BPF de Pesquisa e Desenvolvimento cosméticos

BPF de Pesquisa e Desenvolvimento cosméticos

(Parte 1 de 8)

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM PESQUISA E DESENVOLVIMENTO para a Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

PALAVRAS-CHAVE – pesquisa; desenvolvimento; cosméticos; qualidade; higiene pessoal; perfumaria; Mercosul

NOVEMBRO/2007

É com muita satisfação que colocamos a disposição dos profissionais do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, da Comunidade Acadêmica e dos demais interessados o Manual de Boas Práticas em Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos para a Indústria de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos.

Esta edição é resultado do PLANO DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL

– COSMÉTICOS, convênio de cooperação técnica e financeira celebrado entre a ABDI, a ABIHPEC e o SEBRAE. Esta parceria foi firmada para com o objetivo de fortalecer o setor por meio de ações integradas, voltadas à difusão do conhecimento e à capacitação de profissionais, a fim de ampliar nosso potencial inovador e a promover uma mudança no patamar competitivo das empresas, notadamente as de micro e pequeno porte.

Simplicidade e objetividade foram premissas adotadas na elaboração destas publicações, que não pretendem esgotar o assunto, mas disseminar a cultura da qualidade e do respeito ao consumidor.

Agradecemos a todos os profissionais que se envolveram neste trabalho, comentários e sugestões para as próximas edições serão bem vindos. Uma boa leitura a todos.

5MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

1. INTRODUÇÃO7
2. OBJETIVO8
3. DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO8
3.1 PLANEJAMENTO DO BRIEFING DO PRODUTO8
3.1.6. Concorrência15
3.2 AVALIAÇÃO TÉCNICA E VIABILIDADE16
3.2.1. Levantamento bibliográfico dos ativos16
3.2.2. Benefícios e eficácia do produto16
3.2.3. Investigação de marcas e patentes16
3.2.4. Permissão de uso das matérias-primas pesquisadas16
3.2.5. Avaliação das matérias-primas (FISPQ/MSDS)16
3.2.6. Estudo de viabilidade econômica17
3.2.7. Possíveis interações entre as matérias-primas17
3.2.8. Qualificação de novos fornecedores17
3.2.9. Investimento em equipamentos e/ou tecnologias17
3.2.10. Estudo de viabilidade de produção industrial17
3.2.1. Definição da embalagem18
3.2.12. Estudo de impacto ambiental18
3.3 DESENVOLVIMENTO DE FORMULAÇÕES E EMBALAGEM18
3.3.1. Elaboração das formulações iniciais18
3.3.2. Testes de funcionalidade do produto18
3.3.3. Estudo de estabilidade19
3.3.4. Verificação dos custos envolvidos19
3.3.6. Definição das especificações do produto19
3.3.7. Controle de qualidade para os processos de fabricação20
3.3.8. Possíveis interações entre os ingredientes do produto20

3.3.5. Geração de uma tecnologia e/ou produto passível de patente _19 3.3.9. Possíveis interações entre a formulação e a embalagem _____20

3.3.10. Definição de análises físico-químicas e microbiológicas20
3.3.1. Descrição dos ingredientes INCI20
3.3.12. Dossiê de Produtos21
3.3.15. Definição da rotulagem e material de divulgação23
3.3.16. Adequação dos dizeres legais23
3.3.17. Realização de teste de mercado23
3.3.18. Regularização no Ministério de Saúde23
3.4 IMPLEMENTAÇÃO PARA FABRICAÇÃO EM ESCALA INDUSTRIAL23
3.4.1. Treinamento de operadores23
3.4.2. Análises e parâmetros de CQ para o processo industrial23
3.4.3. Realização de lote piloto24
3.4.4. Estudo de estabilidade físico-químico e quantitativo24
3.5 ESTRUTURA DE APOIO PARA LANÇAMENTO DO PRODUTO24
3.5.1. Preparação do material de divulgação24
3.5.2. Treinamento da força de venda24
3.5.3. Estruturação da campanha de lançamento24
3.5.4. Treinamento do Serviço de Atendimento ao Consumidor24
3.5.5. Implementação de um Sistema de Cosmetovigilância25
3.5.6. Disponibilização de um SAC25
3.5.7. Performance da campanha promocional25
7. LEGISLAÇÕES ESPECÍFICAS DA ÁREA34

7MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

1. INTRODUÇÃO

ção em suas diversas etapas

O processo de desenvolvimento de um produto cosmético exige constante aten-

As etapas aqui apresentadas são as consideradas principais para um desenvolvimento de produto, e cada empresa pode adequá-las ao seu próprio sistema de gestão de negócios.

