Evolução e Registo Fóssil

Evolução e Registo Fóssil

(Parte 2 de 3)

Órgãos que dese mpenha m a mes ma função e m certas espécies mas te m orige m e mbrionárias diferentes.orige m e mbrionárias diferentes.

Exe mplo: Asas dosinsectos e aves.

Estruturas atrofiadas e se m função existente.função existente.

Exe mplo: ossos da cauda das aves.

Argumentos paleontológicos

O estudo do registo fóssil de espécies extintas per mite a elaboração defortes argu mentos afavor do Evolucionis mo.

A descoberta de fósseis de transição ou for mas sintéticas te m per mitido o estabeleci mento de relações filogenéticas entre diferentes grupos actuais.

Exe mplo: Archaeopteryx, Pteridospér micas, Ichtyostega.

Darwin e os fósseis

Os fósseis observados por Darwin per mitira m a explicação de vários aspectos que ainda não estava m esclarecidos nasuateoria;

Segundo Lyell, os processos geológicos ocorre m lenta mente;

Logo a vida encontra-se e m constante mudança e, para ocorrer evolução, é necessário te mpo (a idade que Lyell previu para a Terra veio per mitir a quantidade de te mpo necessária para ocorrer evolução);

Quando Darwin propôs que a Evolução se dava pela Selecção Natural, oregistofóssil oferecia ainda poucas evidências queoferecia ainda poucas evidências que apoiasse m assuasideias;

Actual mente os paleontólogos conta m co m maisinfor mação fossilífera do que aquela que dispunha Darwin;

Oregistofóssil é dos dados que melhor apoia m o evolucionis mo;

Através da paleontologia conclui-se que o nosso Através da paleontologia conclui-se que o nosso planeta foi habitado por seres diferentes dos actuais;

Os fósseis per mite m ao geólogo a deter minação da idade relativa dos terrenos; per mite-lhe ta mbé mfazerreconstituições paleogeográficas;

Apesar da enor me diversidade de seres, alguns apresenta m características muito se melhantes, que leva m a crer na sua orige m co mu m. Darwin to mou co moorige m co mu m. Darwin to mou co mo exe mplo as tartarugas existentes nasilhas Galápagos;

Competição e seus efeitosefeitos

Competição e evolução

Definição

-Interacção (-/-) de indivíduos da mesma espécie ou espécie diferentes (humana, animal ou vegetal) que disputam por algo;

-disputa por alimento, pelo território, pela luminosidade, pela fêmea, pelo macho, etc.

intra-específica-competição entre a mesma espécie intra-específica-competição entre a mesma espécie

Inter específica-entre espécies diferentes -preferências alimentares idênticas

-Em ambos os casos, esse tipo de interacção favorece um processo selectivo que culmina, geralmente, com a preservação das formas de vida melhor adaptadas ao meio ambiente, e com a extinção de indivíduos que apresenta baixo poder adaptativo selecção natural

Objectivo da competição:

- Os co mporta mentos co mpetitivos tê m co mo objectivo não só a sobrevivência de cada indivíduo mas ta mbé m a dos seus descendentes,isto é, oseus descendentes,isto é, o futuro da espécie.

Efeitos da competição:

Estainteracção pode decidir quais os me mbros das espécies que per manece m nu ma co munidade;

Constitui u m factor regulador da densidade populacional, contribuindo para evitar a superpopulação das espécies;

Teoria de Darwin -Selecção natural

Princípio básico das ideias de Darwin:

-Na "luta" pela vida, organismos com variações favoráveis às condições do ambiente onde vivem têm maiores possibilidades de sobrevivência, quando comparados aos organismos com variações menos favoráveis.organismos com variações menos favoráveis.

- A co mpetição, é portanto, necessária para sobrevivência das espécies e até mes mo àvida.

Legenda:Os répteis constituem a primeira classe de animais vertebrados a conquistar definitivamente o meio terrestre; para isso, foi necessário sofrerem uma série de adaptações

Competição por alimento

Noregistofóssil é possível verificar os vários comportamentosrelativamenteàalimentação.

Legenda: Caracóis marinhos que se ali menta m através da perfuração da concha para atingir o corpo mole nointerior.

- A perfuração pela mistura de produtos químico s de mora vários dias, mas so bstress de co mpetiçã o, o ataque dos ca racóis oco rre na borda da co nch a, maisrápido.

Competição sexual

Selecção sexualdepende dosucesso de alguns indivíduos e m relação aos outros do mes mo sexo, e m relação à propagação da espécie; relação à propagação da espécie;

Selecção natural- depende do su ce sso de a mbos os se xo s, e m todas as idades, e m relaçã o às condições gerais de vida.

Nos grupos em que as fêmeas são as principais responsáveis pelos cuidados parentais (muitas das espécies invertebradas).

Machos são susceptíveis de competir uns com os outros para o sucesso no acasalamento.

Selecção:Selecção: melhores habilidades competitivos dos machos selecção intrasexual

Características que melhoram a sua atracção para as fêmeas selecção inter- sexual

Co mpetição Intrasexual:

Evidência entre machos que acasala m co m várias fê meas.

Os machos pode m apresentar“ar ma mento” co mpetitivo. Exe mplo:cornos, chifres

(Parte 2 de 3)

Comentários