pele, rouquidão, dor ou irritação na garganta. Ingestão concomitante com outras substâncias: Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja utilizando, antes do início ou durante o tratamento. Contra-indicações e precauções: O uso de MIFLONIDE é contra-indicado a pacientes com alergia à budesonida ou à lactose e em pacientes com tuberculose pulmonar.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Farmacodinâmica — A budesonida é um corticosteróide com ação tópica marcante, mas praticamente desprovido de ação sistêmica no ser humano. Quando utilizado como cápsulas para inalação por pacientes que se beneficiam da terapia com corticosteróide pode ocasionar o controle da asma geralmente dentro de 10 dias após o início do tratamento. O uso regular da budesonida reduz a inflamação crônica das vias aéreas de pacientes asmáticos. Deste modo, budesonida melhora a função pulmonar e os sintomas da asma, reduz a hiper-reatividade brônquica e previne as exacerbações da asma.

 

Farmacocinética — Absorção: A quantidade de budesonida depositada nos pulmões é rápida e completamente absorvida. O pico de concentração plasmática é atingido imediatamente após a administração. Após correção para a dose depositada na orofaringe, a biodisponibilidade absoluta é de 73%; porém, por via oral é de cerca de 10%. Distribuição: O volume de distribuição da budesonida é de cerca de 300 litros. Em experimentos com animais foram observadas altas concentrações no baço e nas glândulas linfáticas, no timo, no córtex da supra-renal, nos órgãos reprodutivos e nos brônquios. A budesonida atravessa a barreira placentária em camundongos. Não se sabe se passa para o leite materno. Metabolismo: A budesonida não é metabolizada no pulmão. Após a absorção, é metabolizada no fígado, originando vários metabólitos inativos, inclusive 6 beta-hidroxibudesonida e 16 alfa-hidroxiprednisolona. O clearance (depuração) é de 84 l/h, com meia-vida plasmática curta de 2,8 horas. Excreção: Após a inalação, 32% da dose absorvida são recuperados na urina e 15% nas fezes.

 

Indicações — Asma brônquica, para controle da inflamação das vias aéreas.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade à budesonida ou a qualquer outro componente da formulação. Uso em pacientes com tuberculose pulmonar ativa.

 

Advertências — Os pacientes devem ter conhecimento da natureza profilática do tratamento com MIFLONIDE e da necessidade de ser administrado regularmente, mesmo quando não estiverem apresentando sintomas. MIFLONIDE não produz alívio do broncoespasmo agudo, nem é adequado para o tratamento primário do estado asmático ou de outros episódios agudos de asma. São necessários cuidados especiais em pacientes com tuberculose latente, infecções fúngicas e virais das vias aéreas. Deve-se ter cautela ao tratar pacientes com distúrbios pulmonares, como bronquiectasias e pneumoconiose, em vista da possibilidade de infecções fúngicas. Durante as exacerbações agudas da asma pode ser necessário um aumento na dose de budesonida ou tratamento complementar com corticosteróides orais por um curto período de tempo e/ou antibióticos, caso ocorra infecção.

 

Precauções — Pacientes não-dependentes de corticosteróides sistêmicos: Normalmente, obtém-se efeito terapêutico em 10 dias. Em pacientes com secreção brônquica excessiva, pode-se administrar inicialmente um esquema curto adicional com corticosteróide oral (cerca de 2 semanas). Pacientes dependentes de corticosteróides sistêmicos: A transição de corticosteróides orais para budesonida deve preferencialmente ocorrer em pacientes com asma estável. Uma dose alta de budesonida é dada em combinação com a dose de corticosteróide oral previamente utilizada pelo paciente por pelo menos 10 dias. Após esta fase, a dose de corticosteróide oral deve ser gradualmente reduzida (por exemplo, 2,5 mg de prednisolona ou equivalente cada mês) até a maior redução possível. O tratamento com corticosteróides sistêmicos ou com budesonida não deve ser suspenso abruptamente. Uma precaução especial deve ser observada durante os primeiros meses em que se está havendo a troca de corticosteróide oral para a budesonida, a fim de garantir que a reserva adrenocortical destes pacientes seja adequada para contornar situações como trauma, cirurgias ou infecções graves, visto que estes pacientes podem desenvolver quadro agudo de insuficiência adrenal. A função adrenocortical deve ser monitorada regularmente. Alguns pacientes necessitam de uma dose extra de corticosteróides nessas circunstâncias; estes devem ser aconselhados a carregar um cartão com a descrição desta combinação. A substituição de corticosteróides sistêmicos por MIFLONIDE pode revelar alergias anteriormente suprimidas por corticosteróides sistêmicos, como rinite alérgica ou eczema (dermatite atópica). Essas alergias devem ser tratadas de maneira adequada com anti-histamínicos ou corticosteróides de uso local. É possível a ocorrência de broncoespasmo paradoxal. Nesse caso, deve-se descontinuar MIFLONIDE e introduzir uma terapia alternativa.

 

Gravidez e lactação — A administração de corticosteróides em animais prenhes resultou em anormalidades no desenvolvimento fetal. A relevância destes achados no homem ainda não está estabelecida. A administração durante a gravidez deve ser evitada; se o tratamento com corticosteróides durante a gravidez for imperativo, corticosteróides inalados devem ser preferidos, pois apresentam menor incidência de efeitos sistêmicos quando comparados com doses equipotentes de corticosteróides orais. Não há informação disponível sobre a passagem de budesonida para o leite materno.

 

Efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas — Não existe nenhum dado que demonstre alteração na habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas.

 

Interações medicamentosas — Não se conhecem incompatibilidades particulares de MIFLONIDE com outros medicamentos.

 

Reações adversas — Pode ocorrer uma leve irritação na garganta. Foram relatados casos de candidíase na orofaringe; é recomendado aos pacientes que enxagüem a boca e que escovem seus dentes após cada uso de MIFLONIDE. Na maioria dos casos, esta condição responde ao tratamento com antifúngico tópico sem a necessidade de descontinuar MIFLONIDE. Rouquidão pode ocorrer; este desconforto é reversível e desaparece após cessar-se a terapia ou redução da dose e/ou descanso vocal. Reações cutâneas como rash (erupção) podem ocorrer, mesmo que raramente. Assim como outras terapias inalatórias, broncoespasmo paradoxal pode ocorrer; acontecendo, o tratamento com budesonida deve ser suspenso e uma terapia alternativa deve ser instituída. Broncoespasmo paradoxal responde a broncodilatadores de rápido início de ação. Foram descritos distúrbios de comportamento em crianças.

 

Posologia e modo de administração — A dose deve ser ajustada individualmente à dose mais baixa necessária para o controle da asma. MIFLONIDE deve ser administrado regularmente todos os dias para manutenção do controle da asma. Para reduzir o risco de infecção por cândida, recomenda-se enxaguar bem a boca com água, sem engolir, após cada dose administrada. A administração é feita pelo inalador. Adultos: A dose usual de manutenção é de 200-400 mcg, duas vezes ao dia. A dose pode ser aumentada para até 400-1.600 mcg ao dia, em 2 a 4 administrações, durante as crises de asma, quando o paciente for transferido da terapia oral com corticosteróides para a terapia com MIFLONIDE ou quando a dose da corticoterapia for reduzida. Crianças (acima de 6 anos): A dose usual de manutenção é de 200 mcg, duas vezes ao dia. A dose diária máxima é de 800 mcg. MIFLONIDE deve ser utilizado sob a supervisão de adultos. A utilização do inalador deve depender da capacidade de utilização correta pela criança. Não se recomenda o uso de MIFLONIDE em crianças abaixo de 6 anos, devido à ausência de experiência clínica nessa faixa etária. Os pacientes devem ser orientados quanto ao uso apropriado do inalador para garantir que o medicamento atinja as áreas-alvo do pulmão. É importante que o paciente compreenda que a cápsula de gelatina, em raros casos, pode se quebrar e pequenos pedaços de gelatina podem atingir a boca ou a garganta após a inalação. O paciente pode ficar seguro de que a gelatina não é prejudicial e irá amolecer na boca, podendo ser assim engolida. A tendência de a cápsula se quebrar é minimizada não se perfurando a cápsula mais de uma vez.

 

Superdosagem — A toxicidade aguda da budesonida é baixa. O único efeito prejudicial que pode ocorrer após a inalação de uma grande quantidade de medicação em um curto período de tempo é a supressão do eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal (HHA). Não há necessidade de nenhuma ação emergencial. O tratamento com MIFLONIDE deve continuar com a dosagem recomendada para o controle da asma.

 

Pacientes idosos — Não há evidência de que os pacientes idosos requeiram uma posologia diferente da utilizada em pacientes adultos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Fabricado por: Pharmachemie, Holanda.

 

Embalado por: Novartis, Inglaterra.

 

Única concessionária no Brasil de Novartis AG, Suíça; resultante da fusão de Ciba-Geigy e Sandoz.

 

* Marca depositada em nome de Novartis AG, Basiléia, Suíça.

 

Serviço de Informações ao Cliente: 0800-8883003.

 

Registro no M.S. 1.0068.0093.

 

Distribuído por:

NOVARTIS Biociências S/A.

 

 

 

 

ALDACTONE(Pharmacia Brasil).

 

Espironolactona

 

 

Apresentações

ALDACTONE® 25 mg e 50 mg em embalagens contendo 30 comprimidos. ALDACTONE® 100 mg em embalagens contendo 16 comprimidos.

 

Composição

Cada comprimido de ALDACTONE® 25 mg e 50 mg contém 25 mg e 50 mg de espironolactona, respectivamente. Excipientes: Dióxido de silício coloidal, aroma hortelã-pimenta, amido de milho, lactose, celulose microcristalina, estearato de magnésio. Cada comprimido de ALDACTONE® 100 mg contém 100 mg de espironolactona. Excipientes: Sulfato de cálcio diidratado, amido de milho, polivinilpirrolidona, estearato de magnésio.

 

Indicações

Hipertensão essencial, distúrbios edematosos, tais como: edema e ascite da insuficiência cardíaca congestiva; cirrose hepática; síndrome nefrótica; edema idiopático; como terapia auxiliar na hipertensão maligna; na hipopotassemia quando outras medidas forem consideradas impróprias ou inadequadas; profilaxia da hipopotassemia e hipomagnesemia em pacientes tomando digitálicos ou quando outras medidas forem inadequadas ou impróprias. Diagnóstico e tratamento do aldosteronismo primário. Tratamento pré-operatório de pacientes com hiperaldosteronismo primário.

 

Contra-indicações

Insuficiência renal aguda, diminuição significativa da função renal, anúria e hiperpotassemia, doença de Addison ou hipersensibilidade a espironolactona.

 

Reações adversas

Ginecomastia pode se desenvolver em associação com o uso da espironolactona, e o médico deve estar alerta para sua possível instalação. O desenvolvimento da ginecomastia tanto parece estar relacionado à posologia como à duração da terapêutica, e é normalmente reversível quando o uso de ALDACTONE® é descontinuado. Em raras ocasiões, algum aumento das mamas pode persistir. Dos efeitos adversos reportados em experiência pós-marketing com espironolactona, os seguintes foram relatados com freqüência ³ 1%: distúrbios gastrintestinais, náusea, sonolência, tontura, função hepática anormal, insuficiência renal aguda, trombocitopenia, leucopenia (incluindo agranulocitose), cansaço, dor de cabeça, erupção cutânea, alopecia, hipertricose (crescimento de cabelo anormal), dor e neoplasma nos seios, mal-estar, hiperpotassemia, distúrbios eletrolíticos, alterações na libido, urticária, confusão mental, febre, ataxia, impotência, distúrbios menstruais, cãibras nas pernas. Tem sido observado carcinoma mamário em pacientes tomando espironolactona, todavia uma relação de causa e efeito não pôde ser estabelecida.

 

Posologia

Hipertensão essencial: Dose usual: 50 a 100 mg por dia, que nos casos resistentes ou severos pode ser gradualmente aumentada em intervalos de duas semanas até 200 mg/dia. A dose diária pode ser administrada em doses fracionadas ou em dose única. O tratamento deve ser mantido por no mínimo duas semanas, visto que uma resposta adequada pode não ocorrer antes deste período de tempo. A dose deverá ser, posteriormente, reajustada de acordo com a resposta do paciente. Doenças acompanhadas por edema: A dose diária pode ser administrada tanto em doses fracionadas como em dose única. Insuficiência cardíaca congestiva: Dose usual: 100 mg/dia. Em casos resistentes ou severos, a dosagem pode ser gradualmente aumentada até 200 mg/dia. Quando o edema estiver controlado, a dose habitual de manutenção deve ser determinada para cada paciente. Cirrose hepática: Se a relação urinária sódio/potássio (Na+/K+) for maior que um, a dose usual é de 100 mg/dia. Se esta relação for menor do que um, a dose recomendada é de 200 a 400 mg/dia. A dose de manutenção deve ser determinada para cada paciente. Síndrome nefrótica: Habitualmente 100 a 200 mg/dia. A espironolactona não é medicamento antiinflamatório, não tendo sido demonstrado afetar o processo patológico básico, e seu uso é aconselhado somente se os glicocorticóides isoladamente administrados não forem suficientemente eficazes. Edema idiopático: A dose habitual é de 100 mg por dia. Edema em crianças: A dose diária inicial é de aproximadamente 3,3 mg por kg de peso administrada em dose fracionada. A dosagem deverá ser ajustada com base na resposta e tolerabilidade do paciente. Se necessário pode ser preparada uma suspensão triturando os comprimidos de ALDACTONE®com algumas gotas de glicerina e acrescentando líquido com sabor. Tal suspensão é estável por um mês quando mantida em local refrigerado. Diagnóstico e tratamento do aldosteronismo primário: ALDACTONE® pode ser empregado como uma medida diagnóstica inicial para estabelecer evidência de aldosteronismo primário enquanto o paciente estiver em dieta normal. Teste a longo prazo: ALDACTONE® é administrado em uma dosagem diária de 400 mg por 3 ou 4 semanas. Correção da hipopotassemia e da hipertensão revela evidência presuntiva para o diagnóstico de hiperaldosteronismo primário. Teste de curto prazo: ALDACTONE® é administrado em uma dosagem diária de 400 mg por 4 dias. Se o potássio sérico se eleva durante a administração de ALDACTONE®, porém diminui quando é descontinuado, o diagnóstico presuntivo de hiperaldosteronismo primário deve ser considerado. Quando o diagnóstico de hiperaldosteronismo for bem estabelecido por testes mais definitivos, ALDACTONE® pode ser administrado em doses diárias de 100 a 400 mg como preparação para a cirurgia. Para pacientes considerados não-aptos para cirurgia, ALDACTONE® pode ser empregado como terapia de manutenção a longo prazo, com o uso da menor dose efetiva individualizada para cada paciente. Hipertensão maligna: Somente como terapia auxiliar e quando houver excesso de secreção de aldosterona, hipopotassemia e alcalose metabólica. A dose inicial é de 100 mg/dia, aumentada quando necessário a intervalos de duas semanas para até 400 mg/dia. A terapia inicial pode incluir também a combinação de outras drogas anti-hipertensivas à espironolactona. Não reduzir automaticamente a dose dos outros medicamentos como recomendado na hipertensão essencial. Hipopotassemia/hipomagnesemia: A dosagem de 25 mg a 100 mg por dia é útil no tratamento da hipopotassemia e/ou hipomagnesemia induzida por diuréticos, quando suplementos orais de potássio ou magnésio forem considerados inadequados.

 

 

 ALDAZIDA 50 (Pharmacia Brasil). Espironolactona, hidroclorotiazida. Diurético. Emb. com 30 comp.

 

 

 CELEBRA (Pharmacia Brasil). Celecoxib. Antiinflamatório. Cx. com 20 cáp. de 100 mg; cx. com 10 e 30 cáp. de 200 mg.

 

 

 AROMASIN (Pharmacia Brasil). Exemestano. Antineoplásico. Cx. com 30 dr. de 25 mg.

 

 

 ARACYTIN CS (Pharmacia Brasil). Citarabina. Antileucêmico. Cart. com 5 fr.-amp. de 100 mg em 5 ml; cart. com 1 fr.-amp. de 500 mg em 25 ml ou 1 g em 10 ml.

 

 

 FARMORUBICINA CS (Pharmacia Brasil). Cloridrato de epirrubicina. Antibiótico antineoplásico. Fr.-amp. com 10, 20, 50 e 200 mg.

 

 

 DILTIZEM (Pharmacia Brasil). Cloridrato de diltiazem. Vasodilatador coronariano, hipotensor. Fr. com 60 comp. de 60 mg.

 

 

 DRENOL (Pharmacia Brasil). Hidroclorotiazida. Diurético. Emb. com 30 comp. de 50 mg.

 

 

 FARLUTAL (Pharmacia Brasil). Acetato de medroxiprogesterona. Reposição hormonal. Cx. com 14 e 20 comp. de 5 mg; cx. com 14 comp. de 2,5 mg; cx. com 10, 14 e 20 comp. de 10 mg.

 

 

 GINO-PLETIL (Pharmacia Brasil).Tinidazol, nitrato de miconazol. Tricomoníase e candidíase vaginal. Bisn. com 45 g de creme + 7 aplicadores.

 

 

 

 

GYNO-ZALAIN (Pharmacia Brasil).

 

Nitrato de sertaconazol

 

Composição

Cada grama do creme contém: Nitrato de sertaconazol 20 mg. Veículo: Estearato e palmitato de etilenoglicol, glicerídios saturados C10-C18 polioxietileno e glicolisado mono e diisoestearato de glicerol, vaselina líquida, metilparabeno, ácido sórbico, água deionizada q.s.p.

 

Indicações

GYNO-ZALAIN®  (sertaconazol) Creme vaginal está indicado no tratamento tópico de vulvovaginites causadas por Candida e outros patógenos sensíveis ao sertaconazol.

 

Contra-indicações

Ainda não foram relatadas contra-indicações específicas para o uso do produto. GYNO-ZALAIN®creme vaginal é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao sertaconazol ou outros derivados azólicos.

 

Reações adversas

GYNO-ZALAIN®  (sertaconazol) creme vaginal é bem tolerado. Seus efeitos adversos são, em geral, leves e transitórios; os mais característicos podem ser: Ocasionalmente: Alterações geniturinárias (sensação de queimação uretral, prurido vaginal, vaginite, retenção urinária, cistite). Raramente: Alterações alérgicas/dermatológicas (eritema, erupções exantemáticas, prurido, dermatite de contato) e neurológicas (cefaléia). O tratamento deve ser suspenso imediatamente caso o paciente apresente algum episódio intenso de cefaléia, irritação e/ou hipersensibilidade. O médico deverá ser comunicado se aparecerem outras manifestações clínicas.

 

Posologia

Aplicar profundamente na vagina o conteúdo do aplicador (aproximadamente 5 g) uma vez ao dia, durante 7 dias seguidos. Fica a critério do médico indicar o tratamento simultâneo do cônjuge.

 

Apresentação

Creme vaginal: Caixa contendo 1 bisnaga com 40 g + 7 aplicadores.

 

 

 KITNOS (Pharmacia Brasil). Etofamida. Amebíase. Cx. com 6 comp. de 500 mg; vd. com 100 ml de susp. com 20 mg/ml.

 

 

 MAXAQUIN(Pharmacia Brasil). Cloridrato de lomefloxacino. Antibacteriano. Cx. com 3 e 7 comp. de 400 mg.

 

 

 MINIDIAB (Pharmacia Brasil). Glipizida. Antidiabético. Cx. com 30 comp. de 5 mg.

 

 

 

 

Naxogin®

 

Nimorazol

 

Composição — NAXOGIN 500: Cada comprimido contém: Nimorazol 500 mg; Excipientes q.s. NAXOGIN Xarope extemporâneo: Cada 10 ml contém: Nimorazol 250 mg; Excipiente q.s.

 

Indicações — No tratamento das infecções urogenitais causadas por germes sensíveis aos componentes da fórmula.

 

Contra-indicações — Analogamente a outros medicamentos da mesma classe terapêutica, o nimorazol não deve ser administrado na gravidez comprovada ou suposta.

 

Reações adversas — Náuseas, pirose, gastralgias e vômitos são pouco freqüentes e de pequena intensidade, não impedindo a continuação do tratamento.

 

Posologia — Tricomoníase urogenital: Comprimidos de 250 mg: Na mulher e no homem dose única de 2 g (isto é, 8 comprimidos de uma única vez) ou dose fracionada de 4 comprimidos à noite e, no dia seguinte, 4 pela manhã e 4 à noite. Comprimidos de 500 mg: Na mulher e no homem dose única de 2 g (isto é, 4 comprimidos de uma só vez) ou dose fracionada de 2 comprimidos à noite e, no dia seguinte, 2 pela manhã e 2 à noite. O tratamento simultâneo da mulher e do homem previne o aparecimento de reinfestações e promove melhores índices de cura. Os comprimidos devem ser tomados, de preferência, após as refeições. Giardíase: Xarope extemporâneo: Crianças com menos de 10 anos: 1/2 copo-medida ou 1/2 colher das de sobremesa de xarope extemporâneo (5 ml), três vezes ao dia, durante 2 dias. Crianças com mais de 10 anos: 1 copo-medida ou 1 colher das de sobremesa de xarope extemporâneo (10 ml), duas vezes ao dia, durante 2 dias. Comprimidos: Adultos: 2 comprimidos de 250 mg, duas vezes ao dia, durante 2 dias ou 1 comprimido de 500 mg, duas vezes ao dia, durante 2 dias. O mesmo resultado terapêutico pode ser obtido em apenas 24 horas com 2 comprimidos de 500 mg, duas vezes ao dia.

 

Apresentação — NAXOGIN 500: Caixa com 8 comprimidos. NAXOGIN Xarope

extemporâneo: Frasco contendo 30 g do granulado para obtenção de 60 ml de

xarope.

 

NAXOGIN Xarope: Registro no M.S. 1.3548.0111.001.

NAXOGIN Comprimido: Registro no M.S. 1.3548.0111.002.

 

Laboratórios PFIZER Ltda.

 

 

 NAXOGIN COMPOSTO (Pharmacia Brasil). Nimorazol, cloranfenicol, nistatina. Vulvovaginites. Emb. com 10 comp. vag. + aplicador.

 

 

 NITRADISC (Pharmacia Brasil). Nitroglicerina. Vasodilatador coronariano. Cx. com 7 discos com 18 e 36 mg.

 

 

 PLETIL ADULTO (Pharmacia Brasil). Tinidazol. Tricomonicida, giardicida, amebicida. Cx. com 4 e 8 comp. rev. de 500 mg.

 

 

 

 

QUEMICETINA(Pfizer).

 

Composição

Cloranfenicol.

 

Indicação

Antibiótico.

 

Apresentação

Caixa com 20 e 100 drágeas de 250 mg e 500 mg; vidro com 100 ml de xarope com 156 mg/5 ml.

 

 

 

 

Synarel®

 

Nafarelina

 

 

Composição — Cada ml contém: Acetato de nafarelina (base) 2,0 mg*. Veículos: Sorbitol, cloreto de benzalcônio, ácido acético glacial, solução de hidróxido de sódio ou solução de ácido clorídrico (para acerto de pH), água deionizada. (*Por dose. Uma dose corresponde a 0,100 ± 0,02 ml, que contêm 0,160 a 0,240 mg de nafarelina base). Cada aplicação nasal libera 200 mcg de nafarelina.

 

Indicações — SYNAREL®(nafarelina) é indicado para: Tratamento das endometrioses genital e extragenital, incluindo alívio da dor e redução das lesões endometriais; tratamento clínico do leiomioma uterino antes da miomectomia ou histerectomia planejada, incluindo alívio dos sintomas, redução do fibroma e do volume uterino; estimulação ovariana controlada prévia à fertilização in vitro.

 

Contra-indicações — Gravidez, lactação, sangramento vaginal de causa não-determinada, hipersensibilidade a fármacos similares à nafarelina, hipersensibilidade a algum de seus componentes.

 

Reações adversas — O início do tratamento com nafarelina pode causar exacerbação transitória da endometriose e de outros sintomas do desequilíbrio estrogênico. O tratamento crônico pode induzir um estado menopáusico. Em aproximadamente 0,2% das pacientes, ocorreram sintomas sugestivos de hipersensibilidade à droga, como dor no peito, prurido, rash, dispnéia e urticária. Nos estudos clínicos controlados conduzidos com a dose de 400 mcg/dia de nafarelina, as reações adversas mais freqüentemente relatadas foram do tipo hipoestrogênico, incluindo alterações da libido, labilidade emocional, cefaléia, fogachos, insônia, ressecamento vaginal e do tipo androgênico, incluindo acne, alterações do peso, redução das mamas, edema, hirsutismo, mialgia, seborréia e irritação da mucosa nasal. Em outros estudos clínicos e durante a farmacovigilância pós-comercialização da nafarelina, foram observados alopecia, sintomas artríticos, depressão e parestesia. Também podem ocorrer alterações da pressão sangüínea. Alterações na densidade óssea: A nafarelina pode induzir diminuição da mineralização óssea, a qual é recuperada em sua maior parte ao término da terapia. Após um período de 6 meses de tratamento, a perda do conteúdo mineral ósseo não é significativa. Observou-se em adultos tratados durante 6 meses uma pequena diminuição do conteúdo mineral do rádio distal e do segundo metacarpo. Houve redução da densidade óssea trabecular vertebral e da massa óssea vertebral total, medidas por tomografia computadorizada, de 8,7% e 4,3%, respectivamente, em relação ao pré-tratamento. No período pós-tratamento, houve uma recuperação substancial da densidade óssea, representada por diminuição dos valores médios da densidade óssea trabecular vertebral e massa óssea vertebral total, em relação ao pré-tratamento, de 4,9% e 3,3%, respectivamente. Nas determinações por absorciometria bifotônica, a massa óssea vertebral total diminuiu, em média, 5,9% ao término do tratamento. As determinações repetidas 6 meses após o término do tratamento revelaram que a diminuição da massa óssea vertebral total foi de 1,4%, em relação aos valores pré-tratamento. Em pacientes com história familiar de osteoporose, ou que fazem uso de álcool e/ou tabaco, ou que fazem tratamento com drogas conhecidas por reduzir a massa óssea, tais como, anticonvulsivantes ou corticosteróides, há maior risco de perda do conteúdo mineral ósseo durante o tratamento.

 

Posologia — Uso adulto (via intranasal): Cada pulverização de SYNAREL® libera aproximadamente 100 mcl de solução, que correspondem a uma dose de 200 mcg de nafarelina. A paciente deve inclinar a cabeça ligeiramente para trás, depois de aplicar o produto e obedecer a um intervalo de 30 segundos entre cada pulverização.

 

Apresentação — Solução nasal: Embalagem com 1 frasco de 8 ml.

 

Registro no M.S. 1.3548.0002.002.

 

PHARMACIA Brasil Ltda.

 

 

 

 

TRAMAL (Pfizer).

 

Composição

Cloridrato de tramadol.

 

Indicação

Analgésico.

 

Apresentação

Caixa com 10 cápsulas de 50 mg; frasco com 10 ml de solução com 100 mg/ml (40 gotas); caixa com 5 supensão de 100 mg; caixa com 6 ampolas de 2 ml com 100 mg; caixa com 10 comprimidos retard de 100 mg.

 

 

 

 

Tricerol®

 

Etofibrato

 

 

Composição — Cada cápsula de liberação lenta de TRICEROL® contém 500 mg de etofibrato. Excipientes: Açúcar, amido de milho, ácido esteárico, polietilenoglicol 4000.

 

Indicações — TRICEROL® (etofibrato) é indicado como hipolipemiante, naqueles pacientes que não respondem a uma dieta adequada.

 

Contra-indicações — Afecções hepáticas (exceto degeneração gordurosa do fígado, que acompanha freqüentemente a hipertrigliceridemia), afecções da vesícula biliar, distúrbios graves da função renal, insuficiência cardíaca descompensada, infarto do miocárdio recente, hemorragias agudas, colecistopatias, gravidez e lactação. TRICEROL® (etofibrato) é contra-indicado a pacientes que apresentem hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula e conhecida hiperfotossensibilidade após a ingestão de medicamentos contendo uma substância ativa do grupo dos fibratos (agentes redutores de lipídios específicos).

 

Reações adversas — Durante o tratamento com TRICEROL® (etofibrato) podem ocorrer manifestações cutâneas associadas ao ácido nicotínico, tais como hiperemia, sensação de calor e formigamento, que podem associar-se a prurido e exantema cutâneo. Freqüentemente, estes efeitos secundários desaparecem totalmente durante o tratamento. Além disto, em casos isolados podem ocorrer alterações gastrintestinais como náuseas, sensação de plenitude gástrica, constipação, diarréia e meteorismo. Casos raros de alopecia, distúrbios da potência, dores musculares, palpitações, taquicardia, sudorese, angústia e cefaléia foram relatados. Foi observada uma maior incidência de cálculos biliares em pacientes submetidos à terapia hipolipemiante. O possível aumento de tamanho dos cálculos biliares durante o tratamento com TRICEROL® é objeto de controvérsia. Raramente poderão ocorrer reações de fotossensibilidade cutânea, após exposição à luz solar ou luz artificial UV, como vermelhidão, coceira, bolha ou formação de nódulo, mesmo que o produto tenha sido bem tolerado durante vários meses de tratamento. A administração deve ser descontinuada se essas manifestações ocorrerem. Relatou-se um caso em que os sintomas de angina pectoris foram elevados. Recomenda-se, nesses casos, administrar TRICEROL® à noite, pois o stress físico está minimizado.

 

Posologia — A posologia usual é uma cápsula de TRICEROL® (etofibrato) ao dia, de preferência após o jantar. Se, excepcionalmente, o paciente tiver problemas de deglutição, pode-se abrir a cápsula e ingerir o seu conteúdo com auxílio de uma colher de chá, sem mastigar, com um pouco de líquido. Administrado desta forma, o medicamento não perde a sua eficácia. Como em qualquer tratamento prolongado, também aqui existe a necessidade de uma vigilância constante: os níveis lipídicos devem ser controlados regularmente e, ao mesmo tempo, possíveis efeitos colaterais devem ser observados e a necessidade da continuação do tratamento avaliada. Em pacientes com insuficiência renal, a posologia de TRICEROL® deverá ser adaptada ao clearance de creatinina. Para níveis séricos de creatinina entre 16 e 25 mg/l recomenda-se 1 cápsula ao dia, e para níveis de 26-60 mg/l 1 cápsula a cada 2 dias. A dosagem apropriada em crianças ainda não foi bem estudada, portanto, é imperativo um diagnóstico preciso.

 

Apresentações — TRICEROL® Cápsulas de liberação lenta em caixas contendo 20 e 30 unidades.

 

Registro no M.S. 1.3548.0025.

 

Laboratórios PFIZER Ltda.