Outros manuais relacionados ao tema podem ser consultados, assim como a busca de apoio em instituições reconhecidamente competentes na ação de orientar e gerir negócios no mercado de produtos cosméticos.

O Manual de Boas Práticas para Desenvolvimento de Produtos Cosméticos é um eficaz recurso que as empresas podem aplicar em sua estrutura de trabalho, conforme suas necessidades e condições, facilitando assim, a implantação de processos de desenvolvimento de produtos em sua rotina.

A fabricação e o comércio de cosméticos têm uma extensa regulamentação coordenada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Para administrar e fabricar produtos cosméticos de qualidade é necessário conhecer as legislações específicas da área, e com esse intuito as listamos em um capítulo à parte para facilitar a consulta.

O estabelecimento de diretrizes no processo de desenvolvimento de produtos cosméticos aperfeiçoa a finalização do projeto, proporcionando a obtenção de um produto com as características desejadas e projetadas no início de sua idealização, atendendo às necessidades de segurança, eficácia e sensorial do produto.

Este manual proporciona uma visão geral do projeto e possibilita o controle de todas as suas fases e flexibilidade na execução das ações.

8MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

2. OBJETIVO

Este Manual tem por objetivo apresentar aos profissionais e ao setor de Higiene

Pessoal, Cosméticos e Perfumaria recomendações e orientações sobre as principais ferramentas utilizadas no processo de desenvolvimento de produtos.

3. DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO

etapa

De uma forma geral as etapas e as decisões do processo de desenvolvimento são: planejamento do briefing do produto, avaliação técnica e viabilidade, desenvolvimento de formulações e embalagem, implementação para fabricação em escala industrial e estrutura de apoio para o lançamento. Vamos ver cada

3.1. PLANEJAMENTO DO BRIEFING DO PRODUTO

O planejamento de um briefing é um dos pontos mais importantes e que podem definir o sucesso de um projeto. Para dar o início a um projeto pode-se montar um briefing com as informações básicas e que depois serão detalhadas com outras informações que veremos a seguir.

BRIEFING: Palavra inglesa, de ascendência latina, deriva de brief, que significa síntese, resumo; instrução específica geralmente divulgada antes de alguma ação, que visa preparar uma pessoa ou um grupo para um determinado modo de agir. Portanto, briefing significa diretriz ou instruções concisas e objetivas sobre determinado assunto, tarefa ou missão.

Briefing é onde estão as primeiras informações sobre o produto a ser desenvolvido. Essa etapa, que antecede a criação de um produto, apresenta informações sobre o desenvolvimento de um projeto, tais como: Conceito da linha/produto e público-alvo

Sugestão de nome do produto/linha

Composição da linha e extensões

Benefícios e diferenciais

Preço estimado de venda

Custo estimado de matéria-prima

Data prevista de lançamento

Características e/ou Benchmarking

Direcionamento olfativo

Forma física

Embalagem

Capacidade de produção/terceirização

9MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

A seguir um exemplo simplificado de um briefing:

Briefing Linha Surf* * nomes fictícios

A. Nome da linha Linha Pró-Surf*

B. Público-alvo Público praticante de esportes radicais no mar, classes A e B

C. Conceito da linha O jovem esportista está cada vez mais consciente dos benefícios de utilizar produtos adequados ao seu estilo de vida, para isso encontrará na linha Pró-Surf todos os produtos que procura, dentro da praticidade que exige. D. Composição da linha e extensões Linha composta de fotoprotetor fator 50, protetor labial, gel refrescante pós-sol, xampu 2x1.

E. Benefícios e diferenciais Produtos de fácil aplicação, sensorial leve, ação e eficiência comprovada, ativos fotoestáveis, kit para ser levado à praia.

F. Preço estimado de venda Fotoprotetor fator 50 = R$ 75,0 Protetor labial = R$ 32,0 Gel refrescante pós-Sol= R$ 45,0 Xampu 2x1 = R$ 58,0

G. Custo estimado de matéria-prima Fotoprotetor fator 50 = R$ 12,25/unidade de 350ml Protetor labial = R$ 7,80/unidade Gel refrescante pós-Sol= R$ 3,12/unidade de 250ml Xampu 2x1 = R$ 4,25/unidade de 350ml

H. Data prevista de lançamento Segundo semestre de 2008

(Parte 1 de 8)

Comentários