 

 

 TROFODERMIN (Pharmacia Brasil). Acetato de clostebol, sulfato de neomicina. Cicatrizante. Bisn. com 30 g de creme dermatológico; bisn. com 45 g de creme ginecológico + 8 aplicadores.

 

 

 CISTICID (Merck). Praziquantel. Anti-helmíntico (cisticercose). Emb. com 50 comp. de 500 mg.

 

 

 ZALAIN (Pharmacia Brasil). Nitrato de sertaconazol. Antimicótico. Fr. com 20 g de pó; bisn. com 20 g de creme; fr. spray com 20 ml de sol.; fr. com 80 ml de gel tópico.

 

 

 LOMOTIL (Pharmacia Brasil). Cloridrato de difenoxilato, sulfato de atropina. Diarréias. Emb. com 10 comp.

 

 

 DEPO-PROVERA (Pharmacia Brasil). Acetato de medroxiprogesterona. Progestogênio. Fr.-amp. de 1 ml com 50 mg.

 

 

 

 

Zyvox™

 

Linezolida

 

Solução para infusão

Comprimido revestido

 

 

Composição — Cada ml da solução para infusão de ZYVOX™ contém 2 mg de linezolida. Excipientes: Monoidrato de glicose, citrato de sódio, ácido cítrico anidro, ácido clorídrico/hidróxido de sódio e água para injeção. Cada comprimido revestido de ZYVOX™ contém 600 mg de linezolida. Excipientes: Celulose microcristalina, amido de milho, glicolato de amido sódico, hidroxipropilcelulose, estearato de magnésio. Revestimento: Hidroxipropilmetilcelulose, dióxido de titânio, polietilenoglicol, cera de carnaúba, corantes para impressão preto FGE 1386 e vermelho Opacode FGE 15040, opadry branco.

 

Indicações — ZYVOX™ (linezolida) está indicado no tratamento de infecções presumidas ou comprovadamente causadas por bactérias sensíveis. Entre estas infecções bacterianas se destacam as associadas com bacteremia concomitante como, por exemplo: pneumonia hospitalar ou adquirida na comunidade; infecções de pele e de tecidos moles; infecções enterocócicas, incluindo aquelas causadas por cepas de Enterococcus faecium e Enterococcus faecalis resistentes à vancomicina. O tratamento combinado com outros antibióticos pode estar indicado caso se suspeite ou confirme a presença concomitante de outra bactéria que não faça parte do espectro de ação da linezolida, como é o caso das bactérias Gram-negativas, em geral.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade à linezolida ou a qualquer dos excipientes da fórmula da apresentação farmacêutica indicada para o uso.

 

Reações adversas — Geral: Cefaléia, monilíase ou infecção fúngica; calafrios, fadiga, febre, dor no local da injeção, flebite/tromboflebite, dor localizada. Sistema linfático e sangue: Anemia, eosinofilia, leucopenia, neutropenia, trombocitopenia. Metabolismo e nutrição: Nível sérico aumentado de creatina-fosfoquinase, hiperglicemia. Sistema nervoso: Tontura, hipoestesia, insônia, parestesia. Sentidos especiais: Perversão do paladar (sabor metálico); visão turva, zumbido. Sistema cardiovascular: Hipertensão arterial; hipotensão arterial. Sistema gastrintestinal: Dor abdominal, cãibra ou distensão; diarréia; náuseas; vômitos; obstipação, boca seca, dispepsia, gastrite, glossite, sede aumentada, pancreatite, estomatite, distúrbios ou manchas na língua. Pele: Dermatite, diaforese, prurido, exantema, urticária. Sistema urogenital: Monilíase vaginal; distúrbio vulvovaginal, poliúria, vaginite. Anormalidades laboratoriais: Parâmetros químicos: Níveis aumentados de bilirrubina total, TGO (AST), TGP (ALT), DHL (LDH), fosfatase alcalina, uréia (BUN), creatina-quinase, lipase, amilase ou glicose (não em jejum). Níveis reduzidos de proteína total, albumina, sódio, cálcio. Níveis aumentados ou reduzidos de potássio ou bicarbonato. Níveis aumentados de creatinina, sódio, cálcio. Níveis reduzidos de glicose (não em jejum). Níveis aumentados ou reduzidos de cloreto. Hematologia: Número aumentado de neutrófilos ou eosinófilos. Níveis reduzidos de hemoglobina, hematócrito ou número de eritrócitos. Número aumentado ou reduzido de plaquetas ou leucócitos. Número aumentado de reticulócitos; número reduzido de neutrófilos.

 

Posologia— ZYVOX™ (linezolida), nas apresentações de solução para infusão ou comprimidos revestidos, pode ser usado tanto como tratamento inicial quanto para a substituição ou continuidade de outros tratamentos em infecções bacterianas (ver Indicações). Os pacientes que iniciam o tratamento com a formulação parenteral podem passar a receber a formulação oral, quando clinicamente indicado. Nessas circunstâncias, não é necessário nenhum ajuste posológico, visto que a linezolida possui uma biodisponibilidade de aproximadamente 100%. A solução para infusão deve ser administrada durante 30 a 120 minutos. Os comprimidos revestidos podem ser administrados com ou sem alimentos. A dose recomendada de linezolida deve ser administrada por via intravenosa ou por via oral, duas vezes ao dia.

 

Duração e dosagens recomendadas: Adultos:

 

Infecções (incluindo as associadas                                 Duas doses diárias e                                         Duração do tratamento

com bacteremia concomitante)                                      via de administração

 

Pneumonia adquirida na

comunidade                                                                         600 mg por via IV ou oral                                 10-14 dias consecutivos

Pneumonia hospitalar

Infecções de pele e tecidos moles                                   400 mg a 600 mg, por via

                                                                                                oral, ou 600 mg, por via IV,

                                                                                                dependendo da gravidade

                                                                                                do quadro clínico

Infecções enterocócicas                                                    600 mg, por via IV ou oral                                14-28 dias consecutivos

 

A duração do tratamento é variável. Ela depende do patógeno, local e gravidade da infecção e da resposta clínica do paciente. Até o presente, a duração máxima avaliada para tratamento foi de 28 dias. Crianças (com mais de 5 anos de idade): A dose recomendada é de 10 mg/kg de peso corporal, via oral, duas vezes ao dia, até a dose máxima de 600 mg, duas vezes ao dia.

 

Peso corporal (kg)                             Duas doses diárias (mg)

5                                                       50

10                                                     100

15                                                     150

20                                                     200

 

O uso da linezolida em crianças é corroborado por evidências dos estudos farmacocinéticos em Pediatria e estudos adequados e bem controlados em adultos com dados de segurança e eficácia adicionais provenientes de estudos controlados não-comparativos em pacientes pediátricos. Pacientes idosos e pacientes do sexo feminino: Não é necessário ajuste posológico. Pacientes com insuficiência renal: Não é necessário ajuste posológico. Recomenda-se, entretanto, que a linezolida seja administrada após a realização da hemodiálise. Pacientes com insuficiência hepática: Não é necessário ajuste posológico nos casos de insuficiência leve a moderada.

 

Apresentações — ZYVOX™ Solução para infusão a 2 mg/ml: Caixas com 10 bolsas de 300 ml. ZYVOX™ 600 mg: Cartuchos com 10 comprimidos revestidos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.2389.0078.

 

PHARMACIA Brasil Ltda.

 

 

 NAN 2 PROBIÓTICO (Nestlé).  Fórmula infantil de seguimento probiótico.  Preparo: 1 medida rasa para cada 30 ml de água.

 

 

 CITOCAÍNA 3% (Cristália). Cloridrato de prilocaína, felipressina. Anestésico local. Emb. com 50 tubetes de 1,8 ml.

 

 

 

 

Citoneurin® 1000 solução injetável

Citoneurin® 5000 solução injetável

 

Cloridrato de tiamina, cloridrato de piridoxina, cianocobalamina

 

Uso intramuscular — adulto

 

 

Formas farmacêuticas e apresentações — CITONEURIN®1000 SOLUÇÃO INJETÁVEL: Embalagem contendo 3 ampolas de 3 ml. CITONEURIN® 5000 SOLUÇÃO INJETÁVEL: Embalagem contendo 3 ampolas de 3 ml.

 

Composição — CITONEURIN® 1000: Cada ampola de 3 ml contém: Vitamina B1 (cloridrato de tiamina) 100 mg; Vitamina B6 (cloridrato de piridoxina) 100 mg; Vitamina B12 (cianocobalamina) 1.000 mcg. CITONEURIN® 5000: Cada ampola de 3 ml contém: Vitamina B1 (cloridrato de tiamina) 100 mg; Vitamina B6 (cloridrato de piridoxina) 100 mg; Vitamina B12 (cianocobalamina) 5.000 mcg.

 

Indicações — Antineurítico, antineurálgico; suplemento vitamínico.

 

Contra-indicações — Reconhecida hipersensibilidade à tiamina ou a qualquer outro componente do produto e em pacientes parkinsonianos em uso de levodopa isolada.

 

Precauções e advertências — São para uso em adultos, não havendo restrições ao seu emprego durante a gravidez. Nos pacientes com anemia macrocítica, o tratamento não deve ser interrompido bruscamente. Salicilatos, colchicina, aminoglicosídeos, cloranfenicol, anticonvulsivantes, assim como suplementos de potássio, podem diminuir a absorção intestinal da vitamina B12.

 

Reações adversas/colaterais e alterações de exames laboratoriais — Eritema, prurido, náuseas, vômitos e reação anafilática pela hipersensibilidade à tiamina. Dor e irritação no local da aplicação.

 

Posologia — Neurites e neuralgias: Em casos graves, aplica-se uma ampola por via intramuscular profunda, diariamente, até o desaparecimento dos sintomas dolorosos agudos. A seguir, uma ampola, a cada dois ou três dias. Nos casos mais leves, uma ampola, duas ou três vezes por semana, pode ser suficiente. Anemia perniciosa: Uma ampola por via intramuscular profunda, a cada dois ou três dias, até normalização do hemograma. Nos casos mais graves, administrar uma ampola intramuscular em dias alternados; a dose de manutenção será estabelecida individualmente.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-265900.

 

Registro no M.S. 1.0089.0015.

 

MERCK S.A.

 

 

 

 

Solaquin®

 

Hidroquinona 4%

 

Uso adulto e crianças acima de 12 anos

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Creme a 4%: Caixa com 1 bisnaga de 30 g.

 

Composição — Cada g de creme contém: Hidroquinona 40 mg. Excipientes: Padimato O, oxibenzona, octilmetoxicinamato, álcool estearílico, monoestearato de glicerila, estearato de polioxila, monoestearato de sorbitol, propilenoglicol, metilparabeno, propilparabeno, bissulfito de sódio, EDTA dissódico, silicato de magnésio e alumínio, água purificada.

 

Informação ao paciente — Ação esperada do medicamento: SOLAQUIN® Creme é indicado para o clareamento gradual de melasmas ou cloasmas (manchas provocadas pelo sol ou por fontes artificiais de irradiação, que comprometem o rosto, sendo comuns em homens e mulheres; nas mulheres, podem estar associadas à gravidez ou ao uso de anticoncepcionais orais), sardas (manchas provocadas pelo sol, que aparecem em pessoas muito jovens e de pele muito clara, normalmente na face, comuns já desde a infância), lentigos senis ou melanose solar (manchas provocadas pelo sol, que aparecem em áreas expostas, como dorso das mãos, antebraços e colo, geralmente em pessoas adultas ou idosos que se expuseram muito ao sol), e em outras condições nas quais ocorrem hiperpigmentação cutânea por produção excessiva de melanina. SOLAQUIN®Creme possui também três filtros solares (padimato O, oxibenzona e octilmetoxicinamato) que auxiliam a diminuição da ação danificadora da luz sobre a pele e que conferem ao produto FPS15. SOLAQUIN® Creme não deve ser utilizado como protetor solar. Evite exposição ao sol após utilizar este produto. Cuidados de armazenamento: Conservar o produto hermeticamente fechado, à temperatura ambiente (15°C a 30°C), ao abrigo da luz e da umidade. Prazo de validade: O produto tem prazo de validade de 24 meses a partir da data de fabricação. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pode ser prejudicial para a sua saúde. Gravidez e lactação: A segurança do produto em gestantes e mulheres em fase de amamentação ainda não foi estabelecida. Nestes casos o produto somente pode ser usado quando for claramente necessário e sob rigoroso acompanhamento médico. Em crianças menores de 12 anos a segurança e a eficácia do uso de hidroquinona não foram determinadas. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando. Cuidados na administração: Aplicar uma fina camada do produto na área a ser tratada, duas vezes ao dia, ou conforme orientação médica. Evitar exposição ao sol enquanto estiver fazendo uso de SOLAQUIN® Creme. Caso haja exposição intensa ao sol (praia, piscina, caminhadas, etc.) é aconselhável a utilização de um bloqueador solar, conforme orientação de seu dermatologista. Após o clareamento da pele deve-se proteger as áreas tratadas da radiação solar com a aplicação diária de protetores ou bloqueadores solares ou pelo uso de roupas protetoras, a fim de prevenir a repigmentação das áreas cutâneas tratadas. Após o rompimento do lacre da bisnaga de SOLAQUIN® Creme, e sempre após o uso do produto, a tampa e o bico devem ser limpos com lenço de papel para evitar o escurecimento dos mesmos, o que é normal em virtude da oxidação da hidroquinona, quando em contato com o ar. Caso isto ocorra o produto pode ser utilizado normalmente, tomando-se o cuidado de desprezar a parte escurecida do creme no bico da bisnaga. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Interrupção de tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Somente ele sabe o momento correto de interromper o tratamento. Reações adversas: Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis como vermelhidão, coceira, inflamação excessiva, vesículas (bolhas) e sensação leve de queimação. Outras reações menos freqüentes, como manchas marrons reversíveis nas unhas, também estão relacionadas com o uso de hidroquinona. Se o produto for utilizado por um período muito longo pode ocorrer hiperpigmentação, especialmente em áreas da pele expostas ao sol. Suspender o uso se surgirem irritações e contatar o seu médico. Utilização concomitante com outros medicamentos: SOLAQUIN® Creme não deve ser utilizado como protetor solar ou para o clareamento de cílios e supercílios. O uso combinado de hidroquinona com produtos contendo peróxido (peróxido de benzoíla, água oxigenada) pode provocar um escurecimento transitório da pele nas áreas tratadas. Este escurecimento pode ser removido pela descontinuação do uso concomitante das preparações e pela limpeza normal das áreas atingidas. Contra-indicações e precauções: SOLAQUIN® Creme é contra-indicado a pessoas hipersensíveis à hidroquinona e aos filtros solares presentes na formulação. O produto não deve entrar em contato com os olhos. Caso ocorra contato acidental, lavar os olhos com bastante água e contatar imediatamente o seu médico. Se o produto entrar em contato com os lábios pode ocorrer um efeito anestésico e sensação amarga. SOLAQUIN® Creme não deve ser usado na pele irritada e na presença de queimaduras solares. SOLAQUIN® Creme não deve ser utilizado durante a gravidez e a lactação, a não ser quando for claramente necessário e sob rigoroso acompanhamento médico. Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Riscos de automedicação.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — Havens e Tramposch observaram que a hidroquinona atuaria, não como inibidora da tirosinase, mas como um substrato alternativo da enzima, competindo com a tirosina por esta enzima. Palumbo et al. (1992) comprovaram que o efeito inibitório da hidroquinona na melanogênese seria o resultado de uma competição eficaz da mesma com a tirosina pela enzima tirosinase.

 

Indicações — SOLAQUIN® Creme é indicado no clareamento gradual de manchas como melasmas, sardas, lentigos senis e outras condições em que ocorre hiperpigmentação por produção excessiva de melanina.

 

Contra-indicações — SOLAQUIN® Creme é contra-indicado a pacientes hipersensíveis à hidroquinona e aos filtros solares presentes na formulação.

 

Precauções e advertências — A segurança do produto em gestantes e mulheres em fase de amamentação ainda não foi estabelecida e, portanto, a relação risco-benefício deve ser avaliada para o uso do produto nestas condições. Em crianças menores de 12 anos a segurança e a eficácia do uso da hidroquinona não foram determinadas. SOLAQUIN® Creme não deve ser utilizado em grandes áreas do corpo. O produto não deve entrar em contato com os olhos. Se o produto entrar em contato com os lábios pode ocorrer um efeito anestésico e uma sensação amarga. SOLAQUIN® Creme não deve ser usado na pele irritada e na presença de queimaduras solares. SOLAQUIN® Creme não deve ser utilizado como protetor solar ou para clareamento de cílios e supercílios. Após o clareamento da pele deve-se evitar exposição das áreas tratadas ao sol com a aplicação de protetores ou bloqueadores solares, ou pelo uso de roupas protetoras, a fim de prevenir a repigmentação. Para avaliar a hipersensibilidade do paciente ao produto sugere-se aplicá-lo inicialmente em uma pequena parte de pele íntegra, na área que apresenta as manchas ou próximo a ela, por 24 horas. O aparecimento de leve vermelhidão não é necessariamente uma contra-indicação, mas o tratamento deve ser suspenso se ocorrerem reações como prurido, inflamação excessiva ou formação de vesículas (bolhas).

 

Interações medicamentosas — O uso combinado de hidroquinona com produtos contendo peróxido (peróxido de benzoíla, água oxigenada) pode provocar um escurecimento transitório da pele nas áreas tratadas. Este escurecimento pode ser removido pela descontinuação do uso concomitante das preparações e pela limpeza normal das áreas atingidas.

 

Reações adversas — A hidroquinona pode causar reações, como eritema, sensação leve de queimação e hipersensibilidade ocasional, como dermatite de contato localizada. Outras reações menos freqüentes, como ocronose e manchas marrons reversíveis nas unhas, também estão relacionadas ao uso de hidroquinona. Pode ocorrer hiperpigmentação, especialmente em áreas da pele expostas ao sol, se o produto for utilizado por um longo período. Não foram relatadas reações adversas sistêmicas advindas do uso de hidroquinona tópica.

 

Posologia — Aplicar uma fina camada de SOLAQUIN® Creme na área a ser tratada, duas vezes ao dia, uma de manhã e outra à noite ou a critério médico. O produto deve ser utilizado até a despigmentação adequada da pele, devendo ser aplicado por mais alguns dias como dose de manutenção. Caso não seja observada a despigmentação esperada após 2 meses de aplicação do produto o tratamento deve ser descontinuado e o médico notificado.

 

Superdosagem — Não foram relatadas reações adversas sistêmicas com o uso de hidroquinona tópica. Entretanto, SOLAQUIN® Creme deve ser aplicado em pequenas partes do corpo, visto que alguns pacientes apresentaram eritema transitório e uma leve sensação de queimação.

 

Pacientes idosos — Não existem restrições de uso para pacientes idosos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

® Marca Registrada.

 

SAC ICN (Serviço de Atendimento ao Consumidor ICN): 0800-166116.

 

Registro no M.S. 1.0575.0054.002-1.

 

ICN Farmacêutica Ltda.

Uma empresa do grupo Valeant Pharmaceuticals International — EUA.

 

 

 

 

Oxipelle®

 

Oxiconazol

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Formas farmacêuticas e apresentações — OXIPELLE®Creme a 1%: Cartucho contendo 1 bisnaga de alumínio com 20 g. OXIPELLE® Solução a 1%: Cartucho contendo 1 frasco plástico com 20 ml.

 

Composição — Cada g de OXIPELLE® Creme contém: Nitrato de oxiconazol equivalente a 10,00 mg de oxiconazol. Excipientes: Álcool estearílico, vaselina branca, polissorbato 60, propilenoglicol, nipagin, nipasol e água purificada. Cada ml de OXIPELLE® Solução contém: Nitrato de oxiconazol equivalente a 10,00 mg de oxiconazol. Excipientes: Propilenoglicol, álcool benzílico e álcool etílico.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: OXIPELLE®é utilizado para o tratamento de todas as formas de micose superficial da pele, assim como as que afetam as dobras cutâneas, inclusive o pé-de-atleta (frieira), tronco, couro cabeludo e área genital externa (no tratamento profilático do parceiro). Cuidados de armazenamento: Conservar o produto hermeticamente fechado, à temperatura ambiente (15°C a 30°C), ao abrigo da luz e da umidade. Prazo de validade: O prazo de validade do produto é de 36 meses a partir da data de fabricação. Não utilize o medicamento se o prazo de validade estiver vencido, o que pode ser verificado na embalagem externa do medicamento. Gravidez e lactação: Oxiconazol tópico está classificado pela FDA como categoria B no uso durante a gravidez, o que significa que é improvável que cause danos ao feto. No entanto, a sua utilização deverá ser feita em casos muito específicos. Embora o oxiconazol seja muito pouco absorvido sistemicamente é excretado no leite materno. Assim, mulheres que estejam amamentando não devem fazer uso de OXIPELLE®. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término (fixando o prazo quando for o caso). Informar ao médico se está amamentando. Cuidados de administração: Antes de aplicar o produto limpe e seque a área afetada. Após aplicação de OXIPELLE® Creme fazer uma leve fricção sobre o local. A aplicação de OXIPELLE®Solução pode ser feita com o auxílio de um cotonete ou chumaço de algodão. Se a infecção não apresentar melhora ou piorar no prazo de 2 a 4 semanas, procurar o seu médico. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Interrupção de tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Somente ele sabe o momento correto de interromper o tratamento. Reações adversas: OXIPELLE® Creme ou Solução é geralmente bem tolerado, não apresentando efeitos colaterais sérios. Em raros casos podem ocorrer reações cutâneas, tais como sensação de leve ardência, prurido, coceira, pele seca e descamação ou irritação da pele. Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. Utilização concomitante com outros medicamentos: Evitar o uso concomitante de OXIPELLE® Creme ou Solução com outros medicamentos tópicos. Alguns medicamentos de uso tópico podem afetar a absorção ou a efetividade do oxiconazol. Contra-indicações e precauções: OXIPELLE® Creme ou Solução não deve ser utilizado em casos de hipersensibilidade aos componentes da fórmula. Evitar o contato do produto com os olhos, nariz e boca. Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Riscos de automedicação.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — Oxiconazol é um derivado imidazólico sintético e apresenta-se na forma de nitrato de oxiconazol com aspecto de um pó branco, praticamente insolúvel em água. Como os demais antifúngicos imidazólicos, o oxiconazol exerce ação fungicida por alterar a permeabilidade da membrana citoplasmática dos fungos sensíveis, que passam a perder cátions, proteínas e outros elementos vitais. Esta ação decorre de sua interferência na síntese de esteróis da membrana, inibindo a formação do ergosterol a partir de seu precursor, o lanosterol. A ação na membrana varia com o fungo e a dose do medicamento. Além deste mecanismo de ação, os derivados imidazólicos alteram a síntese de triglicerídios e fosfolipídios e, em alta concentração, provocam a morte celular por causar acúmulo de água oxigenada ao bloquear enzimas peroxidativas. O espectro de ação de OXIPELLE® Creme e Solução inclui os principais agentes patogênicos causadores de infecções fúngicas da pele, a saber: dermatófitos, leveduras ou fungos leveduriformes. Oxiconazol também apresenta efeito acentuado contra bactérias Gram-positivas (estafilococos e estreptococos).

 

Indicações — OXIPELLE®Creme ou Solução é indicado para todas as infecções cutâneas devido a dermatófitos (do gênero Trichophyton, Epidermophyton e Microsporum), leveduras (em particular Candida albicans), fungos leveduriformes (Malassezia furfur, patógeno envolvido na pitiríase versicolor) e infecções mistas por fungos e bactérias Gram-positivas. OXIPELLE® Creme ou Solução pode ser utilizado em doenças causadas por fungos que afetam as extremidades (como a Tinea pedis), tronco, couro cabeludo e área genital externa (vulvite concomitante, balanite micótica, inclusive no tratamento profilático do parceiro), assim como nas micoses que afetam as dobras cutâneas.

 

Contra-indicações — OXIPELLE® Creme ou Solução não deve ser utilizado em casos de hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Precauções e advertências — Evitar o contato do produto com os olhos, nariz e boca.

 

Interações medicamentosas — Evitar o uso concomitante com outros medicamentos de uso tópico. Alguns medicamentos de uso tópico podem afetar a absorção ou efetividade do oxiconazol.

 

Reações adversas — OXIPELLE® Creme ou Solução é geralmente bem tolerado, não apresentando efeitos colaterais sérios. Em raros casos podem ocorrer reações cutâneas, tais como sensação de leve ardência, prurido, coceiras, pele seca e descamação ou irritação da pele.

 

Posologia — Limpar e secar a área afetada e aplicar OXIPELLE® Creme ou Solução sobre as lesões cutâneas, uma vez ao dia, de preferência à noite ou a critério médico. A duração do tratamento depende do caso. Em termos gerais, não deve ser inferior a três semanas. Para prevenir a recorrência o tratamento deve ser mantido por uma ou duas semanas após a completa recuperação da pele. Após aplicação de OXIPELLE® Creme fazer uma leve fricção sobre o local. A aplicação de OXIPELLE® Solução pode ser feita com o auxílio de um cotonete ou chumaço de algodão. Em casos de retirada acidental do produto, reaplicar imediatamente. Estando próxima da aplicação regular, aplicar somente uma vez.

 

Superdosagem — É improvável a ocorrência de uma sobredose com o uso de oxiconazol tópico. Caso tenham sido utilizadas doses acima da posologia normal, procurar o médico.

 

Pacientes idosos — Não existem restrições de uso para pacientes idosos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

® Marca Registrada.

 

SAC ICN (Serviço de Atendimento ao Consumidor ICN): 0800-166116.

 

OXIPELLE® Creme: Registro no M.S. 1.0575.0055.002-5.

OXIPELLE® Solução: Registro no M.S. 1.0575.0055.006-8.

 

ICN Farmacêutica Ltda.

Uma empresa do grupo Valeant Pharmaceuticals International — EUA.

 

 

 M.V.I. 12 OPOPLEX INJETÁVEL LIOFILIZADO PEDIÁTRICO (Valeant). Multivitaminas. Cx. com 1 e 25 fr.-amp. + diluente (IV).

 

 

 M.V.I. 12 OPOPLEX INJETÁVEL LIOFILIZADO ADULTO (Valeant). Multivitaminas. Cx. com 1 e 25 fr.-amp. + diluente (IV).

 

 

 

 

Clobesol®

 

Propionato de clobetasol

 

Uso adulto e em crianças maiores de 12 anos

 

 

Formas farmacêuticas e apresentações — CLOBESOL®Creme: Cartucho contendo 1 bisnaga com 30 g. CLOBESOL® Pomada: Cartucho contendo 1 bisnaga com 30 g.

 

Composição — Cada 1 g de CLOBESOL® Creme contém: Propionato de clobetasol 0,5 mg; Excipiente (dowicil 200, glicerina, lactato de amônio, metilparabeno, monoestearato de glicerila auto-emulsionável, estearato de polioxietileno, propilparabeno, standamul, vaselina branca, sorbitol 70% e água deionizada) q.s.p. 1,0 g. Cada 1 g de CLOBESOL®Pomada contém: Propionato de clobetasol 0,5 mg; Excipiente (BRIJ 30, vaselina líquida e vaselina branca sólida) q.s.p. 1,0 g.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: A ação esperada do medicamento é o controle das lesões inflamatórias da pele e alívio do prurido (coceira) quando estiver presente. Cuidados de armazenamento: Conservar o produto hermeticamente fechado, à temperatura ambiente (15°C-30°C), ao abrigo da luz e umidade. Prazo de validade: O prazo de validade do produto é de 24 meses a partir da data de fabricação. Não use medicamento com o prazo de validade vencido, pode ser prejudicial para a sua saúde. Gravidez e lactação: A aplicação de CLOBESOL® não é recomendada em grandes quantidades e por períodos prolongados durante a gravidez. Informar ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando. Cuidados de administração: A aplicação de CLOBESOL®, principalmente na face, deve ser feita com todo o cuidado, evitando contato com os olhos. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico, a não ser que ocorra alguma reação desagradável grave, o que deve ser comunicado imediatamente ao seu médico. Reações sdversas: CLOBESOL® é geralmente bem tolerado, mas se surgirem sinais de hipersensibilidade sua aplicação deve ser imediatamente interrompida. Utilização concomitante com outras substâncias: Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Contra-indicações e precauções: Evitar o tratamento ininterrupto por períodos longos com CLOBESOL®. Precauções especiais devem ser tomadas quando o produto for utilizado na face, sendo importante a observação freqüente. Se aplicado nas pálpebras, é necessário cuidado para não ocorrer penetração nos olhos, o que pode resultar em glaucoma (aumento da pressão dentro do olho). CLOBESOL® não deve ser usado em crianças menores de 12 anos de idade. Riscos de automedicação.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — O propionato de clobetasol é um corticosteróide muito ativo com propriedades antiinflamatórias, de particular valor quando usado por curtos períodos. Os corticosteróides difundem-se através das membranas celulares e formam complexos com receptores citoplasmáticos específicos. Estes complexos entram em um núcleo celular, unem-se ao DNA (cromatina) e estimulam a transcrição do RNA-mensageiro (ARNm) que resulta na síntese de várias enzimas, às quais são atribuídos os efeitos antiinflamatórios dos corticosteróides tópicos. O veículo da formulação contribui com o efeito terapêutico dos corticosteróides tópicos ao proporcionar uma ação emoliente, secante e um aumento da absorção das formas farmacêuticas creme ou pomada.

 

Indicações — CLOBESOL® é indicado na corticoterapia tópica, particularmente no tratamento de dermatoses resistentes, tais como psoríase (excluindo a forma em placa disseminada), eczemas, líquen plano, lúpus eritematoso discóide e outras dermatites que não respondem satisfatoriamente a esteróides menos ativos.

 

Contra-indicações — CLOBESOL® é contra-indicado nas seguintes situações: hipersensibilidade aos componentes da fórmula; no tratamento de rosáceas, acne e dermatite perioral, lesões cutâneas conseqüentes de infecções por vírus (p. ex., herpes simples, varicela), fungos (p. ex., candidíase, tinea) ou bactérias (p. ex., impetigo); dermatoses em crianças menores de 12 anos de idade.

 

Precauções — Evitar o tratamento ininterrupto por períodos longos com CLOBESOL®. A face, mais do que qualquer outra área do corpo, pode exibir alterações atróficas após tratamento prolongado com corticosteróides tópicos potentes. Isto deve ser levado em consideração quando do tratamento de dermatites localizadas na face que justifiquem o uso de CLOBESOL®, sendo importante a observação freqüente. Se aplicado nas pálpebras, é necessário cuidado, a fim de assegurar que a preparação não penetre nos olhos, o que pode resultar em glaucoma. Deve-se instituir terapia antimicrobiana apropriada sempre que se tratar dermatites secundariamente infectadas. Qualquer evidência de disseminação da infecção requer interrupção da corticoterapia tópica e instituição da terapia antiinfecciosa sistêmica adequada. Por essa razão, a pele deve ser limpa antes de cada oclusão. No tratamento da psoríase os esteróides tópicos podem ser perigosos podendo ocasionar recidivas-rebote, desenvolvimento de tolerância, risco de psoríase pustular generalizada e desenvolvimento de toxicidade local ou sistêmica, devido à função ineficiente da barreira dérmica. Se usado na psoríase, o paciente deve ser cuidadosamente acompanhado. A aplicação de corticosteróides tópicos em animais prenhes pode causar anormalidades no desenvolvimento fetal. Embora a relevância deste achado não tenha sido estabelecida com relação ao ser humano, não é recomendado o uso de corticosteróides tópicos em grandes quantidades e por períodos prolongados durante a gravidez. É aconselhável selecionar sempre o corticosteróide menos potente capaz de controlar a doença.

 

Interações medicamentosas — Evitar a aplicação de CLOBESOL®juntamente com outros corticosteróides de uso sistêmico ou tópico.

 

Reações adversas — Pode ocorrer a supressão transitória do eixo hipófise-adrenal com retorno rápido ao normal dos níveis de cortisol plasmático após a interrupção da corticoterapia tópica, desde que a dose semanal não seja superior a 50 g em adultos e que o tratamento não seja prolongado. O uso de curativo oclusivo aumenta a absorção de corticosteróides. Tratamento prolongado e intensivo com preparações de corticosteróides altamente ativos pode causar alterações atróficas, tais como estrias, adelgaçamento da pele e dilatação dos vasos sangüíneos superficiais, particularmente quando são usados curativos oclusivos ou quando há envolvimento de dobras cutâneas. Em raras ocasiões o tratamento da psoríase com corticosteróides (ou a sua retirada) pode provocar o aparecimento da forma pustular da doença. CLOBESOL®é geralmente bem tolerado, mas se surgirem sinais de hipersensibilidade sua aplicação deve ser imediatamente interrompida.

 

Posologia — Aplicar pequena quantidade de CLOBESOL® na área afetada uma ou duas vezes ao dia até que ocorra melhora ou a critério médico. A exemplo dos demais corticosteróides tópicos de alta potência, quando a lesão for controlada, a terapia deverá ser interrompida, o que geralmente é possível em poucos dias nas afecções que respondem mais facilmente. Se houver necessidade de um período maior de tratamento, recomenda-se que o paciente seja reavaliado e que o mesmo não exceda 4 semanas. Para controle das exacerbações pode-se fazer uso repetido do produto por curtos períodos. Se for necessária corticoterapia contínua deve-se usar uma preparação menos potente. Nas lesões muito resistentes, especialmente quando há hiperceratose, pode-se aumentar o efeito antiinflamatório de CLOBESOL®, ocluindo-se a área tratada com uma película de polietileno. Em geral, basta que se faça a oclusão à noite para obtenção de resposta satisfatória. Depois disso, a melhora pode ser mantida sem oclusão, na maioria das vezes.

 

Superdosagem — O tratamento prolongado pode dar origem, particularmente em crianças, a uma supressão adrenal, devendo por isso o paciente ser reavaliado semanalmente.

 

Pacientes idosos — Não existem restrições de uso para pacientes idosos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

® Marca Registrada.

 

SAC ICN (Serviço de Atendimento ao Consumidor ICN): 0800-166116.

 

CLOBESOL® Creme: Registro no M.S. 1.0575.0052.002-9.

 

CLOBESOL® Pomada: Registro no M.S. 1.0575.0052.005-3.

 

ICN Farmacêutica Ltda.

Uma empresa do grupo Valeant Pharmaceuticals International — EUA.

 

 

 

 

Bacrocin®

 

Mupirocina

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Creme a 2%: Cartucho contendo 1 bisnaga com 15 g.

 

Composição — Cada g de BACROCIN® Creme contém: Mupirocina 20 mg. Excipientes: Polietilenoglicol 400 e polietilenoglicol 3350.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: BACROCIN® Creme é indicado para o tratamento de infecções de pele causadas por germes sensíveis à mupirocina, agente antibacteriano que atua sobre bactérias Gram-positivas e algumas bactérias Gram-negativas. Cuidados de armazenamento: Conservar o produto hermeticamente fechado, à temperatura ambiente, ao abrigo da luz e umidade. Prazo de validade: O prazo de validade do produto é de 24 meses a partir da data de fabricação. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pode ser prejudicial para a sua saúde. Gravidez e lactação: Embora os estudos de reprodução realizados em animais, usando doses sistêmicas de até 100 vezes as doses tópicas recomendadas para uso humano, não tenham revelado qualquer evidência de diminuição de fertilidade ou lesões nos fetos relacionadas com a mupirocina, não existem, contudo, estudos controlados adequados em mulheres grávidas. Portanto, o uso desta droga durante a gravidez deve ser evitado, a menos que, a critério médico, os benefícios terapêuticos superem os riscos potenciais. Alguns cuidados devem ser considerados para o uso do produto durante o período de lactação. Se o seio que está amamentando necessitar do uso de mupirocina, a amamentação, nesse seio, deverá ser descontinuada temporariamente e o leite descartado durante o tratamento. Caso ocorra gravidez durante ou logo após o tratamento com BACROCIN® Creme, suspenda a medicação e comunique imediatamente ao seu médico. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término fixando o prazo quando for o caso. Informar ao médico se está amamentando. Cuidados de administração: Limpar a área afetada antes da aplicação de BACROCIN® Creme. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Somente ele sabe o momento correto de interromper o tratamento. Reações adversas: Reações de sensibilização local têm sido raramente reportadas durante o uso de BACROCIN® Creme. Algumas reações adversas que podem ocorrer são: prurido, eritema, sensação de ardência e ferroada, dor aguda e ressecamento da pele. Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. Utilização concomitante com outros medicamentos: Não há até o momento relato de interações medicamentosas entre a mupirocina e outras drogas quer seja aumentando ou diminuindo as respectivas ações. Contra-indicações e precauções: BACROCIN® Creme não deve ser utilizado em casos de hipersensibilidade aos componentes da fórmula. Evitar o contato do produto com olhos, nariz e boca. Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. Riscos de automedicação.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Características — BACROCIN® Creme contém como princípio ativo a mupirocina, um antibiótico obtido de culturas de Pseudomonas fluorescens, que em termos de estrutura química e mecanismo de ação, não apresenta qualquer relação com outra classe de antibióticos conhecidos até o momento. Sua ação é bactericida em concentrações elevadas, como as que se alcançam quando se utiliza a administração tópica. Apresenta um espectro antibacteriano bem amplo, atuando em germes Gram-positivos, como: Staphylococcus aureus (inclusive cepas meticilino-resistentes), Staphylococcus epidermidis, Streptococcus pyogenes e Streptococcus pneumoniae, freqüentemente encontrados em infecções da pele. Possui boa atividade contra algumas bactérias Gram-negativas, como: Haemophilus influenzae, Escherichia coli e Proteus mirabilis. Não foi observada resistência cruzada da mupirocina com outros antibióticos comumente usados. BACROCIN®Creme não determinou, nos diversos estudos clínicos, hipersensibilização de contato, fototoxicidade ou fotossensibilização.

 

Indicações — BACROCIN® Creme é indicado para o tratamento tópico de infecções dermatológicas causadas por patógenos sensíveis à mupirocina.

 

Contra-indicações — BACROCIN® Creme é contra-indicado a pacientes com um histórico de hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Precauções — BACROCIN® Creme deve ser usado com cuidado no tratamento de queimaduras extensas, ulcerações tróficas e outras lesões maiores onde seja possível a absorção de grandes quantidades do veículo, devido ao potencial nefrotóxico do polietilenoglicol. Cuidados especiais devem ser tomados com pacientes com comprometimento renal moderado ou grave. BACROCIN® Creme não é indicado para uso oftálmico ou intranasal. Quando for usado em região periorbital, todo cuidado deve ser tomado, pois pode provocar irritação conjuntival. Em caso de ingestão acidental do produto, recomenda-se lavar a boca com água e ingerir grande quantidade de líquidos. Como acontece com qualquer produto antibacteriano, o uso prolongado pode favorecer o crescimento de microrganismos não-suscetíveis à droga, inclusive de fungos. Caso isto ocorra, devem ser tomadas medidas apropriadas.

 

Interações medicamentosas — Não há até o momento relato de interações medicamentosas entre a mupirocina e outras drogas, quer seja aumentando ou diminuindo as respectivas ações.

 

Reações adversas — Reações de sensibilização local à mupirocina ou à base do creme têm sido raramente relatadas. Algumas reações adversas localizadas que podem ocorrer na área de aplicação de BACROCIN® Creme, são: prurido, eritema, sensação de ardência e ferroada, dor aguda e ressecamento da pele.

 

Posologia — Aplicar uma fina camada de BACROCIN® Creme sobre a área afetada três vezes ao dia, durante um período máximo de 10 dias. A critério médico e dependendo da resposta do paciente ao tratamento, a posologia pode ser modificada.

 

Superdosagem — Não existem relatos de casos de sobredosificação durante o tratamento com BACROCIN® Creme.

 

Pacientes idosos — Não existem relatos quanto a restrições de uso em pacientes idosos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

® Marca Registrada.

 

SAC ICN (Serviço de Atendimento ao Consumidor ICN): 0800-166116.

 

Registro no M.S. 1.0575.0057.001-8.

 

ICN Farmacêutica Ltda.

Uma empresa do Grupo Valeant Pharmaceuticals International — EUA.

 

 

 

 

Citoneurin® drágeas

Citoneurin® 5000 drágeas

 

Mononitrato de tiamina, cloridrato de piridoxina, cianocobalamina

 

Uso oral — adulto

 

 

Formas farmacêuticas e apresentações — CITONEURIN®DRÁGEAS: Embalagem contendo 20 drágeas. CITONEURIN® 5000 DRÁGEAS: Embalagem contendo 20 drágeas.

 

Composição — CITONEURIN®: Cada drágea contém: Vitamina B1 (mononitrato de tiamina) 100 mg; Vitamina B6 (cloridrato de piridoxina) 200 mg; Vitamina B12 (cianocobalamina) 50 mcg. CITONEURIN® 5000: Cada drágea contém: Vitamina B1 (mononitrato de tiamina) 100 mg; Vitamina B6 (cloridrato de piridoxina) 100 mg; Vitamina B12 (cianocobalamina) 5.000 mcg.

 

Indicações — Antineurítico, antineurálgico; suplemento vitamínico.

 

Contra-indicações — Pacientes parkinsonianos em uso de levodopa isolada e a pessoas com reconhecida hipersensibilidade a qualquer um dos excipientes. Salicilatos, colchicina, aminoglicosídeos, cloranfenicol, anticonvulsivantes, assim como suplementos de potássio, podem diminuir a absorção intestinal da vitamina B12.

 

Reações adversas/colaterais— Até o momento desconhecem-se relatos de reações adversas.

 

Posologia — CITONEURIN®: Uma a duas drágeas, três vezes ao dia, sem mastigar, com pequena quantidade de líquido, após as refeições. Em casos graves, a dose poderá ser aumentada a critério médico. CITONEURIN® 5000: Duas a quatro drágeas ao dia, sem mastigar, com pequena quantidade de líquido, após as refeições. Em casos graves, a dose poderá ser aumentada a critério médico.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-265900.

 

Registro no M.S. 1.0089.0015.

 

MERCK S.A.

 

 

 

 

Colchis

 

Colchicina

 

Uso adulto

 

 

Composição — Cada comprimido contém: Colchicina base 0,5 mg ou 1 mg.

 

Indicações — Antiinflamatório indicado no tratamento das crises agudas de gota e na prevenção das crises agudas nos doentes crônicos (artrite gotosa aguda e crônica). A colchicoterapia pode ser indicada em casos de escleroderma, poliartrite da sarcoidose e psoríase ou febre familiar do Mediterrâneo.

 

Contra-indicações — Nas insuficiências renais, hepáticas ou cardíacas severas e durante a gravidez.

 

Reações adversas — Os distúrbios digestivos: diarréia, náuseas e, mais raramente, vômitos são os primeiros sinais de superdosagem e impõem a redução das doses ou a interrupção do tratamento. Raramente podem ocorrer problemas hematológicos como leucopenia ou neutropenia. Excepcionalmente verifica-se a azoospermia que é reversível com a interrupção do tratamento. Outras reações relatadas foram urticária e erupções cutâneas; debilidade muscular e urina sanguinolenta.

 

Posologia — A colchicina deve ser administrada ao primeiro sinal de ataque agudo de gota. A dose deve ser reduzida se ocorrer debilidade muscular, náuseas, vômitos ou diarréia. O intervalo entre as doses deve ser aumentado nos pacientes crônicos cuja taxa de filtração glomerular seja menos do que 10 ml/min. Deve-se levar em consideração, ao administrar colchicina, a sua estreita margem de segurança. A quantidade total de colchicina que se necessita para controlar a dor e a inflamação durante um ataque agudo de gota, oscila habitualmente entre 4 e 10 mg. Adultos (antigotoso): Prevenção: 1 comprimido de 0,5 mg (500 mcg), uma a três vezes ao dia. Os pacientes com gota, submetidos a cirurgia, devem tomar 1 comprimido, três vezes ao dia, durante 3 dias antes e 3 dias depois da intervenção cirúrgica. Tratamento (alívio do ataque agudo) oral: Inicialmente 0,5 mg a 1,5 mg, seguido de 1 comprimido a intervalos de 1 hora, ou de 2 horas, até que ocorra o alívio da dor ou apareçam náuseas, vômitos ou diarréia. A dose máxima alcançada deve ser de 10 mg. Os pacientes crônicos podem continuar o tratamento com 2 comprimidos ao dia, por até 3 meses, a critério médico.

 

Apresentação — Caixa com 20 comprimidos de 0,5 mg. Caixa com 20 comprimidos de 1 mg.

 

Maiores informações à disposição da classe médica.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0118.0109.

 

APSEN Farmacêutica S/A.

 

 

 GINESSE (Farmoquímica). Gestodeno, etinilestradiol. Anticoncepcional. Blíster com 21 comp.

 

 

 

 

Clenil® pulvinal®

 

Dipropionato de beclometasona

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Composição — Cada dose inalada de CLENIL® PULVINAL®100 contém: Dipropionato de beclometasona 100 mcg; Excipiente q.s.p. 1 dose. Cada dose inalada de CLENIL®PULVINAL® 200 contém: Dipropionato de beclometasona 200 mcg; Excipiente q.s.p. 1 dose. Cada dose inalada de CLENIL® PULVINAL®400 contém: Dipropionato de beclometasona 400 mcg; Excipiente q.s.p. 1 dose. Componentes não-ativos: Lactose monoidratada e estearato de magnésio.

 

Informações ao paciente — O dipropionato de beclometasona possui atividade antiinflamatória tópica quando administrado por via inalatória, diminuindo os sintomas da asma brônquica. Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C) e proteger da umidade. Prazo de validade: 36 meses. Atenção: Não utilize o produto após vencido o prazo de validade, sob risco de não produzir os efeitos desejados. Informar ao médico se está amamentando. Siga corretamente a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. A interrupção do tratamento com corticosteróide deve ser sempre feita de modo gradual. Informe o seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, tais como: exantema, urticária, prurido e eritema, edema dos olhos, da face, dos lábios e da faringe, dificuldade respiratória, candidíase, rouquidão ou irritação na garganta. CLENIL®PULVINAL® é contra-indicado em pacientes com alergias aos corticosteróides (ou a qualquer componente do produto) ou em pacientes com tuberculose pulmonar ativa ou latente. Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédios sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas — Propriedades farmacodinâmicas:O dipropionato de beclometasona é um corticosteróide tópico com potente atividade antiinflamatória e antialérgica da mucosa das vias aéreas. Em particular, o dipropionato de beclometasona demonstra uma ação antiinflamatória brônquica, reduzindo o edema e a hipersecreção e inibindo o início do broncoespasmo. Administrada por inalação, a substância atua somente na estrutura do sistema respiratório e, portanto, na dosagem recomendada, é isenta de efeitos sistêmicos e não interfere na função adrenocortical. Propriedades farmacocinéticas: Após inalação, o dipropionato de beclometasona absorvido diretamente pelos pulmões é rapidamente metabolizado pela via hepática para 17-monopropionato de beclometasona e, subseqüentemente, ao derivado inativo.

 

Indicações — CLENIL® PULVINAL®, administrado através de inalação, oferece tratamento preventivo da asma leve, moderada ou grave e das condições de broncoestenose. CLENIL® PULVINAL®proporciona efetiva ação antiinflamatória nos pulmões, sem os problemas do tratamento com corticosteróide sistêmico.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade conhecida aos corticosteróides (ou a qualquer componente). Cuidado especial em pacientes com tuberculose pulmonar ativa ou latente.

 

Precauções e advertências — Pacientes devem ser instruídos no uso apropriado do sistema inalador e sua técnica verificada para assegurar que a droga atinja as áreas-alvo nos pulmões. Devem também ser informados que CLENIL®PULVINAL® deve ser utilizado regularmente, todos os dias, mesmo quando estiverem assintomáticos, para melhor benefício do tratamento. O tratamento com CLENIL®PULVINAL® não dever ser interrompido abruptamente. CLENIL® PULVINAL® não é destinado para tratamento das crises e sintomas da asma aguda, quando um broncodilatador inalatório de curta ação é requerido. Pacientes devem ser orientados para ter a medicação de alívio das crises disponível. Supressão supra-renal raramente ocorre com as doses preconizadas de até 1.500 mcg/dia; reduções dos níveis plasmáticos de cortisol foram relatadas em alguns pacientes tomando 2.000 mcg por dia, principalmente durante períodos prolongados. Nestas condições, o risco de desenvolvimento de supressão supra-renal deve ser considerado frente às vantagens terapêuticas. Supressão prolongada do eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal pode, eventualmente, levar a efeitos sistêmicos, incluindo déficit de crescimento em crianças e adolescentes. O uso de CLENIL® PULVINAL®, em pacientes que foram tratados com esteróides sistêmicos durante longos períodos ou em altas doses, necessita de cuidado especial, uma vez que a recuperação de qualquer supressão adrenocortical pode levar um tempo considerável. Aproximadamente uma semana após o início do tratamento com CLENIL®PULVINAL® pode ser iniciada a redução da dose do esteróide sistêmico. A redução deve corresponder à dose de manutenção do esteróide sistêmico. Reduções de dose de não mais que 1 mg são adequadas para pacientes recebendo doses de manutenção de 10 mg ou menos de prednisolona ou o seu equivalente. Reduções maiores podem ser apropriadas para doses de manutenção maiores. A função adrenocortical deve ser monitorada regularmente, enquanto a dose de esteróide sistêmico é gradualmente reduzida. Em alguns casos, a substituição do tratamento esteróide sistêmico pela terapêutica inalatória pode desencadear alergias, tais como rinite alérgica ou eczema. Estes processos devem ser tratados sintomaticamente com anti-histamínicos e/ou preparações tópicas, incluindo corticosteróides tópicos. Como ocorre com todos os corticosteróides inalatórios, é necessário cuidado especial em pacientes com tuberculose ativa ou latente. Não existem dados de segurança na gravidez. Nas mulheres grávidas, o produto deve ser utilizado no caso de efetiva necessidade e sob controle médico. Nas doses inalatórias normalmente utilizadas, não foram detectados níveis significativos de beclometasona no leite materno. No entanto, o uso da beclometasona em mães amamentando requer que os benefícios da terapêutica sejam levados em consideração frente aos riscos para mãe e lactente.

 

Interações medicamentosas — Nenhuma conhecida.

 

Reações adversas — Como com qualquer terapêutica inalatória, pode ocorrer broncoespasmo paradoxal com aumento imediato de sibilos após dosificação. Neste caso, o paciente deve ser tratado, imediatamente, com broncodilatadores de ação rápida. Ocasionalmente, podem ocorrer infecções do tipo fúngico (candidíase) na cavidade oral e faringe, que regridem rapidamente após uso de antimicóticos, não havendo necessidade de interromper o tratamento. O aparecimento da infecção fúngica pode ser minimizado orientando-se que os pacientes procedam à lavagem da boca após cada inalação. Reações de hipersensibilidade, incluindo exantema, urticária, prurido, eritema, edema dos olhos, face, lábios e da faringe, foram reportadas. Em alguns pacientes, a beclometasona inalada pode causar rouquidão ou irritação da faringe. Nas doses preconizadas é improvável que ocorram alterações colaterais sistêmicas.

 

Posologia — CLENIL®PULVINAL® administrado por inalação não deve ser utilizado para o tratamento das crises de asma; constitui, ao contrário, um tratamento preventivo e de controle da doença asmática, devendo ser utilizado nas doses prescritas, regularmente, durante períodos prolongados, mesmo quando os pacientes encontram-se assintomáticos. Adultos: Uma dose de CLENIL® PULVINAL®400 mcg, duas vezes ao dia ou uma dose de CLENIL® PULVINAL®200 mcg, três ou quatro vezes ao dia. Crianças: Uma dose de CLENIL® PULVINAL®100 mcg, duas a quatro vezes ao dia ou uma dose de CLENIL® PULVINAL®200 mcg, duas vezes ao dia. Nenhum ajuste de dose é requerido em pacientes idosos ou naqueles com insuficiência renal ou hepática.

 

Instruções para uso — Leia atentamente as instruções para o uso correto. se necessário, consulte o seu médico para obter explicações mais detalhadas. O sistema inalatório em pó seco deve ser conservado em um local arejado e à temperatura ambiente. não remover a tampa protetora até o momento do uso. Abertura: Figura A: Tire a tampa protetora. Antes de usar, verifique se o bocal está limpo; se necessário, limpe o bocal com um lenço de papel ou pano macio. Antes de girar o inalador, segure-o em posição vertical para nivelar o pó dentro da câmara. Carregamento:Figura B-1: Mantenha o aparelho em posição vertical, aperte o botão marrom do bocal com uma mão e com a outra, gire o corpo do inalador em sentido anti-horário (meia volta completa) até aparecer a marca vermelha (posição de carregamento da dose). Figura B-2: Ainda em posição vertical, solte o botão marrom e gire o corpo do aparelho inalador em sentido horário (outra meia volta) até ouvir um 'click' e ver uma marca verde (posição de administração da dose). Administração: Expire todo o ar que tiver nos pulmões. Figura C: Mantenha o aparelho em posição vertical, coloque o bocal entre os lábios e inspire com a boca o mais profundamente possível. Prenda a respiração por alguns segundos.

 

FIGURA

 

Fechamento:Remova o inalador da boca. Recoloque a tampa protetora. Orientações gerais: Durante a fase de preparação (B-1 e B-2) e de administração da dose (C), mantenha o frasco em posição vertical. Caso o médico receite duas inalações em cada tomada, é necessário repetir as etapas de 'carregamento' e 'administração'. O nível de pó no corpo transparente do dispositivo diminui progressivamente com o uso. Quando começar a aparecer um fundo vermelho, o produto deve ser novamente adquirido. A presença do pó na cavidade oral e uma ligeira sensação de sabor doce confirmam que a dose foi corretamente administrada.

 

Superdosagem — Na evidência de uma superdosagem, nenhuma ação especial de emergência necessita ser tomada. A função supra-renal é recuperada em poucos dias e pode ser verificada através da dosagem de cortisol plasmático. O tratamento com CLENIL® PULVINAL® deve ser continuado com a mesma dose recomendada para controle do processo asmático.

 

Uso geriátrico — CLENIL® PULVINAL® pode ser usado por pessoas acima de 65 anos de idade, desde que observadas as precauções relativas ao produto.

 

Apresentação — Pó para inalação: Embalagem contendo inalador Pulvinal®multidose (100 doses), nas apresentações de 100 mcg, 200 mcg e 400 mcg.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Fabricado por: Chiesi Farmaceutici S.p.A. — Itália.

 

SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor): 0800-114525.

 

Registro no M.S. 1.0058.0009.

 

Distribuído por:

FARMALAB Indústrias Químicas e Farmacêuticas Ltda.

 

 

 CITOSTAL (Bristol-Myers Squibb). Lomustina. Antineoplásico. Fr. com 5 cáp. de 10 e 40 mg.

 

 

 

 

Protectina®  

 

Doxiciclina

 

Uso adulto e pediátrico acima de 8 anos de idade

 

 

Apresentações — PROTECTINA 100 mg: Caixa com 15 cápsulas com microgrânulos. PROTECTINA 200 mg: Caixas com 5 e 10 cápsulas com microgrânulos.

 

Composição — PROTECTINA 100 mg: Hiclato de doxiciclina 115,40 mg (equivalente a 100 mg de doxiciclina base). PROTECTINA 200 mg: Hiclato de doxiciclina 230,80 mg (equivalente a 200 mg de doxiciclina base). Excipientes: Microgrânulos neutros, talco, polímero metacrílico.

 

Indicações — Infecções do trato respiratório causadas por Mycoplasma pneumoniae. Linfogranuloma venéreo (Chlamydia trachomatis). Tracoma (Chlamydia trachomatis). Infecções uretrais, endocervicais ou retais não-complicadas em adultos por Chlamydia trachomatis. Uretrite não-gonocócica (Ureaplasma urealyticum). Infecções respiratórias por Haemophilus influenzae. Infecções das vias respiratórias superiores por Streptococcus pneumoniae. Quando penicilina for contra-indicada, a doxiciclina constitui alternativa para o tratamento das seguintes infecções: gonorréia não-complicada (Neisseria gonorrhoeae), sífilis (Treponema pallidum) infecções por Clostridium sp.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade conhecida às tetraciclinas, gravidez, lactação, e em crianças menores de 8 anos.

 

Reações adversas — Gastrointestinais: Anorexia, náuseas, vômitos, diarréia, glossite, disfagia, enterocolite e lesões inflamatórias (com monilíase) na região anogenital. 

 

Posologia — Crianças maiores de 8 anos: O esquema posológico recomendado para crianças pesando até 50 kg é de 4 mg/kg de peso corporal. Adultos: A dose usual é de 200 mg (administrados em dose única ou em duas tomadas de 100 mg, a cada 12 horas), infecções uretrais, endocervicais ou retais não-complicadas em adultos, causadas por Chlamydia trachomatis: 100 mg, duas vezes ao dia, durante 7 dias. Infecções gonocócicas não-complicadas (exceto infecções anorretais em homens): 100 mg, duas vezes ao dia, por 7 dias. Doença inflamatória pélvica aguda: pacientes ambulatoriais: cefoxitina 2 g IM ou amoxicilina 3 g, via oral ou ampicilina 3,5 g, via oral ou benzilpenicilina procaína (penicilina G) aquosa, 4,8 milhões de unidades IM, em 2 locais diferentes ou ceftriaxona 250 mg, IM.

 

PROTECTINA®100 mg M.S. 1.2725.0038.002-9.

PROTECTINA®200 mg (5 cáps.) M.S. 1.2725.0038.003-7.

PROTECTINA®200 mg (10 cáps.) M.S. 1.2725.0038.004-5.

                                   

Laboratório GROSS S/A.

 

 

 

 

Losartec®

 

Losartana potássica

 

Anti-hipertensivo

 

Uso adulto

 

 

Composição — Comprimidos revestidos de 25 mg: Cada comprimido revestido contém: Losartana potássica (equivalente a 25 mg de losartana base) 27,31 mg. Comprimidos revestidos de 50 mg: Cada comprimido revestido contém: Losartana potássica (equivalente a 50 mg de losartana base) 54,63 mg. Excipientes: Cellactose, explotab, dióxido de silício, estearato de magnésio, talco, dióxido de titânio, eudragit, corante verde sicco, polietilenoglicol, polissorbato, simeticone e trietilcitrato.

 

Indicações — LOSARTEC é indicado para o tratamento de hipertensão arterial. Pode ser utilizado juntamente com outros agentes anti-hipertensivos.

 

Contra-indicações — LOSARTEC é contra-indicado para pessoas com hipersensibilidade a qualquer outro componente da fórmula. Não deve ser utilizado durante a gravidez e a lactação.

 

Posologia — A dose usual de início e de manutenção é de 50 mg, uma vez ao dia, para a maioria dos pacientes. O máximo efeito anti-hipertensivo é obtido 3-6 semanas após o início da terapia. Alguns pacientes podem obter benefício adicional se a dose for aumentada para 100 mg, uma vez ao dia. Para pacientes com depleção do volume intravascular, como, por exemplo, pacientes tratados com altas doses de diuréticos, deve-se considerar uma dose de 25 mg, uma vez ao dia. Não há necessidade de ajuste posológico inicial para pacientes idosos ou para pacientes com disfunção renal, incluindo pacientes sob diálise. Deve ser considerada a utilização de uma dose mais baixa para pacientes com história de disfunção hepática. LOSARTEC pode ser administrado com outros anti-hipertensivos e com ou sem alimentos.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis, ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

Apresentações — Comprimidos revestidos de 25 mg: Caixas com 10 e 30 comprimidos. Comprimidos revestidos de 50 mg: Caixas com 10 e 30 comprimidos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0155.0200.

 

MARJAN Indústria e Comércio Ltda.

 

 

 

 

LUMIGAN (Allergan).

 

Bimatoprost

 

Composição

Cada ml contém: 0,3 mg de bimatoprost. Veículos: Cloreto de sódio, fosfato de sódio dibásico hepta-hidratado, ácido cítrico monoidratado, cloreto de benzalcônio e água purificada q.s.p.

 

Indicações

LUMIGAN é indicado para a redução da pressão intra-ocular elevada em pacientes com glaucoma ou hipertensão ocular.

 

Contra-indicações

LUMIGAN é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade ao bimatoprost ou a qualquer outro componente da fórmula do produto.

 

Gravidez e lactação

Não foram realizados estudos controlados em gestantes. Considerando que os estudos sobre toxicidade reprodutiva em animais nem sempre são indicativos de resposta humana, LUMIGAN apenas deve ser utilizado em gestantes se os potenciais benefícios para a mãe justificarem os potenciais riscos para o feto. Não se dispõe de dados a respeito da excreção de LUMIGAN no leite humano, mas, como os estudos em animais mostraram que a substância é excretada pelo leite, recomenda-se cautela na administração do medicamento durante a lactação.

 

Reações adversas

LUMIGAN é bem tolerado, podendo causar eventos adversos oculares leves a moderados e não-graves. Eventos adversos ocorrendo em 10%-40% dos pacientes que receberam doses únicas diárias, durante 3 meses, em ordem decrescente de incidência foram: hiperemia conjuntival, crescimento dos cílios e prurido ocular. Eventos adversos ocorrendo em aproximadamente 3% a < 10% dos pacientes, em ordem decrescente de incidência, incluíram: secura ocular, ardor ocular, sensação de corpo estranho no olho, dor ocular e distúrbios da visão. Eventos adversos ocorrendo em 1% a < 3% dos pacientes foram: eritema palpebral, pigmentação da pele periocular, irritação ocular, secreção ocular, astenopia, conjuntivite alérgica, lacrimejamento, ceratite puntiforme superficial e fotofobia. Em menos de 1% dos pacientes foram relatadas: inflamação intra-ocular, mencionada como irite e pigmentação da íris, alteração das provas de função hepática e infecções (principalmente resfriados e infecções das vias respiratórias). Com tratamentos de 6 meses de duração, foram observados, além dos eventos adversos relatados anteriormente, em aproximadamente 1% a < 3% dos pacientes: edema conjuntival, blefarite e astenia. Em tratamentos de associação com betabloqueador, durante 6 meses, além dos eventos anteriormente relatados, foram observados, em aproximadamente 1% a < 3% dos pacientes, erosão da córnea: e piora da acuidade visual. Em menos de 1% dos pacientes: blefarospasmo, depressão, retração palpebral, hemorragia retiniana e vertigem. A freqüência e gravidade dos eventos adversos foram relacionadas à dose, e, em geral, ocorreram quando a dose recomendada não foi seguida.

 

Posologia

Aplicar uma gota no olho afetado, uma vez ao dia, à noite. A dose não deve exceder a uma dose única diária, pois foi demonstrado que administração mais freqüente pode diminuir o efeito hipotensor sobre a hipertensão ocular. LUMIGAN pode ser administrado concomitantemente com outros produtos oftálmicos tópicos para reduzir a hipertensão intra-ocular, respeitando-se o intervalo de pelo menos 5 minutos entre a administração dos medicamentos.

 

Apresentação

Frasco conta-gotas contendo 3 ml de solução oftálmica estéril de bimatoprost a 0,03%.

 

Registro no M.S. 1.0147.0155.

 

 

 HEMOFIL M (Baxter Bioscience). Fator VIII da coagulação. Hemofilia. Fr. com 250, 500 e 1.000 UI.

 

 

 PRIMAFLÚOR (Primá). Fluoreto de sódio. Profilaxia da cárie. Fr. com 20 ml com 10 mg/ml (gt.).

 

 

 

 

CITROSODINE GRANULADO (Primá).

 

Citrato de sódio

 

Composição

Granulado: Cada colher das de chá contém: Ácido cítrico 0,277 g; Bicarbonato de sódio, 0366 g; Citrato de sódio 0,500 g; Essência de limão, sacarose e lactose q.s.p. 5,000 g.

 

Indicações

Digestão difícil (dispepsia). Vômitos dos lactentes. Viscosidade do sangue. Insuficiência hepática.

 

Contra-indicações

CITROSODINE está contra-indicado a pacientes com histórico de reações de hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula. CITROSODINE Granulado contém em sua fórmula, açúcar, que é contra-indicado a pacientes diabéticos, ficando seu uso restrito à orientação médica.

 

Posologia

Vômitos dos lactentes: 1 comprimido dissolvido na mamadeira ou em um pouco d'água antes de mamar, 3 vezes ao dia. Dispepsia, hiperacidez: 3 a 4 comprimidos, ou uma colher das de chá de granulados, 3 vezes ao dia. Insuficiência hepática: 3 a 4 comprimidos, ou uma colher das de chá do granulado de CITROSODINE, às refeições e pela manhã em jejum, mantém o funcionamento do fígado. Flebites, artrites, tromboses: 4 a 8 comprimidos, 1 ou 2 colheres das de chá do granulado, 3 vezes ao dia.

 

Apresentação

Granulado (efervescente): Frasco contendo 45 g de peso líquido.

 

 

 

 

Anzopac®

 

Lansoprazol, claritromicina e amoxicilina

 

 

Composição — Cada cápsula de lansoprazol contém: lansoprazol 30 mg; Excipiente q.s.p. 1 cápsula. Cada comprimido revestido de claritromicina contém: Claritromicina 500 mg; Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Cada cápsula de amoxicilina contém: Amoxicilina (na forma triidratada) 500 mg; Excipiente q.s.p. 1 cápsula.

 

Indicações — ANZOPACÒ é indicado na erradicação do Helicobacter pylori para diminuição da possibilidade de recorrência de úlceras grastroduodenais. Os componentes de ANZOPACÒ (lansoprazol, claritromicina e amoxicilina) estão indicados para o tratamento dos pacientes com gastrite ou úlcera gastroduodenal (ativa ou com história pregressa), com infecção confirmada por Helicobacter pylori.

 

Contra-indicações — ANZOPACÒ é contra-indicado aos pacientes com hipersensibilidade conhecida ao lansoprazol, claritromicina ou amoxicilina ou a qualquer componente da fórmula. Em pacientes que apresentam reação de hipersensibilidade às penicilinas e às cefalosporinas. A administração concomitante com cisaprida, astemizol, terfenadina e pimozida não é recomendada.

 

Precauções — ANZOPACÒ deve ser administrado com precaução em pacientes com insuficiência hepática ou renal, sob estrito acompanhamento médico. A amoxicilina pode desencadear reações de hipersensibilidade, inclusive anafiláticas, ocorrendo com mais freqüência nos indivíduos com história prévia de hipersensibilidade à penicilina. Não é recomendado o uso de ANZOPACÒ durante a gravidez e lactação. ANZOPACÒ somente deve ser administrado durante a gestação ou amamentação se os benefícios justificarem os potenciais riscos. O tratamento deve ser realizado sob criteriosa avaliação e estrito acompanhamento médico.

 

Reações adversas — ANZOPACÒ é um medicamento bem tolerado, apresentando baixa incidência de efeitos colaterais. Geralmente, os efeitos adversos são leves e transitórios não causando a suspensão da terapia. Ocasionalmente podem ocorrer náusea, vômito, dor abdominal, diarréia, cefaléia e reações de hipersensibilidade.

 

Posologia — O esquema terapêutico recomendado de ANZOPACÒ é uma cápsula de lansoprazol 30 mg, um comprimido de claritromicina 500 mg e duas cápsulas de amoxicilina 500 mg, duas vezes por dia, uma vez pela manhã e outra à noite, de preferência 30 minutos antes da alimentação, durante 7 ou 10 dias, conforme a orientação médica. Pode ser necessário o ajuste da dose de lansoprazol, claritromicina e amoxicilina em pacientes idosos ou com insuficiência renal e/ou hepática graves. Não está estabelecida a segurança do uso de ANZOPACÒ em crianças.

 

Apresentações— Caixa contendo 7 ou 10 envelopes. Cada envelope contém: 2 blísteres. Cada blíster contém: 1 cápsula com microgrânulos de liberação retardada de lansoprazol 30 mg, 1 comprimido revestido de claritromicina 500 mg e 2 cápsulas de amoxicilina 500 mg.

 

Registro no M.S. 1.0550.0137.

 

UCI-FARMA Ind. Farmacêutica Ltda.

 

 

 

 

Propan®

 

Cloridrato de buclizina e associações

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Composição —  Cada comprimido contém: Buclizina 25 mg; Tiamina (vit. B1) 15 mg; Riboflavina (vit. B2) 2,5 mg; Piridoxina (vit. B6) 5 mg; Cianocobalamina (vit. B12) 7,5 mcg; Nicotinamida 12,5 mg; Excipiente q.s.p. 1 comprimido. Cada ml da suspensão contém: Buclizina 1 mg; Lisina 20 mg; Tiamina (vit. B1) 3,6 mg; Riboflavina (vit. B2) 0,24 mg; Piridoxina (vit. B6) 1,1 mg; Cianocobalamina (vit. B12) 1,2 mcg; Nicotinamida 2,1 mg; Veículo q.s.p. 1 ml.

 

Indicações  —  PROPAN® é indicado como estimulante do apetite, utilizado durante o período de crescimento para manter o equilíbio pôndero-estatural. Nos adultos em estado de convalescença para suprir carências nutricionais.

 

Contra-indicações — Em casos de hipersensibilidade à buclizina ou a qualquer componente da fórmula. Durante o primeiro trimestre de gravidez.

 

Interações  medicamentosas — Agentes antimuscarínicos e outros fármacos com atividade anticolinérgica: A administração concomitante com a buclizina pode potencializar os efeitos anticolinérgicos. Depressores do sistema nervoso central: A administração conjunta com a buclizina pode potencializar os efeitos depressores.

 

Posologia e administração —Adultos e crianças acima de 12 anos: 1 comprimido ou 20 ml da suspensão, duas vezes ao dia.Crianças acima de 5 até 12 anos: meio a 1 comprimido ou 10 a 15 ml da suspensão, duas vezes ao dia. Crianças acima de 1 até 5 anos: 5 a 10 ml de suspensão, duas vezes ao dia. Crianças até 1 ano: 2,5 ml, duas vezes ao dia. Em pacientes suscetíveis a efeitos colaterais, como idosos, pode ser necessária a redução da dose diária. PROPAN® Comprimido e Suspensão não contêm açúcar, podendo ser administrados a pacientes diabéticos.

 

Apresentações — PROPAN® Comprimidos: Caixa contendo 20 comprimidos. PROPAN®Suspensão: caixa contendo frasco com 100 ml.

 

Registro no M.S. 1.0550.0048.

 

UCI-FARMA IndústriaFarmacêutica Ltda.

 

 

 NISULID GEL (Aché). Nimesulida. Antiinflamatório tópico. Bisn. com 40 g.

 

 

 PRELONE COMPRIMIDOS (Aché). Prednisolona. Corticóide. Cart. com 20 comp. de 5 mg; cart. com 10 comp. de 20 mg.

 

 

 

 

Luftal®max

 

Dimeticona

 

Comprimidos mastigáveis e cápsulas gelatinosas

 

Rápido alívio para: estômago pesado, estufamento, inchaço, desconforto causados pelos gases

 

Uso adulto

 

 

Composição— Cada comprimido mastigável contém 125 mg de dimeticona. Ingredientes inativos: Fosfato tricálcico, polivinilpirrolidona, dextrose anida, sacarina sódica, corante amarelo DC no 10 laca, aroma de limão, estearato de magnésio. Cada cápsula gelatinosa contém 125 mg de dimeticona. Ingredientes inativos: Óleo de menta, glicerina, gelatina e corante verde 3.

 

Informações ao paciente — Ação esperada do medicamento: LUFTAL®MAX atua no estômago e no intestino diminuindo a tensão superficial dos líquidos digestivos, levando ao rompimento das bolhas gasosas que retêm os gases. Cuidados de armazenamento: LUFTAL®MAX Comprimidos mastigáveis deve ser conservado à temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C). As cápsulas gelatinosas devem ser conservadas ao abrigo do calor excessivo e da umidade. A presença de um conteúdo interno opaco nas cápsulas gelatinosas é característica normal do produto. Prazo de validade: Ver cartucho. Este medicamento não deverá ser utilizado caso o prazo de validade do produto esteja vencido. Gravidez e lactação: Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se está amamentando.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas

 

Descrição— LUFTAL® MAX, cujo componente ativo é a dimeticona, é um silicone antiespumante com ação antiflatulenta, que alivia o mal-estar gástrico causado pelo excesso de gases.

 

Ação— LUFTAL® MAX atua no estômago e no intestino, diminuindo a tensão superficial dos líquidos digestivos, levando ao rompimento das bolhas que retém os gases. Uma vez livres, os gases são facilmente eliminados por eructações ou flatos.

 

Indicações — LUFTAL® MAX é indicado no caso de excesso de gases no aparelho gastrintestinal constituindo incômodo, motivo de dores ou cólicas intestinais, tais como: meteorismo, eructação, borborigmos, aerofagia, pós-operatório e convalescença, distúrbios fermentativos intestinais. É indicado ainda no preparo intestinal dos pacientes para radiografia do abdome.

 

Contra-indicações— LUFTAL® MAX é contra-indicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula.

 

Reações adversas — A dimeticona é fisiologicamente inerte e desprovida de toxicidade. Após administração oral, é eliminada de forma inalterada pelas fezes.

 

Posologia— LUFTAL® MAX pode ser administrado 4 vezes ao dia, após as refeições e ao deitar, ou quando necessário. Não é recomendada a ingestão de mais de 500 mg (4 comprimidos ou cápsulas) de LUFTAL® MAX por dia. As cápsulas gelatinosas moles são fáceis de engolir. O comprimido não deve ser deglutido por inteiro. Mastigue-o completamente.

 

Superdosagem— Não se espera que ocorram sintomas conseqüentes da superdosagem de dimeticona, pois este fármaco não é absorvido. Entretanto, caso ocorra ingestão acidental excessiva, consulte um médico.

 

Pacientes idosos — Não há recomendações especiais para pacientes idosos.

 

Atenção — Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

 

Apresentações— LUFTAL® MAX Comprimidos mastigáveis é apresentado em embalagens com 10 comprimidos mastigáveis ou em displays com 20 blisteres com 2 comprimidos mastigáveis cada. LUFTAL® MAX Cápsulas gelatinosas é apresentado em embalagens com 4 ou 10 cápsulas gelatinosas ou em displays com 20 blisteres com 4 cápsulas gelatinosas cada.

 

Serviço de Atendimento ao Consumidor: 0800-160160.

 

Registro no M.S. 1.0180.0120.

 

BRISTOL-MYERS SQUIBB Brasil S/A.

 

 

 

 

Novalgina®

 

Dipirona sódica

 

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade à dipirona ou a qualquer pirazolona, porfiria hepática, deficiência congênita de glicose-6-fosfato desidrogenase, função da medula óssea insuficiente ou doenças do sistema hematopoético, asma analgésica ou intolerância analgésica do tipo urticária-angioedema; nos 3 primeiros e 3 últimos meses da gravidez; em crianças com menos de 3 meses de vida ou com menos de 5 kg; em pacientes com condições circulatórias instáveis.

 

Precauções e advertências — Reações anafilactóides ou anafiláticas; em pacientes com intolerância a corantes (p. ex.: tartrazina); agranulocitose ou trombopenia, deve-se interromper o tratamento.

 

Reações adversas — Erupções cutâneas, urticária, distúrbios respiratórios e renais, discrasias sangüíneas.

 

A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

 

Registro no M.S. 1.1300.0058.

 

AVENTIS PHARMA Ltda.

 

 

 TRENTAL INJETÁVEL (Aventis Pharma). Pentoxifilina. Antiagregante plaquetário. Emb. com 5 amp. de 5 ml com 100 mg.

 

 

 

 

Geodon®

 

Cloridrato de ziprasidona

 

Cápsulas

 

Uso adulto

 

Uso oral

 

 

Forma farmacêutica e apresentações —Cápsulas de 40 mg em embalagens contendo 14 ou 30 cápsulas. Cápsulas de 80 mg em embalagens contendo 14 ou 30 cápsulas.

 

Composição — Cada cápsula de GEODON® 40 mg contém cloridrato de ziprasidona monoidratada equivalente a 40 mg de ziprasidona base. Cada cápsula de GEODON® 80 mg contém cloridrato de ziprasidona monoidratada equivalente a 80 mg de ziprasidona base. Excipientes:Lactose monoidratada, amido de milho pré-gelatinizado, estearato de magnésio.

 

Indicações — GEODON® (cloridrato de ziprasidona) é indicado para o tratamento da esquizofrenia, transtornos esquizoafetivo e esquizofreniforme, estados de agitação psicótica e mania bipolar aguda e para manutenção da melhora clínica e prevenção de recidivas, durante a continuação da terapia. Informações de estudos clínicos: Esquizofrenia: A eficácia da ziprasidona no tratamento dos sintomas positivos e negativos da esquizofrenia foi estabelecida em estudos clínicos de 4 e 6 semanas, controlados com placebo e com fármaco ativo, em pacientes hospitalizados com exacerbação aguda da doença. Em um estudo clínico de 52 semanas, placebo-controlado, em pacientes com quadro de esquizofrenia crônico estável, a ziprasidona foi significativamente mais efetiva na prevenção de recidivas da esquizofrenia, quando comparada ao placebo. A ziprasidona demonstrou uma melhora contínua nos sintomas negativos primários e na função global (psicológica, social e ocupacional) neste estudo em uma população de pacientes hospitalizados, durante um período de 52 semanas. Foi conduzida uma análise do efeito da ziprasidona em pacientes com sintomas depressivos clinicamente significantes, definidos como um escore ³ 14 na Escala de Avaliação de Depressão de Montgomery-Åsberg (MADRS — Montgomery-Åsberg Depression Rating Scale), em 2 estudos multicêntricos, placebo-controlados, em esquizofrenia aguda. Foi observada uma melhora na MADRS, estatisticamente significante, em comparação ao placebo (p < 0,05) nestes 2 estudos em pacientes recebendo 60 mg e 80 mg, 2 vezes ao dia. Mania bipolar: A eficácia da ziprasidona 40-80 mg, duas vezes ao dia, foi estabelecida em um estudo duplo-cego, placebo-controlado de 3 semanas, com pacientes selecionados de acordo com o critério do DSM-IV para distúrbio bipolar tipo I, que tinham apresentado recentemente um episódio de mania aguda ou episódio misto com ou sem características psicóticas. Os resultados demonstraram que a ziprasidona foi significativamente mais efetiva que o placebo no tratamento destes pacientes. A ziprasidona foi estatisticamente superior ao placebo conforme determinado através da alteração média a partir da linha de base até o endpoint (21º dia ou outro dia no caso de descontinuação antecipada) na Escala de Classificação de Mania (Mania Rating Scale — MRS) e grau de gravidade (CGI Severity Score — CGI-S). Uma melhora estatisticamente significante foi evidente no grupo da ziprasidona do 2º (MRS) e 4º dia (CGI-S) e foi mantida de forma contínua até o 21º dia. A eficácia da ziprasidona por mais de 3 semanas de tratamento, para um episódio agudo e para uso profilático em distúrbios bipolares, não foi avaliada sistematicamente em estudos clínicos controlados.

 

Contra-indicações — GEODON® (cloridrato de ziprasidona) é contra-indicado a pacientes com hipersensibilidade conhecida à ziprasidona ou a qualquer componente da fórmula. GEODON®também é contra-indicado a pacientes com prolongamento conhecido do intervalo QT, incluindo síndrome congênita do QT longo. É contra-indicado também a pacientes com infarto do miocárdio recente, insuficiência cardíaca descompensada ou arritmias cardíacas que necessitem de tratamento com fármacos antiarrítmicos das classes IA e III (ver Advertências e precauções).

 

Advertências e precauções — Intervalo QT: A ziprasidona causa um prolongamento no intervalo QT de grau leve a moderado. Na base de dados dos estudos clínicos realizados no período pré-comercialização para a formulação oral, a incidência de prolongamento do intervalo QTc para um valor acima de 500 ms foi de 3 casos em um total de 3.266 (0,1%) pacientes tratados com ziprasidona e 1 caso em um total de 538 (0,2%) pacientes recebendo placebo. Alguns fármacos, incluindo antiarrítmicos das classes IA e III que prolongam o intervalo QT para um valor maior que 500 ms, foram associados à ocorrência rara de taquicardia ventricular (torsade de pointes), uma arritmia com risco de vida (ver Contra-indicações). GEODON® (cloridrato de ziprasidona) deve ser utilizado com cautela por pacientes com os seguintes fatores de risco, que podem aumentar o risco de ocorrência desta arritmia: bradicardia; desequilíbrio eletrolítico; uso concomitante com outros fármacos que prolongam o intervalo QT. Se sintomas cardíacos sugestivos de arritmias forem observados ou relatados durante o tratamento, deve ser feita uma avaliação cardiológica apropriada. Se o intervalo QTc encontrado for maior que 500 ms, é recomendado que o tratamento seja interrompido (ver Contra-indicações). Síndrome neuroléptica maligna (SNM): Em estudos clínicos realizados no período pré-comercialização, não houve casos relatados de SNM em pacientes que receberam ziprasidona. A SNM, um complexo potencialmente fatal, foi relatada em associação a fármacos antipsicóticos. As manifestações clínicas de SNM são: hiperpirexia, rigidez muscular, estado mental alterado e evidência de instabilidade autonômica (pulso ou pressão arterial irregular, taquicardia, diaforese e arritmia cardíaca). Sinais adicionais podem incluir níveis elevados de creatina fosfoquinase, mioglobinúria (rabdomiólise) e insuficiência renal aguda. Se um paciente desenvolver sinais e sintomas indicativos de SNM, ou se apresentar febre alta inexplicada sem manifestações clínicas adicionais de SNM, todos os fármacos antipsicóticos, incluindo GEODON®, devem ser descontinuados. Discinesia tardia: Assim como ocorre com outros antipsicóticos, existe um potencial de a ziprasidona causar discinesia tardia e outras síndromes extrapiramidais tardias após tratamento prolongado. Se aparecerem sinais e sintomas de discinesia tardia, deve-se considerar a redução da dose ou a descontinuação de GEODON®. Convulsões: Assim como ocorre com outros antipsicóticos, recomenda-se cautela no tratamento de pacientes com histórico de convulsões. Fármacos ativos no SNC/álcool: Considerando os efeitos primários da ziprasidona no SNC, deve-se ter cautela quando esta for administrada em associação a outros fármacos de ação central, incluindo álcool e fármacos que agem nos sistemas dopaminérgicos e serotoninérgicos. Uso durante a gravidez e lactação: Estudos de toxicidade na reprodução realizados com ziprasidona oral não demonstraram efeitos adversos no processo reprodutivo, além daqueles secundários à toxicidade materna resultante de um efeito farmacológico exacerbado, em doses iguais ou maiores que 17,5 vezes a dose máxima recomendada para humanos. Não houve evidências de teratogenicidade com as doses estudadas. Uso durante a gravidez: Não foram conduzidos estudos em mulheres grávidas. Mulheres com potencial de engravidar que estejam recebendo GEODON® devem ser aconselhadas a utilizar um método contraceptivo adequado. Como a experiência clínica é limitada, a administração de GEODON® não é recomendada durante a gravidez, a menos que o benefício esperado para a mãe supere o risco potencial ao feto. Uso durante a lactação: Não se sabe se a ziprasidona é excretada no leite materno. As pacientes devem ser advertidas a não amamentar se estiverem em tratamento com GEODON®. Efeitos na habilidade de dirigir e de operar máquinas: Assim como ocorre com outros fármacos psicoativos, GEODON® pode causar sonolência. Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

 

Interações medicamentosas — Fármacos antiarrítmicos das classes IA e III: Ver Contra-indicações e Advertências e precauções — Intervalo QT. Uso concomitante com outros fármacos que prolongam o intervalo QT: Ver Advertências e precauções — Intervalo QT. Fármacos ativos no SNC/álcool: Ver Advertências e precauções — Fármacos ativos no SNC/álcool. Efeito de GEODON® (cloridrato de ziprasidona) sobre outros fármacos: A ziprasidona não demonstrou efeito inibitório sobre CYP1A2, CYP2C9 ou CYP2C19, quando testada em microssomos hepáticos humanos. A concentração de ziprasidona requerida para inibir os citocromos CYP2D6 e CYP3A4, in vitro, foi no mínimo 1.000 vezes maior que a concentração livre que pode ser esperada in vivo. É improvável que a ziprasidona cause interações medicamentosas clinicamente importantes mediadas por estas enzimas. Dextrometorfano:  De acordo com os resultados obtidos in vitro, um estudo em voluntários sadios demonstrou que a ziprasidona não alterou o metabolismo do dextrometorfano, mediado pelo CYP2D6, para seu principal metabólito, o dextrorfano. Contraceptivos orais:  A administração de ziprasidona não resultou em uma alteração significativa na farmacocinética de estrógenos (etinilestradiol, um substrato do CYP3A4) ou progesterona. Lítio: A co-administração de ziprasidona não teve efeito na farmacocinética do lítio. Ligação às proteínas: A ziprasidona se liga extensivamente às proteínas plasmáticas. A ligação da ziprasidona às proteínas plasmáticas, in vitro, não foi alterada pela varfarina ou propranolol (2 fármacos que são altamente ligados às proteínas), e a ziprasidona também não alterou a ligação destes fármacos no plasma humano. Desta maneira, o potencial de um fármaco interagir com a ziprasidona devido ao deslocamento é improvável. Efeitos de outros fármacos sobre GEODON®: A ziprasidona é metabolizada pela aldeído oxidase e em menor extensão pelo CYP3A4. Não há indutores ou inibidores conhecidos da aldeído oxidase que sejam relevantes. O cetoconazol, um potente inibidor do CYP3A4, na dose de 400 mg ao dia, produziu um aumento de aproximadamente 35% na exposição da ziprasidona (AUC e Cmáx). Estas alterações produzidas pelo cetoconazol parecem não ter relevância clínica. A carbamazepina, um indutor do CYP3A4, na dose de 200 mg duas vezes ao dia, produziu uma diminuição de 36% na exposição da ziprasidona. Estas alterações produzidas pela carbamazepina parecem não ter relevância clínica. A cimetidina, um inibidor não-específico do CYP, não afetou significativamente a farmacocinética da ziprasidona. Antiácidos:Doses múltiplas de antiácido à base de alumínio ou magnésio não alteraram a farmacocinética da ziprasidona. Benzatropina, propranolol e lorazepam: A avaliação farmacocinética das concentrações séricas de ziprasidona em estudos clínicos não revelou qualquer evidência de interações clinicamente significantes com a benzatropina, propranolol ou lorazepam.

 

Reações adversas — Esquizofrenia: Eventos adversos relacionados ao tratamento com ziprasidona que ocorreram numa freqüência ³1%:

 

                                                                  Porcentagem de pacientes que relataram eventos

Sistema/evento adverso                            Ziprasidona                                Placebo

                                                                        (N=702)                                        (N=273)

 

Geral

Astenia                                                          1,3                                                 0,0

Dor de cabeça                                              2,6                                                 2,6

Digestivo

Constipação                                                 2,1                                                 1,1

Boca seca                                                      2,1                                                 0,7

Dispepsia                                                      1,0                                                 0,7

Aumento na salivação                               1,0                                                 0,4

Náusea                                                           2,7                                                 2,2

Vômito                                                          1,9                                                 1,5

Nervoso

Agitação                                                        1,3                                                 0,4

Acatisia                                                          6,4                                                 6,2

Tontura                                                         3,7                                                 3,3

Distonia                                                         3,3                                                 1,8

Síndrome extrapiramidal                          3,8                                                 0,7

Hipertonia                                                     1,9                                                 0,7

Insônia                                                           1,6                                                 2,6

Sonolência                                                    10,1                                               2,2

Tremor                                                          1,0                                                 1,1

Sentidos especiais

Visão anormal                                              1,3                                                 0,7

 

Respiratório: Transtorno respiratório (incluindo sintomas de coriza). A incidência de convulsões foi rara, ocorrendo em menos do que 1% nos pacientes tratados com GEODON® (cloridrato de ziprasidona). Em estudos clínicos duplo-cegos, ativo-controlados, a Escala de Carga de Distúrbio do Movimento (Movement Disorder Burden Scale), uma medida de avaliação de sintomas extrapiramidais, foi estatisticamente significante (p ³ 0,05) a favor da ziprasidona quando comparada ao haloperidol e risperidona. Foram observadas alterações comparáveis a essas na escala de Simpson-Angus e Escala de Acatisia de Barnes em pacientes tratados com ziprasidona e placebo. Além disso, a incidência de relatos de acatisia e do uso de fármacos anticolinérgicos foi maior em pacientes tratados com haloperidol e risperidona, quando comparados aos pacientes recebendo ziprasidona. Em estudos clínicos de curto prazo, de 4 a 6 semanas, placebo-controlados, de dose fixa, a incidência de ganho de peso corpóreo registrada como um evento adverso foi baixa e igual em pacientes tratados com ziprasidona e pacientes tratados com placebo (ambos 0,4%). Houve um pequeno aumento no peso médio dos pacientes tratados com ziprasidona (0,5 kg), mas não nos pacientes tratados com placebo. Em um estudo placebo-controlado de um ano foi observada uma perda de peso média de 1 a 3 kg em pacientes tratados com ziprasidona, comparado a uma perda média de 3 kg em pacientes tratados com placebo. Foi observado um aumento apenas transitório da prolactina durante a administração crônica de ziprasidona. Em um estudo clínico placebo-controlado de 52 semanas, o índice de descontinuação devido a eventos adversos foi similar entre pacientes tratados com ziprasidona e aqueles tratados com placebo. Mania bipolar: A tabela seguinte inclui eventos adversos que ocorreram com uma freqüência ³ 5% e aqueles que ocorreram com freqüência maior quando comparado ao placebo no estudo de curto prazo, placebo-controlado de ziprasidona em mania bipolar.

 

Geral                                 Muito comum1: dor de cabeça

                                           Comum2: astenia

Digestivo                         Comum2: dispepsia, aumento da salivação

Nervoso                           Muito comum1: acatisia, tontura, hipertonia, sonolência

                                           Comum2: agitação, distonia, síndrome extrapiramidal

 

1. Muito comum: ³ 10%.

2. Comum: ³ 1% e < 10%.

 

Reações adversas pós-comercialização: As seguintes reações adversas foram relatadas durante a experiência pós-comercialização: Cardiovascular: Hipotensão postural. Ritmo cardíaco:Taquicardia. Psiquiátrico: Insônia. Pele e anexos: Rash.

 

Posologia — GEODON® (cloridrato de ziprasidona) é apresentado na forma de cápsulas para uso oral. Esquizofrenia, transtornos esquizoafetivo e esquizofreniforme, estados de agitação psicótica: Uso em adultos: A dose inicial recomendada é de 40 mg duas vezes ao dia, administrada com alimentos. A dose diária pode ser subseqüentemente ajustada com base na resposta clínica individual até uma dose máxima de 80 mg duas vezes ao dia. Se houver indicação clínica, a dose máxima recomendada pode ser alcançada no 3º dia de tratamento. No tratamento de manutenção, deve ser administrada aos pacientes a dose mínima eficaz. Em muitos casos, a dose de 20 mg duas vezes ao dia pode ser suficiente. Mania bipolar: Uso em adultos: A dose inicial recomendada, no tratamento agudo, é de 40 mg duas vezes ao dia, administrada com alimentos. A dose diária pode ser subseqüentemente ajustada com base na resposta clínica individual até uma dose máxima de 80 mg duas vezes ao dia. Se houver indicação clínica, a dose máxima recomendada pode ser alcançada no 3º dia de tratamento. A eficácia da ziprasidona por mais de 3 semanas de tratamento para um episódio agudo e para uso profilático em distúrbios bipolares não foi avaliada sistematicamente em estudos clínicos controlados (ver Indicações — Informações de estudos clínicos — Mania bipolar). Uso em crianças: A segurança e a eficácia em indivíduos menores de 18 anos não foram estabelecidas. Uso em idosos:Geralmente não é necessário ajuste de dose em pacientes idosos (65 anos ou mais). Uso na insuficiência renal: Não é necessário ajuste de dose em pacientes com insuficiência renal. Uso na insuficiência hepática:Em pacientes com insuficiência hepática de grau leve a moderado, doses menores devem ser consideradas. Uma vez que não há experiência clínica em pacientes com insuficiência hepática grave, GEODON® deve ser utilizado com cautela neste grupo de pacientes. Uso em fumantes: Não é necessário ajuste de dose em pacientes fumantes.

 

Superdosagem — A experiência de superdosagem com GEODON®(cloridrato de ziprasidona) é limitada. Na maior superdosagem relatada durante estudos clínicos pré-comercialização, um paciente apresentou sedação, fala indistinta e hipertensão transitória (200/95 mmHg) após ingestão confirmada de 3.240 mg de ziprasidona. O intervalo QTc máximo observado foi de 478 ms, 6 horas após a ingestão. Não foram observadas alterações clinicamente significantes no ritmo ou funções cardíacas, e o paciente teve alta médica após passar a noite, em observação, na sala de emergência. Se houver suspeita de superdosagem, deve ser considerada a possibilidade de envolvimento de múltiplos fármacos. Não há antídoto específico para ziprasidona. Em casos de superdosagem aguda, deve-se estabelecer e manter uma via aérea e garantir ventilação e oxigenação adequadas. Deve-se considerar a lavagem gástrica (após intubação, se o paciente estiver inconsciente) e a administração de carvão ativado associado a um laxante. A possibilidade de obnubilação, convulsões ou reação distônica da cabeça e pescoço após superdosagem pode levar ao risco de aspiração por vômito induzido. A monitoração cardiovascular deve começar imediatamente e deve incluir monitoração eletrocardiográfica contínua, para detectar possíveis arritmias. Devido ao fato de a ziprasidona estar altamente ligada às proteínas, é improvável que a hemodiálise seja benéfica no tratamento de superdosagem. A rigorosa monitoração e supervisão médica devem ser mantidas até que o paciente se recupere.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Só pode ser vendido com retenção de receita.

 

Registro no M.S. 1.0216.0066.

 

Laboratórios PFIZER Ltda.

 

 

 

 

CancidasTM

 

Acetato de caspofungina, MSD

 

 

Composição — CANCIDASÔ 50 mg: Cada frasco-ampola de CANCIDASÔ contém 55,5 mg de acetato de caspofungina, que são equivalentes a 50 mg de base anidra livre de caspofungina. CANCIDASÔ 70 mg: Cada frasco-ampola de CANCIDASÔ contém 77,7 mg de acetato de caspofungina, que são equivalentes a 70 mg de base anidra livre de caspofungina. Ingredientes inativos: Cada frasco-ampola de CANCIDASÔ  contém os seguintes ingredientes inativos: Sacarose, manitol, ácido acético glacial e hidróxido de sódio (para ajustar o pH).

 

Indicações — CANCIDASÔ é indicado para o tratamento de aspergilose invasiva em pacientes que apresentam resistência ou intolerância a outros tratamentos.

 

Contra-indicações — CANCIDASÔ é contra-indicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente do produto. Gravidez: Não há experiência clínica envolvendo mulheres grávidas. Em ratas, a caspofungina causou redução dos pesos corpóreos fetais e aumento da incidência de ossificação incompleta do crânio e do tronco, com a administração de uma dose tóxica de 5 mg/kg/dia a fêmeas prenhes. Além disso, com essa mesma dose houve aumento da incidência de costela cervical em ratos. A caspofungina demonstrou cruzar a barreira placentária em estudos com animais. CANCIDASÔ não deve ser usado durante a gravidez, a menos que estritamente necessário. Nutrizes: Não se sabe se essa medicação é excretada no leite humano; portanto, mulheres recebendo CANCIDASÔ não devem amamentar.

 

Reações adversas — A segurança global da caspofungina foi avaliada em 612 indivíduos que receberam doses únicas ou múltiplas de acetato de caspofungina. Entre os pacientes admitidos nos estudos clínicos fases II e III, 58 pacientes apresentavam aspergilose invasiva e 277, candidíase orofaríngea e/ou esofágica, indicações ainda não aprovadas para CANCIDASÔ. Os 58 pacientes com aspergilose invasiva foram admitidos em um estudo aberto e não-comparativo; a maioria desses pacientes apresentava malignidades hematológicas subjacentes. Três estudos controlados com medicação ativa, envolvendo basicamente pacientes infectados pelo HIV, compararam a segurança da caspofungina com o fluconazol (N = 93) ou a anfotericina B (N = 89) no tratamento da candidíase orofaríngea e/ou esofágica. Organismo em geral: Febre. Vascular periférico: Flebite/tromboflebite, e/ou complicações na linha venosa. Sistema digestivo: Náusea e vômito. Pele e anexos da pele: Rubor da face e do pescoço.

 

Posologia — Recomendações gerais: Uma dose única de carga de 70 mg deve ser administrada no 1o dia, seguida por 50 mg diariamente. CANCIDASÔ deve ser administrado por infusão intravenosa lenta, durante aproximadamente 1 hora. A duração do tratamento deve basear-se na gravidade da doença subjacente, na recuperação da imunossupressão e na resposta clínica. Embora não haja informação que demonstre aumento da eficácia com doses mais altas, os dados disponíveis sobre segurança sugerem que o aumento da dose diária para 70 mg pode ser considerado em pacientes nos quais CANCIDASÔ foi bem tolerado sem evidência de resposta clínica. Não há necessidade de ajuste posológico para pacientes idosos (a partir de 65 anos de idade). Não há necessidade de ajuste posológico com base no sexo, na raça ou no comprometimento renal. Ao administrar CANCIDASÔ concomitantemente com os indutores do metabolismo e/ou os indutores/inibidores mistos efavirenz, nelfinavir, nevirapina, rifampicina, dexametasona, fenitoína ou carbamazepina deve-se considerar aumento da dose diária de CANCIDASÔ para 70 mg, após a dose de carga usual de 70 mg. Pacientes com insuficiência hepática: Pacientes com insuficiência hepática leve (escore de Child-Pugh de 5 a 6) não requerem ajuste posológico. Entretanto, para pacientes com insuficiência hepática moderada (escore de Child-Pugh de 7 a 9), após a dose inicial de carga de 70 mg, recomenda-se a administração de 35 mg de CANCIDASÔ  por dia. Não há experiência clínica em pacientes com insuficiência hepática grave (escore de Child-Pugh acima de 9). Reconstituição de CANCIDASÔ: Não usar diluentes contendo glicose (a-D-glicose), uma vez que CANCIDASÔ não se mantém estável em diluentes que contenham glicose. Não misturar nem proceder à infusão CANCIDASÔe outras medicações, uma vez que não há dados disponíveis sobre a compatibilidade de CANCIDASÔ com outras substâncias, aditivos ou medicações intravenosas. Inspecionar visualmente a solução de infusão quanto à presença de micropartículas ou alteração de cor.

 

Apresentações — Pó para solução para infusão intravenosa: CANCIDASÔ 50 mg é apresentado em caixa com um frasco-ampola contendo 55,5 mg de acetato de caspofungina, que são equivalentes a 50 mg de base anidra livre de caspofungina. CANCIDASÔ 70 mg é apresentado em caixa com um frasco-ampola contendo 77,7 mg de acetato de caspofungina, que são equivalentes a 70 mg de base livre de caspofungina.

 

MERCK SHARP & DOHME Farmacêutica Ltda.

 

 

 BUPIABBOTT PLUS (Abbott). Cloridrato de bupivacaína, epinefrina. Anestésico local. Emb. com 6 fr.-amp. de 30 ml.

 

 

 GENGRAF (Abbott). Ciclosporina. Imunossupressor. Emb. com 50 cáp. de 25, 50 e 100 mg.

 

 

 LIDOCABBOTT H (Abbott). Cloridrato de lidocaína. Anestésico local. Cx. com 25 amp. de 2 ml.

 

 

 LIDOCABBOTT 2% (Abbott). Cloridrato de lidocaína. Anestésico local. Cx. com 12 fr.-amp. de 20 ml a 2%.

 

 

 

 

CLARIL (Alcon).

 

Composição

Cloridrato de nafazolina, maleato de feniramina.

 

Indicação

Inflamações oculares.

 

Apresentação

Frasco com 15 ml de solução oftálmica estéril (colírio).

 

 

 FENTABBOTT (Abbott). Citrato de fentanila. Analgésico de curta duração. Cx. com 25 amp. de 5 ml com 0,05 mg/ml; cx. com 50 amp. de 2 ml com 0,05 mg/ml.

 

 

 

 

CYMEVENE CÁPSULAS (Roche).

 

Ganciclovir

 

Apresentação

Cápsulas com 250 mg de ganciclovir: Frasco com 84 cápsulas.

 

Composição

Ganciclovir na forma de sal sódico.

 

Indicações

Tratamento de manutenção da retinite causada pelo CMV em pacientes imunocomprometidos, inclusive os HIV-positivos. Prevenção da doença por CMV em pacientes HIV-positivos e em receptores de transplante de órgãos sólidos.

 

Contra-indicações

Pacientes com hipersensibilidade ao ganciclovir, aciclovir e valaciclovir. Precauções e advertências: Potencial teratogênico e carcinogênico em humanos. Não iniciar terapia se: neutrófilos < 500 células/ml, plaquetas < 25.000 células/ml ou Hb < 8 g/dl. É recomendável monitorizar leucócitos e plaquetas e se necessário usar fatores de crescimento. Se a função renal estiver alterada, ajustar a dose com base no clearance de creatinina. Efeitos na habilidade de dirigir e utilizar máquinas:Podem ocorrer convulsões, sedação, tonturas, ataxia e/ou confusão. Se ocorrerem, tais efeitos poderão alterar tarefas que necessitem de concentração, incluindo habilidade para dirigir automóveis e operar máquinas. Gravidez e lactação: Não existem estudos em mulheres grávidas. Interações medicamentosas: Probenecida (pode aumentar a concentração sérica de ganciclovir), zidovudina (a AUC de zidovudina pode aumentar e a do ganciclovir pode diminuir; podem ocorrer neutropenia e anemia), didanosina (aumento de 84%-124% da AUC da didanosina, sendo necessária monitorização), imipenem-cilastatina (convulsões generalizadas podem ocorrer; considerar o risco-benefício), micofenolato (observa-se aumento de concentração do ganciclovir e do MPAG; observar a dose do ganciclovir, não há necessidade de ajuste do micofenolato). Pode haver aumento de toxicidade com outras drogas mielossupressoras ou associada à disfunção renal (dapsona, pentamidina, fluocitosina, vincristina, vimblastina, adriamicina, anfotericina B, análogos de nucleotídeos, hidroxiuréia).

 

Reações adversas

Neutropenia, náuseas, vômitos, anemia, leucopenia, pancitopenia, esplenomegalia, trombocitopenia, estomatite, constipação, diarréia, dispepsia, disfagia, eructação, esofagite, incontinência fecal, flatulência, gastrite, hemorragia gastrointestinal, testes de função hepática alterados, ulcerações da boca, náuseas, pancreatite, vômitos, distensão abdomimal, anorexia, astenia, celulite, cefaléia, infecção, mal-estar, dor, perda de peso, hepatite, icterícia, trombose venosa profunda, hipertensão, enxaqueca, vasodilatação, tosse, dispnéia, sonhos e pensamentos anormais, marcha anormal, agitação, amnésia, ansiedade, ataxia, confusão, vertigem, boca seca, labilidade emocional, euforia, hiperestesia, hipercinesia, hipertonia, insônia, diminuição da libido, reação de mania, neuropatia, convulsão, sonolência, tremor, alopecia, acne, pele seca, prurido, rash, sudorese, alteração da visão, ambliopia, cegueira, conjuntivite, surdez, descolamento de retina, retinite, perversão do paladar, zumbido, distúrbios no humor vítreo, hiperglicemia, hipocalemia, aumento da fosfatase alcalina, da creatinina sérica, da creatinoquinase, da desidrogenase láctea, da TGO, da TGP, alteração da função renal, diminuição do clearance de creatinina, impotência, aumento da freqüência urinária, infecção do trato urinário, artralgia, mialgia, miastenia, cãibras, provável inibição temporária ou permanente da espermatogênese.

 

Posologia

Administração oral. Dosagem padrão: Para pacientes com retinite por CMV estável após a terapia de indução, a dose de manutenção administrada por via oral é 1.000 mg, 3 vezes por dia, junto com a alimentação. Alternativamente, o regime de 500 mg, 6 vezes ao dia, pode ser usado. Para prevenção da doença por CMV, a dose recomendada é de 1.000 mg, 3 vezes ao dia, junto com a alimentação. Dosagens especiais: 1. Pacientes com disfunção renal: A  dose deve ser modificada como mostrado na tabela a seguir: Clearance de creatinina pode ser calculado pela creatinina sérica pela seguinte fórmula:

 

Pacientes do sexo masculino = (140 – idade [em anos]) x (peso [kg])

                                            (72) x (0,011 x creatinina sérica [mmol/l])

 

Para pacientes do sexo feminino: 0,85 x valor para o sexo masculino:

 

Clearance de creatinina                  Dose

³ 70 ml/min                                  1.000 mg, 3 vezes/dia, ou 500 mg, 6 vezes/dia

50-69 ml/min                                1.500 mg/dia ou 500 mg, 3 vezes/dia

24-49 ml/min                                1.000 mg/dia ou 500 mg, 2 vezes/dia

10-24 ml/min                                500 mg/dia

< 10 ml/min                                  500 mg, 3 vezes/semana, depois da hemodiálise

 

2. Pacientes com leucopenia, leucopenia grave, anemia e trombocitopenia: A terapia com CymeveneÒ (Ganciclovir) oral não deve ser iniciada se a contagem absoluta de neutrófilos for menor que 500 células/mcl ou contagem de plaqueta menor que 25.000/mcl ou hemoglobina menor que 8 g/dl. 3. Idosos: Especial atenção em sua condição renal. 4. Crianças: A eficácia e a segurança do ganciclovir em pacientes pediátricos não estão estabelecidas. O seu uso requer extremo cuidado devido ao potencial carcinogênico em longo prazo e à toxicidade reprodutiva. Os benefícios do tratamento devem ser considerados em relação aos riscos.

 

 

 

 

ROFERON-A(Roche).

 

Interferon alfa-2a

 

Composição

Interferon alfa-2a.

 

Indicações

Hepatites crônicas B e C, linfoma cutâneo de células T, leucemia mielóide crônica, trombocitose associada à doença mieloproliferativa, linfoma não-Hodgkin de baixo grau, sarcoma de Kaposi, carcinoma de células renais, melanoma metastático.

 

Contra-indicações

Hipersensibilidade ao interferon recombinante alfa-2a ou a qualquer componente de sua formulação, doença cardíaca, função renal, hepática ou mielóide gravemente comprometida, crises convulsivas ou doença neurológica funcional, doença hepática descompensada, hepatite auto-imune ou cirrose, doença hepática sob tratamento ou recentemente tratada com agentes imunossupressores (exceto uso breve de esteróides), leucemia mielóide crônica quando há possibilidade de transplante de medula.

 

Efeitos colaterais

Leucopenia e trombocitopenia, fadiga, febre, calafrios, anorexia, mialgia, cefaléia, artralgias, sudorese, letargia, fraqueza e, nos pacientes oncológicos, hipotensão, hipertensão, arritmias, náuseas e vômitos. Menos freqüentes: alterações de TGO, fosfatase alcalina, LDH, bilirrubina, cálcio, glicose, creatinina e sedimento urinário, perda de peso, alopecia e depressão. Raros: anemia, reações no local de aplicação, reagravamento de herpes labial, úlcera péptica e sangramento digestivo, hepatite, vertigem, fenômenos auto-imunes, retinopatia isquêmica, disfunção cognitiva e comportamental (comportamento suicida), convulsões, coma, neuropatia periférica, edema pulmonar, pneumonia, insuficiência cardíaca congestiva, parada cardiorrespiratória e infarto do miocárdio.

 

Posologia

Hepatite crônica B: 4,5 milhões UI, 3 vezes por semana, 6 meses. Hepatite crônica C (monoterapia ou combinado com ribavirina): 3 milhões UI, 3 vezes por semana, 6 ou 12 meses. Tricoleucemia: Inicial: 3 milhões UI/dia, 16 a 24 semanas. Manutenção: 3 milhões UI, 3 vezes por semana. Linfoma cutâneo de células T: Inicial: escalonar até 18 milhões UI/dia, 12 semanas. Manutenção: Dose máxima tolerada pelo paciente (não excedendo 18 milhões UI, 3 vezes por semana). Leucemia mielóide crônica e trombocitose em leucemia mielóide crônica: Escalonar como segue: dias 1-3: 3 milhões UI/dia; dias 4-6: 6 milhões UI/dia; dias 7-84: 9 milhões UI/dia. Trombocitose em outras doenças mieloproliferativas (exceto leucemia mielóide crônica): dias 1-3: 3 milhões UI/dia; dias 4-30: 6 milhões UI/dia. Linfoma não-Hodgkin de baixo grau: 3 milhões UI, 3 vezes por semana, 12 meses. Sarcoma de Kaposi: Inicial: escalonar até, no mínimo, 18 milhões UI/dia, se possível, até 36 milhões UI/dia, 10 a 12 semanas. Manutenção: Dose máxima tolerada pelo paciente (não excedendo 36 milhões UI, 3 vezes por semana). Carcinoma de célula renal (monoterapia): Inicial: escalonar até, no mínimo, 18 milhões UI/dia, se possível, até 36 milhões UI/dia, 8 a 12 semanas. Manutenção: Dose máxima tolerada pelo paciente (não excedendo 36 milhões UI, 3 vezes por semana). Melanoma: 18 milhões UI, 3 vezes por semana, 8 a 12 semanas. Manutenção: 18 milhões UI, 3 vezes por semana ou na dose máxima aceita pelo paciente. Via de administração: Subcutânea ou intramuscular (depende da indicação).

 

Apresentação

Seringa preenchida: Cada seringa preenchida (dose única) contém 3, 4,5 ou 9 MUI (milhões de unidades internacionais) de interferon alfa-2a em 0,5 ml. Frasco-ampola: Cada frasco-ampola contém 3, 4,5 ou 9 MUI (milhões de unidades internacionais) de interferon alfa-2a em 1 ml.

 

 

 

 

Suprema®

 

Acetato de noretisterona + Estradiol

 

 

Composição — Cada comprimido revestido contém: Acetato de noretisterona 1 mg; Estradiol 2 mg. Excipientes: Lactose, celulose microcristalina, laurilsulfato de sódio, croscarmelose sódica, estearato de magnésio, dióxido de titânio, dióxido de silício coloidal, etilcelulose, hipromelose, macrogol, óxido de ferro.

 

Indicações — Tratamento dos distúrbios decorrentes da deficiência estrogênica, tais como sudorese e ondas de calor, incluindo profilaxia e tratamento da osteoporose e atrofia urogenital em pacientes pós-menopausadas.

 

Contra-indicações — Pacientes com hipersensibilidade ao medicamento; gravidez suspeita ou comprovada; história anterior ou atual de distúrbios tromboembólicos arterial ou venoso ou tromboflebites; doenças vasculares cerebrais ou coronarianas; tumor hepático atual ou já tratado; hepatopatias graves (antecedentes de icterícia idiopática e síndromes de Dubin-Johnson e de Rotor); prurido persistente durante gestação anterior; história prévia ou atual de neoplasia estrógeno-dependente, confirmada ou suspeita, da mama ou dos genitais; hemorragia genital anormal não-diagnosticada; antecedentes de herpes gestacional; otosclerose agravada durante a gravidez; anemia falciforme; diabetes grave com alteração vascular e distúrbios do metabolismo lipídico.

 

Reações adversas — Foram associadas ao tratamento com estrógeno e/ou progestágeno as seguintes reações: náuseas, vômitos, sangramento intermenstrual, dismenorréia, tensão mamária, cefaléia, enxaqueca, nervosismo, depressão, alterações da libido, edemas e moléstias varicosas. Muito raramente foram relatados: cloasma, gastrite, alopecia, secreção vaginal, aumento do apetite, erupção cutânea, sintomas androgênicos, amenorréia, galactorréia, mastopatia, insônia, cansaço, intolerância à lente de contato, alterações de secreção cervical, coréia, hirsutismo e porfiria foram relatados, porém carecem de confirmação. Hemorragias intermenstruais podem ocorrer com maior probabilidade durante os primeiros ciclos de uso. Em todos os casos de sangramento genital irregular, causas não-funcionais devem ser descartadas.

 

Posologia — Para se alcançar os máximos efeitos terapêuticos, SUPREMA®deve ser utilizado exatamente como está descrito na bula e em intervalos que não excedam 24 horas. Recomenda-se que SUPREMA® seja tomado sempre à mesma hora, todos os dias, preferencialmente após o jantar ou antes de dormir. Terminado um blister-calendário, deve-se iniciar, imediatamente outro blister, sem qualquer intervalo de tempo. Ingerir o comprimido de SUPREMA® com a ajuda de algum líquido, sem mastigar e preferencialmente durante ou logo após uma das refeições do dia. O uso de SUPREMA® é indicado somente para pacientes cuja menopausa tenha ocorrido há mais de um ano. Primeira vez: Em mulheres que estão procedendo à terapia de reposição hormonal pela primeira vez, o tratamento com SUPREMA®pode ser iniciado em qualquer dia. Mudança de outro repositor hormonal para SUPREMA®: Para mulheres que utilizaram previamente outra terapia de reposição hormonal combinada seqüencial, recomenda-se iniciar o tratamento com SUPREMA® ao final do sangramento programado. O tratamento com SUPREMA® destina-se à terapia hormonal com indução de amenorréia. As pacientes devem ser orientadas sobre a possibilidade de ocorrer sangramentos nos seis primeiros ciclos de uso, mas que não devem ser excessivos e tendem a diminuir e cessar após este período. Caso os sangramentos persistam, deve ser considerada a descontinuação da terapia ou mudança para terapia seqüencial.

 

Apresentação — Comprimido revestido: Caixa com 1 blister-calendário com 28 comprimidos revestidos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0974.0117.

 

BIOLAB SANUS Farmacêutica Ltda.

 

 

 ISOTREXOL CREME (Stiefel). Isotretinoína. Fotoenvelhecimento, acne. Bisn. com 30 g.

 

 

 HIDRAFIL EYECARE (Stiefel). Creme para o contorno dos olhos.

 

 

 

 

Sonhare

 

Valeriana officinalis

Melissa officinalis

 

Fitoterápico

 

Uso adulto

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — Drágeas: Embalagens com 20 e 40 drágeas.

 

Composição — Cada drágea contém: Extrato seco de raiz de Valeriana officinalis 120 mg (contém no mínimo 0,36 mg de ácido valerênico); Extrato seco de folha de Melissa officinalis 80 mg (contém no mínimo 1,44 mg de ácido rosmarínico). Excipientes: Celulose microcristalina, dióxido de silício coloidal, xarope de glicose seco, amidoglicolato de sódio, estearato de magnésio, sacarose, talco, acácia em pó, dióxido de titânio, macrogol, cera-de-carnaúba, cera-de-abelha branca, indigotina.

 

Informações ao paciente — SONHARE é um medicamento fitoterápico, que contém os princípios ativos do extrato seco de raiz de Valeriana officinalis L., pertencente à família Valerianaceae, e do extrato seco de folha de Melissa officinalis L., pertencente à família Labiatae, que são considerados sedativos leves. SONHARE é indicado nos casos de tensão, agitação, irritabilidade e dificuldade de dormir, principalmente em situações de estresse temporário. Manter o medicamento em temperatura ambiente (15°C a 30°C). Proteger da luz e da umidade. O prazo de validade do produto é de 48 meses. Não tome medicamentos com prazo de validade vencido. No período de gravidez e lactação, SONHARE não deve ser utilizado sem orientação médica. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se está amamentando. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Informe o seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. Informe o seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando antes do início ou durante o tratamento. SONHARE pode causar sonolência. As habilidades de dirigir ou de operar máquinas podem ser reduzidas. Se este efeito ocorrer, não dirija nem opere máquinas. Atenção diabéticos: Contém açúcar.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas — Raízes de valeriana: Os efeitos sedativos da raiz de valeriana já são conhecidos há muito tempo de forma empírica, porém não se pode atribuí-los com certeza a nenhum dos seus constituintes conhecidos. A atividade depressora do sistema nervoso central do óleo essencial e por certos compostos (ácido valerênico, valeranona, valerenal) isolados a partir do óleo essencial foi deduzida a partir da observação de sintomas farmacológicos, mas não pôde ser confirmada em estudos mais recentes. A atividade central foi evidenciada somente após a administração do extrato total da raiz de valeriana. Vários estudos em humanos demonstraram que extratos secos de raiz de valeriana administrados oralmente melhoram o período de latência e a qualidade do sono. Folhas de melissa: O efeito sedativo do extrato hidroalcoólico (10%) liofilizado, administrado via intraperitoneal, foi demonstrado por um estudo com camundongos em ambiente familiar (dois compartimentos) e estranho (escada). Os efeitos foram dose-dependentes até 25 mg/kg de peso corpóreo, dose que produziu o máximo efeito. Doses maiores, de até 100 mg/kg (ou mesmo 800 mg/kg no teste da escada), não aumentaram os efeitos. Baixas doses (3-6 mg/kg) de extrato induziram sono em camundongos tratados com uma dose infra-hipnótica de pentobarbital. Doses entre 6 e 50 mg/kg prolongaram o período de sono induzido por pentobarbital, porém doses mais elevadas não produziram o mesmo efeito. Combinação de raízes de valeriana e folhas de melissa: A combinação não foi avaliada em estudos experimentais realizados em animais. Contudo, um estudo clínico com a combinação de 160 mg de extrato de raiz de valeriana e 80 mg de extrato de melissa por comprimido obteve resultados positivos em relação a fatores como nervosismo, cansaço e distúrbios do sono após uma semana de tratamento, e ainda mais expressivos após 4 semanas, na maioria dos 2.395 pacientes. Pacientes que apresentavam grande dificuldade para dormir obtiveram uma melhora na capacidade de dormir, juntamente com fases mais prolongadas de sono profundo.

 

Indicações — SONHARE é um medicamento fitoterápico indicado nos casos de tensão, agitação, irritabilidade e dificuldade de dormir, principalmente em situações de estresse temporário.

 

Contra-indicações — O produto é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Precauções — SONHARE pode causar sonolência. As habilidades de dirigir ou de operar máquinas podem ser reduzidas. Se este efeito ocorrer, não dirija nem opere máquinas.

 

Gravidez e lactação — Até o momento não há evidência de que haja algum risco durante esse período. Porém, como ainda não se realizaram estudos científicos,  SONHARE deve ser evitado durante a gravidez e a lactação, utilizando-se o produto somente sob orientação médica.

 

Interações medicamentosas — Até o momento não se conhecem interações com outros medicamentos.

 

Reações adversas — Até o momento não há relatos de efeitos adversos. Se ocorrerem reações alérgicas (erupções cutâneas), interrompa o tratamento e, se necessário, consulte o seu médico.

 

Posologia e modo de usar — Adultos e adolescentes acima de 12 anos: Nos casos de tensão, agitação e irritabilidade, tomar 2 a 3 drágeas até três vezes ao dia. Nos casos de dificuldade de dormir, tomar a dose de 2 a 3 drágeas de uma vez, entre meia a uma hora antes de se deitar (considerando-se que tenha sido tomada a dose da noite). As drágeas devem ser ingeridas com um pouco de água ou com algum outro líquido.

 

Superdosagem — Na eventualidade da ingestão de doses muito acima das preconizadas, se aparecerem sintomas, recomenda-se adotar as medidas de tratamento de suporte. Não se conhece antídoto específico.

 

Pacientes idosos — Desconhecem-se restrições ou precauções especiais para o uso de SONHARE em pacientes com idade superior a 65 anos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Para sua segurança, mantenha esta embalagem até o uso total do medicamento.

 

Fabricado por: Wiewelhove GmbH KG — Alemanha.

 

Serviço de Atendimento ao Cliente: 0800-7016633.

 

Registro no M.S. 1.0367.0123.

 

Importado, embalado e distribuído por:

BOEHRINGER INGELHEIM do Brasil Química e Farmacêutica Ltda.

 

 

 

 

WARTEC  (Stiefel).

 

Podofilotoxina

 

Creme a 0,15%

 

Composição

Cada g contém: Podofilotoxina 1,5 mg; Excipiente q.s.p. 1,0 g. O excipiente contém: ácido fosfórico, ácido sórbico, água purificada, álcool cetílico, álcool estearílico, butilidroxianisol (BHA), metilparabeno, miristato de isopropila, óleo de coco fracionado, óleo mineral, propilparabeno, steareth-7, steareth-10.

 

Indicações

WARTEC é indicado no tratamento tópico de verrugas anogenitais externas (condiloma acuminado), que afetam o pênis, em homens, e a genitália externa feminina.

 

Contra-indicações

Tratamento de feridas abertas como, por exemplo, as decorrentes de procedimentos cirúrgicos. WARTEC é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula. O uso concomitante do produto com outras preparações contendo podofilotoxina é contra-indicado. WARTEC não deve ser usado em crianças.

 

Reações adversas

Irritação local pode ocorrer no segundo ou terceiro dia de aplicação, associada com o começo da necrose da verruga. Na maioria dos casos, as reações são leves. Sensibilização da pele, prurido, ardor, eritema, úlcera epitelial superficial e balanopostite foram relatados. A irritação local diminui gradativamente após o tratamento. Consultar o médico se a coceira ou o ardor persistirem e causarem desconforto, ou se também houver outras reações adversas.

 

Posologia

A área afetada deve ser completamente lavada com sabão e água e bem enxugada antes do tratamento com WARTEC. Aplique o creme sobre os condilomas 2 vezes ao dia. Aplique quantidade suficiente de creme para cobrir completamente a lesão. Repita o tratamento por 3 dias consecutivos. Se os condilomas não desaparecerem, repita o ciclo de tratamento após 7 dias, contados a partir do 1o dia de tratamento. O tratamento pode ser repetido por, no máximo, 4 ciclos de tratamento de 1 semana cada. Caso a área total da lesão seja superior a 10 cm2, recomenda-se que o tratamento seja feito diretamente por um médico.

 

Apresentação

Creme: Embalagem contendo bisnaga com 5 gramas de produto e um espelho.

 

 

 

 

Zometa

 

Ácido zoledrônico

 

 

Composição — Cada frasco-ampola contém 4,264 mg de ácido zoledrônico monoidratado, equivalente a 4 mg de ácido zoledrônico anidro. Excipientes: Manitol, citrato de sódio e água para injeção.

 

Indicações — Prevenção de eventos relacionados ao esqueleto (fraturas patológicas, compressão espinhal, radioterapia/cirurgia nos ossos ou hipercalcemia induzida por tumor) em pacientes com tumor maligno avançado com comprometimento ósseo. Tratamento da hipercalcemia induzida por tumor.

 

Contra-indicações — ZOMETA está contra-indicado em pacientes grávidas, lactantes, pacientes com hipersensibilidade clinicamente significativa ao ácido zoledrônico, a outros bisfosfonatos ou a qualquer dos componentes da formulação.

 

Reações adversas — As reações adversas são classificadas de acordo com a sua freqüência, primeiro as mais freqüentes, usando a seguinte convenção: muito comum (³ 1/10), comum (³ 1/100, < 1/10), pouco comum (³ 1/1.000, < 1/100), rara (³ 1/10.000, < 1/1.000), muito rara (< 1/10.000), incluindo relatos isolados.

 

Alterações sangüíneas e do sistema linfático:

      Comum                                                                           Anemia

      Pouco comum                                                              Trombocitopenia, leucopenia

      Raro                                                                                  Pancitopenia

Alteração do sistema nervoso:

      Comum                                                                           Cefaléia

      Pouco comum                                                              Tontura, parestesias, alteração do paladar, hipoestesia,

      hiperestesia, tremores

Alterações psiquiátricas:

      Pouco comum                                                              Ansiedade, alteração do sono

      Raro                                                                                  Confusão

Alterações oculares:

      Comum                                                                           Conjuntivite

      Pouco comum                                                              Visão turva

Alterações gastrointestinais:

      Comum                                                                           Náuseas, vômito, anorexia

      Pouco comum                                                              Diarréia, obstipação (constipação), dor abdominal, dispepsia,

                                                                                                estomatite, boca seca

Alterações respiratórias, torácicas e do mediastino:

      Pouco comum                                                              Dispnéia, tosse

Alterações da pele e tecido subcutâneo:

      Pouco comum                                                              PrurIdo, rash (erupção cutânea), incluindo rashes eritematoso

                                                                                                e macular, hiperidrose

Alterações musculoesqueléticas, dos tecidos conjuntivo e ósseo:

      Comum                                                                           Dor óssea, mialgia, artralgia, dor generalizada

      Pouco comum                                                              Cãibras musculares

Alterações cardiovasculares:

      Pouco freqüente                                                           Hipertensão

      Raro                                                                                  Bradicardia

Alterações renais e urinárias:

      Comum                                                                           Insuficiência renal

      Pouco comum                                                              Insuficiência renal aguda, hematúria, proteinúria

Alterações do sistema imunológico:

      Pouco comum                                                              Reação de hipersensibilidade

      Raro                                                                                  Edema angioneurótico

Alterações gerais e do local da administração:

      Comum                                                                           Febre, síndrome tipo gripe (incluindo fadiga, arrepios,

                                                                                                mal-estar, rubor)

      Pouco comum                                                              Astenia, edema periférico, reação no local de administração(incluindo

                                                                                                dor, irritação, tumefação, induração), dor torácica,

                                                                                                aumento de peso

Alterações laboratoriais:

      Muito comum                                                               Hipofosfatemia

      Comum                                                                           Aumento dos níveis sangüíneos de creatinina e uréia,

                                                                                                hipocalcemia

      Pouco comum                                                              Hipomagnesemia, hipocalemia

      Raro                                                                                  Hipercalemia, hipernatremia

 

Apesar de não observada com ZOMETA, a administração de bisfosfonatos foi associada com broncoconstrição em pacientes asmáticos sensíveis ao ácido acetilsalicílico.

 

Posologia — Prevenção de eventos relacionados ao esqueleto em pacientes com tumor ósseo avançado: Adultos e idosos: A dose recomendada na prevenção de eventos relacionados ao esqueleto em pacientes com tumor ósseo avançado é de 4 mg de ZOMETA Solução para infusão, reconstituída e posteriormente diluída (diluída com 100 ml de solução de cloreto de sódio 0,9% p/v ou solução de glicose 5% p/v), administrado por infusão intravenosa durante 15 minutos, cada 3 ou 4 semanas. Suplementos orais de cálcio 500 mg e vitamina D 400 UI devem ser administrados diariamente aos pacientes. Tratamento da HIT: Adultos e idosos: A dose recomendada na hipercalcemia (cálcio sérico corrigido pela albumina ³12,0 mg/dl ou 3,0 mmol/l) é de 4 mg de ZOMETA, em solução para infusão reconstituída e posteriormente diluída (diluída em 100 ml de solução de cloreto de sódio 0,9% ou solução de glicose 5%), administrada em infusão intravenosa única, durante 15 minutos. O paciente deve ser avaliado anteriormente à administração de ZOMETA para assegurar a correta hidratação do mesmo. Tratamento posterior (retratamento): Os pacientes que revelam uma resposta inicial completa (normalização do cálcio sérico £ 2,7 mmol/l) e recidivam ou aqueles refratários ao tratamento inicial podem receber um tratamento posterior com ZOMETA 8 mg em infusão intravenosa de 15 minutos, dose única. Contudo, há que decorrer, no mínimo, uma semana antes da repetição do tratamento para permitir uma resposta completa à dose inicial. Nos estudos clínicos 69 pacientes receberam novo tratamento com ZOMETA 8 mg. A solução para infusão é preparada através da reconstituição de dois frascos-ampolas de ZOMETA 4 mg, combinando-as e depois diluindo com 100 ml de solução de cloreto de sódio 0,9% p/v ou solução de glicose 5% p/v. A taxa de resposta observada nestes pacientes tratados pela segunda vez foi de 52%. O tempo médio para um tratamento posterior é de 30 dias com uma dose de 4 mg e 40 dias com uma dose de 8 mg de ZOMETA. Insuficiência renal: Tratamento da HIT: Não é necessário o ajuste de dose em pacientes com TIH apresentando comprometimento renal leve a moderado (creatinina sérica < 400 µmol/l ou < 4,5 mg/dl para esta população). A função renal deve ser cuidadosamente monitorada em todos os pacientes recebendo ZOMETA, e uma possível deterioração da função renal deve ser avaliada antes de reiniciar o tratamento com ZOMETA (ver Advertências e precauções). Prevenção de eventos relacionados ao esqueleto em pacientes com neoplasias ósseas avançadas: Não é necessário o ajuste da dose antes da terapia ser iniciada em pacientes com metástases ósseas, que apresentem comprometimento renal leve a moderado (definido em estudos clínicos como creatinina sérica < 265 µmol/l ou < 3,0 mg/dl para esta população). Como a experiência clínica em pacientes com metástases ósseas e comprometimento renal severo (definido em estudos clínicos como creatinina sérica ³ 265 µmol/l ou ³ 3,0 mg/dl) é limitada, nenhuma recomendação de dose pode ser feita para esta população de pacientes. Tal qual para outros bisfosfonatos, o monitoramento da função renal é recomendado, por exemplo, medição da creatinina sérica antes da administração de cada dose de ZOMETA. Em todos os pacientes com deterioração da função renal, a administração de ZOMETA deve ser interrompida. Na pesquisa clínica, a deterioração da função renal foi definida como segue: para pacientes com valor basal normal de creatinina, aumento de 0,5 mg/dl; para pacientes com o valor basal de creatinina anormal, um aumento de 1,0 mg/dl. Nos estudos clínicos, o tratamento de ZOMETA foi retomado somente quando o nível de creatinina voltou a 10% do valor basal.

 

Apresentação — Solução concentrada para infusão acondicionada em frasco-ampola de plástico incolor: Embalagem contendo 1 frasco-ampola de 5 ml.

 

Registro no M.S. 1.0068.0154.

 

NOVARTIS Biociências S.A.

 

 

 CLARITIN (Schering-Plough). Loratadina. Anti-histamínico. Cart. com 6 e 12 comp. de 10 mg; fr. com 100 ml de xarope com 5 mg/5 ml.

 

 

 PEDIALYTE SOLUÇÃO (Abbott). Reidratante. Emb. com 500 ml.

 

 

 

 

ONCOTAXELÒ (Quiral).

 

Paclitaxel

 

Composição

Frasco-ampola 5 ml e 17 ml: Cada 1 ml da solução injetável contém: Paclitaxel 6 mg; Cremofor 527 mg; Álcool desidratado 49,7% (v/v). Exclusivamente para uso intravenoso.

 

Indicações

ONCOTAXELÒ é indicado para o tratamento de carcinoma metastático de ovário, após falha da quimioterapia de primeira linha ou subseqüente.

 

Contra-indicações

ONCOTAXELÒ é contra-indicado para pacientes com história de reações de hipersensibilidade severas ao paclitaxel ou a outros medicamentos formulados com cremofor. ONCOTAXELÒ não deve ser administrado em pacientes com neutropenia basal < 1.500 células/mm3.

 

Reações adversas

As toxicidades observadas não foram claramente influenciadas pela idade. Reações de hipersensibilidade: No geral, reações de hipersensibilidade ocorreram em 19% dos ciclos administrados. Reações graves ocorreram em 10 pacientes (2%), mesmo tendo recebido medicação prévia, com necessidade de intervenção terapêutica e/ou descontinuação da infusão de paclitaxel durante o primeiro ou o segundo ciclo do tratamento. Sintomas severos ocorreram, normalmente, dentro da primeira hora de infusão. As manifestações mais freqüentes foram dispnéia e hipotensão, com necessidade de tratamento, e dores no peito. Em três casos, a interrupção da infusão foi a única medida necessária. Além destes, 39% dos pacientes tiveram manifestações menores, sendo as mais freqüentes: rubor (32%), erupções (9%), e dispnéia (9%). A proporção de pacientes que desenvolveram uma reação primária diminui de 25%, durante o primeiro ciclo, para 10% durante o segundo ciclo e para menos que 5% após o mesmo. Nos casos de reações menores não houve necessidade da interrupção do tratamento, nem impedimento da conclusão do mesmo. Hepáticas: Testes de alterações da função hepática mostraram relação com a dose empregada de paclitaxel. A análise isolada dos pacientes com função basal normal mostrou que 8% dos pacientes apresentaram aumento dos níveis de bilirrubina, 23% registraram aumento de fosfatase alcalina, 16% de AST (TGO) e 33% ALT (TGP). Parece que há uma relação dose-dependente em todos os casos, exceto para a TGP. Hematológicas: A depressão da medula óssea é a principal toxicidade limitada de dose do paclitaxel. A neutropenia está relacionada à dose e é, de modo geral, rapidamente reversível. Durante o primeiro ciclo de tratamento, houve incidência de neutropenia grave (< 500 células/mm3) em 52% dos casos. Considerando-se o período global de tratamento, esta taxa foi de 67%. Nas doses recomendadas, este índice cai para 47%. Embora freqüente, este quadro é de curta duração e somente 7% dos pacientes apresentaram contagem < 500 células/mm3 por 7 dias ou mais. O nadir de neutrófilos ocorreu, em média, 11 dias após a administração de paclitaxel. A ocorrência de febre foi freqüente (19% do total de ciclos de tratamento) e estava associada à neutropenia severa em 5% dos casos. Pelo menos um episódio de infecção foi relatado por 35% dos pacientes e 13% de todos os ciclos estavam relacionados com um episódio de infecção. Infecções dos tratos urinários e respiratório superior e septicemia são os casos de complicações infecciosas mais freqüentes. Episódios de septicemia (5 casos, aproximadamente 1% dos pacientes) associados com quadro de neutropenia grave, atribuível à administração de paclitaxel foram fatais. Casos de trombocitopenia são menos freqüentes e menos pronunciados que a neutropenia. A contagem de plaquetas se manteve acima de 100.000 células/mm3 em 73% dos pacientes durante o período de tratamento e somente 10% (5% nas doses recomendadas) apresentaram contagem abaixo de 50.000 células/mm3. O nadir de plaquetas ocorre, geralmente, no oitavo ou nono dia. Episódios de hemorragia ocorrem em 19% dos pacientes, mas a maioria destes foram localizados e pareciam estar relacionados à própria doença. Seis pacientes tiveram hemorragias graves, mas somente em um caso houve trombocitopenia severa (25.000 células/mm3). A transfusão de plaquetas foi realizada em 14 pacientes (3%). Anemia (Hb < 11 g/dl) foi caracterizada em 90% dos pacientes. A incidência e a gravidade da anemia parecem aumentar com a maior exposição ao paclitaxel. Anemia severa (Hb < 8 g/dl) ocorreu em 24% do total de pacientes, dos quais 13% apresentavam níveis basais de Hb > 11 g/dl e 40% apresentavam quadro de anemia desde o princípio do estudo. Transfusões de concentrado de glóbulos foram realizadas em 34% dos pacientes, 18% dos quais com Hb > 11 g/dl, por ocasião do início do tratamento contra 58% com anemia basal. Neurológicas: A neuropatia periférica foi relatada em 62% do total de pacientes, com ocorrência mais freqüente de parestesia leve. Sintomas neurológicos graves foram constatados em 4% do total de pacientes. A neuropatia periférica foi dose-dependente em 42% dos pacientes que receberam as doses recomendadas e em 69% dos que receberam doses maiores. A gravidade dos sintomas também aumenta com a dose, sendo que não houve sintomas graves nos pacientes recebendo doses recomendadas contra 6% de ocorrência nos pacientes recebendo doses maiores. Sintomas neurológicos surgiram em 31% dos pacientes que receberam paclitaxel nas doses recomendadas e em 49% dos que receberam doses maiores após o primeiro ciclo, tendendo a piorar com o aumento da exposição ao produto. A incidência de sintomas neurológicos foi comparável nos subgrupos de pacientes previamente tratados com cisplatina (57%). A neuropatia periférica raramente levou à descontinuação do tratamento com paclitaxel (2%). Sintomas sensoriais melhoraram ou desapareceram em alguns meses após a interrupção do medicamento. Neuropatias preexistentes resultantes de terapias anteriores não são contra-indicações à terapia com paclitaxel. Além da neuropatia periférica, a única manifestação neurológica grave foi um caso de ataque epiléptico tipo grande mal, durante a infusão do produto, que reapareceu com uma nova administração de paclitaxel. Cardiovascular: Observou-se hipotensão em 25% dos pacientes e bradicardia em 12%. A maior parte (10%) dos episódios de bradicardia ocorreu durante a infusão e nenhum destes episódios necessitou de tratamento específico. Entre os episódios de hipotensão, 23% apresentaram reação durante a infusão. A bradicardia e a hipotensão geralmente não ocorrem durante o mesmo ciclo. A maioria dos episódios foi assintomática e não necessitou de tratamento, exceto em 2 casos de hipotensão associada a reações de hipersensibilidade graves. Seis eventos cardiovasculares graves (aproximadamente 1,5% dos pacientes), possivelmente relacionados com a administração do produto, foram identificados entre os 402 pacientes envolvidos nos ensaios de paclitaxel. Quatro pacientes apresentaram arritmias (taquicardia ventricular assintomática, bigeminismo, dois episódios de síncope) e foram relatados 2 casos de bloqueio atrioventricular total, necessitando de implantação de marca-passo. Não ficou totalmente definido em todos os casos se os eventos foram causados pela infusão de paclitaxel. Durante o estudo, constatou-se ECG anormal em 30% dos pacientes. Alterações no ECG foram observadas em 19% dos pacientes que possuíam, por ocasião do início do estudo, o traçado normal, comparados a 57% que já tinham ECG basal normal e desenvolveram distúrbios da repolarização não-específica (20%), taquicardia sinusal (19%) e batimentos precoces (7%). A relação entre a administração de paclitaxel e as alterações do ECG não estão definidas, visto que não houve monitorização dos grupos-controle. Dos 119 pacientes que apresentaram alterações no ECG, somente 2 necessitaram de intervenção terapêutica. Artralgia/mialgia: Foram relatadas em 55% dos pacientes, normalmente manifestando-se com dores nas articulações maiores dos braços e pernas. Os sintomas foram normalmente transitórios, ocorrendo 2 ou 3 dias após a administração de paclitaxel e desaparecendo em poucos dias. A incidência e a gravidade da artralgia/mialgia foi claramente dose-dependente e mais freqüente em pacientes recebendo G-CSF. Gastrintestinal: Efeitos colaterais gastrintestinais foram relatados, tais como náuseas (59%), vômitos (43%), diarréia e mucosite (39%). Estas manifestações foram normalmente de leves a moderadas, nas doses recomendadas. Outros: A alopecia foi observada em quase todos os pacientes. Foram observadas alterações transitórias e leves na pela e nas unhas.

 

Posologia

Em pacientes com carcinoma de ovário, o paclitaxel tem sido usado em diversas doses e esquemas; entretanto, o regime posológico ótimo não está claro. Em pacientes previamente tratados com quimioterapia para câncer de ovário, o esquema posológico recomendado corresponde a 135 mg/m2 ou 175 mg/m2 de ONCOTAXELÒ administrados intravenosamente por 3 horas a cada 3 semanas. Para pacientes com carcinoma de mama, o esquema posológico que tem se mostrado eficaz, após falha da quimioterapia para doença metastática ou recidiva dentro de um período de 6 meses da quimioterapia adjuvante, corresponde a 175 mg/m2 de ONCOTAXELÒ, administrados intravenosamente por 3 horas, a cada 3 semanas. Ciclos de tratamento com ONCOTAXELÒ não devem ser repetidos até que a contagem de neutrófilos e de plaquetas seja de, pelo menos, 1.500 células/mm3 e 100.000 células/mm3, respectivamente. Os pacientes que apresentaram neutropenia grave (neutrófilos < 500 células/mm3) ou neuropatia periférica de moderada a grave durante a terapia com ONCOTAXELÒ devem ter a dosagem reduzida em 20% nos ciclos subseqüentes. A incidência e a gravidade da neurotoxicidade e da toxicidade hematológica aumenta com a dose, principalmente acima de 190 mg/m2.

 

Apresentação

Solução injetável para perfusão: Frasco-ampola âmbar, contendo 30 mg de paclitaxel em 5 ml de solução para administração intravenosa, apresentado em caixa contendo 1 frasco-ampola; frasco-ampola âmbar, contendo 102 mg de paclitaxel em 17 ml de solução para administração intravenosa, apresentado em caixa contendo 1 frasco-ampola.

 

 

 CLARITIN-D (Schering-Plough). Loratadina, sulfato de pseudo-efedrina. Descongestionante nasal sistêmico. Embalagem com 12 drágeas; frasco com 60 ml de xarope.

 

 

 CLARVISOL  (Allergan). Pirenoxina. Catarata. Emb. com 1 comp. de 0,75 mg + fr. de 15 ml para mistura.

 

 

 FONTO-VIT E 1.000 UI (Fontovit). Vit. E. Cáp. de 1.000 mg.

 

 

 GINKOPLUS (Fontovit). Extrato seco de Gingko biloba. Comp. de 40 e 80 mg.

 

 

 CLAUDEMOR (Sankyo). Tromboplastina, óxido de zinco, bálsamo-do-peru, cloridrato de procaína, etc. Hemorróidas. Emb. com 5 sup.; bisn. com 20 g de pom. + 5 cânulas de aplicação.

 

 

 GLAVIT(Fontovit). Ácido gama-linolênico, etc. Cáp.

 

 

 CÁLCIO DE OSTRAS (Fontovit). Cáp. de 300 mg.

 

 

 CÁSCARA SAGRADA (Fontovit). Laxativo. Cáp. de 200 mg.

 

 

 SYNCRO(Fontovit). Vitaminas, minerais, ácidos graxos poliinsaturados. Cáp.

 

 

 VALERIN (Fontovit). Extrato seco de valeriana. Calmante. Emb. com 20 comp. de 100 mg.

 

 

 VITALYN (Fontovit). Vitaminas e minerais. Comp.

 

 

 

 

Labirin®

 

Betaistina

Dicloridrato

 

Uso adulto

 

 

Composição — Cada comprimido contém: Dicloridrato de betaistina 8 mg, 16 mg ou 24 mg.

 

Indicações — Tratamento sintomático da vertigem interativa com ou sem sinais cocleares. Vertigens devidos a distúrbios circulatórios do ouvido interno. Zumbidos no ouvido e vertigens do tipo síndrome de Ménière.

 

Contra-indicações — Reações de hipersensibilidade à droga, ou aos componentes da fórmula do produto. Úlcera gastrointestinal ativa e feocromocitoma.

 

Reações adversas — A boa tolerância permite o uso prolongado de betaistina. Entretanto, foram reportadas reações adversas, sendo as mais freqüentes epigastralgia, exacerbação das úlceras pépticas, náusea e vômito. Raramente, podem ocorrer ainda diarréia, cefaléia e sonolência.

 

Posologia — A dose recomendada é de 3 comprimidos de 8 mg (24 mg/dia), divididos em três tomadas ao dia, de preferência durante as refeições. Em função dos resultados obtidos, a dose pode ser aumentada para três comprimidos de 16 mg ou seis comprimidos de 8 mg, em doses divididas durante o dia. A dose máxima é de 48 mg/dia. Duração do tratamento: A duração recomendada do tratamento é de 2 a 3 meses a ser repetido de acordo com a evolução da sintomatologia. A betaistina não é indicada para um tratamento de crises, mas para um tratamento prolongado, a ser mantido ou interrompido de acordo com a evolução da doença. O espaçamento, a diminuição e mesmo a prevenção das crises permitem reinserção sócio-familiar do paciente.

 

Apresentações — Comprimidos de 8 mg: Caixa com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg: Caixa com 30 comprimidos. Comprimidos de 24 mg: Caixa com 20 comprimidos.

 

Maiores informações à disposição da classe médica.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0118.0157.

 

APSEN Farmacêutica S/A.

 

 

 HYALOZIMA CREME (Apsen). Hialuronidase. Pote com 30 g de creme + fr. com hialuronidase.

 

 

 MELAGENINA PLUS (Cubanacan). Extrato de placenta humana. Fr. com 235 ml.

 

 

 ACICLOVAN (Herald's do Brasil). Aciclovir. Herpes. Emb. com 25 comp. de 200 mg; bisn. com 10 g de creme.

 

 

 ADALEX RETARD (Herald's do Brasil). Nifedipina. Hipertensão arterial. Emb. com 30 comp. de 20 mg.

 

 

 BENETOSS (Herald's do Brasil). Cloridrato de ambroxol. Mucolítico. Fr. com 100 ml de xarope com 6 mg/ml (adulto) e 3 mg/ml (infantil).

 

 

 CAPTOLIN (Herald's do Brasil). Captopril. Hipertensão. Emb. com 15 e 30 comp. de 12,5 mg; emb. com 16 e 30 comp. de 25 mg.

 

 

 

 

<Bulário p/Pago Não Informado>

 

 

 

 CIPROFLAN (Herald's do Brasil). Ciprofloxacino. Antibacteriano. Emb. com 6 e 14 comp. de 500 mg.

 

 

 DEXADERM (Herald's do Brasil). Dexametasona, sulfato de neomicina. Dermatites. Bisn. com 15 g de creme.

 

 

 DIABINIL (Herald's do Brasil). Glibenclamida. Antidiabético. Emb. com 30 comp. de 5 mg.

 

 

 DICLOSOD (Herald's do Brasil). Diclofenaco sódico. Antiinflamatório. Emb. com 20 comp. de 50 mg.

 

 

 PYLOPRAZOL(Herald's do Brasil). Pantoprazol. Úlcera péptica. Emb. com 7 e 14 comp. de 40 mg.

 

 

 FALEXINA(Herald's do Brasil). Cefalexina. Antibiótico. Emb. com 8 dr. de 500 mg; fr. com 100 ml de susp. com 250 mg/5 ml.

 

 

 

 

FLORAZIN (Herald´s do Brasil).

 

Saccharomyces boulardii-17

 

 

Composição

Cada cápsula contém 100 mg de Saccharomyces boulardii-17 liofilizado, correspondente a 2 x 108 células de Saccharomyces boulardii-17 e excipientes (sacarose, dióxido de silício coloidal e estearato de magnésio) q.s.p 1 cápsula. Cada envelope com 1 g de pó contendo 200 mg de Saccharomyces boulardii-17 liofilizado, correspondente a 4 x 108 células de Saccharomyces boulardii-17 e excipientes (aroma tutti-frutti, dióxido de silício coloidal e sacarose) q.s.p. 1 envelope.

 

Indicações

Agente antidiarréico, profilático e terapêutico, que atua como adjuvante: no tratamento de diarréias produzidas por Clostridium difficile, por antibioticoterapia ou quimioterapia; e na restauração da flora intestinal fisiológica.

 

Contra-indicações

Hipersensibilidade a algum componente da fórmula.

 

Reações adversas

Até o momento ainda não foram relatadas com o uso do produto. Em algumas crianças e lactentes, pode-se observar odor de fermento nas fezes, sem qualquer significado nocivo.

 

Posologia

De maneira geral, recomenda-se o seguinte esquema: Cápsulas: Nas diarréias agudas tomar 2 cápsulas, 2 vezes ao dia. Nas diarréias crônicas e na profilaxia das diarréias por antibioticoterapia tomar 1 cápsula, 2 vezes ao dia. As cápsulas devem ser ingeridas inteiras, sem mastigar, com um pouco de líquido. Em caso de necessidade (crianças ou pacientes com dificuldade de engolir), abrir as cápsulas e misturar seu conteúdo com líquidos ou alimentos semi-sólidos. Pó oral: Nas diarréias agudas tomar o conteúdo de 1 envelope, 2 vezes ao dia, misturado a pequena quantidade de líquido ou de alimentos semi-sólidos. Nas diarréias crônicas e na profilaxia das diarréias por antibioticoterapia tomar o conteúdo de 1 envelope ao dia, misturado a pequena quantidade de líquido ou de alimentos semi-sólidos. Não adicionar o produto a líquidos ou alimentos quentes (acima de 60°C) ou gelados, assim como em bebidas alcoólicas. FLORAZIN deve ser administrado, de preferência, em jejum ou meia hora antes das refeições. No caso de pacientes sob tratamento com antibióticos e/ou quimioterápicos, administrar FLORAZIN um pouco antes desses agentes. Após a abertura do envelope ou da cápsula, FLORAZIN deve ser ingerido imediatamente, pois o contato com o ar e a umidade altera o produto. A posologia de FLORAZIN pode ser alterada a critério médico. Na maioria dos casos são suficientes 2 a 3 dias de tratamento. Se a diarréia persistir após 5 dias, deve-se rever o diagnóstico e modificar a terapia.

 

Apresentações

Cápsulas 100 mg: Embalagem com 12. Pó oral (pediátrico): Embalagem com 4 envelopes de 1 g.

 

 

 FLOXILIN (Herald's do Brasil). Norfloxacino. Infecções urinárias. Emb. com 14 comp. de 400 mg.

 

 

 GERMOXIL(Herald's do Brasil). Amoxicilina. Antibiótico. Emb. com 12 cáp. de 500 mg; fr. com 150 ml de susp. com 250 mg/5 ml.

 

 

 MICTRIN (Herald's do Brasil). Hidroclorotiazida. Diurético. Emb. com 20 comp. de 50 mg.

 

 

 INFEXICAN(Herald's do Brasil). Tenoxicam. Antiinflamatório. Emb. com 10 comp. de 20 mg.

 

 

 PARATOSSE (Herald's do Brasil). Cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, mentol, etc. Tosse. Emb. com 12 past.

 

 

 PRONOL(Herald's do Brasil). Cloridrato de propranolol. Bloqueador beta. Emb. com 40 comp. de 40 mg.

 

 

 REUMADIL (Herald's do Brasil). Diclofenaco potássico. Antiinflamatório. Emb. com 20 dr. de 50 mg.

 

 

 TRICOMIN (Herald's do Brasil). Metronidazol. Antiprotozoário, antibacteriano. Emb. com 20 comp. de 250 mg.

 

 

 DIGIX(Herald's do Brasil). Digoxina. Cardiotônico. Emb. com 24 comp. de 0,25 mg.

 

 

 ADENON (Weleda). Homeopático. Comprimido.

 

 

 

 

Ansiodoron

 

Avena sativaTM

Passiflora alata TM

Valeriana officinalisD1

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Forma farmacêutica e apresentação — Solução oral: Frasco de vidro âmbar conta-gotas com 50 ml.

 

Composição — Cada 1 g da solução contém: Avena sativa, herba TM 250 mg; Passiflora alata, herba TM 500 mg; Valeriana officinalis, radix D1 250 mg.

 

Informações ao paciente — ANSIODORON é um medicamento homeopático composto por Passiflora alata, Valeriana officinalis e Avena sativa usado principalmente em casos de insônia e ansiedade. Cuidados de armazenamento: O produto deve ser armazenado em local seco, ao abrigo da luz, calor e radiações. Prazo de validade: O prazo de validade é de 24 meses a partir da data de fabricação. Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pode ser prejudicial para a sua saúde. Gravidez e lactação: O uso do produto durante a gravidez e lactação não apresenta nenhuma contra-indicação; porém, se ocorrer alguma reação, suspenda o uso do produto e procure seu médico. Reações adversas: Não foi relatado nenhum caso de reação adversa durante a utilização do medicamento, mas se aparecerem reações desagradáveis informe ao seu médico. Ingestão concomitante com outras substâncias: Não foi verificada ou relatada qualquer interação medicamentosa e/ou alimentar durante o tratamento com ANSIODORON. Contra-indicações e precauções: O produto é contra-indicado para pessoas com hipersensibilidade aos componentes da fórmula. Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Informações técnicas — Dos fundamentos da Homeopatia: Experientia in homine sano — experiência no homem são e Simila similibus curantur — semelhante cura o semelhante, são os conceitos básicos em que a Homeopatia se fundamenta. O conjunto de sinais e sintomas causados pela ingestão de uma substância natural (que provém dos reinos animal, vegetal ou mineral) por vários seres humanos saudáveis, será o mesmo a ser curado por essa mesma substância, quando utilizada como medicamento homeopático após passar pelos processos de diluição e dinamização. Através destes processos, ocorre uma inversão das propriedades farmacodinâmicas das substâncias que deixam de causar alterações patológicas e passam a curá-las quando ministradas ao enfermo. Ao estudarmos as matérias médicas dos componentes de ANSIODORON, encontramos o seguinte: Passiflora está indicada principalmente em casos de insônia de qualquer origem, acompanhada de excitação nervosa e preocupações por excesso de trabalho mental ou excesso alcoólico. Também pode ser usado para crianças com insônia e agitação. Valeriana também está indicada em insônia, hipersensibilidade e excitabilidade nervosa, humor instável e oscilante com agressividade e irritabilidade, medo e hipocondria. Da mesma forma Avena sativa está indicada em quadros de insônia, esgotamento nervoso, astenia, convalescença e como calmante.

 

Indicações — ANSIODORON está indicado nos quadros de insônia, ansiedade, agitação e irritabilidade.

 

Contra-indicações — O produto é contra-indicado para pessoas com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Restrições ou cuidados que devem ser considerados — Não há restrições no seu uso.

 

Interações medicamentosas — Não foi verificada ou relatada qualquer interação medicamentosa durante o tratamento.

 

Reações adversas — Não foi relatado nenhum caso de reação adversa durante a sua utilização.

 

Posologia — Nos casos de ansiedade, agitação e irritabilidade: Crianças: 10 a 15 gotas, 1 a 3 vezes ao dia; adultos: 20 a 40 gotas 2 a 4 vezes ao dia. Nos casos de insônia: Crianças: 10 a 15 gotas após o jantar e ao deitar; adultos: 30 a 40 gotas após o jantar e ao deitar.

 

Superdosagem — Até o momento não foram relatados ou verificados casos de superdosagem durante o tratamento com o produto.

 

Pacientes idosos — Não existem advertências ou recomendações especiais sobre o uso do produto por pacientes idosos.

 

Atenção — Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas ou conhecidas. Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

 

SAC — Serviço de Atendimento ao Cliente Weleda:

0800-553266.

 

Registro no M.S. 1.0061.0069.

 

WELEDA DO BRASIL — Laboratório e Farmácia Ltda.

 

 

 CLEARBLUE EASY (Whitehall). Teste para gravidez.

 

 

 

 

Arnica Weleda

 

Arnica montana, planta tota D3 e TM

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Formas farmacêuticas e apresentações — ARNICA WELEDA D3: Solução oral: Frasco de vidro conta-gotas com 50 ml. Glóbulos: Frasco de vidro com 20 g. Comprimidos: Frasco de vidro âmbar com 80 comprimidos. ARNICA WELEDA TM: Pomada: Bisnaga de alumínio com 40 g. Gel: Bisnaga de alumínio com 25 g.

 

Composição — ARNICA WELEDA D3 Solução oral: Cada 1 g do produto contém: Arnica montana, planta tota D2 0,1 g; Álcool 36°GL q.s.p. 1,00 g. ARNICA WELEDA D3 Glóbulos: Cada 1 g do produto contém: Arnica montana, planta tota D3 (em álcool a 96°GL) 80,0 mg; Glóbulos inertes nº 3 q.s.p. 1,00 g. ARNICA WELEDA D3 Comprimidos: Cada comprimido de 200 mg contém: Arnica montana, planta tota D2 20,00 mg; Amido 30,00 mg; Estearato de magnésio 0,40 mg; Lactose q.s.p. 200,00 mg. ARNICA WELEDA TM Pomada: Cada 1 g do produto contém: Arnica montana, planta tota TM 200,0 mg; Lanolina 440,0 mg; Cera de abelha 80,0 mg; Óleo vegetal 280,0 mg. ARNICA WELEDA TM Gel: Cada 1,00 g do produto contém: Arnica montana, planta tota TM 300,00 mg; Álcool etílico 96% 110,00 mg; Glicerina 100,00 mg; Goma-xantana 18,00 mg; Óleo essencial de lavanda 0,80 mg; Óleo essencial de Rosmarinus 0,53 mg; Água q.s.p. 1,00 g.

 

Informações ao paciente — ARNICA WELEDA é um medicamento homeopático indicado em todos os casos onde há inflamação, dor e risco de infecção. Regeneração dos tecidos após insultos mecânicos e isquêmicos. Traumas fechados, hematomas, entorses, distensões, estiramentos e contraturas musculares. Reumatismo, inflamações de articulações e tendões. Pré e pós-operatório. Comoção cerebral e apoplexia. Angina pectoris, varizes e hemorróidas. Cuidados de armazenamento: O produto deve ser armazenado em local seco, ao abrigo da luz, calor e radiações. Prazo de validade: O prazo de validade dos produtos é de 36 meses a partir da data de fabricação, com exceção do gel que apresenta prazo de validade de 24 meses. Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pode ser prejudicial para a sua saúde. Gravidez e lactação: O uso do produto durante a gravidez e lactação não apresenta nenhuma contra-indicação, porém, se ocorrer alguma reação, suspenda o uso do produto e procure um médico. Reações adversas: Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, tais como reações alérgicas locais, no caso de aplicação externa. Ingestão concomitante com outras substâncias: Não foi verificada ou relatada qualquer interação medicamentosa e/ou alimentar durante o tratamento com arnica. Contra-indicações e precauções: O produto é contra-indicado para pessoas com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Informações técnicas — Dos fundamentos da Homeopatia: Experientia in homine sano — experiência no homem são e Similia similibus curantur — semelhante cura o semelhante, são os conceitos básicos em que a Homeopatia se fundamenta. O conjunto de sinais e sintomas causados pela ingestão de uma substância natural (que provém dos reinos animal, vegetal ou mineral) por vários seres humanos saudáveis, será o mesmo a ser curado por essa mesma substância, quando utilizada como medicamento homeopático após passar pelos processos de diluição e dinamização. Através destes processos, ocorre uma inversão das propriedades farmacodinâmicas das substâncias que deixam de causar alterações patológicas e passam a curá-las quando ministradas ao enfermo. Arnica montana L. pertence a família das Asteráceas (compostas), também chamada de Arnica das montanhas, originária da Europa, tem 20-50 cm de altura, rizoma grosso com raízes secundárias, folhas próximas ao solo em forma de roseta e haste com pelugem glandular que sustenta a flor amarela. As partes utilizadas são a planta toda florida ou só as flores. Seus principais constituintes são óleos essenciais e lactonas sesquiterpênicas, as quais lhes é atribuída a ação antiinflamatória e analgésica. Não deve ser confundida com plantas que no Brasil são chamadas popularmente de Arnica. Arnica é uma das plantas medicinais mais utilizadas, devido a sua efetividade como antiinflamatório, analgésico e anti-séptico. Seu uso secular pela Medicina popular coincide com a matéria médica homeopática e hoje tem sido corroborado pelos estudos científicos.

 

Indicações — ARNICA WELEDA está indicada em todos os casos onde há inflamação, dor e risco de infecção. Regeneração dos tecidos após insultos mecânicos e isquêmicos. Traumas fechados, hematomas, entorses, distensões, estiramentos e contraturas musculares. Reumatismo, inflamações de articulações e tendões. Pré e pós-operatório. Comoção cerebral e apoplexia. Angina pectoris, varizes e hemorróidas.

 

Contra-indicações — O produto é contra-indicado para pessoas com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Restrições ou cuidados que devem ser considerados — Não há restrições no seu uso.

 

Interações medicamentosas — Não foi verificada ou relatada qualquer interação medicamentosa durante o tratamento.

 

Reações adversas — Não foi relatado nenhum caso de reação adversa durante a utilização do medicamento, mas se aparecerem reações desagradáveis, informe ao médico. Como aplicação externa, raramente podem surgir reações alérgicas locais.

 

Posologia — Solução oral: Para crianças, 10 gotas e para adultos de 15 a 20 gotas de 2 em 2 horas nos casos agudos, durante 3 a 5 dias e depois 3 a 4 vezes ao dia. Glóbulos: Para crianças, 10 glóbulos e para adultos de 15 a 20 glóbulos de 2 em 2 horas nos casos agudos, durante 3 a 5 dias e depois de 3 a 4 vezes ao dia. Comprimidos: Para crianças, 1 comprimido e para adultos 2 comprimidos de 2 em 2 horas nos casos agudos, esparsando conforme melhora durante 3 a 5 dias e depois, na fase de manutenção, 3 vezes ao dia. Pomada: Espalhar uma camada do produto sobre o local afetado, 1 a 2 vezes ao dia. Gel: Espalhar uma camada do produto sobre o local afetado, 1 ou mais vezes ao dia.

 

Superdosagem — Até o momento não foram relatados ou verificados casos de superdosagem durante o tratamento com o produto.

 

Pacientes idosos — Não existem advertências ou recomendações especiais sobre o uso do produto por pacientes idosos.

 

SAC – Serviço de Atendimento ao Cliente Weleda: 0800-553266.

 

Registro no M.S. 1.0061.0004.

 

WELEDA DO BRASIL — Laboratório e Farmácia Ltda.

 

 

 BRYOPHYLLUM WELEDA (Weleda). Homeopático.

 

 

 CALCIODORON 1 (Weleda). Homeopático. Comprimido.

 

 

 CARDIODORON (Weleda). Homeopático.

 

 

 CHOLEODORON(Weleda). Homeopático.

 

 

 CO-CALCIODORON (Weleda). Homeopático. Comprimido.

 

 

 CO-RHEUMODORON (Weleda). Acônito, etc. Homeopático.

 

 

 DERMATODORON (Weleda). Homeopático.

 

 

 ERYSIDORON 1 (Weleda). Homeopático.

 

 

 GASTRODORON (Weleda). Bismuto, etc. Homeopático. Comprimido.

 

 

 

 

CLENIL NASAL AQUOSO (Farmalab Chiesi).

 

Dipropionato de beclometasona

 

Composição

Cada jato liberado pela válvula dosimetrada contém: dipropionato de beclometasona 50 mcg. Excipientes: polissorbato (tween 20), avicel RC 591, álcool feniletílico, cloreto de benzalcônio e glicose monoidratada.

 

Indicações

CLENIL® NASAL AQUOSO está indicado na prevenção e no tratamento da rinite alérgica perene e sazonal e rinite vasomotora. Constituem-se também como indicações, as rinofaringites, as sinusites e outras afecções inflamatórias e alérgicas das cavidades nasais e paranasais, ou da faringe. Pode ser útil como terapêutica de suporte na asma brônquica e na bronquite asmática. Este produto não deve ser usado em crianças com idade inferior a 6 anos.

 

Posologia

CLENIL® NASAL AQUOSO deve ser administrado através de instilação nasal e as doses recomendadas são as seguintes: Adultos: 1 a 2 erogações em cada narina, 2 vezes por dia, ou de acordo com a prescrição médica. Crianças acima de 6 anos de idade: 1 erogação em cada narina, 2 vezes por dia, ou de acordo com a prescrição médica.

 

Apresentação

Suspensão para instilação nasal: Frasco com 20 ml (130 doses).

 

 

 GENCYDO 30% E 50% (Weleda). Homeopático. Ampola.

 

 

 GINKOBILON (Weleda). Extrato seco de Ginkgo biloba. Vasodilatador cerebral. Comp. de 80 mg.

 

 

 HEPATODORON (Weleda). Fragaria, etc. Homeopático. Comprimido.

 

 

 HEPABILE (Weleda).Alcachofra, etc. Homeopático.

 

 

 HYPERON (Weleda). Hypericum perforatum. Antidepressivo. Comp. de 300 mg.

 

 

 INFLUDO (Weleda). Eucalipto, etc. Homeopático.

 

 

 INFLUDORON (Weleda). Homeopático.

 

 

 KEPHALODORON (Weleda). Homeopático. Comprimido.

 

 

 MENODORON (Weleda). Homeopático.

 

 

 PNEUMODORON 1 (Weleda). Acônito, etc. Homeopático.

 

 

 

 

CLENIL COMPOSITUM SPRAY E JET (Farmalab Chiesi).

 

Dipropionato de beclometasona

Salbutamol

 

Composição

Cada 15 g contém: dipropionato de beclometasona 100 mcg; salbutamol 200 mcg. Cada inalação-dose fornece 50 mcg de beclometasona e 100 mcg de salbutamol. Recipiente com bocal para 200 inalações-dose.

 

Indicações

Doenças pulmonares obstrutivas crônicas, acompanhadas de broncoespasmo, assim como para a prevenção e tratamento da asma brônquica e demais condições de broncoestenose.

 

Posologia

Será ajustada pelo médico em cada caso, sendo indicada uma posologia normal de 2 a 4 erogações ao dia, durante um período de até 10 dias, que poderá ser elevada até 4 a 6 erogações ao dia, durante um período de até 10 dias.

 

Apresentação

Aerossol dosador para 200 erogações.

 

 

 PREVIGRIP(Weleda). Homeopático.

 

 

 PYRIT-ZINNOBER(Weleda). Homeopático. Comprimido.

 

 

 RHEUMA W (Weleda). Arnica, etc. Homeopático. Pomada.

 

 

 RHEUMODORON 1 (Weleda). Acônito, etc. Homeopático.

 

 

 RINIDON (Weleda). Quercus, etc. Homeopático.

 

 

 SINUDORON (Weleda). Berberis vulgaris, etc. Homeopático.

 

 

 

 

Stressdoron

 

Kalium phosphoricum+ Associações

 

Uso adulto

 

 

Composição — Cada comprimido contém: Kalium phosphoricum D5 (trit.) 70 mg; Ferrum sulfuratum D2 (trit.) 35 mg; Aurum metallicum D9 (trit.) 70 mg; Silicea D2 35 mg. Excipiente (lactose, amido e estearato de magnésio) q.s.p. 1 comprimido.

 

Informações ao paciente — STRESSDORON é um medicamento homeopático, indicado no tratamento auxiliar do stress e suas manifestações, revitalizando e recuperando as atividades sensoriais e mentais, e equilibrando o estado emocional. O produto deve ser armazenado em local seco, ao abrigo da luz, calor e radiações. O prazo de validade é de 36 meses a partir da data de fabricação. Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica. Não use medicamento com prazo de validade vencido, pode ser prejudicial para a sua saúde. Informe ao seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. O produto é contra-indicado para pessoas com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Informações técnicas — STRESSDORON é um medicamento homeopático composto por Kalium phosphoricum (fosfato de potássio), Aurum (ouro), Silicea (sílica) e Ferrum sulfuratum (sulfato ferroso) com atuação sobre o sistema nervoso e o sistema sensorial, recuperando as atividades de concentração e memória, e equilibrando o estado emocional nos distúrbios do humor e ansiedade. Dos fundamentos da Homeopatia: Experientia in homine sano — experiência no homem são e Similia similibus curantur — semelhante cura o semelhante, são os conceitos básicos em que a Homeopatia se fundamenta. O conjunto de sinais e sintomas causados pela ingestão de uma substância natural (que provém dos reinos mineral, vegetal ou animal) por vários seres humanos saudáveis, será o mesmo a ser curado por essa mesma matéria prima, quando utilizada como medicamento homeopático após passar pelos processos de diluição e dinamização. Através desses processos, ocorre uma inversão das propriedades farmacodinâmicas das substâncias que deixam de causar alterações patológicas e passam a curá-las quando ministradas ao enfermo. Da matéria médica homeopática, temos queKalium phosphoricum está indicado nos estados de depressão psíquica e física originados pelo excesso de trabalho mental e por problemas de origem emocional como preocupações, ansiedade, irritabilidade, medos, sustos e contrariedades. Nos casos de esgotamento, tristeza, déficit de memória, sentidos embotados e dificuldade de concentração. Reforçam essa ação o Aurum que atua na depressão, tristeza, cansaço e insônia, a Silicea que atua na dificuldade para o trabalho mental, baixa vitalidade e hipersensibilidade aos estímulos sensoriais, e o Ferrum sulfuratum que atua na bulimia, compulsão por alimentos e anorexia.

 

Indicações — STRESSDORON é indicado no tratamento auxiliar do stress e suas manifestações como déficit de concentração e memória, cansaço, irritabilidade, ansiedade, tristeza, medo e insônia.

 

Contra-indicação — O produto é contra-indicado para pessoas com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

 

Precauções — Não é necessária nenhuma precaução se administrado conforme a posologia.

 

Reações adversas — Não foram relatados nenhum caso de reação adversa durante a sua utilização; caso ocorra, suspenda a administração do produto.

 

Interações medicamentosas — Não foram verificadas ou relatadas quaisquer interações medicamentosas.

 

Posologia — Tomar de 1 a 3 comprimidos, 2 a 4 vezes ao dia, durante pelo menos 2 meses, ou conforme critério médico.

 

Superdosagem — Até o momento, não foram relatados ou verificados casos de superdosagem durante o tratamento com o produto.

 

Apresentação — Comprimidos: Frascos com 80 e 220 comprimidos.

 

SAC – Serviço de Atendimento ao Cliente Weleda: 0800-553266.

 

Registro no M.S. 1.0061.0024.

 

WELEDA DO BRASIL — Laboratório e Farmácia Ltda.

 

 

 VENODORON(Weleda). Castanha-da-índia, etc. Homeopático.

 

 

 VISCUM ALBUM (Weleda). Homeopático. Ampola.

 

 

 WECESIN (Weleda). Calêndula, etc. Homeopático. Pó; spray.

 

 

 WELECLIM (Weleda). Sepia, etc. Menopausa.

 

 

 CHEMOPENT (Diffucap-Chemobras). Pentoxifilina. Antiagregante plaquetário. Comp. de 400 mg.

 

 

 DESINFLEX(Diffucap-Chemobras). Diclofenaco sódico. Antiinflamatório. Comp. de 50 mg; amp. com 75 mg.

 

 

 DESINFLEX GEL (Diffucap-Chemobras). Diclofenaco dietilamônio. Antiinflamatório tópico.

 

 

 MOTIVEN (Fontovit). Hypericum perforatum. Antidepressivo. Cáp. de 300 mg.

 

 

 AMÔNIA (DILUÍDA) (Musa). Fr. de 60 ml.

 

 

 CLORETO DE MAGNÉSIO (Musa). Fr. com 33 g.

 

 

 ENXOFRE EM PÓ (Musa). Fr. com 30 g.

 

 

 CLIANE (Schering do Brasil). Estradiol, acetato de noretisterona. Deficiência estrogênica. Blister-calendário com 28 comp.

 

 

 ÓLEO DE RÍCINO (Musa). Laxante. Fr. de 60 ml.

 

 

 PASTA D'ÁGUA (Musa). Fr. de 100 g.

 

 

 PEDRA HUME (Musa). Fr. com 30 g.

 

 

 SONORIPAN (Marjan). Valeriana officinalis. Sedativo. Cx. com 30 comp. de 50 mg.

 

 

 SENOPÓ MENTA (Primá). Óxido de zinco. Anti-séptico. Emb. com 150 g de talco.

 

 

 LAFEPE GLIBENCLAMIDA (Lafepe). Antidiabético. Comp. de 5 mg.

 

 

 

 

CLIMADERM 7 DIAS (Wyeth).

 

Estradiol 50 mcg/dia

 

Composição

Cada adesivo transdérmico contém: Estradiol 3,55 mg e libera 50 mcg de estradiol a cada 24 horas.

 

Indicações

1. Sintomas vasomotores moderados a severos, associados a deficiência estrogênica. 2. Prevenção e tratamento da osteoporose associada a deficiência estrogênica.

 

Contra-indicações

1. Câncer da mama diagnosticado ou suspeito. 2. Neoplasia estrogênio-dependente diagnosticada ou suspeita. 3. Gravidez confirmada ou suspeita. 4. Sangramento genital anormal de causa indeterminada. 5. Presença de tromboflebite ou distúrbios tromboembólicos. 6. Hipersensibilidade ao estradiol ou a qualquer componente do medicamento.

 

Reações adversas

Em um estudo clínico com 80 mulheres pós-menopáusicas com CLIMADERM 7 DIAS, os efeitos adversos mais freqüentemente relatados foram reações cutâneas, incluindo prurido, eritema e edema no local da aplicação. Os resultados classificados em locais ou sistêmicos estão relacionados a seguir. Locais: Prurido, 15%; eritema, 13%; edema, 4%. Sistêmicos: Spotting, 10%; metrorragia, 8%; desconforto mamário, 4%. Outros: Incluindo dor pélvica, leucorréia, aumento de peso e dor de cabeça, 1%. A incidência de efeitos estrogênicos sistêmicos em pacientes recebendo estradiol transdérmico parece ser comparável à observada em pacientes recebendo estrogênios orais. Pele: Em estudo de tolerabilidade cutânea em que CLIMADERM 7 DIAS foi testado em regime semanal, a incidência de reações locais 30 minutos após a remoção do adesivo foi de 28,9% (eritema, 23,7%; eritema e induração, 4,1%; eritema, induração e vesícula, 1,1%). Sete dias após a retirada do adesivo, a incidência de reações cutâneas caiu para 2,6% (eritema, 2,2%; eritema e induração, 0,4%). Essas reações regrediram espontaneamente. Outras reações adversas observadas com o tratamento estrogênico estão relacionadas a seguir. Sistema nervoso central: Coréia, tonturas, cefaléia, enxaqueca. Endócrinas: Aumento, hipersensibilidade e secreção das mamas. Olhos: Acentuação da curvatura córnea, intolerância a lentes de contato. Sistema gastrintestinal: Cólicas, distensão abdominal, icterícia colestática, náuseas, vômitos. Sistema geniturinário: Amenorréia, sangramento intermenstrual, alterações no fluxo menstrual, spotting. Outros: Agravamento de porfiria, alterações da libido, edema, aumento ou perda de peso.

 

Posologia

A dosagem usual de CLIMADERM 7 DIAS é de 1 adesivo aplicado sobre a pele a cada 7 dias. Deve ser utilizada a menor dose que proporcione controle dos sintomas. Sinais e sintomas de deficiência estrogênica devem ser regularmente avaliados a intervalos de 3 a 6 meses. CLIMADERM 7 DIAS pode ser utilizado em esquema contínuo, ou seja, sem intervalo, ou cíclico (por exemplo, 1 semana de intervalo a cada 3 semanas de tratamento). Assim como na terapia de reposição estrogênica oral, para evitar-se hiperplasia de endométrio recomenda-se a administração de progestogênio pelo menos por 10 dias durante cada ciclo com CLIMADERM 7 DIAS (ver Precauções). Em mulheres que estão tomando estrógenos orais, o tratamento com CLIMADERM 7 DIAS pode ser iniciado uma semana após a interrupção da terapia oral ou antes, caso os sintomas reapareçam antes de uma semana. A embalagem contendo 1 unidade deve ser aberta removendo-se o filme de alumínio a partir de uma das extremidades da embalagem. O adesivo deve ser aplicado imediatamente após remoção da película protetora, com pressão firme, sobre uma área de pele limpa, seca e sem pêlos, em local que não esteja sujeito a movimento excessivo (por exemplo, abdômen, nádegas ou coxas). A aplicação não deve ser feita em áreas de pele oleosa, lesada ou irritada, ou na proximidade das mamas ou genitais. O adesivo utilizado deve ser removido e descartado no oitavo dia, a contar do dia da aplicação, e um novo adesivo deve ser aplicado em um local da pele diferente. Os locais de aplicação devem ser variados de modo a permitir um intervalo mínimo de uma semana entre aplicações no mesmo local. Embora o contato com água (na banheira, no chuveiro ou na prática de natação) não afete o adesivo, a aplicação sobre pele úmida deve ser evitada porque a aderência não será adequada.

 

Apresentação

Cartucho com 4 adesivos transdérmicos.

 

 

 

 

Inicox dp ®

 

Meloxicam

 

Uso adulto

 

 

Composição — Cada comprimido contém 15 mg de meloxicam; Excipientes (celulose microcristalina, lactose, polivinilpirrolidona, estearato de magnésio e dióxido de silício coloidal) q.s.p. 1 comprimido.

 

Indicações — Está indicado no tratamento sintomático das inflamações ginecológicas, inclusive a dismenorréia primária.

 

Contra-indicações — O uso do meloxicam é contra-indicado em pacientes com antecedentes de hipersensibilidade à droga, ao ácido acetilsalicílico e a outros antiinflamatórios não-esteróides. Em pacientes que tenham apresentado distúrbios como asma, pólipos nasais, edema de Quincke ou urticária após o uso do ácido acetilsalicílico ou outros agentes antiinflamatórios não-esteróides. Em pacientes com úlcera péptica ativa, insuficiência renal e hepática graves. Crianças e adolescentes com menos de 15 anos de idade.

 

Reações adversas — Foram relatadas as seguintes reações adversas com o uso do meloxicam: Gastrintestinais: Dispepsia, náusea, vômito, dor abdominal, constipação, flatulência e diarréia. Menos freqüentemente: aumento dos níveis séricos das transaminases e bilirrubina, esofagite, eructação, úlcera gastroduodenal e hemorragia gastrintestinal oculta ou macroscópica. Hematológicas: Anemias e menos freqüentemente alterações como leucopenia e trombocitopenia. Dermatológicas: Prurido e erupção cutânea. Menos freqüentemente: estomatite, urticária e fotossensibilidade. Cardiovascular: Edema e mais raramente rubor facial, hipertensão e palpitações. Sistema nervoso central: Tontura e cefaléia. Menos freqüentemente: vertigem, zumbido e sonolência. Outras reações: Aparecimento de asma aguda (raramente), elevações das taxas sangüíneas de creatinina e/ou de uréia.

 

Posologia — 1 comprimido de 15 mg, diariamente, nos 3 dias que antecedem a menstruação e nos 2 primeiros dias menstruais.

 

Apresentação — Embalagem contendo 5 comprimidos de 15 mg.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0390.0122.

 

FARMOQUÍMICA S.A.

 

 

 ÁGUA DE MELISSA (Granado). Calmante.

 

 

 

 

<Bulário p/ Não Pago Não Informado>

 

 

 SUPOSITÓRIO DE GLICERINA (Granado). Sup. (adulto ou infantil).

 

 

 TINTURA DE JALAPA COMPOSTA (AGUARDENTE ALEMÃ) (Granado). Laxante.

 

 

 VASELINA PURA GRANADO (Granado). Lubrificante.

 

 

 CLIMATIDINE (Clímax). Cimetidina. Úlcera péptica. Emb. com 40 comp. de 200 mg.

 

 

 GINO-DERMAZINE (Silvestre Labs). Sulfadiazina de prata. Infecções ginecológicas. Creme vaginal.

 

 

 CIPROGLEN (Silvestre Labs). Ciprofloxacino. Antibacteriano. Fr. de 100 ml com 2 mg/ml.

 

 

 DERMACERIUM HS (Silvestre Labs). Sulfadiazina de prata, nitrato de cério. Infecções da pele e mucosas. Creme.

 

 

 

 

CETROLAC (Genom).

 

Trometamina cetorolac

 

Composição

Cada ml da solução oftálmica contém: Cetorolac de trometamina 5 mg; Veículo q.s.p. 1 ml. Veículos: Cloreto de sódio, edetato dissódico, cloreto de benzalcônio, octoxinol 40, hidróxido de sódio, ácido clorídrico e água destilada estéril.

 

Indicações

É indicado para o alívio do prurido ocular devido à conjuntivite alérgica sazonal e redução da dor por fotofobia em cirurgias refrativas.

 

Contra-indicações

CETROLAC Solução oftálmica é contra-indicado em pacientes durante o uso de lentes de contato gelatinosas e em pacientes com hipersensibilidade anterior demonstrada a qualquer dos ingredientes da formulação.

 

Reações adversas

Em pacientes com conjuntivite alérgica, os eventos adversos mais freqüentes reportados com o uso de CETROLAC Solução oftálmica têm sido dor aguda e ardor transitórios à instilação. Tais eventos foram reportados em aproximadamente 40% dos pacientes. Em todos os estudos de desenvolvimento conduzidos, outros eventos adversos reportados durante tratamento incluem irritação ocular (3%), reações alérgicas (3%), infecções oculares superficiais (0,5%) e ceratite superficial (1%).

 

Posologia

A dose recomendada de CETROLAC Solução oftálmica é uma gota (0,25 mg), quatro vezes ao dia para alívio do prurido ocular devido à conjuntivite alérgica sazonal. A eficácia de CETROLAC Solução oftálmica não foi estabelecida além de uma semana de terapia.

 

Apresentação

Solução oftálmica:Cartucho com frasco contendo 5 ml; caixa com 15 flaconetes, tratamento diário, de 0,5 ml.

 

 

 CLIMENE (Schering do Brasil). Valerato de estradiol, acetato de ciproterona. Menopausa. Estojo-calendário com 21 dr.

 

 

 

 

GENOXACIN (Genom).

 

Ofloxacina

 

Composição

Cada ml da solução oftálmica contém: Ofloxacina 3 mg; Veículo q.s.p. 1 ml. Veículos: Cloreto de benzalcônio, hidróxido de sódio, ácido clorídrico, cloreto de sódio e água destilada estéril.

 

Indicações

É indicado nos processos de blefarite, calázio, dacrocistite, conjuntivite, neibomite, ceratite, úlcera da córnea, infecção pós-operatória e profilaxia de infecção no pós-operatório, cujo agente etiológico seja um microrganismo sensível à ofloxacina.

 

Contra-indicações

O produto está contra-indicado em pacientes com história de hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.

 

Reações adversas

Raramente foram relatadas reações adversas com o uso oftálmico da ofloxacina. Em menos de 1% dos casos foi relatado o aparecimento de alterações de pele tipo eczema de intensidade leve, na face.

 

Posologia

Instilar 1 a 2 gotas no olho afetado, a cada 2 a 4 horas, nos primeiros dois dias de tratamento. A seguir, 1 a 2 gotas, 4 vezes ao dia, pelo período de 10 dias. A dose pode ser aumentada ou reduzida de acordo com a intensidade do caso, a critério médico.

 

Apresentação

Solução oftálmica:Cartucho com frasco contendo 5 ml.

 

 

 

 

TROPINOM (Genom).

 

Tropicamida

 

Composição

Cada ml da solução oftálmica contém: Tropicamida 10 mg; Veículo q.s.p. 1 ml. Veículos: Cloreto de benzalcônio, cloreto de sódio e água destilada estéril. Cada ml da solução oftálmica monodose contém: Tropicamida 10 mg; Veículo q.s.p. 1 ml. Veículos: Cloreto de sódio e água destilada estéril.

 

Indicações

Como midriático-cicloplégico.

 

Contra-indicações

O produto está contra-indicado em pacientes com história de hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula. Glaucoma de ângulo fechado.

 

Reações adversas

Reações psicóticas, distúrbios de comportamento e colapso respiratório, sobretudo em crianças. Confusão, taquicardia, rubor facial, exantema, sede ou secura da boca.

 

Posologia

Instilar no saco conjuntival 1 ou 2 gotas. Decorridos 5 minutos, instilar mais 1 ou 2 gotas. Se o paciente não for atendido nos 20-30 minutos decorridos da primeira instilação, deve ser instilada 1 gota adicional, a fim de prolongar os efeitos cicloplégico e midriático. Deve assegurar-se de que o flaconete está intacto antes de usar. Para abrir, girar totalmente a ponteira. Não puxar. Cada flaconete deverá ser utilizado num único paciente, sendo descartado após o uso no mesmo.

 

Apresentação

Solução oftálmica:Cartucho com 1 frasco contendo 5 ml; cartucho com 5 flaconetes monodose de 0,5 ml.

 

 

 AMINOSTERIL 10% SEM ELETRÓLITOS E CARBOIDRATOS (Fresenius). Nutrição parenteral.

 

 

 LIPOVENOS MCT 10% E 20% (Fresenius). Óleo de soja, triglicerídios de cadeia média, glicerol. Nutrição parenteral.

 

 

 BROMOXON (Sanval). Bromazepam. Ansiolítico. Cx. com 20 comp. de 3 e 6 mg.

 

 

 LICILON(Sanval). Amoxicilina. Antibiótico. Cx. com 10 e 500 cáp. de 500 mg.

 

 

 VITADESAN(Sanval). Vit. A e D. Fr. com 10 ml.

 

 

 SANPRONOL (Sanval). Cloridrato de propranolol. Betabloqueador. Cx. com 40 e 500 comp. de 40 mg.

 

 

 

 ERRADIC (Libbs). Omeprazol, amoxicilina, claritromicina. Erradicação do H. pylori. Cart. com 7 ou 10 cartelas.

 

 

 

 

Gestinol 28

 

Gestodeno/Etinilestradiol

 

Uso adulto

 

 

Composição e apresentação — Cada comprimido contém: Gestodeno 75 mcg; Etinilestradiol 30 mcg; Excipientes (lactose, celulose microcristalina, polividona, croscarmelose sódica, estearato de magnésio, dióxido de silício coloidal, polietilenoglicol, metacrilato de dimetilamino etila, edetato dissódico e corante azul indigotina) q.s.p. 1 comprimido. Cartucho contendo 1 cartela com 28 comprimidos revestidos.

 

Informações ao paciente — GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) é um contraceptivo oral monofásico, que combina o componente estrogênico etinilestradiol com o componente progestogênico gestodeno. Este medicamento deve ser conservado à temperatura ambiente, entre 15°C e 30°C, protegido da luz e umidade. O prazo de validade do produto é de 24 meses após a data de fabricação impressa no cartucho e embalagem interna. Não utilize o produto após o prazo de validade, sob o risco de não produzir os efeitos esperados. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Informe ao médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término, tendo em vista que GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) está contra-indicado durante a gravidez e amamentação.

 

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

 

Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

Informações técnicas — GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) age primariamente inibindo a ovulação por suprimir a liberação de gonadotrofinas e promover alterações no muco cervical (as quais aumentam a dificuldade de penetração do esperma no útero). Adicionalmente, alterações no endométrio reduzem a probabilidade de nidação. Etinilestradiol e gestodeno são absorvidos rápida e quase que completamente pelo trato gastrintestinal. Os níveis plasmáticos máximos de cada componente são alcançados após período de 1 a 2 horas. As curvas de eliminação após a concentração máxima ser atingida demonstram duas fases com períodos de meia-vida de aproximadamente 1 e 15 horas para gestodeno e cerca de 1 a 3 horas e 24 horas para etinilestradiol. Após administração oral, o etinilestradiol está sujeito a um considerável efeito metabólico de primeira passagem, resultando em biodisponibilidade ao redor de 40%-45%. No caso do gestodeno a biodisponibilidade é praticamente completa, uma vez que este fármaco não está sujeito à metabolização de primeira passagem. O gestodeno liga-se amplamente às globulinas de ligação dos hormônios sexuais (SHBG). A alta afinidade de ligação do gestodeno por SHBG acarreta um aumento nos níveis plasmáticos de gestodeno e uma prolongação na sua meia-vida terminal. O etinilestradiol liga-se no plasma à albumina, aumentando a capacidade de ligação de SHBG. A meia-vida de eliminação do etinilestradiol é de aproximadamente 25 horas. A metabolização destas drogas ocorre primariamente por hidroxilação aromática e uma grande variedade de metabólitos hidroxilados e metilados é formada, estando presentes na forma livre ou conjugados com glicuronídeos e sulfatos. Etinilestradiol conjugado é excretado pela bile, estando sujeito à recirculação êntero-hepática. Cerca de 40% do fármaco são excretados pela urina e 60%, pelas fezes. A meia-vida de eliminação de gestodeno é aproximadamente de 16 a 18 horas, após administração oral de múltiplas doses. A metabolização ocorre primariamente por redução do anel A, seguida de glicuronização. Cerca de 50% do gestodeno são eliminados pela urina e 33%, pelas fezes.

 

Indicação — Contracepção contínua.

 

Contra-indicações — Gravidez, distúrbios graves da função hepática; história prévia ou atual de tumores hepáticos, antecedente de icterícia idiopática ou prurido intenso durante a gravidez; síndromes de Dubin-Johnson e de Rotor; processos tromboembólicos ou antecedentes (p. ex.: apoplexia, infarto do miocárdio); fibrilação atrial; diabetes graves com alterações vasculares; anemia falciforme; tumores hormônio-dependentes do útero ou da mama ou suspeita dos mesmos; distúrbios do metabolismo lipídico; antecedentes de herpes gravídico; sangramento genital anormal de causa indeterminada, otosclerose agravada durante a gravidez. Uso durante a lactação: Fica a critério médico a conveniência do uso de GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) durante o período de lactação. Os contraceptivos orais administrados no período pós-parto podem interferir com a lactação, diminuindo a quantidade e a qualidade do leite secretado. Pequenas quantidades dos componentes hormonais são excretadas no leite de lactantes.

 

Precauções — Recomenda-se a interrupção do tratamento contraceptivo com GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) nos seguintes casos: aparecimento pela primeira vez de cefaléias semelhantes às da enxaqueca, ou cefaléias com freqüência e intensidade fora do habitual; repentinas perturbações visuais ou auditivas; sinais precursores de tromboflebites ou de tromboembolias; angina de peito; cirurgias eletivas (6 semanas antes da data prevista); imobilização forçada (acidentes, etc.); aparecimento de icterícia; hepatite; prurido generalizado; aumento de ataques epilépticos; aumento considerável da pressão arterial e gravidez. Vômito ou diarréia podem diminuir a eficácia dos contraceptivos orais. Atenção: O risco de trombose arterial (derrame cerebral, infarto do miocárdio) associado ao uso de contraceptivos orais combinados aumenta com a idade e o fumo intenso. Por esta razão, mulheres acima de 35 anos que utilizam contraceptivos orais devem ser rigorosamente advertidas a não fumar.

 

Advertências — Antes de iniciar o tratamento deve ser realizado exame clínico, que incluirá, entre outros, medida de pressão arterial, pesquisa da glicosúria e, se necessário, hepatograma, além de minucioso exame ginecológico, incluindo mamas e citologia cervical oncológica. A possibilidade de gestação deve ser excluída. Em tratamento prolongado recomenda-se controle médico semestral. Durante o tratamento com esteróides sexuais, têm-se observado, algumas vezes, alterações hepáticas benignas e, muito mais raramente, também malignas, que em casos isolados podem provocar hemorragias intra-abdominais perigosas. Deve-se informar ao médico quaisquer queixas abdominais altas, não-habituais, que não cedam espontaneamente em curto espaço de tempo, pois pode ser necessário interromper a administração. Mulheres com diabetes, hipertensão arterial, varizes, otosclerose, esclerose múltipla, epilepsia, porfiria, tetania, coréia menor, antecedentes de flebite ou tendência para diabetes devem manter-se sob cuidadosa vigilância médica. Com relação à trombose arterial, seu risco relativo parece aumentar quando, concomitantemente, existirem outros fatores, tais como tabagismo, idade mais avançada, hipertensão arterial, hipercolesterolemia, obesidade, diabetes, pré-eclâmpsia, tratamento contraceptivo combinado prolongado por vários anos. O tratamento deverá ser imediatamente interrompido caso apareçam algum dos seguintes sintomas: dores de cabeça do tipo enxaqueca em pacientes que nunca tiveram este sintoma; dores de cabeça freqüentes com intensidade fora do habitual; perturbações repentinas dos sentidos (p. ex.: de visão, da audição); dores não-habituais nas pernas ou inchaços não-habituais nos braços ou pernas; dores do tipo pontada ao respirar ou tosse sem motivo aparente; sensação de dor e aperto no peito; icterícia; coceira no corpo todo; aumento de crises epilépticas; aumento significativo da pressão sangüínea; depressão grave; dores ou inchaço não-habituais no abdome que não desapareçam em curto espaço de tempo; gravidez. Em qualquer destas circunstâncias o médico deverá ser informado. A medicação também deverá ser suspensa em caso de cirurgias programadas (6 semanas antes da data prevista) ou imobilização forçada, decorrente, por exemplo, de acidentes ou operações. Informe ao seu médico se estiver tomando outro medicamento.

 

Interações medicamentosas — Barbitúricos, fenilbutazona, hidantoína, rifampicina, primidona, carbamazepina, griseofulvina, que são indutores de enzimas hepáticas, podem reduzir o efeito contraceptivo. As necessidades de medicamentos hipoglicemiantes orais ou insulina podem ser alteradas, como resultado do efeito da tolerância à glicose. Antibióticos incluindo ampicilina e tetraciclina podem reduzir a eficácia dos contraceptivos orais por causar alterações da flora intestinal. Mulheres recebendo indutores de enzimas hepáticas ou antibióticos de amplo espectro devem utilizar concomitantemente métodos contraceptivos de barreira (p. ex.: diafragma mais espermicida ou preservativo masculino). Interação com testes laboratoriais: O uso de contraceptivos orais pode influenciar no resultado de alguns testes laboratoriais, incluindo parâmetros bioquímicos hepáticos, da tireóide, adrenal e função renal, níveis plasmáticos de proteínas de ligação e fração lipídio/lipoproteica, parâmetros do metabolismo de carboidratos e parâmetros de coagulação e fibrinólise.

 

Reações adversas — Cefaléia, distúrbios gástricos, náuseas, tensão mamária, sangramentos intermediários, alterações do peso ou da libido, estados depressivos e cloasma. Em casos isolados, diminuição da tolerância ao uso de lentes de contato.

 

Posologia e modo de usar — No primeiro ciclo tomar 1 comprimido por dia, sempre no mesmo horário, iniciando no primeiro dia de sangramento. O tratamento deve ser mantido de forma ininterrupta, a critério médico. GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) é eficaz a partir do primeiro dia de tratamento, se os comprimidos forem tomados a partir do primeiro dia do ciclo, como descrito. Podem ocorrer, em casos isolados, sangramento por escape e spotting, principalmente durante o início da utilização de GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol), que, geralmente, cessa espontaneamente. A paciente deve, entretanto, continuar o tratamento com GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) em caso de sangramento irregular. Caso o sangramento persista ou recorra, diagnóstico apropriado, incluindo curetagem, faz-se necessário para excluir causas orgânicas. Se a paciente esquecer de tomar 1 comprimido no horário habitual, deve tomá-lo no período de 12 horas subseqüentes. Se o comprimido esquecido não for tomado dentro de 12 horas, a paciente deverá tomá-lo assim que se lembrar, e os comprimidos seguintes no horário habitual. Nos casos em que houver transcorrido mais de 12 horas, a proteção contraceptiva pode estar reduzida neste ciclo, devendo ser empregados, adicionalmente, métodos contraceptivos de barreira (p. ex.: diafragma mais espermicida ou preservativo masculino) por 7 dias. Não devem ser utilizados os métodos de ritmo (tabelinha) e da temperatura. Na troca de outro contraceptivo oral para GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) o início do tratamento deve ser feito no primeiro dia que ocorrer sangramento por privação, após a ingestão do último comprimido ativo do contraceptivo anterior. GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) pode ser prescrito durante o período pós-parto ou pós-abortamento, tão logo ocorra a primeira menstruação após o ciclo normal. GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) não deve ser iniciado antes do primeiro ciclo menstrual normal pós-aborto. Quando, por razões médicas, outra gravidez for contra-indicada, o tratamento com GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol) deve ser iniciado no 12º dia após o parto (nunca antes do sétimo dia) ou no quinto dia após o abortamento, no mais tardar. Deve-se considerar que a administração de contraceptivos orais no período imediatamente após o parto ou abortamento aumenta o risco de ocorrência de doenças tromboembólicas. Se ocorrerem vômitos ou diarréia dentro de 3 a 4 horas após a ingestão de GESTINOL (gestodeno/etinilestradiol), as substâncias ativas podem não ter sido absorvidas adequadamente. Porém, deve-se continuar o tratamento a fim de evitar sangramento prematuro por privação, e, adicionalmente, usar um método contraceptivo não-hormonal, com exceção dos métodos de ritmo (tabelinha) e da temperatura, até o final do ciclo. Se a disfunção gastrintestinal for prolongada, deve-se considerar a mudança para outro método de contracepção.

 

Superdosagem — A superdosagem pode causar náuseas e vômitos e em algumas mulheres pode ocorrer sangramento por supressão. Pode-se considerar que os procedimentos usuais de lavagem gástrica e os tratamentos de suporte sejam adequados para os casos de superdosagem. Não têm sido relatados efeitos graves na ingestão aguda de grandes doses orais por crianças.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

 

Serviço de Atendimento Libbs: 0800-135044.

 

Registro no M.S. 1.0033.0027.

 

LIBBS Farmacêutica Ltda.

 

 

 

 

Naprix D

 

Ramipril/Hidroclorotiazida

 

 

Composições e apresentações — Cada comprimido de NAPRIX D 5/25,0 contém: Ramipril 5 mg; Hidroclorotiazida 25 mg. Excipientes: Lactose, amido, celulose microcristalina, óxido de ferro, carmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio e polividona, q.s.p. 1 comprimido. Cartucho contendo 2 blisters com 15 comprimidos sulcados cada. Cada comprimido de NAPRIX D 5/12,5 contém: Ramipril 5 mg; Hidroclorotiazida 12,5 mg. Excipientes: Lactose, amido, celulose microcristalina, óxido de ferro, carmelose sódica, dióxido de silício, estearato de magnésio e polividona, q.s.p. 1 comprimido. Cartucho contendo 2 blisters com 15 comprimidos sulcados cada.

 

Indicações — Hipertensão arterial.

 

Contra-indicações — NAPRIX D ramipril/hidroclorotiazida não deve ser utilizado em casos de: hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula, pacientes com angioedema hereditário ou idiopático, pacientes com histórico de angioedema, pacientes com doenças auto-imunes como lúpus eritematoso e escleroderma, depressão da medula óssea, insuficiência cerebrovascular, insuficiência coronária, diabetes mellitus, hipercalemia, estenose da artéria renal, transplante renal, insuficiência renal, insuficiência hepática severa, gravidez e lactação.

 

Reações adversas — Caso ocorra alguma das reações seguintes, comunique ao seu médico: hipotensão, fadiga, tontura e fraqueza; podem ocorrer particularmente no início do tratamento ou em pacientes com depleção de líquidos ou sódio.Também ocorrem taquicardia, náuseas, sudorese, cefaléia e sonolência como conseqüência de uma redução excessiva da pressão. Pacientes com estenose de vasos sangüíneos, com hipertensão maligna, com insuficiência cardíaca severa, desidratados, ou que tiveram tratamento prévio com diuréticos são mais propensos a redução indesejável da pressão sangüínea, com probabilidade de evoluir para choque circulatório. Nesses casos o tratamento poderá ser reiniciado após a correção da hidratação e o restabelecimento da pressão. Raramente pode ocorrer angioedema das extremidades, face, lábios, língua, glote e laringe. Neste caso o tratamento deve ser imediatamente interrompido e o médico deve ser comunicado. Ocorrem raramente hipercalemia e dor torácica. Existem relatos de neutropenia e agranulocitose, depressão da medula óssea, pancitopenia e anemia hemolítica. Tosse seca pode aparecer geralmente na primeira semana da terapia, de forma intermitente ou eventual, e desaparece poucos dias após a suspensão do tratamento. Podem ocorrer também diarréia, náuseas e disgeusia. Também foram relatadas reações como: desequilíbrio eletrolítico, hipocalemia, pancreatite, insuficiência hepática, febre e diminuição da libido. Se forem observadas reações adversas o médico deve ser informado imediatamente.

 

Posologia — Para ambas as apresentações recomenda-se o tratamento com 1/2 comprimido por dia. Caso necessário pode-se ajustar a dose a intervalos de 2 semanas, até, no máximo, 2 comprimidos ao dia. Os pacientes que estiverem tomando outros diuréticos deverão descontinuá-los 2 ou 3 dias antes de iniciar o tratamento com NAPRIX D ramipril/hidroclorotiazida. Caso seja possível, o médico prescreverá um esquema com a redução gradual do diurético. Pacientes com insuficiência renal deverão iniciar com 1/2 comprimido ao dia e, se necessário, aumentar até no máximo 1 comprimido ao dia. NAPRIX D ramipril/hidroclorotiazida deve ser administrado com o suficiente de água antes, durante ou após as refeições.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0033.0094.

 

LIBBS Farmacêutica Ltda.

 

 

 

 

Pozato

 

Levonorgestrel

 

 

Composição e apresentação — Cada comprimido contém: Levonorgestrel 0,75 mg. Excipientes: Lactose, celulose microcristalina, polividona, estearato de magnésio, carmelose sódica, dióxido de silício coloidal e corante azul-indigotina, q.s.p. 1 comprimido. Cartucho contendo 1 blister com 2 comprimidos de 0,75 mg.

 

Indicações — POZATO (levonorgestrel) é indicado para contracepção de emergência. Deve ser tomado até 72 horas após relação sexual desprotegida, falha do contraceptivo ou violência sexual e administrado conforme o item Posologia.

 

Contra-indicações — POZATO (levonorgestrel) não deve ser administrado a pacientes grávidas (com gravidez confirmada). Em caso de dúvida pode-se administrar POZATO (levonorgestrel), considerando que, caso a paciente já esteja grávida, o produto será ineficaz. Em casos de doenças hepáticas, icterícia, carcinoma do ovário, do útero ou das mamas e sangramento vaginal de causa não-diagnosticada, deve-se ter cautela em administrar POZATO (levonorgestrel).

 

Precauções — POZATO (levonorgestrel) é indicado somente para contracepção de emergência com eficácia menor que o anticoncepcional hormonal regular. É eficaz apenas quando tomado em até 72 horas após o ato sexual, sendo mais efetivo nas primeiras 48 horas, podendo diminuir a seguir. Deve-se certificar que a paciente não está grávida antes de iniciar o tratamento. As pacientes portadoras de doenças cardiovasculares severas, enxaqueca, asma, hipertensão, insuficiência renal, diabetes mellitus, distúrbios lipídicos, doenças tromboembólicas, tromboflebites, AVC, epilepsia e depressão intensa devem ser observadas com grande atenção. O levonorgestrel pode diminuir a produção de leite materno. Observação: Não existem evidências de que o levonorgestrel possa ser prejudicial à mulher grávida ou ao feto.

 

Reações adversas — Náusea é a principal reação adversa que afeta as pacientes tratadas com levonorgestrel. Com menos freqüência pode também ocorrer vômito. Atenção: Se o vômito ocorrer até duas horas após a administração de POZATO (levonorgestrel), a dose deve ser repetida. Em algumas pacientes poderão ocorrer sangramentos uterinos irregulares. Na maioria das pacientes espera-se que ocorra a menstruação no período correto. Se não ocorrer, deve-se considerar a possibilidade de gravidez. Em menor escala podem ocorrer também tontura, cefaléia, sensibilidade das mamas e retenção de líquido. Essas reações são geralmente passageiras e sua duração não ultrapassa 24 horas.

 

Posologia — Deve-se tomar 1 comprimido de POZATO (levonorgestrel) após relação sexual desprotegida ou acidente contraceptivo o mais rapidamente possível, dentro de, no máximo, 72 horas. O segundo comprimido deve ser tomado 12 horas depois da primeira dose. Se ocorrer vômito dentro de 2 horas após a tomada da dose, deve-se repeti-la. POZATO (levonorgestrel) pode ser usado independentemente da fase do ciclo menstrual.

 

Superdosagem — Em mulheres a superdosagem pode causar sangramento de supressão e náuseas. Não se observaram efeitos adversos maiores quando ocorreram ingestões de grandes quantidades da droga por crianças. Caso ocorra superdosagem, procure orientação médica.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0033.0095.

 

LIBBS Farmacêutica Ltda.

 

 

 

 

Vasclin

 

Ácido acetilsalicílico

Mononitrato de isossorbida

 

 

Composições e apresentações — Cada cápsula de VASCLIN 100/60 contém: Ácido acetilsalicílico 100 mg; Mononitrato de isossorbida 60 mg; Excipientes (lactose, ftalato de hidroxipropilmetilcelulose e sacarose) q.s.p. 1 cápsula. Cartucho contendo frasco plástico com 30 cápsulas. Cada cápsula de VASCLIN 100/40 contém: Ácido acetilsalicílico 100 mg; Mononitrato de isossorbida 40 mg; Excipientes (lactose, ftalato de hidroxipropilmetilcelulose e sacarose) q.s.p. 1 cápsula. Cartucho contendo frasco plástico com 30 cápsulas.

 

Indicações — Profilaxia e tratamento da angina de peito e da isquemia miocárdica com ações antiagregante e plaquetária. Como auxiliar terapêutico, a critério médico: durante a fase aguda do infarto do miocárdio, da angina instável e no tratamento da insuficiência cardíaca, principalmente de origem isquêmica coronária.

 

Contra-indicações — Insuficiência cerebrovascular severa, hemorragia cerebral, ferimentos na cabeça, hipovolemia, hipotensão, anemia profunda, infarto agudo do miocárdio com baixa pressão de enchimento do ventrículo esquerdo, doenças hemorrágicas, úlcera péptica e alergia a algum componente da fórmula.

 

Precauções — Deve-se utilizar com cautela em pacientes com insuficiência renal ou hepática, glaucoma, no hipotireoidismo e em pacientes desnutridos. O álcool pode intensificar o efeito vasodilatador dos nitratos. Uso durante a gravidez: Não existem estudos adequados e bem controlados com VASCLIN (ácido acetilsalicílico e mononitrato de isossorbida) em mulheres grávidas. Como não foi estabelecida a sua utilização com segurança, VASCLIN (ácido acetilsalicílico e mononitrato de isossorbida) não deve ser utilizado durante a gravidez, a não ser que os benefícios esperados para a paciente sejam maiores que os potenciais riscos para o feto, a critério médico. Uso durante a lactação: Não se estudou a excreção dos componentes do VASCLIN (ácido acetilsalicílico e mononitrato de isossorbida) no leite materno. Tendo em vista que algumas drogas são excretadas através desta via, o médico deverá decidir entre interromper a amamentação ou suspender o tratamento com VASCLIN (ácido acetilsalicílico e mononitrato de isossorbida), considerando a relevância do medicamento para a mãe e o risco potencial para a criança.

 

Reações adversas — Podem ocorrer ocasionalmente: hipotensão, cefaléia e vasodilatação cutânea com eritema, sintomas que tendem a desaparecer no decorrer do tratamento.

 

Posologia — Tomar 1 cápsula pela manhã ou a critério médico.

 

Interações medicamentosas — Podem ocorrer interações com anti-hipertensivos, anticoagulantes, valproato sódico, fenitoína, hipoglicemiantes orais, metoclopramida, sulfonamidas, metotrexato, corticosteróides, AINEs, diuréticos, probenecida e sildenafil.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

 

Serviço de Atendimento Libbs: 0800-135044.

 

Registro no M.S. 1.0033.0091.

 

LIBBS Farmacêutica Ltda.

 

 

 EQUIPLEX BROMETO DE N-BUTILESCOPOLAMINA (Equiplex). Antiespasmódico. Amp. com 20 mg.

 

 

 EQUIPLEX CIMETIDINA (Equiplex). Úlcera péptica. Amp. com 300 mg.

 

 

 EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 5% (Equiplex).

 

 

 EQUIPLEX DICLOFENACO DE POTÁSSIO (Equiplex). Antiinflamatório. Amp. com 75 mg.

 

 

 EQUIPLEX DEXAMETASONA (Equiplex). Corticóide. Amp. com 2 e 10 mg.

 

 

 EQUIPLEX DICLOFENACO DE SÓDIO (Equiplex). Antiinflamatório. Amp. com 75 mg.

 

 

 EQUIPLEX METOCLOPRAMIDA (Equiplex). Antiemético. Cx. com 100 amp. de 2 ml com 10 mg.

 

 

 EQUIPLEX METRONIDAZOL CLORIDRATO 0,5% (Equiplex). Antiinfeccioso.

 

 

 EQUIPLEX N-BUTILBROMETO DE ESCOPOLAMINA + DIPIRONA SÓDICA (Equiplex). Analgésico e antiespasmódico. Ampola.

 

 

 EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 50% (Equiplex). Ampola.

 

 

 EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 10% (Equiplex).

 

 

 EQUIPLEX SOLUÇÃO DE GLICOSE 75% (Equiplex). Ampola.

 

 

 EQUIPLEX SOLUÇÃO FISIOLÓGICA DE CLORETO DE SÓDIO 20% (Equiplex). Ampola.

 

 

 EQUIPLEX SULFATO DE ATROPINA (Equiplex). Antiespasmódico. Amp. com 0,25 e 0,5 mg.

 

 

 CLOMAZEN (União Química). Clotrimazol. Antimicótico. Bisn. com 20 g de creme.

 

 

 ACICLOVIR 200 MG (Ranbaxy). Herpes. Blísteres com 10 e 25 comp.

 

 

 ACICLOVIR 400 MG (Ranbaxy). Herpes. Blísteres com 10 e 25 comp.

 

 

 AMOXICILINA(Ranbaxy). Antibiótico. Blísteres com 6, 20 e 200 cáp. de 500 mg; blíster com 21 comp. de 500 mg; fr. com 150 ml de susp. com 250 mg/5 ml.

 

 

 

 

Clomid

 

Citrato de clomifeno

 

 

Indicação — Tratamento da infertilidade feminina decorrente da anovulação.

 

Contra-indicações — Hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula; gravidez e lactação; insuficiência hepática, metrorragia; cisto ovariano.

 

Precauções e advertências — É necessário a realização de um exame pélvico antes do inicio de cada ciclo de tratamento, que deve excluir a presença de carcinoma nestas pacientes; não deve ser administrado na presença de cistos ovarianos; há um aumento na probabilidade da ocorrência de gravidez múltipla e de alterações na gravidez e anomalias congênitas; podem ocorrer anormalidades visuais durante o tratamento com CLOMID, tornando arriscadas as atividades como dirigir e operar máquinas.

 

Reações adversas — Aumento de volume do ovário; flushes vasomotores ou 'fogachos'; desconforto pélvico-abdominal; sintomas visuais; alterações cutâneas; sintomas neurológicos; disfunção hepática; neoplasias endócrino-dependentes; náuseas, mal-estar gástrico, poliúria, metrorragia funcional, aumento de peso, hipersensibilidade mamária e disúria.

 

Interações medicamentosas — Não há relatos específicos de interação com outros medicamentos, entretanto, o médico deve ser informado pela paciente sobre outros medicamentos em uso concomitante, principalmente medicamentos que atuam na síntese do colesterol.

 

Posologia — O tratamento consiste de 3 ciclos, o qual pode ser contínuo ou alternado, a critério médico. Após o tratamento, a paciente deve tentar a gravidez. A dose recomendada para o primeiro ciclo do tratamento é de 50 mg (1 comprimido) ao dia, durante 5 dias. Se a ovulação não ocorrer após o primeiro ciclo de tratamento, deve ser instituído um segundo ciclo com 100 mg ao dia, durante 5 dias, após 30 dias do tratamento anterior. O aumento da posologia não deve ultrapassar a dose e duração de 100 mg/dia por 5 dias.

 

Apresentação — Comprimidos de 50 mg: Caixa com 10 comprimidos.

 

Venda Sob Prescrição Médica.

 

Registro no M.S. 1.0181.0255.

 

MEDLEY S/A Indústria Farmacêutica.

 

 

 AXETIL CEFUROXIMA (Ranbaxy). Antibiótico. Blísteres com 10 comp. de 250 e 500 mg; fr. com 50 ml de susp. com 125 e 250 mg/5 ml.

 

 

 CEFOTAXIMA SÓDICA (Ranbaxy). Antibiótico. Emb. com 1 e 25 fr.-amp. de 1 g + diluente; fr.-amp. de 500 mg + diluente.

 

 

 

 

Celen®  AF

 

Cefalexina

 

Uso adulto e pediátrico

 

 

Forma farmacêutica e apresentações — CELEN® AF Comprimidos de liberação prolongada de 375 mg ou 750 mg: Embalagens com 4 ou 20 comprimidos.

 

Indicações — CELEN® AF é indicado no tratamento das seguintes infecções causadas por patógenos sensíveis: sinusites bacterianas causadas por estreptococos, S. pneumoniae e Staphylococcus aureus (somente os sensíveis à meticilina); infecções do trato respiratório causadas por S. pneumoniae e S. pyogenes (a penicilina é o antibiótico de escolha no tratamento e prevenção de infecções estreptocócicas, incluindo a profilaxia da febre reumática. A cefalexina é geralmente eficaz na erradicação de estreptococos da nasofaringe; contudo, dados substanciais estabelecendo a eficácia da cefalexina na prevenção tanto da febre reumática ou da endocardite bacteriana não estão disponíveis até o momento); otite média devido a S. pneumoniae, H. influenzae, estafilococos, estreptococos e M. catarrhalis. Infecções da pele e tecidos moles causadas por estafilococos e/ou estreptococos. Infecções ósseas causadas por estafilococos e/ou P. mirabilis. Infecções de trato geniturinário, incluindo prostatite aguda, causadas por E. coli, P. mirabilis e Klebsiella pneumoniae. Infecções  dentárias causadas por estafilococos e/ou estreptococos. Deverão ser realizados testes de sensibilidade à cefalexina em culturas apropriadas do microrganismo causador. Estudos da função renal devem ser efetuados quando indicado.

 

Contra-indicações — A cefalexina está contra-indicada a pacientes com histórico de hipersensibilidade às cefalosporinas.

 

Reações adversas — A cefalexina é geralmente bem tolerada. Efeitos adversos habitualmente descritos incluem náusea, vômito, cólicas abdominais, diarréia e erupção cutânea. Reações de hipersensibilidade como anafilaxia, eritema polimorfo ou síndrome de Stevens-Johnson são raras. Hipoprotrombinemia e anemia hemolítica foram relatadas raramente. Tem-se observado também dispepsia e dor abdominal, como acontece com algumas penicilinas ou cefalosporinas. Hepatite transitória e icterícia colestática têm sido raramente relatadas. Foi relatada colite pseudomembranosa com o uso de antibióticos de amplo espectro; portanto, é importante considerar este diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarréia intensa durante ou após o uso de antibióticos. Outras reações incluem pruridos anal e genital, monilíase genital, vaginite e corrimento vaginal, tonturas, fadiga e dor de cabeça, agitação, confusão, alucinações, artralgia, artrite e doenças articulares. Tem sido raramente relatada nefrite intersticial reversível, eosinofilia, neutropenia, trombocitopenia, e elevações moderadas da transaminase glutâmico-pirúvica no soro (TGP) têm sido referidas.

 

Posologia — A dose habitual para adultos é de 750 mg duas vez